Perguntar
Fechar

Tipo de Sangue

Tipos de Sangue
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Os tipos sanguíneos existem de acordo com a presença, na superfície dos glóbulos vermelhos, de antígenos que podem ser de natureza bioquímica variada.

Cada pessoa tem um grupo diferente de antígenos nos glóbulos vermelhos, e pouco provável (ou mesmo impossível) encontrar dois indivíduos com a mesma combinação antigênica. Portanto, no soro ou no plasma é possível encontrar anticorpos específicos (dirigidos contra os antígenos que o indivíduo não possui), causando aglutinação ou hemólise quando uma transfusão incompatível ocorre.

Os antigênicos considerados mais importantes são o sistema ABO e o sistema Rh. Segundo o sistema ABO, há os seguintes tipos sanguíneos: A, B, AB e O. O Sistema Rh divide os tipos sanguíneos em Rh positivo ou negativo.

Os indivíduos com sangue A possuem anticorpos anti-B circulantes; os com sangue B possuem anticorpos anti-A; os com sangue AB não possuem anticorpos e os com sangue O possuem anticorpos anti-A e anti-B. Sendo assim, os indivíduos com sangue A podem receber transfusões de sangue A ou O; aqueles com sangue B, transfusões de B ou O; aqueles com sangue AB, transfusões de qualquer tipo sanguíneo e aqueles com sangue O apenas podem receber sangue tipo O. Em outras palavras, o tipo AB é o receptor universal e o tipo O, doador universal.

Os indivíduos com Rh positivo não possuem anticorpos, e os com Rh negativo, possuem anticorpos anti-Rh, somente se forem expostos a sangue Rh positivo. Sendo assim, indivíduos com sangue Rh negativo só podem receber transfusões de Rh negativo (ou de Rh positivo, mas somente uma vez, visto que depois haverá a produção de anticorpos). Já indivíduos com Rh positivo podem receber transfusões de Rh positivo ou negativo. Complementando a informação acima, então, o doador universal é o tipo O negativo, e o receptor universal, o tipo AB positivo.

Além da importância dos tipos sanguíneos em casos de transfusão, é importante também o seu conhecimento na gestação, pois pode ocorrer uma doença chamada eritroblastose fetal, ou doença hemolítica do recém-nascido. Esta doença é verificada quando uma mãe com Rh- que já tenha tido uma criança com Rh+ (ou que tenha tido contato com sangue Rh+, numa transfusão) dá à luz uma criança com Rh+. Depois do primeiro parto, ou da transfusão acidental, o sangue da mãe entra em contato com o sangue do feto e cria anticorpos anti-Rh+. Durante a segunda gravidez, esses anticorpos podem atravessar a placenta e provocar a hemólise do sangue da segunda criança.

Hoje existe tratamento para esta condição, e mães com Rh negativo, com pesquisa positiva de coombs indireto no sangue, devem receber imunoglobulina anti-D (RhoGAM®)  algumas semanas antes do parto ou nas primeiras 72 horas após o parto, de forma a impedir a formação dos anticorpos que poderiam criar complicações nas gestações seguintes. A pesquisa do tipo sanguíneo (ABO e Rh), além da pesquisa de coombs indireto (se Rh negativo), deve ser feita no pré-natal de toda a gestante.

Existem tipos de sangue incompatíveis?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Sim, há tipos de sangue incompatíveis, especialmente quando se trata de transfusões sanguíneas, mas também na gestação.

Tipos de sangue incompatíveis: Transfusões 

Os tipos sanguíneos são determinados pela presença de antígenos presentes nos glóbulos vermelhos. Os antígenos considerados mais importantes são o sistema ABO e o sistema Rh. De acordo com o sistema ABO, há os seguintes tipos sanguíneos: A, B, AB e O. O Sistema Rh divide os tipos sanguíneos em Rh positivo ou negativo.

Os indivíduos com sangue A podem receber transfusões de sangue A ou O; aqueles com sangue B, transfusões de B ou O; aqueles com sangue AB, transfusões de qualquer tipo sanguíneo e aqueles com sangue O apenas podem receber sangue tipo O. Em outras palavras, o tipo AB é o receptor universal e o tipo O, doador universal.

Indivíduos com sangue Rh negativo só podem receber transfusões de Rh negativo (ou de Rh positivo, mas somente uma vez, visto que depois haverá a produção de anticorpos). Já indivíduos com Rh positivo podem receber transfusões de Rh positivo ou negativo. Complementando a informação acima, então, o doador universal é o tipo O negativo, e o receptor universal, o tipo AB positivo.

Tipos de sangue incompatíveis: Gestação

Além da importância dos tipos sanguíneos em casos de transfusão, é importante também o seu conhecimento na gestação, pois pode ocorrer uma doença chamada eritroblastose fetal, ou doença hemolítica do recém-nascido.

Esta doença pode ocorrer quando um casal é Rh discordante, ou seja, a mulher é Rh negativo e o homem, Rh positivo. Nesse caso, há 75% de chance de a criança gerada ser Rh positivo.

Depois do primeiro parto de um feto Rh positivo, ou da transfusão acidental de sangue Rh positivo, o sangue da mãe cria anticorpos anti-Rh+. Durante a segunda gravidez, esses anticorpos podem atravessar a placenta e provocar a hemólise do sangue da segunda criança.

Hoje existe tratamento para esta condição, e mães com Rh negativo, com pesquisa positiva de coombs indireto no sangue, devem receber imunoglobulina anti-D (RhoGAM®)  algumas semanas antes do parto ou nas primeiras 72 horas após o parto, de forma a impedir a formação dos anticorpos que poderiam criar complicações nas gestações seguintes.

A pesquisa do tipo sanguíneo (ABO e Rh), além da pesquisa de coombs indireto (se Rh negativo), deve ser feita no pré-natal de toda a gestante.

Para maiores informações, consulte seu obstetra ou clínico geral.

Casal com o mesmo tipo de sangue a criança nasce com problema?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. Quando o casal tem o mesmo tipo sanguíneo não existe nenhum risco para o bebê, em relação a este fator. 

A complicação mais temida durante uma gestação, quando os pais têm tipos sanguíneos diferentes, ocorre quando a mãe é RH negativo e o pai RH positivo, porque assim o bebê pode ser RH positivo como o pai, e o organismo da mãe pode produzir anticorpos que ultrapassam a placenta e causam destruição das células sanguíneas do feto. Esses anticorpos são produzidos por não conhecer o fator RH, o qual não existe no organismo da mãe.

Como consequências pode ocorrer anemia, icterícia ou até complicações cardíacas para o bebê no nascimento. Entretanto, quando a mulher está dentro de um programa adequado de pré-natal, esse quadro é facilmente evitado, ou controlado porque já existe tratamento específico.

Portanto, quando o casal tem o mesmo sangue não correm esse risco, embora toda gravidez tenha riscos quando não é devidamente acompanhada.

Se estiverem planejando uma gestação ou se estiver grávida, o mais importante é que mantenha as consultas com seu médico ginecologista/obstetra, e siga as orientações dadas para que sua gestação se desenvolva da maneira mais saudável e prazerosa possível.

Leia também:

Meu filho esta evacuando praticamente só sangue...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

É algum tipo de infecção intestinal, precisa levar ele ao médico imediatamente.

Minha menstruação é sangue grosso, é normal?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Se sempre foi assim e não tem nenhum outro sintoma, não deve se preocupar isso deve ser uma característica das suas menstruações.

Sangue A+ e B+, a filha nasceu AB-, é possível?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sim. Pais Rh + heterozigóticos podem ter filhos com Rh - em 25% das vezes.

Quais os sintomas de sangue nas fezes?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Os sinais e sintomas da presença de sangue nas fezes variam de acordo com o distúrbio causador e com a intensidade do sangramento.

Fezes com coloração escura e com um cheiro forte, podem indicar a presença de um sangramento do sistema digestivo alto (boca, esôfago, estômago e duodeno). Também podem estar presentes outros sinais e sintomas associados como pressão baixa (hipotensão), pulso acelerado (taquicardia) e palidez cutânea.

Fezes acompanhadas de sangue com coloração vermelho vivo, indicam sangramento mais próximo, nas regiões baixas do sistema digestivo, como intestino grosso, reto e ânus. Esse tipo de sangramento também pode ser identificado pela presença de pingos de sangue no vaso sanitário e no papel higiênico após a limpeza do ânus.

Porém, existe o exame de sangue oculto nas fezes, que é um teste de laboratório que identifica quantidades muito pequenas de sangue nas fezes. Nesses casos, o sangue normalmente não é visível a olho nú.

Esse tipo de exame é utilizado no rastreio de pólipos intestinais, que são consideradas lesões pré-cancerígenas.

O exame de sangue oculto nas fezes é realizado através da coleta de uma pequena amostra de fezes feita pela própria pessoa, para depois ser analisada em laboratório. Pode ser feito de duas formas: uma delas necessita de uma dieta específica que deve ter início de 3 a 5 dias antes do exame, enquanto que a outra forma não precisa de dieta especial.

O gastroenterologista ou o proctologista são os especialistas responsáveis pela pesquisa de presença de sangue nas fezes, capaz de definir diagnóstico e tratamentos para cada caso.

Pode lhe interessar também: Sangue oculto nas fezes: Para que serve e como entender os resultados?

Quem teve meningite pode doar sangue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, quem teve meningite pode doar sangue. Porém, é preciso esperar 6 meses após a cura total da meningite e não ter nenhuma sequela para fazer a doação de sangue.

Pessoas que receberam vacina contra meningite devem esperar 48 horas para poder doar sangue.

Em relação a doenças, não pode doar sangue quem:

  • Tem ou já teve teste positivo para HIV;
  • Teve hepatite depois dos 10 anos de idade;
  • Já teve malária;
  • Tem doença de chagas;
  • Teve algum tipo de câncer;
  • Tem doenças graves no pulmão, coração, rins ou fígado;
  • Tem problemas de coagulação sanguínea;
  • Tem diabetes com complicações vasculares ou que utiliza insulina;
  • Teve tuberculose extrapulmonar;
  • Já teve elefantíase;
  • Já teve hanseníase;
  • Já teve leishmaniose visceral;
  • Já teve brucelose;
  • Já teve esquistossomose hepatoesplênica;
  • Fez transplante de órgãos ou de medula.

Existem ainda outros critérios que determinam quem pode ou não ser doador de sangue, estabelecidos pelo Ministério da Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Em caso de dúvidas, consulte um Hemocentro mais próximo de você.

Diabético pode doar sangue?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Algumas pessoas com diabetes podem, sim, doar sangue. Se a pessoa estiver controlando apenas com alimentação e/ou hipoglicemiantes orais (medicamentos) e não apresente alterações vasculares, poderá doar (desde que cumpra todos os outros critérios para doação).

Entretanto, caso ela seja insulino-dependente ou tenha utilizado insulina uma única vez, não poderá doar. Esses pacientes têm alterações cardiovasculares importantes e, como consequência, durante ou logo após a doação de sangue, podem manifestar alguma reação que piore seu estado de saúde. É uma maneira de proteger o doador, já que não oferece risco à pessoa que vai receber o sangue.

Doar sangue é uma atitude louvável - todos aqueles que podem doar deveriam fazê-lo. É possível doar até 4 vezes ao ano, e cada doação pode salvar vidas ou ajudar até 30 pessoas. Veja quais são as restrições para saber se você pode doar ou não:

Requisitos básicos:

  • Estar em boas condições de saúde;
  • Ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos, clique para ver documentos necessários e formulário de autorização);
  • Pesar no mínimo 50 kg;
  • Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas);
  • Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação);
  • Apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social).

Impedimentos temporários:

  • Resfriado, gripe, diarreia ou conjuntivite: esperar 7 dias após desaparer os sintomas;
  • Gravidez: 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana;
  • Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses);
  • Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação;
  • Hipo ou hipertensão no momento da doação;
  • Anemia detectada no teste anterior à doação;
  • Aumento ou diminuição importante dos batimentos cardíacos no momento da doação;
  • Febre no momento da doação;
  • Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins são estados onde há alta prevalência de malária. Quem esteve nesses estados deve aguardar 12 meses;
  • Restrição por 48 horas: caso tenha recebido vacina preparada com vírus ou bactérias mortos, toxoide ou recombinantes. Ex.: cólera, poliomielite (Salk), difteria, tétano, febre tifoide (injetável), meningite, coqueluche, pneumococo, gripe;
  • Restrição por 2 semanas: após o término do tratamento de infecções bacterianas (como por exemplo amigdalite), após a cura de rubéola e erisipela;
  • Restrição por três semanas: após a cura de caxumba ou varicela (catapora);
  • Restrição por quatro semanas: caso tenha recebido vacina de vírus ou bactérias vivos ou atenuados. Ex.: poliomielite oral, febre tifoide oral, caxumba, febre amarela, sarampo, BCG, rubéola, varicela (catapora), varíola. Além disso, se recebeu soro antitetânico e após a cura de dengue;
  • Restrição por três meses: se foi submetido a apendicectomia, hemorroidectomia, hernioplastia, ressecção de varizes ou amigdalectomia.
  • Restrição por seis meses a um ano: se submeteu-se a alguma cirurgia de grande porte como colecistectomia, histerectomia, tireoidectomia, colectomia, esplenectomia pós trauma, nefrectomia. Além disso, após a cura de toxoplasmose comprovada laboratorialmente ou após qualquer exame endoscópico (endoscopia digestiva alta, colonoscopia, rinoscopia etc) - se com biópsia, é necessário avaliação do resultado da mesma;
  • Restrição por um ano: se recebeu uma transfusão de sangue, plasma, plaquetas ou hemoderivados, enxerto de pele ou de osso; se sofreu acidente se contaminando com sangue de outra pessoa; se teve acidente com agulha já utilizada por outra pessoa; se teve contato sexual com pessoa que seja profissional do sexo, usuário de drogas endovenosas, que tenha recebido transfusão de sangue ou com HIV/hepatite nos últimos 12 meses; se mora na mesma casa de uma pessoa que tenha hepatite, se fez tatuagem ou piercing (se feito em local sem condições de avaliar a antissepsia: esperar 12 meses após realização; com material descartável e realizado em local adequado: esperar 6 meses após a realização; se efetuado na mucosa oral ou genital: enquanto estiver com o piercing está inapto, tornando-se apto 12 meses depois da retirada do mesmo). Se teve sífilis ou gonorreia e se foi detido por mais de 24 horas.
  • Restrição de 5 anos: após cura de tuberculose pulmonar.

Impedimentos definitivos:

  • Hepatite após os 11 anos de idade;
  • Diabético insulino-dependente;
  • Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;
  • Doenças auto-imunes como Tireoidite de Hashimoto ou Lupus;
  • Uso de determinados medicamentos (consulte ao doar);
  • Uso de drogas ilícitas injetáveis;
  • Malária;
  • Recebeu enxerto de dura-máter;
  • Teve algum tipo de câncer, incluindo leucemia;
  • Tem graves problemas no pulmão, coração, rins ou fígado;
  • Tem problema de coagulação de sangue; 
  • Teve tuberculose extra-pulmonar.
  • Já teve elefantíase, hanseníase, calazar (leishmaniose visceral), brucelose;
  • Tem alguma doença que gere inimputabilidade jurídica;
  • Foi submetido a gastrectomia total, pneumectomia, esplenectomia não decorrente de trauma, transplante de órgãos ou de medula.
  • Hepatite após completar 11 anos: Recusa permanente; Hepatite B ou C depois ou ou antes dos 10 anos de idade: Recusa definitiva; Hepatite causada por Medicamento: apto depois de curado e avaliado clinicamente; Hepatite viral (A): após os 11 anos de idade, se trouxer o exame do diagnóstico da doença, será avaliado pelo médico da triagem;

Intervalos para doação:

  • Homens - 60 dias (4 doações nos últimos 12 meses, nomáximo);
  • Mulheres - 90 dias (3 doações nos últimos 12 meses, no máximo).
Câncer no sangue tem cura? Qual é o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Câncer no sangue pode ter cura, dependendo do tipo de câncer e do tempo que demorou para ser diagnosticado. No caso do mieloma múltiplo, a doença ainda não possui uma cura definitiva e completa, enquanto que nas leucemias e nos linfomas as chances de cura aumentam de acordo com o tempo que a doença levou para ser detectada e o tipo de tumor.

mieloma múltiplo é tratado com quimioterapia, hemodiálise, medicamentos corticoides, imunomoduladores, antibióticos monoclonais e medicação para estimular a produção de hemácias (glóbulos vermelhos do sangue), além de transplante de medula óssea. As formas de tratamento são definidas conforme os sintomas e as complicações apresentadas pelo paciente.

Vale ressaltar que o transplante autólogo e os medicamentos talidomida e lenalidomida, usados para tratar o mieloma múltiplo, produzem excelentes resultados, o que pode deixar o mieloma fora da lista dos cânceres incuráveis.

Veja também: Mieloma múltiplo tem cura? Qual é o tratamento?

O tratamento dos linfomas pode incluir quimioterapia, radioterapia, imunoterapia e transplante de medula óssea. A cura do linfoma e a forma de tratamento dependem do estágio da doença e do tipo de linfoma (Hodgkin ou não-Hodgkin).

Leia também: Linfoma tem cura?

Já a leucemia é tratada com quimioterapia e medidas para controlar as complicações provocadas pelas infecções e sangramentos, bem como para prevenir e combater o câncer no sistema nervoso central. O objetivo do tratamento das leucemias é destruir as células cancerosas para normalizar a produção de células sanguíneas normais pela medula óssea.

O diagnóstico e tratamento do câncer no sangue é da responsabilidade do/a médico/a hematologista ou oncologista.

Saiba mais em:

Leucemia tem cura? Como é o tratamento?

Quais os tipos de câncer no sangue e os seus sintomas?

Eu e meu marido temos o mesmo tipo de sangue e agora?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não há problema nenhum em ter o mesmo tipo de sangue. Essa ideia que mesmo tipo de sangue dá problemas na gravidez ou no bebê é um mito "folclore popular". O problema geralmente aparece quando a mãe tem sangue negativo e o bebê tem sangue positivo.

Quais os riscos de uma transfusão de sangue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As transfusões de sangue que ocorrem atualmente são muito seguras e o receptor apresenta riscos mínimos de adquirir alguma infecção.

Mas como todo procedimento médico, a transfusão de sangue pode apresentar algumas complicações de imediato e no futuro, entre elas:

  • Reação febril;
  • Reação alérgica;
  • Contaminação bacteriana;
  • Incompatibilidade de tipo sanguíneo;
  • Hipotermia;
  • Alteração eletrolítica (hiper ou hipocalemia, hipocalcemia);
  • Doenças infecciosas.

Em geral, essas complicações são manejadas de imediato ou no acompanhamento realizado pelo/a paciente.

Leia também:

Existem tipos de sangue incompatíveis?

Tipos de sangue.

A partir de que idade se pode doar sangue?

Em 31/05/2015, o Ministério da Saúde lançou uma plataforma digital para monitorar com mais precisão os procedimentos de transfusão de sangue e garantir a melhoria do processo de vigilância nos centros de hemoderivados.

Os vírus e bactérias conhecidos atualmente são barrados durante o processamento do sangue e antes da transfusão. Sabemos que novos vírus e micro-organismos podem surgir, por isso, a transfusão de sangue é indicada nos casos de real necessidade para salvar a vida da pessoa.