Perguntar
Fechar

Infecção de Pele

Pelo encravado inflamado: o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se o pelo encravado não estiver muito inflamado, ele pode se curar sozinho. Porém, se a inflamação persistir, pode ser necessário fazer um tratamento com pomadas à base de corticoide, antibiótico ou antifúngico. Dependendo da infecção, também pode haver necessidade de tomar antibióticos por via oral.

Quando o pelo encravado inflamado está infeccionado com bactérias que habitam a pele (estafilococos), há coceira no local e a inflamação apresenta pus. O tratamento nesse caso é feito com antibióticos através de pomadas ou por via oral. Também pode ser feita uma combinação de ambos. Enquanto houver inflamação, a área afetada não deve ser raspada.

O pelo encravado também pode estar infectado por bactérias presentes na água. O local apresenta erupções vermelhas e coça, podendo surgir depois bolhas com pus. Nesse caso, os pelos encravados tendem a infeccionar nos locais do corpo que ficam úmidos por mais tempo, como as regiões que ficam em contato com a roupa de banho. Os antibióticos raramente são indicados nessas situações e o tratamento é feito com loções que aliviam a coceira.

Os pelos encravados também podem estar inflamados devido à presença de fungos, provocando coceira, sobretudo nas costas e no peito. Pode ocorrer também no pescoço, rosto, ombros e braços. O tratamento nesses casos é feito com antifúngicos tópicos ou por via oral.

Há casos de pelo encravado inflamado em que o/a médico/a pode optar por fazer uma drenagem através de um pequeno corte para retirar o pus e aliviar a dor.

Existe algum tratamento caseiro para pelo encravado inflamado?

O tratamento caseiro para pelo encravado inflamado consiste na aplicação de compressas de água quente no local, todos os dias, durante 10 a 15 minutos. Essa medida ajuda a tratar a inflamação mais rápido, pois estimula a circulação sanguínea e, na presença de pus, ajuda a drená-lo.

Vale lembrar que o tratamento caseiro para pelo encravado inflamado não substitui os medicamentos, necessários quando a inflamação persiste ou em casos de infecção.

Como prevenir pelo encravado?

Alguns cuidados podem ajudar a prevenir o aparecimento de pelos encravados inflamados, tais como:

  • Usar barbeador elétrico;
  • Utilizar água morna para se barbear e massagear os pelos para amolecê-los antes de fazer a barba;
  • Usar gel ou espuma de barbear ou ainda sabão para facilitar o deslizamento da lâmina e evitar cortes;
  • Passar o barbeador no sentido do crescimento dos pelos;
  • Passar um hidratante no rosto depois de fazer a barba;
  • Manter a pele limpa, seca e hidratada, sem irritações ou lesões;

A depilação definitiva com laser pode eliminar permanentemente a ocorrência de pelos encravados inflamados, pois destrói totalmente o folículo piloso e o pelo não volta mais a crescer.

O que é um pelo encravado e quais são as causas?

O pelo encravado é um pelo que cresce “para dentro”, pois não encontra passagem para crescer naturalmente “para fora”. A obstrução do folículo piloso ocorre pelo atrito com a roupa ou lâmina de depilação ou barbear. Como consequência, os pelos rapados curvam-se e viram-se para dentro da pele.

Outros fatores que contribuem para a ocorrência de pelo encravado inflamado incluem excesso de oleosidade na pele, acne, lesões na pele, transpiração, calor, dermatites, imunidade baixa, uso crônico de alguns remédios tópicos, depilação frequente com cera e muito tempo entre um banho e outro também pode influenciar.

No início, o pelo encravado provoca desconforto estético. Entretanto, o folículo piloso pode inflamar, causando dor e coceira, além de deixar cicatrizes.

Quais os sintomas de um pelo encravado inflamado?

A inflamação no folículo piloso pode ser superficial ou profunda. Quando o pelo encravado está inflamado superficialmente, surge uma espinha vermelha pequena, que pode ou não conter pus. Os sintomas incluem coceira e aumento da sensibilidade local. A região ao redor também pode apresentar vermelhidão e inflamação.

Se a inflamação atingir áreas mais profundas do folículo piloso, o pelo encravado pode evoluir para um furúnculo, que caracteriza-se pelo aparecimento de uma lesão elevada amarelada no meio, que indica a presença de pus. O folículo piloso pode ser destruído e há mais chances da lesão deixar cicatriz.

Os sintomas nesses casos incluem ainda: dor intensa e hipersensibilidade local, além de vermelhidão numa grande área da pele ao redor.

O/a especialista indicado para diagnosticar e tratar os pelos encravados inflamados é o/a médico/a dermatologista.

Saiba mais em: Qual o tratamento para um furúnculo

Estou usando pomada no pênis por causa de uma cândida...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Pode ser sim por causa da pomada ou ser efeito da própria inflamação da pele em remissão. O antifúngico usado no tratamento da infecção pela Candida pode deixar a pele no local mais sensível e ressecada.

A Candida é o fungo responsável pela candidíase, que pode afetar homens e mulheres. Nos homens costuma causar sintomas como vermelhidão peniana, erupções vermelhas, que coçam e causam sensação de queimação e ainda placas brancas, principalmente em áreas de dobras.

Qual o tratamento da candidíase peniana?

O tratamento da candidíase peniana é feito basicamente através de pomadas ou cremes antifúngicos ou da ingestão de antifúngico oral, como o fluconazol de 150 mg.

Entre as pomadas usadas no tratamento da candidíase as mais comumente usadas são o clotrimazol (Canesten, Clotrimix, Clotrigel), miconazol (Mizonol, Vodol), econazol (Pevaryl) ou cetoconazol.

Em algumas situações quando as lesões são muito extensas podem ser associadas pomadas de corticoide, como a hidrocortisona ou o acetato de dexametasona. Existem algumas formulações que já combinam o antifúngico com o corticoide, como a pomada Candicort (cetoconazol e betametasona).

O tratamento dura entre 1 a 3 semanas, a depender da melhora dos sintomas.

Consulte o seu médico para saber qual a melhor formulação indicada para o seu caso, é importante o acompanhamento médico antes de fazer a escolha pelo antifúngico a ser usado e durante o tratamento, de modo a evitar a persistência ou a recidiva das lesões.

Como aplicar pomada no pênis?

Após higienizar e secar o pênis, deve-se aplicar uma fina camada da pomada na glande, prepúcio do pênis e outros locais que apresentem lesões provocadas pela Candida, friccione levemente após passar a pomada e aplique-a duas a três vezes ao dia. O período de tratamento pode variar, portanto, converse com o seu médico sobre quanto tempo irá usar o medicamento.

Posso aplicar pomada Bepantol no pênis?

Caso esteja com a pele do pênis ressecada e deseje hidratá-la pode usar a pomada de Bepantol, que contém ingredientes que ajudam na hidratação da pele sensível do pênis, no entanto, não está indicado o uso dessa pomada para o tratamento de afecções como a candidíase ou outras doenças peniana.

Posso aplicar pomadas antibióticas no pênis?

No caso da candidíase peniana, as pomadas antibióticas, que tem ação contra bactérias, não estão indicadas no tratamento, pois para combater a Candida que é um fungo é necessário que o tratamento seja feito com cremes e pomadas que contenham antifúngicos. Portanto, pomadas que são compostas por substâncias antibióticas como Nebacetin, Mupirocina, Neocetheo, Diprogenta não são eficazes no tratamento da candidíase do pênis.

Outras pomadas popularmente utilizadas que também não são muito eficazes para o tratamento da candidíase são aquelas que na sua composição apresentam antifúngico, antibiótico e corticoide na mesma formulação como a Trok-N, Betricort ou Oncileg. Na maioria dos casos é preferível usar uma formulação com uma única substância, do que pomadas com muitas associações.

Para mais informações sobre a candidíase peniana converse com o seu médico, apenas após uma avaliação médica é possível chegar a um diagnóstico preciso e assim indicar o melhor tratamento.

Qual o tratamento para impetigo?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tratamento para impetigo, seja ele bolhoso ou não bolhoso consiste em:

  • Higiene local e retirada das crostas na maioria das vezes é o suficiente para alcançar a cura;
  • Evitar coçar ou mexer nas lesões, por isso está indicado fechar com curativos;
  • Afastamento da escola, ou atividade laboral, até a cura completa;
  • Pomada de antibiótico
  • Antibiótico oral, apenas em algumas situações.

Se o impetigo for localizado, a limpeza com água e sabão e a retirada das crostas em geral é o suficiente. Entretanto algumas vezes passa a ser necessário a introdução de pomadas com antibiótico e até mesmo antibiótico oral, nos casos de impetigo de repetição ou muito extenso.

A higienização consiste na remoção e limpeza das crostas, 2 a 3 vezes por dia, com água e sabão. A seguir, a pele deve ser seca com pano limpo ou gaze, e por fim, aplica-se a pomada ou o creme de antibiótico, se indicado.

Por ser uma lesão altamente contagiosa, é importante não tocar nem coçar as lesões, que podem ser cobertas e protegidas com uma gaze ou um curativo. O manuseio das lesões pode além de perpetuar a contaminação, levando a bactéria de um local para outro, contaminar outras pessoas, quando compartilham objetos, como talheres e toalhas. 

Impetigo Qual a pomada usada para tratar impetigo?

A pomada mais indicada para casos de impetigo, quando se faz necessário, é a Pomada ou creme de mupirocina, deve ser aplicada nas lesões, após limpeza e remoção das crostas, pelo menos duas vezes ao dia.

Quais são os antibióticos usados para tratar impetigo?

Em casos de impetigo extenso, refratário ou de repetição, é necessário o uso de antibióticos por via oral. O impetigo é considerado extenso quando a área acometida não permite o uso de pomadas devido à sua extensão ou ao número de lesões.

Os antibióticos normalmente escolhidos nesses casos são: Penicilinas, Cefalosporinas de primeira geração (Cefalexina), Clindamicina ou Doxiciclina (para alérgicos à penicilina).

Lembrando que os antibióticos são medicações de receita controlada, obrigatória, portanto seu uso deve ser prescrito e devidamente orientado pelo/a médico/a assistente.  

O tratamento com antibióticos orais por 7 dias é suficiente, na maioria dos casos de impetigo.

Se ao final do tratamento o paciente não apresentar uma resposta satisfatória, deve-se fazer uma coleta da secreção das feridas, e estudo laboratorial, para identificar o tipo de bactéria e iniciar um novo ciclo de antibiótico desta vez guiado pelos exames.

Existe algum tratamento caseiro para impetigo?

A higiene do local pode ser considerada como um "tratamento caseiro" para impetigo, e é o ponto fundamental do tratamento. Por vezes pode não ser suficiente para acabar com a infecção, necessitando de medicamentos tópicos ou orais, mas deve ser realizado de forma cuidadosa para que alcance seu objetivo.

Como prevenir o impetigo?
  • Ter uma boa higiene pessoal;
  • Lavar as mãos com frequência;
  • Evitar o contato com pessoas que estejam com impetigo;
  • Não usar talheres, roupas ou toalhas de outras pessoas;
  • Manter as unhas bem aparadas e limpas.
O que é impetigo e quais são as causas?

O impetigo é uma infecção de pele comum, que acomete a camada mais superficial da pele e atinge principalmente crianças. Pode ser causado por 2 tipos de bactérias: Staphylococcus aureus (mais comum em crianças de qualquer idade) e Streptococcus do grupo A, (mais frequente em crianças de 3 aos 5 anos).

Essas bactérias estão normalmente presentes no nariz e na pele. Quando alguma porta de entrada surge, como cortes pequenos ou picada de inseto, essas bactérias penetram na pele e causam a infecção. O impetigo pode ser transmitido de pessoa para pessoa e é altamente contagioso.

Quais são os sintomas do impetigo?

Os sinais e sintomas do impetigo podem incluir presença de espinhas, feridas ou bolhas vermelhas no rosto, nos braços, nas pernas ou em outras partes do corpo. Os sintomas costumam se manifestar cerca de 4 a 10 dias depois da infecção.

As lesões podem estar cobertas com uma crosta suave, seca e cor de mel. Em alguns casos, as bolhas podem se romper, dando origem ao impetigo bolhoso.

Na maioria dos casos, o impetigo é leve. Contudo, sem tratamento, pode ocorrer dor, inflamação, disseminação da infecção, presença de pus ou febre. Em casos raros, quando o impetigo é causado por estreptococos do grupo A, podem surgir complicações como: glomerulonefrite, febre escarlate e doença estreptocócica invasiva, que pode ser fatal.

O tratamento do impetigo deve ser realizado pelo médico pediatra ou dermatologista.

O que é celulite infecciosa? É contagiosa?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Celulite infecciosa é uma infecção da pele que se estende pelos tecidos subcutâneos. A celulite infecciosa não é contagiosa e ocorre principalmente em pessoas com imunidade baixa. A doença é causada por bactérias do tipo estreptococos ou estafilococos, sendo este último o mais frequente.

A celulite infecciosa surge após um trauma ou uma lesão na pele (furúnculo, úlcera, micose, picada de insetos, espinha, arranhões), que funcionam como porta de entrada para as bactérias, que penetram na pele e infeccionam as suas camadas mais profundas.

Celulite infecciosa

A celulite infecciosa é considerada uma doença grave que pode levar à morte, devido a possibilidade de evolução para sepse (infecção generalizada). A infecção pode ocorrer em qualquer parte do corpo, embora pernas, pés e rosto sejam os locais mais afetados.

Quando afeta o rosto, a celulite infecciosa requer ainda mais atenção, pois pode causar meningite bacteriana ou lesão nos olhos.

Quais os sintomas da celulite infecciosa?

Poucos dias após o trauma ou a lesão, começam a surgir os primeiros sinais e sintomas da celulite infecciosa: dor, calor, vermelhidão, inchaço e ardência no local afetado, febre, calafrios, aumento dos gânglios linfáticos próximos ao local e formação de bolhas dolorosas que podem provocar morte do tecido quando se rompem.

Qual é o tratamento para celulite infecciosa?

O tratamento da celulite infecciosa consiste na administração de antibióticos e na realização de exames para detectar o tipo de bactéria que causou a infecção. A doença não deixa sequelas, desde que o tratamento adequado seja iniciado precocemente.

O médico dermatologista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da celulite infecciosa.

Existe algum tratamento para foliculite?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Em geral, a foliculite resolve-se espontaneamente sem necessidade de um tratamento específico. Porém, algumas medidas podem aliviar a dor e o incômodo como aplicar compressas mornas no local da inflamação, além de evitar depilação e raspagem dos pelos.

Caso a foliculite fique persistente ou se agrave, pode ser indicado o uso de pomadas contendo antibiótico ou drenagem para eliminação do pus. Em alguns casos, também podem ser usados medicamentos antibióticos por via oral, além de corticoidees orais ou em pomada.

Foliculite

Na maioria dos casos, a foliculite é leve e cura-se espontaneamente. O tratamento é necessário nos casos mais graves e persistentes, ou ainda quando a foliculite torna-se recorrente. O tratamento nesses casos depende do tipo e da gravidade da infeção.

Se a foliculite evoluir e formar furúnculos, pode ser necessário realizar uma drenagem cirúrgica para eliminar o pus, diminuir a dor e acelerar a cura da infecção.

Caso a foliculite provoque coceira intensa, a aplicação de água morna ajuda a aliviar o desconforto. Também podem ser prescritos medicamentos específicos para acalmar o prurido.

O que é foliculite?

Foliculite é uma infecção bacteriana superficial do folículo capilar ou piloso. Por isso, em qualquer região do corpo que contenha pelo, a foliculite pode acontecer, apesar de ser mais frequente em regiões submetidas à depilação ou raspagem frequente como barba, axilas, virilha e coxas.

Quais os sinais e sintomas da foliculite?

A foliculite caracteriza-se pela formação de pequenas espinhas com a extremidade branca ao redor de um pelo. A infecção pode ser superficial ou profunda.

A foliculite superficial atinge somente a porção superior do pelo e se manifesta pela formação de espinhas vermelhas pequenas que podem ou não conter pus. O local fica avermelhado, dolorido e mais quente. Também pode haver coceira e aumento da sensibilidade no local.

A foliculite profunda atinge camadas mais profundas da pele e pode levar à formação de furúnculos. Nesses casos, as lesões são semelhantes a grandes espinhas elevadas, com pus amarelo no centro. Atinge uma área maior de pele, que fica vermelha e dolorida. Também pode haver coceira e a dor pode ser intensa.

A foliculite profunda pode deixar cicatrizes e provocar a destruição permanente do pelo ou cabelo.

O diagnóstico e tratamento da foliculite é da responsabilidade do/a médico/a de família, clínico/a geral ou dermatologista.

Saiba mais em: O que é um furúnculo e como se forma?

Boca, mãos e pálpebras inchadas, manchas vermelhas...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Alergia é o mais provável, mas pode ser algum tipo doença infecciosa, doença autoimune ou reação secundária a uso de medicamentos. Consulte um médico para uma avaliação.

A pele pode apresentar diversas reações alérgicas com sintomas muito semelhantes aos que você relatou como inchaço em boca, mãos, pálpebras e manchas avermelhadas pelo corpo que coçam.

Geralmente a causa do processo alérgico, é difícil de ser identificada, mas pode ser decorrente de uso de medicamentos, exposição a alimentos, produtos de limpeza ou higiene pessoal, adereços ou tecidos que entrem em contato com a pele.

Quais são os principais tipos de alergia na pele?

Existem diferentes tipos de alergia e manifestações alérgicas, as principais são: o eczema ou dermatite atópica, a dermatite de contato, a urticária e o angiedema.

Eczema ou dermatite atópica

É a mais frequente alergia da pele, de origem genética, acomete principalmente bebês e crianças pequenas. Manifesta-se através da presença de uma pele muito seca e que coça, pode formar lesões avermelhadas, de aspecto inflamado e endurecido, que pode apresentar escoriações devido a coceira intensa. Pode estar associada a asma, rinite alérgica ou alergia alimentar.

Dermatite de Contato

Esse tipo de alergia ocorre quando a pele entra em contato direto com um alérgeno como por exemplo, metais presentes em bijuterias e adereços, produtos de limpeza ou cosméticos, certos tipos de tecidos sintéticos, plantas ou materiais de construção.

Pode apresentar sintomas diversificados como vermelhidão, coceira, sensação de ardência na pele, inchaço, formação de lesões ásperas e com fissuras. Os sintomas podem aparecer logo após o contato com o agente alérgeno ou demorar dias ou meses para aparecer.

Urticária

A urticária corresponde a um processo inflamatório na pele que ocorre quando há liberação de histamina pelo sistema imunológico. Leva ao vazamento de pequenos vasos sanguíneos que ocasiona a formação de lesões inchadas e vermelhas dispersas pelo corpo, que coçam muito. Pode acontecer após a ingestão de alimentos, uso de medicamentos, picada de insetos, exposição solar intensa ou prática de exercícios.

Leia mais em: O que é urticária?

Angiedema

O angiedema é uma reação inflamatória na pele semelhante a urticária mas que acomete os tecidos mais profundos, portanto é comum ocorrer junto com a urticária. Atinge principalmente tecidos moles como pálpebras, boca ou genitais. Pode ser causado por uma reação alérgica a medicamentos ou alimentos.

Na presença de sintomas sugestivos de alergia na pele consulte um médico de família ou clínico geral para uma avaliação inicial. Eventualmente pode ser necessário o acompanhamento também por um dermatologista ou alergista.

Meu rosto coça e pele do rosto irritada e olhos inchados...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não é possível definir um diagnóstico apenas com o relato. Podemos sugerir como causas prováveis, uma reação alérgica ou desidratação da pele. No entanto, para confirmar essas hipóteses é preciso uma avaliação mais detalhada de dados como tempo dos sintomas, qual a medicação foi aplicada e principalmente, avaliar as características da pele, coloração, aspereza, descamação, qual tipo e etc.

A avaliação médica não só visual, mas também tátil, serão fundamentais para definir a causa desse problema.

Nos casos de alergia, o tratamento é baseado no uso de medicamentos antialérgicos. E principalmente por ser em face, deve-se ter atenção a outros sintomas que sinalizam alergia grave, com risco de vida, como: voz rouca, tosse, dificuldade de engolir ou de respirar.

Nessas situações, deve pedir ajuda e procurar emergência imediatamente.

Nos casos de desidratação da pele, o tratamento será baseado na melhora dos sintomas, com o uso de um bom hidratante para o tipo de pele, com rápida absorção, além do tratamento específico para a causa base. Para isso é preciso que a causa seja identificada. Causas comuns são a exposição ao frio, vento e falta de cuidados adequados.

Independente da causa, a sociedade brasileira de dermatologia, recomenda como medidas preventivas de desidratação da pele as seguintes:

  • Limpar todos os dias o rosto seguindo os passos: água micelar, sabonete leve para rosto e secar delicadamente com a toalha, para já aplicar um hidratante de rápida absorção com a pele ainda úmida, o que facilita a sua penetração. Em seguida finalizar com o filtro solar;
  • Borrifar água micelar algumas vezes por dia no rosto;
  • Evitar banhos muito quentes;
  • Evitar sabonetes em barra, que costumam ressecar mais a pele;
  • Aplicar o hidratante para corpo na pele, logo após o banho, com a pele ainda úmida, pelo mesmo motivo, de promover melhor hidratação.

Contudo, além de desidratação e alergia, esses sintomas podem ser resultado de outras doenças como distúrbios hormonais, endócrinos, como o hipotireoidismo, reumatológicos como a síndrome de Sjogren, ou mesmo apenas o pouco cuidado com a hidratação e limpeza da pele.

Sendo assim, recomendamos procurar um médico clínico geral, dermatologista ou seu médico de família, para uma avaliação e orientações adequadas.

Minha axila esquerda está em carne viva e coçando...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Deve ser algum tipo de alergia ou infecção de pele, se for alergia pode ser por causa do desodorante. Diferentes condições podem desencadear vermelhidão e coceira nas axilas, entre elas tem-se a dermatite de contato, dermatite atópica, infecção por Candida ou mesmo dermatite seborreica. Consulte um médico para uma avaliação da lesão, diagnóstico e tratamento.

Dermatite de contato

A dermatite de contato é uma das principais causas de vermelhidão e coceira na região das axilas. É uma dermatite desencadeada por uma substância alérgena que ao entrar em contato com a pele provoca uma reação. Esse alérgeno pode estar presente em desodorantes, perfumes, sabonetes ou mesmo em tecidos que entrem em contato com a pele.

Geralmente, a pessoa nota uma associação entre o uso de um produto e o aparecimento das lesões que pode ser imediato ou demorar meses. Na presença de dermatite de contato é essencial suspender o uso do desencadeador dessa alergia, para que seja possível melhorar os sintomas.

Dermatite atópica ou eczema

O eczema é uma dermatite que geralmente se inicia ainda na infância, não é desencadeado por nenhuma substância alérgica em particular, mas sim por uma predisposição genética, que leva a uma reação alérgica na pele, provocando vermelhidão e intensa coceira.

A pele na dermatite atópica apresenta um aspecto ressecado. O eczema pode apresentar períodos de melhora ou de intensificação dos sintomas. As lesões são mais comuns nas regiões de dobras do corpo, como atras dos joelhos, no interior dos cotovelos ou nas axilas.

Candida

A candidíase é uma doença provocada pela presença da Candida na pele, um fungo, que se manifesta em regiões do corpo que são úmidas e quentes, por isso a região das axilas é um lugar comum de ser acometido pela Candida.

Esse tipo de infecção é mais frequente justamente durante o verão e períodos de maior calor, quando a sudorese intensa e o uso de roupas sintéticas e pouco ventiladas podem tornar a região das axilas propensas a adquirirem esse fungo.Os principais sintomas são erupção cutânea avermelhada, coceira intensa e inchaço da região.

Dermatite seborreica

É uma dermatite provocada pela produção excessiva de sebo e óleo na pele, acomete principalmente o couro cabeludo e o rosto, no entanto, outras áreas do corpo como axilas, nádegas e virilha também podem ser acometidas. Ocasiona vermelhidão, formação e descamação de placas amareladas ou esbranquiçadas de aspecto oleoso.

Caso apresente lesões nas axilas consulte um médico de família, clínico geral ou dermatologista para uma avaliação e tratamento mais adequado.

Meu filho tomou benzetacil e o local está vermelho e quente?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não é normal, após dois dias da aplicação já não é mais esperada essa reação. Sendo assim, o mais recomendado é que procure um médico para avaliar e descartar possíveis efeitos adversos do antibiótico.

A vermelhidão e dor local são sintomas que podem acontecer após a aplicação de uma injeção de antibióticos, especialmente o Benzetacil ®, por diversos fatores. Primeiro por ser uma medicação com grande volume a ser administrado, o que exige que seja feito em músculo profundo e com agulha de grande calibre.

Depois, além da agulha que já causa dor, o líquido possui pequenos cristais, que agridem as fibras musculares. Quanto melhor se prepara a medicação, mais dissolve os cristais, reduzindo a dor do paciente durante a sua aplicação.

Porém são reações esperadas nas primeiras horas da aplicação. Portanto, pode não ser nada preocupante, mas se for uma reação alérgica por exemplo, deve ser tratada imediatamente.

Recomendamos que leve seu filho ao seu médico da família, pediatra ou serviço de emergência para avaliação.

Reações adversas do Benzetacil®

A única contraindicação para o medicamento Benzilpenicilina benzatina, é para pacientes com alergia às penicilinas. E as reações adversas não são comuns, sobretudo na pele, porém acontece e alguns casos, e devem ser tratadas o mais precoce possível.

São elas:

  • Erupções cutâneas;
  • Vermelhidão na pele,
  • Coceira;
  • Urticária;
  • Descamação;
  • Formação de bolhas e outros sintomas como a Síndrome de Stevens-Johnson;
  • Necrose de pele e
  • Eritema multiforme.

Na presença de um desses sintomas, entre em contato imediatamente com seu médico assistente, ou procure um serviço de emergência médica para avaliação.

Leia também: Tudo sobre Benzetacil

Na virilha suor com odor que marca a roupa o que pode ser?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A causa mais provável é uma infecção de pele causada por fungo.