Perguntar
Fechar

AIDS

Exames VDRL, HIV e ANTI-HCV não reativo o que significa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Exame com resultado "não reativo" significa que ele é negativo para aquela doença investigada. 

Esses exames são úteis para detectar as seguintes doenças sexualmente transmissíveis (DSTs): 

  • Sífilis; 
  • Sida (Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida); 
  • Hepatite C. 

O exame VDRL é um  teste de sangue para detectar a doença sexualmente transmissível (DST) chamada Sífilis. O exame anti-HIV detecta a presença do vírus HIV no organismo. O exame anti-HCV detecta a Hepatite C. 

Em alguns casos, estes exames podem ser apenas uma das etapas de diagnóstico da doença. Além do mais, um exame de sangue deve ser sempre interpretado em conjunto com os sinais e sintomas apresentados por cada pessoa e associado a outros exames. O/a médico/a é responsável por fazer a interpretação do exame conjuntamente com esses aspectos globais do/a paciente. 

Alguns exames podem resultar em "falsos negativos", ou seja, apresentam um resultado não reativo (negativo), mas isso não significa ausência de doença. Isso pode ocorrer em estágios bem iniciais da doença ou na chamada "janela imunológica". 

Todo exame deve ser apresentado ao/à médico/a que solicitou para que ele/ela efetue a devida interpretação, correlacione com os aspectos clínicos da pessoa e dê sequência ao tratamento recomendado. 

Leia também: 

O que significa VDRL não reativo?

Quais as chances de contrair HIV se a camisinha estourar e ocorrer lesão no pênis?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

As chances de se contrair HIV se a camisinha estourar existem sempre, independentemente, de haver ou não uma lesão visível no pênis. Porém, no caso específico do seu amigo, se houve uma lesão visível no pênis, mesmo que não tenha sangrado, o risco de contrair HIV aumenta.

O mais indicado nessas situações é procurar um médico o mais rápido possível (máximo 72 horas) para iniciar o PEP(profilaxia pós-exposição), que evita a infecção definitiva pelo HIV.

Mesmo assim, o risco de ser infectado pelo HIV numa relação sem preservativo ou em que o mesmo se rompa, não é de 100%.  Esse risco depende de vários fatores. Primeiro, se a outra pessoa tem ou não o vírus. Se ela não tiver HIV, a chance de infecção é de 0%. 

Por outro lado, se a outra pessoa for portadora do vírus HIV e a camisinha se romper, o risco de contaminação depende muito da carga viral (quantidade de vírus) que ela tem no organismo. Quanto mais alta, maior é a chance de contrair o HIV. Além disso, hoje já se sabe que pessoas em tratamento com carga viral indetectável por mais de 6 meses praticamente não transmitem o vírus. 

Vale ainda lembrar que o risco de transmissão é maior no sexo anal, principalmente se for receptivo, do que no sexo vaginal. Sexo oral apresenta risco de transmissão baixíssimo, sendo que para a pessoa que recebe sexo oral não há risco. 

Caso tenha dúvidas sobre a transmissão do HIV, ou tenha entrado em situação de exposição ao vírus consulte um médico.  

 Saiba mais sobre o assunto em: O que é PEP?

Pratiquei sexo oral e no dia seguinte tive alguns sintomas. Posso estar com uma infecção aguda pelo HIV?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se você teve uma relação em que praticou sexo oral sem proteção, existe sim um risco de ter sido infectado/a pelo vírus HIV.

Porém, nem sempre na fase aguda do HIV há presença de sintomas e, quando há, geralmente só se manifestam depois de 2 a 4 semanas em que ocorreu o contágio. Entre 10% e 60% das pessoas podem ficar até 6 meses sem apresentar qualquer sintoma da infecção.

Após a infecção pelo o HIV, a doença progride de forma silenciosa, durante um tempo prolongado, sem manifestação de sinais e sintomas. É nessa fase que o HIV se instala, invade e destrói os glóbulos brancos, multiplicando-se.

Na fase inicial da infecção, o corpo aumenta a produção de glóbulos brancos para compensar a redução da quantidade dessas células e tenta combater o vírus. Todo esse período pode durar até 9 anos, variando conforme a gravidade da infecção, as defesas do organismo da pessoa, além da presença de outras doenças que baixam a imunidade.

À medida que a doença evolui, o organismo torna-se incapaz de combater infecções, já que os glóbulos brancos são células de defesa. Começam então a surgir as chamadas infecções oportunistas, como pneumonia, tuberculose, meningite, entre outras.

Vale ressaltar que, mesmo sem manifestar sintomas, o vírus pode ser transmitido e já é detectável no exame de sangue.

Quais são os sintomas da infecção aguda pelo HIV?

Os sintomas da fase aguda do HIV são inespecíficos e podem incluir: febre, fadiga, gânglios linfáticos aumentados, dor de garganta, emagrecimento, dores musculares, dor de cabeça, náuseas, suores noturnos, diarreia e Rash cutâneo (manchas na pele).

É importante lembrar que a presença desses sintomas não significa que você tenha HIV. Outras doenças comuns, como gripes, viroses e infecções de garganta podem manifestar os mesmos sinais e sintomas.

O que é a janela imunológica do HIV?

Após a infecção pelo HIV, o organismo começa a produzir anticorpos específicos contra o vírus. Porém, demora um tempo para que os anticorpos sejam suficientes para serem detectados no exame de sangue. Esse período de tempo é a chamada janela imunológica.

Normalmente, os testes de HIV são realizados com a finalidade de detectar anticorpos contra o vírus no sangue. Isso significa que, se a pessoa fizer o teste durante o período da janela imunológica, o resultado pode dar negativo.

A janela imunológica do HIV varia entre duas semanas e 4 meses, podendo chegar aos 6 meses em alguns casos. Por isso, recomenda-se que o teste seja feito depois de 3 meses após a eventual infecção. O ideal é repetir o exame após 6 meses.

O exame usado para detectar o HIV é muito sensível e específico, com uma eficácia de quase 100%. Contudo, é preciso respeitar a janela imunológica para evitar resultados “falso-negativos”, que são frequentes nesse período.

Nesse momento que você apresenta o exame negativo, deve continuar prestando atenção no seu corpo, em possíveis sintomas e procurar consulta médica caso seja necessário.

O vírus do HIV pode ser detectado pelo exame de sangue oferecido gratuitamente nas Unidades de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Qualquer exame de sangue detecta se estou com aids?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não. O exame que detecta se você está com o vírus da AIDS é um exame de sangue específico chamado anti-HIV.

O diagnóstico do HIV é feito a partir do resultado do exame de sangue específico.

Há vários tipos de testes disponíveis: teste de triagem, teste confirmatório, testes moleculares. Nesses testes, o/a paciente realiza a coleta de sangue em laboratório e o resultado é liberado em média após 4 horas.

Os testes rápidos ganharam visibilidade pela facilidade na realização, acessibilidade e a rapidez na liberação do resultado que pode demorar menos de meia hora. Eles podem ser feitos a partir de uma gota de sangue retirada do dedo da pessoa ou a partir da saliva captada por um dispositivo. Os testes rápidos são disponibilizados em unidades móveis e em algumas unidades de saúde e hospitais.

Apesar de atualmente ser rara, falha no diagnóstico pode ocorrer e, em alguns casos, pode ser necessária a repetição com outros testes para confirmação. Outra consideração que deve ter é a questão da janela imunológica, o período no qual há presença do vírus no organismo da pessoa, porém ainda não houve uma resposta do sistema imune capaz de ser detectada nos testes.

Todos esses testes são gratuitos e podem ser feitos a qualquer momento nas Unidades de Testagem Móvel ou nas Unidades de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia também:

O que é AIDS e quais os seus sintomas?

Portador do vírus HIV pode não apresentar sintomas?

Será que estou com sintomas de HIV agudo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas do HIV agudo caracterizam-se por:

  • Febre persistente;
  • Calafrios;
  • Dor de cabeça;
  • Dor de garganta;
  • Dores musculares;
  • Manchas na pele;
  • Gânglios ou ínguas nas axilas, pescoço ou virilha, que podem demorar muito tempo para desaparecer.

Esses sintomas geralmente aparecem depois de 2 a 4 semanas em que houve contato com vírus.

Nem todas as pessoas manifestam os sintomas de uma infecção aguda do HIV. Entre 10 a 60% das pessoas podem ficar até 6 meses sem apresentar qualquer sintoma da infecção.

Embora o risco seja pequeno, é possível contrair o vírus HIV quando o preservativo rompe em uma relação sexual com uma pessoa soropositiva.

A melhor forma de saber se esses sintomas foram da infecção aguda do HIV é fazendo uma consulta detalhada com o/a clínico/a geral, médico/a de família ou infectologista. Na consulta, o/a profissional irá recolher os dados da sua história clínica sobre os sintomas que apareceram, examinar seu corpo e solicitar exames, caso seja necessário.

Leia também:

Quais os sintomas do HIV?

Qual o tratamento do HIV?

HIV tem cura?

Como é feito o exame do HIV?

Portador do vírus hiv pode não apresentar sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. A pessoa portadora do vírus HIV pode não apresentar sintomas

Entre 10 a 60% das pessoas que portam o vírus HIV no sangue podem não apresentar nenhum sintoma da doença. 

HIV é o vírus que afeta o sistema imune das pessoas podendo causar a AIDS, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Nem toda pessoa que tem o vírus HIV irá desenvolver a AIDS. Isso pode ser manejado com o controle e acompanhamento do tratamento. 

A infecção inicial ou aguda pode iniciar entre 2 e 4 semanas após o contato com o vírus e é caracterizada por sintomas comuns a outras síndromes virais, podendo passar despercebida.

Portanto, é possível uma pessoa ser portadora do vírus por vários anos sem apresentar nenhuma reação. Esse período em que a pessoa ficará sem sintomas irá depender de cada organismo e da competência de cada sistema imune em combater a infecção, por isso ele é muito variável.

Também pode lhe interessar: Existem doenças com sintomas parecidos com HIV?

O teste de detecção do HIV é simples e oferecido gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS). A pessoa que apresenta o teste positivo, deve ser acompanhada pela equipe de infectologia em ambulatório especializado com o devido monitoramento dos sintomas e realização de exames complementares com frequência. 

Leia também: 

Como pode ocorrer a transmissão do HIV?

Quais os sintomas do HIV?

Como é feito o diagnóstico do HIV?

O que é janela imunológica do HIV?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

A janela imunológica do HIVé o período compreendido entre a data da infecção pelo vírus HIV, causador da AIDS, e a data em que os anticorpos específicos contra o HIV produzidos pelo organismo são detectáveis em exames de sangue (soroconversão).

Os testes para verificar se alguém tem HIV são geralmente feitos através da detecção de anticorpos contra o vírus HIV no sangue da pessoa. Portanto, no período da janela imunológica, uma pessoa pode fazer o teste e o resultado dar falso negativo, ou seja, ela tem a doença, está com o vírus HIV na corrente sanguínea, mas ainda não produziu anticorpos específicos contra o HIV.

No caso do HIV, a janela imunológica varia muito, de 2 semanas a 120 dias. Daí o teste ser mais confiável se for realizado 3 meses após a suposta infecção (comportamento de risco, como por exemplo relação sexual desprotegida). O ideal é que o exame seja repetido depois de 6 meses. 

O teste anti-HIV conhecido como ELISA (enzyme-linked immunosorbent assay​) é considerado altamente sensível e específico (próximo de 100%) para a detecção dos anticorpos contra o vírus HIV.

Saiba mais em: Para que serve o exame ELISA?

Entretanto, a janela imunológica de 3 a 6 meses deve ser respeitada, já que nesse período pode haver falsos negativos frequentes. Também podem ocorrer falsos negativos em AIDS no estágio final e agamaglobulinemia.

Já os falsos positivos (teste para HIV positivo, mas a pessoa não está infectada com o vírus) pode ocorrer em multíparas (mulheres que tiveram muitas gestações), vacinação recente contra hepatite B ou Influenzae, múltiplas transfusões sanguíneas e doenças autoimunes, entre outras condições.

Em caso se suspeita de HIV, por qualquer motivo, um médico clínico geral, médico de família ou um infectologista deverá ser consultado para avaliação, diagnóstico, tratamento e acompanhamento.

Também pode lhe interessar:

Como é feito o diagnóstico do HIV?

Como é feito o exame do HIV?

Qual o tempo de incubação do HIV?

O que é HTLV? Quer dizer que tenho AIDS?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

HTLV é a sigla para Vírus T-Linfotrópico Humano. Embora a infecção pelo vírus HTLV também ocorra pela via sexual, pois se trata de uma DST, a sua presença não indica que a pessoa tenha AIDS ou esteja infectada pelo HIV, uma vez que são doenças diferentes.

Existem 2 tipos de HTLV: HTLV-1 e HTLV-2. O tipo 1 está associado a doenças neurológicas e leucemia, enquanto que o tipo 2 é pouco comum e provavelmente não provoca nenhuma doença.

Assim como o HIV, o Vírus T-Linfotrópico Humano ataca os linfócitos T, um tipo de glóbulo branco que atua nas defesas do organismo.

A transmissão do HTLV ocorre por meio de relações sexuais desprotegidas com uma pessoa infectada, compartilhamento de seringas e agulhas para uso de drogas, ou ainda da mãe para o bebê, sobretudo através da amamentação.

Os sintomas mais frequentes do HTLV são as dores nas pernas e na coluna lombar, além da dificuldade para urinar e defecar.

A grande maioria das pessoas que apresentam o vírus HTLV não apresentam sintomas, apenas 10% dos infectados por esse vírus manifestam sintomas ou doenças relacionadas.

Cerca de 1% dos portadores do vírus podem desenvolver manifestações graves, como câncer, problemas articulares, doenças no sangue e no sistema urinário, além de doenças neurológicas, oftalmológicas e dermatológicas.

O tratamento da infecção por HTLV não é necessário nos casos em que não há manifestação de sintomas, já que as chances da pessoa desenvolver alguma doença associada são baixas. Casos sintomáticos devem ser tratados após avaliação médica.

Saiba mais em:

Que doenças podem ser transmitidas da mãe para o bebê durante a gravidez e amamentação?

Quais são os tipos de DST e seus sintomas?

O que é AIDS e quais os seus sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

AIDS ( do inglês: Acquired Immuno Deficiency Syndrome, SIDA = Síndrome da Imunodeficiência Adquirida​) é uma doença que acomete o sistema imunológico, causada pelo vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana).

A AIDS pode ser definida como um conjunto de sintomas e infecções que surgem devido aos danos causados ao sistema imunológico pelo HIV, que tem como principal alvo os linfócitos T-CD4, células fundamentais para as defesas do organismo.

Quando o número dessas células diminui, o sistema imunológico fica fraco e não consegue combater infecções simples e proteger completamente o organismo. Então, algumas doenças oportunistas se instalam reduzindo ainda mais o potencial do sistema imunológico.

Os sintomas iniciais da AIDS são:

  • Febre entre 38º e 40ºC;
  • Dor de cabeça, dor nas articulações;
  • Aumento de gânglios (ínguas) principalmente na região do pescoço, atrás das orelhas e axilas;
  • Tosse e dor de garganta;
  • Náusea, diarreia, diminuição do apetite, perda de peso (em média 5Kg);
  • Cansaço;
  • Vermelhidão na pele.

Com a progressão da doença e o comprometimento do sistema imunológico, começam a aparecer doenças oportunistas como:

  • Tuberculose;
  • Pneumonia;
  • Alguns tipos de câncer;
  • Candidíase;
  • Infecções do sistema nervoso (toxoplasmose, meningites).

Apesar de não existir um tratamento especifico para a AIDS capaz de eliminar o vírus do organismo, há vários medicamentos que mantêm a doença sob controle e assim, o paciente pode manter sua qualidade de vida.

O tratamento da AIDS é da responsabilidade do/a médico/a infectologista.

Tenho 23 anos, virgem e medo de pegar HIV...
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sua preocupação é válida uma vez que instrumentos cortantes utilizados por barbeiros/cabeleireiros podem apresentar riscos de transmitir infecções como o vírus HIV e hepatites.

A pessoa que frequenta barbeiros deve ter o cuidado de saber se os instrumentos utilizados são devidamente esterilizados.

Quando esses instrumentos, como a navalha, são efetivamente esterilizados a cada utilização, a pessoa pode realizar os procedimentos estéticos sem receios.

Essa forma de transmissão é rara de acontecer comparativamente às outras possíveis como relação sexual desprotegida, compartilhamento de agulhas contaminadas e de mãe para filho/a.

Leia também:

Como pode ocorrer a transmissão do HIV?

Mesmo assim, é preciso tomar cuidado e procurar saber as práticas de higienização e esterilização utilizadas pelo profissional da estética.

O teste de HIV é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em casos de dúvidas, procure uma Unidade de Saúde mais próxima de você.

Meu namorado é soropositivo. Podemos ter filhos?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, casais em que o homem é soropositivo e a mulher é soronegativa podem ter filhos. Assim como casais aonde a mulher é soropositiva ou ambos.

O método mais indicado é recorrer à inseminação artificial ou fertilização in vitro (bebê de proveta). Assim, o risco de contaminação do bebê cai de 20% para aproximadamente 2%, ou até menos, segundo alguns estudos.

No caso da fertilização in vitro, é realizada lavagem do sêmen, com a eliminação do HIV do esperma do pai e junta-se o esperma livre de vírus com o óvulo da mãe, tudo feito em laboratório. Depois que ocorre a fecundação, o embrião é introduzido no útero e a gravidez prossegue normalmente.

Já na inseminação artificial, o esperma sem HIV é introduzido no útero durante o período fértil e a fecundação ocorre no corpo da mulher.

Contudo, esses métodos de reprodução assistida em casos de pai, mãe ou ambos serem soropositivos, só estão disponíveis em algumas clínicas especializadas em inseminação artificial.

É importante lembrar que as relações sexuais entre casais em que um dos parceiros é portador do vírus HIV devem ser sempre com camisinha.

Mesmo que o casal seja soropositivo, as relações devem ser protegidas sempre, pois os vírus podem sofrer mutações ou apresentarem cargas diferentes em cada indivíduo, podendo haver reinfecção.

Consulte um médico ginecologista e exponha a situação. Ele poderá, juntamente com o médico infectologista, orientar o melhor método para engravidar sem colocar em risco a sua saúde e a do bebê.

Leia também: Meu namorado tem HIV, tive relação sexual com ele e a camisinha estourou. Posso ter contraído o vírus?

Tive relação sexual sem proteção... queria fazer exames!
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O vírus HIV pode ser adquirido pelo sexo oral desprotegido.

Quando houve risco de transmissão do vírus, a pessoa pode realizar o exame de sangue para detecção do vírus HIV.

Esse teste é oferecido gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e também pode ser feito de forma paga nos laboratórios privados.

Durante uma relação sexual desprotegida, outras doenças podem ser transmitidas como a sífilis, hepatite, gonorreia, etc.

Por isso, é muito importante se prevenir utilizando o preservativo em todas as relações sexuais.

Caso você apresente alguma alteração como corrimento genital, coceira, aparecimento de verrugas, inchaço na virilha ou gânglios, procure o/a médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação.

Leia também:

Onde posso fazer o exame do HIV?

Como pode ocorrer a transmissão do HIV?

Como é feito o exame do HIV?

Qual o tempo de incubação do HIV?

Portador do vírus HIV pode não apresentar sintomas?

Quais os sintomas do HIV?