Perguntar
Fechar

Transtorno afetivo bipolar tem cura?

Transtorno afetivo bipolar não tem cura, mas é possível manter o distúrbio sob controle. O tratamento é feito com medicamentos, psicoterapia e mudanças no estilo de vida.

É fundamental seguir todo o tratamento corretamente, pois só assim é possível prevenir as crises e controlar a instabilidade de humor, o que permite que a pessoa tenha uma vida muito próxima do normal.

Lembrando ainda que as fases depressivas prolongadas não tratadas adequadamente podem aumentar o risco de suicídio em pacientes com transtorno afetivo bipolar.

Medicamentos

Os medicamentos usados para tratar o transtorno afetivo bipolar podem incluir antipsicóticos, ansiolíticos, anticonvulsivantes e estabilizadores de humor. A medicação deve ser mantida até ao fim da vida.

O carbonato de lítio, por exemplo, é um dos mais usados para controlar a euforia aguda e evitar novas crises, principalmente se o seu uso estiver associado a antidepressivos e anticonvulsivantes.

Contudo, os medicamentos antidepressivos podem provocar uma passagem rápida da depressão para a euforia ou aumentar a incidência das crises, por isso devem ser usados com cautela.

Psicoterapia

O papel da psicoterapia no tratamento do transtorno afetivo bipolar é muito importante, pois ajuda a pessoa a lidar com o distúrbio e as dificuldades que traz, auxiliando também na prevenção de novas crises e na continuidade do tratamento medicamentoso.

A terapia familiar também pode ser incluída no tratamento do transtorno bipolar para ajudar os familiares a lidar com o portador e seus comportamentos.

Mudanças no estilo de vida

As mudanças de rotina incluem a suspensão do uso de substâncias, como álcool e estimulantes como anfetaminas, cafeína e outras drogas psicoativas, como cocaína, melhoria da qualidade do sono, além de controle do estresse e adoção de hábitos e estilo de vida saudáveis.

O médico especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento do transtorno é o psiquiatra.

Saiba mais em:

Quais são os sintomas do transtorno afetivo bipolar?

Transtorno afetivo bipolar: Quais as causas e como identificar?