Perguntar
Fechar

O que significa colesterol não-HDL alto? Para que serve?

Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O colesterol não-HDL alto significa que o seu colesterol ruim está aumentado. O que representa um maior risco para doenças cardiovasculares, como o infarto agudo do coração e o derrame cerebral.

O que é colesterol não-HDL?

O colesterol total é a soma de todas as frações de colesterol, chamadas HDL, LDL, VLDL e IDL. O colesterol não-HDL é o colesterol total menos o HDL. Por isso, um exame de sangue pode vir descrito apenas como colesterol HDL e não-HDL.

  • O termo HDL é a abrevisão em inglês de lipoproteina de alta densidade, considerado o bom colesterol.
  • O não-HDL inclui as demais lipoproteinas, LDL (lipoproteina debaixa densidade), VLDL (lipoproteina de muito baixa densidade) e IDL (lipoproteina de densidade intermediária), consideradas frações de colesterol ruim.

Por que o colesterol não-HDL é considerado ruim?

Porque aumentam o risco de doenças vasculares, como o infarto do coração e o derrame.

O LDL, VLDL e o IDL, ou simplesmente colesterol não-HDL, possuem um baixo peso molecular, são mais "leves", o que facilita a sua deposição e acúmulo dentro das artérias, formando as placas de gordura. Com isso, aumentam o risco do entupimento desse vaso.

O colesterol HDL, devido ao seu maior peso molecular, faz o caminho contrário, além de não se acumular nos vasos, pode remover as placas de gordura quando passa pela artéria. Por isso é considerado um bom colesterol, um fator protetor para doença cardiovascular.

Quais os valores normais de colesterol HDL e não-HDL?

Os valores considerados normais são:

  • HDL - acima de 40 mg/dl
  • Não-HDL: abaixo de 130 mg/dl
  • Colesterol total - abaixo de 190 mg/dl

No entanto, esses valores podem variar, de acordo com a saúde e riscos de doenças vasculares de cada pessoa. Esse risco é estimado pelo médico, durante a consulta, de acordo com as doenças crônicas e estilo de vida da pessoa.

Quanto maior o risco, maior a exigência de controle do colesterol. As taxas devem ser mais baixas para diminuir o risco de entupimento.

A pressão alta, diabetes, tabagismo, aumento de peso e sedentarismo são fatores que aumentam esse risco. Sendo assim, o médico pode orientar o valor mais adequado de colesterol não-HDL para cada um de forma individualizada.

Colesterol não-HDL de acordo com o risco cardiovascular:

  • Baixo risco - abaixo de 160 mg/dl
  • Risco Intermediário - abaixo de 130 md/dl
  • Alto risco - abaixo de 100 mg/dl
  • Muito alto risco - abaixo de 80 mg/dl

O que devo fazer para baixar o colesterol ruim?

A redução do colesterol ruim depende de uma série de medidas, é preciso cuidar da alimentação, praticar atividades físicas e algumas vezes, especialmente nos casos de doença genética, acrescentar medicamentos.

Procure seguir as orientações abaixo:

1. Alimente-se bem

Evite comer frituras e gordura, aumente a sua ingesta de verduras e legumes nas refeições e procure comer frutas diariamente. Também é indicado beber pelo menos 1 litro e meio de água por dia.

Para uma dieta equilibrada, com todos os alimentos necessários para o bom funcionamento do seu organismo, o mais indicado é que procure um profissional dessa área, um nutrólogo ou nutricionista.

2. Diminua o peso

Pessoas com história familiar podem ter o colesterol ruim aumentado, mesmo com o peso ideal, nesses casos não é preciso perder peso, provavelmente será indicado um medicamento e atividade física regular para reduzir o risco cardiovascular.

Porém, na maioria das vezes, o aumento da gordura está associado ao aumento de peso, que pode ser identificado pelo cálculo do IMC (índice de massa corpórea). O IMC é calculado pela fórmula: O recomendado é que esteja abaixo de 25.

Saiba como calcular o seu IMC no artigo: Como calcular o peso ideal?

3. Pratique atividade física regularmente

A prática de exercícios é a forma mais eficaz para redução do colesterol ruim, mas para ter efeito, é preciso que seja feita pelo menos 4x por semana, durante 30 minutos ou mais.

Procure o seu médico para avaliar qual seriam os esportes ou atividades propostas para o seu caso, e se possível, procure um profissional da área de educação física para ajudar no treino, para que o resultado seja alcançado mais rápido, respeitando as suas limitações.

4. Tome os seus remédios corretamente

O uso correto das medicações, seja da pressão, do açúcar elevado ou outras medicações que faça uso são fundamentais.

Se for preciso, coloque alarmes, despertadores ou peça ajuda a algum familiar, para tomar as medicações sempre no mesmo horário, auxiliando o corpo a encontrar o seu equilíbrio e resultados positivos.

5. Evite hábitos ruins

Especialmente o cigarro deve ser abandonado. O tabagismo aumenta em até 5 vezes o risco de um infarto, sendo desaconselhado o seu uso. Existem diversos tratamentos para auxiliar nesse processo, converse com o seu médico. Bebidas alcoólicas também devem ser evitadas porque aumentam o peso e a produção de colesterol ruim.

Embora o organismo precise de todos os tipos de colesterol para manter o seu funcionamento normal, as taxas elevadas podem também causar problemas à saúde. Procure manter o equilíbrio seguindo os valores recomendados para cada tipo de colesterol.

Para mais esclarecimentos sobre esse assunto, converse com o seu médico da família ou clínico geral.

Saiba mais sobre como reduzir o colesterol ruim nos artigos:

Referência:

Consenso Brasileiro para a Normatização da Determinação Laboratorial do Perfil Lipídico.