Perguntar
Fechar
Estou com um caroço nos grandes lábios da vagina: o que pode ser e qual o tratamento?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Caroço nos grandes lábios da vagina pode ser característico de diferentes condições, como:

  • Foliculite;
  • Verrugas genitais causadas por HPV
  • Cisto sebáceo e outro tipos de cistos;
  • Lipoma;
  • Bartolinite.
Foliculite

Nódulos e caroços pequenos na região dos grandes lábios próximo aos pelos pode ser decorrente de uma foliculite, que é a inflamação da base do pelo. A foliculite pode desencadear a formação de pequenos carocinhos, que coçam, são um pouco dolorosos em toda a região da vulva.

A foliculite nessa região é algo comum, devido aos diferentes métodos de depilação que podem provocar irritação e inflamação na pele.

A foliculite pode infectar, levar a proliferação de bactérias e evoluir para a formação de furúnculos, nessa situação pode ser necessário o uso de antibióticos e drenagem do pus que fica acumulado.

Verrugas genitais

A verrugas genitais são causadas pelo vírus do HPV e são transmitidas através do contato sexual pele a pele. Podem aparecer como nódulos únicos ou múltiplos em qualquer área da vulva ou vagina.

O tratamento é a excisão da verruga através da aplicação de ácidos, cauterização, congelação ou retirada cirúrgica.

Cistos ou lipomas

Pequenos cistos também podem aparecer como caroços na região externa dos grandes lábios. Existem diferentes tipos de cistos, um dos mais comuns é o cisto sebáceo, que é um cisto causado pela obstrução das glândulas sebáceas presentes na pele.

Se o cisto inflama é possível haver ainda dor e desconforto, no entanto, é mais comum que os cistos sejam indolores e não causem outros sintomas.

Um outro tipo de nódulos que também podem aparecer na região genital são os lipomas, que são nódulos de gordura.

O tratamento de cistos ou lipomas é feito através de sua retirada por um pequeno procedimento cirúrgico.

Bartolinite

A causa mais comum de caroço de grandes dimensões na região da vulva é a inflamação da glândula de Bartholin, também chamada de bartolinite, que ocorre geralmente após a obstrução desta glândula.

A bartolinite, geralmente, ocorre em apenas um lado dos grandes lábios, pode causar o aparecimento de um pequeno cisto na entrada da vagina, que cresce e aumenta de tamanho com o decorrer do tempo.

Este caroço não se localiza exatamente nos grandes lábios, mas sim na entrada da vagina, no entanto, como costuma crescer rapidamente pode passar a impressão que são caroços dos grandes lábios

A obstrução da glândula de Bartholin causa a formação de um nódulo que é indolor, mas a medida em que cresce gera desconforto para andar, sentar ou durante a relação sexual. Em alguns casos, a bartolinite pode melhorar espontaneamente, sem necessidade de tratamento específico.

Entretanto, caso ocorra a infecção da glândula de Bartholin o nódulo passa a apresentar dor intensa, com presença de pus, vermelhidão e inchaço. Nessas situações, é necessária a drenagem para que o pus saia e alivie a dor, juntamente com o uso de antibiótico.

Se o caroço não regredir em alguns dias e vir acompanhado desses sintomas, a mulher deve procurar o ginecologista, clínico geral ou médico de família para o diagnóstico e tratamento adequados.

Leia também:

Referência bibliográfica

Febrasgo. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Bartholin gland masses: Diagnosis and management. Uptodate.

Estou com caroços dentro da vagina, em um dos lados. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Caroço dentro da vagina ou nos grandes lábios pode ter como causa bartolinite, foliculite, hematoma, linfogranuloma venéreo, cisto sebáceo e outro tipos de cistos, lipoma, entre outras causas.

Com as características apresentadas (caroço pequeno, vermelho, com ponta branca e que não possui pus), pode tratar-se de uma inflamação no pelo da região, situação conhecida como foliculite.

O que é foliculite?

A foliculite é uma inflamação na raiz do pelo, causada por fungos, vírus ou bactérias. Porém, há casos em que não há uma infecção propriamente dita, mas uma inflamação, em que o próprio pelo provoca a resposta inflamatória.

A profundidade da foliculite pode variar. Costuma ser superficial, provocando apenas lesões pequenas na pele. Porém, há casos em que a foliculite é profunda. Nesse caso, o problema é mais grave, pois afeta camadas mais profundas da pele, normalmente com formação de furúnculos.

Quais são os sintomas da foliculite?

Os sinais e sintomas da foliculite incluem manchas pequenas ou pequenos caroços na pele, nesse caso, na vagina. O pus pode ou não estar presente. Pode haver ainda formação de crostas, dor, coceira e desconforto.

O que fazer em caso de caroço na vagina?

Nesse caso, se for uma foliculite, não é indicado apertar, espremer ou estourar. Deve-se fazer a higiene local no momento do banho com água e sabão, sem a necessidade de usar nenhum outro produto de limpeza específico.

Caso a inflamação infeccione e transforme em abscesso com dor local, presença de pus, vermelhidão e inchaço, é necessária a drenagem para que o pus saia e alivie a dor, juntamente com uso de antibiótico.

Veja também: Existe algum tratamento para foliculite?

Se o caroço não regredir em alguns dias e vir acompanhado desses sintomas, a mulher deve procurar o/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para o diagnóstico e tratamento adequado.

Também pode lhe interessar:

Estou com caroço nos grandes lábios da vagina, o que pode ser e qual o tratamento?

Fiz exame de preventivo e o resultado foi o seguinte: ...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O exame quer dizer: negativo para câncer de colo do útero e demonstra a presença de uma infecção vaginal. Deve ir ao ginecologista, ou outro médico para fazer o tratamento.

Coceira na vagina, o que é?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A coceira na vagina pode ter diversas causas. Uma causa muito comum de prurido na vagina é a candidíase, uma infecção vaginal muito frequente. Ela é causada por um fungo (Candida albicans) que está presente normalmente na vagina sem causar algum problema ou sintomas.

Porém, em algumas situações, como períodos de muito estresse ou queda da imunidade, a quantidade desse fungo presente na vagina pode sofrer um aumento, causando coceira intensa na vagina e na região próxima à ela.

Outros sinais e sintomas da candidíase incluem presença de corrimento claro, esbranquiçado e sem cheiro, dor para urinar, dor na relação sexual e ardência.

O tratamento da candidíase baseia-se no uso de medicamentos antifúngicos por via oral ou vaginal.

Coceira na vagina pode ser alergia?

Sim. A coceira na vagina pode também ser causada por alergia a produtos, como no caso do sabão em pó usado para lavar a calcinha, ao sabonete e outros produtos usados para higiene íntima, ducha vaginal, ou ainda ao próprio tecido da calcinha.

As calcinhas que não são de algodão (material sintético) e o uso constante de calça jeans, principalmente em dias quentes, podem levar à irritação das regiões próximas à vagina (vulva) causando coceira e também contribuindo para o aparecimento da candidíase.

Menopausa causa coceira na vagina?

A menopausa é uma outra causa possível para a coceira vaginal. O prurido, nesses casos, ocorre devido à redução da produção de estrógeno, que ocorre nessa fase.

Veja também: Quais os sintomas da menopausa?

O uso de lubrificantes locais ajudam a amenizar o problema. Em casos mais intensos pode ser recomendado um tratamento com aplicação de creme de estriol na vagina.

O que mais pode causar coceira na vagina?

⇒ Dermatite atópica vulvar: pode causar coceira na vagina e a sua causa é alérgica;

⇒ Tricomoníase vaginal: trata-se de uma doença sexualmente transmissível (DST), que pode provocar coceira e aparecimento de corrimento amarelo-esverdeado;

⇒ Líquens vulvares: são lesões que aparecem na vagina, cuja causa não é conhecida. A coceira é intensa e lesão pode aumentar o risco de câncer de vulva.

Para a realização de um diagnóstico e orientação sobre o tratamento ideal procure o seu médico de família ou médico ginecologista.

Também podem lhe interessar:

Qual é o tratamento para dermatite atópica?

O que é tricomoníase e quais os sintomas?

O que faço para saber se ainda sou virgem?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para tentar saber se ainda é virgem, vá a um médico ginecologista e peça para ele verificar se o seu hímen já foi rompido. O hímen é uma membrana bem fina localizada na entrada da vagina e que geralmente se rompe na primeira relação sexual.

Se o hímen estiver rompido, é provável que você já não seja virgem, ou seja, já teve relação sexual com penetração. Caso o hímen ainda esteja intacto, você pode ou não ser virgem. A presença do hímen não é uma garantia de que nunca houve penetração.

Isso porque existem hímens complacentes, que são bem elásticos e podem não se romper logo na primeira relação. Outros podem ter uma anatomia que permitem a passagem do pênis e só irão se romper depois de algum tempo.

A avaliação médica também permite que o ginecologista observe outros sinais que podem sugerir a penetração, principalmente se a relação foi a pouco tempo.

Porém o mais importante é que tendo em visto essa situação, você deve agendar o quanto antes uma consulta com médico ginecologista, não só para saber se ainda é virgem, mas também para orientações gerais quanto a relação sexual e cuidados para evitar doenças sexualmente transmissíveis.

Leia mais sobre o assunto em:

Como saber se o hímen foi rompido?

Tem como o ginecologista saber quando perdi a virgindade?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não tem como o ginecologista saber "quando" você perdeu a virgindade, mas é possível saber se você já não é mais virgem. Através do exame ginecológico, o médico pode facilmente observar se o hímen já foi ou não rompido, o que caracteriza a perda da virgindade.

O hímen é uma membrana que fica logo na entrada da vagina e normalmente se rompe na primeira relação sexual. No entanto, se você tiver um hímen complacente, que pode não se romper com a penetração por ser bastante elástico, o médico não saberá que houve relação sexual se não contar a ele.

Veja aqui o que é hímen complacente.

Mesmo assim, o fato do médico ginecologista poder detectar se você já não é mais virgem não deve ser motivo de preocupação, pois ele não pode revelar um segredo profissional aos pais ou responsáveis, mesmo que você tenha menos de 18 anos. 

Leia também: Como posso saber se tenho hímen complacente?

Entretanto, a partir do momento em que uma mulher decide perder a virgindade, de preferência antes desse momento, é importante agendar uma consulta com ginecologista para que crie uma relação médico paciente de confiança, receba as devidas orientações e esclareça suas dúvidas sobre o assunto, tornando assim essa etapa uma etapa mais saudável e sem riscos. 

Corrimento vaginal é normal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O corrimento vaginal é considerado normal quando apresenta coloração clara ou esbranquiçada, parecida com clara de ovo, não possui cheiro forte, não provoca coceira ou ardência. Neste caso, trata-se de uma secreção vaginal normal. Essas secreções podem ficar com uma cor esbranquiçada ou amarelada quando expostas ao ar.

No entanto, corrimento vaginal branco, marrom, cinza, amarelo ou esverdeado, com odor desagradável tipo peixe podre ou azedo, pode ser algum tipo de infecção ou inflamação vaginal que precisa ser avaliada e tratada adequadamente. Nesses casos, o corrimento vaginal pode vir acompanhado de coceira e irritação na vagina e na vulva.

As alterações que podem indicar a presença de uma infecção incluem:

  • Mudança repentina na quantidade, cor, cheiro ou consistência do corrimento vaginal;
  • Coceira, vermelhidão e inchaço na área genital;
  • Sintomas que pioram ou duram mais de uma semana;
  • Bolhas ou outras lesões na vagina ou na vulva;
  • Ardência para urinar ou outros sintomas urinários.

Existem diferentes tipos de infecções que podem causar corrimento vaginal anormal, tais como:

  • Infecções sexualmente transmissíveis (clamídia, gonorreia, tricomoníase);
  • Candidíase (infecção vaginal causada por fungo);
  • Vaginose bacteriana: ocorre quando as bactérias que habitam naturalmente a vagina se multiplicam de maneira exagerada, causando corrimento vaginal cinza, com cheiro de peixe.
Corrimento vaginal na gravidez é normal?

O corrimento vaginal na gravidez também é bastante comum e muitas vezes está relacionado com as alterações fisiológicas que ocorrem nesse período.

Porém, a grávida deve estar atenta a corrimentos vaginais com pus, mau cheiro e que causem prurido (coceira) ou dor abdominal. Estes devem ser sempre investigados e tratados para prevenir complicações para a mãe e para o bebê.

Qual a causa ou origem do corrimento vaginal normal?

A vagina da mulher e o colo do útero são recobertos por um tipo especial de "pele" chamada mucosa. Em geral, todas as mucosas são úmidas e possuem pequenas glândulas produtoras de muco, que é um tipo de secreção viscosa.

Isso significa que a vagina pode ter uma secreção natural ou normal, que é um líquido espesso transparente ou levemente esbranquiçado, sem cheiro e com sabor levemente salgado.

Durante o ciclo menstrual, algumas mulheres podem apresentar alterações hormonais e um aumento da secreção vaginal normal. A excitação sexual também provoca o aumento das secreções normais.

Outros fatores que podem aumentar a quantidade de corrimento vaginal normal incluem ovulação e gravidez.

Como prevenir o corrimento vaginal anormal?
  • Mantenha a área genital limpa e seca, sobretudo se tiver vaginite;
  • Evite usar sabonete e use apenas água para fazer higiene íntima;
  • Faça banhos de imersão em água morna e seque bem a seguir;
  • Em vez de usar uma toalha para se secar, utilize o secador, pois produz menos irritação do que a toalha;
  • Evite duchas vaginais: muitas mulheres se sentem mais limpas se usarem ducha, mas isso piora os sintomas porque elimina as bactérias saudáveis que habitam a vagina e ajudam a proteger contra infecções;
  • Evite usar aerossóis, fragrâncias ou produtos de higiene feminina na área genital;
  • Não use absorventes internos enquanto estiver com uma infecção vaginal;
  • Se tiver diabetes, mantenha um bom controle dos níveis de açúcar no sangue;
  • Use roupas largas e sem meia-calça;
  • Use calcinhas de algodão;
  • Não usar calcinha quando possível;
  • Limpe-se sempre da frente para trás e lave-se bem após usar o banheiro;
  • Use camisinha para evitar infecções sexualmente transmissíveis.

A presença de corrimento vaginal branco, marrom, cinza, amarelo ou esverdeado, com odor desagradável, deve ser avaliada por um médico ginecologista.

Quero engravidar e não consigo, o que devo fazer?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Em primeiro lugar devemos levar em consideração o que os médicos consideram como infertilidade. Um casal é considerado infértil quando após um ano tendo 2 a 3 relações sexuais por semana sem proteção a mulher não engravida.

Quando este fato ocorre o ideal é que em primeiro lugar o homem vá ao médico e faça um exame denominado Espermograma (um exame bem simples e que define se o homem pode ou não ter filhos), caso o exame de Espermograma dê alterado um médico Urologista deve ser procurado, ele pode conduzir a investigação e o tratamento adequado para a infertilidade masculina.

Se o Espermograma for normal então é a mulher que deve procurar um Ginecologista que vai conduzir a investigação e tratamento adequado para a infertilidade feminina (a histerosalpingografia é o exame de eleição para se iniciar a investigação feminina para infertilidade, ultrassom não serve - pouco ou nenhuma importância na investigação de infertilidade).

Leia também:

Que exames devo fazer para saber se posso engravidar?

Como saber se sou estéril?

1 - Existe algum remédio para fortalecer os espermatozoides?

Dependendo do tipo de alteração encontrada no espermograma existe sim tratamento, procure um médico urologista. Não prescrevemos nenhum tipo de remédio pela internet.

 2 - O espermograma deu ausência de espermas, o que fazer?

Devem procurar um urologista que ele analisará o resultado e conduzirá uma investigação mais apurada para saber a causa exata da alteração e somente depois disso poderá ser proposto algum tipo de tratamento.

Quando tinha 5 anos fiz sexo com meu primo, ainda sou virgem?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Dificilmente uma relação sexual de brincadeira na infância, possa realmente "ter tirado a sua virgindade". Para os padrões atuais de pensamento em relação aos relacionamentos a virgindade é muito mais um conceito do que a integridade de sua membrana himenal. Considere-se virgem sim, porque é assim que você é. Você é uma pessoa que não tem experiência sexual, então você é virgem.

O exame transvaginal pode detectar se a mulher pode ou não ter filhos?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não. Em alguns casos a ultrassom transvaginal pode sim já dizer se a mulher pode ou não ter filhos, porém não é o melhor exame, existe uma sequência de investigação da infertilidade: que começa com a investigação primeiro do homem e depois da mulher. Procure um médico ginecologista que ele pode conduzir a investigação, todo bom ginecologista conhece esta sequência de investigação.

Sangramento vaginal em idosa o que pode ser?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sangramento vaginal nesta idade tem como possíveis causas algum tipo de inflamação ou ferida em vagina ou colo uterino, pode também ser um tumor de colo do útero. Deve procurar um ginecologista para ver o que está acontecendo.

Quero engravidar: o que devo fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se quer engravidar, a primeira coisa a fazer é uma consulta de planejamento familiar ou de orientação pré-concepcional com o/a médico/a ginecologista ou médico/a de família. Nessa consulta, é interessante ir o casal pois o/a médico/a poderá indagar certas perguntas além de solicitar alguns exames.

Além disso, é importante ter alguns cuidados para preparar o seu corpo para a gravidez e proteger o bebê de doenças, com práticas saudáveis de alimentação, ajuste do peso, prática de exercícios físicos, tomar ácido fólico, não fumar, não usar drogas, entre outras medidas a serem orientadas pelo/a profissional de saúde. 

As relações sexuais podem ser realizadas frequentemente e em especial durante o período fértil da mulher. Algumas mulheres possuem o ciclo menstrual irregular o que torna um pouco mais difícil estimar quais são esses dias férteis. Nas mulheres com ciclo regular, o período fértil costuma ser na metade no ciclo, aproximadamente 14 dias antes de vir a próxima menstruação.

Contudo, manter relações no período fértil não garante que você irá engravidar rapidamente. Para ter uma ideia, uma mulher com 30 anos tem 20% de chances de engravidar naturalmente se tiver relações no seu período fértil.

Esses detalhes poderão ser dados pelo/a médico/a no momento da consulta pré-concepcional.

Para aumentar as chances de gravidez, procure ficar deitada após a relação sexual. Estudos demonstraram que as mulheres submetidas à inseminação artificial e que ficaram deitadas durante cerca de 15 minutos tiveram 50% mais probabilidade de gerar um filho do que as que se levantaram logo em seguida.

Quanto à posição sexual, não existem evidências científicas de que alguma posição possa ajudar a engravidar. A posição durante a relação sexual não tem nenhuma influência na fertilidade.

Para maiores esclarecimentos, fale com o/a médico/a ginecologista ou médico/a de família que irá orientá-la quanto ao que deve fazer para ter uma gravidez tranquila e sem riscos.

Também pode lhe interessar:

9 Coisas que Você Deve Fazer Antes de Engravidar

Existe alguma forma de estimular a ovulação?

Que exames devo fazer para saber se posso engravidar?