Perguntar
Fechar
Falta de libido: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A falta de libido atualmente está muito associada a questões psicológicas, como sobrecarga de trabalho, estresse e ansiedade. No entanto, pode acontecer por diversos de problemas, de origem física ou psicológica, tais como:

  1. Idade avançada - é natural que a libido diminua com o passar dos anos, devido a redução dos níveis hormonais;
  2. Problemas conjugais, financeiros - situações que causam estresse, tristeza, e perda de interesse nas atividades de vida habituais, como a relação a dois, em família, ou com amigos;
  3. Desordens hormonais - problemas endocrinológicos também devem ser investigados, como hipotiroidismo, e outros problemas hormonais;
  4. Uso de medicamentos - alguns medicamentos têm como efeito colateral possível, a redução da libido, como, por exemplo, calmantes, antidepressivos, anticoncepcionais;
  5. Problemas psicológicos - depressão, ansiedade, síndrome de pânico;
  6. Cansaço e fadiga - o excesso de trabalho ou de atividade física, podem ter como consequência um cansaço físico e desgaste intenso, que resulta na falta de prazer.

Sabendo que para quase todos os casos existe um tratamento eficaz, a primeira medida a ser tomada é buscar um atendimento médico, para avaliação clínica, esclarecimento das suas dúvidas e realização de exames que definam o seu diagnóstico.

Após concluir a causa do problema, o tratamento poderá ser iniciado.

Falta de libido na mulher

Na mulher, a falta de libido pode estar associada principalmente ao estresse, cansaço, mas também deve sempre ser investigada a questão hormonal, com pesquisa de função da glândula tireoide e sinais de fases do ciclo natural da mulher, como a menopausa.

Na menopausa, fatores como redução de hormônio estrogênio, calores noturnos e secura vaginal causam grande incômodo durante as relações, gerando consequentemente, o desinteresse.

A falta de libido na mulher também é bastante acentuada no período pós-parto, podendo se estender por até 1 ano. Nesses casos, existem fatores físicos e psicológicos associados. O aumento do hormônio prolactina, para estimular a produção de leite na amamentação, é um fator físico importante, enquanto a tensão e a ansiedade geradas com os cuidados de um bebê recém-nascido são um fator psicológico.

Outras situações que levem ao aumento de prolactina, como tumores de hipófise e alguns medicamentos de uso crônico, podem bloquear a produção dos hormônios femininos, gerando um quadro clínico semelhante ao da menopausa.

Falta de libido no homem

Nos homens, as causas mais comuns de falta de libido estão associadas à idade avançada, estresse e problemas financeiros.

Entretanto, deve fazer parte de uma avaliação médica, alguns exames complementares, com estudo de níveis hormonais e o que mais achar necessário para definição da causa.

Em homens com mais de 50 anos, uma das causas mais comuns de falta de libido é a diminuição da produção do hormônio masculino, testosterona. Isso pode ser causado pela idade, uso de certos medicamentos, doenças dos testículos, da hipófise ou do hipotálamo, localizados no cérebro.

Vale lembrar que até 30% dos homens com mais de 45 anos apresentam sintomas causados pela baixa produção de testosterona. A falta do hormônio aumenta também os riscos de obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, perda de massa óssea, aumento da gordura visceral, distúrbios do sono, cansaço, irritabilidade e depressão. Nesses casos, o tratamento é feito com reposição hormonal.

Os fatores psicológicos também exercem um importante papel na falta de libido no homem. Dentre as principais causas estão o cansaço, o trabalho extenuante, a ansiedade, depressão e situações de insegurança. A falta de libido decorrente dessas causas afeta sobretudo homens entre 30 e 39 anos. Para esses casos, o tratamento é feito principalmente com aconselhamento e apoio psicológico.

O que fazer para combater a falta de libido?1. Terapia e Atividade física

Se a causa da falta de desejo for o estresse, é recomendável fazer terapias ou atividades que ajudem a lidar ou aceitar os problemas, como atividade física ou atividades de lazer prazerosas.

A terapia de casal também pode ajudar a resolver o problema se este estiver relacionado com falta de comunicação, falta de intimidade ou outras questões conjugais.

2. Exposição ao sol

Estudos recentes sugerem que a maior exposição à luz do sol auxilia o aumento da produção de testosterona, aumentando a libido do homem.

3. Dieta mediterrânea

Além da dieta mediterrânea, que parece contribuir para uma atividade sexual mais satisfatória.

4. Consulta médica com especialista (ginecologista ou urologista)

Embora as terapias e estilo de vida saudável sejam comprovadamente benéficos para os problemas de libido, a consulta médica com especialista, ginecologista para as mulheres e urologsta pra os homens, é fundamental. Se houver algum problema físico que interfira nesse sintoma, ele pode ser rapidamente identificado e tratado.

Sendo um problema hormonal, pode causar mais prejuízos a saúde, além da dificuldade sexual, por isso, deve fazer parte do planejamento de tratamento, a avaliação médica.

Pode lhe interessar também: Como aumentar minha libido?

Medicamento para pressão alta pode tirar o desejo de fazer sexo?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Alguns medicamentos frequentemente usados para controlar a pressão arterial, como os anti-hipertensivos e os diuréticos, apresentam como efeitos colaterais disfunção na atividade sexual, seja reduzindo a libido, causando disfunção erétil ou diminuição na lubrificação vaginal, embora dificilmente representem a única causa desse sintoma.

Contudo não são todos os medicamentos para hipertensão que causam esses efeitos, e as complicações de um quadro de hipertensão arterial são muito mais graves e perigosas. Por exemplo, é a principal causa de Acidente vascular cerebral (AVC), ou "derrame"; também está fortemente associada ao Infarto agudo do miocárdio (IAM), doenças muito prevalentes e motivos de incapacidade e sequelas na nossa população.

Outras causas comuns de redução da libido tanto nos homens quanto nas mulheres atualmente, são o sedentarismo, a obesidade, o tabagismo, ansiedade e depressão. Inclusive os quadros de transtorno de humor, como a ansiedade e depressão, estão entre as causas mais importantes de redução da libido.

Portanto é importante que não interrompa seu tratamento por conta própria antes de conversar com seu médico, responsável pelo tratamento da hipertensão, seja o clínico geral, médico da família ou seu cardiologista. Todos os efeitos colaterais oriundos da medicação podem ser reduzidos ou a medicação substituída, caso seja esse o principal ou único motivo para seus sintomas de redução da libido, evitando assim efeitos colaterais indesejáveis e ao mesmo tempo não colocando sua vida em risco.

Saiba mais sobre o assunto nos links abaixo:

Possíveis causas de diminuição da libido no homem

Qual o melhor remédio para aumentar a libido da mulher?

Falta de libido: o que pode ser e o que fazer?

O que é um AVC e quais os sintomas ou sinais?

O que pode causar um infarto?

Rivotril interfere no libido e desejo sexual?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim. O ideal é voltar ao médico que receitou o remédio para ele avaliar a necessidade de diminuir a dose ou substituir o medicamento por outro.O Rivotril é um medicamento composto pelo clonazepam, um benzodiazepínico de longa duração. Alguns estudos vem demonstrando a associação entre os benzodiazepínicos e disfunções sexuais, entre elas a diminuição da libido.

Além da queda do desejo sexual e alterações na libido, também já foram relatados casos de anorgasmia, disfunção erétil e retardo da ereção com o uso dessa classe de medicamentos.

Parece haver uma associação entre uma maior frequência e intensidade de efeitos adversos na função sexual e doses mais altas desses medicamentos, principalmente se eles forem fármacos de alta potência e longa duração como é o caso do clonazepam.

Em algumas situações a redução da posologia tomada já pode resolver esses problemas de disfunção sexual, já em outras situações pode ser necessária a troca por outro fármaco com funções semelhantes.

Quais são os efeitos adversos mais frequentes do Rivotril?

Outros efeitos adversos frequentemente observados são:

  • Diminuição da concentração;
  • Fadiga e cansaço;
  • Sonolência;
  • Diminuição da tonicidade e fraqueza muscular;
  • Tontura e vertigem;
  • Intolerância à luz,
  • Falta de controle dos músculos;
  • Diminuição da capacidade de reação.

Esses efeitos geralmente são passageiros e podem melhorar quando se reduz a dose tomada. Alguns médicos podem optar por introduzir o medicamento aos poucos para evitar esses efeitos adversos.

Para mais informações sobre os efeitos adversos do Rivotril e suas influências na função sexual consulte o seu médico de família, clínico geral ou psiquiatra.

Por que nunca consigo ter lubrificação, nem orgasmo?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Problema físico não é porque com o outro parceiro você sentia (e ainda não gostava dele...)  e com o atual não consegue, claro que é um problema emocional, leia o que você mesma escreveu acima. Procure ajuda de um psicólogo. Talvez com o outro parceiro você era mais solta porque apenas fazia por prazer, agora talvez esteja presa numa relação e se sente na obrigação de mostrar algo ao parceiro. Mas está tendo algum tipo de bloqueio emocional... continue a conversa com o psicólogo.

Sinto falta de desejo sexual, o que devo fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A falta de desejo sexual possui diversas causas, semelhantes entre o sexo feminino e masculino e geralmente independe da idade. É fundamental definir a causa, para ser definido e iniciado o devido tratamento.

As causas mais encontradas atualmente estão relacionadas a fatores psicológicos, como baixa autoestima, descontentamento como o próprio corpo, transtorno de ansiedade e depressão.

Aos fatores orgânicos podemos destacar distúrbios hormonais, doenças do sistema reprodutor feminino/masculino, impotência ou ejaculação precoce, descontrole de Hipertensão arterial, diabetes, presença de doenças cardiovasculares, entre outras.

O uso de medicamentos representa outra causa comum. Sabendo que algumas classes de antidepressivos, anti-hipertensivos, suplementos vitamínicos e calmantes possuem a falta de libido dentre os efeitos colaterais. Por vezes podem ser ajustadas as doses ou substituídos resolvendo rapidamente o problema.

Por fim, os hábitos de vida ruins, como tabagismo, alcoolismo, sedentarismo e uso de substâncias ilícitas também estão entre as causas possíveis comprovadas de falta de desejo sexual.

Para todos as causas, existem tratamentos e ou orientações adequadas que irão solucionar a falta de desejo sexual. Agende uma consulta com Ginecologista (no caso de mulheres), ou Urologista (no caso dos homens) para dar início ao seu tratamento. 

Pode lhe interessar também os links abaixo:

Perdi meu apetite sexual, não sinto vontade...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

É falta de apetite sexual. Pode estar relacionado com problemas hormonais, porém na maioria das vezes está relacionado com problemas emocionais. Precisa conversar com seu ginecologista.

Estou grávida e não tenho vontade de fazer sexo?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Existem muitas alterações hormonais, físicas e psicológicas na gravidez, algumas mulheres tem o apetite sexual aumentado e outras reduzido, como é o seu caso, converse com seu marido e com seu ginecologista sobre isso.

Qual médico procurar para falta de apetite e falta libido?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pode se consultar com um médico clínico geral, médico da família ou um psiquiatra.

A falta de apetite e falta de libido podem ser causadas por diferentes situações, físicas e ou psicológicas. Sendo assim, um médico generalista pode dar início a essa investigação e orientações adequadas. Se entender necessário, indicará o seguimento com um médico especialista.

Já o médico psiquiatra pode avaliar as causas psicossomáticas, que frequentemente causam esses sintomas, como por exemplo, a síndrome depressiva.

Saiba mais sobre o assunto no artigo: Como saber se tenho depressão? Quais os sintomas?

Causas de falta de apetite

As causas de falta de apetite podem ser:

  • Ansiedade, depressão;
  • Distúrbios alimentares, como bulimia e anorexia;
  • Distúrbios hormonais como doenças da tireoide;
  • Distúrbios gastrointestinais, com gastrite, infecção po H.Pylori e síndrome do intestino irritável;
  • Anemia, carência de vitaminas;
  • Fadiga, cansaço extremo;
  • Efeito colateral de medicamentos.

Leia também: Falta de apetite: o que pode ser e o que fazer?

Causas de falta de libido

Podemos citar como causas de falta de libido:

  • Ansiedade, depressão;
  • Distúrbios hormonais, redução de estrogênio ou testosterona;
  • Menopausa;
  • Doenças crônicas como a diabetes e hipertensão;
  • Infecção sexualmente transmissível, entre outras.

Portanto, devido a grande variedade de causas para os dois sintomas, sugerimos procurar o seu médico clínico geral, médico da família ou médico psiquiatra para dar início a investigação e após essa definição, oferecer a melhor opção de tratamento ao seu caso.

Pode lhe interessar ainda: Falta de libido: o que pode ser e o que fazer?

Tomo Mesigyna e não estou conseguindo ter orgasmos
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Qualquer remédio ou medicamento que usar pode alterar seu libido, porém no seu caso essa associação parece não ser verdadeira devido ao lapso de tempo entre o início da medicação e o início do problema, alterações desse tipo geralmente estão relacionadas com fatores emocionais, consulte seu ginecologista.

Perdi a vontade de fazer sexo, tenho 19 anos...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Precisa procurar um médico ginecologista e um psicólogo.