Alimentação Saudável

Chá de arruda faz descer a menstruação? Pode provocar aborto?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, o chá de arruda pode fazer descer a menstruação e provocar aborto. A arruda possui em suas folhas um elemento chamado rutina, que tem como principal ação provocar ou acelerar a menstruação, propriedade conhecida como emanagoga. Por isso, o chá de arruda é contraindicado durante a gravidez.

A rutina presente na arruda estimula as fibras musculares do útero, provocando contrações uterinas que podem causar sangramentos. Se a mulher estiver grávida, pode levar ao aborto e à morte do feto. Caso não ocorra um aborto, pode haver anomalias ou malformações fetais.

A rutina é um flavonoide presente nas folhas da arruda. Por estimular e acelerar a menstruação, o chá de arruda é frequentemente usado por mulheres em casos de ausência ou atraso da menstruação.

Além de ser abortivo, o chá de arruda faz mal à saúde?

Além de ser emenagogo e abortivo, o chá de arruda pode provocar intoxicações no organismo se for consumido em grandes quantidades.

Em excesso, o chá de arruda pode causar ainda ansiedade e fobias, além de irritar o intestino. Quando consumido regularmente, o chá de arruda pode ser prejudicial para o fígado e para os rins.

Além das gestantes, o chá de arruda também é contraindicado para crianças com menos de 6 anos de idade e pessoas com doença hepática ou renal, doença inflamatória do intestino, colite e úlceras.

É importante ressaltar que a arruda é considerada uma planta tóxica. A ingestão de 120 g da planta pode causar forte dor estomacal e complicações que podem levar à morte.

O consumo de arruda considerado seguro para pessoas saudáveis e mulheres que não estão grávidas é de 30 mg por dia.

Quais os outros chás que podem causar aborto?

Outros chás que são considerados abortivos ou teratogênicos (que podem causar malformação no feto) e por isso são contraindicados durante a gestação: alecrim, arnica, artemísia, barbatimão, boldo, buchinha do norte, cambará, cânfora, carqueja, cipó-mil-homens, confrei, erva-de-bicho, espirradeira, erva-de-santa-maria, eucalipto, gengibre, melão-de-são-caetano, pinhão-de-purga ou pinhão-paraguaio e poejo.

Para maiores esclarecimentos sobre os chás que podem fazer descer a menstruação ou causar aborto, fale com o seu médico ginecologista.

Minha barriga tem feito barulho, pode ser gases?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Barulho na barriga está relacionado com o movimento dos intestinos (peristaltismo intestinal). Esse movimento é típico do processo completo da digestão e está presente ao longo de todo o tubo digestivo, desde o esôfago e o estômago aos intestinos.

Normalmente, o movimento se dá pela presença das secreções que se misturam com a comida ingerida pela pessoa. A mistura de fezes líquidas e gases quando o intestino faz seu movimento produz esses sons que são percebidos pela pessoa e às vezes ouvidos por quem estiver por perto.

Apesar de desconfortáveis e fazer com que a pessoa fique com vergonha, esse barulho é algo natural do nosso organismo.

Quais as causas de gases intestinais?

Os gases intestinais são formados pelo ar que é engolido com a alimentação e pelas bactérias que habitam o intestino, sobretudo após a ingestão de certos alimentos como feijão, grão-de-bico, ervilhas, leite, brócolis, lentilhas, repolho, entre outros.

Pessoas que não produzem enzimas que atuam na digestão e “quebra” de alguns tipos de açúcares também tendem a produzir mais gases após a ingestão de alimentos que possuem esses açúcares. É o caso, por exemplo, dos indivíduos com deficiência de lactase, a enzima que atua na digestão da lactose, o açúcar do leite.

Os gases intestinais também podem ser causados pelo uso de medicamentos antibióticos, síndrome do cólon irritável e má absorção intestinal.

Quais são os sintomas de gases intestinais?

A presença de gases intestinais provoca dor abdominal e deixa a barriga dura e inchada, podendo causar barulhos dentro da barriga e expulsão excessiva de gases.

Algumas pessoas são mais tolerantes à produção de gases intestinais e não sentem muito desconforto, mesmo quando são produzidos em grandes quantidades, enquanto outras sentem incômodo mais facilmente.

Qual é o tratamento para gases intestinais?

Para facilitar a saída dos gases, é recomendado atividade física frequente, como por exemplo a caminhada, que ajuda a eliminação dos gases. Além disso, evitar alimentos que aumentam a produção de gases como doces, refrigerante, massas, entre outros.

O controle da produção de gases intestinais é feito através de ajustes na alimentação, evitando alimentos que aumentam a produção dos mesmos. Para identificar qual o alimento ou o grupo de alimentos que causam o problema, pode ser necessário ir eliminando cada um pouco a pouco da dieta.

Alguns medicamentos, como a dimeticona e o salicilato de bismuto ajudam a eliminar os gases e aliviam os sintomas, como a dor e o desconforto.

Na persistência dos sintomas, consulte um médico de família ou um clínico geral para uma avaliação e orientação quanto ao tratamento adequado.

Foram detectados cristais de oxalato de cálcio na minha urina. O que é possível fazer para eliminá-los do organismo?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Primeiramente, é importante frisar que o fato de você apresentar cristais de oxalato de cálcio no exame de urina não significa que você terá cálculo renal, ou que haverá prejuízo a sua saúde.

Algumas pessoas tem predisposição a ter cálculos renais de repetição e nestas pessoas é necessária a investigação para afastar doenças metabólicas.

Nos pacientes que apresentam cálculos renais de repetição, normalmente sintomáticos (levando à cólica renal), é necessária a investigação radiológica (com tomografia ou ultra-som) para determinar a quantidade e tamanho dos cálculos, pois pode ser necessária abordagem cirúrgica, e também investigação sobre distúrbios metabólicos que podem estar associados à predisposição para formação de cálculos. Estes distúrbios estão associados a presença aumentada de cálcio, ácido úrico ou oxalato, ou a diminuição de citrato na urina, e devem ser dosados em exame de urina de 24 horas.

A dieta é muito importante no tratamento dos cálculos renais de repetição e algumas orientações devem ser seguidas:

  • ingestão de líquidos de no mínimo 2,5 litros ao dia. Chás mate e preto devem ser evitados, por conterem oxalato. Sucos de limão e laranja devem ser consumidos por serem ricos em citratos (considerados inibidores da formação de cálculos);

  • evitar o consumo de bebidas alcoólicas. Estas bebidas são ricas em purinas, que devem ser evitadas por pacientes com hiperexcreção de ácido úrico.

  • não restringir da dieta alimentos ricos em cálcio, como leites, queijos e iogurtes. Vegetais verdes escuros também devem ser consumidos;

  • aumentar o consumo de hortaliças e frutas, pois a baixa ingestão de potássio é fator de risco para litíase renal;

  • diminuir o consumo de produtos industrializados, em conserva e embutidos, pelo excesso de sódio presente nestes alimentos;

  • evitar a ingestão de carboidratos simples, pois estes aumentam a excreção de cálcio na urina;

  • evitar consumo excessivo de carnes, pois tem alto teor de purinas, aumentando a excreção na urina de ácido úrico;
  • incluir na dieta alimentos ricos em fitatos, como cereais integrais, leguminosas e oleaginosas, pois estes diminuem a chance de formação de cálculos;
  • evitar suplemento de vitamina C, por aumentar a excreção de oxalato.

Os pacientes com cálculos renais de repetição devem ser seguidos por médico nefrologista e urologista.

5 Alimentos que quem tem gastrite deve comer
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os alimentos indicados para quem tem gastrite são:

  1. Pães
  2. Frutas
  3. Carnes magras
  4. Gengibre e
  5. Batata

Esses alimentos servem para aliviar ou evitar a piora dos sintomas da gastrite, principalmente a dor.

Tais alimentos devem estar incluídos na dieta pois ajudam a proteger a mucosa gástrica (parede do estômago), facilitam a cicatrização de feridas que porventura já existam, evitam o agravamento dessas lesões e favorecem o bom funcionamento do estômago.

Outros alimentos indicados para quem tem gastrite são: cereais, arroz, massas, leite e derivados desnatados ou light, peixes, ovo cozido, gelatina, manjar, temperos frescos e chás (erva doce, camomila, cidreira, hortelã, maçã).

1. Pães

O pão protege a mucosa do estômago e atua como uma esponja, absorvendo parte do suco gástrico que poderia agravar os sintomas da gastrite.

2. Frutas

Quem tem gastrite deve comer entre 2 e 4 frutas por dia. Maçã, banana, pera, mamão e melão estão entre as mais indicadas. Frutas ácidas como laranja, abacaxi, kiwi, morango e limão podem irritar a parede do estômago, dependendo da tolerância de cada um.

3. Carne magra

A proteína mais indicada na dieta de pessoas com diagnóstico de gastrite deve ser sempre a carne magra. Menor teor de gordura e preparado assado, cozido ou grelhado. O frango deve ser consumido sem pele.

4. Gengibre

O gengibre tem ação anti-inflamatória, reduzindo assim os sintomas, como a dor, a queimação e as náuseas. Além disso, possui propriedades antissépticas e bactericidas que auxiliam na eliminação e controle da Helicobacter pylori.

Para isso, o gengibre deve ser consumido cru. Basta cortar um pedaço de 2 cm de gengibre, descascar e mastigá-lo puro ou misturar na comida. Se preferir, pode optar pelo chá de gengibre.

5. Batata

O suco de batata crua ajuda a proteger o estômago dos sintomas da gastrite, diminuindo a acidez, a queimação, a dor e a azia. O suco pode ser obtido espremendo uma batata grande ralada com um pano ou contra um coador bem fino. Lembrando que o suco deve ser bebido puro.

A dieta para gastrite deve ainda ser rica em líquidos (água e sucos) e lembrar sempre que todo alimento deve ser ingerido com moderação. Nada em excesso faz bem ao nosso organismo.

Recomendações para quem tem gastrite
  • Se alimentar várias vezes ao dia e com pequenas porções de alimentos. O recomendado é fazer de 5 a 6 refeições por dia (café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar, ceia) e não ficar mais de 3 horas em jejum.
  • Comer com calma, é importante comer devagar, em ambientes tranquilos e mastigar bem os alimentos, evitando beber durante as refeições.
  • Evitar alimentos que irritam o estômago, como as frituras, os picantes, os ácidos, temperos, condimentos, ketchup, mostarda, feijão, leguminosas, brócolis, couve, carnes gordas, gorduras e frituras, bebidas gaseificadas e alcoólicas.
  • Evitar o estresse, outro fator que deve ser controlado para diminuir as crises de gastrite.
  • Evitar o uso excessivo de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios ou se auto medicar, pois é outra causa bastante comum de gastrite na nossa população.
Qual é o tratamento para gastrite?

Além da dieta, o tratamento da gastrite inclui o uso de medicamentos que diminuem a quantidade de ácido estomacal. Dentre os medicamentos utilizados para tratar a gastrite estão:

  • Antiácidos
  • Inibidores da bomba de prótons
  • Antibióticos (na presença da H.Pylori)

O tipo de medicação usada depende da avaliação médica de cada caso.

No caso da gastrite ser causada pelo uso de anti-inflamatórios, a sua utilização deve ser suspensa e deverá ser avaliada nova proposta de tratamento.

Também é importante tratar a infeção por H. pylori, devido ao risco de causar úlceras ou câncer no estômago. O tratamento da infecção geralmente é feito com medicamentos antibióticos e inibidores da bomba de prótons.

Para prevenir a infecção pela bactéria H. pylori, se recomenda lavar frequentemente as mãos e consumir alimentos bem cozidos. A bactéria pode ser transmitida pela água ou comida contaminadas.

O/A médico/a gastroenterologista é responsável por tratar e esclarecer eventuais dúvidas sobre a gastrite, além de orientar quanto à alimentação mais adequada.

Pode lhe interessar também: Quem tem gastrite pode comer chocolate?

Sertralina emagrece ou engorda?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A Sertralina não tem efeito emagrecedor ou de ganho de peso, mas pode auxiliar as pessoas com distúrbios de ansiedade a controlar o impulso alimentar e, consequentemente, emagrecer. 

Sabe-se que um dos possíveis efeitos colaterais da sertralina é a perda de peso, embora o emagrecimento não seja tão significativo, variando de 0,5 a 1,0 kg. Como o medicamento controla a ansiedade, pode ajudar a pessoa a comer menos e, consequentemente, controlar seu peso ou até emagrecer.

A diminuição da ansiedade, presente nos transtornos psiquiátricos, pode contribuir para que a pessoa consiga controlar melhor sua ingestão de alimentos e optar por uma dieta mais equilibrada.

Além disso, em algumas pessoas, a Sertralina pode causar enjoos e falta de apetite, entre outros efeitos colaterais, o que pode dificultar a ingestão de alimentos e também levar ao emagrecimento.

Porém, há relatos de pessoas que tomaram Sertralina e engordaram, o que faz do aumento de peso um possível efeito adverso do medicamento, embora seja menos frequente.

Para que serve a Sertralina?

A Sertralina ou cloridrato de sertralina é um medicamento que atua no equilíbrio químico da serotonina no cérebro. O remédio pode ser indicado no tratamento do transtorno obsessivo compulsivo, depressão, transtorno do pânico, transtorno pós-traumático, fobia social e síndrome da tensão pré-menstrual. Porém, não há nenhuma indicação direta da medicação para emagrecer ou engordar.

O/a médico/a clínico/a geral ou o/a médico/a de família pode orientar qual o melhor tratamento e quais os especialistas que se deve procurar para auxiliar no ganho ou perda de peso.

Se estiver tomando Sertralina e notar que está emagrecendo ou engordando, fale com o/a médico/a que receitou o medicamento.

O que não pode comer quem tem problemas de fígado?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pessoas que têm problemas de fígado devem evitar:

  • Alimentos gordurosos,
  • Alimentos fritos,
  • Açúcar,
  • Sal,
  • Bebidas alcoólicas,
  • Molhos, condimentos,
  • Creme de leite, leite, queijo, manteiga, margarina e
  • Embutidos como salsicha, salame, linguiça e mortadela.

A dieta de um paciente com problema no fígado deve contemplar alimentos integrais, com baixo índice glicêmico. O leite e os derivados devem ser desnatados. Também deve-se evitar os doces, os alimentos com alto teor de açúcar e as gorduras de origem animal.

Evitar alimentos gordurosos Prefira alimentos integrais

Os carboidratos, como pão, massas e arroz, devem ser preferencialmente integrais, pois contêm mais fibras solúveis, que se unem ao açúcar e às gorduras do bolo alimentar, dificultando a sua absorção.

Diminua o consumo de carboidratos

Alimentos como pães, massas, arroz e batata devem ser consumidos em poucas quantidades. Sempre que possível, consumir a versão integral desses alimentos.

Substitua leites e derivados integrais por desnatados

O leite e os derivados como queijos e iogurtes devem ter sempre o menor teor de gordura possível. Por isso os queijos ricota e cottage são os mais aconselhados. Os demais produtos que consumir, procure sempre pelas opções de desnatados.

Evite alimentos gordurosos

Alimentos gordurosos, como carne vermelha, embutidos, alimentos industrializados e frituras devem ser evitados por pessoas com problemas no fígado. Por ser um dos órgãos que atuam na quebra e eliminação de gordura, quanto mais consumir, mais sobrecarrega o fígado, piorando o problema já existente.

Evite doces e alimentos com muito açúcar

O excesso de glicose (açúcar) aumenta os níveis de triglicerídeos no sangue, agravando os problemas no fígado, da mesma forma que as gorduras.

Aumente o consumo de frutas e vegetais

As frutas, as verduras, os legumes e os vegetais em geral são fontes de fibras, que dificultam a absorção de gorduras e açúcar, auxiliando na digestão e reduzindo a sobrecarga no fígado.

Dê preferência a alimentos com baixo índice glicêmico

Batata doce e frutas como maçã e pera liberam o açúcar mais lentamente. Isso evita picos de glicose no sangue que, em excesso, é transformada em gordura e armazenada no fígado.

Evite bebidas alcoólicas

O álcool é metabolizado pelo fígado. O abuso de bebidas alcoólicas é uma das principais causas de acúmulo de gordura no fígado (esteatose hepática). Além disso, o álcool é bastante calórico, tendo apenas menos calorias que as gorduras, ficando à frente do açúcar e das proteínas no que toca às calorias.

Aposte nos ácidos graxos mono e poli-insaturados

São as chamadas "gorduras boas", pois protegem o coração e os vasos sanguíneos, podendo ainda ajudar a reduzir o colesterol ruim, auxiliando uma das funções hepáticas, que é o controle do colesterol. Castanhas, nozes, amêndoas, azeite, salmão, atum, sardinha, sementes de linhaça e quinoa são alguns dos alimentos que contêm esses ácidos graxos.

A dieta para pacientes com problemas de fígado deve ser elaborada por um especialista, nutricionista ou nutrólogo, de acordo com as recomendações do médico hepatologista.

Leia também: Esteatose hepática tem cura? Qual o tratamento?

Fiz uma cirurgia recentemente. Quando posso beber bebida alcoólica?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Em geral, após uma cirurgia é preciso esperar entre 10 e 30 dias para voltar a beber bebida alcoólica, mas esse tempo varia conforme o tipo de cirurgia e a orientação do/a médico/a. 

O consumo de qualquer tipo de bebida alcoólica no pós-operatório deve ser evitado pelo menos enquanto o/a paciente estiver tomando os medicamentos prescritos.

Em cirurgias de médio e grande porte, normalmente recomenda-se que o paciente fique 30 dias sem consumir bebidas alcoólicas.

Na cirurgia bariátrica (gastroplastia), os pacientes só devem consumir bebidas alcoólicas depois de 6 meses, pois além de ser muito calórico, o álcool pode danificar as mucosas do estômago e do intestino, diminuindo assim a absorção de nutrientes.

Se a operação for simples, como a retirada de um nódulo pequeno, pode ser necessário esperar somente 24 horas para voltar a beber, desde que não haja outras contraindicações.

Em cirurgias de hérnia de hiato, por exemplo, recomenda-se que o/a paciente fique sem beber cerveja e outras bebidas com gás nos primeiros meses depois da operação, embora essa indicação esteja mais relacionada com o gás do que com o álcool especificamente.

Leia também:

Qual é o tempo de recuperação de uma cirurgia de apendicite?

Hérnia inguinal: como é a cirurgia e recuperação pós operatório?

Por que devo esperar para beber álcool depois da cirurgia?

A ingestão de bebidas alcoólicas no pós-operatório deve ser evitada porque o álcool pode:

  • Interagir com a medicação ou interferir no seu efeito;
  • Debilitar e desidratar o corpo;
  • Diminuir a resistência, aumentando assim o risco de infecções;
  • Atuar como agente irritante da mucosa que reveste a boca e o sistema digestivo;
  • Aumentar o inchaço, pois o álcool dilata os vasos sanguíneos;
  • Aumentar o risco de sangramentos.

Para saber quando você pode voltar a beber bebidas alcoólicas depois de uma cirurgia, converse com o/a médico/a que fez a operação e sigas as suas recomendações.

Também podem lhe interessar:

Qual o tempo de recuperação da cirurgia para retirar pedra da vesícula?

Quantos dias após a cirurgia de hérnia inguinal posso ter relação?

Qual o tempo de recuperação da rinoplastia?

O que não pode comer quem tem problemas de rins?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Quem tem problemas de rins NÃO pode comer carambola e deve evitar alimentos que tenham muito potássio, fósforo e sal (sódio), além de controlar a ingestão de alimentos gordurosos.

Carambola

A fruta contém uma substância tóxica que é eliminada por rins saudáveis, mas que não pode ser excretada pelos rins de pacientes com insuficiência renal ou função renal comprometida. Essa toxina então permanece no organismo, podendo causar diversas alterações neurológicas, como:

  • Confusão mental, agitação, insônia;
  • Fraqueza muscular, alteração da sensibilidade dos membros;
  • Convulsões, coma e até a morte, dependendo do caso.
Alimentos ricos em potássio - EVITAR!
  • Abacate, banana-nanica, banana-prata, açaí, água de coco;
  • Figo, laranja, maracujá, melão, damasco, graviola, fruta-do-conde;
  • Tangerina, uva, mamão, goiaba, jaca, laranja-pera, maracujá;
  • Kiwi, feijão, chocolate, extrato de tomate.

Pessoas com problemas renaisacumulam potássio no sangue porque os seus rins não são capazes de eliminá-lo.

Quando os níveis de potássio ficam muito elevados, pode causar fraqueza muscular intensa, arritmias e até uma parada cardíaca.

Alimentos com muito sal (sódio) - EVITAR!
  • Temperos prontos;
  • Alimentos enlatados;
  • Sucos em pó;
  • Salames e embutidos;
  • Queijos, Manteiga ou Margarina com sal.

O consumo de sal em excesso provoca um aumento da pressão arterial (pressão alta). Manter a pressão arterial sob controle é fundamental para retardar a progressão da doença renal crônica.

Alimentos ricos em fósforo - EVITAR!
  • Leite e derivados;
  • Ovos;
  • Carnes em geral;
  • Grãos;
  • Refrigerantes e Cerveja.

Assim como o potássio, o fósforo também tende a ficar acumulado no sangue de pacientes com insuficiência renal, pois os seus rins não conseguem eliminá-lo.

O excesso de fósforo no sangue provoca coceira e estimula a produção do paratormônio, um hormônio produzido pelas glândulas paratireoides, que em excesso causa complicações como perda óssea, tem como consequência perda óssea.

Alimentos gordurosos
  • Frituras;
  • Queijos;
  • Molhos;
  • Carne vermelha.

Controlar o consumo desses alimentos é importante para reduzir os níveis de colesterol, pois favorece os rins e o sistema cardiovascular.

Não existe uma dieta única para todos as pessoas com problemas de rins. Cada paciente deve ser avaliado de forma individual pelo médico nefrologista e ter a sua dieta elaborada por uma nutricionista.