Perguntar
Fechar

Febre

Dores no abdômen, febre, vômito e enjoos, o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dores no abdômen, febre, vômito e enjoos podem ser sintomas de dengue, intoxicação alimentar (virose), apendicite, entre outras doenças. O melhor a fazer nesses casos é não se automedicar e procurar atendimento médico o mais rápido possível.

No caso da dengue, a pessoa pode apresentar os seguintes sintomas:

  • Febre alta, em torno de 40ºC;
  • Dores musculares;
  • Dor nas articulações;
  • Dor abdominal;
  • Dor de cabeça e nos olhos;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Indisposição;
  • Manchas vermelhas no corpo.

Leia também: Sintomas que qualificam os casos como suspeitos de Dengue

Já a intoxicação alimentar é um tipo de virose do aparelho digestivo, que pode ser causada por vírus (enterovírus) ou bactérias, como a Escherichia coli. São mais comuns no verão e podem causar sintomas como:

  • Diarreia;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Febre;
  • Mal estar;
  • Cólicas intestinais.

Leia mais sobre o assunto em: Quais os sintomas de uma virose?

As dores no abdômen, a febre, o vômito e os enjoos também podem ser sinais de apendicite e, neste caso, o paciente deve ser submetido a uma cirurgia de emergência o mais rápido possível.

Se o apêndice (porção do intestino que está inflamada) "romper", pode haver extravasamento de fezes para a cavidade abdominal evoluindo com sepse, conhecida por infecção generalizada que pode levar à morte.

Os sintomas típicos da apendicite são:

  • Dor abdominal, por vezes localizada no lado inferior direito (mas nem sempre);
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Febre;
  • Perda de apetite.

Porém, a apendicite também pode provocar outros sintomas, como:

  • Dor na "boca do estômago" ou ao redor do umbigo;
  • Gases;
  • Indigestão;
  • Diarreia ou prisão de ventre;
  • Mal estar geral;
  • A febre pode não estar presente no início dos sintomas, mas pode ocorrer com a evolução do problema.

Veja também: Quais são os sintomas da apendicite?

Por isso, devemos ressaltar que nesse caso o mais adequado é procurar atendimento médico o mais rápido possível para identificar e tratar a causa desse problema.

É possível ter febre mesmo tomando antibiótico?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, é possível ter febre mesmo tomando antibiótico.

Dependendo do tipo de infecção e do antibiótico, o medicamento só começa a fazer efeito depois de várias horas, e, nesse período, a pessoa pode continuar tendo febre. A injeção de benzetacil, por exemplo, demora entre 12 e 48 horas para começar a fazer efeito. 

Assim que entra em ação, o antibiótico começa a destruir as bactérias responsáveis pela infecção, eliminando dessa forma o mecanismo que está causando a febre.

Porém, se a pessoa já estiver tomando antibiótico há pelo menos 2 dias e continuar com febre, é porque a medicação pode não estar fazendo efeito por alguma razão.

Esses casos:

  • dose do antibiótico pode estar baixa;
  • O medicamento não foi tomado nas horas certas;
  • Há perda da medicação por vômito;
  • Interação do antibiótico com alimentos ou remédios;
  • Resistência bacteriana;
  • Outras causas

podem diminuir o efeito do antibiótico.

Se continua tendo febre mesmo que já esteja tomando antibiótico há pelo menos 48 horas, fale com o/a médico/a que receitou o medicamento para que sejam feitos os ajustes necessários à medicação.

Febre que não passa mesmo tomando remédio: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Febre que não passa mesmo tomando remédio pelo tempo indicado deve ser investigada.

Febre é um mecanismo do nosso organismo de aumentar a temperatura corporal na presença de alguma infecçãodoença auto-imune ou uma situação de alerta. Normalmente, no início de um quadro febril, as pessoas usam algum tipo de medicamento para reduzir ou cessar a febre. Após o uso dessas medicações e a não melhora do quadro ou então do aparecimento de outros sintomas, a pessoa deve procurar um serviço de saúde para investigar a origem dessa febre e proceder com o tratamento específico indicado.

Quando alguma infecção é confirmada, geralmente pode ser indicado o uso de antibiótico para tratar a infecção, destruir o micro-organismo causador da infecção e, por consequência, acabar o mecanismo que está produzindo a febre. O antibiótico deve ser usado pelo tempo indicado na receita médica.

Leia também: É possível ter febre mesmo tomando antibiótico?

Caso, mesmo em uso ou após acabar a medicação a febre persista, procure novamente o/a profissional de saúde para uma reavaliação.

Que tipos de reação a vacina da febre amarela pode causar?

Os principais tipos de reação que a vacina da febre amarela pode causar incluem febre, dor local, dor de cabeça e dores musculares. Contudo, a vacina contra a febre amarela é segura, eficaz e os seus efeitos colaterais normalmente são leves.

Algumas reações, tais como dor, vermelhidão, endurecimento e inchaço local, não estão relacionadas com a vacina propriamente dita, mas sim com a injeção. Esses sinais e sintomas costumam aparecer entre as 24 horas e as 48 horas seguintes à aplicação e costumam durar de 1 a 2 dias.

Reações leves

Já a vacina em si pode causar reações leves ou graves. Os efeitos colaterais leves da vacina da febre amarela normalmente surgem depois de 3 dias da aplicação e podem durar até 3 dias. Dentre eles estão: dor, vermelhidão e inchaço no local, dor de cabeça, febre, mal-estar, dor e fraqueza muscular.

Reações graves

As reações alérgicas estão entre os efeitos adversos mais graves da vacina contra a febre amarela. O início da reação é rápido. Os sinais e sintomas nesses casos começam a se manifestar nas primeiras duas horas após a injeção, podendo incluir: urticária, dificuldade respiratória e inchaços.

A ocorrência de choque anafilático é bastante rara, já que o risco é de 1 caso para cada 5.000.000 de pessoas que recebem a vacina. Nesse tipo de reação, pode ocorrer doenças neurológicas, falência aguda de órgãos e até morte súbita. Os sintomas nessas situações começam a surgir em até 10 dias após a aplicação da vacina.

Sinais e sintomas de febre amarela

Uma vez que a vacina é produzida com o próprio vírus da febre amarela, algumas pessoas podem desenvolver a doença. Nos casos em que a pessoa desenvolve a própria febre amarela em consequência da vacina, as reações são os próprios sinais e sintomas da doença, o que pode incluir: febre, dor de cabeça, fadiga intensa, dores musculares e articulares, náuseas, vômitos, diarreia e dor abdominal

À medida que a doença evolui, o paciente pode apresentar icterícia (pele e olhos amarelados), problemas hepáticos e renais, redução do número de plaquetas, diminuição da pressão arterial, hemorragias, insuficiência respiratória, destruição geral dos músculos e estreitamento dos vasos sanguíneos.

Veja também: Quais são os sintomas da febre amarela? Como ocorre a transmissão?

Doenças neurológicas

A ocorrência de doenças neurológicas decorrentes da vacina contra a febre amarela é muito rara, com cerca de 1 caso em cada 25.000.000 de pessoas vacinadas. As reações nesses casos podem se manifestar sob a forma de dores de cabeça, febre, alterações de consciência, meningite, paralisia muscular, convulsões, alterações na coordenação motora, encefalite (inflamação no cérebro) e morte súbita.

Sinais de alerta

Se a pessoa apresentar os seguintes sinais e sintomas em até 30 dias após ter tomado a vacina contra a febre amarela, ela deve ser levada a um serviço de urgência o mais rápido possível:

  • Icterícia (pele e olhos amarelados);
  • Sangramentos;
  • Escurecimento da urina;
  • Redução do volume de urina;
  • Vômitos;
  • Alterações de consciência;
  • Dores abdominais.

Vale lembrar que a vacinação contra a febre amarela é importante e necessária, pois protege contra uma doença que pode ser fatal. Porém, existem grupos de risco que nem sempre podem receber a vacina ou necessitam de atenção especial, por isso é importante seguir as orientações dos profissionais de saúde.

Saiba mais em:

Quando devo tomar a vacina contra febre amarela?

Qual é o tratamento para febre amarela?

Febre chikungunya é contagiosa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A febre chikungunya não é contagiosa, ou seja, não é transmitida de pessoa para pessoa. A única forma de transmissão conhecida é através da picada do mosquito Aedes aegypti e Aedes albopictus infectados pelo vírus CHIKV.

O principal transmissor do vírus nas cidades é o mosquito  Aedes aegypti. Nas zonas rurais e silvestres, o chikungunya é transmitido sobretudo pelo Aedes albopictus.

Porém, existe outra possibilidade de transmissão do vírus, que é da mãe para o feto durante o parto, caso a mãe esteja no período de transmissão da doença (viremia).

Não há evidências de transmissão do vírus da febre chikungunya pelo leite materno.

O mosquito adquire o vírus chikungunya (CHIKV) ao picar uma pessoa infectada durante o período de viremia, que vai desde um dia antes do aparecimento da febre até ao 5º dia da doença, quando o indivíduo ainda tem o vírus na corrente sanguínea.

Quais são os sintomas da febre chikungunya?

Os principais sintomas da febre chikungunya incluem febre alta (acima de 38,5ºC) de início rápido e forte dor nas articulações de mãos, pés, dedos, tornozelos e punhos. A pessoa pode apresentar ainda dor de cabeça, dores musculares e manchas vermelhas na pele. 

Os sintomas da doença começam cerca de 2 a 12 dias depois da picada do mosquito, podendo chegar a 14 dias em alguns casos. É o chamado período de incubação da febre chikungunya. 

Contudo, há pessoas que não manifestam sinais e sintomas e nem todos os que são picados pelo mosquito ficam doentes. Uma vez infectada, a pessoa fica imune à doença pelo resto da vida, independentemente de manifestar sintomas ou não.

Qual é o tratamento para o chikungunya?

O tratamento da febre chikungunya visa apenas aliviar os sintomas através de medicamentos para febre e anti-inflamatórios para as dores articulares, uma vez que não há um tratamento específico para a doença. Ainda não existe vacina contra a febre chikungunya.

Grande parte dos casos de febre chikungunya tem evolução benigna e a doença é auto-limitante, ou seja, resolve-se espontaneamente. Casos de morte são raros, sendo relatados principalmente em recém-nascidos e pessoas com outras doenças associadas.

Como prevenir a febre chikungunya?

Não existe vacina contra a febre chikungunya, nem medicamentos específicos para tratar a doença. Dessa forma, a única forma de prevenção é eliminando o mosquito. 

Também recomenda-se utilizar repelentes, mosquiteiros e roupas que cubram bem o corpo para evitar a picada do mosquito, principalmente se a pessoa for viajar ou residir em áreas com surtos de chikungunya.

Saiba mais em:

O que é a febre chikungunya?

Chikungunya pode causar microcefalia?

Febre reumática tem cura?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

Sim e não, ao mesmo tempo. A febre reumática é uma doença provocada pelos anticorpos que o corpo do próprio paciente produzem, após uma infecção causada pela bactéria estreptococo hemolítico do grupo A.

Na fase inicial, esses anticorpos "atacam" várias partes do organismo, causando inflamação em estruturas como as articulações, valvas do coração, cérebro e outras. O tratamento inclui repouso, remédios sintomáticos e anti-inflamatórios, e dura cerca de algumas semanas, após a qual esses anticorpos perdem seu efeito e a doença pára de progredir.

Entretanto, as sequelas causadas por essa inflamação podem ficar para sempre. As sequelas permanentes mais comuns são aquelas que ficam nas valvas do coração, e que podem prejudicar o seu funcionamento.

Sendo assim, pode-se dizer que a doença febre reumática é interrompida com o tratamento adequado, porém ela pode deixar complicações permanentes. Além disso, pessoas que já tiveram febre reumática uma vez na vida têm maior chance de ter uma segunda vez, e aí as sequelas podem ser ainda piores.

Por esse motivo, quase todas as pessoas que sofrem de febre reumática podem precisar tomar doses de penicilina benzatina (que é um antibiótico injetável) repetidamente durante vários anos.

Qual a temperatura da febre?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Febre é a temperatura corporal cima dos 37,8ºC, quando for medida embaixo do braço (axila). Dependendo da região do corpo onde coloca-se o bulbo ou o sensor do termômetro, essa temperatura pode variar:

  • boca (oral): normal até 37,8ºC;
  • ouvido (membrana timpânica): normal até 38,3ºC;
  • retal (anal): normal até 38ºC.

A temperatura corporal pode sofrer pequenas mudanças durante o dia, dependendo da atividade física realizada, do clima, roupas usadas, ovulação da mulher, primeiro trimestre da gravidez, idade e até mesmo, de pessoa para pessoa. No entanto, só é considerada febre quando há um aumento da temperatura para acima da média do corpo humano. O instrumento utilizado para medir a temperatura é o termômetro, que deve ser mantido no corpo durante cerca de 5 minutos.

A febre não é uma doença, é uma reação à algum problema que atinge o organismo. Pode ser causada por uma infecção, inflamação, trauma, câncer, alterações no sistema nervoso central e no sangue, entre outros. Pode estar acompanhada de sintomas como: mal estar, náuseas, vômitos, dor de cabeça e fadiga.

O controle da febre pode ser feito com a tentativa de resfriamento do corpo: fazer compressas frias embaixo dos braços, pescoço e região das virilhas (inguinal), manter roupas leves e tomar banhos com água morna ou fria.  Os medicamentos usados para o controle da febre são os antitérmicos, tais como: dipirona, ibuprofeno, ácido acetilsalicílico, paracetamol. Porém, qualquer medicamento só deve ser usado segundo a prescrição médica.

Uma vez que a febre pode ter causas variadas, deve-se procurar um médico sempre que a febre persistir e se a pessoa apresentar além da febre, algum outro sinal ou sintoma.

Dor de cabeça na região acima dos olhos, dores musculares...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Parece mesmo uma infecção viral, mas creio que a lista de vírus mais prováveis deve ter mais de uma centena, incluindo a Dengue (somente se numa região endêmica) os outros você pode descartar ou colocá-los no final da lista.

Febre e dores no pé da barriga e no estômago...

Febre e dores no pé da barriga e no estômago podem ser sintomas de:

  • Apendicite: A dor começa de forma difusa ao redor do umbigo e aumenta, indo depois para o pé da barriga, mais ao lado direito. Causa dores abdominais, febre e vômitos e precisa ser tratada com urgência;
  • Gastroenterite: Neste caso, a febre e as dores no pé da barriga vêm acompanhadas também de vômitos e diarreia;
  • Diverticulite: Na maior parte dos casos, provoca febre e uma dor no pé da barriga, mais localizada no lado esquerdo, em pessoas com mais de 60 anos;
  • Pedras na vesícula biliar: A dor abdominal ocorre devido à obstrução da vesícula por uma ou mais pedra. Se a obstrução for prolongada, a vesícula pode inflamar, causando, além da dor, febre e vômitos.

No seu caso específico, as fezes amareladas podem indicar um problema no fígado, uma vez que a falta de bile nas fezes pode deixá-las amarelas.

As pedras na vesícula são uma hipótese, mas o mais indicado é procurar um médico clínico geral ou médico de família o quanto antes para que seja diagnosticada e tratada a origem dos seus sintomas.

Febre na gravidez faz mal ao bebê?

Não, febre na gravidez não faz mal ao bebê, nem prejudica a saúde ou o desenvolvimento do feto, desde que não seja superior a 38,5ºC e esteja sob controle.

Febre alta, acima de 38,5ºC ou 39ºC, e prolongada durante a gestação pode provocar parto prematuro ou abortamentos, por isso é importante saber a causa da febre e vigiar a temperatura corporal.

Resfriados podem ser comuns na gravidez e dificilmente causam febre. Porém, se for uma gripe, a situação é diferente, pois é provável que haja febre e ela pode chegar aos 40ºC se não for controlada.

Durante o estado febril ou na presença de inflamações, o corpo libera substâncias chamadas prostaglandinas, que podem provocar contrações uterinas e causar abortamentos (principalmente no início da gravidez) e partos prematuros (no final da gestação).

Também é importante lembrar que a febre é sinal de infecção e qualquer infecção durante a gravidez deve ser diagnosticada e tratada para evitar complicações para a mãe e para o bebê.

O que fazer em caso de febre na gravidez?

Comunique o seu médico obstetra sempre que tiver febre durante a gestação, mesmo que seja uma febre baixa.

Se a febre ultrapassar os 38ºC, procure atendimento médico. Não deixe a febre subir e permanecer alta.

Algumas medidas que podem ajudar a controlar a febre e baixar a temperatura corporal, se a febre não estiver muito alta:

  • Tome um banho com água à temperatura ambiente (a água não deve estar gelada, senão pode piorar o quadro);
  • Retire o excesso de roupas;
  • Beba bastante água;
  • Descanse o tempo que for necessário, mesmo depois da febre baixar.

Fale com o seu médico obstetra se tiver febre e não tome nenhum medicamento sem orientação médica.

É importante lembrar que até mesmo o paracetamol pode causar problemas respiratórios no bebê depois do parto, se for tomado em excesso ou sem prescrição médica. Por isso, nunca se automedique durante a gravidez.

Também pode lhe interessar: Estresse durante a gravidez faz mal para o bebê?

Como se pega febre reumática?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

febre reumática acontece quando a pessoa contrai uma amidalite ou escarlatina e, depois disso, o próprio organismo produz anticorpos que provocam uma inflamação espalhada pelo corpo.

Esses anticorpos, inicialmente produzidos como forma de defesa imunológica, a fim de combater a bactéria, com o passar do tempo passam a atacar as estruturas do próprio organismo.

As principais estruturas afetadas são as articulações (levando a um tipo de artrite) e as valvas do coração (levando à chamada valvopatia reumática). Outros sintomas menos comuns incluem movimentos descoordenados (chamados de coreia), manchas vermelhas na pele, fraqueza, falta de ar entre outros.

Rodelas de batata na testa realmente abaixa a febre ou é mito?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Na verdade qualquer coisa fria e úmida aplicada na superfície corporal pode ajudar a diminuir a febre, por isso se indica compressas frias ou banhos mornos em caso de febre.