Oftalmologia

Dor na nuca, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor na nuca pode ter várias causas, sendo as mais comuns:

  • Pressão arterial alta,
  • Enxaqueca,
  • Problemas de coluna,
  • Problemas de visão e
  • Estresse ou Tensão muscular.

A dor pode ser dos dois lados ou unilateral (dor à direita ou à esquerda), dependendo da causa.

Dor na nuca e hipertensão arterial

O aumento da pressão é uma das causas mais comuns de dor na nuca, embora algumas pessoas mesmo com a pressão muito elevada, não apresentem nenhum sintoma.

À medida que os níveis de pressão se mantêm elevados, ou subam gradativamente, o organismo tende a se adaptar à situação, sem causar dor ou outras queixas. O que é prejudicial para a pessoa, porque não existe um sinal de algo errado, retardando o devido tratamento.

A dor na nuca associada a hipertensão arterial, pode vir acompanhada de: dor no peito, tontura, náuseas, sonolência, confusão mental, vômitos, palidez, tremores nas mãos, zumbido no ouvido, sangramento pelo nariz, fraqueza, visão turva e alterações visuais.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por pressão alta?

O tratamento para essa fase de crise hipertensiva, deve ser procurar um serviço de emergência, para tratar o problema e evitar maiores complicações, como um derrame cerebral, ou infarto agudo do miocárdio.

Após resolvida a crise de hipertensão, o tratamento deve ser direcionado a causa do problema, ou seja, o melhor controle da pressão arterial. A hipertensão arterial não tem cura, mas tem tratamento eficaz, que deve ser feito sem interrupções e durante a vida toda, para evitar complicações cardiovasculares, neurológicas e ou renais, principalmente.

Algumas medidas para o tratamento e controle da hipertensão arterial incluem:

  • Não fumar;
  • Manter uma alimentação saudável com frutas, verduras e fibras, evitando alimentos industrializados, gordurosos e muito calóricos;
  • Manter o peso adequado à altura;
  • Reduzir a ingestão de sal e de bebidas alcoólicas;
  • Praticar atividades físicas regulares, 30 minutos diários, 5 dias por semana, com orientação médica;
  • Tomar os medicamentos para hipertensão sempre, mesmo quando a pressão estiver boa, a não ser que seja alterado pelo médico cardiologista;
  • Procurar reduzir o nível de estresse, mudando hábitos de vida e com o auxílio de atividades ou técnicas para esse fim;
  • Realizar técnica de respiração lenta, com 10 respirações por minuto durante 15 minutos por dia.
Dor na nuca e enxaqueca

A dor na nuca associada ao quadro de enxaqueca, se caracteriza por ser uma dor unilateral, tipo latejante ou em pontadas, acompanhada de náuseas, vômitos, tontura, fotofobia (piora da dor com a luz) e ou fotofobia (piora da dor com o barulho).

Qual o tratamento para dor na nuca causada por enxaqueca?

O tratamento da crise de dor deve ser feito com analgésicos fortes e anti-inflamatórios, além de se manter em repouso e em ambientes escuros.

Contudo, sabendo que a enxaqueca não tem cura, é fundamental a avaliação e o acompanhamento pelo médico neurologista, que poderá indicar o melhor tratamento de manutenção, caso a caso.

Saiba mais em: Que remédios devo tomar para enxaqueca?

Dor na nuca e problemas de coluna

As doenças de coluna como a escoliose, cifose, a hérnia de disco e doenças degenerativas, causam frequentemente uma tensão na musculatura do pescoço, que para compensar o problema existente piora ainda mais a deformidade do local, levando a um quadro de dor.

Nesses casos, a dor piora com o movimento e com a palpação, e melhora com o repouso e medicamentos para dor. Pode ser localizada apenas na nuca, ou irradiar para um dos braços, com uma dor tipo "choque", nos casos de hérnia de disco, devido à compressão de uma raiz nervosa.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por problemas de coluna?

O tratamento deve ser conservador inicialmente, com o uso de medicamentos anti-inflamatórios e ou relaxante muscular. E mais raramente, nos casos que não respondem, ou com sinais de maior gravidade e alterações neurológicas, pode ser indicada cirurgia para a correção do problema.

Saiba mais no link: O que é hérnia de disco? Quais as causas, sintomas e tratamento?

Dor na nuca e problemas de visão

Os problemas de visão, como miopia, astigmatismo e outros, devem ser corrigidos com o uso de óculos. Porém é comum o uso irregular dos óculos, causando uma sobrecarga na visão durante todo o dia, e com isso a dor na nuca ao final do dia.

Sendo assim, a dor associada aos problemas de visão, são mais comuns a tarde ou a noite. Especialmente para pessoas que fazem uso de computador durante o dia.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por problemas de visão?

O tratamento deve ser manter o uso correto dos óculos e o acompanhamento regular com oftalmologista.

Dor na nuca e tensão muscular

A tensão muscular resulta de vários fatores como má postura, contração muscular por estresse ou esforços físicos. Nesse caso, a dor pode irradiar da nuca para outras partes do corpo como cabeça, ombros e braços.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por tensão muscular?

O tratamento da dor na nuca causada por tensão muscular baseia-se na correção da postura, na realização de exercícios físicos adequados ao problema, redução do estresse e uso de analgésicos e relaxantes musculares.

Pode também ser um sintoma de doença neurológica, como a meningite. Nesse caso, geralmente aparece acompanhada de outros sinais e sintomas como rigidez de nuca, enjoos, vômitos e febre. Trata-se de uma doença grave e com risco de morte, por isso na suspeita de meningite, procure imediatamente uma emergência.

O clínico geral ou médico de família pode diagnosticar e orientar o tratamento para a dor na nuca.

Faz quatro dias meu olho direito fica tremendo, o que será?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Olho tremendo ou tremor nos olhos é na realidade um tremor nas pálpebras e não do olho em si. Chama-se mioclonia e trata-se de um tremor involuntário das pálpebras que pode ocorrer sem um motivo aparente, mas que pode indicar também alguma doença nos olhos ou nos nervos da face.

O tremor acontece no músculo palpebral ou no músculo orbicular (ao redor dos olhos) e geralmente é benigno, ou seja, não é sinal de nenhuma doença. Às vezes, o tremor nos olhos pode vir acompanhado de dormência.

Tremor nos olhos pode ser estresse?

Em geral, o tremor nos olhos ocorre devido ao estresse e os sintomas nesses casos permanecem enquanto durar o fator que está desencadeando o estresse, que pode ser o cansaço físico e mental, a ansiedade, problemas financeiros, entre outros.

O estresse aumenta a secreção de hormônios no sistema nervoso autônomo que causam os tremores, como o cortisol e a adrenalina.

Quando esses hormônios caem na circulação sanguínea, chegam aos músculos e aos nervos que os estimulam, gerando contrações rápidas e involuntárias (espasmos) e, consequentemente, o tremor.

Normalmente, os músculos e as terminações nervosas menores são os mais afetados, como os músculos das pálpebras e dos olhos. Daí o estresse ser uma causa tão comum de tremor nos olhos.

Quais as causas de tremor nos olhos?

Apesar do estresse ser uma das principais causas de tremor nos olhos, há várias doenças oftalmológicas que podem causar tremores nas pálpebras ou nos olhos, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, devido ao esforço realizado pelos músculos oculares. Olhos secos e retinopatia também estão entre os distúrbios oculares que podem causar tremores.

As principais causas de tremor nos olhos, são:

  • Muito cansaço;
  • Nervosismo, ansiedade, estresse;
  • Consumo de café e outras bebidas com cafeína em excesso;
  • Falta de vitaminas e minerais, como o potássio;
  • Uso de óculos com grau errado;
  • Ponto solto após uma cirurgia nos olhos.
  • Doenças oculares (olho seco, alergia ocular, ceratite).
  • Blefaroespasmo e Espasmos hemifaciais

O blefaroespasmo e o espasmo hemifacial, são doenças do sistema nervoso que provocam contrações involuntárias e frequentes dos músculos em torno dos olhos. Nestes casos, os tremores podem acometer também os músculos ao redor da boca e do rosto.

O consumo excessivo de cafeína também pode causar tremor nos olhos, especialmente quando a pessoa toma 6 xícaras de café por dia ou mais.

Apesar de não ser tão comum, usar óculos com a graduação incorreta também favorece o tremor nas pálpebras devido ao esforço que é necessário fazer para conseguir enxergar.

Dormir pouco, menos de 6 horas por noite, é outra possível causa para os tremores nos olhos. O sono é fundamental para o descanso do corpo e da mente. Por isso, o cansaço causado pelas poucas horas de sono pode estar na origem do tremor nas pálpebras ou nos olhos.

Qual o tratamento para tremor nos olhos?

Quando o tremor nos olhos ocorre, não há muito o que fazer para cessar os espasmos musculares. É necessário esperar que a musculatura relaxe e retome o seu funcionamento normal. Fechar os olhos por alguns segundos ou aplicar uma compressa fria pode ajudar a diminuir o tremor nos olhos.

Quando o tremor é esporádico, não é preciso nenhum tratamento específico. No entanto, é necessário identificar a causa desse tremor.

Nos casos de blefaroespasmo e espasmo hemifacial, os tremores chegam a ser tão intensos e constantes que limitam muito a vida do paciente e precisam de tratamento, que pode ser feito com aplicação de toxina botulínica tipo A (botox®).

O tremor nos olhos pode durar alguns minutos, mas em alguns casos pode permanecer durante dias ou semanas, desaparecendo depois por longos períodos. Na grande maioria das pessoas, o tremor nos olhos desaparece sem que a pessoa note, mas ele também pode ser persistente e causar grande incômodo.

Apesar do tremor nos olhos parecer muito intenso, ele raramente é notado pelas outras pessoas, já que o músculo que se contrai é muito fino.

O mais indicado é consultar um médico oftalmologista para que sejam despistadas possíveis doenças oculares ou neurológicas e a causa do tremor no olho seja identificada.

Pode lhe interessar também:

Olhos inchados: quais as causas e tratamento?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Os olhos (na verdade, geralmente as pálpebras) podem ficar inchados por diversos motivos, quando estão inflamadas, quando a inflamação ocorre no(s) olho(s), ou quando há um excesso de fluidos (edemas) nos tecidos conjuntivos em torno dos olhos. Este inchaço pode ser doloroso ou não e afetar os olhos, as pálpebras superiores e as inferiores. A inflamação pode ser devida a:

  • Infecções: como por exemplo conjuntivites - a conjuntivite é uma inflamação da mucosa clara da superfície do olho, a conjuntiva (saiba mais em: Quais são os sintomas da conjuntivite?). Podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos (mais raramente) ou serem alérgicas (vide abaixo, "alergias"). Resultam em inchaço das pálpebras, dentre outros sintomas, como olhos lacrimejantes, vermelhos e coceira. Já no hordéolo, popularmente conhecido como "terçol", ocorre uma infecção bacteriana seguida de inflamação nos folículos ciliares (hordéolo externo) ou glândulas de Zeiss (hordéolo interno). O inchaço na pálpebra é um frequente quando essas glândulas ficam bloqueadas. Um terçol pode deixar toda a pálpebra inchada, tornando-a sensível ao toque também.
  • Blefarite: é uma inflamação, infecciosa ou não, das pálpebras, geralmente causada pela produção excessiva de uma camada lipídica gerada por uma glândula encontrada na pálpebra. A blefarite é caracterizada por pálpebras inchadas e dolorosas e podem ser acompanhadas por caspa, mudanças na pele da pálpebra e perda dos cílios. Geralmente é uma condição crônica, ou seja, é possível controlar os sintomas com o tratamento adequado e práticas de higiene rígidas, mas ela nunca é curada totalmente;
  • Lesões oculares: qualquer trauma na área dos olhos, incluindo uma contusão na pálpebra ou um trauma causado por uma cirurgia plástica (blefaroplastia) pode provocar inflamação e inchaço nos olhos;
  • Corpos estranhos / produtos irritantes: Também podem causar irritação nos olhos, com inchaço local. Incluem solventes de limpeza doméstica, produtos de higiene pessoal (maquiagem, hidratantes, shampoo e sabonete), cloro da piscina, serragem, fagulhas, pequenos insetos, etc;
  • Uso de lentes de contato: uso inadequados de lentes de contato - lentes mal higienizadas, nadar com lentes de contato ou guardar a lente num estojo sujo - podem causar uma infecção nos olhos e inchaço nas pálpebras. Usar lentes de contato vencidas, danificadas ou dormir e esquecer de retirar as lentes também pode irritar os olhos e causar o inchaço;
  • Alergias: ocorrem quando o sistema imunológico reage exageradamente a uma substância estranha, chamada de alérgeno, liberando produtos químicos (o mais comum, a histamina). Trata-se de uma tentativa 'exagerada' do organismo se defender de uma substância à qual se sensibilizou, mesmo que esta seja inócua. Os vasos sanguíneos se dilatam sob efeito da histamina, provocando vermelhidão e edema (inchaço). Pólen, poeira, pelos de animais, alguns colírios e soluções para lentes de contato são alguns dos alérgenos oculares mais comuns (leia também: O que fazer em caso de reação alérgica?);
  • Insuficiência renal: neste caso, ocorre retenção de líquidos devido à perda de função dos rins, que não conseguem eliminar o líquido do corpo com a mesma eficiência. O inchaço nas pálpebras pode expandir-se para todo o rosto e é mais evidente de manhã, logo ao acordar.
  • Problemas de saúde mais graves: celulite orbitária, doença de Graves, insuficiência renal ou herpes ocular.
    • Celulite orbitária: infecção bacteriana rara e grave dos tecidos ao redor do olho, resultando em inchaço doloroso da pálpebra superior e inferior, e, eventualmente, da sobrancelha e da bochecha. Os sintomas podem ainda incluir olhos saltados, redução da visão, febre e dor, quando a pessoa move os olhos. A celulite orbitária é uma emergência médica e necessita ser tratada rapidamente para evitar a lesão do nervo óptico e a perda permanente da visão, além de outras complicações graves. Se a infecção estiver limitada ao tecido mole das pálpebras, ela é menos grave do que a celulite orbital e pode muitas vezes ser tratada com medicamentos tópicos, sem necessidade de hospitalização.
    • Doença de Graves: distúrbio ocular causado por uma tireoide hiperativa (hipertireoidismo), muitas vezes associado a inchaço, pálpebras inchadas, exoftalmia (olhos saltados), visão dupla e pálpebras caídas (ptose).
    • Herpes ocular: transmitida pelo vírus herpes simples comum, a herpes ocular é por vezes apelidada de "afta do olho" e causa inflamação (e às vezes cicatrizes) na córnea. Os sintomas podem ser parecidos com os da conjuntivite, embora possam aparecer feridas dolorosas na pálpebra, visão embaçada devido à opacidade da córnea e inchaço nos olhos, que obstruem a visão. Pode ir desde uma infecção ligeira a uma forma mais grave que pode levar ao transplante da córnea ou ainda em perda de visão (saiba mais em: Como identificar e tratar herpes ocular?).

Também pode lhe interessar: 

Tenho muita coceira nos olhos. O que pode ser e o que fazer para aliviar?

Olhos vermelhos, o que pode ser?

Tratamento de Olhos inchados

O tratamento das pálpebras inchadas depende da sua causa. Se os olhos estão inchados devido a alergias, colírios anti-histamínicos ou medicamentos de alergia oral, o uso de lubrificantes pode ajudar a aliviar os sintomas. O oftalmologista poderá também prescrever colírios esteroides suaves para reações alérgicas mais graves. Outras causas, como infecções, conjuntivite ou herpes ocular respondem bem a antibióticos, colírios antivirais e a pomadas oculares anti-inflamatórios, dependendo da doença. Crises mais leves de inchaço podem ser tratadas em casa.

Em primeiro lugar, a pessoa deve evitar esfregar os olhos para não agravar ainda mais a sua condição. Além disso, o uso de lentes de contato deve ser suspenso até que o inchaço passe.

A aplicação de uma compressa fria pode reduzir o inchaço das pálpebras, assim como compressas de água fria nas pálpebras fechadas. Porém, se os sintomas persistirem ou piorarem, ou se o indivíduo sentir qualquer dor no olho, deve consultar o oftalmologista imediatamente.

Em caso de olhos inchados, um médico (preferencialmente um oftalmologista) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, qual o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento, caso a caso.

Dor nos olhos, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Dor nos olhos pode ser uma sintoma decorrente de diversas causas, dentre as quais podemos citar:

Traumas diretos nos olhos

Quedas, pancadas, queimaduras, substâncias irritantes como ácidos ou bases podem causar dor nos olhos devido à úlcera ou abrasão de córnea no processo.

Corpos estranhos

Fragmentos de sujeira, poeira, madeira ou metais, plantas, lentes de contato, podem causar abrasão de córnea com o atrito, com dor nos olhos intensa associada.

Inflamações e infecções

Geralmente vêm acompanhadas de vermelhidão e lacrimejamento, além da dor nos olhos. Exemplos: uveítes (inflamação intraocular), esclerites (inflamação da esclera) e ceratoconjuntivite (inflamação da córnea).

Blefarite (inflamação comum e persistente das pálpebras)

Produz sintomas como irritação, coceira, prurido e, em alguns casos, olho vermelho. Esta doença afeta frequentemente as pessoas que têm tendência a apresentar pele oleosa e ou secura ocular.

A blefarite pode começar na infância, causando granulação nas pálpebras e continuar por toda a vida como uma afecção crônica ou iniciar apenas na fase adulta.

Hordéolo

Conhecido popularmente como terçol ou terçolho, é um pequeno abscesso que acomete a borda das pálpebras, causado por uma inflamação das glândulas sebáceas. Embora não seja grave, pode ser muito doloroso. A inflamação é normalmente causada por uma infecção bacteriana e acontece mais frequentemente em crianças.

Na maioria dos casos, o terçol pode ser combatido com maior rapidez através de compressas de água quente ou morna. Quando tratados, desaparecem após mais ou menos uma semana.

Em casos mais graves, os médicos podem utilizar uma agulha para drenar o pus acumulado. Existem também pomadas elaboradas especificamente para tratá-los, normalmente compostas por eritromicina.

Aumento da pressão intra ocular

Pode ser um início de glaucoma e neste caso pode vir acompanhado de dor de cabeça. No glaucoma, há dor intensa, mais do que a dor de uma cefaleia usual, e não melhora com analgésicos comuns.

O olho fica vermelho, como em uma conjuntivite, e a visão pode ficar turva. Se não for tratado, o glaucoma leva ao dano permanente do disco óptico da retina, causando uma diminuição progressiva do campo visual, que pode resultar em cegueira.

Defeitos ópticos

Alguns casos de defeitos de refração, como ocorre na hipermetropia, miopia ou no astigmatismo podem levar a dor ocular.

Cefaleia retro-ocular ("dor atrás dos olhos")

Comum na dengue, mas também pode ser sintoma de cefaleia comum. Deve-se distinguir a dor que ocorre em um olho, ambos, ou alternando os olhos.

A dor que alterna lados normalmente deriva de uma cefaleia primária como a migrânea (enxaqueca) ou cefaleia do tipo tensional. A dor em ambos os olhos pode ser devido a uma cefaleia primária ou secundária, como é a dor de cabeça decorrente de um quadro de sinusite.

A dor ocular unilateral (um só olho) pode ser uma enxaqueca, cefaleia em salvas, cefaleia idiopática em pontadas, neuralgia do trigêmeo do primeiro ramo ou trigêmino-autonômicas, hemicranias paroxísticas (episódicas ou crônicas). Mais raramente pode ser uma cefaleia secundária a um aneurisma cerebral, tumor cerebral. Pode ser acompanhada de lacrimejamento.

O que fazer em caso de dor nos olhos?

A prevenção deve ser realizada com bons cuidados de higiene e proteção no caso de atividades perigosas, como trabalhos de soldagem, batida de ferro sobre ferro, serragem de madeira, jardinagem, que exigem uso de máscara ou óculos de proteção, dependendo da atividade.

Em casos de blefarite, a limpeza dos olhos deve ser feita todos os dias, pela manhã, devendo atentar para quaisquer mudanças visíveis ou perceptíveis nos olhos.

Se a pessoa usa lentes de contato, deve fazer a correta higiene das mesmas e verificação de mudança de grau.

Em caso de dor nos olhos, um médico, de preferência oftalmologista, deve ser consultado para avaliação e tratamento adequado.

Derrame no olho, quais as causas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O derrame ocular, ou hiposfagma, é o rompimento de minúsculos vasos sanguíneos localizados na conjuntiva, causando uma mancha vermelha de sangue no olho. A conjuntiva é uma película fina transparente que cobre a esclera (parte branca dos olhos).

O derrame ocular é uma situação bastante comum e não afeta a visão. Ele geralmente cura-se sozinho, desaparecendo em cerca de 10 a 14 dias, não sendo necessário nenhum tratamento em muitos casos.

Apesar de, na maioria dos casos, não ser considerado um quadro grave e de emergência , o derrame no olho deve ser sempre avaliado por um médico oftalmologista, já que outras doenças oculares graves também podem causar o acúmulo de sangue nos olhos.

Derrame ocular

Os riscos da ruptura desses pequenos vasos sanguíneos do olho são maiores em pessoas idosas, sobretudo naquelas que têm pressão alta ou diabetes, devido à maior fragilidade dos vasos.

Nesses casos, coçar o olho, o atrito dos olhos com o travesseiro e até variações da pressão sanguínea podem causar o rompimento de algum vaso sanguíneo, gerando o derrame ocular.

Quais são as causas do derrame no olho?

As causas de derrame ocular incluem: traumas como coçar ou esfregar os olhos, tosse prolongada, espirros repetidos, esforço para evacuar, exercícios físicos intensos, como erguer pesos, vômitos, infecções oculares, cirurgia da pálpebra ou do olho, trauma ocular, picos de pressão arterial, alterações da coagulação sanguínea . Muitas vezes, o derrame ocular é provocado pelo aumento da pressão no interior do vaso sanguíneo, como nos casos de tosse prolongada, espirros constantes e vômitos, por exemplo. Tratam-se de movimentos que exigem muito esforço e podem causar a ruptura dos pequenos vasos sanguíneos do olho.

Qual é o tratamento para derrame no olho?

Em geral, o derrame ocular resolve-se espontaneamente, sem necessidade de tratamento. O derrame não provoca danos irreversíveis no olho. Mesmo nos casos de sangramento intenso, o sangue normalmente é reabsorvido pelo corpo em até duas semanas.

O repouso e a aplicação de compressa fria de água ou soro no olho contrai os vasos sanguíneos e ajuda a diminuir o sangramento. A aplicação deve ser feita durante 20 minutos, 4 vezes ao dia.

Também pode ser indicado o uso de lágrimas artificiais para aliviar o desconforto, uma vez que dependendo da extensão do derrame ocular, pode haver dificuldade de mexer os olhos.

As lágrimas artificiais não aceleram o desaparecimento da mancha, apenas lubrificam os olhos. Em casos mais raros, o uso de lágrima artificial pode ser associado à utilização de colírios com corticoides.

Na presença de derrame ocular associado à febre, alteração na visão ou secundário a trauma deverá ser procurado um oftalmologista imediatamente. Se não for associado a estes sintomas, você poderá aguardar alguns dias, de 1 a 2 semanas, para observar se há melhora, ou, em caso de dúvida, procurar um oftalmologista.

Cisco no olho, o que fazer e como tirar?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Um cisco no olho pode ser retirado com a lavagem abundante do olho com água. A lavagem do olho pode ser feita colocando-o embaixo de uma torneira, chuveiro, jogando sobre ele água ou soro fisiológico, ou ainda, mergulhando-o em um recipiente com água, tentando abri-lo e fechá-lo embaixo d'água para facilitar a remoção do cisco.

Muitas vezes, após a lavagem do olho, a sensação de desconforto e ardência permanecem. Isso ocorre devido à uma irritação causada pelo atrito do cisco com a córnea ou porque o cisco ainda permanece no olho. Manter os olhos fechados durante algum tempo após a sua lavagem pode ajudar a melhorar essa sensação.

Quando não houver água disponível, abrir e fechar o olho também pode ajudar na remoção do cisco através da própria secreção lacrimal dos olhos.

Nunca esfregue ou coce os olhos

Nunca deve-se esfregar os olhos ou coçá-los nessa situação porque esse procedimento pode causar lesões na córnea.

Como verificar se o cisco já saiu

Para verificar se o cisco ainda está no olho pode ser necessária a ajuda de outra pessoa. Deve-se olhar para cima e tracionar para baixo a pálpebra inferior de forma a visualizar a região inferior do olho (conjuntiva e córnea inferior) e, em seguida, erguer cuidadosamente a pálpebra superior e olhar para baixo, para visualizar a região superior do olho.

Se ainda não tiver saído com a lavagem

Caso o cisco seja visível num desses locais (pálpebra inferior ou superior) ou no canto interno do olho (próximo ao nariz), pode-se tentar removê-lo, cuidadosamente, com um cotonete ou a ponta de um pano limpo. Esse procedimento deve ser feito apenas tocando levemente no cisco e sem insistir na retirada, caso ela não ocorra facilmente.

Cuidados a ter se usa lentes de contato

Pessoas usuárias de lentes de contato, na presença de um cisco no olho, devem retirá-las e lavá-las com o produto próprio para isso, realizar a lavagem dos olhos e recolocar as lentes somente se não houver mais irritação.

Quando procurar um médico
  • quando o cisco estiver localizado na parte branca do olho ou na parte colorida (conjuntiva e íris),
  • quando a sensação de desconforto e irritação no olho permanecem, mesmo após a lavagem, a retirada do cisco ou ainda, após a manutenção dos olhos fechados por algum tempo,
  • quando houver a entrada no olho de outros tipos de materiais, como farpas de madeira, estilhaços de metal, vidro ou insetos,
  • quando não for possível a retirada do cisco e a sensação de desconforto e irritação nos olhos permanecer,
  • quando a pessoa usuária de lentes de contato permanecer com irritação nos olhos mesmo após lavá-los.

Os olhos podem ser mantidos fechados e cobertos com uma gaze ou pano limpo nos casos de muito desconforto, até o atendimento médico. A retirada do cisco do olho pode ser feita em um serviço de atendimento médico ou pelo oftalmologista.

Visão turva ou embaçada: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Visão turva ou embaçada pode ser sinal de diversas doenças ou condições, que vão desde miopia, e outras doenças oftalmológicas, até um caso detumor cerebral, passando ainda por diabetes, hipertensão ou pressão baixa, catarata, glaucoma, enxaqueca, entre outras.

A conduta vai depender de qual é a causa desse sintoma, que no caso de persistência deve ser avaliado e definido por um médico clínico geral ou especialista, como o oftalmologista.

Algumas possíveis causas de visão turva ou embaçada:

  • Pressão arterial alta ou muito baixa;
  • Glicose baixa, principalmente em diabéticos e gestantes;
  • Crise de enxaqueca;
  • Degeneração macular: Doença que provoca perda da visão na mácula, que é a região da retina responsável pela captação de detalhes;
  • Catarata: A visão fica embaçada devido à perda de transparência do cristalino do olho, que fica opaco;
  • Olhos secos;
  • Presença de corpo estranho no olho;
  • Lesão no olho, por trauma por exemplo;
  • Miopia: Dificuldade em focar objetos que estão longe;
  • Necessidade de usar óculos (ou lentes) ou apenas de ajustar o grau dos óculos (ou das lentes) já em uso;
  • Hipermetropia: Dificuldade em focar objetos próximos;
  • Infecção ou lesão da córnea;
  • Glaucoma: Doença que danifica o nervo óptico, muitas vezes devido ao aumento da pressão no olho;
  • Descolamento de retina: Descolamento da camada do olho que é sensível à luz;
  • Neurite óptica: Inflamação do nervo óptico.

Leia também: Problemas de visão durante a gravidez são comuns?

Uma forma de identificar a causa da visão turva ou embaçada é verificar se ela vem acompanhada de outros sintomas:

  • Visão turva ou embaçada, com dor súbita nos olhos, vermelhidão, náuseas e vômitos: Podem indicar um ataque súbito de glaucoma de ângulo estreito, que pode danificar permanentemente o nervo óptico. É necessário um tratamento imediato para evitar a perda permanente da visão;
  • Visão turva ou embaçada, com "halos" em volta das luzes à noite, dificuldade de ver cores brilhantes, que aumenta lenta e progressivamente: Estes sintomas podem ser sinal de catarata, que tende a piorar gradualmente ao longo do tempo. O cristalino vai ficando cada vez mais embaçado com o envelhecimento, levando à cegueira. A única forma de evitá-la é através da cirurgia de catarata, que substitui o cristalino opaco por uma lente artificial;
  • Visão turva ou embaçada, pontos cegos e moscas volantes no campo de visão: Pode ser retinopatia diabética, doença que acomete pacientes diabéticos. Para evitar problemas na visão, é essencial que seja feito exames oftalmológicos de forma regular, principalmente aqueles com mais de 60 anos de idade ou diabete de longa data, ou crise de enxaqueca;
  • Visão central turva ou embaçada, com início súbito em apenas um olho: Se o paciente levou uma pancada no olho, é provável que seja uma lesão na mácula, a parte da retina responsável pela visão em detalhes. Além da visão turva, essa lesão macular pode piorar a visão de perto e causar uma perda permanente da visão se houver descolamento de retina.
  • Visão central turva ou embaçada, associada a dores de cabeça, podem sugerir enxaqueca ou pico hipertensivo;
  • Visão central turva ou embaçada, com náuseas, mal estar, suor frio e/ou confusão mental, podem sugerir hipoglicemia, pressão baixa ou também pico hipertensivo; até doenças cardiovasculares, como derrame (acidente vascular cerebral - AVC) e infarto agudo do miocárdio (Infarto do coração).

São muitas as doenças ou situações que podem deixar a visão turva ou embaçada. Se o problema persistir, procure um médico clínico geral ou oftalmologista para que a sua causa seja devidamente diagnosticada e tratada.

Ardência nos olhos, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Ardência nos olhos pode ser causada por muitas situações, sendo que as mais comuns são devido à lubrificação inadequada dos olhos, muitas vezes decorrente do uso prolongado do computador, televisão ou lentes de contato.

O ato de piscar ou pestanejar permite aos olhos uma lubrificação com as lágrimas (filme lacrimal) produzidas pelas glândulas lacrimais. Quando ficamos em frente à tela do computador ou da televisão, muitas vezes mantemos os olhos abertos sem piscar devido à atenção exigida para essas atividades.

Quando essa situação prolonga-se por horas seguidas pode ocorrer um ressecamento dos olhos, causando, além da ardência, a sensação de cansaço e irritação ocular. 

A síndrome do olho seco é outro problema causado pela redução da produção ou alteração da composição do líquido lacrimal, mais comum em pessoas acima dos 65 anos e, principalmente, nas mulheres.

Dentre as principais causas da síndrome do olho seco estão:

  • Problemas na tiroide;
  • Doença de Parkinson;
  • Síndrome de Sjögren;
  • Deficiência de vitamina A;
  • Baixa umidade do ar;
  • Ar quente;
  • Ambientes com ar condicionado ou calefação.

Leia também: O que é síndrome do olho seco?

Existem outras causas de ardência nos olhos? Como é o tratamento?

A ardência nos olhos também pode ocorrer devido a:

  • Poluição ambiental;
  • Alergias;
  • Irritações causadas por produtos químicos, como o cloro da piscina ou maquiagens;
  • Conjuntivites;
  • Rinite alérgica;
  • Distúrbios visuais que levam a um esforço maior para conseguir enxergar.

Também pode lhe interessar: Tenho muita coceira nos olhos. O que pode ser e o que fazer para aliviar?

O tratamento da ardência nos olhos depende da causa, podendo incluir:

  • Colírios lubrificantes, anti-histamínicos ou antibióticos;
  • Pausa no uso de lentes de contato;
  • Mudanças de hábitos;
  • Correção de problemas visuais com lentes corretivas ou cirurgias.

O/a oftalmologista é o/a médico/a indicado/a para realizar o diagnóstico e o tratamento.