Perguntar
Fechar
Qual tempo máximo para uso de Fluoxetina?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não há um tempo máximo para uso da Fluoxetina. Em geral, o tempo de tratamento é determinado pelo/a médico/a de acordo com o diagnóstico do/a paciente, a tolerância medicamentosa, presença de efeitos adversos e história pessoal.

A fluoxetina é um antidepressivo que trata a depressão, ansiedade, bulimia nervosa, transtorno compulsivo obsessivo, entre outros.

Devido às características da medicação e sua atividade metabólica, a fluoxetina pode demorar várias semanas para demonstrar um efeito adequado no tratamento. Por isso, é indicado que a medicação seja tomada como prescrito e de forma contínua, sem interrupções.

Leia também:

Quais os efeitos colaterais da fluoxetina?

Fluoxetina emagrece ou engorda?

A pessoa que está tomando fluoxetina deve ser acompanhada com consultas frequentes ao/à psiquiatra, médico/a de família ou clínico/a geral para avaliar o efeito terapêutico da medicação, os efeitos adversos e a continuidade do uso. 

Me sinto fraca, sem ânimo, palpitações e acordo com corpo trêmulo, isso é sintoma de que?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Muitas doenças podem causar esses sintomas (doenças simples e doenças não muito simples); são sintomas muito genéricos e sugerem uma doença que debilita o seu organismo. A causa mais comum é Depressão (é meu primeiro palpite), mas pode ser anemia. O ideal é que você procure um médico para poder ser examinada e obter o diagnóstico e tratamento.

Como saber se estou com depressão? Quais são os sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para confirmar o quadro de depressão, são obrigatórios a presença de pelo menos cinco dos nove critérios descritos mais abaixo, sendo que devem estar presentes por pelo menos duas semanas, e que um deles seja obrigatoriamente: humor deprimido, perda importante de interesse ou de prazer.

Os 9 critérios de depressão

Se a pessoa estiver com 5 dos 9 critérios, por duas semanas ou mais, as chances de estar com depressão são muito elevadas.

  1. Humor deprimido, desânimo ou irritabilidade na maior parte do dia;
  2. Falta de interesse ou prazer nas atividades diárias, físicas ou de trabalho;
  3. Perda de apetite com ganho ou diminuição do peso considerável, sem que esteja em tratamento para isso, com dietas ou restrição alimentar;
  4. Insônia ou sonolência diurna excessiva;
  5. Agitação ou preguiça excessiva;
  6. Fadiga constante, dores musculares;
  7. Sentimento constante de culpa;
  8. Dificuldade de concentração e/ou distúrbios de memória (muito esquecimento), indecisão;
  9. Pensamentos frequentes de morte, ideias suicidas, desejo de autoagressão ou automutilação.

O diagnóstico de depressão segue critérios definidos pelas sociedades de psiquiatria mundiais, os quais estão sendo revisados e atualizados constantemente.

A depressão é diferente do "humor triste" ou da reação de luto, que são consideradas situações normais. Na depressão dito doença, os sintomas têm uma duração prolongada (no mínimo duas semanas), e são de intensidade tal que prejudicam a pessoa nas suas tarefas do dia-a-dia.

Pessoas com depressão apresentam um humor deprimido durante praticamente todo o tempo e todos os dias. A sensação é de vazio, tristeza profunda e falta de esperança.

O paciente depressivo geralmente sente-se inútil, com sentimento de culpa exagerados, muita indecisão, dificuldade de concentração, pensamentos negativos constantes, vontade de deixar de viver, podendo haver tentativas de suicídio.

A depressão pode causar ainda aumento ou perda de peso, bem como alterações do apetite, que pode estar maior ou menor.

Os sintomas da depressão podem incluir ainda distúrbios do sono, com insônia ou sono em excesso. Além disso, são comuns o cansaço e a falta de energia quase que constantes.

Pessoas depressivas tendem a apresentar movimentos mais agitados ou mais lentos que o normal. A falta de energia e o cansaço ocorrem quase que diariamente.

Qual é o tratamento para depressão?

O tratamento da depressão pode ser feito com medicamento antidepressivo, atividade física e psicoterapia. Os antidepressivos melhoram progressivamente os sintomas da depressão e ajudam a prevenir novas crises. Em geral, os resultados podem ser notados depois de algumas semanas do seu início.

No entanto, mesmo com uma melhora significativa dos sintomas, o uso do antidepressivo geralmente é mantido por tempo prolongado. O tempo de duração do tratamento pode ser de meses, anos ou por toda a vida, conforme o caso.

A atividade física se mostra cada vez mais importante no tratamento, por aumentar a autoestima, aproximar de novos contatos, o que não deixa de ser uma terapia conjunta, além de fortalecer musculatura, o que diminui as queixas frequentes de dor e fadiga desses pacientes.

A psicoterapia exerce um papel muito importante no tratamento da depressão, pois atua na origem do transtorno e ajuda a pessoa a identificar os seus pensamentos e comportamentos e refletir sobre as suas emoções. Uma das técnicas de psicoterapia mais usada no tratamento da depressão é a terapia cognitivo comportamental.

O diagnóstico, o tratamento e o acompanhamento da depressão devem ser realizados pelo/a médico/a de família ou psiquiatra.

Saiba mais em: Como é o tratamento para transtorno depressivo maior?

Diferenças entre Esquizofrenia e Depressão
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As diferenças entre esquizofrenia e depressão são bastante significativas. Apesar de muitas vezes o paciente esquizofrênico apresentar também depressão, esta última em geral se instala após o aparecimento da esquizofrenia. 

Embora a apatia e a falta de motivação se manifestem na esquizofrenia e na depressão, existem outros sinais e sintomas que podem facilmente diferenciar uma doença da outra.

Quais são os sintomas da esquizofrenia?

A esquizofrenia é um transtorno mental que provoca crises de psicose caracterizadas por delírios, alucinações, discurso desorganizado, comportamento amplamente desorganizado ou catatônico, negativismo, alterações da afetividade (indiferença, falta de expressão afetiva) e perda de motivação.

O esquizofrênico também pode apresentar dificuldade de concentração, alterações na coordenação motora, desconfiança excessiva e indiferença.

As alucinações são sobretudo auditivas e caracterizam-se pela sensação de ouvir vozes que não são reais. Os delírios geralmente se manifestam pela sensação de perseguição devido a situações irreais. 

O discurso do esquizofrênico é desorganizado e os comportamentos são inadequados, com falas e atitudes sem sentido ou lógica. Também apresentam mudanças de humor sem razão aparente, manifestando alegria ou tristeza.

Outro sintoma da esquizofrenia é a dificuldade de memória, organização e entendimento em relação a assuntos, ideias e pormenores. 

No trabalho, os esquizofrênicos normalmente têm dificuldade de relacionamentos, podendo apresentar ainda dificuldade nos estudos ou nas relações familiares.

Os sintomas da esquizofrenia tendem a se manifestar entre a adolescência e a idade adulta, até mais ou menos os 30 anos de idade. O indivíduo começa a apresentar mudanças de comportamento e nos relacionamentos sociais e interpessoais. 

A causa da esquizofrenia está relacionada com fatores genéticos, ambientais e psicológicos.

A doença geralmente evolui em episódios agudos onde surgem vários destes sintomas, sobretudo delírios e alucinações. As crises são intercaladas por períodos de remissão, com poucos sintomas manifestos.

Quais são os sintomas da depressão?

A depressão, um outro transtorno mental, caracteriza-se por uma tristeza profunda, duradoura e muito forte que o paciente não consegue vencer. 

Os seus principais sintomas são: tristeza profunda e duradoura, falta de interesse ou prazer  em atividades que se gosta de fazer, sensação de vazio, falta de energia, apatia, desânimo, falta de vontade de desempenhar tarefas, falta de esperança, pensamentos negativos, pessimismo e autodesvalorização.

A depressão ainda pode causar dificuldade de concentração, sono irregular, perda de apetite, ansiedade, dor de cabeça e desconfortos estomacais.

Casos mais graves de depressão podem levar também a ideias de morte e tentativas de suicídio. A depressão geralmente é recorrente, ou seja, o paciente tem episódios de depressão de tempos em tempos.

Porém, pacientes com depressão não apresentam alucinações e delírios, como frequentemente ocorre com os esquizofrênicos, a menos que tenham um outro transtorno mental.

Veja também: Quais os sintomas do transtorno depressivo maior?

Uma pessoa com esquizofrenia pode desenvolver uma depressão, mas esses dois transtornos são diferentes e devem ser tratados e diagnosticados separadamente pelo/a médico/a de família ou psiquiatra.

Comecei a tomar Prozac (cloridrato de fluoxetina)...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Esse sintoma de azia é provavelmente efeito gástrico do medicamento, geralmente se ameniza esses sintomas tomando o medicamento junto com a comida e não depois dela. Os sintomas dispépticos podem estar presente em 1 a 10% dos usuários de fluoxetina, por isso, esse é um efeito colateral relativamente comum.

O cloridrato de fluoxetina pode apresentar alguns efeitos adversos, entre eles estão os sintomas gastrointestinais como a dispepsia, termo utilizado para descrever sintomas como azia, sensação de queimação e inchaço abdominal, em que eventualmente podem estar presentes também enjoos, náuseas e eructação.

Para aliviar o desconforto causado pela ingesta de medicamentos alguns médicos o remédio seja tomado junto com as refeições. Como a fluoxetina é tomada geralmente durante a manhã, o usuário pode tomar o comprimido enquanto toma o café da manhã.

Alguns dos efeitos adversos da fluoxetina tendem a amenizar com o decorrer do tratamento, caso provoquem muito desconforto e ao invés de melhorar piorem com o decorrer do tratamento é importante conversar com o médico sobre esses sintomas, para avaliar a necessidade de mudança de posologia ou troca de medicamento.

Quais são os efeitos colaterais comuns da fluoxetina?

A fluoxetina pode levar a manifestação de diferentes efeitos colaterais, entres eles destacam-se os de maior prevalência, que são:

  • Ansiedade;
  • Diarreia;
  • Sonolência;
  • Fraqueza geral;
  • Dor de cabeça;
  • Hiperidrose (excesso de suor);
  • Insônia;
  • Náusea (enjoo);
  • Tremores;
  • Nervosismo;
  • Redução do apetite.

Caso apresente efeitos colaterais consulte o seu médico de família, clínico geral ou psiquiatra.

Quais são os tipos de transtorno de humor?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os tipos de transtorno de humor mais comuns são a depressão e o transtorno bipolar. A depressão é considerada um transtorno de humor unipolar, pois a variação do humor fica apenas do lado depressivo. Quando as variações de humor oscilam entre a depressão e a euforia, o transtorno é bipolar.

Nos casos em que os sintomas depressivos ocorrem em simultâneo com a euforia (mania), são chamados de disforia ou episódio misto.

Depressão

O aparecimento da depressão é influenciado pela genética, stress emocional, pouco apoio social, baixas condições socioeconômicas, uso de substâncias e abuso de álcool, pós-parto, residir em cidades, ser portador de doenças graves, entre outros fatores.

Os sintomas da depressão incluem tristeza, pessimismo, redução das atividades habituais, falta de iniciativa, insônia, alterações no apetite, perda da libido, falta de prazer em atividades que antes eram prazerosas, dificuldade de concentração, perdas de memória, sentimentos de culpa, entre outros.

É comum pessoas com depressão descuidarem-se da aparência, apresentando-se muitas vezes despenteadas ou com a barba por fazer, por exemplo. Também é frequente evitarem o contato visual, ficarem de cabeça baixa e apresentarem movimentos e fala lentos.

Nos casos mais graves, a depressão pode levar ao suicídio.

Leia também: Quais são os sintomas do transtorno de humor e as suas causas?

Transtorno Bipolar

O transtorno de humor bipolar caracteriza-se por variações extremas de humor, alternando episódios de euforia (mania) e depressão. Na fase maníaca, a pessoa fica eufórica, com aumento das atividades física e mental. Já na fase depressiva, estão presentes sintomas como tristeza e lentidão para ter e concretizar planos.

As crises do transtorno de humor bipolar muitas vezes ocorrem de 2 em 2 anos quando a pessoa não está tomando os medicamentos.

Pessoas com bipolaridade podem tentar o suicídio, principalmente na fase da depressão. As tentativas de suicídio podem ocorrer em até 24% dos casos nos transtornos bipolares mais graves.

O transtorno bipolar normalmente surge entre os 18 e os 22 anos de idade.

Transtorno Ciclotímico

Nesse tipo de transtorno de humor, as variações entre os episódios depressivos e maníacos são crônicos, mas as crises são mais leves. Trata-se de um transtorno bipolar mais suave, sem a gravidade dos quadros de euforia e depressão observados na bipolaridade.

O tratamento dos transtornos de humor inclui o uso de medicamentos psiquiátricos e psicoterapia. O médico especialista responsável pelo diagnóstico é o psiquiatra.

Saiba mais em: Transtorno de humor tem cura? Como é o tratamento?

Medo, vontade de chorar, calor na cabeça e rosto vermelho?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pela sua descrição parece ser uma crise de ansiedade ou pânico (pode estar associado com problemas emocionais como estresse, ansiedade, depressão ou até síndrome de pânico), precisa ir a um médico para fazer o diagnóstico e tratamento.

Qual melhor remédio para depressão?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Essa é realmente uma pergunta muito interessante apesar que ela não tem uma resposta. Remédio na concepção da palavra nem sempre significa comprimidos. E o melhor remédio para depressão é resolver o ou os problemas que te levaram a ter depressão.

Muitas pessoas tratam sua depressão com medicamentos, outros com terapia, outros mudam de religião, outros mudam de emprego, alguns mudam de vida... Ou seja não existe um remédio único e eficiente para curar todas as depressões, você terá que encontrar o seu remédio.

Leia também: Diferenças entre Esquizofrenia e Depressão; As 4 Formas para Combater a Depressão

Qual é o seu remédio? Lá no seu íntimo você sabe qual é, se não sabe, precisa descobrir, o mais difícil não é encontrar o remédio certo, o mais difícil é engolir esse remédio.

Tenho depressão e insônia e tomei 3 comprimidos juntos...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Conte isso para seus familiares ou alguém próximo em quem confia e pode te ajudar, procure um serviço de emergência hoje e volte no seu médico da depressão assim que possível, para contar a ele esse episódio de tentativa de suicídio.

As 4 Formas para Combater a Depressão
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As principais formas de combater e tratar a depressão são o uso de medicamentos antidepressivos combinados com psicoterapia, além de mudanças no estilo de vida, como praticar exercícios físicos e evitar hábitos ruins para saúde.

A depressão é uma doença e precisa de tratamento. Confira as 4 principais maneiras de combater, controlar e prevenir a depressão:

1) Remédios Antidepressivos

Esses medicamentos permitem que o paciente se recupere gradualmente da depressão, geralmente em algumas semanas, além de prevenir novas crises depressivas.

Tais medicamentos não provocam euforia nem viciam, muito menos incapacitam ou entorpecem a pessoa, quando são utilizados conforme as orientações médicas.

No entanto, pode ser necessário tomar o antidepressivo por bastante tempo, em alguns casos durante anos ou até o fim da vida.

2) Psicoterapia

A psicoterapia associada ao antidepressivo torna o tratamento da depressão mais eficaz, pois um complementa o outro. Enquanto o medicamento melhora os sintomas, a abordagem psicoterápica permite ao paciente ir à origem do problema, atuando na causa da depressão.

Além disso, uma pessoa deprimida sofre diversas alterações nas suas relações interpessoais, na sua atividade profissional e na forma como expressa os seus sentimentos.

A psicoterapia faz o paciente refletir sobre o funcionamento das suas emoções, permitindo assim a reestruturação do seu modo de ser e estar, que está temporariamente alterado.

3) Exercícios físicos

Praticar atividade física regularmente traz diversos benefícios para pessoas com depressão, podendo ainda ser um meio eficaz de controlar e prevenir novas crises depressivas.

Isso porque, durante o exercício, o corpo libera neurotransmissores, que são grandes aliados no combate à depressão:

  • Endorfina: Promove sensação de prazer, bem estar e euforia, além de aliviar dores;
  • Dopamina: Atjuda na motivação, auxilia na transmissão dos impulsos nervosos, além de posssuir um efeito tranquilizante.

Tais alterações no organismo promovem um efeito relaxante depois do esforço e normalmente são capazes de manter um estado de equilíbrio psicológico e social a longo prazo diante de ameaças externas.

É importante dizer que não existe uma modalidade esportiva mais indicada para combater a depressão. O fundamental é que a pessoa pratique a que mais lhe agrada para evitar o desinteresse rápido.

4) Mudanças de Comportamento

Um tratamento completo para depressão deve envolver também mudanças no comportamento, de maneira que o paciente encontre meios de sentir satisfação e bem estar.

É importante evitar situações que possam desencadear uma crise depressiva, como o abuso de bebidas alcoólicas ou drogas, por exemplo, além de estimular a prática de atividades que melhoram o bem estar geral, como exercícios físicos ou mesmo um hobby.

O problema é que uma pessoa com depressão não tem vontade de nada, nem de fazer coisas das quais gosta. Daí a importância dos medicamentos. Assim que o paciente começar a se sentir melhor, já pode iniciar ou regressar a atividades que lhe dão prazer e com isso, gradativamente a redução ou mesmo suspensão das medicações.

Leia também: Quais os sintomas do transtorno depressivo maior?

Dicas para Combater a Depressão
  • Pratique atividade física regularmente;
  • Tente enfrentar e resolver os seus problemas de frente;
  • Não crie grandes expectativas;
  • Evite o isolamento e procure companhias agradáveis;
  • Extravase as suas emoções;
  • Reserve tempo para atividades que lhe dão prazer;
  • Aumente o consumo de alimentos que melhoram o humor, como cereais e grãos integrais, frutas vermelhas (morango, mirtilo, amora, framboesa, uva), salmão, castanhas e amêndoas;
  • Evite relacionamentos e amizades negativas;
  • Tenha as suas atividades e o seu tempo bem organizados;
  • Estabeleça metas e objetivos que não extrapolem a realidade;
  • Saiba dizer "não".

É muito importante manter o tratamento da depressão pelo tempo que for determinado pelo/a médico/a psiquiatra, mesmo que o paciente já se sinta melhor.

Interromper o tratamento por conta própria pode ter consequências muito negativas, podendo aumentar as chances de recaídas e de piorar o transtorno depressivo.

Tenho 21 anos e há alguns meses comecei a sentir muito cansaço, ansiedade, estresse. O que pode ser?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

No exame de urina tem um pouco de infecção, mas isso não tem relação com seus sintomas que na verdade são compatíveis com problemas emocionais, não dá para ter certeza, mas parece depressão. Você precisa procurar um médico, pode ser um clínico geral, porém o ideal é um psiquiatra.

Tenho muita fraqueza, sonolência excessiva, perda de apetite...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Pode procurar um médico de família ou um clínico geral para uma avaliação inicial dos sintomas. Aparentemente esses sintomas parecem caracterizar um quadro depressivo. Nesse sentido é essencial uma consulta médica para confirmação diagnóstica e inicio do tratamento.

O seguimento de transtornos depressivos pode ser feito pelo psiquiatra ou médico de família e clínico geral habilitados. Pode também ser necessário o acompanhamento por um psicólogo.

A depressão também pode acometer crianças e adolescentes, por isso, é importante considerar esse diagnóstico quando ocorrem sintomas sugestivos.

Quais são os sintomas do transtorno depressivo?

Os sintomas do transtorno depressivo maior podem incluir sonolência excessiva e perda de apetite como no seu caso, ou mesmo o oposto como insonia e aumento do apetite.

Além disso, o sentimento de tristeza persistente, sentimentos de vazio e pensamentos recorrentes de morte também caracterizam a depressão.

Além desse, outros sintomas presentes no transtorno depressivo são:

  • Perda de prazer ou interesse na maioria das atividades do dia a dia;
  • Fadiga ou perda de energia;
  • Agitação psicomotora ou lentidão e atraso psicomotor;
  • Sentimento de inutilidade, ou culpa excessiva ou inapropriada;
  • Diminuição da capacidade de pensar, raciocinar e tomar decisões.

A depressão tem tratamento, em muitos casos a psicoterapia já é capaz de melhorar os sintomas, em outros casos pode ser necessário o uso de medicamentos anti-depressivos, durante um período que pode ser prolongado. O apoio da família e de amigos é essencial, além da compreensão sobre a doença e a sua necessidade de tratamento.

Caso apresente sintomas sugestivos de transtorno depressivo consulte o seu médico de família, clínico geral, psiquiatra ou psicólogo.