Perguntar
Fechar

Endometriose

Mancha preta no útero, o que pode ser?

Manchas pretas localizadas na parte externa do útero (colo do útero) dentro da vagina podem ser devidas às lesões e verrugas causadas pelo HPV, que é um vírus transmitido, principalmente, por contato sexual. Caso a mancha esteja localizada fora da cavidade uterina, na parte externa do útero, dentro do abdome (visualizada através do exame de laparoscopia endoscópica), pode ser endometriose, que é causada pela fixação de células próprias do revestimento interno do útero (endométrio) fora dele ou em outros órgãos como bexiga, vagina, intestino e ovários.

O ginecologista é o médico indicado para diagnosticar a causa dessas manchas e orientar o tratamento adequado.

Dor e sangramento no umbigo: o que pode ser e o que fazer?

Dor e sangramento no umbigo pode ser sinal de endometriose umbilical. A endometriose é a presença de endométrio (tecido que reveste a parte interna do útero) fora da cavidade uterina. No caso da endometriose umbilical, o endométrio se desenvolve na região do umbigo, causando dor e sangramento durante o período menstrual.

O sangramento é percebido durante a menstruação porque o endométrio é o tecido uterino que descama e sangra na fase menstrual. Portanto, o mesmo estímulo que o endométrio sofre no útero durante a menstruação, também ocorre nas regiões afetadas pela endometriose.

A endometriose é mais comum na cavidade pélvica, afetando muitas vezes os ovários, o intestino e os ligamentos uterinos. Contudo, ela também pode surgir fora da pelve em cerca de 12% dos casos, desenvolvendo-se na região umbilical, pele e tecido subcutâneo, períneo (região entre ânus e vagina), pleura (membrana que reveste o pulmão) e parede de hérnias.

A endometriose umbilical é bastante rara e representa, em média, apenas 0,7% dos casos de endometriose. O seu principal sintoma é a presença de um nódulo no umbigo, de coloração acastanhada, avermelhada ou arroxeada, que incha, sangra e dói durante a menstruação.

Porém, há casos em que os sintomas não se manifestam ou surgem também fora do período menstrual. Cerca de 25% das mulheres com endometriose umbilical também têm endometriose na cavidade pélvica simultaneamente.

Leia também: O que é endometriose?

O diagnóstico é feito através de exame ginecológico, ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética. O tratamento é cirúrgico, com remoção da lesão nodular. Nódulos menores podem ser tratados com medicamentos hormonais. A terapia hormonal também pode ser indicada para reduzir o tamanho dos nódulos maiores antes da cirurgia.

É importante lembrar que a dor e o sangramento no umbigo podem ter várias causas, além da endometriose. Por isso, o mais indicado é consultar um médico clínico geral ou médico de família, que poderá diagnosticar e tratar o problema ou encaminhar para um especialista.

Saiba mais em:

Dor no umbigo: o que pode ser?

Umbigo inflamado: o que pode ser?

Sai do umbigo uma secreção com mau cheiro, o que pode ser?

O que é endometriose profunda e quais os sintomas?

Endometriose profunda é uma forma grave de endometriose, que caracteriza-se pela presença de tecido endometriótico (lesões) com mais de 5 mm de profundidade. Essas lesões de endometriose profunda normalmente surgem na forma de nódulos e são ricas em fibrose, um tecido conjuntivo endurecido semelhante a uma cicatriz.

Endometriose é a presença de tecido uterino (endométrio) em outro local que não seja o útero. O endométrio é a camada mais interna do útero, que sangra durante a menstruação. Por isso, se não estiver no útero durante o período menstrual, esse tecido irá provocar dor ou alterações no local onde estiver.

A endometriose profunda pode acometer qualquer órgão da pelve, sobretudo os ligamentos uterinos, intestino, reto, vagina, bexiga e ureteres.

Quais são os sintomas da endometriose profunda?

Os principais sintomas da endometriose profunda incluem cólicas menstruais (dismenorreia), dor durante a relação sexual (dispareunia), dor pélvica, ciclos menstruais irregulares, dor à mobilização do colo do útero durante o exame ginecológico e diarreia durante o período menstrual.

Quando a doença atinge os ovários pode provocar o desenvolvimento de endometrioma, um cisto ovariano preenchido com sangue escuro envelhecido e tecido endometrial.

Leia também: O que é endometrioma?

A presença de endometrioma pode ser um indicador de gravidade da endometriose profunda, uma vez que o número médio de lesões de endometriose profunda é maior em mulheres com endometrioma.

A endometriose profunda não tem cura, mas possui tratamentos que melhoram a qualidade de vida da paciente.

Saiba mais em: Como é a cirurgia de endometriose?

O diagnóstico e tratamento da endometriose é da responsabilidade do médico ginecologista.

Também podem lhe interessar os artigos:

O que é endometriose intestinal? Quais os sintomas?

Endometriose tem cura? Qual o tratamento?

Endometriose pode virar câncer?

Endometriose pode virar câncer?

Não há evidência de que a endometriose possa causar câncer. Além disso, a incidência de câncer não parece ser maior em mulheres com endometriose do que nas mulheres da população em geral. 

No entanto, observa-se que alguns tipo de câncer de ovário são ligeiramente mais frequentes em mulheres com endometriose, por isso muitas vezes pensa-se que a endometriose causaria ou se transformaria em câncer, mas na verdade ainda não se sabe qual é a relação exata entre endometriose e o risco de câncer.

É importante salientar que a endometriose é uma doença benigna e a sua associação com o desenvolvimento de câncer depende de outros fatores, como predisposição genética e fatores ambientais.

Os casos de câncer ovariano relacionados à endometriose costumam se manifestar ainda nas fases iniciais, com lesões de baixo grau e com maiores chances de cura, quando comparados com os casos não associados à endometriose.

A endometriose profunda caracteriza-se pela presença de lesões de endometriose com mais de 5 mm de profundidade.

Saiba mais em: O que é endometriose profunda e quais os sintomas?

Normalmente essas lesões surgem na forma de nódulos e podem acometer qualquer órgão pélvico, sobretudo os ligamentos uterinos, vagina, intestino e bexiga.

Para mais esclarecimentos sobre a endometriose consulte o seu médico ginecologista ou médico de família.

Leia também:

Endometriose tem cura? Qual o tratamento?

Quais são os sintomas do câncer de ovário?

O que é endometriose?

Endometriose é a presença do endométrio (tecido que reveste a parte interna do útero e que sangra durante a menstruação) fora do útero. O endométrio se desenvolve em outras partes do corpo, causando inflamação.

O hormônio estrogênio, produzido nos ovários, é o responsável pelo crescimento da doença, pois é ele que estimula o crescimento do endométrio.

O mesmo estímulo que o endométrio sofre no útero durante a menstruação, também ocorre nas regiões afetadas pela endometriose, podendo causar dores ou alterações nos órgãos afetados. 

A endometriose está presente em cerca de 10 a 15% das mulheres e surge mais frequentemente nas mulheres mais jovens, em idade reprodutiva.

A doença se desenvolve principalmente na cavidade pélvica, em locais como:

Ainda não se sabe exatamente qual a causa da endometriose. Acredita-se que o seu desenvolvimento possa estar relacionado com a genética ou com a imunidade que não consegue inibir o surgimento da doença.

Quais os sintomas da endometriose?
  • Cólica menstrual;
  • Dificuldade para engravidar (30 a 40% dos casos);
  • Diarreia ou prisão de ventre e dor para evacuar durante o período menstrual;
  • Desconforto ou dor durante a relação sexual;
  • Dor para urinar ou presença de sangue na urina durante a menstruação;
  • Dores contínuas no baixo ventre, independentemente do período menstrual.

Vale lembrar que os sintomas da endometriose não ocorrem necessariamente todos ao mesmo tempo, variando em cada mulher.

Leia também:

Quais são os sintomas da endometriose?

O que é endometriose profunda e quais os sintomas?

Como é o tratamento para endometriose?

O tratamento da endometriose é feito com medicamentos hormonais ou cirurgia, dependendo da sua localização, extensão e gravidade.

O tratamento medicamentoso é indicado na maioria dos casos e também serve para diminuir as chances da doença voltar após a cirurgia.

Em geral, os medicamentos usados são anticoncepcionais orais ou injetáveis, ou o sistema intrauterino com hormônio (progestagênio).

O tratamento cirúrgico da endometriose é indicado quando não há melhoras com a medicação ou em casos mais avançados.

A cirurgia normalmente é feita por videolaparoscopia e retira todos os focos de endometriose.

Veja também: Endometriose tem cura? Qual o tratamento?

O diagnóstico da endometriose pode ser difícil, às vezes necessitando de vários exames, tais como ultrassonografia, ressonância magnética nuclear ou videolaparoscopia.

O ginecologista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da endometriose.

Saiba mais sobre endometriose em:

Tenho endometriose: posso engravidar?

Qual a diferença entre adenomiose e endometriose?

Endometriose pode virar câncer?

Qual a diferença entre endometriose e endometrioma?

Qual a diferença entre adenomiose e endometriose?

A diferença entre adenomiose e endometriose é que a adenomiose caracteriza-se pela invasão do endométrio (tecido que reveste a parte mais interna do útero) no miométrio (parte muscular do útero, enquanto que na endometriose o endométrio cresce fora da cavidade uterina.

A endometriose é a presença de endométrio em outros locais que não o útero, tais como ovários, peritônio (tecido que recobre os órgãos), intestino, ligamentos localizados atrás do útero, região atrás do colo uterino.

Na adenomiose o tecido endometrial cresce por dentro da parede uterina (miométrio), desenvolvendo também glândulas do endométrio na mesmo local.

Portanto, adenomiose e endometriose não são a mesma coisa. As doenças são diferentes, apesar de ambas serem dependentes do hormônio estrogênio, o que significa que quanto maior é a exposição ao estrogênio, maior é o crescimento da doença.

Leia também: O que é endometriose?; O que é adenomiose e quais os sintomas?

Outra semelhança entre adenomiose e endometriose, é que as duas estão relacionadas com infertilidade. Sabe-se que a endometriose está presente em até 50% das mulheres inférteis e a adenomiose em até 14% dos casos.

A endometriose pode surgir junto com a adenomiose, o que eleva ainda mais os riscos de infertilidade.

Por outro lado, a adenomiose acomete com mais frequência mulheres que já engravidaram ou que já foram submetidas a curetagem, miomectomia ou parto cesárea, ao contrário do que ocorre com a endometriose.

Tanto na endometriose como na adenomiose, o objetivo do tratamento é combater o endométrio que está presente onde não deveria estar. O tratamento pode incluir medicamentos hormonais e não hormonais, além de cirurgias.

Também pode lhe interessar: Endometriose pode virar câncer?

O médico ginecologista é o responsável pelo diagnóstico e tratamento da adenomiose e endometriose.

Endometriose tem cura? Qual o tratamento?

A cura para a endometriose ainda é controversa. Considera-se que a cura só ocorreria através da retirada do útero (histerectomia) e possivelmente dos ovários (ooforectomia), além da retirada cirúrgica dos focos de endometriose presentes em outros locais (intestino, bexiga, pulmões, peritônio), o que, claro, só deve ser indicado em pacientes com doença muito grave e que não desejam mais engravidar.

Há diversas modalidades de tratamento para endometriose:

  • esperar, para ver se ocorre melhora espontânea;
  • uso de anti-inflamatórios;
  • uso de medicações ou dispositivos, com objetivo de que a paciente pare de menstruar de 6 meses a um ano, como: contraceptivos orais ("pílula"), DIU com progesterona, danazol, gestrinona, leuprolide, goserelina, inibidores de uma enzima chamada aromatase.
  • cirúrgico: por videolaparoscopia, com objetivo de destruir implantes de células do endométrio, ou definitiva, na tentativa de "curar" a endometriose.

O seguimento e o tratamento deve ser feito por médico ginecologista.

Leia também:

Como é a cirurgia de endometriose?

Tenho endometriose: posso engravidar?

O que é endometriose profunda e quais os sintomas?

Endometriose pode virar câncer?

O que é endometriose intestinal? Quais os sintomas?

Endometriose intestinal é o crescimento de tecido do endométrio (camada mais interna do útero) no intestino. Trata-se de um tipo de endometriose profunda, uma forma grave de endometriose que caracteriza-se pela presença de lesões com mais de 5 mm de profundidade.

As lesões da endometriose intestinal normalmente aparecem na forma de nódulos e possuem muita fibrose, um tecido conjuntivo endurecido semelhante a uma cicatriz.

Os principais sintomas da endometriose intestinal são: dor ao evacuar ou sangramento intestinal durante a menstruação. Esses são os sinais e sintomas típicos da endometriose intestinal. Além deles, a mulher também pode apresentar:

  • Cólicas menstruais (dismenorreia);
  • Dor durante a relação sexual (dispareunia);
  • Dor pélvica;
  • Ciclos menstruais irregulares;
  • Diarreia durante o período menstrual.

O tratamento da endometriose intestinal pode ser feito com medicamentos hormonais ou cirurgia. A medicação não é capaz de curar a doença, mas pode ser eficaz para controlar a dor. Contudo, mesmo sem apresentar sintomas, a endometriose pode evoluir.

Casos mais graves de endometriose intestinal, em que há diminuição do calibre do intestino, precisam obrigatoriamente de tratamento cirúrgico. A cirurgia também é indicada quando o tratamento hormonal não é satisfatório.

A cirurgia é feita por videolaparoscopia e remove por completo as lesões intestinais. O tratamento cirúrgico é muito eficaz no controle da dor e a taxa de complicações é baixa, melhorando significativamente a qualidade de vida das mulheres.

Leia também: Como é a cirurgia de endometriose?

O médico ginecologista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da endometriose intestinal.

Saiba mais em:

O que é endometriose?

O que é endometriose profunda e quais os sintomas?

Quais são os sintomas da endometriose?