Perguntar
Fechar
Qual o dia mais provável de ocorrer a ovulação? Posso ovular logo no primeiro mês que parar a pílula?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, a mulher pode ovular no mês seguinte que interrompeu a pílula, normalmente.

O dia mais provável da ovulação, é o dia localizado bem no meio do ciclo menstrual, sabendo que o primeiro dia do ciclo é o dia em que a menstruação acontece, terminando no dia anterior do ciclo seguinte.

Por exemplo, se sua menstruação vier no dia 01 de janeiro, e a próxima no dia 29 de janeiro, saberá que o primeiro ciclo durou de 01 de janeiro a 28 de janeiro, considerado então o dia 1 como primeiro e o dia 28, o último dia do ciclo. O dia 29 já será o primeiro dia do novo ciclo. Nesse caso, o dia mais provável da ovulação, será dia 14 de janeiro.

Em média, os ciclos variam entre 28 a 30 dias, podendo ser mais curtos ou mais longos.

Porém esse cálculo não é específico, estando sujeito a falhas, devido às mudanças que ocorrem dia a dia no organismo da mulher, principalmente no caso das mulheres que não dispõe de ciclos regulares. Por isso, quando houver necessidade de investigar a ovulação, como na pesquisa de causas para infertilidade, seu/sua médico/a provavelmente pedirá exames complementares para uma melhor avaliação.

O período fértil é a fase do mês em que há mais chances de ocorrer uma gravidez, já que é o período em que ocorre a ovulação.

Para calcular o período fértil, como discutimos acima, é preciso saber quantos dias tem o seu ciclo menstrual, além de algumas outras características. Para entender melhor como calcular o seu período fértil leia também o link: Como calcular o Período Fértil?

Vale lembrar mais uma vez, que o cálculo do período fértil através da “tabelinha” só é válido para mulheres com ciclos regulares. Saber o dia da ovulação quando os ciclos são irregulares é mais difícil e incerto.

Pode lhe interessar também:

Ciclo menstrual desregulado: Como calcular o período fértil?

O período fértil pode mudar de mês para mês?

Menstruei dia 12 e ciclo é de 28 dias, quando estarei fértil?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O cálculo do dia fértil, para ciclos regulares, é feito da seguinte maneira:

O dia mais fértil, é exatamente o dia do meio do seu ciclo, sendo de 28 dias, será 14 dias após o primeiro dia da menstruação. Ou seja, se menstruou no dia 12 de março, mais 14 = 26 de março.

Entretanto, devido ás variações hormonais que podem acontecer, alterando a data da ovulação, e também devido a vitalidade dos espermatozoides, que podem levar mais tempo para alcançar as trompas e durar até 5 dias dentro do organismo da mulher, deve ser estipulado 3 dias antes e 3 dias depois, como datas também prováveis para gravidez. Damos o nome de período fértil.

Sendo assim, o seu período fértil, será do dia 23 ao dia 29 de março, sendo o dia 26 o mais propenso à fecundação.

Existem alguns sinais e sintomas que também ajudam a mulher a identificar essa etapa do ciclo, auxiliando nos casos de tentativa de gravidez.

Saiba mais no artigo: Quais os sintomas do período fértil?

Por outro lado, existem situações que podem alterar o período menstrual da mulher, interferindo nesse cálculo, como estresse, doenças e uso de certos medicamentos.

Por isso, o uso de "tabelinha" como método contraceptivo é considerado um método ineficaz.

Leia também: O período fértil pode mudar de mês para mês?

Para mais esclarecimentos quanto ao período fértil, procure seu médico da família ou ginecologista.

Cálculo do período fértil vale para ciclo irregular?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não, o cálculo usado normalmente para saber o período fértil não serve para ciclo irregular. No entanto, é possível tentar calcular o período fértil em ciclos irregulares, apesar de não ser seguro, uma vez que o cálculo faz projeções para o futuro e os ciclos são muito incertos.

Para isso, durante pelo menos 6 meses você deve anotar quantos dias têm os seus ciclos menstruais (não se esqueça que o 1º dia de menstruação é sempre considerado o 1º dia do ciclo).

Depois de saber o tempo de duração dos últimos 6 ciclos, pegue o ciclo mais curto e subtraia 18 do número de dias para encontrar o 1º dia do período fértil. Depois, subtraia 11 do número de dias do ciclo mais longopara saber qual é o último dia do seu período fértil.

Por exemplo: Se o seu ciclo mais longo foi de 35 dias e o mais curto foi de 26, você deve subtrair 18 do ciclo mais curto (26 - 18 = 8) e subtrair 11 do ciclo mais longo (35 - 11 = 24). Nesse caso, o período fértil será do 8º ao 24º dia do ciclo.

Lembrando que quanto maior for a diferença de duração dos ciclos menstruais, mais longo é o período fértil e mais impreciso o cálculo. É impossível prever o dia exato da ovulação quando os ciclos são irregulares, pois a mulher pode ovular em dias diferentes de mês para mês.

Por isso é importante frisar que esse cálculo não é seguro para evitar uma gravidez. Consulte um médico ginecologista, clínico geral ou médico de família para receber indicações e orientações sobre o método contraceptivo mais adequado para você.

Também podem ser do seu interesse:O período fértil é antes ou depois da menstruação?

Corro risco de engravidar fora do meu período fértil?

Gostaria de saber se é possível eu ter engravidado?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, pode ter engravidado, pois você teve relação em dois dias férteis.

Como calcular o período fértil?

O período fértil compreende o dia do meio do ciclo, que na maioria das vezes é o dia mais fértil (dia da ovulação), e mais 3 dias antes e 3 dias depois, devido a possíveis oscilações hormonais, variando por vezes esse dia da ovulação.

Outro fator importante, é a vitalidade dos espermatozoides, os quais podem ser capazes de sobreviver dentro o organismo da mulher, por até 5 dias, justificando essa margem de dias no período fértil.

Sendo assim, de acordo com as datas relatadas, e seu ciclo sendo de 27 dias, número ímpar, os dias do meio serão os dias mais prováveis para ovulação, o 13º e 14º dias do ciclo. O cálculo se faz da seguinte maneira:

dia 11 de janeiro, primeiro dia da menstruação, é o dia 1 do ciclo; mais 13 e 14 para encontrar os dias fértil ⇒ 11 + 13 = 24 e 11 + 14 = 25.

Portanto os dias 24 e 25 de janeiro foram os dias mais férteis do período. E o período fértil, foi do dia 21 a 28 de janeiro.

Como houve relações nos dois dias, existe sim uma possibilidade grande de gravidez. Entretanto, outros fatores devem ser levados em conta, como questões hormonais, características dos espermatozoides, permeabilidade das trompas, entre outros.

Para saber se está grávida, pode realizar o teste de gravidez de farmácia ou de sangue, de preferência após 8 a 15 dias de atraso menstrual.

O que é o período fértil?

O período fértil, é conhecido pelo período com a maior probabilidade de gravidez. Isso porque é a fase do ciclo em que a mulher está ovulando, e o organismo foi todo preparado para receber o óvulo fecundado pelo espermatozoide, e dar seguimento ao desenvolvimento de um bebê.

Quando esse óvulo não é fecundado, não ocorre a implantação no útero e nem formação de placenta para dar sequência ao ciclo, acontece a descamação da parede do útero, a chamada menstruação. E novo ciclo se inicia.

Para maiores esclarecimentos, procure um médico ginecologista ou médico da família.

Leia também: Com quantos dias aparecem os primeiros sintomas de gravidez?

Melhores posições para engravidar: isso existe mesmo?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não existem estudos científicos que comprovem uma determinada posição como melhor para engravidar, principalmente porque a fertilidade está relacionada a diversos fatores, por exemplo, a posição do útero.

Entretanto, um grupo de pesquisadores franceses, publicou em 2011 um estudo sobre o tema, no qual concluiu que as melhores posições para engravidar seriam a de "missionário" e "de quatro", pois durante a penetração a ponta do pênis fica diretamente alinhada ao colo do útero, permitindo um alcance mais profundo do esperma. Embora confirme também, que o excesso de preocupação possa dificultar a concepção.

O fator mais importante é conhecer e assegurar relações durante o período fértil, no qual ocorre a ovulação. Para isso é preciso entender o seu ciclo menstrual e período fértil.

Saiba mais: Como calcular o período fértil?

Para que ocorra gravidez é necessário que a relação ocorra durante período fértil. 6 Dicas para Engravidar 1. Conhecimento sobre a Anatomia

É importante que homens e mulheres conheçam seus corpos, e saibam como eles funcionam. Especialmente para as mulheres, o conhecimento sobre seu corpo sempre foi um tabu; e para algumas, ainda é. Conhecer o próprio corpo e saber identificar, em seu ciclo menstrual, o período fértil e os sinais de ovulação, são primordiais para aumentar as chances de engravidar.

O muco vaginal elástico e semelhante à clara de ovo, dores abdominais de um único lado do abdômen, temperatura corporal, libido e umidade vaginal aumentadas são alguns sinais de ovulação. A presença de escape, com pequeno sangramento de cor marrom também pode ocorrer, embora não tão frequente.

Para casais que pretendem engravidar, recomenda-se intensificar a frequência das relações sexuais neste período.

2. Parar de tomar anticoncepcional

Aguarde pelo menos duas menstruações ocorrerem antes de iniciar as tentativas de engravidar. Este é um tempo adequado para que os ovários retomem suas funções hormonais normais e o endométrio, tecido que reveste internamente o útero, volte a crescer. Com a recuperação da espessura do endométrio, o útero estará mais preparado para receber o óvulo fecundado. Estudos mostram que a chance de os abortos espontâneos ocorrerem é de 10 a 15% quando a mulheres engravidam logo após a suspensão do uso de anticoncepcional, o que se deve ao fato de o endométrio ainda estar muito fino para sustentar o óvulo.

3. Evitar fumar e/ou utilizar outras drogas

O tabagismo e/ou o uso de outras drogas podem alterar a qualidade dos óvulos e comprometer a fertilidade.

4. Ter cuidado com o peso e a alimentação

O peso interfere na fertilidade. Se o seu Índice de Massa Corporal está muito abaixo ou muito acima da faixa normal, poderá levar mais tempo para conseguir engravidar. Buscar uma alimentação saudável com orientação do nutricionista ajudará a construir um bom plano alimentar que pode tornar seu organismo mais saudável e facilitar a ocorrência de gravidez.

5. Fazer um check-up ginecológico

Informar à ginecologista que você e seu parceiro pretendem engravidar é importante. A partir desta informação, o(a) médico(a) já efetua o exame ginecológico preventivo e os demais exames necessários (hemograma, dosagem de hormônios, entre outros), antes da gestação.

Além disso, poderá oferecer reposição de vitaminas indicados para evitar complicações no neurodesenvolvimento fetal.

6. Ter atenção à idade

O fator isolado mais importante que pode comprometer a fertilidade feminina é a idade. Mulheres com idade superior a 35 anos com tentativas de engravidar durante 6 meses sem sucesso, devem buscar o especialista em fertilidade para não perder muito tempo. Se houver ovários policísticos ou problemas nas trompas, ou o homem apresentar problemas com sêmen, não se deve esperar este prazo de seis meses. O correto é procurar rápido um especialista.

A decisão de engravidar deve ser um plano comum do casal. Ambos devem estar dispostos a cuidar de sua saúde para promover a gestação. É importante que procurem orientação médica e sigam as recomendações para evitar problemas de saúde, preservar a saúde da mãe e do feto e fortalecer os vínculos afetivos.

Para saber mais: Quero engravidar: o que devo fazer?

Dor no seio: as 10 causas mais comuns e o que fazer
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor nos seios, chamada cientificamente de mastalgia, é comum na puberdade, período pré-menstrual e durante a menstruação. Além disso, pode ocorrer por causa da gravidez, por inflamações na mama, presença de nódulos, cistos ou uso de medicamentos.

Embora na maior parte dos casos a dor nos seios não indique a presença de doenças graves, é preciso buscar um médico de família ou ginecologista se a dor for persistente.

Quais as 10 causas mais frequentes de dor no seio? 1. Puberdade

Quando os seios começam a crescer, as meninas podem queixar-se de dor leve ou desconforto nas mamas em desenvolvimento.

A variação de idade normal para o crescimento dos seios vai dos 8 aos 14 anos de idade, com média em torno dos 11 anos.

O crescimento dos seios é o primeiro sinal da puberdade e quando começa em meninas com idade inferior a 8 anos, é preciso procurar um ginecologista para investigar puberdade precoce.

O que posso fazer?

Não há um tratamento específico para dor nos seios durante a puberdade, entretanto o uso de sutiã adequado ao tamanho do seio é importante para promover conforto.

2. Tensão Pré-Menstrual e Menstruação

Quando a dor no seio ocorre durante o período pré-menstrual e a menstruação, chama-se mastodinia. Se caracteriza por dores em pontadas, de intensidade leve a moderada. A mama se torna mais sensível especialmente na região dos mamilos.

Normalmente a dor nos seios dura de 1 a 4 dias e, de acordo com a sua intensidade, pode interferir nas atividades sociais, sexuais e na rotina diária da mulher, como a prática de exercícios físicos.

Se a dor persistir por mais de 10 dias e irradiar-se para axila ou para o braço, é importante procurar um ginecologista ou mastologista.

O que posso fazer?

Utilize sutiãs esportivos para uma melhor sustentação dos seios. Normalmente não é necessário o uso de medicações, pois a dor cessa logo nos primeiros dias de menstruação.

Entretanto, se dor interferir de maneira importante na sua rotina, converse com o ginecologista para avaliar o uso de analgésicos para o alívio dos sintomas da menstruação.

3. Gravidez

O crescimento dos seios durante a gravidez pode provocar sensibilidade no início e no final da gestação. Seios doloridos ocorrem também devido à produção do leite materno.

O que posso fazer?

Para aliviar a dor e o desconforto, você pode tomar um banho morno, massagear as mamas e/ou fazer compressas mornas. É importante também hidratar a pele dos seios.

4. Dor nos seios durante a amamentação

Um dos motivos de dor nas mamas durante a amamentação é o enchimento excessivo dos seios pelo leite materno. Neste caso, os principais sintomas são seios endurecidos e doloridos.

Esta dor que ocorre pelo excesso de leite é diferente da mastite de amamentação.

O que posso fazer?

Para aliviar estas sensações de enchimento excessivo dos seios se recomenda dar de mamar mais vezes ou esvaziar os seios retirando o leite com a bombinha.

5. Inflamação das mamas na amamentação

A inflamação das glândulas mamárias que acontece em mulheres durante a fase de amamentação é chamada de mastite da amamentação ou mastite puerperal.

Os sintomas de mastite puerperal incluem endurecimento em um ponto da mama (leite empedrado), vermelhidão e calor local, dor, cansaço, calafrios e febre (normalmente acima de 38°C).

A mastite da amamentação costuma acometer somente um dos seios (mama direita ou esquerda). A infecção nas duas mamas ao mesmo tempo, é bastante rara.

Nos casos mais graves podem ocorrer fissuras nos mamilos e abscessos (bolsas de pus) na mama.

O que posso fazer?

Hidrate-se bem. Nos casos de inflamação das mamas, beber bastante líquido ajuda o corpo a eliminar o agente causador da infecção.

Mantenha a amamentação do seu bebê, pois efetuar o esvaziamento do seio neste momento evita a piora da inflamação. A amamentação, além de ajudar no tratamento da inflamação reduz o risco de ter um abscesso de mama.

Se não conseguir amamentar esvazie o seio utilizando bombinha de amamentação.

Busque um ginecologista ou mastologista para avaliar a necessidade do uso de analgésicos, anti-inflamatórios ou antibióticos.

A aplicação de compressas de água morna e massagens no seio afetado ajuda a remover o leite empedrado e aliviar a dor. Além disso, utilize sutiãs que sustentem de forma eficaz os seios e promovam conforto.

Leia também: Mastite na amamentação é perigoso?

6. Nódulos ou cistos nas mamas

De forma geral, as mulheres têm nódulos e/ou cistos na mama que se localizam na parte superior externa do seio, próximo à axila. Estes nódulos e cistos são benignos e não são decorrentes de câncer.

Durante o ciclo menstrual os níveis dos hormônios femininos, estrogênio e progesterona, variam e por este motivo, os nódulos, cistos e dor nos seios podem ocorrer.

Estas alterações hormonais também causam o aumento das glândulas mamárias, dos ductos que conduzem o leite e provocam a retenção de líquidos nos seios, o que os deixa mais sensíveis e inchados. Os seios voltam ao normal quando os níveis de hormônios diminuem.

O que posso fazer?

Não há um tratamento específico para estes nódulos ou cistos. Para aliviar a dor e o desconforto, você pode usar um sutiã macio que dê uma boa sustentação aos seios. Se necessário, é também possível usar analgésicos como paracetamol para amenizar a dor.

A avaliação de um ginecologista ou mastologista pode ser importante, caso a dor seja persistente para avaliar a possibilidade de retirada do nódulo.

7. Mastite

A mastite é uma inflamação dolorosa da mama e é, geralmente, causada por infecção bacteriana.

Os sintomas característicos de mastite são febre alta, endurecimento de uma das mamas, eritema (vermelhidão na pele), edema (inchaço), sensibilidade e dor na mama afetada e calor ao toque.

O que posso fazer?

Aumente a ingestão de líquidos e busque um ginecologista ou mastologista para efetuar o tratamento adequado que, normalmente envolve o uso de antibióticos, anti-inflamatórios e analgésicos para alívio da dor.

8. Uso de medicamentos

Alguns medicamentos como antidepressivos, metronidazol, espironolactona, metronidazol, entre outros, podem causar dor nos seios.

Além destes, os medicamentos que contém hormônios como os anticoncepcionais também podem provocar dor nas mamas.

O que posso fazer?

Converse com o médico que orientou o uso do medicamento, para avaliar o ajuste da dosagem ou mesmo a troca da medicação.

9. Traumas nos seios

Lesões ou traumas na mama podem provocar dor no seio afetado. Os seios são áreas muito sensíveis do corpo da mulher. Procure sempre protegê-los de traumas e pancadas.

O que posso fazer?

Em caso de dor intensa provocadas por traumas nos seios é preciso consultar um ginecologista ou mastologista para identificar uma possível lesão mamária e tratá-la adequadamente.

10. Seios muito grandes

O tamanho dos seios pode provocar dor nas mamas e nas costas pelo peso excessivo. Mamas muito grandes são normalmente pesadas, o que causa estiramento do ligamento de Cooper. É este ligamento que sustenta os seios e, quando o peso é excessivo, pode causar dor.

O que posso fazer?

O uso de sutiãs esportivos de alta sustentação podem promover maior conforto. Porém, pode ser importante conversar com o ginecologista ou mastologista para avaliar a necessidade de redução cirúrgica das mamas.

Dor nos seios pode ser um sinal de câncer de mama?

Na maior parte dos casos, não. A dor nos seios está normalmente relacionada a alterações benignas na mama.

Menos de 3% das mulheres que apresentam dor nos seios como sintoma único constatam por meio de exames que a dor estava relacionada ao câncer de mama (tumor maligno de mama).

Leia também: Quais os sintomas de câncer de mama?

Quando devo me preocupar?

Você deve permanecer alerta e procurar um médico se:

  • A dor nos seios for muito forte ou tiver mais de 10 dias de duração,
  • Na presença de secreção clara ou sanguinolenta no mamilo,
  • Apresentar vermelhidão, calor e/ou pus no seio e
  • Aparecer algum nódulo que some logo após o período menstrual.

Nestes casos você deve buscar um médico de família, ginecologista ou mastologista. Pode ser necessária a realização de exames como ultrassom de mama, mamografia (especialmente se houver casos de câncer de mama na família).

Não utilize medicamentos sem prescrição médica, especialmente se você estiver grávida ou amamentando.

Faça sempre o autoexame das mamas e busque um ginecologista pelo menos uma vez ao ano para exame periódico que ajuda a prevenir doenças de mama e aparelho reprodutor.

Leia também:

Como é o Sangramento de Nidação e quanto tempo dura?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O sangramento de nidação é um pequeno sangramento vaginal, de coloração mais clara, quase imperceptível, considerado um dos primeiros sinais de gravidez. A sua duração é bem curta, variando de 1 a 3 dias.

Suas principais características são:

1. Coloração rosada

A coloração é mais clara e rosada, mas pode aparecer também em tom vermelho amarronzado, semelhante à borra de café, por este motivo, é muitas vezes confundido com a menstruação.

2. Duração de no máximo 3 dias

O sangramento de nidação deve durar até 3 dias, no máximo. Em média, dura de 1 a 2 dias.

Se o sangramento aumentar em quantidade, durar mais de 3 dias ou se tornar vermelho vivo, é importante consultar o seu médico ginecologista ou obstetra.

3. Não tem cheiro

O sangramento não tem cheiro e quase não é visto, pode apenas sujar a roupa íntima ou ser observado no papel higiênico, após limpar-se.

Qual a diferença entre menstruação e nidação?

O que diferencia o sangramento de nidação da menstruação são principalmente a quantidade do sangramento e a sua coloração.

Na nidação o sangramento é mais clarinho e sempre muito pouco. Na maior parte das vezes, apenas suja a calcinha. A mulher percebe ao se secar com papel higiênico. Além disso, ele tende sempre a diminuir com o tempo e não ultrapassa 3 dias. O mais comum é durar apenas 1 dia.

A menstruação geralmente dura de 3 a 7 dias, com volume maior de sangue, especialmente nos primeiros dias, sendo necessário o uso de absorventes e a sua coloração é mais avermelhada ou marrom escuro.

Nidação dá cólicas?

Sim. Pode haver uma cólica leve, ou sensação de cólicas, com algumas pontadas na região do baixo ventre. Isto ocorre devido ao movimento do embrião para se fixar no endométrio.

As cólicas que ocorrem durante a nidação costumam ser menos dolorosas do que as que acontecem durante o período menstrual.

Quando ocorre o sangramento de nidação?

O sangramento de nidação ocorre quando o embrião se fixa na parede do útero, em média, 7 a 15 dias após a fecundação, no período fértil.

Lembre-se que nem todas as mulheres que engravidam apresentam ou mesmo percebem o sangramento de nidação, e que esse fato não indica nenhum problema. Estima-se que apenas 20% das mulheres observem esse sangramento.

A nidação ocorre antes ou depois do atraso menstrual?

A nidação acontece antes do atraso menstrual. A fixação do bebê no útero, ocorre de 10 a 15 dias depois da menstruação, no período fértil, se a gravidez aconteceu.

Portanto, se após um pequeno sangramento rosado, a menstruação atrasar por mais de 2 semanas, pode ser sim, um sinal de gravidez.

Quanto tempo após o sangramento de nidação posso fazer o teste de gravidez?

Em média, cinco a sete dias após o sangramento de nidação. Isso é uma estimativa, porque acredita-se que a nidação leve de 7 a 15 dias ocorrer. Este é o tempo que o óvulo fecundado demora para se deslocar da trompa até a cavidade uterina.

Entretanto, o mais recomendado é que o teste de gravidez, de farmácia ou o Beta-HCG, seja feito após 15 dias de atraso da menstruação.

Conhecer as fases do seu ciclo menstrual pode ajudar muito a perceber o sangramento de nidação e a outros sinais de gravidez.

Para maiores esclarecimentos sobre o assunto, converse com o/a seu/sua ginecologista, ou equipe de saúde da família.

Veja também:

Fases do ciclo menstrual: o que você precisa saber
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O ciclo menstrual começa com o primeiro dia da menstruação e acaba quando a menstruação seguinte se inicia. De forma geral, o ciclo menstrual é composto de seis fases:

  1. Menstruação
  2. Fase folicular
  3. Fase proliferativa
  4. Ovulação
  5. Fase lútea
  6. Fase secretora

Algumas destas fases ocorrem ao mesmo tempo: duas delas, a fase proliferativa e secretora, acontecem no útero. Já as fases folicular e lútea, ocorrem nos ovários.

O ciclo menstrual completo dura de 24 a 38 dias e pode variar de ciclo para ciclo e se modificar ao longo dos anos.

Fases do ciclo menstrual: o ciclo uterino é composto pela menstruação, fase proliferativa, ovulação e fase secretora. No ciclo ovariano, a fase folicular (crescimento folicular) e fase lútea (formação do corpo lúteo). 1. Menstruação

A menstruação marca o início do ciclo menstrual e se caracteriza pelo período de sangramento. É a fase em que o sangue e o tecido que revestem internamente o útero, descamam e saem para o exterior do corpo através da vagina.

O período menstrual termina quando o sangramento cessa. A menstruação pode durar até 8 dias, mas em média, dura entre 5 e 6 dias.

2. Fase folicular

Ao mesmo tempo em que menstruação começa a acontecer no útero, a fase folicular se inicia nos ovários. Então, a fase folicular dura do começo da menstruação até a ovulação. Nesta fase os ovários trabalham para preparar o óvulo que será liberado durante a ovulação.

3. Fase proliferativa

A fase proliferativa começa com o fim da menstruação e termina quando acontece a ovulação. Nesta fase o útero produz um tecido interno mais espesso para substituir o tecido que descamou com a menstruação. Isto é feito com a ajuda do estrogênio.

Esta fase é chamada de proliferativa porque é nela o que endométrio (revestimento interno do útero) se prolifera, aumenta o número de células e se prepara para receber o óvulo, caso aconteça a fecundação.

4. Ovulação

A ovulação é a liberação do óvulo pelo ovário. Ela corresponde mais ou menos à metade do ciclo menstrual, em torno de 13 a 15 dias após o início da menstruação.

A fase da ovulação corresponde ao período fértil. É neste período que a gravidez ocorre. Nele a mulher pode perceber no seu corpo sinais como:

  • secreção vaginal transparente e elástica semelhante à clara de ovo,
  • aumento da temperatura corporal,
  • aumento da libido e do apetite e
  • dor no baixo ventre.

Estes são sinais de que você está fértil e pode engravidar se tiver relações sexuais neste período.

Saiba como calcular o seu período fértil neste artigo: Como calcular o Período Fértil?

5. Fase lútea

A fase lútea é o período entre a ovulação e o início da próxima menstruação. A sua duração tem em média, 9 a 16 dias. Quando a ovulação acontece, o folículo que continha o óvulo se transforma em uma estrutura chamada de corpo lúteo. O corpo lúteo começa então a produção de estrogênio e progesterona.

Nesta fase, devido a alterações hormonais, você pode sentir sintomas semelhantes aos sintomas pré-menstruais como: sensação de inchaço, maior sensibilidade nos seios, mudanças de humor e dores de cabeça.

O corpo lúteo é responsável pela produção de progesterona suficiente para sustentar a fase inicial da gravidez. Por volta do 9º e 11º dia após a ovulação, o corpo lúteo começa a se dissolver, os níveis de estrogênio e progesterona caem e a menstruação acontece novamente, o que dá início ao novo ciclo.

6. Fase secretora

A fase secretora começa após a ovulação e dura até o início da próxima menstruação. Nesta fase o tecido do útero secreta substâncias que auxiliam na fixação do óvulo fecundado na parede do útero (endométrio), na fase inicial da gravidez.

Se a gravidez não ocorrer, estas mesmas substâncias causam a contração do útero e ajudam o endométrio a descamar provocando a menstruação. Nesta fase, algumas mulheres podem sentir as cólicas menstruais, tanto no início como durante todo o período menstrual.

É importante que você conheça o seu ciclo menstrual, pois normalmente ele produz mudanças no seu corpo. Algumas mulheres sentem as modificações no humor, na pele, além de dores de cabeça, sensação de inchaço e no desejo sexual.

Conhecer o ciclo é também útil para as pessoas que querem engravidar ou evitar a gravidez.

Para esclarecer mais dúvidas sobre esse assunto, converse com um ginecologista.

Referência:

  • Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.