Falta de ar pode indicar alguma doença grave?

Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, falta de ar pode indicar uma doença grave, como o infarto, uma arritmia cardíaca, doenças pulmonares, embolia, entre outras. Situações que precisam ser avaliadas e tratadas imediatamente.

Pode indicar também situações menos graves, mas que da mesma forma, precisam ser avaliadas e tratadas o quanto antes, para evitar que evoluam com piora, como é o caso da crise de asma, pneumonia, agravamento de enfisema pulmonar e hipertensão pulmonar.

Contudo, por ser um sintoma inespecífico, pode ser encontrado em situações que não oferecem riscos, podendo ser avaliadas pelo médico da família ou clínico geral, durante uma consulta médica ambulatorial, como a hérnia de hiato, anemia, ambiente muito poluído, queda de pressão, ou crise de ansiedade.

Doenças graves que causam faltam de ar

Podemos destacar como doenças graves, que causam falta de ar e precisam de avaliação e tratamento com urgência, o infarto agudo do miocárdio (IAM), arritmia cardíaca, edema agudo de pulmão (EAP), embolia pulmonar e síndrome coronariana (angina).

A obstrução da via aérea por um objeto ou alimento e doenças virais que causam edema na garganta, como crupe e epiglotite também são causas de dificuldade respiratória grave, que exige atendimento de urgência.

Geralmente a falta de ar começa subitamente, tem uma piora progressiva apesar de se sentar, tentar se acalmar ou respirar fundo. E pode ter história de engasgo ou febre, que ajudam no diagnóstico.

1. Infarto agudo do miocárdio (IAM)

O infarto agudo do miocárdio, se caracteriza pela falta de sangue e com isso, oxigênio, em alguma parte do músculo cardíaco, geralmente devido a um coágulo que impede essa passagem. A falta de oxigênio no músculo causa a dor intensa no peito, que não melhora com analgésico comuns, mudança de posição ou repouso.

Outros sintomas comuns são a falta de ar, suor frio, dor no peito, enjoo e vômitos.

Uma pessoa sabidamente hipertenso, cardiopata ou diabético, que apresente esses sintomas, deve ser levado a uma emergência, imediatamente para descartar essa possibilidade, devido ao alto risco de morte no caso de infarto.

2. Arritmia cardíaca

A arritmia é o descompasso do coração. Por algum motivo o ritmo do coração é alterado e passa a ficar irregular, prejudicando o bombeamento do sangue para o resto do corpo.

Os sintomas mais comuns são de falta de ar, batimentos cardíacos acelerados, sensação de "bolo na garganta", dificuldade em engolir, suor excessivo, náuseas, tontura, dor no peito (como algo apertando), ansiedade, vômitos e perda da consciência.

O tratamento dependendo da gravidade e do tempo de início da arritmia, mas sempre deverá ser rápido e em ambiente hospitalar. Pode ser indicado tratamento com medicamento para regular o batimento cardíaco, medicamento venoso ou choque elétrico de urgência, nos casos mais graves.

3. Edema agudo de pulmão (EAP)

O edema agudo é o acúmulo de líquido dentro dos pulmões, que ocorre pela insuficiência cardíaca grave. Quando o coração está tão fraco, que não consegue mais bombear o sangue, acumulando esse líquido nos pulmões.

No EAP é comum a presença de falta de ar associada a tosse com secreção rosa, saindo pela boca, devido a esse acúmulo de líquido. É uma emergência médica, que deve ser tratada imediatamente, e mesmo com o tratamento adequado, a taxa de mortalidade é bastante alta.

4. Embolia pulmonar

A embolia pulmonar geralmente é causada por um coágulo sanguíneo que se desprende de um vaso da perna e chega ao pulmão. Doença grave, potencialmente fatal e portanto, requer atenção médica imediata.

Os sintomas são de falta de ar súbita, dor no peito, que não melhora com analgésicos, pode haver dor e edema na perna, tosse seca, chiado e dor no peito. Nos casos mais graves, suor frio, taquicardia, pele com coloração azulada e perda da consciência.

O tratamento é feito com anticoagulantes por via endovenosa e monitoramento cardíaco e pulmonar. Alguns casos pode ser necessário intubação orotraqueal, para manter a respiração e oxigenação do corpo, adequadas.

5. Síndrome coronariana

A doença arterial coronariana, também conhecida como angina, ocorre devido ao estreitamento, obstrução ou endurecimento das artérias coronárias, responsáveis pela irrigação sanguínea do coração. Essa condição provoca uma diminuição do fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco, podendo causar infarto.

Por isso, por vezes é chamada de "princípio de infarto". Realmente é o estágio inicial, que se não for tratado, om a liberação desse entupimento, evolui com o infarto agudo do coração.

A doença arterial coronariana só manifesta sintomas quando o fluxo de sangue para o coração diminui o bastante para causar sofrimento ou morte do músculo cardíaco (infarto). São eles, a falta de ar, dor no peito, que podem irradiar para braço e mandíbula, suor excessivo, náuseas, vômitos, palidez e batimentos cardíacos acelerados.

O tratamento é feito com medicamentos que dilatam os vasos obstruídos, possibilitando o retorno do fluxo de sangue.

6. Garupa ou crupe

Garupa ou crupe é uma doença respiratória causada por vírus, mais comum em crianças de 6 meses até 3 anos. Geralmente começa com sintomas de um resfriado, que piora gradativamente. A dificuldade respiratória e a falta de ar podem ser provocadas pela tosse frequente, principalmente à noite.

Os sintomas são de falta de ar, tosse alta com som estridente, semelhante a um latido, febre, congestão e corrimento nasal.

Na ausência de sinais de gravidade procure acalmar a criança, hidratar aos poucos e umidificar o ambiente, para dissolver o muco presente nas vias aéreas. Importante também manter a cabeça mais elevada, com travesseiros, ou em crianças menores de 1 ano, sentar ao colo para ajudar na respiração.

Porém no caso de sinais de falta de ar grave, com grande esforço para respirar, deve ser feito em serviço de emergência.

7. Epiglotite

Epiglotite é uma inflamação da epiglote, o tecido que cobre a traqueia. A inflamação deixa a epiglote inchada, o que pode dificultar ou interromper a respiração. Trata-se de uma doença potencialmente fatal que requer atenção médica imediata.

Os sintomas são de falta de ar, dificuldade para respirar e engolir, febre, dor de garganta, pele com coloração azulada, sons estranhos durante a respiração e rouquidão.

Na suspeita de epiglotite, procure um serviço de emergência médica imediatamente.

Problemas emocionais que causam falta de ar

1. Ansiedade e ataque de pânico

A falta de ar também pode ser causada por fatores emocionais, como ansiedade e ataque de pânico. Apesar de serem transtornos psíquicos, provocam sintomas físicos e mentais.

Os sintomas são de medo, pavor, falta de ar, dor no peito, palpitações (batimentos cardíacos fortes), tontura, boca seca, bolo na garganta, respiração ofegante, náusea, suor frio e tremores.

O tratamento durante a crise é com medicamento ansiolítico, de preferência por via sublingual, para melhora rápida dos sintomas, como por exemplo, o clonazepam®. Após a crise, é fundamental procurar um médico psiquiatra para o tratamento definitivo, evitando novas crises.

Leia também: Síndrome do pânico tem cura? Qual é o tratamento?

2. Síndrome de Burnout

A Síndrome de Burnout, atualmente muito conhecida, é caracterizado pelo esgotamento físico e mental, relacionados às atividades de trabalho.

Os sintomas são de cansaço extremo, exaustão, sensação de falta de ar, ansiedade, fraqueza no corpo todo, indisposição, desânimo, tontura e alterações de humor e dificuldade de dormir.

O tratamento é feito sobretudo com psicoterapia, em conjunto com medicamentos e mudanças nas condições de trabalho. O médico psiquiatra é o responsável por iniciar o tratamento e acompanhar junto com a equipe de psicoterapia.

Saiba mais sobre o assunto no artigo: O que é síndrome de burnout e quais são os sintomas?

Problemas menos graves que causam falta de ar

A falta de ar pode ainda estar relacionada a um bloqueio da passagem de ar pelo nariz, pela boca ou pela garganta. Isso pode ocorrer pela presença de um objeto ou alimento, inchaço nas cordas vocais, entre outras causas. Relacionamos as mais comuns a seguir.

1. Crise de asma

A asma é uma doença crônica, caraterizada por inflamação e estreitamento das vias aéreas, causando falta de ar principalmente à noite, chiado, sensação de aperto no peito e tosse seca.

A doença pode ser classificada em leve, moderada e grave, o que define o melhor tratamento para cada caso. Nos casos leves não está indicado tratamento diário, mas nos graves pode ser preciso o uso de medicamentos preventivos diariamente.

No entanto, em situações de virose, infecção ou emoção forte, mesmo na asma leve, pode haver uma piora dos sintomas, com falta de ar importante, diminuição da oxigenação no corpo, o que leva a risco de morte, se não tratado rapidamente.

O tratamento nas crises é feito com nebulização, ou medicamentos por via inalatória (bombinha), de broncodilatadores, como o aerolin®, associado a oxigênio e corticoides. As dosagens e frequência do uso, varia de acordo com a gravidade, porém em média, deve ser feito a cada 6 horas.

2. Pneumonia

A pneumonia é uma infecção pulmonar que pode causar inflamação e acúmulo de líquido no pulmão. Os sintomas são de falta de ar, tosse com catarro, febre, dor no peito, pode haver chiados, calafrios, suor excessivo, dor muscular, falta de apetite e cansaço.

A doença deve ser tratada o quanto antes com antibioticoterapia, oral ou via endovenosa, hidratação e antitérmico no caso de febre alta.

3. Bronquiolite

A bronquiolite é uma infecção respiratória causada principalmente por vírus. A doença pode parecer um resfriado comum no início, mas em alguns dias evolui com piora do quadro. Os sintomas mais comuns são de falta de ar, tosse, respiração ofegante e chiado no peito.

O tratamento é bastante semelhante à asma, com nebulização com broncodilatadores, para ajudar na abertura dos alvéolos pulmonares, oxigênio e corticoide, pela potente ação anti-inflamatória.

4. Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

Trata-se de um grupo de doenças que prejudicam a função dos pulmões. O enfisema pulmonar, geralmente causado por anos de tabagismo, está nesta categoria de doenças.

Os sintomas são de falta de ar, chiado no peito, tosse persistente, aumento da produção de catarro, diminuição dos níveis de oxigênio levando a cansaço constante e aperto no peito.

O tratamento primordial é parar de fumar. Fisioterapia, medicamentos inalatórios e corticoides de baixa dosagem costumam ajudar nos sintomas, embora nos casos mais avançados seja preciso o uso contínuo de oxigênio, para melhor qualidade de vida. Já não há tratamento efetivo nessa fase.

5. Hipertensão pulmonar

A hipertensão pulmonar ocorre quando há um aumento da pressão das artérias e veias pulmonares. As causas mais comuns são a embolia pulmonar, doença cardíaca e a DPOC causada pelo tabagismo.

Os sintomas são de falta de ar, dor no peito, cansaço e dificuldade para praticar atividade física, sem uma causa aparente.

O tratamento é por meio de medicamentos que melhoram a circulação do sangue naquela região, e tratamento específico para a causa do problema. Os medicamentos mais usados são os anticoagulantes, anti-hipertensivos, diuréticos e oxigênio.

Para os casos mais graves, ou que não respondem ao tratamento inicial, está indicado o transplante cardíaco ou transplante pulmonar.

6. Doença cardíaca congênita

A doença cardíaca congênita se caracteriza por problemas e defeitos na estrutura e na função do coração, presentes desde o nascimento.

Os sintomas são de falta de ar, dificuldade para respirar e alteração do ritmo cardíaco. O tratamento varia de acordo com a doença, podendo ser indicado cirurgia ou apenas o controle com medicamentos.

A falta de ar pode ter ainda como causas a anemia, exposição a grandes altitudes ou temperaturas extremas, baixa qualidade do ar devido à poluição atmosférica, comum em locais próximos a indústrias e exercício físico muito intenso.

Por isso, é preciso procurar um médico de família ou clínico geral, para pesquisar as possíveis causas, solicitar os exames complementares e com o diagnóstico, planejar o tratamento.

Quando procurar uma emergência?

Se a falta de ar vier associada a um ou mais dos sintoma relacionados abaixo, é sinal de gravidade, portanto é preciso procurar atendimento médico com urgência:

  • Febre alta com calafrios;
  • Suor frio e palidez;
  • Dor ou sensação de aperto no peito;
  • Dor no peito que irradia para braço esquerdo ou mandíbula;
  • Dor intensa, de início súbito e endurecimento da panturrilha;
  • Esforço respiratório com chiado no peito;
  • Tosse forte, rouca ou estridente;
  • Dificuldade para respirar na posição deitada;
  • Necessidade constante de se sentar devido à falta de ar;
  • Grande esforço para respirar, repuxamento dos músculos do pescoço;
  • Dificuldade de engolir, ou no caso de crianças, "babando" muito;
  • Sinais de desidratação (urinar pouco, boca seca e língua seca);
  • Pontas dos dedos ou lábios azulados;
  • Irritabilidade extrema, confusão mental;
  • Desmaio.

Na dúvida não perca tempo, procure uma emergência. O médico saberá indicar o melhor caminho e tratamento para cada caso.

Leia também:

Saiba como identificar um infarto cardíaco e conheça os sintomas

O que fazer no caso de dor no peito?