Sangramentos

Dá para confundir sangramento de nidação com menstruação escura?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. É possível confundir sangramento de nidação com menstruação escura, mas as duas situações ocorrem em momentos diferentes do ciclo menstrual da mulher. A nidação ocorre no meio do ciclo e a menstruação inicia um novo ciclo.

Além disso, o sangramento da menstruação é intenso e dura de 3 a 7 dias. A cor do fluxo varia entre vermelho vivo, vermelho escuro e marrom. Quando o fluxo menstrual é intenso, pode vir acompanhado de coágulos. Já o sangramento de nidação dura de 1 a 2 dias e a quantidade de sangue é muito menor. A cor pode ser mais clara que a da menstruação, podendo ser rosada em alguns casos.

Portanto, apesar de haver semelhanças na aparência dos sangramentos, é fácil identificar um e outro pelo período em que ocorreram.

Vale lembrar que o sangramento de nidação é raro, não ocorre em todas as gestações e o sangue pode ter qualquer aspecto. Quando acontece, ocorre no meio do ciclo (longe da menstruação) e tem poucas horas de duração ou dura no máximo 1 ou 2 dias.

O importante é observar se depois desse sangramento a menstruação atrasa. Se ela atrasar por pelo menos duas semanas, é provável que seja gravidez.

Porém, a cor da menstruação varia em cada mulher, sobretudo as que utilizam algum tipo de anticoncepcional hormonal. Nesses casos, é normal a menstruação apresentar uma coloração diferente e não indica nada de grave.

Saiba mais em: Como distinguir sangramento de menstruação?

O que é nidação?

A nidação é a implantação do óvulo fecundado no endométrio. Ocorre quando o embrião, normalmente formado nas trompas, já se deslocou para o interior do útero e começou a se fixar na parede interna uterina.

O sangramento de nidação ocorre quando o embrião se fixa na camada interna do útero (endométrio).

Quais são os sintomas de nidação?

A nidação se caracteriza pela ocorrência de pequenos sangramentos de coloração marrom, rosa ou vermelha, que duram no máximo 3 dias. Outros sintomas comuns da nidação são as cólicas semelhantes às cólicas menstruais e a dor leve, em pontada, na região inferior do abdômen.

O que é menstruação?

A menstruação é um sinal de que ocorreu ovulação durante algum dia do ciclo menstrual e o óvulo não foi fecundado. O endométrio, que estava preparado para receber o embrião, descama e sangra por alguns dias, dando origem à menstruação, que é composta por sangue e tecido do interior do útero.

Para uma mulher com um ciclo menstrual de 28 dias, o dia da ovulação é o 14º dia, que fica no meio do ciclo. O período fértil começa 3 dias antes e termina 3 dias depois do dia da ovulação, ou seja, entre o 11º e o 17º dia do ciclo menstrual. Isso significa que, se houver fecundação e nidação, o sangramento irá ocorrer nesse período.

O que pode deixar a menstruação escura?

A mulher também deve estar atenta se a menstruação ficar mais escura, de coloração meio marrom ou quase preta. Se isso ocorrer, pode ser sinal de endometriose, lesões na vagina, no útero ou no colo uterino, cisto de ovário, DST (doença sexualmente transmissível), alterações hormonais causada por medicamentos, estresse ou mudança de pílula anticoncepcional.

Uma menstruação escura e com pouco fluxo também pode ser sinal de gravidez, miomas uterinos, inflamação no útero, uso da pílula do dia seguinte ou ainda efeito colateral de algum medicamento.

Qualquer tipo de sangramento fora do período normal ou que tenha um aspecto diferente do habitual deve ser comunicado ao/à médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

É normal sangrar depois da segunda relação sexual?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, é normal sangrar depois da segunda relação sexual, desde que você não tenha sangrado na primeira vez. Isso porque nem todas as mulheres sangram na primeira relação e, quando isso não ocorre, elas podem sangrar na segunda, na terceira ou só depois de muitas relações. Há inclusive mulheres que nunca sangram.

Quando ocorre, esse sangramento é causado pelo rompimento do hímen, que é uma pequena membrana localizada na entrada da vagina. Geralmente essa película se rompe na primeira relação sexual da mulher, mas isso não é uma regra.

A razão por que o sangramento pode ocorrer na segunda, terceira ou posteriores relações está nas variações que o hímen pode apresentar na:

  • Forma: Há himens que têm um "buraco" no meio, enquanto outros são parecidos com uma rede. Uns são mais espessos e podem causar dor quando se rompem, enquanto outros são tão finos que a mulher nem sente que ele se rompeu;
  • Elasticidade: Os himens pouco elásticos normalmente se rompem logo na primeira relação sexual. Já os himens com mais elasticidade, conhecidos como "complacentes”, podem se romper só depois de várias relações.

O médico ginecologista pode verificar o formato do hímen durante o exame ginecológico, embora não seja possível avaliar a sua elasticidade.

É importante lembrar que o sangramento decorrente do rompimento do hímen é pequeno e pode durar no máximo algumas horas. Sangramentos intensos, volumosos e ou persistentes devem ser avaliados por um médico ginecologista.

Leia também: Quanto tempo dura o sangramento depois de perder a virgindade?

Qual a diferença do sangramento da nidação e do escape?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não há diferença entre os sangramentos, somente sabemos se foi um ou outro depois. Se foi nidação, uma gravidez deve aparecer. Se foi escape, uma gravidez não deve aparecer.

O sangramento da nidação é uma perda de sangue que ocorre no momento em que o óvulo fecundado fixa-se na parede interna do útero, logo no início da gravidez. Já o sangramento de escape, também chamado spotting, é aquele que ocorre fora do período menstrual, daí ser conhecido também como sangramento intermenstrual.

O sangramento de nidação é um tipo de escape. No entanto, utiliza-se o termo “nidação” para diferenciá-lo dos outros tipos de sangramento, já que essa perda de sangue é característica do começo da gestação.

Tanto no sangramento de escape como no de nidação, há uma perda de sangue pequena, sendo observadas pequenas gotas de sangue na calcinha. Esse tipo de sangramento não é suficiente para cobrir um absorvente.

A ocorrência de sangramento de escape no início da gestação também pode ser sinal de gravidez ectópica, que ocorre quando o óvulo fecundado se desenvolve fora do útero. Trata-se de uma condição que pode ser fatal se não for tratada.

Sangramento de escape pode ser gravidez?

Sim, um sangramento de escape pode ser gravidez. Porém, a nidação nem sempre causa sintomas e nem todas as mulheres apresentam sangramento. Por outro lado, algumas gestantes podem ter escape durante as primeiras 20 semanas de gravidez.

Além da nidação, a ocorrência de sangramento de escape no 1º trimestre de gravidez pode ainda ser devida a relações sexuais, infecções e alterações hormonais.

As causas mais graves de escape no 1º trimestre de gestação incluem:

  • Aborto espontâneo: quase todas as mulheres que abortam espontaneamente têm sangramento antes do aborto;
  • Gravidez ectópica: pode causar sangramento e cólicas;
  • Gravidez molar: ocorre quando o óvulo fertilizado se implanta no útero e não se desenvolve.

A gestante deve procurar atendimento médico se apresentar:

  • Sangramento intenso;
  • Sangramento com cólicas ou dor;
  • Tontura e sangramento;
  • Dor no abdômen ou na pelve.
O que pode causar sangramento de escape?
  • Miomas uterinos ou pólipos uterinos ou cervicais;
  • Alterações hormonais;
  • Inflamação ou infecção do colo do útero ou do útero;
  • Lesão ou doença na vagina causada por relações sexuais, trauma, infecção, pólipo, verrugas genitais, úlcera ou varizes;
  • Uso de DIU;
  • Gravidez ectópica;
  • Aborto espontâneo;
  • Complicações na gravidez;
  • Secura vaginal devido à falta de estrógeno após a menopausa;
  • Estresse;
  • Usar anticoncepcional hormonal de forma irregular, como iniciar e interromper ou pular pílulas anticoncepcionais, adesivos ou anéis vaginais;
  • Hipotireoidismo;
  • Uso de anticoagulantes;
  • Câncer ou lesões pré-cancerígenas no colo do útero, útero ou trompas de Falópio;
  • Exame pélvico, biópsia cervical ou outros procedimentos no colo do útero ou endométrio.

O sangramento vaginal que ocorre entre os períodos ou após a menopausa pode ser causado por vários problemas. A maioria é benigna e pode ser facilmente tratada. Em alguns casos, o sangramento pode ser sinal de câncer ou pré-câncer. O risco de desenvolver câncer aumenta para aproximadamente 10% em mulheres com sangramento na pós-menopausa.

Portanto, qualquer perda de sangue deve ser avaliada pelo/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista.

Sangue vivo nas fezes, o que pode ser e o que fazer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Fezes com sangue vivo são um sinal de sangramento na região baixa do sistema digestivo, ou seja, no intestino grosso, reto ou ânus. As causas mais frequentes são devidas a lesões no ânus (fissuras anais) e hemorroidas, que geralmente sangram em situações que exigem esforço para evacuar, como em casos de prisão de ventre.

O sangramento nesses casos costuma ser pequeno e as fezes apresentam uma pequena quantidade de sangue, que também pode ser apenas observado no papel higiênico.

Hemorroidas

Os principais sinais e sintomas da hemorroida são a dor ao evacuar e as fezes com um pouco de sangue. O sangue pode ser notado pelas gotas que caem depois da evacuação ou no papel higiênico.

Fissuras anais

Já as fissuras anais provocam muita dor durante as evacuações e o sangramento pode ser observado pela presença de um pouco de sangue nas fezes, no papel higiênico ou no vaso sanitário.

O que fazer em caso de fezes com sangue vivo?

Uma vez que, muitas vezes, a presença de sangue nas fezes está relacionada com o esforço para evacuar, o sangramento pode ser evitado através de cuidados para prevenir a constipação intestinal.

A prisão de ventre pode ser amenizada com ingestão de mais líquidos e a manutenção de uma alimentação saudável, rica em alimentos ricos em fibras como frutas, vegetais, farelo de trigo e aveia. A atividade física regular, como caminhar, estimula o trânsito intestinal, melhorando também a constipação.

No entanto, fezes com sangue pode ser um sinal de doenças potencialmente graves e fatais. Por isso, se o sangramento persistir, é altamente recomendável procurar um médico.

O gastroenterologista ou o proctologista são os médicos especialistas indicados para realizar o diagnóstico e tratamento de problemas do sistema digestivo, como no caso de presença de sangue nas fezes.

Quais as outras causas de fezes com sangue?

Além das hemorroidas e das fissuras anais, existem ainda outras doenças que podem causar esses sangramentos e deixar as fezes com sangue vivo, como pólipos no intestino, inflamação no reto ou no ânus, úlcera ou câncer no reto, câncer no ânus e endometriose intestinal.

Fezes com sangue escuro e um odor intenso característico (melena), pode ser sinal de um sangramento mais intenso na boca, esôfago, estômago ou porção inicial do intestino (duodeno). Nesses casos, o sangramento pode ser causado por traumatismos, úlcera, esofagite, varizes no esôfago, pólipos intestinais e tumores

Outras causas para a presença de sangue nas fezes incluem: diverticulose, vermes, doenças infecciosas, câncer e doenças inflamatórias intestinais, como colites, doença de Crohn e retocolite ulcerativa

Dor e sangramento no umbigo: o que pode ser e o que fazer?

Dor e sangramento no umbigo pode ser sinal de endometriose umbilical. A endometriose é a presença de endométrio (tecido que reveste a parte interna do útero) fora da cavidade uterina. No caso da endometriose umbilical, o endométrio se desenvolve na região do umbigo, causando dor e sangramento durante o período menstrual.

O sangramento é percebido durante a menstruação porque o endométrio é o tecido uterino que descama e sangra na fase menstrual. Portanto, o mesmo estímulo que o endométrio sofre no útero durante a menstruação, também ocorre nas regiões afetadas pela endometriose.

A endometriose é mais comum na cavidade pélvica, afetando muitas vezes os ovários, o intestino e os ligamentos uterinos. Contudo, ela também pode surgir fora da pelve em cerca de 12% dos casos, desenvolvendo-se na região umbilical, pele e tecido subcutâneo, períneo (região entre ânus e vagina), pleura (membrana que reveste o pulmão) e parede de hérnias.

A endometriose umbilical é bastante rara e representa, em média, apenas 0,7% dos casos de endometriose. O seu principal sintoma é a presença de um nódulo no umbigo, de coloração acastanhada, avermelhada ou arroxeada, que incha, sangra e dói durante a menstruação.

Porém, há casos em que os sintomas não se manifestam ou surgem também fora do período menstrual. Cerca de 25% das mulheres com endometriose umbilical também têm endometriose na cavidade pélvica simultaneamente.

Leia também: O que é endometriose?

O diagnóstico é feito através de exame ginecológico, ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética. O tratamento é cirúrgico, com remoção da lesão nodular. Nódulos menores podem ser tratados com medicamentos hormonais. A terapia hormonal também pode ser indicada para reduzir o tamanho dos nódulos maiores antes da cirurgia.

É importante lembrar que a dor e o sangramento no umbigo podem ter várias causas, além da endometriose. Por isso, o mais indicado é consultar um médico clínico geral ou médico de família, que poderá diagnosticar e tratar o problema ou encaminhar para um especialista.

Saiba mais em:

Dor no umbigo: o que pode ser?

Umbigo inflamado: o que pode ser?

Sai do umbigo uma secreção com mau cheiro, o que pode ser?

Espirrar sangue: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Espirrar sangue é indicativo de acometimentos nas vias aéreas superiores ou inferiores que podem ter várias causas, sendo a mais comum rinossinusite. Normalmente, o espirro é uma reação alérgica à algum componente presente no ar inspirado. Quando a reação alérgica é mais intensa ou quando há presença de algum microrganismo danificando a mucosa, o espirro pode vir acompanhado de sangue.

Espirrar sangue pode vir acompanhado de tosse com sangue e pode acontecer em abscessos pulmonares, tromboembolismo pulmonar, algumas doenças imunes, uso de drogas como a cocaína, distúrbios na coagulação, etc.

Você pode saber mais em:Tossir sangue: o que pode ser?

Ao tossir tenho catarro com sangue, o que pode ser?

Toda pessoa que está espirrando sangue deve ser investigada. Por isso, procure um/a médico/a de família ou clínico geral em alguma unidade de saúde para iniciar a investigação.

É normal sentir dor e sangrar depois da colonoscopia?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Depois da colonoscopia é normal sentir dor abdominal, que são cólicas intestinais causadas pelo ar que é injetado no intestino durante o exame. Já os sangramentos são raros e só ocorrem em pouquíssimos casos, principalmente quando a colonoscopia é feita com biópsia ou remoção de pólipos (polipectomia).

A dor abdominal que pode surgir depois da colonoscopia geralmente desaparece após 4 horas. Já o sangramento pode ocorrer durante o exame ou alguns dias depois. Contudo, se o procedimento for feito sem sedação, pode haver dor e cólicas no momento da colonoscopia.

O/a médico/a deve ser contactado/a com máxima urgência se após a colonoscopia houver dor intensa no abdômen, sangramento persistente, grande volume de sangue nas fezes, febre, vômitos e calafrios.

O exame de colonoscopia não é perigoso. Trata-se de um exame seguro, mas que tem alguns riscos, embora sejam bastante baixos. As complicações mais frequentes são a perfuração e o sangramento, embora sejam raras.

A perfuração ocorre em cerca de 0,5% dos exames de colonoscopia. É mais comum em pessoas idosas com doença diverticular do cólon. Porém, quando os pólipos são retirados, o risco de perfuração é maior, podendo chegar a 2%.

Os sangramentos são ainda mais raros e só acontecem em 0,05% dos exames. Normalmente, ocorrem em pacientes com problemas na coagulação sanguínea, quando a colonoscopia é feita com biópsia. Os sangramentos são mais frequentes quando o exame inclui outros procedimentos, como a polipectomia (retirada de pólipos), podendo ocorrer em até 2,5% dos casos.

A perfuração normalmente necessita de tratamento cirúrgico, enquanto que os sangramentos podem ser resolvidos por cauterização das lesões.

A colonoscopia é feita apenas pelo/a médico/a gastroenterologista, coloproctologista ou colonoscopista, devidamente treinado/a e capacitado/a para a realização do exame.

Leia também:

Como é feita a colonoscopia?

Exame de colonoscopia: como devo me preparar?

Colonoscopia pode detectar câncer de intestino?

Como é o preparo para colonoscopia?

Mamilos sangrando. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Mamilo sangrando durante a amamentação pode ser um sinal de pega e posicionamento inadequados, que podem causar rachaduras, fissuras e até fazer o mamilo sangrar.

Para evitar machucados e sangramentos nos mamilos durante a fase de amamentação, é preciso ter alguns cuidados:

  • Garantir uma boa pega: O bebê deve abocanhar todo o mamilo, inclusive a aréola, e não apenas o bico do seio;
  • Preparar o mamilo antes do parto:
    • Lavar as mamas apenas com água, não fazer uso de sabonetes ou cremes, pois retiram a hidratação natural das mamas facilitando o aparecimento de feridas e ou rachaduras;
    • A partir do momento que as mamas estiverem crescendo e se tornando pesadas, não deixe de utilizar um sutiã com boa sustentabilidade, mesmo durante a noite;
    • Tomar sol nos mamilos: Deixe os mamilos expostos ao sol todos os dias, durante 10 a 15 minutos, entre 8h e 10h da manhã, ou depois das 16h. Se não for possível tomar sol, faça o seguinte:
      • Tire a cúpula de um abajur em casa e coloque nele uma lâmpada de 40 watts;
      • Deixe os mamilos expostos à luz a uma distância de 20 cm, durante 15 minutos. Tanto o sol como a luz aumentam a produção de melanina, deixando os mamilos mais resistentes.
Mamilos sangrando pode ser câncer?

Sim, a ocorrência de sangramento pelos mamilos fora do período de amamentação pode indicar problemas mais graves, como câncer de mama.

O principal sinal de câncer de mama é a presença de um nódulo ou endurecimento no seio que não desaparece e não muda de aspecto durante a palpação.

Outros sinais que podem ocorrer:

  • Inchaço;
  • Retração da pele;
  • Vermelhidão;
  • Ulceração ou feridas na pele;
  • Sangramento pelo mamilo;
  • Desvio do mamilo;
  • Alteração da aréola.

Consulte um médico ginecologista ou mastologista em caso de sangramento pelos mamilos ou qualquer outra alteração nas mamas.

Leia também:

Tenho bolinhas nos mamilos. O que pode ser e o que fazer?

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor e coceira nos seios, o que pode ser?