Afta

Tenho feridas na boca, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Existem várias doenças e condições que causam ferida na boca.

Algumas são condições agudas, como pequenos traumas, aftas e infecção local, outras são relacionadas a doenças sistêmicas, como doenças autoimunes, reumáticas ou pode ainda representar um problema mais grave, como o câncer de boca.

Causas de ferida na boca
  • Aftas,
  • Herpes labial,
  • Estomatite,
  • Câncer de boca,
  • Doenças sistêmicas,
  • Leucoplasia e
  • Infecções.
Aftas

As aftas são feridas comumente encontradas na gengiva ou mucosa interna da boca. Trata-se de uma lesão de origem inflamatória, superficial, bastante dolorosa, de bordos elevados, coloração avermelhada com a região do centro mais pálida (esbranquiçada) e tamanhos variados.

Pode ser causada por pequenos traumas, mordeduras, consumo de alimentos ácidos, uso de medicamentos, infecções e viroses.

A afta não é contagiosa e costuma desaparecer espontaneamente. Pode surgir devido à falta de nutrientes na alimentação, baixa imunidade, estresse, infecções ou ainda doenças autoimunes.

Veja também: Quais são as principais causas de aftas e o que fazer para evitá-las?

Herpes labial

O herpes labial, outra doença comum na população, se apresenta inicialmente com coceira e sensação de queimação na região da boca, até que surgem as vesículas (pequenas bolhas), que se rompem no decorrer de poucos dias, dando lugar a uma ferida.

O lábio é a região mais acometida.

O herpes é altamente contagioso, principalmente na fase em que a lesão está liberando a secreção (líquido do interior das bolhas).

Leia também: Como controlar Herpes Labial?

Estomatite

A estomatite, é uma inflamação ou infecção na boca secundária a traumas, vírus ou fungos. Pode ocorrer em indivíduos de qualquer idade, embora seja mais frequente em crianças, visto que estão mais expostos a essas situações, além disso, possui um sistema imunológico em amadurecimento.

As feridas e irritação na boca, melhoram espontaneamente após a cicatrização ou término do ciclo normal da virose.

Câncer de boca

As feridas na boca causadas pelo câncer de boca, se caracterizam pela dificuldade na cicatrização e normalmente aumentam de tamanho com o tempo. Ao contrário dos outros machucados na boca, o câncer bucal geralmente não provoca dor ou qualquer outro sintoma.

Também pode lhe interessar: Caroço no céu da boca: o que pode ser?

Doenças sistêmicas

Algumas doenças sistêmicas, como doenças reumáticas, hematológicas ou autoimunes, podem apresentar como um dos seus sinais e sintomas, as feridas ou machucados frequentes dentro da boca. Como o pênfigo, o lúpus, a Doença de Behçet, entre outras.

O pênfigo é uma doença autoimune que provoca lesões dolorosas na boca, podendo se manifestar também na pele. No início, surgem pequenas bolhas que rapidamente se rompem, transformando-se em feridas. A deglutição dos alimentos pode inclusive ser prejudicada, conforme o tamanho das lesões.

Veja também: O que é pênfigo?

Leucoplasia

A leucoplasia é uma ferida encontrada na região interna da boca, acometendo também a língua, de coloração esbranquiçada, associada ao tabagismo, mordeduras na parte interna da boca, ou problemas nas próteses dentárias.

Importante identificar essas feridas, porque uma porcentagem delas pode evoluir para o câncer de boca. Sendo assim, o quanto antes for detectado e tratado, evita uma evolução desfavorável.

As feridas costumam desaparecer quando o hábito de fumar é interrompido, ou a causa resolvida, seja ajuste de próteses ou tratamento das feridas por mordedura.

Infecções

Há ainda o "sapinho", ou candidíase na boca. Uma infecção causada pelo fungo Candida Albicans. Os sintomas são de lesões esbranquiçadas, amareladas ou mesmo avermelhadas, superficiais, na mucosa interna da boca.

As crianças, pessoas imunodeprimidas ou em uso de certos medicamentos, como corticoides e antibióticos, são mais propensos a essa infecção. Por isso devem ter ainda maior cuidado com a higiene bucal durante esse período.

Para detectar as doenças no início, principalmente o câncer bucal, é importante estar atento ao aparecimento de feridas na boca. Lembrando que o câncer geralmente não provoca dor, o que torna esse "autoexame" ainda mais decisivo no diagnóstico precoce da doença.

A presença de qualquer ferida suspeita na boca deve ser avaliada por um médico/a da família ou dentista especialista em estomatologia.

Saiba mais em:

Quais são os sintomas de câncer de boca?

O que é estomatite e quais as causas?

Bolhas na boca, quais as causas?

Quais são as principais causas de aftas e o que fazer para evitá-las?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As causas da afta ainda não são totalmente conhecidas. Contudo, acredita-se que o aparecimento das aftas esteja relacionado com fatores imunológicos.

Há ainda indícios de que a afta pode ser desencadeada por infecções virais ou bacterianas, determinados alimentos, traumas, mordidas acidentais, alergias, escovação muito vigorosa dos dentes, mau posicionamento dos dentes, estresse, cigarro, tendência genética e ainda falta de ferro ou vitaminas.

Os fatores de risco para desenvolver aftas incluem: genética, alterações hormonais, ansiedade, estresse, falta de ferro, zinco, vitamina B12 e ácido fólico, má higiene bucal, alterações na dentição, uso de certos medicamentos, má alimentação, imunidade baixa e doenças.

Afta O que é a afta?

As aftas são lesões pequenas e brancas rodeadas por uma área vermelha. Ocorrem dentro da boca, principalmente na mucosa que recobre a bochecha, os lábios, a gengiva e a garganta, embora também possam aparecer sobre a língua.

As aftas podem ter formato raso, redondo ou ovalado, com coloração branca, vermelha ou amarelada. A afta causa dor, muito desconforto e dificuldade para comer, beber ou ainda falar.

As aftas não são contagiosas e podem ser pequenas ou grandes, podendo surgir isoladamente ou em grupos. As maiores, com mais de 1 cm, podem durar até 6 semanas e deixar cicatriz. Já as menores, com menos de 1 cm, tendem a desaparecer espontaneamente em 7 a 10 dias sem deixar cicatriz.

As mais comuns são as aftas herpetiformes, que surgem em grupos formados por pequenas úlceras e são recorrentes

Qual é o tratamento para aftas?

O tratamento da afta é feito através da aplicação de pomadas analgésicas para aliviar a dor, anti-inflamatórios para controlar a inflamação, além de lavagem bucal com enxaguantes antissépticos e antibacterianos para controlar a irritação no local. Também pode ser indicada a aplicação de um gel para proteger a mucosa oral.

Em alguns casos, podem ser prescritos medicamentos antibióticos para tratar a infecção secundária que pode estar causando a afta.

Durante o tratamento da afta, deve-se evitar alimentos quentes, ácidos ou apimentados, que podem irritar ainda mais a lesão.

Como prevenir as aftas?

Para prevenir o aparecimento de novas aftas, é preciso tentar identificar as suas causas e afastar-se dos fatores que podem desencadear novas lesões. Além disso, é importante manter um estilo de vida saudável para não baixar a imunidade.

Alguns alimentos também devem ser evitados para ajudar a prevenir as aftas, como alimentos apimentados ou muito condimentados, alimentos salgados artificialmente (salgadinhos, amendoim, batatas fritas), frutas cítricas ou ácidas (laranja, abacaxi, kiwi, limão, morango, tangerina, acerola), alimentos muito duros, alimentos e bebidas quentes, refrigerantes e chocolate.

Se as aftas não cicatrizarem dentro de um período máximo de 10 dias, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou dentista para avaliar o quadro e orientar quanto ao tratamento mais adequado.

Saiba mais em:

Qual é o melhor tratamento para curar afta?

Como tratar afta na língua?

O que fazer para curar afta na boca?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para curar aftas na boca, língua, gengiva ou bochechas, recomenda-se aplicar pomadas com analgésico e corticoide para aliviar a dor e controlar a inflamação. O tratamento também inclui fazer bochechos com enxaguantes antissépticos bucais para diminuir a irritação no local e aplicar gel protetor na mucosa da boca.

O uso de pomadas só é possível quando a afta está localizada em locais de fácil acesso, como língua, boca (lábios), gengiva e parte interna da bochecha. A aplicação de medicamentos tópicos em aftas na garganta, por exemplo, é inviável. Nesses casos, o tratamento é feito com gargarejos e medicamentos por via oral, quando necessários.

Em alguns casos, podem ser prescritos medicamentos antibióticos para curar a infecção secundária que pode estar causando a afta na boca. Para tratar as aftas maiores, que apresentam sintomas intensos e duração prolongada, pode ser indicado também o uso de corticoide por via oral.

Alguns produtos e terapias como bicarbonato de sódio, nitrato de prata e aplicação de laser, agridem a base da afta e destroem as terminações nervosas, o que pode aliviar os sintomas em alguns casos. Porém, esses tratamentos não aceleram a cicatrização nem são capazes de curar a afta.

Durante o tratamento da afta, também deve-se evitar alimentos quentes, ácidos ou apimentados, que podem irritar ainda mais a lesão.

Que remédio posso usar para afta?

Os remédios mais usados para tratar aftas são as pomadas à base de policresuleno, acetonido de triancinolona e amlexanox. Todas essas pomadas servem para acelerar a cicatrização da ferida e possuem algum anti-inflamatório ou corticoide nas suas composições. Não existe um remédio específico capaz de curar a afta.

Como usar pomada para afta? Policresuleno

Aplique a pomada diretamente na afta utilizando um algodão ou cotonete e enxague bem a boca após a aplicação.

O medicamento não deve ser ingerido, devido ao risco de causar graves lesões no esôfago. Se houver ingestão acidental, beba água em abundância e procure atendimento médico.

Acetonido de triancinolona

Lave as mãos antes de aplicar o medicamento. Aplique um pouco de pomada na afta, sem esfregar, até formar uma película fina. Recomenda-se aplicar apenas o necessário para cobrir a ferida com uma película fina de pomada. A aplicação deve ser feita à noite, antes de ir dormir.

A pomada de acetonido de triancinolona não é indicada em casos de tuberculose, úlcera e não deve ser usada para tratar herpes labial.

Amlexanox

Lave as mãos antes de aplicar a pomada e seque suavemente a afta com um pano limpo e seco. Aplique uma fina camada da pomada sobre a ferida, sem esfregar.

A aplicação do medicamento deve ser feita 4 vezes por dia, depois das refeições e antes de dormir.

A pomada amlexanox não é indicada para menores de 18 anos, idosos com mais de 65 anos e pessoas que estão em tratamento de doença dos rins ou do fígado.

O que é afta?

A afta é uma pequena ferida que surge na boca, que provoca muita dor e ardência. A lesão pode aparecer no lábio, na gengiva, na língua ou em qualquer parte da mucosa bucal, podendo surgir em grupos ou isoladamente.

As aftas podem ter formato redondo ou ovalado e ter coloração esbranquiçada, avermelhada ou amarelada. Dependendo do tamanho ou do número de lesões, a afta pode causar dificuldade para comer, beber e falar, febre, mal-estar e aumento dos gânglios do pescoço.

Em geral, a afta desaparece espontaneamente depois de 7 a 14 dias sem deixar cicatrizes, mesmo sem tratamento. Contudo, pode ser indicado o uso de produtos, medicamentos e outros tratamentos para diminuir os sintomas e prevenir infecções.

Quais as causas da afta?

As causas da afta nem sempre são conhecidas. Acredita-se que o aparecimento da ferida esteja associado a uma sensibilidade exacerbada a uma bactéria encontrada na boca e a uma anormalidade do sistema imune. Nesse caso, os anticorpos atacam as bactérias e a superfície da mucosa oral, causando afta.

Contudo, sabe-se que algumas condições podem causar aftas, como traumatismos, mordidas na língua ou na bochecha, escovagem muito intensa dos dentes, movimentação de dentes afiados ou mal posicionados e mastigar alimentos muito duros. Existem ainda fatores de risco que favorecem o desenvolvimento de aftas, como:

  • Predisposição genética;
  • Casos de afta na família;
  • Alterações hormonais;
  • Ansiedade;
  • Estresse;
  • Sono irregular;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Falta de ferro, zinco, vitamina B12 ou ácido fólico (vitamina B9);
  • Problemas odontológicos;
  • Menstruação;
  • Menopausa;
  • Má higiene bucal;
  • Má alimentação;
  • Imunidade baixa;
  • Doenças;
  • Uso de medicamentos.
Como evitar aftas na boca?

Uma das formas de prevenir as aftas é afastar os fatores de risco e as causas, quando possível, além de evitar o consumo de certos tipos de alimentos e bebidas, como:

  • Alimentos apimentados ou muito condimentados;
  • Alimentos processados com sal, como amendoim e batata frita;
  • Frutas cítricas ou ácidas (limão, laranja, abacaxi, tangerina, kiwi, morango);
  • Alimentos muito duros;
  • Alimentos ou bebidas quentes;
  • Açúcar branco;
  • Chocolate.

O tratamento da afta tem como principais objetivos aliviar a dor, diminuir o tempo de duração da úlcera e reduzir a frequência de novos episódios. As aftas menores, com menos de 1 cm, tendem a curar-se espontaneamente em 7 a 10 dias sem deixar cicatriz. Já as maiores, com mais de 1 cm, podem durar até 6 semanas e deixar cicatriz.

Se as aftas não cicatrizarem dentro de um período máximo de 10 dias, você pode consultar o/a dentista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação.

Qual é o melhor tratamento para curar afta?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento da afta pode ser feito através da aplicação de pomada analgésica e corticoide tópico para aliviar a dor e controlar a inflamação. O tratamento pode incluir também bochechos com enxaguantes antissépticos para controlar a irritação no local.

Em alguns casos, podem ser prescritos medicamentos antibióticos para curar a infecção secundária que pode ser a causa da afta. 

No tratamento das aftas maiores, que apresentam sintomas intensos e duração prolongada, pode ser indicado também o uso de corticoide por via oral.

A utilização de produtos e terapias que agridem a base da afta, como bicarbonato de sódio, nitrato de prata e laser, não tem comprovação científica de que reduz o tempo de cicatrização da ferida. Porém, pode aliviar os sintomas em algumas pessoas.

Durante o tratamento da afta, também deve-se evitar alimentos quentes, ácidos ou apimentados, que podem irritar ainda mais a lesão.

O que são aftas?

As aftas são lesões pequenas e brancas rodeadas por uma área vermelha. Ocorrem dentro da boca, principalmente na mucosa que recobre a bochecha, os lábios, a gengiva e a garganta, embora também possam aparecer sobre a língua.

Lesão característica da afta

As mais comuns são as aftas herpetiformes, que surgem em grupos formados por pequenas úlceras e são recorrentes.

Afta é contagiosa?

Não, as aftas não são contagiosas.

Como identificar uma afta?

As aftas podem ser pequenas ou grandes, podendo surgir isoladamente ou em grupos. As maiores, com mais de 1 cm, podem durar até 6 semanas e deixar cicatriz. Já as menores, com menos de 1 cm, tendem a desaparecer espontaneamente em 7 a 10 dias sem deixar cicatriz.

Quais as causas da afta?

As causas da afta ainda não são totalmente conhecidas. Contudo, acredita-se que o aparecimento das aftas esteja relacionado com fatores imunológicos

Há ainda indícios de que a afta pode ser desencadeada por infecções virais ou bacterianas, alimentos, traumatismos, alergias, estresse, cigarro, tendência genética e ainda falta de ferro ou vitaminas.

Como prevenir as aftas?

Para prevenir o aparecimento de novas aftas, é preciso tentar identificar as suas causas e afastar-se dos fatores que podem desencadear novas lesões.

O/a dentista, médico/a de família e clínico/a geral podem avaliar e diagnosticar as aftas além de prescrever o tratamento mais adequado para o seu caso.

Como tratar afta na língua?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para tratar aftas na língua deve-se aplicar pomada com analgésicos e corticoide para aliviar a dor e controlar a inflamação, além de fazer bochechos com enxaguantes antissépticos bucais para diminuir a irritação no local.

Em alguns casos, podem ser prescritos medicamentos antibióticos para curar a infecção secundária que pode estar causando a afta na língua. Para tratar as aftas maiores, que apresentam sintomas intensos e duração prolongada, pode ser indicado também o uso de corticoide por via oral.

O uso de pomadas só é possível quando a afta está localizada em locais de fácil acesso, como língua, boca (lábios), gengiva e parte interna da bochecha. A aplicação de medicamentos tópicos em aftas na garganta, por exemplo, é inviável. Nesses casos, o tratamento é feito com gargarejos e medicamentos por via oral, quando necessários.

A utilização de produtos e terapias que agridem a base da afta, como bicarbonato de sódio, nitrato de prata e laser, não tem comprovação científica de que reduz o tempo de cicatrização da ferida. Porém, pode aliviar os sintomas em algumas pessoas.

Durante o tratamento da afta na língua ou em qualquer outro local da boca, também deve-se evitar alimentos quentes, ácidos ou apimentados, que podem irritar ainda mais a lesão.

As aftas menores, com menos de 1 cm, tendem a desaparecer espontaneamente em 7 a 10 dias sem deixar cicatriz. Já as maiores, com mais de 1 cm, podem durar até 6 semanas e deixar cicatriz.

Se as aftas não cicatrizarem dentro de um período máximo de 10 dias, você pode consultar o/a dentista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação.

Saiba mais em: Quais são as principais causas de aftas e o que fazer para evitá-las?

Quais são os sintomas do enfisema pulmonar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O principal sintoma do enfisema pulmonar é a falta de ar. A pessoa tem a sensação de que está sem fôlego ou não está inalando ar suficiente. Outros sinais e sintomas comuns do enfisema incluem tosse, dificuldade para respirar, produção crônica de secreção e expectoração (escarro).

Uma pessoa com enfisema pulmonar normalmente apresenta um quadro típico de tosse crônica e falta de ar. A suspeita de enfisema aumenta se o indivíduo é ou já foi fumante, já que o tabagismo é responsável por até 90% dos casos da doença.

É comum os pacientes com enfisema apresentarem também bronquite crônica. Ambas, enfisema pulmonar e bronquite crônica constituem a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) e têm como principal causa o tabagismo.

Os sintomas do enfisema pulmonar incluem falta de ar, dificuldade para respirar (deficiência respiratória) ao realizar esforços físicos. Já a tosse e a expectoração são os sinais da bronquite.

Veja também: Tenho dificuldade para respirar, o que pode ser?

É comum a pessoa não levar muito em consideração esses sintomas e não procurar um médico para fazer uma avaliação. O enfisema então progride e só nas fases mais avançadas é que o paciente se sentirá mesmo doente, podendo sentir falta de ar extrema para realizar tarefas simples como tomar banho ou se vestir.

Sem tratamento, o enfisema pulmonar pode trazer graves consequências, podendo deixar a pessoa incapaz de fazer qualquer esforço ou até mesmo levar à morte por incapacidade respiratória.

Veja também: Qual é o tratamento para enfisema pulmonar?

O enfisema pulmonar é uma doença degenerativa crônica que provoca lesões irreversíveis nos alvéolos pulmonares. Os alvéolos são pequenos "saquinhos" que armazenam o ar que chega aos pulmões e através dos quais o oxigênio passa para o sangue.

O enfisema surge por causa da exposição dos alvéolos à substâncias agressivas, como a fumaça do cigarro, fumaça de fogão a lenha e outros poluentes. Com o passar dos anos, os alvéolos entram num processo inflamatório crônico e começam a se romper e formar bolhas, caracterizando o enfisema pulmonar.

Já a bronquite crônica ocorre quando os brônquios, que levam e trazem o ar para os pulmões, são afetados, levando a uma reação inflamatória, que os deixa mais estreitos e provoca a produção de muito muco ("catarro").

Quanto maior a intensidade dos sintomas ou o grau de bloqueio da respiração, mais grave é o enfisema pulmonar. A intensidade dos sintomas é medida conforme a falta de ar e a redução da capacidade de realizar tarefas diárias, enquanto que a obstrução ao fluxo respiratório é avaliada através de exames específicos.

No caso de sintomas sugestivos de enfisema pulmonar procure um clínico geral ou um médico de família para um avaliação. Em casos de maior gravidade pode ser necessário o acompanhamento por um médico pneumologista, especialista em doenças respiratórias. 

Saiba mais em: 

Enfisema pulmonar tem cura?

Enfisema pulmonar é câncer?

Para que serve e como usar nistatina oral? É indicado para tratar aftas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A nistatina em suspensão oral é indicada para o tratamento de candidíase oral (sapinho) e do trato digestivo superior, especialmente a esofagite por cândida. Neste casos, a candidíase pode ser provocada pelo uso prolongado de antibióticos, corticoides, medicamentos imunossupressores em geral ou radioterapia.

Pessoas com a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) apresentam maior propensão em desenvolver a doença.

Como usar nistatina suspensão oral?

Antes de aplicar a nistatina oral, recomenda-se higienizar adequadamente a boca. Se houver prótese dentária, esta também deve ser higienizada. Feita a higiene, a suspensão de nistatina deve ser bochechada por alguns minutos antes de ser engolida.

Em bebês e crianças menores é indicado administrar a metade da dose em cada lado da boca. Para ajudar pode-se usar uma seringa. O frasco deve ser agitado antes do uso.

  • Em lactentes, a dose recomendada é de 1 ou 2 ml quatro vezes ao dia;
  • Para crianças e adultos a dose varia de 1 a 6 ml quatro vezes ao dia.

O tratamento deve durar até 14 dias e deve ser definida dose e tempo de tratamento pelo/a médico/a. Se os sintomas persistirem ou piorarem após o 14º dia do início do tratamento o paciente precisará de uma reavaliação.

A nistatina em drágeas é indicada especificamente para tratar a candidíase intestinal.

Quais os efeitos colaterais da nistatina oral?

Nistatina é uma medicação bem tolerada nas doses indicadas para cada faixa etária. Altas doses orais podem provocar:

  • Distúrbios gastrintestinais;
  • Diarreia;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Lesões e coceira na pele são raras, mas podem ocorrer.
Mulheres grávidas ou que amamentam podem usar nistatina oral?

Apenas sob prescrição e avaliação médica, devido à falta de esclarecimentos sobre os efeitos nocivos que a nistatina oral pode causar ao bebê quando utilizado pela gestante.

Da mesma forma, não está bem esclarecido se nistatina oral é secretada no leite materno. Sendo assim mulheres que estão amamentando devem informar ao médico, para avaliar os benefícios de seu uso.

Nistatina oral é indicado para afta?

Nistatina oral não é indicado para o tratamento de aftas.

As aftas são lesões arredondadas ou ovaladas, com fundo esbranquiçado e bastante dolorosas. Podem ocorrer devido a estresse, alterações nutricionais e hormonais, alergias, predisposição genética e traumas como pequenas mordidas na mucosa oral ou língua.

Normalmente as aftas desaparecem espontaneamente em um intervalo de 5 a 15 dias e não deixam cicatrizes. Manter a higiene oral é indicado em caso de aftas. Se a dor causada pela lesão for muito intensa, são indicadas pomadas com anestésico. A nistatina pode agredir ainda mais a ferida.

Leia mais Qual é o melhor tratamento para curar afta?

Nistatina oral contém açúcar em sua composição, portanto, deve ser utilizado com cautela por pessoas diabéticas. Não utilize medicamentos sem prescrição médica.

Veja também

Sapinho na boca: Quais os sintomas e como tratar?

Língua branca é sinal de doença?

Quais são os sintomas da candidíase?

Aftas podem ser por causa da gastrite nervosa que tenho?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Aftas podem estar associadas com problemas estomacais ou esofágicos, como dispepsia, refluxo gastroesofágico ou presença da bactéria Helicobacter pylori no estômago, além disso as aftas estão muito relacionadas a estresse intenso e a gastrite nervosa é desencadeada por sintomas de estresse emocional, portanto é possível haver uma relação entre uma coisa e outra.

O que causa as aftas?

A etiologia das aftas não está ainda muito bem estabelecida, mas sabe-se que alguns fatores que desencadeiam queda da imunidade podem contribuir para o seu aparecimento. Alguns fatores que já foram associados ao aparecimento de lesões aftosas são:

  • Estresse;
  • Trauma local (por exemplo mordida sem querer na boca);
  • Alterações hormonais do ciclo menstrual;
  • Predisposição genética;
  • Dieta (alguns alimentos parecem se associar com o aparecimento de aftas como o abacaxi, chocolate e nozes);
  • Doenças que afetam o sistema imunológico;
  • Medicamentos imunossupressores.

A investigação na área sugere que a carência de alguns nutrientes como vitamina B12, vitamina C, zinco e ferro podem aumentar o risco do aparecimento de aftas.

Atualmente, também estuda-se a relação entre agentes microbiológicos como bactérias e vírus específicos que possam estar relacionados com as aftas.

O que são aftas?

As aftas são lesões em forma de úlcera esbranquiçadas e dolorosas que acometem a cavidade bucal. Podem causar dor intensa ou sensação de queimação, são benignas e não apresentam infecção, mas devido a dor que provocam podem ocasionar problemas na fala, na mastigação e na deglutição.

Caso apresente sintomas de afta persistentemente consulte um médico de família ou clínico geral para uma avaliação.