Perguntar
Fechar

Como funciona a Dieta Cetogênica? Quais seus benefícios e riscos?

Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A Dieta Cetogênica se caracteriza pelo consumo elevado de gorduras (75%), ingesta moderada de proteínas (15%) e uma concentração bem reduzida de carboidratos (5%).

Esta dieta é conhecida por promover rapidamente a perda de peso. No entanto, não é indicada como forma saudável de perder peso, pois apresenta riscos a saúde, já que apresenta um desbalanço importante de nutrientes, além disso, não contribui com a redução do peso a longo prazo.

Aspargus e carne
Alimentos permitidos na dieta cetogência

Como funciona a Dieta Cetogênica?

A alimentação restrita em carboidratos, base da dieta cetogênica, provoca a metabolização pelo fígado da gordura estocada no corpo ou que ingerimos na alimentação. Deste modo, o fígado produz corpos cetônicos e o estado de cetose, que provoca a utilização da gordura como fonte de energia promovendo o emagrecimento.

O que posso comer na Dieta Cetogênica?

Os alimentos que compõem a dieta cetogênica fazem parte de dois grupos principais de macronutrientes: as gorduras e as proteínas. É possível incluir nesta dieta: carnes vermelhas, frango, carne suína, peixes, ovos, embutidos como presunto e peito de peru, queijos, requeijão, manteiga, azeite de oliva, oleaginosas como castanhas e nozes, verduras verdes escuras como couve, espinafre e brócolis.

O que não posso comer na Dieta Cetogênica?

São proibidos na dieta cetogênica os carboidratos simples, de fácil absorção. Pertencem a este grupo: açúcar, arroz branco, pães brancos e massas.

Benefícios da Dieta Cetogênica

O único benefício desta dieta é o emagrecimento rápido pela restrição severa de ingestão de carboidratos.

O ideal é buscar um/a nutricionista para uma orientação voltada à reeducação alimentar. Deste modo, é possível manter o peso alcançado com a dieta ou emagrecer mais de forma saudável.

Riscos da Dieta Cetogênica

Aumento dos níveis de colesterol

A dieta cetogênica favorece o aumento dos níveis de colesterol pelo estímulo à ingesta elevada de gorduras. O aumento do colesterol ruim também amplia os riscos de obstrução das artérias e de doenças cardiovasculares como infarto e acidente vascular cerebral.

Altera o humor

A dieta cetogênica, por ser muito restritiva em relação ao consumo de carboidratos, pode provocar mau humor. Isto ocorre porque o triptofano, essencial para a síntese de serotonina (hormônio da felicidade), precisa de carboidratos para chegar ao cérebro.

Aumenta o risco de câncer

O consumo livre de embutidos como peito de peru, salame e salsicha estimulados pela dieta cetogênica eleva o risco de câncer, especialmente no sistema digestivo.

A ingestão destes alimentos também pode alterar a pressão arterial uma vez que são ricos em sódio.

Provoca Hipoglicemia

A redução radical de carboidratos na alimentação pode levar à redução do nível de açúcar (glicose) no sangue. Este quadro pode desencadear desmaios e pode ser potencialmente maléfico para portadores de diabetes mellitus.

Além destas alterações o baixo consumo de carboidratos pode causar dores de cabeça, fadiga, perda de massa muscular e dificuldade de concentração para o desenvolvimento das atividades diárias.

Orientações sobre a dieta cetogênica

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a nossa alimentação seja composta de 55 a 75% de carboidratos, 10 a 15% de proteínas e 15 a 30% de gorduras.

A dieta cetogênica não vai de encontro à esta recomendação da OMS e pode acarretar problemas de saúde.

Predominam entre os nutricionistas e nutrólogos a ideia de não orientar que as pessoas sigam a dieta cetogênica. Uma alimentação balanceada e saudável, prescrita por um profissional, associada à prática de atividade física é ainda o método mais seguro para quem deseja perder peso.

A única indicação para a dieta cetogênica é para as crianças que apresentam crises convulsivas. Ainda assim a dieta deve ser feita com acompanhamento médico rigoroso.

Leia mais

Dieta Low Carb: como funciona, lista de alimentos, benefícios e riscos

O que fazer para emagrecer?