Perguntar
Fechar
Síndrome vasovagal: como identificar e tratar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A síndrome vasovagal é a causa mais comum de síncope (desmaios) em adultos. Trata-se de um desequilíbrio no sistema nervoso autônomo que provoca queda abrupta da pressão arterial e diminuição dos batimentos cardíacos quando a pessoa está em pé. 

A síncope vasovagal pode ser desencadeada por uma emoção muito forte, medo, cansaço, dor, perda de sangue, ambientes mal ventilados com aglomeração de pessoas, permanecer em pé por tempo prolongado, entre outros fatores. 

Os sinais e sintomas podem incluir náuseas, transpiração intensa, salivação abundante, palidez, visão escurecida, fraqueza muscular generalizada, incapacidade de se manter em pé e perda da consciência, acompanhados de queda abrupta da pressão arterial e diminuição dos batimentos cardíacos.

Algumas pessoas podem apresentar também movimentos semelhantes aos de um ataque epiléptico durante uma síncope vasovagal. Contudo, vale lembrar que em alguns casos o indivíduo não manifesta nenhum sintoma.

O sistema nervoso autônomo é dividido em simpático e parassimpático. Ambos controlam o funcionamento automático do nosso organismo e têm funções opostas. Por exemplo, enquanto o sistema simpático aumenta os batimentos cardíacos e contrai os vasos sanguíneos, o parassimpático diminui os batimentos e dilata os vasos.

Em pessoas que não têm a síndrome vasovagal, os sistemas simpático e parassimpático trabalham em equilíbrio para compensar as variações da pressão arterial e dos batimentos cardíacos. Porém, quem tem a síndrome não possui essa capacidade.

Saiba mais em: O que é disautonomia?

A síncope vasovagal é causada por um reflexo neurocardiogênico que ocorre quando o indivíduo está na posição ortostática (em pé). Essa posição diminui a quantidade de sangue que chega ao coração, o que leva o sistema simpático a estimular o coração a bater mais depressa para compensar o menor volume sanguíneo. 

Porém, esse estímulo provoca o reflexo de Bezold-Jarish, desencadeado pelo sistema parassimpático. Esse reflexo faz o coração abrandar e dilata os vasos sanguíneos, causando diminuição dos batimentos cardíacos e queda da pressão arterial. Como resultado, menos oxigênio chega ao cérebro e a pessoa desmaia.

Veja aqui o que fazer quando uma pessoa desmaia.

O diagnóstico da síndrome vasovagal é feito pelo teste de inclinação, no qual o paciente é colocado numa maca capaz de inclinar e deixá-lo em pé, sem que ele tenha que fazer nenhum esforço. Enquanto ocorrem as mudanças posturais, o médico monitora a pressão arterial e os batimentos cardíacos. O teste é positivo se o paciente apresentar os sintomas que caracterizam a síncope vasovagal.

O tratamento da síndrome vasovagal pode incluir medicamentos, além de uso de fluidos, sal e exercícios isométricos para prevenir novos episódios de desmaios nos casos em que são precedidos por sintomas. 

Os exercícios isométricos, feitos contra uma pressão que impede o movimento, aumentam a pressão arterial e podem evitar a síncope decorrente da queda de pressão. Os mais utilizados são o hand grip, que consiste em unir as duas mãos e fazer força para separá-las, e o cruzamento de pernas, em que a pessoa sentada contrai os membros inferiores.

Há ainda o treino postural, que consiste em permanecer em pé encostado na parede durante um tempo que vai aumentando progressivamente. As primeiras sessões devem ter sempre a supervisão de alguém devido ao risco de queda.

A prática de exercícios físicos aeróbicos associados com exercícios resistidos, como musculação, também ajudam a prevenir novos episódios de síncope vasovagal.

Caso apresente sintomas de síndrome vasovagal procure um médico de família ou clínico geral para uma avaliação inicial.

Saiba mais em: 

O que é uma síncope?

Infecção urinária pode alterar a pressão arterial?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, infecção urinária pode alterar a pressão arterial e causar hipertensão, quando a infecção atinge os rins. Isso porque o rim é o maior responsável pelo controle do volume de água e sódio do corpo, o que faz das doenças renais uma causa comum de hipertensão arterial (pressão alta).

A infecção urinária é uma infecção que acomete qualquer estrutura do trato urinário. na maioria das vezes se inicia pelo acometimento da bexiga, causando a "cistite", a ardência ao urinar. Pode evoluir para uretrite, quando acomete a uretra e ureteres, até atingir um rim, ou ambos, quando leva bactérias para a pelve renal, sendo definido por pielonefrite.

Nesses casos a capacidade de filtração renal fica reduzida, consequentemente aumenta a retenção de sódio, elevando a pressão arterial.

Além de elevar a pressão arterial, um quadro de nefrite também pode provocar hematúria, pela lesão na parede do ureter ou uretra, levando a presença de sangue na urina.

Para evitar complicações graves, como insuficiência renal ou até uma infecção generalizada (sepse), a infecção urinária deve receber um tratamento adequado com medicamentos antibióticos assim que forem iniciados os sintomas.

Portadores de diabetes devem ter mais cuidado pois nem sempre apresentam os sintomas iniciais de ardência na urina, portanto devem estar atentos para quando observar uma urina mais concentrada, mais amarelada e com cheiro forte.

Leia também: Qual o tratamento para infecção urinária?; Quais as causas da hipertensão arterial?

Em caso de infecção urinária, consulte um médico de família, um clínico geral ou preferencialmente um urologista, que é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento de doenças do sistema urinário masculino e feminino.

Saiba mais em: Quais são os sintomas e causas de uma infecção urinária?

Colesterol VLDL alto é perigoso? Quais são os riscos?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Ter o colesterol VLDL alto é perigoso, pois trata-se de um colesterol considerado ruim.

Níveis elevados de VLDL aumentam os riscos de doenças cardiovasculares como derrame e infarto, já que esse tipo de colesterol pode se depositar na parede das artérias e formar placas de gordura que bloqueiam o fluxo sanguíneo (aterosclerose).

O colesterol VLDL é responsável pelo transporte de triglicerídeos na corrente sanguínea. Sua sigla "VLDL" vem do inglês e significa "lipoproteína de muito baixa densidade" (Very Low Density Lipoprotein).

Os outros 2 tipos de colesterol são o LDL (lipoproteína de baixa densidade - Low Density Lipoprotein), também conhecido como "colesterol ruim" ou "mau colesterol" e o HDL (lipoproteína de alta densidade - High Density Lipoprotein - colesterol de alta densidade), também chamado de "colesterol bom".

O colesterol LDL é chamado de "mau" devido à sua baixa densidade, o que faz com que essa gordura "flutue" na superfície do sangue e se acumule na parede das artérias, formando placas de gordura que podem entupir o vaso e causar derrames e infartos.

Veja também: Quais os riscos do colesterol alto?

Já o HDL é chamado de "colesterol bom" por ter alta densidade, ou seja, é "mais pesado" e por isso não fica na superfície do sangue e pode arrastar o mau colesterol, "limpando" as artérias.

Saiba mais em: Qual o risco de ter o Colesterol HDL (colesterol bom) abaixo do ideal?

Portanto, sendo o VLDL um colesterol de muito baixa densidade, os seus níveis devem estar controlados, assim como os do colesterol LDL. 

Veja aqui o que fazer no caso de colesterol alto.

Os valores de referência para o colesterol VLDL em adultos de até 20 anos são:

Valores de referência colesterol VLDL
Desejável Limítrofe Alto
VLDL abaixo de 30 mg/dl VLDL entre 30 e 67 mg/dl VLDL acima de 67mg/dl

Contudo, os especialistas da Sociedade Brasileira de Cardiologia não consideram os valores do colesterol VLDL muito relevantes para avaliar o risco de doenças cardiovasculares. Para eles, o risco não está relacionado diretamente às taxas de colesterol total, mas sim à maior proporção de colesterol bom (HDL) em relação ao ruim (LDL).

Também podem lhe interessar:

Colesterol VLDL baixo: O que fazer?

Comer ovo aumenta o colesterol?

Quais os sintomas do colesterol alto?

10 alimentos que vão ajudar a baixar o colesterol

O stress aumenta o nível de colesterol?

O que é angina e quais os sintomas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Angina é uma dor no peito, causada por uma diminuição da quantidade de oxigênio que chega ao músculo cardíaco, o que significa que há pouco sangue irrigando o coração naquele momento.

Normalmente a angina ocorre depois de grandes esforços físicos, exposição a baixas temperaturas ou alterações emocionais, podendo ainda ocorrer sem uma causa específica. Dependendo do grau de obstrução da circulação, a angina pode ocorrer mesmo em repouso.

Portanto, a angina não é uma doença em si, mas um sintoma decorrente do baixo fluxo sanguíneo que chega ao coração, que fica sem oxigênio para funcionar adequadamente. Em alguns casos, a angina pode ser um sinal que antecede um infarto.

Quais são os sintomas de angina?

Em geral, a angina provoca dor ou sensação de pressão, desconforto ou aperto no peito. Os sintomas também podem ser sentidos no pescoço, na mandíbula, no ombro, no braço ou nas costas.

Os sintomas que caracterizam a angina incluem:

  • Dor no peito, que pode irradiar para maxilar, braços ou nuca;
  • Normalmente ocorre após esforços físicos intensos ou emoções fortes;
  • Sensação de aperto ou peso no peito;
  • Queimação no peito;
  • Medo.

A dor da angina dura, em média, de 1 a 5 minutos, mas pode permanecer por até 20 minutos e passa com o repouso. Dores que persistem após 20 minutos podem sugerir infarto agudo do miocárdio.

Quais são as causas da angina?

A angina geralmente está associada a doenças que causam obstrução das artérias do coração, como a aterosclerose, e a fatores de risco para doenças coronarianas como hipertensão arterial, tabagismo, diabetes e sedentarismo.

Quadros de anemia graves, que afetam significativamente o transporte de oxigênio pelo sangue, também podem causar angina.

Qual o tratamento para angina?

Normalmente a angina melhora com o repouso. Contudo, podem ser indicados medicamentos com nitratos, que relaxam as artérias do coração e melhoram a irrigação do músculo cardíaco.

O tratamento da angina também inclui medidas para impedir a evolução de doenças coronárias ou reverter o quadro, como não fumar, controlar os níveis de colesterol, controlando e afastando os fatores de risco.

Casos mais leves de angina são tratados com o controle dos fatores de risco e uso de medicamentos que melhoram a circulação e aliviam os sintomas.

Nas formas mais graves de angina, o tratamento pode incluir cirurgia nas artérias coronárias para melhorar a irrigação do coração.

O que fazer em caso de angina?

1. Sente-se; 2. Respire fundo e calmamente; 3. Descanse.

Caso a dor permaneça, procure um serviço de urgência ou chame uma ambulância o mais rápido possível.

É muito importante a avaliação da angina por um médico para que seja introduzido o tratamento mais adequado e assim diminuir o risco de infarto.

Saiba mais em:

Doenças cardiovasculares: Quais os fatores de risco e como prevenir?

Ômega 3 aumenta o colesterol?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não, ômega 3 não aumenta o colesterol. Os ácidos graxos ômega 3 fazem parte do grupo das gorduras insaturadas, que são aquelas que não aumentam o colesterol no sangue.

Pelo contrário, o ômega 3 tem como principais funções:

  • Reduzir os níveis de colesterol total
  • Reduzir o LDL (colesterol ruim)
  • Aumenta o HDL (colesterol bom)
  • Pode reduzir os níveis de triglicerídeos
Qual é a importância do ômega 3 na dieta?

Na dose certa, o consumo diário de ômega 3 ajuda a prevenir doenças cardiovasculares, trazendo vários benefícios para o coração e vasos sanguíneos, tais como:

  • Ajuda a impedir a formação de placas de gordura nos vasos sanguíneos, uma importante causa de infarto e acidente vascular cerebral ("derrame");
  • Pode atenuar processos inflamatórios;
  • Dilata os vasos sanguíneos, produzindo uma discreta redução da pressão arterial;
  • Diminui a viscosidade do sangue, o que melhora a circulação sanguínea.
Qual alimento é rico em ômega 3?

O ômega 3 está presente principalmente em peixes como salmão, atum, sardinha, truta, cavala e arenque.

O consumo diário de ômega 3 deve ser superior a 1,8 g, o equivalente a 300 gramas de peixe por semana.

Contudo, as sociedades médicas de cardiologia, ginecologia e obstetrícia, orientam a todos, mas principalmente as gestantes, evitar o consumo de peixes com alto teor de mercúrio, como tubarão, peixe-espada, cavala-rei ou peixe-telha.

Os quatro tipos de peixes ou mariscos mais indicados para o consumo, por possuírem baixo teor de mercúrio são: camarão, atum light, salmão e bagre.

Existe algum risco em tomar cápsulas de ômega 3?

Sim, por exemplo, gestantes no último trimestre de gestação.

Portanto, para tomar cápsulas de ômega 3 ou qualquer outra medicação, mesmo que substâncias naturais, é importante ser avaliado por um profissional da área, médico ou nutricionista.

Ser avaliado e analisar todo o histórico de saúde da pessoa e as suas necessidades.

Pode lhe interessar também:

Qual a diferença entre angina estável e angina instável?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A principal diferença entre angina estável e instável é que a angina estável geralmente ocorre em situações de esforço e a dor desaparece com o repouso. Já a angina instável surge de repente e não cessa com o repouso, podendo ser um sinal de ataque cardíaco (infarto do miocárdio).

Características da angina estável:

  • É a forma mais comum de angina;
  • Normalmente ocorre em situações de esforço físico, como subir escadas ou durante exercícios;
  • Desaparece com o repouso;
  • Também pode ser desencadeada por perturbações emocionais, exposição a baixas temperaturas, refeições pesadas, tabagismo.

Características da angina instável:

  • O desconforto ou a dor no peito não cessam com o repouso;
  • Surge de forma súbita, mesmo quando a pessoa está em repouso;
  • Trata-se de uma condição perigosa, pois geralmente antecede um infarto;

Leia também: O que é angina e quais os sintomas?

Quais os fatores de risco para angina estável e instável?
  • Tabagismo;
  • Diabetes;
  • Hipertensão arterial (pressão alta) não controlada;
  • Níveis elevados de colesterol e triglicérides;
  • Falta de atividade física;
  • Obesidade;
  • Estresse;
  • Idade superior a 45 anos;
  • Herança genética.
Como prevenir a angina estável e instável?
  • Pratique exercícios físicos regularmente;
  • Tenha uma alimentação equilibrada, com pouca gordura e açúcar;
  • Não fume;
  • Mantenha o diabetes, a pressão arterial e as taxas de colesterol e triglicérides sob controle;
  • Diminua os níveis de estresse.
Qual o tratamento para angina estável e instável?

O tratamento da angina é feito com mudanças no estilo de vida, uso de medicamentos e exercícios de reabilitação cardíaca, sob orientação e supervisão de um médico cardiologista.

Colesterol VLDL baixo: O que fazer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Em princípio, ter o colesterol VLDL baixo não é um problema com o qual deva ser preocupar. Inclusive poder ser um bom sinal, já que trata-se de um mau colesterol. Portanto, não há o que fazer, mas caso já tenha tido algum evento cardiovascular como infarto ou AVC, ou apresente outras doenças como diabetes mellitus, hipertensão arterial, obesidade ou tabagismo, é importante manter a taxa de VLDL baixa, sobretudo através da alimentação e atividade física.

Os valores de referência para o colesterol VLDL em adultos de até 20 anos são:

Desejável Limítrofe Alto
VLDL abaixo de 30 mg/dl VLDL entre 30 e 67 mg/dl VLDL acima de 67 mg/dl

Quando os seus valores estão altos, o colesterol VLDL pode se depositar na parede das artérias e formar placas de gordura, bloqueando a circulação sanguínea. Em pessoas que são consideradas de alto risco cardiovascular esse processo pode levar a aterosclerose, aumentando assim o risco de infarto e derrames.

O colesterol VLDL é um tipo de gordura que transporta os triglicerídeos no sangue. Seu nome é uma sigla proveniente do inglês e significa "lipoproteína de muito baixa densidade" (Very Low Density Lipoprotein - VLDL).

Esse tipo de colesterol é considerado "ruim" devido à sua baixa densidade. Isso significa que o colesterol VLDL é "leve" e por isso "flutua" na superfície do sangue, o que favorece o seu acúmulo na parede interna das artérias.

Veja também: Colesterol VLDL alto é perigoso? Quais são os riscos?

Os outros 2 tipos de colesterol são o LDL, também conhecido como "colesterol ruim" ou "mau colesterol" e o HDL, o chamado "bom colesterol".

Vale ressaltar que, mais importante do que verificar se os níveis de VLDL estão baixos ou altos, é observar a proporção de colesterol bom (HDL) em relação ao ruim (LDL). É essa diferença entre LDL e HDL que serve para calcular de fato o risco de doenças cardiovasculares.

Saiba mais em: Qual o risco de ter o Colesterol HDL (colesterol bom) abaixo do ideal?

Lembrando que o médico que solicitou o exame é o responsável por interpretar os resultados, conforme o exame clínico e o histórico do paciente.

Também podem lhe interessar:

Qual a diferença entre colesterol VLDL, LDL e HDL?

Quais os riscos do colesterol alto?

O que fazer no caso de colesterol alto?

Quais os sintomas do colesterol alto?

Suspeita de infarto: o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Em caso de suspeita de infarto, a primeira coisa a fazer é dirigir-se ao hospital mais próximo ou chamar uma ambulância através do número 192, com urgência. Enquanto aguarda pelo socorro, é importante:

  • Não fazer qualquer tipo de esforço;
  • Afrouxar as roupas;
  • Não beber nada nem tomar calmantes.

Se tiver que prestar socorro a uma pessoa com suspeita de infarto e ela estiver inconsciente, sem pulso e/ou sem respirar, sugere parada cardíaca ou cardiorrespiratória. Nesse caso deve chamar uma ambulância imediatamente e iniciar o procedimento de reanimação cardiopulmonar, com massagem cardíaca, até o socorro especializado chegar.

Como reconhecer uma parada cardíaca
  1. Se observar uma pessoa caída e suspeitar de parada cardíaca, aproxime-se da vítima para confirmar se esta desacordada;
  2. Movimente a pessoa e chame por ela alto, como "senhor", ou "senhora";
  3. Caso não responda e perceba que sua respiração não está normal, ausência ou respiração muito fraca, inicie imediatamente as massagens cardíacas e chame ambulância pelo 192;
  4. Se houver mais alguém com você peça que faça a ligação para que não perca tempo e possa iniciar as massagens cardíacas.
Como Fazer Massagem Cardíaca 
  1. Coloque-se de joelhos ao lado da pessoa, entrelace as mãos e coloque-as no centro do peito da vítima;
  2. Fazendo uso do peso do próprio corpo, com os braços sempre esticados, faça o movimento de compressões no tórax, fortes e ritmadas, afundando o peito da vítima cerca de 5 cm, na frequência de 100 a 120 bpm por minuto;
  3. O ideal é que duas pessoas se alternem a cada 2 minutos;
  4. Mantenha esse procedimento até chegar o socorro ou a pessoa retomar a consciência.

Saiba mais em O que fazer em caso (ou supeita) de ataque cardíaco?

Sintomas de Infarto
  • Dor forte no peito que dura mais de 20 minutos e irradia para o braço esquerdo, estômago, costas, mandíbula ou braço direito (mais raro);
  • Falta de ar;
  • Suor em excesso;
  • Palidez;
  • Alteração dos batimentos cardíacos.

Quanto mais cedo a vítima receber um tratamento adequado, menores serão os danos causados ao músculo cardíaco.

Leia também:

Infarto fulminante: Quais as causas e como evitar?

Quais os sintomas de um infarto fulminante?

Veja como Identificar um Infarto

O que pode causar um infarto?

Sofri um infarto. Que cuidados devo ter depois?