Perguntar
Fechar

Preventivo

Perdi minha virgindade há pouco tempo e queria uma orientação de um anticoncepcional que eu poderia estar tomando. Seria possível me indicar algum?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Agora que começou a ter relações deve ir a um ginecologista para conversar sobre anticoncepção, exame preventivo anual do câncer de colo do útero entre outras coisas.

Nas farmácias existem anticoncepcionais de baixa dosagem, porém tem um preço um pouco maior, o ideal vai ser encontrar um que se adapte ao seu corpo e ao seu bolso.

Orientações gerais para se tomar anticoncepcional:

  • comece a primeira cartela no dia em que sua menstruação descer;
  • tome todos os dias na hora certa, preferencialmente pela manhã (se esquecer é mais fácil de lembrar), tome a cartela inteira e pare por 7 dias e recomece a outra cartela e assim sucessivamente...;
  • o anticoncepcional te protegerá contra gravidez durante o mês inteiro (nos dias que toma e nos dias que não toma);
  • se esquecer de tomar um dia, tome assim que lembrar e continue a cartela normalmente e pelos próximos 7 dias vai ter que usar camisinha ou não ter relação.
Quais são os riscos de ter osteoporose?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O maior risco oferecido pela osteoporose é a ocorrência de fraturas, devido ao enfraquecimento dos ossos e perda de massa óssea, principalmente na coluna, quadril e punho.

Além disso, as vértebras da coluna são achatadas, causando encurvamento das costas ("corcunda"), diminuição da altura e dor lombar.

Situações comuns como pequenas pancadas, quedas simples, tropeços, e até mesmo crise de tosse, podem ocasionar uma fratura espontânea em pessoas portadoras de osteoporose. É comum a pessoa fraturar o osso da coxa e cair pensando que a queda originou a fratura, quando na verdade foi o oposto, a fratura que ocasionou a queda.

A osteoporose é uma doença silenciosa, que muitas vezes não provoca sintomas. A dor, quando presente, normalmente está relacionada a fraturas espontâneas.

Veja também: O que é a osteoporose e quais os sintomas?

Dentre os fatores de risco para desenvolver osteoporose estão a menopausa (diminuição dos níveis de estrógeno), envelhecimento (perda de massa óssea), hereditariedade (casos de osteoporose na família), baixa ingestão de cálcio na alimentação, excesso de álcool e cigarro, imobilização prolongada e uso de medicamentos, como os corticoides.

O tratamento da osteoporose inclui uso de suplementos de cálcio e vitamina D, medicamentos, exercícios físicos e mudanças no estilo de vida. Além disso, é altamente recomendado o acompanhamento com exames de rastreio para diagnóstico precoce de osteoporose.

O/A médico/a ortopedista é o/a especialista indicado para diagnosticar e tratar a osteoporose.

Saiba mais em:

Tenho osteoporose, que cuidados devo ter?

Osteoporose tem cura? Qual o tratamento?

O que é osteopenia e quais os sintomas?

Qual é o tratamento da enxaqueca?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tratamento para enxaqueca é baseado nas características de cada pessoa, mas com base em medidas não farmacológicas e medicamentos, na crise ou até preventivos.

Com uma ferramenta bastante simples e útil, o diário da dor, hoje é possível o paciente registrar todos os eventos que sente de dor, e suas características. Nesse diário é possível registrar não só a data, mas os horários, o que comeu no dia, se houve algum problema, estresse, ciclo menstrual ou privação de sono, enfim, dados que possibilitam um tratamento direcionado para cada caso.

Medidas não farmacológicas

Além dos medicamentos, o tratamento da enxaqueca inclui também medidas não farmacológicas, como técnicas de relaxamento, evitar jejuns prolongados, não fumar, controlar o estresse, melhorar a qualidade do sono, ainda, a prática regular de atividade física, psicoterapia e acupuntura, que comprovadamente apresentam boa resposta e redução das crises de dor.

Medicamentos

O tratamento medicamentoso da enxaqueca se divide entre o alívio da dor (nas crises) e a prevenção das crises, quando indicada.

  1. Na crise - quando a dor de cabeça já está instalada, podem ser usados analgésicos de efeito rápido como Paracetamol e Dipirona. Outros medicamentos usados para tratar os episódios de enxaqueca são os anti-inflamatórios (Diclofenaco, Indometacina, Ibuprofeno, Naproxeno e Etoricoxib).
  2. Na prevenção - quando está indicado o tratamento preventivo, as medicações mais prescritas são antidepressivos (Amitriptilina), anticonvulsivantes (Ácido Valproico, Topiramato, Gabapentina), betabloqueador (Propranolol, Atenolol), bloqueador de canal de cálcio (Flunarizina, Verapamil), a Melatonia e derivados, Toxina botulínica.

O tratamento preventivo é uma decisão que deve ser tomada entre o/a médico/a assistente e o paciente, e vai depender de diversos fatores clínicos e particulares. Tem como principal objetivo prevenir novas crises de dor de cabeça e reduzir a intensidade e a frequência dos episódios.

Veja também: Que remédios devo tomar para enxaqueca?

Vale lembrar que uma das formas mais eficazes para prevenir a enxaqueca é identificar e evitar os fatores que desencadeiam as crises.

O/A médico/a neurologista é o/a responsável pelo diagnóstico e tratamento da enxaqueca.

Saiba mais em:

Enxaqueca: causas, sintomas e tratamento

O que é enxaqueca com aura e quais os sintomas?

O que significa processo inflamatório intenso?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Significa a presença de uma inflamação intensa, uma reação intensa do corpo, contra alguma agressão ao organismo.

O que é a inflamação?

Inflamação, ou processo inflamatório, é uma resposta de defesa do organismo, contra uma agressão. Essa agressão pode ser um trauma, uma reação alérgica, uma infecção ou doenças crônicas reumatológicas ou autoimunes.

O que é inflamação intensa?

Com o objetivo de unificar os termos e auxiliar no conhecimento de doenças, é muito comum na medicina, as classificações de doenças ou respostas do organismo.

Com o processo inflamatório não é diferente, ele pode ser classificado de acordo com a sua gravidade, em leve, moderada ou intensa. Na reação leve, é observada uma resposta inflamatória mais branda, sem muitos sintomas; na moderada, já é observado uma resposta mais evidente e quando descrito como reação inflamatória intensa, indica uma resposta exacerbada do organismo.

A inflamação pode ser classificada ainda de acordo com o tempo de início, sendo agudo ou crônico. Agudo, início abrupto, por exemplo após um acidente; e crônico, para os casos de instalação lenta e insidiosa, durando meses, como nas doenças reumáticas.

E todos esses fatores, auxiliam para a definição da causa e para a melhor opção de tratamento.

Quais são os sintomas de uma inflamação?

Os sintomas típicos são:

  • Vermelhidão (ou rubor),
  • Calor local,
  • Edema,
  • Dor e
  • Diminuição da sensibilidade (dependendo da localização).

Isso acontece porque, quando ocorre uma "agressão" ao organismo, o sistema de defesa aumenta o fluxo de sangue e a permeabilidade capilar naquele local, para que as células de defesa cheguem até lá com mais facilidade. Esse aumento de volume de sangue e células, gera os sinais de vermelhidão, calor e o edema local. Depois, dependendo do grau de reação inflamatória, e volume de líquidos na região, pode haver compressão das terminações nervosas, causando a dor e a redução da sensibilidade.

Após o controle desse processo, o organismo se recompõe, sem deixar sequelas, na grande maioria das vezes.

A reação inflamatória que ocorre em tecidos internos, como no colo do útero, por exemplo, é avaliada de outras formas pelo médico especialista, o ginecologista e o patologista, quando analisa a lâmina de preventivo enviada.

Qual é o tratamento para uma reação inflamatória?

O tratamento para cada tipo de reação inflamatória, vai depender da localização, do grau de inflamação e da provável causa para esse processo.

Algumas vezes a reação tem cura espontânea, outras é necessário tomar medicamentos anti-inflamatórios, associados ou não a antibióticos.

Portanto, recomendamos que leve o resultado do exame onde descreve essa alteração, para o médico que o solicitou, o qual saberá dar seguimento ao seu tratamento e orientações.

Pode lhe interessar também: Qual o tratamento para a inflamação do útero?

Pode ter relação sexual antes de fazer biópsia de próstata?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A abstinência sexual não está entre os cuidados indicados para a realização de biópsia de próstata. Portanto, a princípio não há problemas.

Como o exame de biópsia, é a retirada de pequenas amostras, através de uma agulha inserida diretamente na próstata, o ato sexual, traumas ou outras situações, não parecem causar qualquer mudança na configuração desse tecido.

Diferente do exame de PSA, aonde os valores encontrados no sangue, são relacionados com a produção dessa proteína pela próstata. E como situações de ejaculação e pequenos traumas aumentam o estímulo dessa produção, os resultados podem ser aumentados gerando um exame "falso-positivo". Quando os valores aumentados são devido a situações adversas e não a doenças na próstata.

Leia também: O que é o exame de PSA para câncer da próstata?

Cuidados para realização de biópsia de próstata

Os principais cuidados e recomendações antes da realização de biópsia de próstata são:

  • Urocultura prévia - inclusive o exame de urina com presença de bactérias, impede a realização do procedimento, é preciso tratar a infecção antes para evitar complicações;
  • Antibióticos - O uso de antibiótico preventivo não é uma opção unânime entre os urologistas, mas a maioria opta pela dose única de ciprofloxacina®, com objetivo de reduzir o risco de infecção urinária após a biópsia;
  • Lavagem intestinal - A lavagem também é um procedimento adotado pela maioria dos serviços, mas não é obrigatória. Auxilia no momento do exame e parece reduzir os riscos de complicações, como a infecção;
  • Checar todas as medicações em uso antes da biópsia é uma procedimento unânime e obrigatório. O uso de anticoagulantes deve ser suspenso pelo risco aumentado de sangramento durante e após a biópsia e
  • Jejum de pelo menos 4 horas.

Para maiores informações procure seu médico urologista.

Pode lhe interessar também: Biópsia da próstata: como é feito o procedimento?

Hemofilia tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Hemofilia não tem cura, pois trata-se de uma doença genética. O tratamento da hemofilia é feito através da reposição do fator de coagulação deficiente (VIII, na hemofilia A ou IX, na hemofilia B), tendo como objetivo prevenir ou tratar as hemorragias.

A administração do fator de coagulação é feita por via endovenosa, em que são injetados no/a paciente concentrados dos fatores coagulantes deficientes, 1 a 3 vezes por semana.

Os concentrados podem ser obtidos a partir do plasma sanguíneo humano ou através de técnicas de engenharia genética.

O produtos derivados do plasma humano são produzidos com o plasma de doadores de sangue e são considerados bastante seguros.

Já os concentrados produzidos por meio da engenharia genética são altamente purificados e a técnica permite desenvolver produtos ainda mais elaborados, com fatores de coagulação de duração mais longa, mais potentes e com menos chances de rejeição.

O tratamento preventivo da hemofilia melhora a qualidade de vida do/a paciente, permitindo uma rotina praticamente normal nas atividades de vida diária e até a prática de atividade física moderada.

 O/a médico/a hematologista é o especialista responsável pelo tratamento da hemofilia.

Leia também: O que é hemofilia e quais os sintomas?

Vou fazer Papanicolau, será que vai doer?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Papanicolau é um exame que incomoda um pouco, pode até ser um pouco doloroso, mas a maioria das mulheres sente apenas desconforto, independente disso ele precisa ser feito, é muito importante que você faça.

Quando deve-se começar a fazer o exame de próstata?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A idade ideal para começar a fazer o exame de próstata é entre 40 e 45 anos (antes caso haja casos de câncer de próstata na família), mesmo que não sinta nada. O exame é preventivo, então deve ser feito independente do que você sente, o melhor é fazer antes de você sentir alguma coisa.

Baço inchado: o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Baço inchado ou aumentado é uma condição denominada esplenomegalia. Existem diversas doenças e condições que podem causar o aumento do baço, tais como:

  • Infecções (mononucleose, tuberculose, HIV/AIDS);
  • Câncer (linfoma, leucemia);
  • Alcoolismo;
  • Malária, leishmaniose e leptospirose;
  • Doenças hematológicas (anemias, talassemia);
  • Doenças reumatológicas (lúpus, artrite reumatoide);
  • Insuficiência cardíaca congestiva;
  • Comprometimento hepático (cirrose hepática, trombose das veias hepáticas, hepatites);
  • Cisto pancreático,
  • Endocardite bacteriana;
  • Brucelose, sífilis, esquistossomose, sarcoidose;
  • Doença de Gaucher, doença de Niemann-Pick;
  • Cistos ou abscessos no baço, hemangiomas.
Baço

Muitas vezes, o inchaço do baço provoca uma sensação de peso ou desconforto na porção superior esquerda do abdômen, aonde está localizado, no entanto, nem sempre vem acompanhada por outros sinais e sintomas.

Sinais e sintomas de baço aumentado

Quando presentes, os sinais e sintomas podem ser de: inchaço abdominal, dor abaixo das costelas do lado esquerdo (região do baço), febre, palidez, fraqueza, cansaço e sensação rápida de saciedade, uma vez que o baço aumentado, acaba por comprimir o estômago.

Em casos raros de esplenomegalia, o baço pode se romper espontaneamente ou após pequenos traumas. Trata-se de uma emergência médica que requer tratamento urgente para evitar grandes hemorragias e risco de óbito. O baço também pode se romper espontaneamente quando se expande rapidamente, como na mononucleose infecciosa.

Como saber se o baço está inchado?

Um baço normalmente mede cerca de 13 cm e não é possível palpá-lo devido a sua localização. Porém, quando ele está inchado, é possível senti-lo durante a palpação. O baço aumentado pode ser notado pela presença de uma saliência na parte superior esquerda do abdômen.

Contudo, pode ser difícil palpar o baço em pessoas obesas, com musculatura abdominal desenvolvida ou quem têm dificuldade em relaxar os músculos do abdômen durante o exame.

Qual é a função do baço?

Este órgão desempenha funções importantes no organismo, relacionadas com o sistema imunológico, nosso sistema de defesa,e na composição do sangue.

No sistema imunológico, o baço atua no amadurecimento e no armazenamento de anticorpos, e por isso a ausência do baço aumenta o risco de infecções bacterianas e requer tratamento preventivo com antibióticos.

No sangue, o baço atua identificando e filtrando os micro-organismos que encontra na corrente sanguínea e remove e elimina também as hemácias danificadas e/ou envelhecidas. Além disso, o baço atua como um grande depósito de sangue, que pode ser utilizado pelo corpo em casos de hemorragias.

O aumento do tamanho do baço é diagnosticado pelo exame físico e confirmado por exames de sangue e de principalmente de imagem.

É importante ressaltar que a esplenomegalia não é uma doença, mas sim um sinal. O tratamento depende da causa e só em casos raros a remoção cirúrgica do órgão será indicada.

Em caso de baço inchado, consulte um médico clínico geral, médico de família ou hematologista para que a causa da esplenomegalia seja identificada e tratada.

Melhores posições para engravidar: isso existe mesmo?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não existem estudos científicos que comprovem uma determinada posição como melhor para engravidar, principalmente porque a fertilidade está relacionada a diversos fatores, por exemplo, a posição do útero.

Entretanto, um grupo de pesquisadores franceses, publicou em 2011 um estudo sobre o tema, no qual concluiu que as melhores posições para engravidar seriam a de "missionário" e "de quatro", pois durante a penetração a ponta do pênis fica diretamente alinhada ao colo do útero, permitindo um alcance mais profundo do esperma. Embora confirme também, que o excesso de preocupação possa dificultar a concepção.

O fator mais importante é conhecer e assegurar relações durante o período fértil, no qual ocorre a ovulação. Para isso é preciso entender o seu ciclo menstrual e período fértil.

Saiba mais: Como calcular o período fértil?

Para que ocorra gravidez é necessário que a relação ocorra durante período fértil. 6 Dicas para Engravidar 1. Conhecimento sobre a Anatomia

É importante que homens e mulheres conheçam seus corpos, e saibam como eles funcionam. Especialmente para as mulheres, o conhecimento sobre seu corpo sempre foi um tabu; e para algumas, ainda é. Conhecer o próprio corpo e saber identificar, em seu ciclo menstrual, o período fértil e os sinais de ovulação, são primordiais para aumentar as chances de engravidar.

O muco vaginal elástico e semelhante à clara de ovo, dores abdominais de um único lado do abdômen, temperatura corporal, libido e umidade vaginal aumentadas são alguns sinais de ovulação. A presença de escape, com pequeno sangramento de cor marrom também pode ocorrer, embora não tão frequente.

Para casais que pretendem engravidar, recomenda-se intensificar a frequência das relações sexuais neste período.

2. Parar de tomar anticoncepcional

Aguarde pelo menos duas menstruações ocorrerem antes de iniciar as tentativas de engravidar. Este é um tempo adequado para que os ovários retomem suas funções hormonais normais e o endométrio, tecido que reveste internamente o útero, volte a crescer. Com a recuperação da espessura do endométrio, o útero estará mais preparado para receber o óvulo fecundado. Estudos mostram que a chance de os abortos espontâneos ocorrerem é de 10 a 15% quando a mulheres engravidam logo após a suspensão do uso de anticoncepcional, o que se deve ao fato de o endométrio ainda estar muito fino para sustentar o óvulo.

3. Evitar fumar e/ou utilizar outras drogas

O tabagismo e/ou o uso de outras drogas podem alterar a qualidade dos óvulos e comprometer a fertilidade.

4. Ter cuidado com o peso e a alimentação

O peso interfere na fertilidade. Se o seu Índice de Massa Corporal está muito abaixo ou muito acima da faixa normal, poderá levar mais tempo para conseguir engravidar. Buscar uma alimentação saudável com orientação do nutricionista ajudará a construir um bom plano alimentar que pode tornar seu organismo mais saudável e facilitar a ocorrência de gravidez.

5. Fazer um check-up ginecológico

Informar à ginecologista que você e seu parceiro pretendem engravidar é importante. A partir desta informação, o(a) médico(a) já efetua o exame ginecológico preventivo e os demais exames necessários (hemograma, dosagem de hormônios, entre outros), antes da gestação.

Além disso, poderá oferecer reposição de vitaminas indicados para evitar complicações no neurodesenvolvimento fetal.

6. Ter atenção à idade

O fator isolado mais importante que pode comprometer a fertilidade feminina é a idade. Mulheres com idade superior a 35 anos com tentativas de engravidar durante 6 meses sem sucesso, devem buscar o especialista em fertilidade para não perder muito tempo. Se houver ovários policísticos ou problemas nas trompas, ou o homem apresentar problemas com sêmen, não se deve esperar este prazo de seis meses. O correto é procurar rápido um especialista.

A decisão de engravidar deve ser um plano comum do casal. Ambos devem estar dispostos a cuidar de sua saúde para promover a gestação. É importante que procurem orientação médica e sigam as recomendações para evitar problemas de saúde, preservar a saúde da mãe e do feto e fortalecer os vínculos afetivos.

Para saber mais: Quero engravidar: o que devo fazer?

Como é o tratamento da endocardite bacteriana?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tratamento da endocardite infecciosa, antigamente conhecida por bacteriana, pode envolver:

  1. Internação hospitalar
  2. Antibióticos por via endovenosa
  3. Cirurgia (20 a 40% dos casos)
  4. Profilaxia

A internação e antibioticoterapia endovenosa estão indicadas para 100% dos casos, com objetivo de tratar a infecção e reduzir o risco de mortalidade. Antes da descoberta desta medicação, todos os casos evoluíam para óbito.

A cirurgia está indicada para alguns casos, com critérios bem definidos, como por exemplo, presença de grandes vegetações, cardiopatia grave, válvulas protéticas com necessidade de troca, casos pouco responsivos ao tratamento medicamentoso, entre outros.

Quanto a profilaxia com antibióticos, apesar de bastante controversa, está indicada como tratamento preventivo nos casos de: pacientes com alto risco de endocardite, por lesões cardíacas e ou valvares, que serão submetidos a procedimentos dentários aonde haverá manipulação da gengiva ou região periapical dos dentes, ou ainda quando a mucosa é perfurada.

Outros cuidados

Importante tratar de infecções em outras partes do corpo para que as bactérias e outros germes não permaneçam na corrente sanguínea, facilitando uma infecção cardíaca quando houver possibilidades. Uma das formas de prevenir é fazer os tratamentos de forma correta e completa.

Manter cuidados com os dentes e acompanhamento com dentista, regularmente.

Não usar antibióticos por conta própria, ou interromper o seu uso antes do programado.

Diagnóstico

O diagnóstico da endocardite é realizado por meio de exames de sangue, eletrocardiograma, ecocardiografia, raio-X, tomografia computorizada e/ou ressonância magnética.

A gravidade da endocardite infecciosa depende muito do tipo de bactéria, ou outro germe, que esteja causando a infecção, além das condições clínicas do paciente. Existem casos de elevada toxicidade que evoluem em dias ou semanas, com destruição da válvula cardíaca e infecção generalizada (sepse). Em outros, a endocardite evolui depois de semanas ou meses e raramente causa sepse.

Sem tratamento adequado e iniciado de forma precoce, a endocardite infecciosa pode danificar ou destruir as válvulas do coração, causando insuficiência cardíaca e morte. Outras complicações incluem ainda embolia, acidente vascular cerebral (derrame), infecção generalizada e lesões em outros órgãos.

Na suspeita de endocardite infecciosa procure imediatamente uma emergência médica.

Saiba mais em: Quais os sintomas da endocardite bacteriana?

Dores de cabeça: pressão na cabeça, dor de um lado, frequente, latejante, dor nos olhos, na testa... Como identificar e tratar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A identificação e o tratamento para cada dor de cabeça, começam pela avaliação das suas características, o tipo de dor, localização e sintomas associados.

1. Pressão na cabeça ou dor em aperto

A cefaleia tensional é uma dor de cabeça do tipo aperto ou pressão, geralmente causada por ansiedade, tensão muscular, cansaço físico ou mudanças de temperatura repentina. Outras causas possíveis são os problemas de coluna e pressão alta.

A dor é causada pela contração dos músculos e pode ser aliviada quando "apertam" as têmporas com a ponta dos dedos.

O tratamento é feito com repouso em ambiente calmo, medicamentos analgésicos, relaxante muscular, além de tratar a causa do problema. Nos casos de ansiedade, procurar tratamento com psicoterapia e atividade física prazerosa.

2. Dor só de um lado

A dor de um lado só, direito ou esquerdo, que sempre muda de localização sugere um quadro de ansiedade ou tensão muscular (chamada cefaleia tensional).

A tensão muscular costuma ocorrer em situações estresse, preocupações ou até por posturas inadequadas de trabalho, muito tempo na mesma posição e/ou treinos intensificados.

O tratamento é feito com relaxante muscular e fortalecimento da musculatura através da fisioterapia.

Contudo, a dor relacionada a tensão muscular, ansiedade e por vezes, por pressão alta, varia de localização e intensidade. Sendo assim, quando uma dor permanecer em um único lado, com início já na idade adulta e sem melhora com medicamentos, pode ser um sinal de gravidade, por isso está recomendado procurar um neurologista para melhor investigação.

3. Dor de cabeça frequente

A dor de cabeça frequente, todos os dias, sugere pressão alta, um quadro de cansaço físico e mental (estafa) ou problemas de visão.

Na pressão alta, a dor de cabeça costuma ser constante, em aperto ou pressão, em toda a cabeça, de embora habitualmente seja descrita na nuca. Pode ter início ainda pela manhã e vir associada a náuseas, vômitos e mal-estar.

O tratamento é feito com mudança de hábitos de vida, mantendo boa alimentação e atividade física regular, além de usar corretamente as medicações anti-hipertensivas.

O cansaço físico e mental, ou estafa, como é conhecido popularmente, é a sobrecarga do organismo, e tem como sintomas, dor de cabeça frequente, tipo aperto, localizada por toda a cabeça ou na região das têmporas, associada a sensação de desânimo, dores no corpo, falta de apetite e humor deprimido.

O tratamento é feito com repouso, alimentação balanceada, reposição de vitaminas quando preciso e beber bastante água. Pode ser preciso as atividades diárias ou de trabalho, se forem a causa do problema.

Problemas de visão como miopia, uso incorreto dos óculos ou trabalho por horas em ambientes luminosos como o uso de computadores, causam dores de cabeça com frequência. A dor é mais comum no final do dia, após o esforço excessivo, localizada na região "atrás dos olhos", testa ou nuca.

O tratamento se baseia no uso correto dos óculos e orientações de descansar a vista por 10 a 15 minutos, várias vezes durante o dia. Nos casos de maior intensidade, o uso de analgésicos comuns, aliviam mais rapidamente a dor, durante uma crise.

4. Dor de cabeça latejante ou pulsátil

A principal representante da dor tipo pulsátil e latejante é a enxaqueca.

Enxaqueca é uma dor de cabeça crônica, caracterizada por ser de um único lado, que varia a cada episódio de dor e que piora com a luz e com o barulho. Geralmente é associada a náuseas, vômitos e mal-estar.

O tratamento da crise pode ser feito com uma das 5 classes de medicamentos aprovados no Brasil: analgésicos comuns, anti-inflamatórios não esteroidais, ergotamínicos, antagonistas dopaminérgicos e triptanos. Além disso, o repouso em ambientes calmos e escuros ajudam no alívio da dor.

Nos casos de enxaqueca crônica (mais de 3 meses consecutivos de dor), é indicado tratamento preventivo, sendo as medicações de mais eficazes, o Topiramato® e a aplicação de toxina botulínica tipo A.

Outras opções que podem ser utilizadas, dependendo de casa caso, são os corticoides, antidepressivos e mais recentemente, os anticorpos monoclonais.

Saiba mais sobre esse tratamento no artigo: Qual é o tratamento da enxaqueca?

5. Dor nos olhos

A dor de forte intensidade, na região de um dos olhos, associada a lacrimejamento, vermelhidão, congestão nasal e coriza, sugere a cefaleia em salvas, ou cluster.

Um tipo de dor de cabeça mais comum nos homens jovens, sem causa definida, e que dura pouco tempo, com longos períodos de calmaria, no entanto, durante a crise, a dor é considerada uma das piores dores já sentidas na medicina.

O tratamento mais eficaz na crise, é o oxigênio nasal e para tratamento de manutenção, a Indometacina, com objetivo de diminuir a sua frequência.

A neurite óptica é outra causa de dor em um dos olhos, de início súbito, associado a dificuldade visual ou cegueira total desse olho. Uma causa comum é a esclerose múltipla. A crise deve ser tratada o quanto antes, com corticoterapia ou imunoglobulina, para evitar sequelas.

Nos casos de dengue, zika, sinusite, entre outros processos infecciosos ocorrem episódios de dores na região dos olhos, mais descritas como "atrás dos olhos", porém vem associada a febre, mal estar, manchas na pele e falta de apetite, auxiliando no correto diagnóstico. O tratamento depende de repouso, hidratação e alimentação saudável.

6. Dor na testa

A dor na testa é típica da sinusite. O processo inflamatório, com o acúmulo de líquido e edema em um dos seios da face. A dor de cabeça se localiza no meio da testa ou na maçã do rosto, uma dor do tipo em aperto, que piora quando abaixa a cabeça ou movimenta rápido.

Pode vir ou não acompanhada de febre. O diagnóstico é clínico, não é preciso a exposição ao Raio-X, a menos que haja alguma dúvida.

O tratamento deve ser feito com antibióticos e limpeza nasal constante.

7. Dor na nuca

A dor na nuca está popularmente associada ao aumento da pressão arterial, e realmente é uma das principais causas. Portanto, a pressão deve ser sempre aferida, mas o torcicolo, enxaqueca e ansiedade também podem causar dores na nuca.

O tratamento da pressão alta deve ser o uso correto da sua medicação anti-hipertensiva. Alem disso, é fundamental informar ao seu cardiologista sobre a dor, pois pode ser necessário um ajuste da dose da medicação.

Nos casos de contratura muscular, o uso de um relaxante muscular pode resolver rapidamente o problema. Um relaxante muscular bastante utilizado é a ciclobenzaprina.

Vale ressaltar que pessoas com miastenia gravis ou outras doenças que atingem o músculo, não podem usar esse tipo de medicação! As opções para esse caso, são o repouso, colar cervical, para evitar movimentar e contrair ainda mais, e os tratamentos alternativos como a yoga, meditação e a osteopatia.

8. Dor de cabeça e muito sono

Até que prove o contrário, e antes de tomar qualquer medicação, a mulher que apresente dores de cabeça associada a sono, deve descartar a possibilidade de uma gravidez.

Na gestação, devido à ação dos hormônios e a vasodilatação natural da mulher, é muito comum a presença de dores de cabeça. O uso de anti-inflamatórios na gravidez é contraindicado, devido ao risco de sangramento e aborto, por isso, não tome uma medicação se houver essa possibilidade.

A hipertensão também pode causar dores de cabeça e cansaço extremo, que pode ser confundido pelo paciente, por sono. Sendo importante pessoas hipertensas em qualquer situação de dor de cabeça, medir a sua pressão.

9. Dor de cabeça e febre alta

A dor de cabeça é esperada em uma situação de febre alta, no entanto, as infecções cerebrais como a meningite e a encefalite, tem um alto risco de mortalidade.

A meningite é uma doença grave, com alto risco de mortalidade, caracterizada pela infecção das meninges, película que recobre o cérebro. A encefalite é a infecção que atinge todo o cérebro. Os sintomas em ambos os casos são de dor de cabeça intensa, febre alta e rigidez de nuca. O pescoço fica tão rígido que a pessoa é incapaz de encostar o queixo no peito.

O tratamento é feito com antibioterapia venosa e isolamento, para não infectar outras pessoas, e deve ser iniciado assim que for suspeitada a doença para evitar sequelas.

Na suspeita de uma dessas doenças, procure imediatamente uma emergência médica.

10. Pior dor de cabeça da vida!

A dor de cabeça relacionada ao aneurisma cerebral costuma ser descrita como a pior dor de cabeça da vida, ou como uma "bomba explodindo dentro da cabeça".

O aneurisma cerebral é uma malformação no vaso sanguíneo do cérebro, que não causa nenhum sintoma até que se rompa, mesmo que parcialmente, permitindo que o sangue saia do vaso e atinja o cérebro, causando uma grande irritação química.

Os sintomas são de dor intensa na cabeça, de início súbito associado a vômitos e rigidez de nuca. Na suspeita de um aneurisma, procure imediatamente uma emergência. O tratamento definitivo é cirúrgico.

Quando procurar uma emergência?

Os sinais de alerta, que indicam a necessidade de procurar imediatamente um serviço de emergência, são:

  • Dor de cabeça com febre alta (mais de 39º),
  • Dor de cabeça de início após os 50 anos de idade,
  • Dor de cabeça associada a alteração de visão (visão dupla ou cegueira),
  • Dor de cabeça com rigidez de nuca (pescoço duro) e
  • Dor de cabeça associada a desorientação ou confusão mental.

Leia também:

Referência:

Sociedade Brasileira de Cefaléia.