Perguntar
Fechar

Obesidade

Fimose ou hipotireoidismo interfere no tamanho do pênis?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O tamanho do pênis está ligado a vários fatores, sendo que o principal é o genético. Cirurgia de fimose não interfere com o crescimento do pênis. Hipotireoidismo não interfere com o crescimento do pênis (porque seu filho toma remédio e deve estar controlado). Talvez a única medida que pode ser adotada e que pode resultar em alguma mudança é a perda de peso. A pessoa que está acima do peso tende a produzir na gordura periférico o hormônio feminino estrogênio que pode interferir com o desenvolvimento das características sexuais secundárias (o que inclui parte do desenvolvimento do pênis)

Qual o peso ideal na gravidez? Como calcular?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O peso ideal na gravidez varia muito ao longo de toda a gestação, portanto é recomendável que você acompanhe passo a passo com um ginecologista, em seu pré-natal. Existem, também, muitas calculadoras disponíveis online que podem ajudá-la, mas jamais substituem a consulta médica. Uma coisa, entretanto, é certa: você vai engordar, consideravelmente. O ganho de peso é necessário porque seu corpo está crescendo e mudando, para proporcionar as melhores condições ao bebê.

Esses quilos extras podem ser explicados aqui:

  • Quando o bebê nasce, ele vai pesar aproximadamente 3,5 kg;
  • No decorrer da gravidez, a camada muscular do útero aumenta significativamente, passando a pesar entre 900 g a 1,2 kg a mais;
  • A placenta, que dá a nutrição para o bebê, pesa mais ou menos 700 g ao final da gravidez, sendo que em alguns casos pode pesar 1 kg;
  • Os seios ficam maiores, podendo pesar mais 400 g;
  • Há um acréscimo do volume de sangue em circulação no corpo; mais 1,2 a 1,5 kg de sangue.
  • O organismo acumula mais líquidos, e também existe o líquido amniótico, chegando a um valor médio extra de 2 kg;
  • Na gravidez, o corpo armazena em média 4 kg de gordura para garantir energia na fase da amamentação.

Tendo em conta estes cálculos, quando a gravidez termina, a gestante estará pesando mais 13 kg do que pesava antes. É certo que isto é uma estimativa, e existem fatores que podem causar variações, mas o aumento de peso está fortemente relacionado com o IMC da gestante antes da gravidez.

Calculando o seu IMC:

É necessário saber o IMC de antes da gravidez porque, quanto maior o IMC no início, menos peso a mulher deve ganhar durante a gravidez. O IMC é calculado em função da altura e peso antes da gravidez. É possível usar calculadoras de IMC disponíveis em sites e aplicativos, ou da seguinte forma:

1. Divida seu peso pela sua altura (por exemplo: 55 kg / 1,70 m) = 32,35 kg/m. 2. Divida o resultado da operação "1" pela sua altura, novamente. Portanto:  32,35 / 1,70 = 19 kg/m2. Esse é o seu IMC.

Classificação pelo IMC (OMS):

  • < 16 =  Magreza grave;
  • 16 a <17 =  Magreza moderada;
  • 17 a <18,5 =  Magreza leve;
  • 18,5 a <25 = Saudável;
  • 25 a < 30 = Sobrepeso;
  • 30 a < 35 = Obesidade Grau I;
  • 35 a < 40 = Obesidade Grau II (severa);
  • ≥ 40 = Obesidade Grau III (mórbida).

O IMC antes de engravidar revela quanto a gestante deve engordar. A recomendação é que as mulheres calculem o ganho de peso ideal com base no IMC antes da gravidez. Quanto mais acima do peso a mulher estiver antes de engravidar, menos deve engordar na gravidez.

  • IMC inicial de menos de 18,5 -- ganho de peso ideal: 13 kg a 18 kg;
  • IMC inicial de 18,5 a 25 -- ganho de peso ideal: 11 kg a 16 kg;
  • IMC inicial de 25 a 30 – ganho de peso ideal: de 7 kg a 11 kg;
  • IMC inicial acima de 30 – ganho de peso ideal: de 5 kg a 9 kg.

Leia também: Qual o peso mínimo para poder engravidar?

Obs.: Quando as mulheres têm menos de 20 anos, é recomendado engordar o maior número de quilos dentro da faixa de peso ideal para seu IMC (consulte gráficos específicos para cada idade).

É importante ter uma alimentação balanceada, para que não se acumule excesso de gordura e o bebê se desenvolva com saúde. O consumo de bolos, bolachas, sorvetes e doces, e outras coisas pouco nutritivas deve diminuir.

Quando uma mulher está muito abaixo do peso normal, não deve tentar engravidar, pelo menos até atingir o mínimo normal, ou seja IMC superior a 18,5. Estando abaixo do peso normal, a fertilidade é afetada e o bebê pode nascer muito pequeno.

As gestantes devem buscar conselhos com o obstetra ou nutricionistas para se informar a respeito da alimentação recomendada para ela e para o bebê. Saber as informações nutricionais sobre os alimentos e o número de refeições também é importante.

Normalmente, uma mulher grávida precisa de cerca de 2.000 calorias por dia, e mais 200 calorias extra nos últimos 3 meses. Uma alimentação equilibrada é aquela que tem cinco porções de frutas, verduras e legumes por dia, com alimentos de todos os grupos:

  • Proteínas: carne, peixe, ovos e grãos;
  • Cálcio: presente principalmente nos derivados de leite;
  • Gorduras (preferencialmente as não-saturadas): presentes nas castanhas (amêndoas, castanha de caju) e no azeite. Os derivados de leite e as carnes também fornecem a gordura de que você e o bebê vão precisar;
  • Carboidratos: pão, macarrão, arroz, feijão e cereais em geral, mas com moderação. Produtos integrais são melhores que os feitos com farinha branca. Além de mais saudáveis, os produtos integrais prolongam a sensação de saciedade.
Quais os remédios que engordam e emagrecem?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Vale lembrar que descreveremos alguns medicamentos que podem aumentar ou diminuir o peso, pelas evidências médicas e efeitos colaterais já descritos nas bulas, porém nem todos os pacientes apresentam os mesmos efeitos ou nem sempre com a mesma intensidade.

Dentre os remédios que podem fazer engordar estão:

  • Antidepressivos tricíclicos (Amitriptilina, Nortriptilina): Aumentam o apetite, levando ao ganho de peso.
  • Antidepressivos - Inibidores de recaptação de serotonina (Fluoxetina, Paroxetina): Principalmente após algum tempo de uso, podem aumentar o peso pelo aumento de apetite e retenção de líquido;
  • Anti-histamínicos (Cetirizina, Fexofenadina): São os medicamentos "antialérgicos", também aumentam o apetite;
  • Antipsicóticos (Olanzapina, Risperidona): Usados no tratamento da esquizofrenia, transtorno bipolar, psicose e transtorno obsessivo compulsivo, podem aumentar o apetite;
  • Anti-hipertensivos (Atenolol, Metoprolol): Podem fazer engordar porque aumentam a sensação de cansaço, contribuindo para a falta de atividade física;
  • Corticoides: Aumentam a retenção de água no corpo, provocam resistência à insulina, estimulam o apetite e podem deixar o metabolismo mais lento;
  • Medicamentos para diabetes:
    • Glibenclamida, Glicazida, Glimepirida: Elevam as taxas de insulina no sangue, provocando aumento de apetite e acúmulo de gordura;
    • Insulina: Também pode fazer engordar, pelos mesmos motivos citados no item acima;
    • Pioglitazona e Rosiglitazona: Provocam retenção de água e afetam as células responsáveis pelo armazenamento de gordura corporal;
  • Estabilizadores de humor (Ácido Valpróico, Lítio): Aumentam o apetite;
  • Anticoncepcionais hormonais: Provocam retenção de líquidos, levando ao aumento de peso. (Não são todas as classes).

Leia também:

Existe algum remédio para engordar?

Tomar antidepressivo engorda?

Complexo B engorda?

Quais são os remédios que fazem emagrecer?

Os remédios usados para emagrecer podem ser divididos em 3 grupos principais:

  • Sacietógenos (Sibutramina): Promovem sensação de saciedade, fazendo com que a pessoa fique satisfeita com uma quantidade menor de alimento. No caso da sibutramina, ela também pode acelerar o metabolismo, aumentando assim o gasto energético;
  • Inibidores da absorção de gordura (Orlistat, Cetilistate): Inibem em até 30% a absorção de gorduras pelo intestino, auxiliando o processo de perda de peso;
  • Anorexígenos (Anfepramona, Femproporex, Mazindol): São inibidores do apetite e possuem anfetaminas em suas composições. Devido ao maior risco de efeitos colaterais, esses medicamentos geralmente só são usados quando os outros dois grupos não produziram os efeitos esperados.

Além desses medicamentos usados especificamente para emagrecer, os remédios para tireoide e os laxantes também podem provocar emagrecimento se forem usados de forma orientada para esse fim.

Porém todas as medicações que alteram o metabolismo, principalmente as que causam diminuição de peso, podem levar a efeitos colaterais graves com risco de morte, como arritmia cardíaca e morte súbita, portanto devem ser prescritos com receita médica controlada e devem ser utilizados de acordo com as orientações médicas, rigorosamente.

Também podem lhe interessar:

Sertralina emagrece ou engorda?

Clonazepan engorda?

Não quero engordar, qual pílula anticoncepcional tomar?

Sinto dores e dormência há mais de um ano nas mãos...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Você está preocupada e procurando uma causa para sua dor e dormência e como não encontra fica frustada, claro que em parte é porque além de não encontrarem uma causa os médicos, também não encontram uma solução. Precisa procurar um caminha alternativo para resolver seu problema: procure um médico homeopata, os remédios homeopáticos podem ser uma boa alternativa para você.

Como calcular o peso ideal?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O peso ideal para adultos pode ser calculado utilizando a fórmula do Índice de Massa Corporal (IMC), adotado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Para isso, basta dividir o seu peso (em quilos) pelo quadrado da sua altura (em metro). IMC = Peso / Altura2.

Por exemplo:  Uma pessoa com 1,70 metro e que tenha 70 kg tem um IMC de 24. (70 / (1,7)2 = 24). Segundo a classificação do índice de massa corporal, essa pessoa está dentro do peso ideal ou na faixa de peso saudável.

Classificação do peso pelo índice de massa corporal IMC, de acordo com a OMS:

IMC                               Classificação
menor que 16 Magreza grave
16 a 17 Magreza moderada
17 a 18,5 Magreza leve
18,5 a 25 Saudável
25 a 30 Sobrepeso
30 a 35 Obesidade Grau I
35 a 40 Obesidade Grau II (severa)
maior de 40 Obesidade Grau III (mórbida)

Assim, devemos buscar estar sempre entre 18,5 a 25, portanto, evitando estar abaixo de 18,5 e, principalmente, acima de 30.

Porém, vale ressaltar que o IMC não representa a composição de gordura corporal e massa muscular, por isso o seu resultado pode não ser exato em algumas situações. Indivíduos mais musculosos podem ter resultados que indicam sobrepeso ou obesidade, quando na verdade têm mais massa muscular e não gordura. 

Do mesmo modo, há pessoas com pouca massa muscular que podem ter um IMC considerado saudável, quando na realidade podem ter uma percentagem de gordura corporal acima do recomendado. São os chamados popularmente de “falsos magros”.

O IMC também não pode ser aplicado em crianças, pois para isso é preciso de gráficos específicos. Também não é aplicável para idosos, sendo que para eles a classificação é diferente, e em algumas etnias não é tão precisa (exemplo dos japoneses, que já podem ser considerados acima do peso saudável com um IMC de 25).

Por isso, existe uma forma melhor para determinar se uma pessoa está no seu peso ideal: o cálculo da taxa de gordura corporal. Isso pode ser feito por cálculos, bioimpedância ou ainda pelas pregas cutâneas.

Como calcular o peso ideal em crianças e adolescentes?

O cálculo do peso ideal é feito de uma forma diferente no caso de crianças e jovens adultos, pois no começo da sua vida o índice de gordura no corpo é elevado e vão ficando mais magras à medida que envelhecem. 

Também há diferenças na constituição física dos meninos e meninas. Tendo em conta todas estas diferenças, os especialistas criaram IMC por idade, criado especialmente para crianças.

Os médicos e demais profissionais nutricionistas usam gráficos de crescimento para seguir o desenvolvimento de crianças e jovens adultos dos 2 aos 20 anos de idade. O IMC por idade utiliza a altura, peso e idade de uma criança para averiguar quanta gordura corporal ele ou ela tem, comparando com os resultados com os de outros elementos do mesmo gênero e idade.

Este IMC pode ser usado para determinar a probabilidade da criança estar acima do peso quando for mais velha. Cada gráfico contém um conjunto de curvas que indica o percentil da criança. 

Por exemplo, se um garoto de 15 anos de idade está no percentil 75, isso significa que 75% dos garotos da mesma idade têm um IMC mais baixo. Ele tem o peso normal e, embora seu IMC mude durante seu crescimento, ele pode se manter nas proximidades do mesmo percentil e permanecer com um peso normal. 

A faixa de IMC normal pode ficar mais alta para as meninas conforme elas vão amadurecendo, já que as adolescentes normalmente têm mais gordura corporal do que os adolescentes. Um garoto e uma garota da mesma idade podem ter o mesmo IMC, mas a garota pode estar no peso normal enquanto o garoto pode estar correndo risco de ficar acima do peso. 

É mais importante acompanhar o IMC das crianças ao longo do tempo do que olhar um número individual, pois elas podem passar por estirões de crescimento.

Cirurgia bariátrica, quanto tempo ficar sem relação sexual?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Na verdade o problema não é a relação sexual e sim o esforço durante a relação sexual, se for algo bem tranquilo, em uma posição confortável e que você não faça muito esforço (nenhum de preferência) já poderia começar a ter relações. A partir de 60 dias estaria liberada para pequenos esforços e somente depois de 6 meses liberada para grandes esforços.

Leia também: Cirurgia de apêndice, quanto tempo posso ter relações?

Qual remédio posso usar para emagrecer?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Existem vários medicamentos e remédios para emagrecer, apesar de medicação não é a primeira escolha no tratamento da obesidade, existem outras opções que devem ser tentadas antes.

Link útil:

Obesidade – Fisiologia do Armazenamento das Gorduras
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A quantidade de pessoas obesas tem aumentado muito no Brasil. Por este motivo é considerado um problema de saúde pública.

A obesidade é um importante fator de risco para doenças cerebrovasculares e cardiovasculares, especialmente, quando associada à pressão alta e diabetes. Todas estas doenças precisam de acompanhamento médico constante. Além disso, as questões estéticas ligadas à obesidade podem ter repercussões psicológicas que também necessitam de cuidados.

Como ocorre o processo de ganho de peso?

Entender a fisiologia envolvida no processo de ganho de peso pode ajudar a prevenir a obesidade.

O nosso tecido adiposo é formado por células conhecidas como adipócitos. A principal função dos adipócitos é o armazenamento de gorduras. O tecido adiposo é encontrado em maior quantidade logo abaixo da nossa pele.  Ele se distribui de forma irregular pelo corpo (alguns lugares tem um tecido adiposo maior ) e também no abdômen em torno das nossas vísceras.

A gordura acumulada debaixo da pele tinha a função de proteger o corpo humano do frio e em conjunto com a gordura acumulada no abdômen, desempenhava  a função de servir como reserva energética em tempos de escassez de alimentos. Entretanto, com as modificações nos estilos de vida , hoje nos protegemos do frio usando roupas e nos alimentamos várias vezes aos dia, o excesso de gordura se tornou uma questão de saúde.

O acúmulo de gordura em nosso corpo é feito a partir das excesso de alimentos e do gasto de energia. Todas as vezes que gastamos menos energia e ingerimos mais alimentos que o necessário para manutenção das funções orgânicas, existe o acúmulo do excedente alimentar em forma de gordura. O nosso organismo aproveita a energia quem vem com os carboidratos (açucares), as gorduras e as proteínas.

O nosso metabolismo dá preferência sempre para os carboidratos, na falta deste, opta pela gordura para obtenção de energia e em últimos casos lança mão do uso das proteínas. O problema é que os carboidratos são armazenados em pequenas quantidades no fígado e músculos, todo o restante que sobra é transformado em gordura para formar nosso tecido adiposo. As gorduras quando ingeridas são diretamente levadas para os locais de acúmulo e as proteínas passam por processos mais específicos para que suas sobras sejam transformadas em gordura.

Este é o principio básico do acúmulo de gorduras, ganho de peso e da obesidade. Entender o funcionamento do nosso corpo pode nos ajudar a formular medidas para a perda de peso como, por exemplo, a adoção de um plano alimentar saudável, rica em carnes magras, frutas, vegetais e grãos integrais e a prática de atividade física.

Saiba mais em:

Quais os tipos de transtornos alimentares e seus sintomas?

Como é o tratamento para transtornos alimentares?