Perguntar
Fechar
Terçol é contagioso?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Terçol não é contagioso, ao contrário da conjuntivite viral e bacteriana. O terçol é uma inflamação das glândulas sebáceas da pálpebra, normalmente causada por bactérias, que provoca sintomas como dor, vermelhidão e inchaço no local.

O terçol ocorre quando as glândulas sebáceas entopem. Bactérias invadem as glândulas e em resposta o organismo envia as suas células de defesa para eliminar os micro-organismos invasores. O resultado final da "batalha" são muitas células mortas, que formam o pus. Esse pus obstrui a glândula e provoca o terçol.

O tratamento do terçol é feito com compressas de água morna, podendo ser indicado o uso de pomadas ou colírios em alguns casos. Se o terçol permanecer por mais de duas semanas, é necessário procurar um médico oftalmologista.

Descolamento de retina tem cura? Como é o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Descolamento de retina tem cura caso seja diagnosticado e tratado com urgência.

O tratamento do descolamento de retina pode ser feito pela injeção de gás dentro do olho para o restabelecimento da retina de volta ao seu local de origem ou por meio de cirurgia para fixação da retina.

O descolamento de retina deve ser tratado o mais rápido possível para evitar agravamento do caso e cegueira.

Na maioria das vezes, o descolamento da retina não possui uma causa aparente, mas a presença de alguns fatores de risco, como a diabetes, pode aumentar a chance de acontecer o descolamento.

Continue a leitura em:

Quais são os sintomas do descolamento de retina?

Catarata e glaucoma são a mesma coisa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não. Catarata e glaucoma são duas doenças diferentes. A catarata é uma opacidade do cristalino do olho que provoca cegueira parcial ou total. O glaucoma é uma doença dos olhos causada pelo aumento da pressão intraocular, que provoca lesões no nervo ótico e comprometimento do campo visual, podendo causar cegueira.

Catarata

A catarata é uma doença ocular que deixa o cristalino opaco. O cristalino é transparente e tem a função de focar as imagens. Porém, com a catarata, ele se torna opaco. Como consequência, há dificuldade de passagem da luz e a visão fica prejudicada.

A maioria dos casos de catarata está relacionado com a idade. Trata-se de um processo degenerativo, mais comum em pessoas idosas. 

Porém, a catarata também pode surgir após cirurgias, traumatismos oculares e tratamento com radioterapia. O tabagismo, o consumo de bebidas alcoólicas e a exposição prolongada ao sol também são fatores de risco para o surgimento da doença.

Sintomas de catarata

O principal sintoma da catarata é a diminuição progressiva da visão, embora no início da doença o comprometimento visual pode não ser notado. Outros sintomas que podem estar presentes: presença de halos ao redor das luzes, redução da visão noturna, visão dupla e necessidade constante de mudar a graduação dos óculos.

Tratamento da catarata

A única forma de tratamento definitivo para a catarata é a cirurgia. No procedimento, retira-se a catarata e substitui-se por uma lente intraocular artificial.

Glaucoma

Existem diversos tipos de glaucoma, que pode ser agudo, crônico ou congênito (presente desde o nascimento).

Sintomas de glaucoma

O glaucoma agudo provoca um aumento extremo da pressão intraocular, levando a uma perda súbita e grave da visão. Além disso, a pessoa apresenta forte dor de cabeça, fotofobia, náuseas e dor nos olhos.

No glaucoma crônico, a pessoa normalmente não apresenta nenhum sintoma no início da doença. Geralmente, o glaucoma é detectado nas consultas de rotina com oftalmologista para trocar os óculos. 

A perda da visão nesse tipo de glaucoma só ocorre nos casos mais avançados. A visão periférica é a primeira a ser afetada, evoluindo para um estreitamento do campo de visão. À medida que a doença evolui, toda a visão pode ser prejudicada.

Tratamento do glaucoma

O tratamento do glaucoma é feito com colírios e deve ser mantido até o fim da vida. O tratamento permite controlar a pressão intraocular e a evolução da doença. Nos casos em que o tratamento com colírios não é suficiente, a cirurgia é indicada.

Consulte o/a médico/a oftalmologista periodicamente para avaliação da sua saúde ocular e para a detecção de problemas como a catarata e glaucoma.

Cegueira noturna tem cura?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Cegueira noturna pode ter cura, dependendo da sua causa. É preciso lembrar que a má visão noturna não é propriamente uma doença, mas o sintoma de algum problema ocular. Portanto, o tratamento da cegueira noturna varia conforme a origem do distúrbio.

Uma importante causa de cegueira noturna é a retinite pigmentosa, uma doença genética que destrói gradualmente as células nervosas responsáveis pela captação da luz na retina, os bastonetes.

Uma vez que não existe um tratamento específico para a retinite pigmentosa, pode não haver formar de curar a cegueira noturna nesses casos.

Quando a cegueira noturna é provocada por catarata, a única forma de tratamento é através de correção cirúrgica. A cirurgia remove o cristalino ("lente do olho") embaçado e o substitui por um novo, permitindo à pessoa recuperar a visão.

Casos de cegueira noturna decorrentes de miopia são tratados com o uso de óculos ou lentes de contato.

Outra causa comum de cegueira noturna é a deficiência de vitamina A. O tratamento para esses casos inclui suplementação com vitamina A e inclusão de alimentos ricos no nutriente na dieta.

Cegueira noturna é um distúrbio da visão que se caracteriza pela dificuldade de enxergar à noite ou em locais com pouca luz. Os sintomas podem incluir ainda "visão tubular" (sensação de ver através de um binóculo) e dificuldade de adaptação da visão em situações com variações de luminosidade (passar de um lugar escuro para um claro ou vice-versa).

Para saber qual o tratamento para o seu caso de cegueira noturna, consulte um médico oftalmologista.

Dores nos olhos: o que pode ser e o que fazer em cada caso
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor nos olhos pode ser causada por diferentes problemas e para cada problema existe um tratamento específico.

Para identificar esse problema e indicar o melhor tratamento, os sintomas devem ser avaliados cuidadosamente, caso a caso, por um médico oftalmologista.

1. Dor no fundo dos olhos por problemas de visão

Os distúrbios visuais como a miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia, podem causar dor no fundo dos olhos, associados a:

  • Sensação de "visão cansada"
  • Dor de cabeça ao fim do dia
  • Visão embaçada

O que fazer: procure um médico oftalmologista para avaliar o seu caso e definir a necessidade de uso regular de óculos. O uso correto dos óculos resolve grande parte das dores nos olhos.

2. Dor e ardência nos olhos por inflamação ou infecção local

A conjuntivite é a inflamação mais comum nos olhos e pode ser causada por uma reação alérgica ou contaminação por bactérias. O olho amanhece doloroso, com os seguintes sintomas:

  • Inchaço
  • Vermelhidão
  • Sensação de "areia" nos olhos
  • Ardência, coceira
  • Maior sensibilidade à luz
  • Secreção amarelada (purulenta)

O que fazer: o tratamento deve ser feito com a limpeza dos olhos 3 a 4x por dia, com soro fisiológico (em temperatura ambiente, nunca gelado) e após, aplicar 2 gotas de colírio com antibióticos em cada olho. A compressa morna, com paninho limpo, 3x ao dia, ajuda no alívio dos sintomas.

3. Dor atrás do olhos por gripe, resfriado ou febre

As viroses, como a dengue, chikungunya e gripe por influenza, costumam causar dor intensa na região "atrás" dos olhos, especialmente durante um quadro de febre. Os outros sintomas encontrados, são:

  • Febre
  • Dor no corpo
  • Cansaço
  • Falta de apetite
  • Fraqueza

O que fazer: o uso de um antitérmico, no caso de febre, repouso, hidratação e boa alimentação, costuma ser o suficiente para a melhora da dor. Caso a dor permaneça procure um médico clínico geral ou médico da família.

4. Dor nos olhos por trauma, arranhão ou corpo estranho

Em situações de trauma, arranhão ou presença de corpo estranho, a dor vem associada a:

  • Vermelhidão
  • Ardência
  • Maior sensibilidade maior à luz
  • Lacrimejamento e
  • Dificuldade visual.

O que fazer: deve limpar os olhos com soro fisiológico ou solução de limpeza indicada, hidratar com lágrima artificial, de 3 a 4x por dia e manter uma boa higiene. Evite coçar os olhos e procure proteger os olhos usando frequentemente óculos e chapéu. Mais raramente, nos casos de infecção secundária, será preciso aplicar colírios com antibióticos.

5. Dor nos olhos por aumento da pressão no olho

A dor nos olhos por aumento da pressão no globo ocular, é denominado Glaucoma. Os sintomas típicos dessa doença são:

  • Dor de forte intensidade
  • Vermelhidão
  • Borramento visual (visão "desfocada")
  • Dificuldade / Perda visual lenta e gradativa.

O que fazer: na presença de dor intensa, dificuldade na visão e vermelhidão, procure um serviço de urgência médica. O glaucoma agudo, sem tratamento rápido, pode causar cegueira irreversível.

6. Dor nos olhos por terçol

O terçol, ou hordéolo, é uma inflamação na pálpebra, superior ou inferior, decorrente de um entupimento de glândulas lacrimais. Os sintomas são de dor em pontadas ou fisgadas, especialmente quando abre ou fecha os olhos, associadas a:

  • Inchaço
  • Vermelhidão
  • Sensação de coceira
  • Visão embaçada
  • Sensibilidade à luz
  • Lacrimejamento

O que fazer: o tratamento é baseado na limpeza local e compressa morna com pano limpo, de 3 a 4x por dia. Lembrando que a aliança, anel ou material metálico quente não é recomendado pelos especialistas, pelo risco de queimadura local.

Quando a infecção não melhora dentro de 3 a 5 dias, e/ou evolui com coleção de pus (calázio), pode ser preciso drenagem cirúrgica e pomadas de antibióticos. Nesse caso, procure rapidamente um oftalmologista.

7. Dor ao redor ou encima dos olhos devido à sinusite

A dor ao redor dos olhos ou em cima dos olhos, na região da testa, sugere um quadro de sinusite. Isso porque o acúmulo de secreção nos seios da face, causa sintomas de dor e peso nessa região. Podendo haver ainda:

  • Febre
  • Congestão nasal
  • Coriza
  • Falta de apetite

O que fazer: a sinusite alérgica é tratada com hidratação, limpeza nasal e antialérgicos. A sinusite bacteriana, com febre e mal-estar, deve ser tratada com medicamentos antibióticos para resolução completa da infecção.

8. Dor e inchaço na pálpebra

A inflamação ou infecção da pálpebra, juntos aos cílios, é chamada blefarite, essa condição pode ser causada por contaminação, após coçar os olhos com as mãos sujas. Os sintomas são de:

  • Sensação de dor em "peso" acima do olho acometido
  • Inchaço na pálpebra
  • Vermelhidão
  • Calor local
  • Coceira
  • Lacrimejamento

O que fazer: o tratamento deve ser feito com compressa morna, limpeza com soro fisiológico ou solução para os olhos 3 a 4x por dia, e quando não melhora dentro de poucos dias, procurar um oftalmologista para avaliar o uso de antibióticos em colírio.

9. Dor nos olhos por problemas neurológicosEnxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica, que causa sintomas variados, além da dor de cabeça e as alterações visuais são muito frequentes. Embora a dor ocular não seja o sintoma mais comum, pode acontecer.

O que fazer: o tratamento da enxaqueca varia com as características e tipo de dor.

Saiba mais: qual é o tratamento da enxaqueca?

Cefaleia em salvas

A cefaleia em salvas é outro tipo de dor de cabeça, que traz no seu quadro clínico, a dor ocular intensa, vermelhidão, lacrimejamento e intolerância à luz.

O que fazer: o tratamento para controle da crise de dor é o uso de oxigênio úmido sob máscara facial, a 100% por 20 minutos, associada a sumatriptano nasal ou subcutâneo. A medicação mais eficaz no controle das crises, é o verapamil, embora outras drogas também sejam eficazes.

Neurite óptica

A neurite é uma inflamação aguda do nervo óptico, que causa dor intensa no fundo dos olhos, de início súbito, que piora ao movimentar os olhos, e pode apresentar em conjunto, dificuldade visual e até cegueira.

Uma das causas de neurite é a Esclerose múltipla, doença neurológica autoimune, que se não tratada adequadamente pode evoluir com sequelas irreparáveis, como a cegueira completa.

O que fazer: o tratamento deve ser feito com corticoides, o quanto antes, por isso na suspeita de neurite, procure um atendimento de emergência médica para avaliação.

Neuralgia do trigêmeo

O nervo trigêmeo é um nervo craniano que se divide em 3 ramos, sendo o primeiro o ramo oftálmico, responsável pela inervação da glândula lacrimal, face superior e outras estruturas próximas. Sendo assim, um problema nesse nervo, pode causar dor intensa no olho, lacrimejamento, dificuldade em abrir os olhos e dor intensa à mastigação.

O que fazer: o tratamento da neuralgia é feito com medicamentos controlados, como os anticonvulsivantes carbamazepina e oxcarbazepina. Além disso, deve ser investigada a causa dessa inflamação.

10. Outras causas que podem causar dor nos olhos são:
  • Complicação de cirurgia,
  • Uso incorreto de lentes de contato,
  • Reações alérgicas,
  • Toxoplasmose,
  • Tumor cerebral,
  • Retinopatia diabética.
Quando procurar uma emergência?

Na presença de náuseas, vômitos, rigidez no pescoço, perda de visão e/ou confusão mental, sugere um problema grave, e deve ser imediatamente avaliado em serviço de urgência.

Os demais casos, podem ser avaliados por um médico da família ou oftalmologista.

O que é anoftalmia?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A anoftalmia é uma condição oftalmológica rara, caracterizada pela ausência de um ou ambos os olhos.

A causa da anoftalmia ainda não está completamente afirmada, podendo ser congênita, adquirida ou associada a outras síndromes sistêmicas.

Além da malformação anatômica, a doença causa transtornos funcionais e psíquicos graves, podendo apresentar dificuldades de adaptação ao meio social.

A anoftalmia pode ocorrer como um dos acometimentos de uma síndrome sistêmica. As mais frequentemente associadas são:

  • Síndrome de Patau;
  • Síndrome de Edward.

A criança com anoftalmia juntamente com sua família é portadora de direitos tanto no acesso à saúde quanto as questões de assistência social. Essa criança precisará de acompanhamento contínuo e ao longo do seu desenvolvimento garantindo o apoio médico e social necessários.

Por que o olho treme? Pode ser grave?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As causas de tremor no olho são diversas sendo as mais frequentes, o cansaço e estresse. O uso excessivo dos smartphones, problemas oculares, neurológicos e nutricionais, também podem dar origem a esse sintoma.

Na maioria das vezes não é grave e ocorre devido a espasmos ou contrações musculares involuntárias nessa região. A sensação de “olho pulando” ou de “tremedeira no olho” se chama mioclonia ou mioquimia e pode afetar um dos olhos, os dois, ou as pálpebras (dobra fina e músculos que cobrem os olhos).

O tremor dura em média dois ou três dias e depois desaparece espontanemanete. Entretanto, alguns casos duram mais tempo e se torna bastante incômodo. Nestas situações, é importante que procure um médico de família ou oftalmologista para investigar a causa.

1. Cansaço

O cansaço, ou tensão ocular, ocorrem principalmente devido ao excesso de trabalho, sono ruim, uso e exposição excessiva à luz emitida por smartphones, computadores e utilização de óculos com grau inadequado, o que não permite o descanso necessário da musculatura dos olhos.

A repetição destas situações e hábitos exigem que os músculos dos olhos trabalhem e se esforcem mais para focar os objetos, o que desencadeia o cansaço visual que faz o olho tremer.

2. Estresse excessivo e ansiedade

O excesso de estresse e a ansiedade são as causas mais comuns de tremor nos olhos, devido à produção aumentada de cortisol. O cortisol é um hormônio que estimula provoca a contração dos músculos das pálpebras e da musculatura em torno dos olhos (músculos orbiculares) que causa o tremor do olho.

3. Olhos secos

Para lubrificar os olhos ressecados os músculos da área ocular precisam se contrair com maior frequência, o que pode ocasionar as pálpebras tremendo. A poluição do ar, vento, fumaça, ar-condicionado, uso de lentes de contato por tempo prolongado, e telas de aparelhos eletrônicos podem provocar o ressecamento.

Pessoas idosas têm uma tendência maior a ter ressecamento e, por consequência, tremor nos olhos devido à redução da ação das glândulas que lubrificam os olhos (glândulas lacrimais). Nestes casos, o uso colírios lubrificantes de acordo com a orientação de um oftalmologista, médico de família ou clínico geral pode ser necessário.

4. Uveíte, ceratite

Doenças oculares como alergias, inflamações (uveíte, ceratite), e cílios virados para dentro, costumam ter como sintomas o tremor ocular, ainda, lacrimejamento, coceira, inchaço e vermelhidão. O profissional indicado para avaliar estes distúrbios oculares e indicar o tratamento mais efetivo, é o oftalmologista.

5. Blefaroespasmo

O blefaroespasmo é uma doença rara e que ocorre pela contração contínua da musculatura em torno dos olhos em que a pessoa sente o olho tremer constantemente. A sua causa ainda não é conhecida. Os sintomas são um tremor constante das pálpebras e contração, que provoca o fechamento dos olhos. Nos casos mais graves, a pessoa não consegue abrir os olhos. O cansaço, a luz intensa e a ansiedade podem piorar o tremor.

Nestes casos, o tratamento é feito com aplicação de toxina botulínica tipo A (Botox® ou Dysport®) para paralisar a musculatura ocular e, deste modo, cessar o tremor e contração dos olhos. Os ansiolíticos também podem ser úteis ao tratamento. Quando a toxina botulínica não funciona, pode ser necessário indicar uma cirurgia, embora seja raro.

Medidas simples como uso de óculos escuros, massagem na face, cobrir os olhos, bocejar ou cantar podem aliviar temporariamente os espasmos. Procure um oftalmologista caso perceba um tremor mais intenso nas pálpebras que chega a fechar os seus olhos.

6. Dormir pouco ou ter sono superficial

A dificuldade de dormir e um sono de qualidade ruim, geralmente superficial e que não provoca a regeneração do corpo, sobrecarrega aos músculos dos olhos e, por este motivo ocorre o tremor.

7. Consumo de café, bebidas alcoólicas, chás estimulantes e refrigerantes

Bebidas como café, bebidas alcoólicas, chá preto, chá verde e refrigerantes de cola ou guaraná são estimulantes do sistema nervoso central e tendem a provocar tremor nas pálpebras quando ingeridas em excesso. O café e o álcool também provocam desidratação do organismo, o que contribui para ressecamento dos olhos e pode desencadear a sensação de olho tremendo.

8. Problemas nutricionais

O olho pulsando ou tremendo pode estar ligado à carência de vitamina B12, presente principalmente em alimentos de origem animal como fígado, atum, salmão, ovos e leite.

Além disso, a deficiência de cálcio ou magnésio também podem provocar tremor na pálpebra. Estes dois minerais participam na contração dos músculos do corpo, entre eles, a musculatura dos olhos.

O cálcio está presente em alimentos como leite, queijos e sardinha. Enquanto o magnésio pode ser encontrado na banana prata, amendoim, aveia, castanha de caju, castanha do pará e semente de gergelim, entre outros tipos de alimentos.

O que fazer quando o olho treme?

Como na maior parte dos casos de tremor nos olhos as causas estão ligadas ao estresse, ansiedade, rotina de sono inadequada ou problemas nutricionais, algumas orientações simples podem ajudar.

Os cuidados para amenizar o tremor nas pálpebras incluem:

  • Prática de exercícios físicos e atividades ao ar livre para reduzir o estresse e a ansiedade,
  • Acompanhamento psicológico para ajuda a lidar com a ansiedade e o estresse,
  • Manter uma rotina de sono: procurar deitar e levantar mais ou menos nos mesmos horários,
  • Reduzir ou mesmo evitar o consumo de café, bebida alcoólica, chás estimulantes como chá verde e chá preto e refrigerantes à base de cola,
  • Manter uma alimentação equilibrada e saudável,
  • Reduzir o tempo de exposição a telas de smartphones, computadores e TV,
  • Usar óculos escuros quando a claridade agrava o tremor,
  • Aplicar compressas geladas nas pálpebras,
  • Buscar ter momentos de relaxamento.
Quando devo me preocupar?

É bastante frequente que o tremor nos olhos passe espontaneamente em 2 ou 3 dias e que não seja ligado a nenhuma doença grave. Entretanto, esteja atento aos seguintes sinais:

  • Olho tremendo por mais de 7 dias (uma semana),
  • Tremor intenso e constante que chega a fechar os olhos,
  • Olhos inchados, dificuldade em abrir os olhos,
  • Pálpebras caídas,
  • Secreção amarelada e coceira nos olhos,
  • Olhos vermelhos, coçando e/ou lacrimejamento e
  • Alterações na visão.

Ao identificar estes sinais procure o mais rapidamente possível um oftalmologista para que a causa seja investigada e o problema adequadamente tratado.

Para saber mais sobre olho tremendo, você pode ler:

Faz quatro dias meu olho direito fica tremendo, o que será?

Palpitação nos olhos: o que pode ser?

Referências

  • Girard, B.C.; Lévy, P. Dry eye syndrome in benign essential blepharospasm. Journal Français d'Ophtalmologie. 42(10): 1062-1067, 2019.
  • Kilduff CLS, Casswell EJ, Salam T, et al: Use of alleviating maneuvers for periocular facial dystonias. JAMA Ophthalmol 134:1247-1252, 2016.
  • Lee AG, Miller NR: Alleviating maneuvers for benign essential blepharospasm and hemifacial spasm. JAMA Ophthalmol 134:1253-1254, 2016.
  • Sociedade Brasileira de Oftalmologia.
Dor atrás dos olhos: o que pode ser e o que devo fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor atrás dos olhos é bastante comum nos casos de viroses, sinusite, enxaqueca e nos problemas diretamente relacionados com os olhos, como o glaucoma, esclerite e neurite óptica.

O tratamento varia de acordo com a causa, e pode incluir o uso de analgésicos comuns, anti-inflamatórios e/ou antibióticos. Contudo, algumas doenças oculares, como o glaucoma, precisa de um tratamento ainda mais específico, com urgência, para evitar danos irrecuperáveis, como a cegueira.

Por isso, no caso de dor atrás dos olhos que não melhore com uso de analgésicos, ou que venha associado a febre alta, dor intensa ou qualquer dificuldade visual, procure imediatamente um serviço de emergência médica.

1. Resfriado, gripe ou febre

Os resfriados e a gripe por influenza, por exemplo, são condições que vêm acompanhadas de dor intensa atrás dos olhos. Principalmente quando a pessoa apresenta febre.

Nestes casos, além da dor atrás dos olhos e febre a pessoa pode sentir dor no corpo, cansaço, falta de apetite e fraqueza.

O tratamento inclui, repouso, aumentar a ingesta de água, alimentar-se bem, e no caso de febre, fazer uso de antitérmicos e/ou analgésicos para aliviar os sintomas. Caso os sintomas permaneçam, procure um médico de família.

2. Dengue e chikungunya

A dengue e a chikungunya são doenças infecciosas, transmitidas por mosquitos, que apresentam clinica bastante semelhante. Os sintomas mais frequentes incluem dor atrás dos olhos, dor ao movimentar os olhos, febre alta > 38.5oC, dor de cabeça, dor muscular intensa, falta de apetite, fraqueza, manchas vermelhas no corpo e mal-estar.

Por vezes, apresentam ainda inchaço nas articulações e coceira no corpo.

O tratamento é feito de acordo com os sintomas com uso de analgésicos e antitérmicos. É recomendado repouso e ingestão de líquidos (pelos menos 2 litros de água ao dia).

Se ainda assim mantiver dor, ou apresentar um desses sintomas: dor abdominal intensa, vômitos persistentes, sangramentos de mucosas e outras hemorragias, procure um serviço de emergência, para avaliação médica criteriosa.

3. Sinusite

A sinusite é uma inflamação na mucosa dos seios da face, onde acontece o acúmulo de secreção, o que dá origem a dor atrás dos olhos, em "pressão", que piora ao abaixar a cabeça.

Os sintomas mais comuns de sinusite são a dor atrás dos dois olhos ou de apenas um deles, dor de cabeça em pressão, sensação de pressão no rosto, tosse, febre, secreção nasal e nariz entupido e cansaço.

Para aliviar os sintomas é recomendado aumentar a ingesta de água, com pelo menos 2 litros de água por dia, lavar o nariz com soro fisiológico, fazer compressas quentes no rosto e dormir com a cabeceira elevada, para ajudar a drenar as secreções.

Evite permanecer em ambiente fechados com ar-condicionado, pois estes ambientes ressecam as mucosas e dificultam a eliminação de secreções.

O tratamento da sinusite pode envolver ainda o uso de sprays nasais, descongestionantes orais, corticoides e antibióticos. Estes medicamentos são indicados pelo médico de família, clínico geral ou otorrinolaringologista, após a avaliação.

4. Enxaqueca

A enxaqueca é uma dor de cabeça intensa que, durante uma crise, pode incapacitar a pessoa de realizar suas atividades simples, de vida diária. A dor é tipo latejate ou pulsátil, que piora com a luz e/ou barulho e melhora após repouso e permanecer em ambiente escuro. As náuseas, vômitos e tontura, geralmente estão associados.

Se você tem enxaqueca, evite pular refeições (jejum prolongado), não consuma álcool e prefira bebidas sem cafeína, pratique atividade física regularmente, mantenha uma rotina de sono procurando deitar-se e levantar-se em horários regulares e reserve tempo para atividades que tragam prazer e relaxamento.

O tratamento da enxaqueca depende da intensidade, da dor, as suas características e da frequência das crises. Pode ser feito com anallgésicos específicos, corticoide, antidepressivos e sintomáticos, como medicametno para evitar os vômitos. O neurologista deve ser consultado.

5. Glaucoma agudo

O glaucoma é uma doença ocular provocada pelo aumento súbito da pressão dentro do olho (pressão intraocular).

A dor intensa atrás dos olhos é um sintoma típico de uma crise de glaucoma agudo. Além desta dor intensa, o paciente pode apresentar vermelhidão e inchaço dos olhos, visão embaçada, lacrimejamento, náuseas, vômitos, tonturas e dor de cabeça.

A crise de glaucoma agudo é uma emergência médica, pois pode levar à perda da visão. Por este motivo, nestes casos procure um serviço de emergência hospitalar o mais rapidamente possível.

6. Esclerite

A esclerite é uma inflamação grave e destrutiva da parte branca que cobre o olho, chamada de esclerótica. É considerada grave porque pode afetar a visão e provocar a sua perda gradativa.

Geralmente, os dois olhos são afetados e os principais sintomas são dor intensa e profunda atrás dos olhos, vermelhidão, lacrimejamento e sensibilidade à luz.

O tratamento inicia-se com o uso de corticosteroides orais, entretanto, podem ser necessários os imunossupressores ou até mesmo procedimento cirúrgico para repara a lesão na esclerótica. O oftalmologista é o médico indicado para avaliar o caso e definir o tratamento mais adequado.

7. Neurite ótica

A neurite ótica é a inflamação aguda do nervo ótico. Os sintomas, geralmente, ocorrem em um dos olhos e incluem: dor atrás do olho inflamado, que piora ou movimentá-lo, redução da visão das cores, perda parcial ou total da visão.

O tratamento da neurite ótica é feito de acordo com a sua causa e, normalmente, envolve o uso de corticosteroides. Uma avaliação com médico de família ou oftalmologista são indispensáveis para definir o tratamento.

Quando devo procurar um médico?
  • Dor intensa e contínua em um ou ambos os olhos,
  • Dor que persiste há mais de 2 dias,
  • Febre alta (acima de 38º),
  • Redução da visão,
  • Visão embaçada,
  • Visão dupla,
  • Dificuldade de perceber as cores,
  • Vermelhidão, lacrimejamento e inchaço nos olhos.

Na presença destes sintomas busque um médico de família ou uma emergência o quanto antes. Não use nenhum medicamento ou colírio sem indicação médica.

Pode lhe interessar:

Glaucoma tem cura? Qual o tratamento?

Referências

  • American Academy of Ophthalmology. Important coronavirus updates for ophthalmologists.
  • Chandra S.; Flanagan, D.; Hingorani, M. et al. Covid-19 and ophthalmology: a brief summary of the literature. Eye. 2020.
  • Cheema M. et al. Keratoconjunctivitis as the initial medical presentation of the novel coronavirus disease 2019. (COVID-19). Canadian Ophthalmological Society.
  • Sociedade Brasileira de Oftalmologia.