Perguntar
Fechar

Parto

Como é a recuperação após cesariana?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O tempo total de recuperação após uma cesariana varia de mulher para mulher: enquanto algumas conseguem ficar de pé apenas algumas horas após a cirurgia, outras precisam de mais tempo para se recuperar, principalmente se houver algum tipo de complicação durante o parto.

A recuperação completa não é fácil, pois é uma cirurgia de grande porte e o corpo precisará de cerca de seis meses para se recompor. Entre 10 e 12 horas depois da cesárea, a mulher deve tomar um banho, o que pode ser aparentemente difícil. 

Provavelmente a mulher vai precisar de ajuda e a enfermeira ou um acompanhante poderão ser necessários. Será necessário ajuda para deitar-se e para levantar-se da cama, por isso será mais fácil se alguém puder ficar de acompanhante para entregar o bebê à mãe quando ele chorar ou quiser mamar.

Tempo de internamento hospitalar:

O tempo de internamento hospitalar para o parto por cesariana é geralmente de três dias, e após este período se a mulher e o bebê estiverem bem, poderão ir para casa, mas em alguns casos os dois ou um dos dois poderão ficar mais alguns dias no hospital para recuperar de alguma situação, o que pode ocorrer por exemplo se o bebê apresentar icterícia.

Recuperação em casa:

Após receber alta hospitalar, a mulher deverá se recuperar em casa. É aconselhável ter uma ajuda extra, especialmente nos primeiros dias. A mulher deverá evitar esforços, dedicando-se apenas ao seu bem estar, à amentação e aos cuidados com o bebê. Tarefas domésticas não devem ser prioridade e por isso toda ajuda é bem vinda.

Recomenda-se usar uma cinta pós-parto para aumentar o conforto, amenizar a sensação de que os órgãos estão soltos dentro do abdômen e para reduzir o risco de seroma na cicatriz.

Saiba mais em: O que é seroma e como é o tratamento?

É necessário também usar um absorvente noturno por causa do sangramento que irá ocorrer, semelhante a uma menstruação forte, que pode durar até 60 dias.

Quanto à cicatriz, os pontos só devem ser retirados oito dias após a cesária e ela poderá ser lavada normalmente durante o banho. No caso da mulher estar com muitas dores, poderá tomar o analgésico prescrito pelo médico.

Leia também: Os pontos da cesárea estão inflamados. O que fazer?

O pós operatório deve ser acompanhado pelo seu ginecologista, sempre que for possível. Ele poderá atuar no caso de qualquer complicação.

Posso estar entrando em trabalho de parto prematuro?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Dores como as que você cito são muito comuns durante a gravidez. para algumas mulheres estar grávida é só felicidade e para algumas que tem muitos sintomas, principalmente dor a felicidade de estar grávida e de certa forma obscurecida pela dor. O melhor de tudo é que suas dores tem hora marcada para terminar. Depois começam outras preocupações, mas dai já é outra história...

Dores durante a gestação que preocupam são dores na barriga (útero) tipo cólica que vem e some e depois de alguns minutos retorna, acompanhada sempre do endurecimento temporário da barriga (útero), estas dores vão ficando cada vez mais fortes até tornarem-se insuportáveis e você começa a perde secreção pala vagina parecida como um catarro; esses são os sinais de parto e indicam necessidade de procurar um hospital.

Quanto tempo após cesariana posso engravidar?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Após uma cesariana deve-se esperar de 18 a 24 meses para engravidar novamente, porque engravidar antes dos 18 meses após uma cesariana, pode trazer riscos à mulher e ao bebê devido à possibilidade de ocorrer ruptura uterina decorrente da fragilidade da parede do útero causada por gravidez e cesariana recente.

Outros problemas que podem ocorrer em intervalos curtos entre uma gravidez e outra são:

  • Anemia por falta de ferro (anemia ferropriva): devido à falta de tempo para o organismo materno recuperar o ferro perdido durante a gestação anterior.
  • Placenta prévia (quando a placenta fica implantada mais próximo do colo uterino): risco de sangramentos intensos, impossibilidade de parto normal, morte fetal.
  • Partos prematuros e baixo peso do bebê ao nascer.

O obstetra é o médico que deve ser consultado para orientar o espaçamento necessário entre duas gravidezes.

Leia também: Quanto tempo depois de perder o bebê posso engravidar?

É possível ter um parto normal se a mulher tem hemorroida?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, é possível ter um parto normal se a mulher tiver hemorroida. As hemorroidas não impedem o parto normal e não é razão que justifique a realização de uma cesárea.

As hemorroidas podem surgir pela primeira vez durante a gravidez, sendo normalmente no 3º trimestre e no período pós-parto os momentos em que surgem complicações como as crises e as tromboses hemorroidárias.

O aumento da pressão abdominal, do volume sanguíneo circulante e a obstipação intestinal também tendem a agravar os sintomas da hemorroida. Além disso, a fraqueza dos tecidos de sustentação do canal anal também contribuem para que as hemorroidas extravasem para fora do ânus.

A hemorroida pode surgir durante o segundo estágio do trabalho de parto devido à força que a mulher efetua no momento da expulsão do feto.

Na maioria dos casos de hemorroida na gravidez, o tratamento é conservador, com dieta rica em fibras, cuidados com a higienização do local e aplicação de pomadas, sendo poucos os casos em que a cirurgia é indicada.

Para maiores esclarecimentos, a grávida deve falar com o/a médico/a que a acompanha no pré natal ou com um/a médico/a proctologista, especialista responsável pelo tratamento das hemorroidas.

Quanto tempo depois do parto a barriga volta ao normal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tempo para que a barriga volte ao normal dependerá do peso da mulher, da quantidade de peso que ela ganhou durante a gravidez, da quantidade de tecido adiposo presente na barriga, do tipo de parto e da presença da amamentação.

O aumento do útero durante a gestação é a explicação pelo aumento da barriga. Logo após o parto, o útero começa a reduzir de tamanho e sua musculatura continua a contração para que ele volte ao tamanho anterior à gestação:

  • Em 24 horas depois do parto, o útero se localiza na altura do umbigo.
  • 1 semana após o parto: entre o umbigo e o púbis.
  • 2 semanas após o parto já não é palpável na região abdominal
  • 6 a 8 semanas após o parto o útero já estará do tamanho que era antes da gravidez.

Toda essa retração pode ser influenciada por alguns fatores e a barriga volta mais rápido ao padrão anterior nos casos:

  • tipo de parto - parto normal;
  • presença de amamentação;
  • primeira gestação.

A atividade física associada à dieta saudável vão colaborar na recuperação.

Esses cuidados do período pós parto deve ser acompanhado pelo/a médico/a obstetra ou médico/a de família que irá avaliar clinicamente a readaptação da mulher.  

O parto normal dói muito?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

A sensação de dor, inclusive a intensidade da dor, varia muito de uma pessoa para outra, e depende de uma série de fatores.

É claro que o parto normal é sim um procedimento doloroso. Mas é sabido que quase a totalidade das mulheres consegue suportar muito bem. Além disso, a mulher comumente recebe uma analgesia peridural, que tem papel importante no alívio da dor.

Em geral, as gestantes que estão mais preparadas, que conversam abertamente com seus médicos e entendem o "funcionamento" do seu corpo na hora do parto conseguem lidar muito melhor.

Outra coisa importante é a mulher estar acompanhada no momento do nascimento de seu filho. As mulheres que mais se queixam da dor geralmente são aquelas que estavam sozinhas na hora do parto.

Por fim, não devemos esquecer que o parto cesáreo, apesar de ser realizado sob anestesia, também tem uma série de sensações incômodas durante o procedimento. E, após o parto, sabemos que o período de recuperação da cesárea é muito maior do que no parto normal.

Para a melhor decisão possível sobre a via preferencial de parto, é fundamental que a gestante procure orientação de seu obstetra e converse amplamente com sua família.

Quanto tempo depois do parto posso malhar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A mulher pode voltar ou começar as atividades físicas no período pós parto assim que for fisicamente possível para ela e seguro da parte médica. Esse período costuma ser em torno dos 40 dias pós parto, porém o tempo exato poderá variar para cada mulher a depender se ela já realizava essas atividades antes, da intensidade dessa atividade e da recuperação do pós parto.

A atividade física no período pós parto é muito benéfica para a mulher para eliminar a retenção de peso advinda da gestação e evitar o ganho adicional de peso. Outros benefícios à saúde da mulher são: melhoria do bem estar psicossocial, melhoria do desempenho cardiovascular, redução da ansiedade e depressão, redução da incontinência urinária por estresse e da perda óssea induzida pela lactação.

O recomendado é realizar pelo menos 150 minutos de atividade física moderada (caminhada, natação, hidroginástica, academia) durante a semana. A mulher que já estava acostumada a realizar atividade física mais pesada também poderá retornar a realizar no seu ritmo.

O momento pós parto é muito delicado para a mulher pois está se recuperando dos hormônios gestacionais, acostumando com uma nova rotina e precisa do apoio familiar e social para colaborar com suas atividades diárias e no seu bem estar. 

Quanto tempo depois do parto posso ter relações sexuais?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

É aconselhável evitar relações sexuais nos primeiros 40 dias após o parto. Nesse período, o aparelho reprodutivo da mulher está em recuperação das mudanças ocorridas na gestação e no parto. O assoalho pélvico está se readaptando a nova configuração anatômica pós gestação. A presença de pontos cirúrgicos na barriga (cesariana) ou na vagina (parto normal) em decorrência de possíveis lacerações pode gerar desconforto durante a relação sexual. Nesse período, a chance de infecção é maior, devido à presença de sangramento uterino e cicatrizes com o fechamento de algumas veias do útero.

Após o período dos 40 dias pós parto, o tempo para voltar a ter relações sexuais vai depender de cada mulher e de como ela se sentirá confortável e à vontade durante a relação.

É importante realizar um planejamento familiar e associar algum método anticonceptivo.

Leia também:

Posso engravidar durante o resguardo?

Quais os sinais e fases do trabalho de parto?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O trabalho de parto apresenta as seguintes fases, seguidas dos respectivos sinais e sintomas:

  • Pré-parto ou período premonitório: começa entre 30 e 36 semanas, estendendo-se até o início do parto. Ocorre a descida do fundo uterino (a barriga "cai"), iniciam-se contrações uterinas esparsas e irregulares, há saída de secreção mucóide com raias de sangue pela vagina. Estas alterações culminam com o início do preparo do colo uterino para o parto, quando as contrações tornam-se progressivamente mais intensas e regulares, levando à dilatação, amolecimento e centralização do colo uterino (fase latente). A fase latente do trabalho de parto dura em média de 14 horas em multíparas e 20 horas nas primíparas;
  • Período de dilatação: é o período que se estende da fase latente ao momento em que o colo uterino está dilatado 10 cm. Nas primíparas, dura aproximadamente 10 a 12 horas. Nas multíparas, dura 6 a 8 horas. Nesta fase, as contrações são regulares, usualmente com intervalo de 3 a 5 minutos e de intensidade moderada a forte. Nesta fase também pode ocorrer a rotura da bolsa das águas, natural ou provocada;
  • Período expulsivo: tem início no final do período de dilatação e termina com a expulsão do bebê. Dura 50 minutos, em média, nas primíparas e 20 minutos nas multíparas. A gestante sente fortes contrações, com intervalos cada vez menores, apresenta esforços expulsivos e vontade de defecar. Quando a apresentação do bebê está baixa, a gestante faz um esforço expulsivo e o médico auxilia na expulsão do bebê;
  • Período de secundamento: corresponde ao descolamento e expulsão da placenta e das membranas ovulares. Ocorre cerca de 10 a 20 minutos após o período expulsivo;
  • Quarto período: tem início no fim do secundamento e estende-se até 1 hora após o parto. Deve ser um período de atenção do obstetra, pelo risco de sangramento uterino.

Durante o período de dilatação, pode ser necessária a administração de ocitocina, para melhorar a regularidade das contrações.

A atenção ao parto deve ser feita preferencialmente em hospital maternidade, sob a atenção da equipe de obstetras.

Quanto tempo depois de uma cesariana posso ter relações sexuais?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

 O tempo para voltar a ter relações sexuais depois da cesariana dependerá de cada mulher. Em geral, é recomendado evitar as relações sexuais nos primeiros 40 dias após o procedimento. Isso porque durante esse período, o aparelho reprodutor da mulher está se readaptando, juntamente com outros órgãos internos. Além disso, o local da ferida operatória está em cicatrização.  

Com essa readaptação, a mulher pode sentir algum desconforto com a relação sexual. Por isso, o tempo para voltar a ter relações sexuais fica muito individualizado. 

É importante respeitar seu corpo e seus desejos e voltar a ter relações sexuais quando realmente se sentir confortável e segura para isso. 

Na consulta pós parto, a mulher pode tirar suas dúvidas com o/a médico/a ou enfermeiro/a atendente. 

Estou grávida como saber se estou em trabalho de parto?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Existem algumas situações que devem fazer a mulher procurar uma maternidade para a verificação do que está acontecendo com a gravidez no final da gestação: sangramento vaginal (principalmente se intenso, independente se acompanhado de cólicas), o bebê parou de se mexer (normalmente ele diminui um pouco o ritmo de mexer no final da gestação), perda de líquido pela vagina (líquido claro com odor semelhante a água sanitária) e trabalho de parto Franco (uma dor forte "muito forte, realmente forte, de chorar" quando estiver tendo as dores de 10 em 10 minutos.

Parto normal ou cesariana, o que preferir?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

Os dois tipos de partos têm suas vantagens e desvantagens, e por isso essa decisão deve ser tomada pela gestante, após ampla discussão com sua família e seu médico.

O parto normal é a forma de nascimento que a natureza criou. Sendo assim, ela é geralmente considerada a forma "natural" de vir ao mundo. É sabido que os riscos de complicações tanto para a mulher quanto para o bebê são menores nesse tipo de parto. A mulher, em geral, se recupera mais rapidamente do que na cesárea, há menor chance de infecção, trombose e hemorragia.

A cesariana, por outro lado, é a forma mais indicada em situações médicas específicas em que a via vaginal poderia oferecer risco para a mãe ou o bebê. Por exemplo, quando o bebê está transverso ("de atravessado" na barriga da mãe), no caso de desproporção céfalo-pélvica (em que a cabeça do bebê é maior que o canal de parto da mãe), ou na ocorrência de placenta prévia (em que a placenta se localiza na frente do bebê, impedindo a passagem).

No Brasil, a taxa de cesáreas é uma das maiores do mundo. Nos hospitais particulares brasileiros, cerca de 80% dos partos são cesarianos. Esse tipo de parto traz uma série de vantagens para os médicos e para os hospitais que o atendem, já que pode ser "agendado" e, desse modo, o hospital consegue controlar melhor os horários dos funcionários, materiais e equipamentos utilizados. Além disso, não é necessário esperar o tempo de evolução do trabalho de parto, que pode levar várias horas.

O parto vaginal é imprevisível, ou seja, exige que equipes completas e todos os materiais estejam de prontidão durante 24 horas por dia, o que consome mais recursos do hospital.

Entre as mulheres, é frequente acreditar que a cesárea não dói. É fato que a anestesia realizada bloqueia totalmente a dor durante o procedimento. Mas não se pode esquecer que se trata de uma cirurgia abdominal e, assim como qualquer outra, tem dor no pós-operatório, e costuma ser mais intensa e durar mais tempo do que no parto normal.