Perguntar
Fechar

Sintomas de Depressão

Será que o que tenho é depressão? Qual médico procurar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Começo de depressão acho que não. Você está com certeza com depressão e deve procurar um psiquiatra ou qualquer médico que trate depressão (não precisa ser um especialista).

Leia também: Diferenças entre Esquizofrenia e Depressão

Quais os sintomas do transtorno depressivo maior?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O transtorno depressivo maior, também conhecido como depressão, é um transtorno mental que caracteriza-se por sintomas de desânimo, tristeza, falta de vontade, fadiga, choro fácil, falta de prazer, dificuldade de concentração, mudanças no apetite, insônia, perda da libido, entre outras manifestações.

Pessoas com transtorno depressivo maior apresentam humor deprimido durante a maior parte do tempo, quase diariamente, com sensação de vazio, tristeza e falta de esperança.

O indivíduo se sente inútil, com excesso de sentimentos de culpa, indecisão, dificuldade de concentração, pensamentos negativos, vontade de morrer e até tentativas de suicídio.

Outra característica marcante da depressão é a perda significativa de interesse ou prazer em quase todas as atividades diárias, mesmo daquelas que a pessoa gostava antes.

Pode haver também emagrecimento ou ganho de peso sem que o paciente esteja necessariamente seguindo alguma dieta, além de aumento ou diminuição do apetite.

Os sintomas do transtorno depressivo maior incluem ainda distúrbios do sono, com insônia ou excesso de sono.

Ao observar pessoas com depressão, também é comum identificar movimentos psicomotores mais agitados ou lentos que o normal. A falta de energia e o cansaço ocorrem quase que diariamente.

O transtorno depressivo maior causa um grande sofrimento psíquico e prejudica significativamente as relações pessoais, sociais e profissionais da pessoa. O tratamento é feito com psicoterapia ou em casos de moderados a graves com medicamentos antidepressivos.

Casos leves ou moderados de depressão podem ser diagnosticados e acompanhados por um médico de família ou clínico geral, em situações mais graves ou de difícil tratamento é necessário o seguimento por um médico psiquiatra. Psicólogos também acompanham o tratamento.

Saiba mais em:

Como é o tratamento para transtorno depressivo maior?

Como saber se tenho depressão? Quais os Sintomas?

Tenho muita fraqueza, sonolência excessiva, perda de apetite...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Pode procurar um médico de família ou um clínico geral para uma avaliação inicial dos sintomas. Aparentemente esses sintomas parecem caracterizar um quadro depressivo. Nesse sentido é essencial uma consulta médica para confirmação diagnóstica e inicio do tratamento.

O seguimento de transtornos depressivos pode ser feito pelo psiquiatra ou médico de família e clínico geral habilitados. Pode também ser necessário o acompanhamento por um psicólogo.

A depressão também pode acometer crianças e adolescentes, por isso, é importante considerar esse diagnóstico quando ocorrem sintomas sugestivos.

Quais são os sintomas do transtorno depressivo?

Os sintomas do transtorno depressivo maior podem incluir sonolência excessiva e perda de apetite como no seu caso, ou mesmo o oposto como insonia e aumento do apetite.

Além disso, o sentimento de tristeza persistente, sentimentos de vazio e pensamentos recorrentes de morte também caracterizam a depressão.

Além desse, outros sintomas presentes no transtorno depressivo são:

  • Perda de prazer ou interesse na maioria das atividades do dia a dia;
  • Fadiga ou perda de energia;
  • Agitação psicomotora ou lentidão e atraso psicomotor;
  • Sentimento de inutilidade, ou culpa excessiva ou inapropriada;
  • Diminuição da capacidade de pensar, raciocinar e tomar decisões.

A depressão tem tratamento, em muitos casos a psicoterapia já é capaz de melhorar os sintomas, em outros casos pode ser necessário o uso de medicamentos anti-depressivos, durante um período que pode ser prolongado. O apoio da família e de amigos é essencial, além da compreensão sobre a doença e a sua necessidade de tratamento.

Caso apresente sintomas sugestivos de transtorno depressivo consulte o seu médico de família, clínico geral, psiquiatra ou psicólogo.

Sem ânimo para nada, estou me sentindo para baixo...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Você precisa procurar ajuda de um médico. Não posso dar o diagnóstico pela internet, porém tenho certeza que se você mesma ler o que escreveu terá uma boa noção do que é, procure ajuda, seus problemas tem solução.

Sou muito triste, estressado e muito nervoso, pode ser depressão?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, pode ser depressão e é importante procurar ajuda. A depressão pode cursar com diferentes sintomas, os principais são a tristeza profunda sem motivo aparente e a falta de prazer em qualquer atividade, mesmo naquelas que anteriormente traziam alegria e eram agradáveis. Os pensamentos suicidas também são indicativos de depressão com um grau importante de acometimento.

Outros sintomas de depressão são:

  • Irritabilidade, angústia, ansiedade;
  • Desânimo, cansaço fácil;
  • Desinteresse, falta de motivação e apatia;
  • Falta de vontade e dificuldade de tomar decisões;
  • Sentimentos de medo, insegurança, desespero ou vazio;
  • Pessimismo, ideias de culpa e baixa auto-estima;
  • Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento;
  • Diminuição da libido e do prazer sexual;
  • Perda ou aumento do apetite;
  • Insônia ou aumento do sono;
  • Dores e outros sintomas físicos sem causa justificável.

É importante lembrar que a depressão é uma doença que tem tratamento, portanto, caso esteja apresentando os sintomas acima procure ajuda profissional, o seu médico pode orientá-lo sobre o tratamento, em alguns casos o psicólogo pode ser essencial também.

Leia mais em:

Como saber se tenho Depressão?

As 4 formas para combater a Depressão.

Depressão e ansiedade: quais os sintomas e as diferenças entre elas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A depressão e a ansiedade são transtornos mentais que muitas vezes surgem juntos, mas que apresentam diferenças marcantes, com características diferentes entre eles, embora alguns sintomas possam surgir tanto na ansiedade como na depressão.

O que é depressão?

A depressão é um distúrbio de humor que caracteriza-se por sentimentos de tristeza, perda, raiva ou frustração, que interferem na vida diária da pessoa. A duração dos sintomas pode ser de algumas semanas, meses ou anos.

O que é ansiedade?

A ansiedade é um distúrbio mental que deixa a pessoa excessivamente preocupada e apreensiva com muitas coisas. A preocupação e a tensão nesses casos é desproporcional à situação em si e a pessoa sente muita dificuldade em controlar a ansiedade. Para ser considerada uma doença, os sintomas da ansiedade devem durar por mais de 6 meses.

Qual a diferença entre ansiedade e depressão?

A melhor forma de identificar as diferenças entre ansiedade e depressão é analisar os sintomas de cada um dos transtornos.

Quais são os sintomas de depressão?

Os sintomas de depressão incluem:

  • Humor irritável ou deprimido;
  • Dificuldade para adormecer ou excesso de sono;
  • Grandes mudanças no apetite, geralmente com ganho ou perda de peso;
  • Cansaço e falta de energia;
  • Sentimentos de inutilidade, auto-aversão e culpa;
  • Dificuldade de concentração;
  • Movimentos mais lentos que o normal;
  • Inatividade e desinteresse por atividades habituais;
  • Sentimentos de desesperança e abandono;
  • Pensamentos repetitivos de morte ou suicídio;
  • Perda de interesse em atividades que antes despertavam prazer e satisfação.

No caso das crianças, os sintomas podem ser diferentes dos adultos. Nesses casos, deve-se observar sobretudo as mudanças no desempenho escolar, no sono e no comportamento.

Quais são os sintomas de ansiedade?

O principal sintoma do transtorno de ansiedade é a presença constante de preocupação ou apreensão por pelo menos 6 meses, mesmo quando não há uma causa aparente ou ela é pouco relevante. As preocupações parecem flutuar de um problema para outro, podendo incluir problemas que envolvem família, relacionamentos interpessoais, trabalho, dinheiro e saúde.

Outros sintomas do transtorno de ansiedade incluem:

  • Dificuldade de concentração;
  • Fadiga;
  • Irritabilidade;
  • Dificuldade para adormecer e permanecer dormindo ou ter um sono pouco tranquilo e reparador;
  • Inquietação ao acordar.

A ansiedade também pode causar sintomas físicos, como tensão muscular, problemas estomacais, transpiração e falta de ar.

Quais as causas de depressão e ansiedade?

A depressão é causada por uma combinação de fatores psíquicos, sociais e biológicos. Pode ser desencadeada por situações adversas e estressantes no decorrer da vida como desemprego, luto, trauma psicológico.

Outros fatores como alcoolismo, dependência de drogas e isolamento social também podem contribuir para o aparecimento de um quadro de pressivo. Também há uma associação familiar seja por causas genéticas ou sociais, por exemplo, filhos de pais que apresentam depressão tem maior risco de também desenvolverem o transtorno.

As causas do transtorno de ansiedade também se relacionam a fatores biológicos, psicológicos e relacionados a eventos ou experiências de vida. É possível que os distúrbios ansiosos tenham influência genética, no entanto, eventos traumáticos, estresse crônico e outras circunstâncias relacionados a história pessoal também contribuem para o aparecimento dos transtornos ansiosos.

Qual é o tratamento para depressão e ansiedade?

O tratamento da ansiedade e da depressão é feito com psicoterapia e medicamentos antidepressivos, estabilizadores de humor, ansiolíticos e sedativos.

A psicoterapia desempenha um papel muito importante no tratamento desses transtornos, pois ajuda a pessoa a identificar as causas da ansiedade ou depressão e entender a relação entre seus pensamentos, comportamentos e sintomas.

O médico psiquiatra é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da ansiedade e da depressão.

O que causa depressão?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As causas da depressão ainda não são totalmente conhecidas, mas sabe-se que o transtorno é causado pela combinação de fatores genéticos e hereditários com situações de estresse, tristeza e dificuldades. Alguns tipos de depressão são herdados, enquanto outros podem ocorrer mesmo que a pessoa não tenha história familiar da doença.

Acredita-se que alterações químicas no cérebro sejam responsáveis pela depressão. Nesse caso, a depressão seria causada pela falta de noradrenalina, serotonina e dopamina, substâncias cerebrais conhecidas como neurotransmissores e que estão relacionadas com humor, sensação de prazer e bem estar, entre outras funções. Isso pode ocorrer devido a problemas com determinados genes.

A depressão também pode ter como causa, eventos estressantes ou infelizes na vida, como a morte ou doença de alguém próximo, perder um emprego, divórcio, problemas de saúde, abuso ou rejeição na infância, solidão (comum em adultos mais velhos) e fim de um relacionamento.

Outras possíveis causas de depressão incluem:

  • Alcoolismo ou dependência de drogas;
  • Hipotireoidismo, câncer ou dor prolongada (crônica);
  • Certos tipos de medicamentos, como esteroides;
  • Dificuldades para dormir.
O que é depressão?

A depressão é um transtorno de humor, que se caracteriza por sentimento de tristeza, angústia, desinteresse, raiva ou frustração. Sentimentos que chegam a interferir na vida diária da pessoa por um longo período. A depressão também altera o funcionamento normal do corpo.

A doença pode mudar ou distorcer a forma como a pessoa se vê, a sua vida e as pessoas ao seu redor. Um indivíduo com depressão costuma ver tudo de maneira negativa, sendo difícil para ele imaginar que um problema ou situação possam ser resolvidos de maneira positiva.

Quais são os sintomas de depressão?

Os sintomas de depressão podem incluir:

  • Agitação, inquietação, angústia, irritabilidade e raiva;
  • Isolamento social;
  • Fadiga e falta de energia;
  • Sentimentos de falta de esperança, desamparo, inutilidade, culpa e auto aversão;
  • Perda de interesse ou prazer em atividades que antes a pessoa tinha interesse;
  • Mudanças repentinas no apetite, geralmente com ganho ou perda de peso;
  • Pensamentos de morte ou suicídio;
  • Dificuldade de concentração;
  • Dificuldade em adormecer ou excesso de sono;
  • Alucinações e delírios (depressão muito intensa).

A depressão em crianças e adolescentes pode ser mais difícil de reconhecer. Problemas na escola, no comportamento ou o uso de álcool ou drogas podem ser alguns sinais do transtorno.

Qual é o tratamento para depressão? Medicamentos

O tratamento da depressão é feito com medicamentos antidepressivos, associados ou não com psicoterapia. Se a pessoa estiver com pensamentos suicidas ou extremamente deprimida e não conseguir estar funcional, o tratamento pode precisar ser realizado inicialmente em ambiente hospitalar, com internação para uma abordagem multidisciplinar mais eficaz.

Os antidepressivos são os medicamentos usados para tratar a depressão. A medicação restabelece os níveis adequados dos neurotransmissores no cérebro, ajudando a aliviar os sintomas. Em caso de delírios ou alucinações, podem ser prescritos ainda outros medicamentos.

Crianças, adolescentes e adultos jovens devem ser monitorados de perto se apresentarem comportamentos suicidas, especialmente durante os primeiros meses de uso da medicação.

Psicoterapia

A psicoterapia desempenha um papel importante no tratamento da depressão, pois ajuda a pessoa a falar sobre seus sentimentos e pensamentos e aprender a lidar com eles.

A terapia cognitivo-comportamental é uma das formas de psicoterapia mais usadas para tratar a depressão, pois ajuda a combater pensamentos negativos. A pessoa aprende como estar mais consciente dos seus sintomas e detectar os fatores que pioram a depressão, além de desenvolver habilidades para resolver problemas.

A psicoterapia também pode ajudar o indivíduo a entender os problemas que podem estar por trás de seus pensamentos e sentimentos.

Atividade física

A atividade física com profissional capacitado e praticada de maneira regular, auxilia no tratamento, devido ao aumento de neurotransmissores que trazem sensação de bem estar, como a endorfina, sendo portanto considerada uma forma indireta de terapia.

As atividades em grupo e ou associadas à música proporcionam ainda um melhor resultado.

Outros tratamentos para depressão

A eletroconvulsoterapia pode melhorar o humor em casos de depressão grave ou pensamentos suicidas que não respondem a outros tratamentos.

O médico psiquiatra é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da depressão.

Leia também: As 4 Formas para Combater a Depressão

Estou tendo mudanças de humor, falta de apetite sexual...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Deve procurar um médico, qualquer médico pode te ajudar, porém o ideal seria procurar um médico psiquiatra.