Perguntar
Fechar

Sinais

Qual a diferença entre Sintomas e Sinais de uma Doença?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A diferença ente sintomas e sinais de uma doença é que os sintomas são os relatos, as queixas, aquilo que o paciente diz ao/à médico/a durante a consulta. É o que o/a médico/a escuta ou pergunta ao/à paciente durante a entrevista médica (anamnese). É uma queixa subjetiva, o que a pessoa está sentindo ou sentiu. 

Já os sinais de uma doença são as imagens, os sons e outros dados objetivos que o/a médico/a vê, escuta, ausculta (com o auxílio do estetoscópio) e sente quando realiza o exame físico. É o que o/a médico/a consegue de dados pela sua observação direta.

Sinais e sintomas de uma doença são coisas distintas pois dependem da perspectiva de quem está contando a história ou avaliando a situação na relação médico-paciente.

O que é tuberculose ganglionar e quais são os sinais e sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Tuberculose ganglionar é um tipo de tuberculose que acomete os gânglios linfáticos, também chamados de linfonodos, que são pequenos órgãos de defesa localizados em várias partes do corpo. A tuberculose ganglionar é a forma mais comum de tuberculose extrapulmonar em pessoas infectados pelo vírus HIV.

A tuberculose ganglionar acomete com mais frequência os gânglios do pescoço, da região da clavícula, do tórax, das axilas e virilha. A doença geralmente é um sinal de imunodeficiência relacionada à AIDS, sendo comum nesses casos o acometimento de várias cadeias ganglionares.

Os sintomas da tuberculose ganglionar caracterizam-se por febre, emagrecimento e aumento progressivo dos gânglios linfáticos.

Normalmente observa-se o aparecimento de um nódulo de crescimento lento e indolor em apenas um lado do pescoço. Porém, pacientes HIV positivos podem apresentar acometimento dos linfonodos em ambos os lados do corpo. 

À medida que a doença avança, a pele que recobre o linfonodo pode ficar avermelhada e lustrosa. Também pode ocorrer fistulização do gânglio, com saída de secreção e inflamação da pele adjacente. Pessoas infectadas com o vírus HIV também podem apresentar lesões pulmonares.

O diagnóstico da tuberculose ganglionar é feito através da análise de material ganglionar, coletado por meio de agulha ou biópsia. O tratamento consiste na administração de um conjunto de medicamentos antibióticos tomados por via oral.

Consulte o/a médico/a de família ou clínico/a geral na presença dos sintomas de tuberculose ganglionar.

Também podem lhe interessar:

Tuberculose ganglionar é contagiosa?

Tuberculose ganglionar tem cura? Como é o tratamento?

O que é tuberculose miliar? Quais os sintomas?

Quais são os sintomas da tuberculose pulmonar e como é o tratamento?

Quais os sinais de excesso de testosterona?

Alguns dos sinais de excesso de testosterona em homens são:

  • Alterações de humor e agressividade: A testosterona também atua no sistema nervoso e, quando está alta, altera o humor e deixa o homem mais agressivo;
  • Crescimento de pelos: O excesso de testosterona em homens pode provocar um aumento do crescimento de pelos. Porém, os pelos de braços e pernas não são afetados pelo aumento de testosterona;
  • Aumento de massa muscular: A testosterona influencia diretamente os músculos do corpo e promove aumento da massa muscular. Porém, é importante lembrar que o aumento dos músculos nem sempre é sinal de excesso de testosterona, uma vez que exercícios físicos também podem aumentar a massa muscular;
  • Atrofia dos testículos: Se a testosterona baixa provoca uma diminuição do desejo sexual, o excesso pode atrofiar os testículos e causar infertilidade e impotência;

Outros sinais de testosterona alta no homem:

  • Pressão alta;
  • Aumento dos níveis de colesterol;
  • Aumento das mamas;
  • Apneia do sono e outros distúrbios do sono. 

Também pode lhe interessar: Quais os sinais que podem indicar baixa testosterona?

Testosterona em excesso provoca queda de cabelo?

Não, testosterona alta não faz o cabelo cair. O que provoca queda de cabelo não é a testosterona, mas sim o hormônio di-hidrotestosterona, que é uma obtido pela transformação da testosterona.

No entanto, a produção deste hormônio está relacionada com o couro cabeludo e não com a quantidade de testosterona que circula no organismo.

Indivíduos calvos produzem enzimas no couro cabeludo que potencializam a transformação de testosterona sanguínea em di-hidrotestosterona.

Quais os sinais de testosterona em excesso em mulheres?
  • Voz mais grossa;
  • Perda das formas arredondadas do corpo;
  • Crescimento de pelos além do normal, principalmente em locais que não são habituais, como rosto e barriga por exemplo;
  • Maxilar mais largo;
  • Aumento do clitóris;
  • Diminuição dos seios;
  • Aumento do apetite.

A testosterona é um hormônio produzido nos testículos e nas glândulas suprarrenais, que gera efeitos em todo o corpo do homem. A testosterona tem a mesma importância para os homens como o estrógeno tem para as mulheres.

Níveis elevados de testosterona são observados sobretudo em homens ou mulheres que utilizam anabolizantes com o intuito de melhorar o desempenho em exercícios e aumentar a massa muscular.

Leia mais sobre o assunto em:

Anabolizantes podem suspender a ovulação e causar infertilidade?;

Anabolizantes cortam o efeito do anticoncepcional?

Anabolizantes causam impotência?

Qualquer tipo de reposição hormonal ou uso de testosterona deve ser feito apenas com orientação e indicação de um médico endocrinologista.

Quais os sinais e sintomas de um aneurisma cerebral?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Um aneurisma cerebral é geralmente assintomático (não tem sintomas), especialmente quando pequeno. À medida que crescem, podem comprimir alguma estrutura cerebral e provocam sintomas que variam com a área do cérebro que é afetada, e podem incluir: diplopia (visão dupla), perda da visão, ptose palpebral (queda da pálpebra), cefaléia (dor de cabeça), entre outros.

A sintomatologia torna-se muito mais exuberante quando ocorre a ruptura do aneurisma, que geralmente provoca a "maior dor de cabeça da vida", intensa e súbita, associada a náusea/vômitos pelo sangramento em torno do cérebro, lipotímia (escurecimento da visão) e/ou síncope (desmaio). Além disso, ocorre rigidez de nuca em mais da metade dos casos, semelhante ao que ocorre na meningite.

A rotura de um aneurisma pode levar à morte em até 50% dos casos, especialmente se houver comprometimento de áreas vitais como as do controle respiratório ou da pressão arterial. Esta situação é, na maioria dos casos, um dos tipos de derrame cerebral hemorrágico, conhecido como hemorragia meníngea ou subaracnóidea (quando ocorre em uma artéria do Polígono de Willis, por exemplo, local mais comum de ocorrência).

Outros sinais que podem decorrer da rotura de um aneurisma cerebral são: confusão, letargia, sonolência ou estupor, fraqueza muscular ou dificuldade de movimentação e/ou dormência ou diminuição de sensibilidade de qualquer parte do corpo, convulsões, fala prejudicada, alterações visuais.

Atenção: o rompimento de um aneurisma é uma emergência médica. Procure ajuda médica imediatamente.

Quais os sinais e fases do trabalho de parto?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O trabalho de parto apresenta as seguintes fases, seguidas dos respectivos sinais e sintomas:

  • Pré-parto ou período premonitório: começa entre 30 e 36 semanas, estendendo-se até o início do parto. Ocorre a descida do fundo uterino (a barriga "cai"), iniciam-se contrações uterinas esparsas e irregulares, há saída de secreção mucóide com raias de sangue pela vagina. Estas alterações culminam com o início do preparo do colo uterino para o parto, quando as contrações tornam-se progressivamente mais intensas e regulares, levando à dilatação, amolecimento e centralização do colo uterino (fase latente). A fase latente do trabalho de parto dura em média de 14 horas em multíparas e 20 horas nas primíparas;
  • Período de dilatação: é o período que se estende da fase latente ao momento em que o colo uterino está dilatado 10 cm. Nas primíparas, dura aproximadamente 10 a 12 horas. Nas multíparas, dura 6 a 8 horas. Nesta fase, as contrações são regulares, usualmente com intervalo de 3 a 5 minutos e de intensidade moderada a forte. Nesta fase também pode ocorrer a rotura da bolsa das águas, natural ou provocada;
  • Período expulsivo: tem início no final do período de dilatação e termina com a expulsão do bebê. Dura 50 minutos, em média, nas primíparas e 20 minutos nas multíparas. A gestante sente fortes contrações, com intervalos cada vez menores, apresenta esforços expulsivos e vontade de defecar. Quando a apresentação do bebê está baixa, a gestante faz um esforço expulsivo e o médico auxilia na expulsão do bebê;
  • Período de secundamento: corresponde ao descolamento e expulsão da placenta e das membranas ovulares. Ocorre cerca de 10 a 20 minutos após o período expulsivo;
  • Quarto período: tem início no fim do secundamento e estende-se até 1 hora após o parto. Deve ser um período de atenção do obstetra, pelo risco de sangramento uterino.

Durante o período de dilatação, pode ser necessária a administração de ocitocina, para melhorar a regularidade das contrações.

A atenção ao parto deve ser feita preferencialmente em hospital maternidade, sob a atenção da equipe de obstetras.

Quais são os sinais e sintomas do linfoma?

O principal sintoma do linfoma é o aumento dos gânglios linfáticos ("ínguas") nas regiões do pescoço, clavículas, axilas e virilhas. Nos linfomas, os gânglios linfáticos ou linfonodos, como também são conhecidos, aumentam de tamanho, ficam endurecidos, mas geralmente não causam dor. Em geral, o crescimento é lento, a pele não fica avermelhada, a temperatura local não aumenta e a superfície da íngua é irregular.

Nos linfomas de Hodgkin, os linfonodos crescem lentamente, enquanto que nos linfomas não-Hodgkin o crescimento dos gânglios é rápido. O linfoma de Hodgkin ocorre principalmente em adolescentes e adultos jovens, enquanto que o linfoma não-Hodgkin é mais comum em crianças.

Quando o câncer surge no tórax, pode haver tosse, dor no peito e falta de ar. Se o tumor se desenvolver no abdômen, a pessoa pode ter a sensação de estômago cheio e a barriga pode ficar inchada.

Outros sinais e sintomas dos linfomas de Hodgkin e não-Hodgkin incluem transpiração excessiva durante a noite, febre, coceira e emagrecimento sem causa aparente.

É importante frisar que, na maioria das vezes, as ínguas estão relacionadas com inflamações ou infecções localizadas próximas aos gânglios. O aumento do linfonodo significa que o corpo está reagindo a alguma infecção ou a agentes agressores.

Veja também: Toda íngua é linfoma? Como saber a diferença?

Os gânglios linfáticos são pequenos órgãos de defesa localizados no trajeto dos vasos linfáticos. Eles filtram a linfa, podendo reter, destruir ou retardar a proliferação de micro-organismos (bactérias, vírus, protozoários) e células cancerígenas pelo organismo.

Esses gânglios armazenam e produzem glóbulos brancos, células de defesa que combatem infecções e doenças. Por isso eles podem aumentar de tamanho e ficar doloridos quando há alguma doença ou infecção.

Saiba mais em: Linfonodos aumentados pode ser câncer?

O linfoma pode ser detectado a partir da história clínica da pessoa, do exame clínico realizado pelo médico e do resultado de alguns exames laboratoriais. A confirmação do diagnóstico é obtida com a biópsia do gânglio comprometido.

Se notar a presença de nódulos no corpo que não desaparecem em até duas semanas, procure um médico clínico geral ou médico de família para fazer uma avaliação e receber um diagnóstico adequado.

Também pode lhe interessar:

Linfoma de Hodgkin é câncer?

Linfoma tem cura?

O que é linfoma?

O que é um AVC e quais os sintomas ou sinais?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

AVC é a sigla usada para Acidente Vascular Cerebral, popularmente chamado de "derrame", que está divido em 2 tipos: AVC Isquêmico e AVC Hemorrágico.

O Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVCI) acontece quando uma artéria está obstruída e falta sangue numa determinada área do cérebro.

O Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico (AVCH) é provocado por um sangramento decorrente do rompimento de um vaso sanguíneo.

Sinais e Sintomas de AVC

Os sinais e sintomas do AVC têm início súbito e podem se manifestar isoladamente ou combinados:

  • Perda de força, adormecimento ou paralisia da face ou algum membro de um lado do corpo;
  • Alterações da visão (perda de visão, visão turva, visão dupla, sensação de "sombra" na visão);
  • Dificuldade para falar ou entender frases;
  • Desequilíbrio, tontura, falta de coordenação ao caminhar ou queda súbita;
  • Dor de cabeça forte e persistente;
  • Dificuldade para engolir.

Aos primeiros sinais e sintomas de um AVC, a pessoa deve procurar assistência médica com urgência. O tratamento imediato pode prevenir sequelas mais graves e salvar a vida do/a doente.

Saiba mais em:

Quais são as principais doenças cardiovasculares e suas causas?

Doenças cardiovasculares: Quais os fatores de risco e como prevenir?

Quais os sinais ou sintomas da ovulação?

Os sintomas de ovulação e período fértil podem ser identificados com facilidade e podem ocorrer antes, durante ou após a ovulação. A ovulação causa as seguintes mudanças no organismo:

  • Secreção vaginal: é o primeiro indicador da aproximação da ovulação e do período fértil. Nessa altura, é libertado estradiol, um hormônio que aumenta a lubrificação normal para facilitar a inserção dos espermatozoides no canal vaginal. Neste caso a mulher vai notar uma secreção vaginal muitas vezes comparada com a clara de ovo crua.​​

  • Subida da temperatura: acontece porque os folículos libertam os óvulos, havendo um aumento da progesterona, um hormônio que causa um pequeno aumento de temperatura na mulher. Quando é medida corretamente, a temperatura pode ser um indicador do princípio do período fértil. A temperatura deve ser medida todos os dias, quando a mulher acorda, antes de se levantar da cama.

  • Dores pélvicas: além de vários outros sintomas, algumas mulheres podem sentir dores ou cólicas, o que é a confirmação que está ovulando.
  • Aumento da libido e do apetite: acontece graças à subida dos níveis de progesterona, o que faz com que a mulher se sinta mais atraente e com maior desejo sexual.

  • Irritação e instabilidade emocional.

Se esses sintomas continuarem e a mulher não menstruar no mês seguinte, existe uma elevada probabilidade de ter ocorrido fecundação e consequente gravidez. Consulte seu ginecologista para quaisquer dúvidas adicionais sobre ovulação e período fértil.

Quais os sinais que podem indicar baixa testosterona?

Alguns dos sinais que podem indicar baixa testosterona são:

  • Diminuição da libido (desejo sexual);
  • Dificuldade de ereção;
  • Alteações emocionais, psicológicas e comportamentais (irritabilidade, insônia...);
  • Falta de concentração e capacidade intelectual;
  • Perda de massa muscular;
  • Diminuição da força muscular;
  • Perda de pelos;
  • Aumento da gordura abdominal;
  • Osteoporose;
  • Dores nas costas.

Quando os níveis de testosterona estão baixos, os órgãos que são alvos da testosterona diminuem a sua resposta, trazendo muitas mudanças ao corpo. 

Mesmo entre homens saudáveis, existe uma grande variação nos níveis de testosterona e nem todos irão sentir as mesmas mudanças com a mesma intensidade.

A testosterona é um hormônio com efeitos únicos em todo o corpo do homem. Produzida nos testículos e nas glândulas suprarrenais, tem a mesma importância para o homem como o estrógeno para a mulher.

Dentre as funções da testosterona, estão:

  • Atua na síntese de proteínas;
  • É essencial para um comportamento sexual normal e para a ereção;
  • Está envolvida em diversas atividades metabólicas, como:
    • Produção de células do sangue na medula óssea;
    • Formação do osso;
    • Metabolismo de lipídios;
    • Metabolismo de carboidratos;
    • Função hepática;
    • Crescimento da próstata.

A andropausa é uma condição hormonal caracterizada por baixa testosterona, que geralmente ocorre em homens com mais de 40 anos de idade.

Leia também: Quais os sinais de excesso de testosterona?

O médico endocrinologista ou urologista são os responsáveis pelo diagnóstico e tratamento da testosterona baixa.

O que é uma psicose e quais são os seus sinais e sintomas?

Psicose é um termo usado para identificar transtornos psiquiátricos em que a pessoa perde o contato com a realidade. O funcionamento mental de uma pessoa psicótica fica comprometido em vários níveis, provocando sinais e sintomas que incluem alucinações, delírios, confusão mental, perda de memória, comportamentos bizarros, entre outros.

O termo "psicótico" também pode ser usado para designar distúrbios nos relacionamentos pessoais e sociais ou comportamentos isolados num determinado momento.

Perder o contato com a realidade significa que a pessoa não avalia corretamente as suas percepções e pensamentos, o que a leva a tirar conclusões incorretas em relação ao mundo real, mesmo que as evidências provem o contrário.

O sinal mais evidente de uma psicose é a manifestação de delírios ou alucinações sem estar ciente da origem patológica desses sintomas. Para entender a diferença entre delírio e alucinação, pode-se utilizar o seguinte exemplo:

Uma pessoa entra num local, vê um policial e, sem motivo algum, quer sair correndo porque acha que a polícia está ali para lhe prender. Neste caso, a polícia é real mas não está ali para prender a pessoa em questão. Foi ela que imaginou essa situação e acreditou ser verdade. Trata-se de um delírio. Alucinação seria ver o policial ou ouvir uma sirene da polícia sem que esses existissem, já que é isso que define a alucinação: ver ou ouvir algo que não existe.

Existem diversos tipos de transtornos psicóticos, como esquizofrenia, transtorno delirante, transtorno psicótico induzido por substâncias, transtorno psicótico breve, entre outros. Mesmo pessoas com transtornos mentais não-psicóticos podem apresentar sintomas psicóticos, como em casos de depressão grave, por exemplo.

Porém, é importante diferenciar uma síndrome de um transtorno psicótico. Uma síndrome psicótica apresenta os sintomas básicos de uma psicose mas não é a doença propriamente dita. Existem vários transtornos ou doenças mentais que englobam os sinais de um transtorno psicótico, sem que a pessoa seja necessariamente psicótica. 

Dentre os sinais e sintomas que caracterizam uma síndrome psicótica estão:

  • Aparecimento súbito de alucinações, principalmente quando acompanhadas de ideias delirantes e incoerência na organização de ideias, além de desorientação no espaço e no tempo;
  • Desconfiança excessiva, isolamento, falta de interesse por atividades sociais, hostilidade e agressividade;
  • Tristeza acentuada, insônia, autoacusação, ideias ou tentativas de suicídio, descuido com a higiene pessoal;
  • Euforia, insônia, planos ou ideias grandiosas, excitação ou agitação psicomotora, eloquência exagerada;
  • Estar alheio(a) ao mundo exterior, com predomínio significativo do mundo interior, comportamentos bizarros ou estranhos, dificuldade em expressar emoções e sentimentos.

Já os transtornos psicóticos mais comuns, de acordo com a faixa etária, são:

  • Transtornos esquizofrênicos e psicoses reativas: Adolescência (idade entre 11 e 18 anos);
  • Transtornos esquizofrênicos e psicoses reativas: Adultos com idade entre 18 e 30 anos;
  • Depressão com sintomas psicóticos: Adultos com idade entre 31 e 64 anos;
  • Psicoses orgânicas (alucinoses, entre outras) e depressões: Idosos (idade igual ou superior a 65 anos).

O tratamento das psicoses pode incluir medicamentos, psicoterapia, orientações para a família, prática de exercícios físicos e internamento. O médico psiquiatra é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento das síndromes e transtornos psicóticos.

Saiba mais em: 

Diferenças entre Esquizofrenia e Transtorno Bipolar

Diferenças entre Esquizofrenia e Depressão

Quais os sinais do climatério?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O climatério é um período que ocorre nos finais dos anos reprodutivos da mulher e entrada na menopausa, sendo caracterizado por ciclos menstruais irregulares, mudanças endocrinológicas e presença de alguns sintomas como ondas de calor. Ele normalmente inicia 4 anos antes da última menstruação e pode causar mudanças na qualidade de vida da mulher.

Os principais sintomas do climatério são:

  • Ondas de calor;
  • Secura na vagina;
  • Alterações no sono;
  • Perda de memória;
  • Dor nas articulações.

A diminuição do estrogênio leva a algumas complicações como perda de massa óssea (e consequente aumento de chance de osteoporose e fraturas), aumento do risco de doenças cardiovasculares, diminuição da elasticidade da pele, dificuldade em perder peso e diminuição na lubrificação vaginal (com possível desconforto durante a relação sexual).

Esse período de transição, o climatério, acarreta na mulher muitas mudanças hormonais, na percepção de seu corpo e na auto estima. É importante reforçar os laços sociais existentes nas amizades, na família, no trabalho e na relação amorosa para que a mulher possa estar fortalecida nesse momento de certa fragilidade.

Algumas mulheres podem se beneficiar com alteração na dieta e uso de reposição hormonal, porém isso deve ser avaliado cuidadosamente e caso a caso com o/a médico/a cuidador/a.

Atraso menstrual e dores lombares são sinais de gravidez?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pode ser sinal de gravidez sim.