Perguntar
Fechar

Diabetes

Diabetes interfere no ciclo menstrual?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

Sim.

O diabetes, principalmente o do tipo 2, está quase sempre relacionado à obesidade e à resistência a insulina, ou seja, a alterações no efeito da insulina sobre as células do corpo.

Esses dois fatores podem levar a irregularidades menstruais e, consequentemente, a algum grau de infertilidade.

Porém, o contrário também é verdade: o ciclo menstrual pode interferir no controle do diabetes. Isso porque, ao longo do ciclo, os níveis de hormônios como estrógeno e progesterona variam. E eles também interferem no funcionamento da insulina.

Sendo assim, pode ocorrer flutuações nos níveis de glicemia, o que pode favorecer ou prejudicar o controle do diabetes ao longo do mês.

Consulte seu endocrinologista e seu ginecologista para saber mais detalhes.

Tenho sentido um tremor e formigação nas pernas e pés...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Seu peso está dentro do esperado, os seus outros sintomas são compatíveis com ansiedade ou problemas de circulação, mas como sua urina está doce o ideal é em primeiro lugar ir a um médico contar isso a ele e fazer exames para ver se não tem diabetes. E depois de ver o resultado dos exame ver o que fazer.

Como é feito o diagnóstico do diabetes?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O diagnóstico do pré-diabetes e do diabetes pode ser feito através dos seguintes exames:

  • Exame de glicemia em jejum (pré-diabetes ou diabetes): É o mais utilizado para diagnosticar o diabetes. Nele, a glicose no sangue é medida após um período de jejum de pelo menos 8 horas;
  • Teste oral de tolerância à glicose (pré-diabetes ou diabetes): Mede-se a glicose sanguínea após 8 horas de jejum e também 2 horas após a ingestão de um líquido com glicose;
  • Teste aleatório de glicose plasmática (diabetes): Este teste analisa a glicose sem considerar a última refeição e o seu resultado é avaliado juntamente com os sintomas do paciente;
  • Hemoglobina Glicada (HbA1c): Reflete o histórico da glicemia nos últimos 120 dias e os valores mantêm-se estáveis depois da coleta.
Valores de Referência para Diagnosticar o DiabetesExame de Glicemia em Jejum
  • Glicemia entre 100 mg/dl e 125 mg/dl: Pré-diabetes (propensão para desenvolver diabetes tipo 2);
  • Glicemia igual ou superior a 126 mg/dl: Diabetes. O diagnóstico é confirmado após repetição do exame em um outro dia.

Veja também: Quais são os sintomas do pré-diabetes?

Teste Oral de Tolerância à Glicose:
  • Glicemia entre 140 mg/dl e 199 mg/dl: Pré-diabetes;
  • Glicemia igual ou superior a 200 mg/dl: Diabetes. O diagnóstico é confirmado após repetição do exame num outro dia.
Teste Aleatório de Glicose Plasmática (Exame de Glicose Random)

Pode haver diagnóstico de diabetes se a glicemia for igual ou superior a 200 mg/dl e estiver associada a algum dos seguintes sintomas:

  • Aumento do volume de urina;
  • Sede excessiva;
  • Fome excessiva;
  • Emagrecimento sem motivo aparente;
  • Cansaço;
  • Visão turva;
  • Feridas que demoram para cicatrizar.

O diagnóstico é confirmado após a realização de um exame de glicemia em jejum ou exame oral de tolerância à glicose, em outro dia.

Hemoglobina Glicada 
  •  HbA1c superior a 6,5% (com confirmação posterior) = Diabetes, sendo que a confirmação se torna desnecessária se houver sintomas ou o paciente apresentar glicemia superior a 200 mg/dl;
  • HbA1c entre 5,7 e 6,4 %: Risco elevado de desenvolver diabetes.

Saiba mais em: Quais são os principais tipos de exame de sangue e para que servem?

O diagnóstico do diabetes deve ser feito pelo/a médico/a endocrinologista.

Exame de dosagem de insulina alterado o que significa?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Este exame não serve para diagnóstico de diabetes. O resultado significa que está aumentado (mais insulina que o esperado) pode significar uma resistência periférica à insulina (é um estado que pode anteceder o diabetes).

Estou com 114 de glicemia, já é diabete?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não. Valores de glicemia de jejum entre 100 e 125 (este valor ainda é discutível), mas é o que eu costumo usar na minha prática do consultório, são valores considerados com um estágio "pré-diabetes", porém precisa ser tratado.

Diabetes podem alterar o resultado dos exames TGO e TGP?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, Diabetes pode alterar o resultado dos exames TGO e TGP.

A diabetes tipo 2 pode causar um tipo de inflamação no fígado chamada esteatose hepática. Isso pode causar uma elevação no valor das enzimas hepáticas e alterar o resultado do exame de TGP e TGO.

O exame de TGP é um exame laboratorial que avalia a presença de alguma inflamação no fígado. Em algumas hepatites, no entanto, o resultado do exame pode estar normal e haver inflamação no fígado na mesma.

As doenças hepáticas e condições que aumentam os níveis de TGP são:

  • Alcoolismo;
  • Hepatites virais; Hepatites não-alcoólicas;
  • Cirrose;
  • Colestase;
  • Hemocromatose.

O exame de TGO também serve para detectar inflamação no fígado. Pode estar normal em algumas hepatites, e, ainda assim, existir inflamação no fígado.

Algumas doenças que provocam alteração nos níveis de TGO:

  • Hepatite alcoólica: Os níveis de TGO se elevam e chegam a ser duas vezes maiores que os de TGP;
  • Casos especiais de anemia, como quando os glóbulos vermelhos do sangue são destruídos;
  • Doenças cardíacas, como o infarto agudo do miocárdio (ataque cardíaco).

TGP e TGO são indicadores sensíveis de danos no fígado em diversos tipos de doenças.

No entanto, é importante lembrar que níveis mais altos que o normal dessas enzimas não indicam, necessariamente, que você tenha uma doença hepática já estabelecida.

Isso pode indicar algum problema ou não. A interpretação do resultado dos exames de TGO e TGP depende do quadro clínico geral do/a paciente e da correlação com outros exames e deve ser feita pelo/a médico/a que está acompanhando o/a paciente.

Diabético pode beber bebida alcoólica?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, pessoas com diabetes podem beber bebida alcoólica, desde que seja com moderação e com muito atenção para que não se aumente o risco de hipoglicemia (diminuição do açúcar no sangue).

A Sociedade Americana de Diabetes recomenda que o consumo diário não ultrapasse 1 dose (1 copo de vinho ou 1 cerveja, por exemplo) para as mulheres e 2 doses para os homens.

O álcool afeta os níveis de glicose no sangue, porque dificulta a regulação pelo fígado da quantidade de açúcar no sangue. Isso ocorre porque quando se ingere álcool o fígado fica mais ocupado com a metabolização do álcool e não consegue regular a glicose paralelamente. Esse processo aumenta o risco de hipoglicemia.

Por isso, se for beber, o paciente diabético deve seguir as seguintes orientações:

  • Não beber álcool com o estômago vazio;
  • Não beber se o nível de glicose no sangue estiver baixo (o consumo de álcool é permitido se a glicemia estiver entre 100 e 140 mg/dL);
  • Beber lentamente e não ultrapassar a quantidade máxima diária;
  • Beber sempre água quando estiver bebendo álcool, para manter a hidratação;
  • Como os sintomas de hipoglicemia e embriagues são muito parecidos, é importante nunca ultrapassar o limite máximo de bebida.

Essas recomendações servem tanto para aqueles pacientes diabéticos com Diabetes tipo 1 ou Diabetes tipo 2 que façam uso de insulina ou não.

Se é diabético e pretende consumir bebida alcoólica, fale com o seu médico de família, clínico geral ou endocrinologista para maiores esclarecimentos.

Também podem lhe interessar:

Que cuidados com a alimentação deve ter uma pessoa com diabetes?

Quem tem diabetes deve evitar comer o que?

Quem tem diabetes pode comer melancia e banana?

Pré-diabetes sempre evolui para diabetes? Em quanto tempo isso pode acontecer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não, pré-diabetes nem sempre evolui para diabetes. O paciente pode inclusive permanecer nessa situação a vida toda e não chegar a desenvolver diabetes.

O pré-diabetes é um estado intermediário entre a normalidade e o diabetes tipo 2 e indica que a pessoa tem um risco elevado de desenvolver diabetes, o que pode acontecer a qualquer momento.

Não existe um tempo determinado para o pré-diabetes evoluir para diabetes. A evolução vai depender de um tratamento adequado e também de fatores como a genética e a idade. Há casos em que, mesmo tomando todos os cuidados, o paciente acaba desenvolvendo diabetes.

O importante é detectar e tratar o pré-diabetes o mais cedo possível. O tratamento inclui:

  • Mudanças no estilo de vida - reduzem em até 40% o risco do pré-diabetes evoluir para diabetes:

    • Dieta adequada;
    • Perda de peso;
    • Exercício físico regular;
  • Medicamento (metformina) - reduz em 20% o risco do pré-diabetes evoluir para diabetes.

Embora nem sempre a medicação esteja indicada, para pacientes com índice de massa corporal (IMC) acima de 35, a metformina tem se mostrado bastante eficaz no tratamento.

O pré-diabetes é uma condição séria que deve ser tratada, não só para prevenir a evolução para o diabetes mas também para evitar o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Cabe ao médico endocrinologista avaliar a condição do paciente e prescrever o tratamento mais adequado.

Saiba mais em: Quais são os sintomas do pré-diabetes?

Resultado 132 de glicemia já pode-se considerar diabetes?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Um único exame com esse valor não indica diabetes, mas é um sinal de alerta para essa doença, isso é importante e deve ser levado a sério.

Hemoglobina glicada, o que é?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A hemoglobina glicada, também abreviada como HbA1c, é uma forma de hemoglobina presente naturalmente nos glóbulos vermelhos (hemácias). Resulta da reação entre a glicose do sangue e a proteína hemoglobina que está presente nos glóbulos vermelhos.

Nos 90 dias de vida da hemácia, a hemoglobina vai assimilando glicose, graças à concentração que existe desse açúcar na corrente sanguínea. Se as taxas de glicose estiverem altas durante esses 90 dias, a hemoglobina glicada também aumentará.

Glóbulos vermelhos (hemácias)

Também conhecida como glicohemoglobina, a hemoglobina glicada engloba vários componentes da hemoglobina, que se formam lentamente por meio de uma reação entre a hemoglobina e a glicose. Quanto mais hemoglobina glicada tiver o glóbulo vermelho, maior é a concentração de glicose (açúcar) no sangue.

Por isso, o exame de hemoglobina glicada é útil para controlar o diabetes a médio e longo prazo, sendo indicado para todas as pessoas diabéticas.

Para que serve o exame de hemoglobina glicada?

A hemoglobina glicada pode ser dosada no sangue e resume, para o médico e para o paciente, como foi o controle do diabetes nos últimos 60 a 90 dias. Ao analisar quanta glicose a hemoglobina assimilou durante o seu tempo de vida, é possível ter uma clara noção da média das taxas de glicose no período.

Além de ser usada para controle do diabetes, a hemoglobina glicada também pode ser utilizada para o diagnóstico da doença.

Quais são os valores de referência da hemoglobina glicada?

Para fazer o exame de hemoglobina glicada, não é necessário estar em jejum. O exame é feito através da coleta de uma pequena amostra de sangue.

O resultado dos valores de hemoglobina glicada são medidos em porcentagem. Para diagnóstico do diabetes, os valores de referência são:

  • Valores menores que 5,7%: risco baixo de diabetes;
  • Valores entre 5,7% e 6,4%: pré-diabetes;
  • Valores maiores ou iguais a 6,5%: diabetes, que deve ser confirmado com um segundo exame.

Para o controle do diabetes, valores abaixo de 7% indicam um menor risco de complicações vasculares, enquanto que valores superiores a 7% indicam que o diabetes está descompensado.

No acompanhamento do diabetes, a hemoglobina glicada geralmente é medida a cada 3 meses, embora a periodicidade do exame possa variar.

Para diagnóstico e tratamento do diabetes, é necessário procurar um médico clínico geral, médico de família ou endocrinologista.

Metformina corta o efeito do anticoncepcional?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. A metformina não está dentre os medicamentos que cortam ou reduzem o efeito dos anticoncepcionais.

Lembrando que o mais importante é não haver falha no uso dos anticoncepcionais, ou seja, tomar todos os dias, sem esquecimentos, 1x ao dia, no mesmo horário, ou próximo. Ainda, sempre  informar ao médico, quando for necessário acrescentar medicamentos no seu dia a dia, que faz uso de anticoncepcional e qual o nome da substância. O médico saberá avaliar se seus remédios de uso regular podem ou não interferir com outros.

Poucos medicamentos comprovadamente interferem na eficácia dos anticoncepcionais, saiba mais sobre esse assunto no link: Interação dos Anticoncepcionais com outros Remédios

Além dos medicamentos, alguns outros fatores podem alterar a eficácia dos anticoncepcionais, saiba mais nos links abaixo:

Vômito e Diarreia Podem Cortar o Efeito do Anticoncepcional?

5 Coisas que Podem Cortar o Efeito do Anticoncepcional

Existe algum chá que corta o efeito do anticoncepcional?

Para mais esclarecimentos e orientações sobre contracepção e interação medicamentosa, deve agendar uma consulta com médico clínico geral, médico de família ou ginecologista.

Levedo de cerveja é bom para o Diabetes?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

O levedo de cerveja não é indicado para o tratamento do diabetes. Extraído da cevada, o levedo de cerveja é usado como suplemento alimentar, é rico em vitaminas do complexo B, mas não tem efeitos diretos no tratamento do diabetes.

Para um bom controle do diabetes deve-se:

  • manter o peso saudável e adequado para a altura: Índice de Massa Corpórea (IMC) entre 20 e 25 Kg/m². Para o cálculo do IMC: peso (Kg) dividido pela altura x altura (metros). Exemplo: Peso: 65 Kg; Altura: 1,70 m;  65 Kg : 1,70 m x 1,70 m = 65 Kg : 2,89 = 22,49 Kg/m²,
  • praticar exercícios físicos regularmente, 5 dias por semana,
  • alimentar-se com uma dieta equilibrada (consultar o endocrinologista ou a nutricionista),
  • não deixar de tomar as medicações prescritas (medicamentos orais e/ou insulinas),
  • manter controladas as taxas de açúcar no sangue (glicemia em jejum entre 70 mg/dl e 110 mg/dl e abaixo de 140 mg/dl 2 horas após a refeição),
  • não fumar,
  • visitar regularmente o médico.

Leia também: Como reduzir o nível de açúcar no sangue?

O tratamento adequado do diabetes evita as complicações futuras da doença. Deve ser realizado pelo clínico geral ou por um endocrinologista e, sempre que possível, contando com a orientação de outros profissionais como a nutricionista, o psicólogo e o preparador físico.