Perguntar
Fechar
Qualquer pessoa pode fazer cirurgia de redução de estômago?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não, não é qualquer pessoa que pode fazer cirurgia de redução de estômago, também chamada de cirurgia bariátrica ou gastroplastia. Existem indicações e contraindicações para a cirurgia.

A cirurgia de redução de estômago é indicada sobretudo em 2 situações:

  • Pacientes com IMC (Índice de Massa Corporal) acima de 35, que apresentam complicações decorrentes do excesso de peso, como apneia do sono, hipertensão arterial, diabetes, aumento dos níveis de colesterol e triglicerídeos, problemas articulares;
  • Pacientes com IMC superior a 40, que não tenham conseguido emagrecer com outros tratamentos.

Entretanto, cada caso precisa de uma avaliação clínico-laboratorial individualizada, além de uma avaliação psicológica.

Desde que haja indicação cirúrgica e seja feita uma avaliação clínica rigorosa, a cirurgia de redução de estômago pode ser feita praticamente em qualquer idade, desde a adolescência à terceira idade.

Quanto às restrições, a cirurgia bariátrica está contraindicada nas seguintes situações:

  • Instabilidade psicológica grave, presença de transtornos alimentares, como bulimia ou anorexia, devem ser tratados antes da operação;
  • Depressão, alcoolismo, uso de drogas;
  • Pacientes que se mostrem incapazes, devido à instabilidade psicológica, de seguir as orientações pós operatórias relativas às mudanças no estilo de vida e alimentação;
  • Gravidez;
  • Pacientes que apresentam hérnia de hiato volumosa, varizes esofágicas, doenças imunológicas ou inflamatórias do aparelho digestivo superior, que possam aumentar a predisposição a sangramentos ou outras condições de risco;
  • Doença cardiopulmonar grave e descompensadora;
  • Pacientes com alergia a algum dos componentes do sistema.

A cirurgia de redução de estômago é um procedimento complexo e que apresenta risco de complicações, sendo fundamental a mudança dos hábitos alimentares do paciente. Orientações técnicas, acompanhamento psicológico e o apoio da família também são indicados.

Também pode lhe interessar:

Que complicações podem surgir durante a cirurgia bariátrica?

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?

Remédios para emagrecer

Obesidade pode atrapalhar meus hormônios e ovulação?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, a obesidade pode interferir na produção dos hormônios e na ovulação provocando alterações no ciclo menstrual, que podem tornar-se irregulares. Além disso, a obesidade também afeta a fertilidade, dificultando uma possível gravidez.

Algumas pesquisas sugerem que a elevada quantidade de ácidos graxos livres em pessoas obesas pode ser tóxico às células ovarianas, impedindo o seu correto funcionamento. Esse processo acarreta problemas no funcionamento dos ovários, assim a mulher pode passar a apresentar mudanças no padrão menstrual e em algumas situações deixar de ovular.

Outros hormônios como a leptina, presente em grande quantidade em mulheres obesas, também interferem na produção hormonal de estrogênio e progesterona, hormônios essenciais para o correto funcionamento do ciclo ovulatório das mulheres.

Se a obesidade estiver causando amenorreia, que é a ausência de menstruação, ou dificuldade para engravidar é importante seguir um plano alimentar e um programa de exercícios físicos para ajudar a perder peso com orientação nutricional.

Quando consegue-se emagrecer o ciclo hormonal feminino, a ovulação e a fertilidade voltam ao seu funcionamento normal.

Em caso de dúvidas consulte o seu médico de família, ginecologista para mais informações.

Também pode lhe interessar:

Obesidade: como tratar?

Em gestantes obesas o parto cesária é mais indicado?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Em teoria sim, mas tudo depende da avaliação de uma série de fatores (tipo de obesidade, ganho de peso durante a gestação, tamanho e posição do bebê, doenças concomitantes e fatores de risco, disposição da paciente para parto normal, disposição do médico para parto normal...).

Auriculoterapia: o que é, para que serve e quais os benefícios?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Auriculoterapia ou acupuntura auricular é uma técnica terapêutica que considera a orelha como um microssistema em que cada um de seus pontos representa um órgão ou região corporal. É empregada no tratamento de várias enfermidades.

É uma prática integrativa e complementar que pode ser desenvolvida por profissionais de saúde especializados no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A auriculoterapia não deve substituir medicamentos ou outros tratamentos convencionais indicados para o tratamento da disfunção de saúde que você apresenta.

Indicações e benefícios do tratamento com auriculoterapia

A auriculoterapia é indicada no tratamento de enfermidades dolorosas, inflamatórias, endocrinometabólicas, geniturinárias e doenças crônicas. Além destas, estudos realizados demonstram que a auriculoterapia também tem se mostrado eficaz na melhora de diversos quadros psicoemocionais. Dentre os benefícios podemos citar:

  • Redução do estresse;
  • Melhoria dos transtornos generalizados de ansiedade;
  • Tratamento de enxaquecas;
  • Melhora de quadros depressivos;
  • Diminuição da dor em casos de fibromialgia;
  • Redução de lombalgias (dores em região lombar);
  • Tratamento da obesidade;
  • Tratamento de contraturas musculares.
Como funciona a auriculoterapia

Para a auriculoterapia, o pavilhão auricular se relaciona com todas as partes do corpo humano onde se localizam pontos específicos para estimulação neural e tratamento de diversas doenças.

Antes de realizar tratamento com auriculoterapia você passará por uma consulta na qual o terapeuta especializado buscará compreender os sinais e sintomas que você apresenta e identificará os órgãos corporais afetados.

A partir da consulta, o profissional especializado definirá os pontos mais indicados para estimulação neural e fará pressão sobre estes pontos. Para isto, pode utilizar:

  • Agulhas filiformes: estas agulhas são aplicadas sobre os pontos correspondentes das regiões corporais afetadas por um intervalo de 10 a 30 minutos.
  • Agulhas intradérmicas: esses dispositivos são inseridos debaixo da pele e deve, permanecer na orelha por cerca de 7 dias.
  • Esferas magnéticas: as esperas são colocadas nos pontos auriculares por 5 dias, em média.
  • Sementes de mostarda: as sementes de mostarda, aquecidas ou não, são posicionadas sobre a pele por 5 dias.

A auriculoterapia é um tratamento adicional que pode auxiliar na melhora do quadro clínico apresentado e na prevenção de doenças.

Pontos auriculares

Os pontos auriculares correspondem a áreas específicas na superfície da orelha que refletem todas as partes do corpo humano, o que propicia a realização do diagnóstico e tratamento de doenças a partir da intervenção clínica nestes pontos específicos.

O conhecimento da localização e da função destes pontos é de fundamental importância para o profissional que atua na área de auriculoterapia. É preciso, portanto, que este profissional seja especializado na área.

O mapa da Medicina Tradicional Chinesa, base da auriculoterapia, preconiza a distribuição dos pontos auriculares de acordo com a anatomia da orelha. Um estudo estabeleceu ainda a correlação entre a orelha e o feto na posição invertida. Por analogia, o lóbulo da orelha representa a cabeça do feto em posição intrauterina.

Vantagens da auriculoterapia

Algumas vantagens podem ser apontadas quanto ao uso da auriculoterapia:

  • Técnica pouco invasiva
  • Segura
  • Aplicação simples
  • Baixo custo econômico

A prática da auriculoterapia ou acupuntura auricular foi aprovada, a partir de 2006, pela Portaria nº 971. Esta portaria aprovou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde.

A auriculoterapia pode ser empregada como terapia coadjuvante de diversas doenças. Medicamentos e demais tratamentos convencionais não devem ser suspensos ou substituídos pela auriculoterapia.

Busque sempre um profissional especializado em auriculoterapia para realizar, acompanhar e avaliar o seu tratamento.

Como eliminar gordura no fígado?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O excesso de gordura no fígado é denominado Esteatose Hepática, ou doença hepática gordurosa (DHG). Para eliminar essa gordura é preciso identificar o que está causando esse acúmulo no fígado.

As causas mais comuns são a obesidade, diabetes, colesterol aumentado e hipertensão arterial. O consumo excessivo de álcool e outra doenças crônicas como o hipotireoidismo e a síndrome dos ovários policísticos, também são causas frequentes.

Portanto, o tratamento para esteatose hepática consiste em:

  • Iniciar dieta adequada (orientada por nutricionista ou nutrólogo);
  • Prática de exercícios físicos regularmente;
  • Mudança de hábitos e vida e
  • Tratamento das doenças responsáveis por esse acúmulo de gordura.

Vale lembrar que o uso de bebida alcoólica é totalmente contraindicado para portadores de esteatose hepática. Seja qual for a causa, o álcool prejudica ainda mais a função do fígado, aumentando o risco de complicações da doença, que pode evoluir para cirrose e/ou câncer hepático.

O médico hepatologista é o responsável pela avaliação, tratamento e acompanhamento das doenças no fígado.

4 passos que você pode começar imediatamente

A dieta deve ser orientada por um nutricionista, atendendo às necessidades específicas para cada pessoa.

Contudo, antes mesmo da avaliação nutricional, para obter um bom resultado, você deve iniciar o tratamento seguindo os 3 passos descritos abaixo:

1. Dieta para reduzir a gordura no fígado

Prefira como fonte de carboidratos: Alimentos integrais, como farelos, pães, biscoitos, leguminosas, devido a maior quantidade de fibras solúveis. As fibras solúveis são fundamentais no tratamento da esteatose hepática, porque tem a capacidade de se unir à glicose e aos lipídeos presentes no bolo alimentar, dificultando a sua absorção;

Inclua legumes e verduras: Em todas as refeições inclua ao menos uma porção de legumes e verduras (principalmente os folhosos como alface, rúcula, agrião, espinafre, brócolis e couve flor);

Consuma mais leguminosas: Como feijão, ervilhas, grão de bico, lentilhas e soja;

Aumente o consumo de frutas diariamente: Optando por frutas com menor quantidade de açúcar, como abacaxi, maçã e frutas vermelhas;

Leite e derivados devem ser desnatados e ou com o menor teor de gordura possível. Os queijos ricota e cottage são os mais aconselhados;

Evite doces e alimentos ricos em açúcar, reduzindo assim os níveis de triglicerídeos no sangue, o que pode agravar ainda mais a esteatose hepática;

Evite gordura e frituras. Procure preparar os alimentos no forno ou grelhados.

2. Prática de atividades físicas

A recomendação de atividades físicas, com bons resultados, devem ser de no mínimo 30 minutos por dia, pelo menos 5 vezes na semana. A escolha do exercício é uma escolha pessoal, mas que deve levar em conta uma avaliação profissional, para adequar a melhor opção caso a caso.

O mais importante é que seja um atividade prazerosa, aumentando as chances de uma boa adesão e boa resposta.

A perda de 3 a 5% do peso corporal em 6 meses, melhora consideravelmente os casos de esteatose leve a moderada. Para um caso mais grave, esse valor deve ser de 10% ou mais.

3. Mudança de hábitos de vida

Os principais motivos de acúmulo de gordura, estão intimamente relacionados aos hábitos de vida. Por isso é fundamental uma reavaliação e mudanças no que considera ruim, ou no que for solicitado pela equipe médica.

O tabagismo, sedentarismo e consumo de bebidas alcoólicas são extremamente desaconselháveis, assim como a alimentação gordurosa.

As doenças crônicas devem ser devidamente acompanhadas pelo médico da família, ou clínico geral, para que não chegue a uma complicação grave como a esteatose, por uso inadequado das medicações do dia a dia.

4. Tratamento das doenças responsáveis por esse acúmulo de gordura

Enquanto a doença de base não for tratada, o acúmulo de gordura poderá retornar, ou até não se modificar embora todas as outras medidas estejam sendo praticadas. Por isso passo deve ser procurar um médico clínico geral ou hepatologista para dar início ao tratamento da causa desse problema.

Tratamento de gordura no fígado

O tratamento definitivo da gordura no fígado, inclui além das medidas alimentares e de estilo de vida saudável, o tratamento da doença de base, ou seja, o que causou esse acúmulo de gordura nas células do fígado.

As causas mais comuns são: Obesidade, colesterol aumentado, diabetes e hipertensão arterial. Existem ainda as doenças e síndromes onde a esteatose hepática faz parte dos sinais e sintomas encontrados (hepatite C, hipotireoidismo, síndrome dos ovários policísticos e síndrome da apneia do sono) e o uso crônico de medicamentos (amiodarona®, tamoxifeno®, corticosteroide®, estrogênio® e esteroides anabolizantes).

Para cada caso existe um tratamento específico que será determinado pelo médico hepatologista ou médico da família que o acompanha.

Obesidade

Essa é a causa mais comum para o acúmulo de gordura no fígado, é preciso iniciar as medidas gerais, com dieta orientada e prática de exercícios, além da avaliação de medicamentos e cirurgia bariátrica. Opções que cabe ao médico endocrinologista junto com o cirurgião avaliar.

A medida de IMC (índices de massa corpórea), fatores de risco e condições de saúde do paciente, são os elementos que direcionam esse tratamento.

Colesterol aumentado

Para o controle do colesterol, além das medidas dietéticas e mudanças de hábitos, podem ser prescritos medicamentos que auxiliam nessa redução. A estatina® é a medicação mais utilizada para esse fim.

Diabetes mellitus

A diabetes é uma doença que apesar de não ter cura, tem tratamentos cada vez mais avançados, com a vantagem de bons resultados e menos efeitos colaterais. Pode ser tratada inicialmente apenas com dieta e atividades físicas, e nos casos mais avançados ou mais resistentes, com medicamentos hipoglicemiantes (metformina®, forxiga®, galvus®, entre outros) ou Insulina®.

Sendo assim, o principal é manter o acompanhamento regular com médico endocrinologista e usar a medicação de forma correta.

Hipertensão arterial

A hipertensão arterial também é uma doença crônica, que exige que o tratamento seja seguido rigorosamente, com uso do medicamento todos os dias, sem esquecimento, e acompanhamento médico, para evitar oscilação da pressão e complicações por esse motivo.

Saiba mais no link: Qual o tratamento e prevenção para hipertensão arterial?

Hepatites virais

As hepatites são infecções virais que acometem as células do fígado, causando danos e substituindo por gordura. O tratamento depende do tipo de vírus e gravidade, devendo ser avaliado pelo médico hepatologista, caso a caso.

A hepatite B e C são as mais associadas à esteatose hepática.

Hipotireoidismo

O hipotireoidismo é uma doença autoimune, onde a produção dos hormônios da tireoide é deficiente. O tratamento consiste em repor esses hormônios através de medicamentos orais. O controle das taxas hormonais resolve por completo o acúmulo da gordura, quando for esse o motivo da doença. O médico endocrinologista é o responsável por esse tratamento.

Síndrome dos ovários policísticos (SOP)

A SOP é um distúrbio hormonal, aonde uma dos principais sintomas é a obesidade, por isso, a presença da esteatose hepática não é incomum. O tratamento é baseado em controle e equilíbrio hormonal com anticoncepcionais, e tratamento dos sintomas que aparecem.

O médico ginecologista é o responsável pelo diagnóstico, tratamento e acompanhamento da síndrome.

Síndrome da apneia do sono

Os transtornos do sono, como a apneia do sono (pausas na respiração durante o sono), é mais uma situação que cursa com o acúmulo de gordura no corpo, e pode ser curado com o tratamento adequado. Nos casos mais leves, a dieta, prática de atividades físicas e alguns ajustes de posicionamento e higiene do sono resolvem o problema. Outros casos podem precisar de um aparelho para auxiliar na respiração enquanto dormem, o CPAP (pressão positiva contínua das vias aéreas).

O médico especialista no sono (neurologista, otorrinolaringologista ou pneumologista) saberão definir a melhor orientação para cada caso.

Saiba mais no link: Apneia do sono tem cura? Qual o tratamento?

Uso de medicamentos (amiodarona®, tamoxifeno®, corticosteroide®, estrogênio® e esteroides anabolizantes)

Se for observado o uso de medicamentos como possíveis causadores da esteatose, deverá ser discutido com o médico que o prescreve, a possibilidade de troca da medicação ou ajuste de doses. Claro que dependerá do que vem tratando, dos riscos e benefícios dessa mudança.

Cabe aos médicos decidirem a opção mais acertada.

Existe algum remédio para gordura no fígado?

Sim, existem alguns remédios indicados, principalmente em casos mais avançados de gordura no fígado, porém sem um consenso bem definido pelos médicos especialistas.

Vitamina E

A vitamina E, é um dos medicamentos propostos por grupos de médicos especialistas, mas apenas para pacientes com a doença confirmada por biópsia ( exame que nem sempre é necessário). No entanto, existem efeitos colaterais indesejados, além disso, não há evidências para essa recomendação em pacientes diabéticos ou cirróticos.

Pioglitazona®

A pioglitazona®, outra medicação que pode ser usada para tratar esteatose associada a hepatite, com comprovação por biópsia. O seu uso está associado a melhora da inflamação e queda das taxas das enzimas produzidas no fígado. Entretanto, também não foi testada para pacientes com diabetes, portanto, a segurança e eficácia a longo prazo para o uso nesses pacientes não está estabelecida, não sendo indicada.

Outros hipoglicemiantes como a Metformina® tem resultados controversos, por isso seu uso é discutível.

Estatinas®

Já as estatinas® podem ser consideradas como uma boa opção de tratamento, principalmente para aqueles com níveis de colesterol aumentado, com objetivo de reduzir os riscos de doenças cardiovasculares.

Ômega 3

Alguns trabalhos mostraram benefícios do ômega 3 nos casos de esteatose, mas não de suas complicações, como a esteato-hepatite.

O uso de medicamentos prebióticos, probióticos e suplementos ainda não apresentam dados científicos que suportem a sua recomendação no tratamento da esteatose.

Cuidado com os remédios caseiros

O melhor tratamento caseiro é mesmo o aumento da ingesta de água e seguir as orientações alimentares de um profissional dessa área, o nutricionista.

Especialistas comprovam que o uso de produtos "naturais" vem crescendo em larga escala, devido a crença de que sendo naturais não teriam efeitos colaterais, entretanto, já foram comprovados diversos casos de hepatite medicamentosa pelo uso de chás e ervas medicinais.

Portanto, recomendamos que não faça uso de nenhum produto, mesmo que pareça inofensivo, antes de informar e ser esclarecido pelo médico de família ou hepatologista.

Como eliminar a gordura no fígado de maneira rápida?

Para acelerar o tratamento, uma forma é informar ao profissional do esporte que o acompanha, de que teve esse diagnóstico. Sabendo da esteatose hepática, o profissional poderá planejar um treino mais direcionado para aumento de perda calórica, de forma segura e adequada para cada pessoa.

Outra maneira é consultar um médico nutrologista, que poderá acrescentar um tratamento específico, medicamentoso, para o seu caso.

Vale ressaltar, que a esteatose hepática se não tratada de maneira correta, pode evoluir para cirrose ou câncer de fígado. Doenças graves, potencialmente fatais.

Por isso, se recebeu esse diagnóstico, comece o quanto antes o seu tratamento, siga rigorosamente as orientações do seu médico e nutricionista, para evitar prejuízos irreparáveis na sua saúde.

Obesidade: quais são os seus sintomas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os sintomas de obesidade incluem além do aumento de peso, cansaço excessivo, fome constante entre as refeições e sintomas gerais, citados mais detalhadamente a seguir.

Sintomas gerais da obesidade
  • Cansaço fácil;
  • Sono excessivo;
  • Suor excessivo;
  • Pernas inchadas e pesadas;
  • Sensação de fome constante entre as refeições;
  • Respiração ofegante.
Como saber se tenho obesidade?

A maneira mais simples e eficaz para definir a obesidade é através do cálculo do IMC (Índice de Massa Corporal), calculado utilizando a altura e o peso do indivíduo, da seguinte maneira:

IMC = peso (kg) / altura (m)².

Segundo a SBEM (sociedade brasileira de endocrinologia e metabologia) e Ministério da saúde, a obesidade é definida pelo IMC acima de 30 kg/m². Os valores entre 25 e 29,9 kg/m² caracterizam o sobrepeso e a faixa considerada normal de peso, varia entre 18,5 e 24,9 kg/m²

O que é obesidade?

Trata-se de uma doença crônica, assim como a hipertensão e a diabetes, que ainda não tem cura, e dados de 2017 já apontavam para taxas de sobrepeso e obesidade atingindo mais da metade da população brasileira. Índices que continuam crescendo.

A doença aumenta os riscos de outras doenças graves como diabetes e câncer, por exemplo. Portanto, diversas campanhas têm sido realizadas, no intuito de reduzir essa estatística, auxiliar a população na prevenção e tratamento da doença, desde a infância.

Doenças relacionadas à obesidade

Algumas doenças podem ser provocadas pela obesidade, como:

  • Hipertensão arterial;
  • Diabetes;
  • Colesterol elevado;
  • Baixa autoestima;
  • Redução da expectativa de vida;
  • Disfunções renais;
  • Artrose;
  • Varizes;
  • Problemas cardiovasculares;
  • Dificuldade respiratória e cansaço;
  • Maior tendência de câncer, especialmente câncer de intestino e reto.

Os sintomas gerais da obesidade precisam ser avaliados considerando-se os fatores genéticos, ambientais, estilos de vida e psicossociais. Prevenir a obesidade também ajuda a evitar doenças que reduzem a qualidade e expectativa de vida das pessoas obesas.

Para detectar e tratar a obesidade busque orientação profissional de médicos/as e nutricionistas. A SBEM sugere a avaliação pelo IMC em todas as crianças a partir dos 5 anos de idade.

Leia também:

Você sabe calcular o seu IMC?

Obesidade - Fisiologia do armazenamento das gorduras

Açúcar demerara é bom para a saúde? Engorda?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Nenhum tipo de açúcar (mascavo, demerara, cristal, refinado) é benéfico para a saúde. Embora passe por um processo de refinamento leve no qual não são utilizados aditivos químicos, o uso sem moderação de açúcar demerara pode sim levar ao aumento de peso.

Consumo de açúcar demerara e saúde Cristais de açúcar demerara

Quando comparamos o açúcar demerara ao açúcar branco, podemos dizer que o açúcar demerara é menos prejudicial à saúde. Os principais motivos para isto são:

Não contém aditivos químicos

Quanto mais branco for açúcar, mais aditivos químicos foram adicionados ao seu processo de produção. As toxinas ingeridas diariamente com os alimentos, entre elas os aditivos químicos, causam danos à saúde. Deste modo, o consumo moderado de açúcares mais escuros reduz os danos provocados ao organismo.

Possui minerais e vitaminas

Por passar por refinamento leve, algumas vitaminas e minerais presentes no açúcar demerara são preservados. Os minerais presentes em maior concentração em 100 g açúcar demerara são: potássio (346 mg), cálcio (85 mg), ferro (42 mg), o magnésio (29 mg) e o fósforo (22 mg).

Entre as vitaminas, apesar de se apresentarem em baixas quantidades, encontra-se: vitamina B1 (0,01 mg), vitamina B2 (0,01 mg) e vitamina B3 (0,03 mg). Estas concentrações de vitaminas estão presentes em 100 g açúcar demerara.

Açúcar demerara e ganho de peso

Pessoas que desejam emagrecer e preservar sua saúde não devem ingerir nenhum tipo de açúcar e nem alimentos doces. Mesmo sendo menos prejudicial, o açúcar demerara é bastante calórico. Em 100 g de demerara encontramos um total de 377 Kcal.

O consumo de açúcar estimula o aumento dos níveis sanguíneos de glicose (glicemia). Este aumento, além de ampliar o risco para o desenvolvimento de diabetes, estimula a produção de gordura pelo corpo.

Se você não consegue se manter sem consumir açúcar, o demerara é uma opção melhor para o seu organismo. Entretanto, atente sempre para as quantidades de açúcar que você ingere e procure consumir sempre menos.

O que é o açúcar demerara?

O açúcar demerara é produzido a partir do suco de cana-de-açúcar. No processo de fabricação, este suco é fervido e evaporado o que faz com que a maior quantidade de água seja retirada e fique somente os grãos de açúcar.

Por passar por uma etapa de refinamento leve e sem aditivos químicos, o açúcar demerara é composto por cristais de coloração marrom-claro e alguns de seus nutrientes são preservados. Seu sabor é delicado e mais suave que o sabor do açúcar mascavo.

O açúcar demerara, assim como o açúcar mascavo, são boas alternativas ao uso de açúcar cristal ou refinado. O açúcar demerara é também uma boa opção para quem não consegue se adaptar ao açúcar mascavo.

Pessoas diabéticas ou que apresentam resistência à insulina devem evitar consumir qualquer tipo de açúcar.

Obesidade: como tratar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento da obesidade é complexo e envolve a participação de diferentes profissionais. É feito de forma individualizada e inclui o uso de medicamentos, mudanças nos estilos de vida, especialmente na alimentação e prática de atividade física, com supervisão médica contínua para que seja seguro e eficaz.

Tratamento dietético Reeducação alimentar para adoção de hábitos alimentares saudáveis é uma importante ferramenta para o tratamento da obesidade.

O tratamento dietético consiste em implementar uma alimentação reduzida em calorias. Isto levará à redução de peso. Entretanto, este tratamento só é eficaz quando a pessoa passa por um processo de reeducação alimentar que possibilite mudanças dos seus hábitos alimentares durante toda a vida.

Assim, o planejamento alimentar deve considerar, além da quantidade de calorias, as preferências alimentares da pessoa, a sua condição financeira, o seu estilo de vida e a quantidade de energia necessária à manutenção da sua saúde.

O sucesso do tratamento dietético também depende do constante contato entre paciente e médico/a e/ou nutricionista. O tempo dedicado por estes profissionais auxilia muito na eliminação e na manutenção do peso eliminado.

Em longo prazo, a capacidade de manter as mudanças de comportamento em relação à alimentação e atividade física determinará o sucesso de qualquer programa de emagrecimento.

Veja mais

Quais os tipos de transtornos alimentares e seus sintomas?

Como é o tratamento para transtornos alimentares?

Tratamento medicamentoso

O tratamento medicamentoso é realizado de acordo com o grau de obesidade. É indicado quando:

  • A pessoa possui IMC maior ou igual a 30 kg/ m²;
  • O IMC for maior ou igual a 25 ou 27 kg/m² e quando a pessoa possui outras doenças associadas como hipertensão, diabetes, problemas cardiovasculares, colesterol elevado, entre outras;
  • A perda de peso não ocorre com o tratamento não medicamentoso (reeducação alimentar e atividade física).É também necessário nas situações em que há história de falhas de perda de peso com restrição alimentar. Este fato é suficiente para a indicar o tratamento medicamentoso;
  • O IMC é normal, mas há aumento da circunferência abdominal. Estas pessoas são consideradas obesas viscerais e devem ser tratadas quando há outras doenças associadas (hipertensão, diabetes, problemas cardiovasculares e colesterol elevado).

Leia também: Você sabe calcular o seu IMC?

Tratamento cognitivo-comportamental

O tratamento comportamental é aplicado em conjunto com técnicas cognitivas (terapia cognitiva-comportamental) e se configura como um dos métodos auxiliares para o controle do peso.

Fundamenta-se em analisar e promover mudanças de transtornos de comportamentos relacionados ao estilo de vida da pessoa com obesidade. Tem como objetivo programar estratégias que ajudarão na perda e controle de peso, reforçando a motivação para o tratamento e, deste modo, evitando recaída e o ganho de peso.

As estratégias comportamentais possibilitam que a pessoa aprenda a identificar os estímulos que antecedem seus comportamentos compulsivos e situações que dificultam a adesão ao tratamento, o que possibilita a modificação de hábitos prejudiciais à saúde.

Podem incluir o registro da ingestão alimentar, de episódios de compulsão alimentar, dos dias de prática de atividade física, pensamentos sobre alimentação, peso e imagem corporal em uma técnica chamada de automonitoramento, entre outras estratégias. São definidas de forma individualizada com psicólogo/a ou psiquiatra.

Tratamento cirúrgico: cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica é um recurso utilizado somente em casos de pessoas com obesidade grave e que não tenham perdido peso com tratamento medicamentoso e dietético e nem melhorado das doenças associadas (hipertensão, diabetes, colesterol alto, doenças cardiovasculares, entre outras).

Nestes casos de indicação cirúrgica, a pessoa é acompanhada por uma equipe multidisciplinar composta por profissionais com experiência em obesidade e cirurgia bariátrica. Compõem a equipe: endocrinologista, cirurgião bariátrico, nutricionista ou nutrólogo, psiquiatra ou psicólogo, anestesista, enfermeiro e assistente social. Cardiologista, pneumologista, fisioterapeuta, odontologista, entre outros profissionais podem compor a equipe de acordo com a necessidade do paciente.

Os procedimentos cirúrgicos devem ser realizados em centros qualificados com os equipamentos adequados.

São indicações para operações bariátricas:

  • Idade de 18 a 65 anos;
  • IMC maior que 40 kg/m² ou 35 kg/m² com uma ou mais doenças relacionadas com a obesidade;
  • Comprovação documental de que os pacientes não conseguiram reduzir ou manter seu peso apesar dos cuidados realizados há pelo menos dois anos (terapia medicamentosa, dietética, psicológica e atividade física);
  • Em pessoas com mais de 65 anos é necessária avaliação de risco cirúrgico e anestésico, a presença de outras doenças, benefícios da perda de peso e limitações da idade.

É importante que o tratamento seja definido por profissionais (nutrólogos, nutricionistas, cirurgiões, psicólogos, psiquiatras) capacitados para lidar com os quadros de obesidade. Estes tratamentos podem ser utilizados de forma combinada e devem ter acompanhamento constante.

Veja também:

O que é cirurgia bariátrica e como é feita?

Qualquer pessoa pode fazer cirurgia de redução de estômago?

Que complicações podem surgir durantes a cirurgia bariátrica?