Perguntar
Fechar

Cirurgia Geral

Hérnia inguinal: como é a cirurgia e recuperação pós operatório?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O tratamento de escolha para a hérnia inguinal é cirúrgico e deve ser realizado para todos os pacientes, a não ser que haja contra-indicações. 

Há duas maneiras de realizar o tratamento cirúrgico da hérnia inguinal: 1) incisão ou corte e 2) videocirurgia ("laparoscopia"). 

A técnica convencional, em que são realizados incisão, com visualização direta da cavidade abdominal, é feita com anestesia peridural (anestesia dos nervos da coluna). A operação é iniciada com um corte de cerca de 10 cm na região inguinal (da virilha).

O tamanho do corte depende de vários fatores. Quando a hérnia ocorrer dos dois lados, é necessário realizar um corte de cada lado. 

Após a localização da hérnia, a mesma é empurrada para dentro do abdômen e a abertura da parede abdominal é fechada com pontos.

Em todos os casos, exceto em crianças, uma tela é necessária para reforçar a parede abdominal e reduzir a possibilidade de recidiva da hérnia.

Esta tela é feita de um material conhecido como polipropileno, que tem uma elevada resistência e que tem uma reduzida probabilidade de rejeição do organismo. 

De forma geral, o tratamento com videocirurgia é feito com anestesia geral. Inicialmente, é injetado gás (gás carbônico) na cavidade abdominal para poder criar um espaço, onde o cirurgião poderá fazer a operação com segurança.

Após a realização de 3 orifícios de meio a um centímetro na parte de baixo de seu abdômen, uma câmera de televisão pequena é colocada na parede abdominal através de um dos furinhos para que o cirurgião e a sua equipe possam visualizar o local da hérnia em uma televisão.

Com o auxílio de instrumentos especiais (pinças, tesouras, material de sutura), a hérnia é empurrada para dentro do abdômen e o buraco na parede abdominal é fechado com uma tela.

Quando a hérnia for dos dois lados, não é necessário realizar orifícios adicionais para tratar a outra hérnia.

Veja também: Uma hérnia pode estourar?

A recuperação pós-operatória é rápida. A maioria dos pacientes fica internada no hospital somente de 12 a 24 horas e pode retornar ao trabalho e realizar todas as atividades, que não necessitem erguer muito peso, em 1 ou 2 semanas. O paciente deve seguir algumas orientações:

  • Não há restrição de dieta, contudo, nos primeiros dias, o paciente pode apresentar náuseas e vômitos, devido aos medicamentos e anestésicos recebidos.​ Se você tiver náuseas e vômitos, alimente-se somente de líquidos em pequenas quantidades de cada vez. Estes sintomas geralmente desaparecem em 1 ou 2 dias, após o organismo eliminar os medicamentos recebidos no hospital. Se as náuseas e vômitos persistirem após este período, procure o seu médico.​
  • Os cortes são fechados com pontos. É comum que ocorra hematoma ou pequenos sangramentos pelas incisões. Entretanto, se o corte tiver aparência de infecção (vermelho, com secreção de pus ou com cheiro forte), contacte o seu médico.
  • Evite ficar muito tempo deitado ou sentado e ande várias vezes ao dia. Há apenas limitação quanto a levantar peso. Você poderá erguer até 10 kg no primeiro mês de pós-operatório e até 20 kg entre o primeiro e o terceiro mês. Após este período você não tem mais limitações para erguer peso.​

Leia também:

Uma hérnia pode voltar depois da cirurgia?

Quantos dias após a cirurgia de hérnia inguinal posso ter relação?

Quem teve hérnia inguinal pode ter filhos?

Na dúvida da presença de hérnia inguinal e para tirar dúvidas sobre o tratamento cirúrgico, deverá ser consultado um médico cirurgião geral ou gastrocirurgião.

O que pode ser dor na virilha e o que fazer?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Dor na virilha pode ter várias causas. As causas mais comuns nas mulheres e homens são citadas abaixo:

  • prática de exercícios ou esportes de alto impacto, como atletismo, hóquei, tênis e futebol, em que a dor ocorre por distensão muscular;
  • osteoastrite (artrose) do quadril, ou bursite;
  • apendicite;
  • prostatite (inflamação da próstata);
  • litíase renal (pedras nos rins);
  • gravidez, especialmente nos meses finais;
  • linfonodos aumentados (ínguas);
  • inflamação ou tumores no testículo;
  • inflamação nos intestinos;
  • diferença no comprimento dos membros;
  • infecção de urina;
  • hérnia inguinal.

O tratamento dependerá da causa da dor na virilha e, para um correto diagnóstico, deve ser procurado um clínico geral, para os casos mais crônicos (que duram semanas a meses) ou um pronto atendimento se a dor for aguda e especialmente se estiver associada a febre e alteração do hábito intestinal ou urinário.

No caso das distensões musculares, artrose, bursite e a associada à gestação, muitas vezes o tratamento será baseado no uso de analgésicos potentes e anti-inflamatórios, além de fisioterapia ou acupuntura. É importante que estas drogas sejam prescritas pelo médico.

Saiba mais em: Distensão muscular: O que é, quais os sintomas e como tratar?

No caso de apendicite, hérnia inguinal e inflamação nos intestinos, é necessário avaliação de urgência, pois poderá ser necessária cirurgia.

No caso de prostatite, infecção de urina e de ínguas, poderá ser necessário o uso de antibióticos.

No caso de tumores no testículo e pedras nos rins, é necessária a avaliação de um médico urologista.

No caso de diferença no comprimento dos membros, deve ser procurado um médico ortopedista.

Para uma avaliação adequada da causa da dor na virilha, pode ser procurado um pronto atendimento ou médico clínico ou cirurgião geral.

Qual o tempo de recuperação da cirurgia para retirar pedra da vesícula?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tempo de recuperação da cirurgia para retirar pedra da vesícula é de cerca de uma semana. O procedimento, feito atualmente por laparoscopia, leva aproximadamente uma hora e requer um dia de internamento se não houver complicações.

Em poucos dias, a pessoa já pode voltar às suas atividades normais, podendo até receber alta no mesmo dia, em alguns casos. A dor no pós-operatório é pouca, devido ao tamanho reduzido dos cortes (+/- 1 cm) e ao tipo de procedimento utilizado e pode ser controlada com analgésicos. 

O/a médico/a cirurgiã/o pode recomendar uma dieta leve nos primeiros dias de pós-operatório e sem alimentos gordurosos nas primeiras duas semanas após a cirurgia. Depois desse período, a pessoa pode ter uma alimentação normal, sem restrições.

A cirurgia para retirar pedra da vesícula geralmente retira a vesícula completa para evitar complicações e novos episódios de pedra na vesícula.

Leia também:

O que não pode comer quem tem problemas na vesícula?

Retirada da vesícula: como é a recuperação e quais os efeitos colaterais?

Fiz uma cirurgia recentemente. Quando posso beber bebida alcoólica?

Dor abdominal: o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

diversas causas para dor abdominal. O abdome é a região que mais abriga órgãos do corpo, sendo um desafio diagnóstico quando surge dor nesta região.

Na grande maioria dos casos, a dor abdominal não indica uma doença maligna. Apesar disso, quando a dor abdominal é muito forte e é acompanhada por outros sintomas, como vômitos, diarreia com sangue e febre, é essencial a intervenção urgente de um médico.

Qualquer um dos órgãos localizados no abdome ou na cavidade pélvica podem causar dor na barriga. Por vezes, os órgãos situados no tórax também são responsáveis por dor abdominal.

Os órgãos dentro do abdome são:

  • vesícula biliar
  • fígado
  • pâncreas
  • vias biliares
  • baço
  • supra-renais
  • rins
  • intestino delgado e grosso
  • estômago
  • apêndice

Os órgãos dentro da pelve são:

  • bexiga
  • ovários, trompas e útero, nas mulheres apenas;
  • reto e sigmóide;
  • ​próstata, nos homens apenas.

O local da dor auxilia no diagnóstico, mas nem sempre é suficiente. Outras características são necessárias para o diagnóstico certo, como tipo de dor (cólica, pontada, facada, aperto, etc), duração, sintomas associados (como vômitos, diarreia, febre ou icterícia), fatores que melhoram e pioram a dor e irradiação.

Na maior parte dos casos, a dor abdominal não indica nenhuma doença grave. Muitas vezes a dor é causada por cólicas intestinais, provacadas por gases nos intestinos.

As principais causas de dor abdominal estão citadas abaixo, com algumas características:

  • colecistite e colelítiase (pedras na vesícula biliar): a dor abdominal ocorre quando há uma obstrução do ducto de drenagem da vesícula biliar por uma ou mais pedras. Se a obstrução for prolongada, surge a colecistite, inflamação da vesícula, quando a dor surge junto com febre e vômitos, e não melhora com o passar das horas. A dor da obstrução da vesícula é chamada de cólica biliar e costuma ser localizada no hipocôndrio direito (abdome superior à direita) e epigástrio; é tipicamente uma cólica que surge logo após a ingestão de alimentos gordurosos.
  • gastrite e úlcera péptica: usualmente se apresentam com dor em queimação na região superior do abdome, principalmente no epigástrio. A intensidade da dor é muito variável e não serve para distinguir a úlcera de uma simples gastrite. A presença de sangue nas fezes ou vômitos com sangue associados indicam uma úlcera sangrante e o tratamento é de urgência.

  • hepatite aguda: as hepatites mais comuns são aquelas causadas pelos vírus A, B ou C, porém, podem surgir por várias outras causas, entre elas por intoxicação medicamentosa ou por álcool. A hepatite aguda costuma causar uma dor mal definida no hipocôndrio direito e está geralmente associada a presença de icterícia. Necessita monitoramento em setor de urgência e emergência.

  • pancreatite aguda: a pancreatite aguda costuma surgir de 1 a 3 dias após uma quadro de grande ingestão de álcool, apresentando-se como uma intensa dor em toda região superior do abdome. A dor da pancreatite aguda dura vários dias, costuma estar acompanhada de vômitos e piora após a alimentação. Necessita jejum prolongado e internação hospitalar.
  • pedras nos rins (cálculo renal): caracteriza-se por intensa dor na região lombar, unilateralmente. Frequentemente se irradia para o abdome, principalmente nos flancos. É necessário seguimento posterior com urologista.

  • diverticulite: na maioria dos casos, manifesta-se como uma dor no quadrante inferior esquerdo do abdome e em pessoas acima de 60 anos. A dor dura vários dias e costuma vir acompanhada de febre.
  • apendicite: caracteriza-se por dor em crescendo, que se inicia difusamente, principalmente ao redor do umbigo, indo se localizar no quadrante inferior direito do abdome. É comum haver febre e vômitos associados. Necessita tratamento de emergência (veja também: Dor no umbigo: o que pode ser?).

  • infecção intestinal: a manifestação mais comum é a cólica abdominal associada a diarreia e/ou vômitos. Se causada por vírus (maior parte dos casos), não requer tratamento específico. Se associada a evacuação com sangue ou febre, requer tratamento com antibióticos.
  • obstrução, infarto e isquemia intestinal: dor de forte intensidade, que piora progressivamente e acomete todo o abdome. Necessita tratamento de emergência.

  • causas ginecológicas: doenças dos ovários, endometriose, mioma uterino e gravidez ectópica, que podem associar-se a alteração menstrual.
  • cólica menstrual: as cólicas menstruais ocorrem na porção inferior do abdome e podem irradiar-se para as costas e coxas. Sintomas como náuseas, suores, dor de cabeça, fezes amolecidas e tonturas podem estar associados.

  • infecção urinária: geralmente uma dor no baixo ventre, associada a ardência para urinar, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga e aumento no número de micções, sempre em pequena quantidade. Necessita tratamento com antibiótico.
  • peritonite: geralmente gera dor difusa e de forte intensidade, que piora à compressão do abdome. Necessita tratamento de emergência.

  • tumores dos órgãos abdominais ou pélvicos.
  • doença de Crohn e retocolite ulcerativa: usualmente associadas a alterações nas fezes.

  • cetoacidose diabética: dor difusa, associada a vômitos, ocorre em pacientes diabéticos (saiba mais em: Cetoacidose diabética: como identificar e tratar?)

Na presença de dor abdominal de duração prolongada ou piora progressiva, associada a febre, vômitos ou icterícia, deverá ser procurado um serviço de pronto atendimento. No caso das dores intermitentes, de curso longo, pode ser procurado um clínico geral ou gastroenterologista.

Saiba mais em: Distensão abdominal: Quais as causas e como tratar?

Com quantos dias posso tirar os pontos cirúrgicos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os pontos cirúrgicos geralmente podem ser tirados após 7 a 14 dias do procedimento cirúrgico. No entanto, há casos em que é preciso esperar até 21 dias para poder remover os pontos.

Os pontos cirúrgicos absorvíveis não precisam ser removidos pois o próprio tecido do corpo absorve o ponto.

O tempo para retirar os pontos cirúrgicos pode ser determinado de acordo com a área do corpo e segue, em média:

  • Face e Pescoço: 5 a 8 dias;
  • Couro cabeludo e nuca: 14 dias;
  • Dorso da mão e do pé: 14 dias;
  • Planta do pé e palma da mão: 10 a 21 dias
  • Região glútea: 14 dias;
  • Braços e coxas: 14 a 18 dias;
  • Antebraço e pernas: 14 a 21 dias;
  • Tronco: 21 dias;
  • Ombro e dorso: 28 dias

Esse tempo pode modificar de acordo com a presença de certas infecções, capacidade de cicatrização, higiene realizada e outros fatores.

​​O/a médico/a cirurgião/a ou especialista que fez a cirurgia é quem irá determinar com quantos dias você poderá tirar os pontos cirúrgicos. Fique atento/a aos prazos e faça as consultas de retorno programadas.

Fiz uma cirurgia recentemente. Quando posso beber bebida alcoólica?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Em geral, após uma cirurgia é preciso esperar entre 10 e 30 dias para voltar a beber bebida alcoólica, mas esse tempo varia conforme o tipo de cirurgia e a orientação do/a médico/a. 

O consumo de qualquer tipo de bebida alcoólica no pós-operatório deve ser evitado pelo menos enquanto o/a paciente estiver tomando os medicamentos prescritos.

Em cirurgias de médio e grande porte, normalmente recomenda-se que o paciente fique 30 dias sem consumir bebidas alcoólicas.

Na cirurgia bariátrica (gastroplastia), os pacientes só devem consumir bebidas alcoólicas depois de 6 meses, pois além de ser muito calórico, o álcool pode danificar as mucosas do estômago e do intestino, diminuindo assim a absorção de nutrientes.

Se a operação for simples, como a retirada de um nódulo pequeno, pode ser necessário esperar somente 24 horas para voltar a beber, desde que não haja outras contraindicações.

Em cirurgias de hérnia de hiato, por exemplo, recomenda-se que o/a paciente fique sem beber cerveja e outras bebidas com gás nos primeiros meses depois da operação, embora essa indicação esteja mais relacionada com o gás do que com o álcool especificamente.

Leia também:

Qual é o tempo de recuperação de uma cirurgia de apendicite?

Hérnia inguinal: como é a cirurgia e recuperação pós operatório?

Por que devo esperar para beber álcool depois da cirurgia?

A ingestão de bebidas alcoólicas no pós-operatório deve ser evitada porque o álcool pode:

  • Interagir com a medicação ou interferir no seu efeito;
  • Debilitar e desidratar o corpo;
  • Diminuir a resistência, aumentando assim o risco de infecções;
  • Atuar como agente irritante da mucosa que reveste a boca e o sistema digestivo;
  • Aumentar o inchaço, pois o álcool dilata os vasos sanguíneos;
  • Aumentar o risco de sangramentos.

Para saber quando você pode voltar a beber bebidas alcoólicas depois de uma cirurgia, converse com o/a médico/a que fez a operação e sigas as suas recomendações.

Também podem lhe interessar:

Qual o tempo de recuperação da cirurgia para retirar pedra da vesícula?

Quantos dias após a cirurgia de hérnia inguinal posso ter relação?

Qual o tempo de recuperação da rinoplastia?

Quantos dias após a cirurgia de hérnia inguinal posso ter relação?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Você pode ter relação sexual cerca de 10 dias depois da cirurgia de hérnia inguinal, desde que esteja bem para isso e o/a médico/a já tenha liberado outras atividades, como trabalhar e dirigir.

Grande parte dos pacientes submetidos a uma cirurgia de hérnia inguinal pode realizar qualquer atividade, que não necessite erguer muito peso ou fazer grandes esforços, dentro de uma ou duas semanas depois da operação.

Normalmente, no 1º mês de pós-operatório é permitido erguer até 10 kg, passando para 20 kg no 2º e 3º mês. Após 3 meses, em geral, não há limitações quanto a esforços e pesos.

A prática de esportes e exercícios abdominais também só são permitidos depois de 3 meses que a cirurgia de hérnia inguinal foi realizada. Porém, o tempo para voltar às atividades físicas pode variar conforme a técnica utilizada.

Geralmente a recuperação da cirurgia é bastante rápida e a maioria dos pacientes retorna as suas atividades diárias em poucos dias.

Procure o/a médico/a em caso de:

  • Náuseas e vômitos;
  • Febre a partir de 38 graus;
  • Falta de ar;
  • Tosse constante;
  • Vermelhidão e saída de secreção com pus dos pontos;
  • Sangramentos constantes nos pontos;
  • Dor abdominal;
  • Inchaço persistente.

O/a médico/a cirurgião/ã geral poderá esclarecer as suas dúvidas e dar as orientações adequadas quanto ao pós-operatório da cirurgia de hérnia inguinal.

Leia também:

Uma hérnia pode voltar depois da cirurgia?

Quem teve hérnia inguinal pode ter filhos?

Fiz uma cirurgia recentemente. Quando posso beber bebida alcoólica?

Retirada da vesícula: como é a recuperação e quais os efeitos colaterais?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A recuperação após a cirurgia de retirada da vesícula normalmente é tranquila, sem grandes complicações. O/a paciente geralmente fica internado por um dia e pode retomar as suas atividades em aproximadamente uma semana após a remoção da vesícula.

A diarreia é o efeito colateral mais comum no pós-operatório. Contudo, assim como em outras cirurgias, existe sempre o risco de ocorrer sangramentos, infecções ou alguma reação alérgica à anestesia. 

A retirada da vesícula não traz grandes consequências, já que a digestão não é afetada de forma significativa. O corpo se adapta à ausência da vesícula biliar depois de algumas semanas ou meses e a pessoa pode voltar a comer alimentos gordurosos.

Leia também: O que não pode comer quem tem problemas na vesícula?

Em alguns casos mais raros, o/a paciente pode ter diarreias frequentes, que podem ser controladas com uso de certos medicamentos.

A cirurgia para retirar a vesícula é indicada principalmente em casos de cálculos ("pedras") biliares. As pedras podem obstruir o fluxo da bile pela vesícula ou por algum dos ductos biliares, causando dor, inflamação ou infecção.

A vesícula biliar é um pequeno órgão localizado junto ao fígado e que serve para armazenar a bile. A bile é um suco digestivo produzido pelo fígado que atua como um "detergente" sobre as gorduras, favorecendo a digestão das mesmas.

No entanto, mesmo sem a vesícula, o fígado continua produzindo a bile. Por isso, o organismo consegue digerir e absorver os alimentos normalmente sem o órgão.

A cirurgia mais utilizada para remover a vesícula biliar é feita através de pequenas incisões no abdômen, pelas quais o/a cirurgião/ã introduz pinças cirúrgicas na cavidade abdominal e retira a vesícula. Todo o procedimento é acompanhado através de uma câmera (videolaparoscopia), que também é introduzida no abdômen e permite ao/à médico/a visualizar a operação.

Saiba mais em: Qual o tempo de recuperação da cirurgia para retirar pedra da vesícula?