Pergunte ao Médico
Como Funciona

Bebidas Alcoólicas

Usei a pílula do dia seguinte e tomei bebida alcoólica?

Essa situação não altera a eficácia da pílula do dia seguinte, a eficácia depende basicamente do tempo que se leva (em horas) para que seja iniciado a pílula do dia seguinte após a relação e varia entre 0 a 80% de eficácia.

Exame de sangue Gama GT alterado, o que pode ser?

exame de sangue Gama GT (Gama Glutamil Transferase) mede o nível sanguíneo dessa enzima presente no fígado, pâncreas, rins, baço, coração e cérebro.

Um valor do exame alterado pode indicar algumas doenças do fígado, pâncreas e vias biliares como, por exemplo, alterações hepáticas, hepatite, cirrose,  câncer no fígado e pancreatite.

Outras situações que levam à alteração da gama GT são: consumo de bebidas alcoólicas e uso de alguns medicamentos.

Veja também: Quais são os valores de referência do Gama GT?; Quais os sintomas do Gama-GT alto?

Todo exame de sangue deve ser interpretado pelo/a médico/a responsável pelo cuidado do/a paciente e será correlacionado com a história clínica, pessoal e o exame clínico.

Bebida alcoólica corta o efeito da pílula anticoncepcional?

A bebida alcoólica não corta o efeito da pílula anticoncepcional.  

Porém, o uso intensivo da bebida alcoólica juntamente com hormônios presentes na pílula pode aumentar o risco de algumas patologias como osteoporose e alguns tipos de câncer. 

Tomar bebida alcoólica de forma moderada não interfere na eficácia da pílula anticoncepcional. 

O uso intensivo e rotineiro pode acarretar problemas de saúde diversos além de favorecer o aparecimento de algumas doenças.

Veja aqui o que pode cortar o efeito do anticoncepcional.

Beba sempre com moderação e respeite os limites de ser corpo.

Posso tomar cerveja tomando remédios para pressão alta?

Se for uma pequena quantidade (1 lata de cerveja por exemplo), não tem problema nenhum em tomar esses medicamentos para hipertensão e no mesmo dia tomar bebida alcoólica, desde que não haja nenhuma restrição por parte do seu médico.

A bebida alcoólica corta o efeito dos antibióticos?

Sim, bebidas alcoólicas podem reduzir a efetividade de alguns antibióticos e provocar diversos efeitos colaterais. Quando chegam as duas demandas no fígado, principal órgão responsável pela metabolização de drogas do organismo, o órgão não sabe qual metabolizar primeiro, consequentemente acaba não exercendo seu papel por completo e uma das metabolizações é prejudicada. Como o álcool é geralmente consumido em maior quantidade, o fígado, ao invés de metabolizar o medicamento, tenta metabolizar o álcool primeiro, o que acaba reduzindo a eficiência da medicação. O fígado também não é capaz de absorver o álcool por completo e parte dele fica na corrente sanguínea por mais tempo, potencializando o estado de embriaguez. Alguns antibióticos que causam tais efeitos são: cetoconazol, itraconazol, fluconazol, nitrofurantoína, eritromicina, rifampicina e isoniazida - perigo de inibição do efeito e potencialização de toxicidade hepática.

Alguns antibióticos, por sua vez, podem gerar efeitos colaterais extremamente desagradáveis quando associados ao álcool. São:

  • Metronidazol (Flagyl®)
  • Trimetoprim-sulfametoxazol (Bactrim®)
  • Tinidazole (Tindamax®)
  • Griseofulvin (Grisactin®)

O álcool pode ser o vilão mais conhecido, mas não é o único. Certas drogas não devem ser ingeridas com alimentos, por diminuição na absorção e, consequentemente, no efeito. Também é comum a interação com outros medicamentos utilizados pelo paciente. Assim sendo, é importante que você pergunte ao médico se há interação com outros medicamentos e como deve ser utilizado o antibiótico. Outra opção é ler na bula do medicamento as orientações para o seu uso adequado.

Não há relatos de interação relacionados com outros antibióticos. Porém, deve-se lembrar que o álcool inibe o sistema imune e dificulta o combate contra agentes infecciosos, pelo que não é muito sensato beber quando se tem uma infecção.

Também pode lhe interessar: Existe alguma comida que corta o efeito do antibiótico?

Posso tomar benzetacil ou amoxicilina com bebida alcoólica?

Desde que seja uma quantidade pequena de bebida, não há problemas graves em tomar benzetacil ou amoxicilina com bebida alcoólica, embora o ideal seja evitar ingerir álcool enquanto estiver tomando antibiótico.

A bebida alcoólica aumenta a eliminação de urina e pode acelerar a excreção do antibiótico, o que pode tornar o intervalo prescrito do medicamento inadequado.

Por exemplo, se o paciente estiver tomando benzetacil, amoxicilina ou qualquer outro antibiótico, de 8 em 8 horas, pode ser que depois de 8 horas ele já não tenha quantidade suficiente de medicamento na corrente sanguínea, caso tenha bebido álcool.

Além disso, a ingestão de bebida alcoólica com antibióticos pode reduzir o tempo de eliminação do álcool, aumentando a sua toxicidade no cérebro, fígado e aparelho digestivo. Pode inclusive causar vômitos e impedir, desta forma, a absorção das próximas doses do medicamento.

Outra razão para evitar essa combinação é que, assim como os antibióticos, o álcool também é metabolizado no fígado, sobrecarregando o órgão e prejudicando o processamento do medicamento.

Para maiores informações sobre a ingestão de bebidas alcoólicas com benzetacil ou amoxicilina, fale com o/a médico/a que receitou o medicamento.

Estou tomando antibiótico: posso consumir bebida alcoólica?

Se está tomando antibiótico, o melhor é não consumir bebida alcoólica pois o álcool pode comprometer a ação do medicamento ou interagir com ele, causando efeitos colaterais indesejados.

No entanto, desde que a ingestão de álcool fique limitada a um drink ou uma taça de vinho ou 1 lata de cerveja, não há grandes problemas. Mais do que isso já é contraindicado.

O álcool inibe a ação do hormônio antidiurético, o que faz com que a pessoa elimine mais urina. Isso pode acelerar a eliminação do antibiótico, tornando o intervalo prescrito do medicamento inadequado.

Por exemplo, se o paciente estiver tomando um antibiótico a cada 8 ou 9 horas e consumir bebidas alcoólicas, pode ser que antes de chegar a hora de tomar a outra dose, ele já não tenha uma quantidade suficiente de antibiótico na corrente sanguínea, comprometendo o seu efeito.

Além disso, alguns antibióticos, como metronidazol, tinidazol, cetoconazol, nitrofurantoina, rifampicina e isoniazida, podem interagir com o álcool e causar dor de cabeça, aumento da frequência cardíaca (palpitação), vômitos, queda da pressão arterial e até mesmo desmaios.

O consumo de bebidas alcoólicas com antibióticos também pode diminuir o tempo de metabolização do álcool pelo fígado, aumentando a sua permanência e toxicidade no cérebro, fígado e trato digestivo.

Outro motivo para evitar a combinação de álcool com antibiótico é que ambos são metabolizados no fígado, o que não só prejudica o processamento do medicamento como sobrecarrega o órgão.

Para maiores informações sobre o consumo de bebidas alcoólicas com antibióticos, fale com o/a médico/a que receitou o medicamento.

Também pode lhe interessar:

Existe alguma comida que corta o efeito do antibiótico?

Tomar muito antibiótico faz mal?

Tomando Fluoxetina, pode ingerir bebida alcoólica?

Não é recomendada a ingestão de bebida alcoólica junto com o uso da Fluoxetina.

Fluoxetina é um antidepressivo que trata a depressão, ansiedade, bulimia nervosa, transtorno compulsivo obsessivo, entre outras patologias.

A ingestão de bebida alcoólica junto com a Fluoxetina pode aumentar os efeitos tóxicos da medicação, principalmente a redução dos reflexos psicomotores. Isso pode levar a uma deficiência psicomotora, redução dos movimentos precisos e potenciais prejuízos a depender da atividade realizada.

Devido às características da medicação e sua atividade metabólica, a fluoxetina pode demorar várias semanas para demonstrar um efeito adequado no tratamento. Por isso, é indicado que a medicação seja tomada como prescrito e de forma contínua, sem interrupções.

Leia também:

Quais os efeitos colaterais da fluoxetina?

Qual tempo máximo para uso de fluoxetina?

Depois de consumir bebida alcoólica, quanto tempo demora a baixar o Gama-GT?

Depois de consumir bebida alcoólica, a Gama-GT normalmente demora entre 15 e 20 dias para baixar aos níveis normais, podendo elevar-se novamente em pouco tempo se a pessoa voltar a ingerir álcool.

Recomenda-se ficar, pelo menos, 72 horas sem consumir bebidas alcoólicas antes de fazer o exame de Gama-GT.

A Gama-GT é uma enzima que está presente em vários tecidos e órgãos do corpo, entre eles rins, cérebro, pâncreas e, principalmente, fígado. 

Devido à localização característica das células do fígado que produzem Gama-GT, a enzima aparece com níveis elevados em quase todas as desordens ligadas ao fígado e à bile, sendo por isso um dos exames mais sensíveis para diagnosticar tais condições, além de agressões hepáticas causadas por medicamentos e álcool.

Leia também: Quais os sintomas do Gama-GT alto?

Indivíduos que fazem uso crônico de bebida alcoólica têm um aumento de Gama-GT, embora apenas 30 a 50% dos alcoólicos apresentam esta enzima elevada. O elevado valor da enzima pode indicar uso de bebida alcoólica, mas não necessariamente doença hepática.

No alcoolismo crônico, os níveis de Gama-GT diminuem com a retirada do álcool e elevam-se com o retorno do consumo. Baseando-se nisso, a dosagem de Gama-GT juntamente com outras enzimas hepáticas pode ser usada em alguns centros de tratamento de alcoolismo para acompanhar a terapia.

Suor noturno sem causa aparente. O que pode ser?

Suor noturno excessivo, sem causa aparente, pode ter diversas causas. Se os suores noturnos surgirem isoladamente, sem sinais e sintomas associados, não devem ser motivo de preocupação, pois provavelmente não é nenhum problema de saúde.

Porém, se a transpiração for intensa ao ponto de encharcar o pijama e vier acompanhada de outros sintomas como febre, emagrecimento, cansaço, tosse, falta de ar, dor no peito, diarreia, coceira, gânglios linfáticos aumentados ou qualquer outra alteração, o suor noturno pode ter como causa situações mais graves, como:

  • Infecções;
  • Linfomas e outros tipos de câncer;
  • Pouco açúcar no sangue (hipoglicemia);
  • Uso de medicamentos;
  • Apneia do sono;
  • Alterações hormonais.

Outras possíveis causas (não graves ou menos graves) para a sudorese noturna excessiva são:

  • Período menstrual;
  • Menopausa;
  • Consumo de bebidas alcoólicas ou uso de drogas;
  • Hiperidrose (condição que provoca suor excessivo);
  • Temperatura ambiente do quarto elevada;
  • Uso de pijamas ou cobertores muito quentes durante o inverno, mesmo em noites mais frias.

Leia também: Quais as causas da sudorese noturna?

No seu caso específico, como já fez diversos exames e não foi constatado nada, é provável que a bebida alcoólica esteja na origem do seu suor noturno, até porque você mesmo já notou que tende a transpirar mais durante a noite quando bebe.

Mesmo assim, se a sudorese noturna continuar, consulte um médico endocrinologista ou um homeopata, mesmo que não apareçam outros sintomas.

Tomo losartana posso tomar cerveja ou outra bebida?

Cerveja uma lata no máximo, muito eventualmente (1 vez por semana) ou um cálice de vinho tinto seco 1 vez ao dia não teriam riscos, outras bebidas mais fortes nem pensar.

Fiz uma cirurgia recentemente. Quando posso beber bebida alcoólica?

Em geral, após uma cirurgia é preciso esperar entre 10 e 30 dias para voltar a beber bebida alcoólica, mas esse tempo varia conforme o tipo de cirurgia e a orientação do médico. 

O consumo de qualquer tipo de bebida alcoólica no pós-operatório deve ser evitado pelo menos enquanto o paciente estiver tomando os medicamentos prescritos.

Em cirurgias de médio e grande porte, normalmente recomenda-se que o paciente fique 30 dias sem consumir bebidas alcoólicas.

Na cirurgia bariátrica (gastroplastia), os pacientes só devem consumir bebidas alcoólicas depois de 6 meses, pois além de ser muito calórico, o álcool pode danificar as mucosas do estômago e do intestino, diminuindo assim a absorção de nutrientes.

Se a operação for simples, como a retirada de um nódulo pequeno, pode ser necessário esperar somente 24 horas para voltar a beber, desde que não haja outras contraindicações.

Em cirurgias de hérnia de hiato, por exemplo, recomenda-se que o paciente fique sem beber cerveja e outras bebidas com gás nos primeiros meses depois da operação, embora essa indicação esteja mais relacionada com o gás do que com o álcool especificamente.

Leia também:

Qual é o tempo de recuperação de uma cirurgia de apendicite?

Hérnia inguinal: como é a cirurgia e recuperação pós operatório?

Por que devo esperar para beber álcool depois da cirurgia?

A ingestão de bebidas alcoólicas no pós-operatório deve ser evitada porque o álcool pode:

  • Interagir com a medicação ou interferir no seu efeito;
  • Debilitar e desidratar o corpo;
  • Diminuir a resistência, aumentando assim o risco de infecções;
  • Atua como agente irritante da mucosa que reveste a boca e o sistema digestivo;
  • Aumentar o inchaço, pois o álcool dilata os vasos sanguíneos;
  • Aumentar o risco de sangramentos.

Para saber quando você pode voltar a beber bebidas alcoólicas depois de uma cirurgia, converse com o médico que fez a operação e sigas as suas recomendações.

Também podem lhe interessar:

Qual o tempo de recuperação da cirurgia para retirar pedra da vesícula?

Quantos dias após a cirurgia de hérnia inguinal posso ter relação?

Qual o tempo de recuperação da rinoplastia?