Perguntar
Fechar

Sangramento e 7 semanas de gravidez...

Estou gravida de 7 semanas e nos primeiros dias tive um sangramento forte, fui ao medico fiz o ultrassom transvaginal e o médico disse que estava normal, mas que não dava pra dizer muita coisa pois o bebe ainda não estava formado, ainda era apenas um "saquinho". Me pediu pra voltar depois de duas semanas quando o bebê já estaria formado e me passou ultrogestan. Mas todos os dias, pelo menos uma vez, quando vou ao banheiro, o papel higiênico suja só um pouquinho de sangue, queria saber se é normal.
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sangramento durante a gravidez pode ser normal, mas deve ser sempre investigado pelo obstetra.

Nas primeiras semanas de gravidez, quando o embrião está se fixando na parede do útero, 20 a 25% das mulheres apresentam um tipo de sangramento, chamado sangramento de nidação.

Entretanto, quando o sangramento é volumoso, contínuo ou vem acompanhado de cólicas abdominais, passa a ser mais preocupante. Nesses casos deve procurar um atendimento de emergência, ou contactar o seu obstetra, pelo risco de um início de abortamento.

O que pode causar sangramento com 7 semanas de gravidez?

1. Implantação do óvulo no útero (sangramento de nidação)

A implantação do óvulo na parede do útero, pode ocasionar um discreto sangramento, que ocorre devido à penetração do embrião na parede muscular interna do útero, causando lesão de pequenos vasos sanguíneos. Essa implantação é que o permite a formação da placenta e nutrição do bebê.

Os sintomas são de sangramento de coloração mais escura, que suja um pouco a roupa íntima e dura em média, 2 a 3 dias. Esse sangramento recebe o nome de sangramento de nidação.

Trata-se de um dos primeiros sinais de gravidez, embora nem todas as mulheres apresentem ou percebam esse sinal, por ser mesmo bastante discreto.

2. Gravidez ectópica (Gestação tubária)

A gravidez ectópica é a implantação do óvulo fora do útero, em geral, acontece dentro de uma das trompas, impossibilitando a evolução da gestação. Neste caso é preciso ser avaliada com urgência pelo obstetra, pelo risco de ruptura da trompa e hemorragia interna na mãe.

3. Ameaça de abortamento

Uma ameaça de aborto é uma emergência médica, deve ser avaliada de forma cuidadosa, para buscar formas de manter a gestação, sem que haja prejuízo a mãe.

Os sintomas são de sangramento vivo ou com coágulos, além de dor abdominal e cólicas. Pode haver ainda febre e tontura, nos casos mais avançados, com infecção.

4. Presença de pólipo uterino

A presença de pólipos, doenças inflamatórias ou infecciosas podem prejudicar a evolução normal da gestação, devendo também ser avaliadas as opções de tratamento de maneira precoce, de modo a evitar complicações como o aborto.

5. Inflamação ou infecção uterina

Os processos inflamatórios ou de infecção do trato genital feminino, durante a gestação, são fatores de risco para abortamento e complicações na gravidez. Por isso na suspeita de uma dessas situações procure um médico com urgência.

Os sintomas são de sangramento leve, com dor abdominal, corrimento com mau cheiro e pode haver ainda, febre e ardência ao urinar.

O exame mais indicado para avaliação de sangramento nessa fase da gestação é o exame de ultrassonografia transvaginal ou abdominal, para informações adicionais.

No caso de sangramento durante a gestação, procure o seu médico obstetra. Cabe ao médico avaliar e dar seguimento a essa investigação.

Para entender melhor sobre o sangramento de nidação, leia o artigo: Dúvidas sobre nidação

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.