Perguntar
Fechar

Saúde do Homem

Tem como saber se meu marido é estéril no esperma a olho nu?

Não é possível avaliar a qualidade do esperma a olho nu.

O exame que avalia com detalhes o esperma é o espermograma.

Nele, o/a profissional de saúde observará no microscópio a quantidade de espermatozoides presente, bem como suas características de mobilidade entre outras.

O espermograma é um dos exames realizados na avaliação do casal infértil. Essa avaliação inclui exames da mulher e do homem para compreender as causas da infertilidade e orientar adequadamente o tratamento apropriado.

Por isso, caso o casal está há mais de 15 meses seguidos tentando engravidar e não conseguiu, é indicado uma consulta de planejamento familiar com o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Pancada nos testículos pode causar infertilidade?

Para uma pancada nos testículos causar infertilidade ela precisa ser muito forte, ao ponto de provocar ruptura ou lesão grave nesses órgãos. Levar uma pancada leve nos testículos, como uma bolada, dificilmente irá deixar um homem infértil.

Cada testículo possui um revestimento fibroso resistente, que envolve e protege o tecido delicado da glândula. Contudo, embora seja difícil de acontecer, essa proteção pode ser rasgada ou fraturada quando atingida por uma força violenta.

Os tipos de trauma testicular que podem causar tais lesões e provocar infertilidade são:

  • Pancadas decorrentes de esportes de risco, como artes marciais, esqui, skate, entre outros;
  • Traumas causados por acidentes;
  • Ferimentos penetrantes;
  • Golpes contundentes no testículo.

O tratamento dessas lesões ou rupturas pode ser feito através de cirurgia, preservando assim a função dos testículos de produzir esperma e testosterona, além de minimizar a dor e as cicatrizes.

Porém, há casos em que a reparação cirúrgica não pode ser realizada e os testículos precisam ser removidos, embora seja raro isso acontecer. Normalmente é possível preservar alguma função testicular.

Leia também: Quais são as causas da infertilidade masculina?

O que devo fazer se levar uma pancada muito forte nos testículos?

Sempre que sofrer um trauma mais violento nos testículos, o homem deve consultar um médico urologista para que seja feita uma avaliação, principalmente nas seguintes situações:

  • Lesão penetrante no saco escrotal;
  • Aparecimento de hematomas e inchaço do saco escrotal;
  • Dificuldade para urinar;
  • Presença de sangue na urina;
  • Ocorrência de febre depois da pancada;
  • Dor forte e constante.

É importante lembrar que a dor resultante das pancadas mais leves no testículo, embora seja intensa, não é proporcional ao "estrago" causado ao órgão, que quase sempre permanece intacto.

O líquido que sai para lubrificar pode engravidar?

Sim. O líquido que sai do pênis durante a lubrificação pode engravidar.

Esse líquido pode conter espermatozoides e portanto, é capaz de causar gravidez.

Mesmo que a quantidade de esperma não seja grande, nesse líquido pode haver espermatozoide. Apesar de estarem em número reduzido, basta que um deles consiga chegar ao óvulo para ocorrer fecundação e uma gravidez.

Qualquer relação sexual com penetração do pênis na vagina sem o uso de camisinha, pílula anticoncepcional ou outro método contraceptivo, mesmo que tenha sido praticado o coito interrompido, pode engravidar.

coito interrompido consiste na retirada do pênis da vagina no momento da ejaculação. Apesar desta prática diminuir um pouco as chances de gravidez, uma vez que a ejaculação ocorre fora da vagina, ainda há chances da mulher engravidar. O coito interrompido não é método anticoncepcional adequado e eficiente.

Use algum método contraceptivo caso você não queira engravidar.

Rompimento no freio do pênis: o que fazer?

Se o freio do pênis se romper totalmente durante uma relação, a dor e o sangramento por si só causam a interrupção da relação, após a interrupção o que deve ser feito de imediato é comprimir o local, para auxiliar na coagulação e cessar o sangramento. Por vezes, quando o sangramento é muito volumoso e não cessa apenas com a compressão, pode ser necessário cirurgia para o tratamento definitivo da ferida.

 A ruptura parcial do frênulo prepucial, como também é conhecido, pode ser suficiente para amenizar a tensão no freio e evitar novas rupturas e dores durante as relações.

Por outro lado, quando o freio do pênis não se rompe completamente, ele pode romper-se novamente ou provocar incômodo e dor durante a penetração. Nesse caso, pode ser indicado fazer uma frenuloplastia, que consiste na remoção cirúrgica da pele que liga a glande ao corpo do pênis.

A frenuloplastia é feita com anestesia local, sem necessidade de internação. A evolução no pós-cirúrgico normalmente é muito boa e o paciente pode voltar a ter relações após 30 dias do procedimento.

O rompimento do freio do pênis ocorre principalmente nos casos dos chamados freios curtos, durante a primeira relação, ou durante relações sexuais com pouca lubrificação. Trata-se de uma lesão frequente em homens que não operaram a fimose. 

Em caso de ruptura do freio do pênis, consulte um médico urologista para avaliar o caso e indicar o tratamento mais adequado.

Também pode lhe interessar: Dor no pênis. O que pode ser?

Bolinha em bolsa escrotal o que fazer?

Se for somente na pele pode ser uma inflamação ou infecção de pele se for algo mais interno dai já deve ser algo problemático. Se for na pele precisa ir ao dermatologista e se for algo mais interno precisa ir ao urologista.

Antidepressivo pode causar impotência ou infertilidade?

Sim, antidepressivo pode causar impotência e infertilidade. Praticamente todos os antidepressivos podem provocar disfunções sexuais, interferindo no desejo, ereção, orgasmo e ejaculação, além de poderem influenciar a fertilidade.

Em relação à impotência (incapacidade de ter ou manter uma ereção durante uma o ato sexual), os antidepressivos normalmente causam efeitos colaterais que podem prejudicar a atividade sexual em todos os níveis, tais como:

  • Diminuição do desejo;
  • Diminuição da excitação;
  • Disfunção erétil;
  • Problemas de orgasmo e ejaculação, como orgasmo em tempo atrasado e ausência de ejaculação.

Outros efeitos colaterais menos comuns, incluem:

  • Anestesia peniana;
  • Dor durante o orgasmo;
  • Orgasmo associado com bocejos;
  • Priapismo (ereção dolorosa e prolongada que ocorre independentemente de desejo sexual);
  • Orgasmo espontâneo.

Quanto à infertilidade (incapacidade de gerar filhos), os antidepressivos podem afetar a fertilidade das seguintes formas:

  • Diminuição do volume da ejaculação;
  • Produção reduzida de espermatozoides;
  • Baixa qualidade dos espermatozoides.  
Todos os antidepressivos podem causar impotência?

Praticamente todos esses medicamentos influenciam a sexualidade de alguma forma. No entanto, os antidepressivos serotoninérgicos (que aumentam o hormônio serotonina) estão entre os principais responsáveis pela disfunção sexual no homem, uma vez que a serotonina inibe a libido, a ejaculação e o orgasmo.

Os antidepressivos que mais provocam disfunção erétil (impotência) são:

  • Fluoxetina;
  • Sertralina;
  • Paroxetina;
  • Citalopram;
  • Venlafaxina

Já os antidepressivos que menos interferem na atividade sexual são:

  • Nefazodona;
  • Bupropiona;
  • Trazodona.

Dentre estes, a trazodona pode causar ereções prolongadas, enquanto que a bupropiona pode inclusive melhorar o desejo sexual e facilitar o orgasmo.

Outros antidepressivos e seus respectivos efeitos na sexualidade:

  • Imipramina e Amitriptilina (antidepressivos tricíclicos): Diminuem o desejo sexual e provocam problemas na ereção e ejaculação;
  • Clomipramina: Diminui a sensibilidade genital, retardando a ejaculação.

Cerca de 60% dos homens que tomam antidepressivos apresentam algum tipo de disfunção sexual, sendo essa uma das principais causas de abandono do tratamento à longo prazo.

Para maiores esclarecimentos, converse com o seu médico psiquiatra.

Também pode lhe interessar: Quais são as causas da impotência sexual?

Retirar a próstata causa impotência?

Retirar a próstata (prostatectomia total) pode causar impotência. Os riscos variam entre 30 e 100% e dependem da idade, do estágio do câncer de próstata, do tamanho do tumor e também de como estava a função erétil antes da cirurgia.

Na maioria dos casos, a dificuldade de ter uma ereção melhora com o tempo. Homens com mais de 65 anos apresentam cerca de 30% de chance de voltarem a ter o mesmo nível de ereção que possuíam antes de retirar a próstata. Já em indivíduos com menos de 60 anos as chances de recuperação são de 60 a 70%.

Há ainda fatores como diabetes, hipertensão arterial, aterosclerose, taxas de colesterol elevadas, tabagismo e problemas cardíacos que também influenciam a disfunção erétil após a cirurgia. Pacientes que já apresentavam algum tipo de impotência antes de retirar a próstata tendem a ter o quadro agravado.

No entanto, na maioria dos casos, a dificuldade de ereção após a retirada da próstata tende a melhorar com o passar do tempo, embora esse tempo varie bastante, podendo chegar a 18 meses.

Por isso, os urologistas geralmente recomendam o uso de medicamentos via oral, injeções intracavernosas e próteses à vácuo.

Durante esse período, é importante que o paciente procure ter relações frequentemente, pois isso tende a acelerar a melhora da disfunção erétil. Geralmente, se o problema persistir por 1 ano, o médico urologista pode recomendar a cirurgia de implante de prótese peniana.

Meu namorado tem problemas para ejacular, ele é rápido...

Na verdade seu namorado tem ejaculação precoce, ele deve procurar um urologista para tratar esse problema. Quem não deve estar ficando excitada é você, por isso tem ardência e não consegue manter relação por mais tempo.