Perguntar
Fechar
Dor e coceira nos seios, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor e coceira nos seios pode acontecer quando as mamas aumentam muito de tamanho, quando a pele estica de forma exagerada ou muito rápida, ou ainda por problemas de pele, como alergias, mudanças climáticas ou micoses.

Alterações hormonais, como a gravidez, amamentação, uso de anticoncepcionais e período pré-menstrual, também são situações que causam a dor e coceira nas mamas, e melhoram espontaneamente com o reequilíbrio hormonal.

No entanto, embora mais raro, esses sintomas podem sinalizar um problema mais grave, como um tumor. Sendo assim, no caso de sintomas na mama que não melhoram em poucos dias, ou não tenham um motivo aparente, procure o seu médico de família ou ginecologista para uma avaliação.

1. Alergia, Eczema

A coceira nos seios pode ser uma alergia a algum produto, como sabonetes, cremes ou tecidos que estiveram em contato com os seios. Para a alergia, pode ser feito uso de cremes de corticoide e comprimidos antialérgicos.

O eczema é uma alteração dermatológica, também chamado de dermatite. Trata-se de uma inflamação da pele decorrente de alguma alergia. O tratamento do eczema é feito com cremes à base de corticoide, que promove uma melhora rápida dos sintomas.

2. Alterações hormonais

As alterações hormonais são uma causa bastante comum de dor e coceira nas mamas, principalmente quando as mamas crescem muito, como na gravidez e durante a amamentação.

Os seios podem ficar doloridos e inchados devido às mudanças hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual, principalmente próximo à menstruação ou com uso de anticoncepcionais hormonais.

Durante a gravidez, as mamas também podem ficar doloridas porque as glândulas mamárias aumentam, preparando-se para o armazenamento do leite.

Nesse caso, está indicada usar sutiã adequado, com boa sustentação, creme hidratante e roupas confortáveis. Para mulheres acima do peso, buscar orientação dietética e atividades físicas, para reduzir o volume das mamas, e tratar os sintomas.

3. Ressecamento da pele

A pele ressecada tem como efeito uma descamação da pele e sensação de coceira. A dor pode ocorrer se houver feridas devido à falta da hidratação. Para aliviar os sintomas, é preciso aumentar a ingesta de água, usar roupas confortáveis e cremes hidratantes nas mamas diariamente, além de evitar banhos quentes, que prejudicam ainda mais os sintomas.

4. Sarna (escabiose)

A escabiose é uma infestação cutânea contagiosa, que se apresenta com vermelhidão, pequenas bolhas e coceira intensa, que piora durante a noite. A coceira ocorre principalmente nos dedos das mãos, axilas, palma da mão, aréolas e genitais.

Causada por um ácaro chamado Sarcoptes scabiei, a doença deve ser tratada com a lavagem de todas as roupas de uso próprio, além de roupas de cama e banho. Para alívio dos sintomas, pode ser feito uso de antialérgicos e pomadas, prescritas pelo dermatologista.

5. Tumor

Porém, coceira e vermelhidão constante no bico do seio, mais especificamente na região da aréola (ao redor do bico), pode significar um tipo raro de câncer de mama, chamada doença de Paget.

Os sintomas da doença de Paget são:

  • Coceira no mamilo ou na aréola (geralmente é o primeiro sintoma);
  • Feridas na aréola ou bico do seio;
  • Eliminação de secreção;
  • Dores fortes.

O tratamento da doença de Paget consiste na remoção cirúrgica do tumor.

Saiba mais em: O que é doença de Paget? Quais os sintomas?

Quando procurar o médico?

Se esses sintomas durarem mais de 10 dias ou não desaparecerem num curto espaço de tempo após o uso de medicamentos específicos para dermatites alérgicas, procure o/a médico/a mastologista ou dermatologista para uma avaliação.

Leia também:

Tenho dor nos seios 15 dias antes da menstruação?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, uma dor leve no período pré-menstrual é normal. A maioria das mulheres irá apresentar pelo menos uma vez na vida momentos de dor mamária antes da menstruação.

Os seios podem ficar doloridos de 7 a 10 dias antes da menstruação, a dor começa leve e pode se intensificar gradativamente, mas ela tende a aliviar e desaparecer quando ocorre a menstruação.

A dor nos seios que ocorre no período pré menstrual é chamada de mastalgia cíclica. É uma forma de dor relativamente comum, cerca de 60 a 70% das mulheres irão apresentar essa mastalgia pelo menos uma vez na vida.

A mastalgia cíclica atinge geralmente os dois seios, mas também pode acometer apenas uma das mamas. Normalmente é uma dor difusa, podendo atingir qualquer área da mama, inclusive o bico dos seios, axilas e braços.

As mulheres podem também notar que as mamas ficam mais ingurgitadas, como se estivessem inchadas ou maiores durante o período pré-menstrual. O aumento da sensibilidade nos seios e mamilos também é uma queixa frequente antes da menstruação.

Normalmente, a mastalgia cíclica é leve ou moderada, não interferindo nas atividades diárias das mulheres. Contudo, cerca de 10 a 15% das mulheres que apresentam mastalgia cíclica podem queixar-se de uma dor intensa e severa, podendo impossibilitar as atividades do dia-a-dia e levando a necessidade de uso de medicamentos para controle da dor.

A causa da dor na mama antes do período menstrual se deve as oscilações hormonais que ocorrem no organismo feminino, associadas à ovulação, que estimulam a proliferação do tecido glandular normal da mama e resultam em dor.

A dor mamária cíclica atinge principalmente mulheres entre os 30 e os 40 anos, mas pode atingir também outras faixas etárias.

Caso apresente dor nas mamas de forte intensidade ou outros sintomas e alterações na mama como vermelhidão, nódulos ou inchaço, consulte um ginecologista ou médico de família para uma avaliação.

Também pode ser do seu interesse:

Dor no bico dos seios, o que pode ser?

Seios inchados cinco dias após a menstruação, o que pode ser?

Injeção de anticoncepcional pode causar dores nas mamas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Os contraceptivos injetáveis sejam eles mensais ou trimestrais podem causar dores nas mamas e outros sintomas adversos tais como dores de cabeça, náuseas, tontura, alterações do humor, diminuição na libido, ganho de peso, irregularidade menstrual, sangramento de escape (spotting) entre outros.

Cada mulher responde de uma forma individual aos anticoncepcionais hormonais. Algumas raramente sentem algo diferente, outras apresentam maior sensibilidade a ação hormonal no corpo e têm mais sintomas.

Alguns efeitos colaterais podem ser mais intensos no inicio do uso e reduzir ou cessar com o decorrer do tempo. Outros se mantém, e há ainda algumas mulheres que relatam aparecimento de efeitos adversos apenas após longo tempo de uso.

 Conheça os outros efeitos adversos em: Anticoncepcionais injetáveis tem efeitos colaterais?

Caso apresente dor ou sensibilidade mamária você pode tentar aliviá-la através da aplicação de compressas quentes na mama. Nesse tipo de situação a sustentação dos seios com um sutiã confortável e de alças largas pode ajudar, principalmente para quem tem mamas grandes.

Dores mais intensas também podem ser aliviadas com analgésicos simples, mas nesse caso pode ser mais interessante avaliar a escolha do método anticoncepcional, considerando que há outras opções eficazes sem ação hormonal, como o DIU de cobre.

Converse com o seu médico de família ou ginecologista caso apresente efeitos adversos da pílula muito frequentes e intensos.

Caso ainda tenha dúvidas sobre os anticoncepcionais injetáveis, leia também:

Dúvidas sobre anticoncepcional injetável

Dor no seio: as 10 causas mais comuns e o que fazer
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor nos seios, chamada cientificamente de mastalgia, é comum nos períodos de puberdade, período pré-menstrual, durante a gravidez, amamentação e na pré-menopausa.

Porém pode ocorrer ainda em situações de mastite, presença de nódulos, cistos ou uso de medicamentos.

Embora na maior parte dos casos a dor nos seios não indique a presença de doenças graves, é preciso buscar um médico de família ou ginecologista para avaliação, nos casos de dor persistente.

1. Puberdade

Quando os seios começam a crescer, as meninas podem queixar-se de dor leve ou desconforto nas mamas em desenvolvimento.

A variação de idade normal para o crescimento dos seios vai dos 8 aos 14 anos, com média em torno dos 11 anos de idade.

O crescimento dos seios é o primeiro sinal da puberdade e quando começa em meninas com idade inferior a 8 anos, é preciso procurar um ginecologista para investigar puberdade precoce.

O que posso fazer?

Não há um tratamento específico para dor nos seios durante a puberdade, entretanto o uso de sutiã adequado ao tamanho do seio é importante para promover conforto.

2. Tensão Pré-Menstrual e Menstruação

Quando a dor no seio ocorre durante o período pré-menstrual e a menstruação, chama-se mastodinia. Se caracteriza por dores em pontadas, de intensidade leve a moderada. A mama se torna mais sensível especialmente na região dos mamilos.

Normalmente a dor nos seios dura de 1 a 4 dias e, de acordo com a sua intensidade, pode interferir nas atividades sociais, sexuais e na rotina diária da mulher, como a prática de exercícios físicos.

O que posso fazer?

Utilize sutiãs esportivos para uma melhor sustentação dos seios. Normalmente não é necessário o uso de medicações, pois a dor cessa logo nos primeiros dias de menstruação.

Entretanto, se dor interferir de maneira importante na sua rotina, converse com o ginecologista para avaliar o uso de analgésicos para o alívio dos sintomas da menstruação.

3. Gravidez

O crescimento dos seios durante a gravidez e aumento das taxas de hormônios, com estímulo dos ductos mamários, provoca uma maior sensibilidade no bico dos seios, especialmente no início e no final da gestação.

O que posso fazer?

Para aliviar a dor e o desconforto, você pode tomar um banho morno, massagear as mamas e/ou fazer compressas mornas. É importante também hidratar a pele dos seios.

4. Amamentação

Um dos motivos de dor nas mamas durante a amamentação é o enchimento excessivo dos seios pelo leite materno. Neste caso, os principais sintomas são seios endurecidos e doloridos.

A constante sucção do bebê também pode causar fissuras no bico do seio, levando a dor e ardência na região, até a adaptação do bebê e da mãe, a este novo período.

O que posso fazer?

Para aliviar estas sensações de enchimento excessivo dos seios se recomenda dar de mamar mais vezes ou esvaziar os seios retirando o leite com uma bombinha, por exemplo.

5. Mastite

A mastite é a inflamação das glândulas mamárias que acontece em mulheres com maior frequência, durante a fase de amamentação, mas pode ocorrer em outros períodos, embora seja mais raro.

Os sintomas de mastite puerperal incluem endurecimento em um ponto da mama (leite empedrado), febre alta, vermelhidão e calor local.

A mastite da amamentação costuma acometer somente um dos seios (mama direita ou esquerda). A infecção nas duas mamas ao mesmo tempo, é bastante rara.

Nos casos mais graves podem ocorrer fissuras nos mamilos e abscessos (bolsas de pus) na mama.

O que posso fazer?

Hidrate-se bem, beber bastante líquido ajuda o corpo a eliminar o agente causador da infecção. Faça aplicação de compressas mornas e massagens no seio afetado, para ajudar na remoção do leite empedrado e aliviar a dor. E procure fazer uso de sutiãs que sustentem de forma eficaz os seios, para promover maior conforto.

Mantenha a amamentação, pois efetuar o esvaziamento do seio neste momento evita a piora da inflamação. A amamentação, além de ajudar no tratamento da inflamação reduz o risco de ter um abscesso de mama. Se não conseguir amamentar esvazie o seio utilizando bombinha de amamentação.

Busque um ginecologista ou mastologista para avaliar a necessidade do uso antibióticos.

6. Nódulos ou cistos nas mamas

De forma geral, as mulheres têm nódulos e/ou cistos na mama, benignos, que se localizam na parte superior externa do seio, próximo à axila.

Durante o ciclo menstrual os níveis dos hormônios femininos, estrogênio e progesterona, que estimulam os ductos mamários, com objetivo de aumento das glândulas mamárias e produção de leite. Com isso, provoca a retenção de líquidos nos seios, o que os deixa mais sensíveis e inchados. Os seios voltam ao normal quando os níveis de hormônios diminuem.

O que posso fazer?

Não há um tratamento específico para estes nódulos ou cistos. Para aliviar a dor e o desconforto, você pode usar um sutiã macio que dê uma boa sustentação aos seios. Se necessário, é também possível usar analgésicos como paracetamol para amenizar a dor.

A avaliação de um ginecologista ou mastologista pode ser importante, caso a dor seja persistente para avaliar a possibilidade de retirada do nódulo.

7. Alergia

Os produtos de higiene e de beleza, como sabonetes e cremes para o corpo, podem causar uma reação alérgica na pele, dependendo da sua composição, levando a pequenas feridas, dor e incômodo no seio. Neste caso, os sintomas são de ardência, vermelhidão, coceira e pequenas bolinhas na região.

O que posso fazer?

O tratamento deve ser feito com a suspensão desses produtos, pomadas à base de corticoides e medicamentos antialérgicos quando preciso.

8. Uso de medicamentos

Os medicamentos que contém hormônios, certos antidepressivos, metronidazol, espironolactona, metronidazol, entre outros, são remédios que podem causar dor nos seios, como efeito colateral.

O que posso fazer?

Converse com o médico que orientou o uso do medicamento, para avaliar o ajuste da dosagem ou mesmo a troca da medicação.

9. Traumas nos seios

Lesões ou traumas na mama podem provocar dor no seio afetado. Os seios são áreas muito sensíveis do corpo da mulher. Procure sempre protegê-los de traumas e pancadas.

O que posso fazer?

Em caso de dor intensa provocadas por traumas nos seios é preciso consultar um ginecologista ou mastologista para identificar uma possível lesão mamária e tratá-la adequadamente.

10. Seios muito grandes

O tamanho dos seios pode provocar dor nas mamas e nas costas pelo peso excessivo. Mamas muito grandes são normalmente pesadas, o que causa estiramento do ligamento de Cooper. É este ligamento que sustenta os seios e, quando o peso é excessivo, pode causar dor.

O que posso fazer?

O uso de sutiãs esportivos de alta sustentação podem promover maior conforto. Porém, pode ser importante conversar com o ginecologista ou mastologista para avaliar a necessidade de redução cirúrgica das mamas.

Dor nos seios pode ser um sinal de câncer de mama?

Na maior parte dos casos, não. A dor nos seios está normalmente relacionada a alterações benignas na mama.

Menos de 3% das mulheres que apresentam dor nos seios como sintoma único constatam por meio de exames que a dor estava relacionada ao câncer de mama (tumor maligno de mama).

Quando devo me preocupar?

Você deve permanecer alerta e procurar um médico se:

  • A dor nos seios for muito forte ou tiver mais de 10 dias de duração,
  • Na presença de secreção clara ou sanguinolenta pelo mamilo,
  • Apresentar vermelhidão, calor e/ou pus no seio,
  • Modificações na pele, seja na coloração ou espessura da pele e
  • Na presença de nódulo palpável na mama.

Nestes casos você deve buscar um médico de família, ginecologista ou mastologista. Pode ser necessária a realização de exames como ultrassom de mama, mamografia (especialmente se houver casos de câncer de mama na família).

Não utilize medicamentos sem prescrição médica, especialmente se você estiver grávida ou amamentando.

Faça sempre o auto exame das mamas e busque um ginecologista pelo menos uma vez ao ano para exame periódico que ajuda a prevenir doenças de mama e aparelho reprodutor.

Leia também:

Quais os sintomas de câncer de mama?

Dor nos seios pode estar relacionado com a menopausa?

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Dor no bico da mama esquerda, o que pode ser? Quando me preocupar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor no bico da mama está geralmente relacionada com a variação dos hormônios femininos, natural do ciclo menstrual, que acompanha cerca de 70% das mulheres.

Entretanto, existem outras causas para essa dor, que devem ser investigadas, especialmente quando afeta apenas uma das mamas.

Na presença de dor em apenas em dos mamilos, associado a coceira, febre, vermelhidão, massa palpável, alterações na pele, ou saída de secreção sanguinolenta, procure imediatamente um médico para avaliação.

Quais as causas de dor no bico da mama esquerda 1. Variação hormonal

As variações hormonais são a causa mais frequente desse sintomas, e embora seja mais comum ocorrer nas duas mamas ao mesmo tempo, pode acontecer em apenas uma das mamas. O aumento das taxas de estrogênio, progesterona e prolactina, no preparo do corpo da mulher para uma possível gravidez, estimula o crescimento dos ductos e tecido mamário, causando a dor e incômodo nas mamas.

Neste caso, a dor está relacionada ao ciclo menstrual, ocorre mensalmente sempre no mesmo período e resolve-se espontaneamente. Se a dor permanecer ou quando for tão intensa a ponto de interferir nas atividades diárias de vida da mulher, pode ser tratada com anti-inflamatórios não hormonais ou inibidores de estrogênio, como o Tamoxifeno.

2. Mama esquerda mais volumosa

As mamas volumosas também podem causar dor na mama ou localizada no bico da mama, devido ao peso e pressão que exerce entre essa região e o tecido das roupas em uso. Como o tamanho das mamas nem sempre é idêntico, pode haver sintoma mais expressivo em apenas uma das mamas.

Geralmente, a dor neste caso é vem associada a dores nas costas, ombros e dores de cabeça, devido a postura curvada, anormal, que a mulher adota sem perceber, devido ao peso das mamas.

O uso de sutiã adequado ao seu tipo de mama e roupas que sustentem bem o seu volume, ajudam no alívio da dor. No entanto, algumas vezes não é suficiente e para evitar complicações de coluna e dor crônica, pode ser indicado cirurgia para redução da mama.

3. Alergia no bico da mama esquerda

Os produtos de higiene e cuidados com a pele, podem conter substâncias irritativas para alguns tipos de pele, desenvolvendo uma reação alérgica. A alergia se apresenta com pequenas bolinhas avermelhadas, coceira e ardência no bico da mama. Pode ocorrer em um ou nos dois lados.

O tratamento neste caso deve ser com uso de creme a base de corticoide e antialérgicos, além de suspender o uso do produto que causou a irritação.

4. Mastite no bico da mama esquerda

A mastite, inflamação na mama, é mais frequente durante a amamentação, especialmente quando acontece uma ferida no bico do seio ou obstrução nos ductos mamários por acúmulo de leite.

Os sintomas são de dor em apenas uma das mamas, associada a vermelhidão, calor local e febre alta. O tratamento é realizado com o início rápido de compressas mornas e antibiótico oral. Na suspeita de mastite, procure o seu ginecologista.

5. Nódulos ou cistos na mama esquerda

A presença de um nódulo ou cisto na mama nem sempre indica um problema grave. O fibroadenoma, por exemplo, é a presença de nódulos benignos na mama e tem uma alta prevalência na população feminina.

Neste caso, a mulher sente dor na mama ou bico da mama, além de nódulo palpável e por vezes, doloroso. O tratamento pode ser de retirada do cisto ou acompanhamento.

6. Tumor na mama esquerda

O tumor de mama não costuma se apresentar com dor, inicialmente, mas quando acontece acomete também apenas uma das mamas e a dor é bem localizada em um ponto.

As características típicas de um tumor de mama são: modificações na pele, alteração na coloração, retração de mamilo, pele áspera, como "casca de laranja" e saída de secreção sanguinolenta pelo mamilo.

7. Doença de Paget da mama esquerda

A doença de Paget da mama é um tipo raro de câncer de mama, que tem como características, dor forte, coceira, vermelhidão no bico do seio, de uma das mamas e saída de secreção pelo mamilo. Outros sintomas inerentes a esta doença são, feridas no bico do seio, de difícil cicatrização, pele espessa e áspera, ardência, pequenas bolinhas.

Os sintomas são facilmente confundidos com uma alergia nos primeiros dias. Por isso, se os sintomas não melhoram após uso de pomadas ou pioram, procure imediatamente um ginecologista ou mastologista para avaliação e início de tratamento.

Quando devo me preocupar?

Se, junto com a dor, você sentir um ou mais dos sintomas abaixo, é preciso procurar um atendimento médico o mais rápido possível, para uma avaliação mais detalhada.

  • Febre alta (acima de 38 graus)
  • Vermelhidão em apenas um dos bicos do seio
  • Palpar um nódulo ou massa
  • Coceira e feridas de difícil cicatrização no bico do seio
  • Modificações na pele (pele áspera, presença de manchas, rachaduras ou retração)
  • Secreção pelo mamilo (clara ou sanguinolenta)

Para avaliação e maiores esclarecimentos, converse com um ginecologista ou mastologista, os médicos especialistas neste assunto.

Saiba mais sobre os sintomas de câncer de mama no artigo: Quais os sintomas do câncer de mama?

Referências:

  • FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.
  • Mehra Golshan, et al.; Breast pain. May. UpToDate. Jun 26, 2020.
  • Azin Niazi, et al.; Effective Medicinal Plants in the Treatment of the Cyclic Mastalgia (Breast Pain): A Review. J Pharmacopuncture. 2019 Sep;22(3):131-139.
Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor nos mamilos (bicos dos seios) pode ter várias causas. Normalmente são causas benignas, a dor pode estar associada a um aumento dos hormônios estrogênio e progesterona, portanto relacionada ao ciclo menstrual, ou pode ser decorrente de alterações locais.

Dentre as possíveis causas para a dor no bico dos seios estão: gravidez, período pré e pós-menstrual, pré-menopausa, uso regular de contraceptivos orais, terapia de reposição hormonal, uso de antidepressivos, seios muito grandes, irritação local pelo uso de sabonetes e detergentes, amamentação e infecções, como micoses.

É importante ficar atenta também a outros sintomas no mamilo e na mama, que, se estiverem presentes, podem indicar doenças potencialmente graves. Esses sinais e sintomas incluem:

  • Coceira e inchaço no mamilo;
  • Formação de fissuras;
  • Sangramento;
  • Presença de caroços ou inchaços ao redor da aréola;
  • Saída de secreção pelo mamilo;
  • Saída de leite, sem estar grávida ou amamentando. 
Coceira no bico do seio, o que pode ser?

A coceira no mamilo pode ser causada por um processo inflamatório na pele, conhecido por dermatite, ou por alergia. O tratamento, nesses casos, é feito com pomadas, que melhoram rapidamente os sintomas. 

Contudo, é importante frisar que coceira e vermelhidão no bico do seio também podem ser sintomas de doença de Paget, um tipo raro de câncer de mama.

Se a dor ou a coceira no bico dos seios permanecer por mais de 10 dias, procure um/a médico/a mastologista ou dermatologista para uma avaliação.

Não faça uso de qualquer medicação antes de ser avaliada, pois pode mascarar algum sinal importante para o seu diagnóstico.

Leia também: Mamilos sangrando. O que pode ser e o que fazer?

Dor nos seios pode estar relacionado com a menopausa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Dor nos seios e aumento da sensibilidade nas mamas são sintomas comuns no período de transição para a menopausa. Esses sintomas normalmente reduzem com o passar do tempo e com a entrada definitiva da mulher na menopausa.

A explicação é devido à flutuação da concentração do hormônio estrogênio na circulação sanguínea que ocorre nesse período de transição.

A sensibilidade mamária aumentada pode estar presente em algumas fases do ciclo menstrual (principalmente antes da menstruação) e ser caracterizada normal e transitória.

Porém, dor nos seios pode ser devido a outros problemas de saúde como cistos, nódulos, inflamação mamária (mastite), tabagismo, uso de anticoncepcionais ou terapia de reposição hormonal, etc.

A mulher que sente dores nos seios frequentes deve procurar um serviço de saúde para avaliação com clínico/a geral, médico/a de família e/ou ginecologista.   

Nódulo em mama direita com dor, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Nódulo em mama direita com dor pode ser cisto ou fibroadenoma.

A presença de nódulo na mama é uma situação comum nas mulheres. Os cistos e fibroadenomas são as lesões mais comuns dentro das lesões benignas. E as lesões benignas são as mais comuns comparadas com as malignas.

Normalmente, as lesões malignas possuem as características de serem um caroço duro, que não se move, com bordas irregulares e único. Porém, cada pessoa pode haver uma manifestação diferente e não há um único padrão para identificar as lesões malignas.

Após identificar um nódulo na mama, é importante procurar um/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para um exame detalhado das mamas. Após o exame físico, o/a médico/a pode solicitar algum exame complementar como a mamografia, ultrassonografia ou biópsia do caroço para caracterizar adequadamente o nódulo e saber a natureza dele enquanto benigno ou maligno.

Procure um serviço de saúde para marcar uma consulta.

Dor no seio durante a gravidez: o que fazer para aliviar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para aliviar a dor no seio durante a gravidez, a gestante deve usar sutiãs adequados e mais confortáveis, feitos com tecidos macios, que tenham alças largas e apoio nas costas. Também é importante que o sutiã não tenha nenhuma armação de ferro, sustente bem a mama e tenha um tamanho ajustável.

Aplicar compressas de água morna nos seios também ajudam a amenizar a dor e o desconforto durante a gestação. Hidratantes com elastina e colágeno na composição podem auxiliar no alívio do incômodo, embora não sejam capazes de acabar com a dor.

Na hora do banho, a mulher deve lavar os seios com sabonete neutro, com movimentos circulares e delicados no sentido dos ponteiros do relógio.

No início da gravidez, é normal os seios ficarem mais sensíveis e doloridos devido às alterações hormonais. O aumento do volume da mama também pode causar algum desconforto e provocar dor.

Para maiores informações sobre como aliviar a dor no seio durante a gravidez, fale durante as consultas com o/a médico/a que está acompanhando seu pré-natal.

Também podem lhe interessar:

Estou com os seios inchados e doloridos o que pode ser?

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor e coceira nos seios, o que pode ser?

Forte dor na mama no lugar onde retirei um nódulo, pode ser outro nódulo?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Dor na mama não significa que você vai ter outro nódulo, é apenas dor no peito.

Faça mensalmente o auto-exame (após menstruar), e se você já tem mais de 40 anos deve fazer anualmente (ou conforme indicação do seu médico) o exame de mamografia.

Se encontrou algum nódulo vá a um ginecologista, ou se a dor persistir vá ao ginecologista.

Se você não sabe como fazer o auto-exame das mamas vá até um posto de saúde que o pessoal de enfermagem te ensina, é simples, fácil e você fica mais segura.

Senti muita dor nos seios, posso estar grávida?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Se você teve relações sexuais sem usar nenhum método contraceptivo existe sim a chance de ser gravidez, mas o principal sintoma é o atraso menstrual. Os outros sintoma juntos com o atraso menstrual são importantes. Dor nos seios sem mais nada associado é somente dor nos seios e mais nada, não significa gravidez, a princípio.

Anticoncepcional causa dor nos seios?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Alguns anticoncepcionais podem causar aumento da tensão mamária e da sensibilidade nas mamas. A dor é uma sensação pessoal e cada pessoa apresenta um limiar para iniciar a dor.

Dor propriamente dita não é um sintoma causado pelo anticoncepcional, mas como dito anteriormente, cada pessoa apresenta um limiar da dor e, sendo assim, uma sensibilidade aumentada nas mamas pode ser percebida como dor.

Se esta sensação está lhe causando incômodo, é importante consultar o/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para avaliar a possibilidade de mudança do anticoncepcional por uma outra medicação ou por um outro tipo de método.