Perguntar
Fechar

Candidíase

Para que serve o fluconazol e como deve ser usado?

O fluconazol serve para o tratamento de infecções fúngicas e está indicado para o tratamento das seguintes condições:

  • candidíase vaginal aguda e recorrente e balanites por Candida, bem como profilaxia para reduzir a incidência de candidíase vaginal recorrente (3 ou mais episódios por ano);
  • dermatomicoses incluindo tinea pedis, tinea corporis, tinea cruris, tinea unguium (onicomicoses) e infecções por Candida.

Cada comprimido apresenta 150mg de fluconazol e a posologia (modo de usar) depende da infecção que está sendo tratada. Sendo assim:

  • para dermatomicoses, incluindo tinha do corpo, do pé, crural e infecções por cândida, deve ser administrado em dose oral única semanal de 150 mg. A duração do tratamento é geralmente de 2 a 4 semanas, mas nos casos de tinea pedis um tratamento de até 6 semanas poderá ser necessário.
  • para tinha ungueal (onicomicoses) a dose recomendada é de 150 mg de fluconazol administrado em dose única semanal. O tratamento deve ser continuado até que a unha infectada seja totalmente substituída pelo crescimento. A substituição das unhas das mãos pode levar de 3 a 6 meses enquanto que a dos pés de 6 a 12 meses. Entretanto, a velocidade de crescimento das unhas está sujeita a uma grande variação individual e de acordo com a idade.
  • para o tratamento de candidíase vaginal e balanite por cândida, deve ser administrado em dose única oral de 150 mg.
  • para reduzir a incidência de candidíase vaginal recorrente, deve-se utilizar dose única mensal de 150 mg. A duração do tratamento deve ser individualizada, mas varia de 4 a 12 meses. Alguns pacientes podem necessitar de um regime de dose mais frequente.

A dose deverá ser ajustada em pacientes com insuficiência renal.

O fluconazol deverá ser vendido somente com prescrição médica e o paciente deverá seguir as orientações da receita.

Irritação na vagina tipo assadura com coceira e sangramento: o que é?

Irritação na vagina, tipo assadura, com coceira e sangramento é muito comum nas infecções vaginais tipo vaginose bacteriana ou infecção por fungo (como a candidíase).

No caso da candidíase, outro sintoma comumente observado é a presença de corrimento vaginal esbranquiçado ou amarelado. Os sintomas geralmente pioram antes da menstruação e melhoram no início do período.

A candidíase é bastante comum e não é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), embora o fungo causador da doença possa ser disseminado através do contato oral-genital.

O fungo causador da candidíase, a cândida, está naturalmente presente no canal vaginal, juntamente com várias outras bactérias. Os lactobacilos (um tipo de bactéria) contrabalanceiam a proliferação dos fungos no interior da vagina. Quando há um desequilíbrio na proliferação de cândida, temos um quadro de candidíase vaginal.

Alguns dos principais fatores de risco para candidíase:

  • Uso de antibiótico;
  • Gravidez;
  • Diabetes mellitus descontrolada;
  • Obesidade;
  • Uso de glicocorticoides e imunossupressores;
  • Uso de roupas de lycra e mal ventiladas;
  • Doenças autoimunes ou imunidade alterada;
  • Uso de ducha ou sabonete íntimo diário.

O tratamento da candidíase vaginal pode incluir:

  • Aplicação única ou aplicações diárias de cremes antifúngicos, supositórios ou óvulos;
  • Uso de antibióticos orais.

Outra situação em que pode haver irritação na vagina, parecida com uma assadura, com coceira e sangramento, é na vaginose bacteriana, sendo esta a principal causa de corrimento vaginal em mulheres na idade reprodutiva.

A vaginose caracteriza-se por um crescimento anormal de bactérias anaeróbias como Gardnerella vaginalis, Mobiluncus, entre outras, associado a uma diminuição de lactobacilos da flora vaginal normal.

Relações sexuais frequentes, uso de duchas vaginais ou período pré-menstrual favorecem a alteração da flora bacteriana vaginal, podendo desencadear a vaginose.

A vaginose bacteriana também não é considerada uma DST, embora a sua ocorrência seja maior em mulheres com número elevado de parceiros sexuais, sendo rara naquelas sexualmente inativas.

O tratamento da vaginose bacteriana inclui:

  • Uso de pomada ou creme vaginal;
  • Medicamentos antibióticos orais.

Para um diagnóstico e tratamento adequado, a mulher deve consultar o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

O que é colpite e o que pode causar?

Colpite é uma inflamação da mucosa que recobre o colo do útero e as paredes internas da vagina. Ela pode ser assintomática (sem sintomas) ou apresentar corrimento vaginal, odor, coceira e ardência.

As causas são: bactérias - colpite bacteriana - (Gardnerella vaginalis), fungos (Candida albicans) e protozoários (Trichomonas vaginalis), muitas vezes transmitidos através de relações sexuais sem preservativo.

De acordo com os seus sinais e sintomas, pode ser:

  • Colpite Difusa: pontilhado vermelho fino que cobre toda a mucosa vaginal e o colo uterino. Quanto maior o número de pontilhados, mais intensa e mais grave é a infecção;
  • Colpite Focal: pequenas áreas vermelhas arredondadas ou ovais, separadas do resto da mucosa, normalmente associada à Colpite Difusa;
  • Colpite Aguda: pontilhado vermelho com mucosa edemaciada (inchada);
  • Colpite Crônica: caracteriza-se por um pontilhado branco ao lado do vermelho;
  • Colpite por Tricomonas: é uma colpite difusa caracterizada por conteúdo vaginal esverdeado com bolhas gasosas;
  • Colpite por Candida: colpite difusa ao lado de placas brancas.

 Em caso de ausência de tratamento ou tratamento inadequado ela pode causar endometriose, doença pélvica inflamatória, dor pélvica, infertilidade, gravidez ectópica ou problemas fetais caso ocorra durante a gestação.

A colpite é diagnosticada com o exame clínico e com o exame preventivo, que as mulheres que possuem relações sexuais ativas devem fazer com frequência. Caso você apresente algum sintoma, procure o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Estou com coceira na vagina há uns 3 dias. O que fazer?

Coceira na vagina pode ser indício de:

  • Infecção;
  • Queda da imunidade;
  • Verruga genital; 
  • Alergia. 

candidíase, em geral, é uma infecção vaginal causada por fungos e provoca coceira além de irritação e corrimento vaginal. 

Leia mais em: 

Inchaço, vermelhidão, coceira, irritação na vagina?

Irritação na vagina tipo assadura com coceira e sangramento, Oque é?

Alguns produtos podem provocar reação alérgica na vagina, como por exemplo: sabonete, absorvente, duchas vaginais, perfume, desodorante, shampoo, condicionador, lenço umedecido, calcinha de nylon, látex, detergentes e amaciantes de roupa. 

Além da dermatite alérgica, outras doenças dermatológicas devem ser levadas em consideração no momento da avaliação da coceira vaginal. 

A mulher com coceira na vagina deve procurar  o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação. Além disso, ela deve observar a presença de outros sintomas como corrimento vaginal. 

Leia também:

Corrimento vaginal é normal?

Nasceu uma verruga próximo à entrada da vagina, o que pode ser?

Estou sentindo muita coceira na minha vagina, O que pode ser?

Candidíase impede a mulher de engravidar?

Não. Candidíase não impede a mulher de engravidar.

A candidíase é uma infecção fúngica que pode ocorrer na vagina. Na presença de sintomas, ela deve ser corretamente tratada para aliviar a irritação e evitar outras complicações.

A candidiase não deixa a mulher infértil. Por isso, quem está ou já teve candidiase continuará podendo engravidar (a menos que tenha outras complicações advindas de outras causas).

Caso você esteja com candidiase, procure o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para indicar o tratamento adequado.

Caso você está na tentativa de engravidar há mais de 15 meses, procure também um/a desses/as profissionais para, juntamente com seu parceiro, investigar as causas de uma possível infertilidade. 

Fiz uma colposcopia e a médica achou uma manchinha...

Na verdade essa "mancha branca" não deve ter relação com a Candida, porém não dá para afirmar que é HPV (pode ser uma das possibilidades), deve fazer a biópsia, já que existe essa indicação da sua médica e então talvez será revelada toda a resposta para sua dúvida.

Minha amiga sente muita coceira na vagina, o que fazer?

Para combater qualquer coisa precisa saber primeiro o que é, no caso de um problema médico, precisa em primeiro lugar de um diagnóstico e depois de um correto diagnóstico precisa de um tratamento. Pela sua descrição o que sua amiga tem é uma infecção vaginal, provavelmente uma candidíase, para combater precisa do tratamento.

O que é candidíase?

Candidíase é a infecção causada por um fungo, geralmente a Candida albicans, que pode ocorrer em várias regiões do corpo como boca (também conhecida por monilíase oral), esôfago, vagina, vulva e pele. Ele está presente normalmente no corpo sem causar algum problema ou sintoma. Porém, em algumas situações, como a gestação, períodos de muito estresse, queda da imunidade ou o uso de antibióticos, a quantidade desse fungo pode sofrer um aumento, causando a infecção. Pessoas com diabetes mellitus também têm maior risco para a candidíase.

A candidíase é o nome pelo qual é mais conhecida a infecção na vulva e vagina causada pela cândida. Os seus sintomas são: corrimento claro, esbranquiçado e sem cheiro, dor e ardência para urinar, coceira intensa na vagina e nas regiões próximas a ela, dor e ardência na relação sexual.

O seu tratamento baseia-se no uso de medicamentos antifúngicos por via oral e/ou vaginal. Caso o parceiro apresente sinais e sintomas como vermelhidão e coceira no pênis (glande), ele também deve ser avaliado pelo médico para um possível tratamento.

O ginecologista é o especialista indicado para diagnosticar e tratar pacientes com candidíase. No caso de suspeita de candidíase no homem, o urologista poderá ser consultado.

Saiba mais em: Fungos na pele podem causar micose?