Perguntar
Fechar

Saúde do Homem

Quais os valores normais de FSH?

Os valores de referência para o FSH estão listados abaixo e podem variar conforme o método de análise realizado no laboratório.

Para o sexo feminino:

  • fase folicular (do 1º ao 12º dia após a menstruação): 2,8 até 12 mUI/mL;
  • pico ovulatório (em média no 14º dia do ciclo menstrual): 12-25 mUI/mL;
  • fase lútea (do 16º dia do ciclo até a próxima menstruação): 1,2 até 12 mUI/mL;
  • menopausa: > 30 mUI/mL.

Para o sexo masculino:

  • 0,7 até 10 mUI/mL.

Para crianças antes da puberdade:

  • até 4 mUI/mL.

Se houver alterações nos níveis do FSH, deverá ser consultado um médico ginecologista, endocrinologista ou urologista.

Fimose ou hipotireoidismo interfere no tamanho do pênis?

O tamanho do pênis está ligado a vários fatores, sendo que o principal é o genético. Cirurgia de fimose não interfere com o crescimento do pênis. Hipotireoidismo não interfere com o crescimento do pênis (porque seu filho toma remédio e deve estar controlado). Talvez a única medida que pode ser adotada e que pode resultar em alguma mudança é a perda de peso. A pessoa que está acima do peso tende a produzir na gordura periférico o hormônio feminino estrogênio que pode interferir com o desenvolvimento das características sexuais secundárias (o que inclui parte do desenvolvimento do pênis)

Ejaculo pouco esperma, pode dificultar ter filhos?

Ejacular pouco esperma, somente, não significa dificuldade para ter filhos. Além disso, é necessário saber se o volume de esperma ejaculado está realmente abaixo do normal, o que pode variar entre 1,5ml e 5ml por ejaculação. Para saber se há algo errado com o esperma é necessário a realização de um espermograma, que é um exame no qual são analisados o número de espermatozoides por ml, a proporção de espermatozoides defeituosos e imaturos, e a motilidade deles.

Alterações dos espermatozoides que podem ser encontradas no esperma:

  • oligospermia (baixa quantidade de espermatozoides);
  • astenospermia (baixa motilidade de espermatozoides);
  • teratospermia (pequeno número de espermatozoides com forma normal);
  • azoospermia (ausência de espermatozoides no esperma).

A dificuldade para ter filhos pode estar relacionada à outros fatores além do esperma, que devem ser esclarecidos com a consulta a um urologista ou a um especialista em reprodução humana.

Dor no pênis. O que pode ser?

Dor no pênis pode ser causadas por ereção prolongada, inflamações na glande ("cabeça do pênis") ou na próstata, presença de pequenas fissuras, doenças sexualmente transmissíveis, ou por traumas no pênis provocados durante a penetração, principalmente se os movimentos forem mais intensos.

Ereção prolongada

A ereção prolongada pode acarretar uma má oxigenação dos corpos cavernosos, que se enchem de sangue quando o pênis está ereto e são responsáveis pelo seu aumento de tamanho e volume.

A diminuição da chegada de oxigênio a essas estruturas pode resultar em dor no pênis se ele permanecer ereto por muito tempo.

Balanite

A inflamação da glande é chamada de balanite e pode ou não estar associada a uma infecção. A balanite normalmente está relacionada com micro-organismos infecciosos transmitidos através de relação sexual desprotegida.

A inflamação também pode ser causada por doenças de pele, alergias, traumas, má higiene ou ainda câncer de pênis.

Os principais sintomas da balanite são dor na cabeça do pênis, vermelhidão e aumento da temperatura local. Também pode haver inchaço e feridas na glande.

Quando há infecção, também podem estar presentes bolhas com pus, além de coceira e secreção com mau cheiro.

Prostatite

Outra causa de dor no pênis é a prostatite (inflamação na próstata), que também pode provocar dor no abdômen inferior, dor durante a ejaculação e dores na região do períneo, que fica entre os testículos e o ânus.

A ejaculação dolorosa é um dos principais sintomas de prostatite. A dor costuma surgir logo após a ejaculação e pode durar horas ou dias. Uma possível causa de prostatite são as doenças sexualmente transmissíveis, sobretudo em homens jovens.

Leia também:

O que é prostatite e quais os sintomas?

Dor na hora da ejaculação é normal? O que pode ser e o que fazer?

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças como Sífilis, Gonorreia ou infecção pela Clamídia costumam causar coceira e vermelhidão, mas também em alguns casos podem levar a quadro de dor local, ou pequenas fissuras.

 Em caso de dor no pênis, consulte um médico urologista para que a causa da dor seja devidamente identificada e tratada.

Também podem lhe interessar:

Tenho o pênis inchado, o que pode ser?

Corrimento no pênis: o que pode ser e como tratar?

Coceira no pênis, o que pode ser?

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?

Rompimento no freio do pênis: o que fazer?

Dor no pênis toda vez que eu vou urinar: o que pode ser?

Isso provavelmente significa algum tipo de infecção ou inflamação, precisa procurar um médico para ver realmente o que é e fazer o tratamento.

Lesões e alterações em pênis

1 - Ressecamento na pele ou glande do pênis?

Alterações desse tipo podem significar algum tipo de alergia (dermatite de contato), inflamação ou infecção de pele (candidíase), pode ser algo específico do pênis (mais comum) ou pode significar uma doença de pele de todo o corpo. Algumas doenças sexualmente transmissíveis também podem começar com esse sintoma (menos provável).

2 - Lesões tipo "pequenas bolinhas vermelhas" na cabeça do pênis, o que pode ser?

Pode ser algum tipo de infecção (infecções bacterianas de pele ou herpes ou candidíase são as mais comuns) ou algum tipo de alergia.

O urologista é o especialista indicado para fazer o diagnóstico e tratamento das lesões e alterações no pênis.

Saiba mais em: 

Tenho o pênis inchado, o que pode ser?

Dor no pênis. O que pode ser?

Qual é o tratamento para condiloma acuminado?

O tratamento para condiloma acuminado inclui uso de medicações que se passam na região afetada e cauterização elétrica (isto é, "queimar" as lesões).

O condiloma acuminado é uma doença sexualmente transmissível, causada pelo vírus HPV e que se caracteriza pela presença de verrugas que aparecem em áreas como vulva e vagina, ânus e reto, pênis e boca.

O acompanhamento da doença deve ser feito por dermatologista ou ginecologista.

HPV: o que é e como se transmite?

O HPV (Papiloma Vírus Humano) é um vírus responsável por uma série de doenças, entre elas as verrugas, tanto as de pele como as genitais, a papilomatose respiratória e o câncer de colo de útero, garganta e ânus.

Existem centenas de tipos de HPV, e cada grupo deles é responsável por um tipo diferente de manifestação. Cada pessoa pode ser contaminada por dezenas de tipos diferentes ao longo da vida.

Vale lembrar que as verrugas, que caracterizam o HPV, não são causadas pelos tipos de HPV que provocam câncer, já que existem mais de 150 formas desse vírus. Desses, cerca de 40 podem causar herpes genital, enquanto outros 12 podem levar ao desenvolvimento de câncer no local da infecção, ou seja, boca, garganta, colo do útero, vagina, pênis e ânus.

HPVComo ocorre a transmissão do HPV?Relações sexuais

O  HPV é transmitido sobretudo pelo contato direto com a pele ou as mucosas de pessoas infectadas pelo vírus. Por isso, sua principal via de transmissão é através de relações sexuais desprotegidas (sem preservativo), seja qual for a forma de contato sexual (oral, genital ou anal).

Até mesmo o contato manual com o local afetado pelo HPV pode causar a transmissão do vírus. Isso significa que não é necessário haver penetração, mesmo com camisinha, para que o HPV seja transmitido.

O HPV entra no corpo principalmente através de feridas pequenas que atuam como porta de entrada para o vírus. 

Gravidez

Mães portadoras de HPV também podem transmitir o vírus ao ao bebê no momento do parto.

Uma vez que o HPV não circula na corrente sanguínea, como o HIV, por exemplo, a infecção da mãe para o filho ocorre no momento do parto e não enquanto o bebê ainda está no útero.

As chances de haver transmissão para a criança existe no momento do parto, se houver contato do bebê com as lesões da mãe.

Leia também: HPV durante a gravidez: quais os riscos e como tratar?

Autoinfecção

Outra forma de contágio é a autoinfecção, que ocorre quando a pessoa tem ferimentos pequenos na pele ou mucosas, que atuam como porta de entrada para o vírus em outras partes do corpo.

Objetos contaminados

Não existem evidências de que a transmissão do HPV ocorra pelo contato com objetos, objetos contaminados,  como vaso sanitário, toalhas, ou até mesmo pelo uso de piscinas, já que o vírus não costuma sobreviver por muito tempo em ambiente externo com secreções.

Quais os sintomas e tratamento para o HPV?

Quando transmitido pela via sexual, o HPV normalmente provoca o aparecimento de verrugas na glande (cabeça do pênis), vagina, ânus, colo do útero, boca e garganta. 

O tratamento da infecção pelo HPV varia conforme a doença e as respectivas manifestações. No caso das verrugas, o tratamento inclui medicamentos específicos e cauterização das lesões. Já o câncer é tratado com cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

Veja mais sinais e sintomas do HPV nos artigos Quais são os sintomas do HPV? e 

HPV na garganta: Quais os sintomas e como tratar?

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza gratuitamente a vacina contra o HPV para meninas dos 9 aos 14 anos, meninos dos 11 aos 15 anos incompletos, bem como para pessoas entre 9 e 26 anos que foram transplantadas, estão em tratamento para o câncer com quimioterapia e radioterapia ou têm AIDS/HIV.

Conheça mais sobre a vacina contra o HPV em: 

Quem deve tomar a vacina contra HPV?

A vacina HPV tem efeitos secundários?

A vacinação tem como objetivo prevenir câncer de pênis, boca e garganta, verrugas genitais, lesões pré-cancerosas nas regiões anal e genital, além de reduzir a ocorrência de câncer de colo de útero e vulva.

Saiba mais sobre o assunto em:

Quem tem HPV pode engravidar?

Quais são os tratamentos para HPV?

HPV tem cura definitiva?

Toda verruga é HPV?

Como é feito o diagnóstico do HPV?

Quem tem HPV pode doar sangue?