Perguntar
Fechar

Qual é o tratamento para transtorno dismórfico corporal?

Tratamento do transtorno dismórfico corporal é feito com medicamentos e psicoterapia. As medicações mais usadas são os antidepressivos inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), enquanto que a terapia cognitiva comportamental é a forma de psicoterapia mais utilizada.

As doses dos medicamentos muitas vezes precisam ser elevadas. O tempo de duração do tratamento medicamentoso deve ser de pelo menos 12 semanas. Se os resultados não forem os esperados, pode ser necessário incluir outro remédio ou substituir o antidepressivo por outro.

Os antidepressivos ISRS melhoram significativamente os sintomas de ansiedade, obsessão, raiva, angústia, tendência suicida, agressividade, além de fazer com que a pessoa passe menos tempo se preocupando com os seus defeitos ou se olhando repetidamente no espelho.

Já a psicoterapia, através da terapia cognitivo comportamental, ajuda o paciente a desenvolver comportamentos e estratégias mentais para favorecer a socialização e diminuir os comportamentos repetitivos, como se olhar no espelho e ficar obcecado com o seu "defeito". Os resultados da terapia cognitivo comportamental são bons, com grande melhora dos sintomas.

A adesão do paciente é fundamental para o sucesso do tratamento do transtorno dismórfico corporal. Para se tratar adequadamente, é necessário que a pessoa reconheça que o seu problema é psicológico e precisa de um tratamento clínico com psiquiatra e psicoterapeuta.

Contudo, é comum que os pacientes pensem que a solução para o seu "defeito" está nas cirurgias plásticas e nos tratamentos estéticos, o que as leva a procurar médicos e profissionais de outras áreas.

O objetivo do tratamento do transtorno dismórfico corporal é reduzir a ansiedade, a angústia e a preocupação do paciente com a sua aparência física, melhorando a sua qualidade de vida em geral.

O médico responsável por diagnosticar e conduzir o tratamento do transtorno é o psiquiatra.

Saiba mais em: Transtorno dismórfico corporal: Quais as causas e como identificar?