Perguntar
Fechar
Quando minha pressão está 12/9 sinto dores no peito?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pode ser um sintoma de pressão alta, ansiedade ou também de doenças cardiovasculares, como angina ou infarto agudo do miocárdio.

Sabendo que a doença cardiovascular ainda representa a principal causa de morte no mundo, é fundamental que essa suspeita seja logo avaliada, através de uma consulta médica criteriosa.

Portanto, nesse caso, sugerimos que procure imediatamente o seu médico cardiologista e informe sobre esses sintomas.

Propranolol®

O propranolol® é um medicamento anti-hipertensivo, que age reduzindo a frequência cardíaca, portanto indicado para casos de hipertensão arterial, angina, risco elevado de infarto agudo do miocárdio, ainda, enxaqueca e tremores.

Losartana®

A losartana® proporciona a dilatação dos vasos sanguíneos, por isso está indicada para casos de hipertensão arterial, prevenção de infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral, também atua na proteção de lesão renal em pacientes diabéticos.

Visto isso, seja por pico hipertensivo, angina, ou mesmo a ansiedade, as medicações vão aliviar os seus sintomas, entretanto não tratam as possíveis causas efetivamente. Com isso mantém o risco de evoluir com alguma doença mais grave.

O propranolol® melhora a Ansiedade?

Sim. Trabalhos já demostraram a melhora da ansiedade com o uso do betabloqueador, pelo seu efeito no coração, reduzindo a frequência cardíaca. É comum na ansiedade a presença de taquicardia, devido a liberação de neurotransmissores estimulantes. A taquicardia por sua vez, origina a sensação de aperto no peito, angústia e "bolo" na garganta, aumentando mais a ansiedade.

Quando o propranolol controla a frequência cardíaca, automaticamente alivia os sintomas gerados pela taquicardia emocional.

Outras causas possíveis

Existem ainda outras causas possíveis para esses sintomas, como problemas respiratórios, problemas gástricos, excesso de gases, contraturas e fadiga muscular.

Leia também: Quais as causas mais comuns de dor no peito?

Procure um atendimento médico, com clínico geral, médico da família ou cardiologista, para uma melhor avaliação e conduta.

Uso de anti-inflamatórios aumentam a pressão?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, pode aumentar. Os anti-inflamatórios aumentam a pressão quando usados de forma excessiva por longos períodos, além disso, podem inclusive reduzir o efeito dos medicamentos anti-hipertensivos.

Os anti-inflamatórios são medicamentos que agem na inibição das prostaglandinas, que são substâncias que temos naturalmente em nosso organismo e agem em diferentes processos, como indução da dor e resposta inflamatória, febre, menstruação, controle da pressão arterial e proteção gástrica.

Alguns anti-inflamatórios utilizados comumente são o ibuprofeno, diclofenaco, nimesulida, cetoprofeno, naproxeno, entre outros.

Atualmente, recomenda-se que os anti-inflamatórios sejam usados pelo menor tempo possível, na dose mais baixa, e apenas quando forem prescritos pelo médico. Isto porque, são remédios que podem levar a uma série de problemas e efeitos quando usados de forma indiscriminada por longos períodos como por exemplo, aumento do risco de gastrite, úlcera, insuficiência renal e sangramentos.

Caso precise fazer uso de anti-inflamatórios consulte sempre o seu médico de família ou clínico geral.

Também podem lhe interessar:

Quem tem pressão alta pode tomar nimesulida?

Quem tem pressão alta pode tomar café?

Tomo hidroclorotiazida tem problema tomar bebida alcoólica?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O ideal é não ingerir bebidas alcoólicas, porém a escolha é sua. Uma pequena quantidade usada eventualmente não vai lhe causar nenhum mal, mesmo tomando este remédio.

Que cuidados mulher com pressão alta deve ter durante a gravidez?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os cuidados com a pressão alta na gravidez devem ser bem rigorosos devido à alta prevalência de complicações na nossa população, entretanto variam conforme o caso e os riscos que a hipertensão arterial pode trazer àquela gestação.

Podemos citar entre os principais tipos de tratamentos e medidas:

  • Reduzir o ritmo das atividades diárias;
  • Incluir mais horários de repouso no dia;
  • Controlar a alimentação, diminuindo a ingestão de sal e gorduras;
  • Praticar atividades físicas leves, de baixo impacto, como hidroginástica;
  • Afastar-se do trabalho, se for muito estressante;
  • Uso de medicamentos anti-hipertensivos, nos casos mais complicados;
  • Internação hospitalar para repouso e monitoramento da pressão arterial, nos casos refratários ou de difícil controle.

Leia também: Qual o tratamento para pré-eclâmpsia?

A hipertensão arterial na gravidez ocorre quando os níveis pressóricos apresentam valores iguais ou maiores a 140 x 90 mmHg ("14 por 9"), podendo ser classificada de 4 formas:

  • Pré-eclâmpsia (hipertensão específica da gravidez): Quando a pressão alta surge após 20 semanas de gestação e a grávida apresenta perda de proteínas pela urina;
  • Hipertensão crônica: Quando é identificada antes da gravidez ou antes da 20ª semana de gestação;
  • Pré-eclâmpsia com hipertensão crônica: A gestante já era hipertensa e começou a perder proteínas na urina depois da 20ª semana de gravidez;
  • Hipertensão gestacional: Quando a pressão alta se manifesta em qualquer período da gravidez, mas sem os agravantes da pré-eclâmpsia.

Saiba mais em: O que é pré-eclâmpsia e quais os sintomas?

Quais são os riscos da hipertensão na gravidez?

A pressão alta durante a gravidez pode trazer sérias complicações para a gestação, interferindo no crescimento fetal, no funcionamento dos rins da mulher, acidente vascular cerebral, hemorragias, entre outros.

Se a hipertensão não for detectada e tratada corretamente, pode evoluir para eclâmpsia e provocar convulsão na gestante, podendo causar a morte da mãe e ou do bebê.

A hipertensão arterial não controlada, está entre as três principais causas de morte nas gestantes no Brasil, com índices bem acima dos valores aceitáveis mundialmente, por isso precisamos reforçar a importância de um pré-natal ainda mais rigoroso para esses casos, com tratamento e orientações adequadas.

Portanto, grávidas hipertensas devem ser acompanhadas de perto pelo/a médico/a obstetra, sendo considerada uma gravidez de risco, cuidando da correta adesão das medicações e mudanças de hábito de vida, visando uma gravidez saudável.

Também podem lhe interessar:

Pressão alta durante a gravidez é perigoso?

7 Maneiras de Baixar a Pressão Alta

Tomo remédio da pressão posso tomar cerveja?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Pode tomar com cautela e em pequena quantidade, por exemplo 1 latinha ou 250 ml de cerveja, e não deve parar os medicamentos. Continue a tomar os medicamentos para o tratamento da pressão alta mesmo se for beber álcool.

Álcool e diuréticos

O álcool só poderá interferir significativamente no efeito dos medicamentos se for tomado em grandes quantidades. Deve-se ter muita atenção ao uso de diurético com o álcool, isto porque o álcool também apresenta um efeito diurético que somados podem causar sintomas de mal-estar, tontura, sonolência ou mesmo desmaios.

Álcool e beta-bloqueadores

Em relação aos beta-bloqueadores como é o caso do atenolol, propranolol, carvedilol, entre outros o consumo de álcool pode intensificar o efeito desse medicamento e reduzir demasiadamente a pressão arterial, sintomas como dor de cabeça, tontura, desmaio e alterações na frequência cardíaca podem ocorrer também.

Esses sintomas são mais frequentes caso o álcool seja consumido no início do tratamento ou quando se modifica o esquema de doses do medicamento.

Eficácia do tratamento

Alguns estudos mostram que pessoas que apresentam hipertensão arterial e fazem uso contínuo e abusivo de álcool e tomam medicamentos para o controle da pressão, podem apresentar menor redução dos valores de pressão arterial, sendo mais difícil a realização do tratamento da hipertensão nesse grupo populacional.

No entanto, no que se refere ao uso social do álcool não ocorre nenhuma grande mudança na eficácia dos medicamentos.

Converse sempre com o seu médico caso esteja a fazer uso de medicamentos e deseje consumir álcool.

Posso tomar cerveja e remédios para pressão alta?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Depende. Alguns fatores devem ser avaliados para responder a essa pergunta de forma segura, principalmente a quantidade de cerveja e a frequência com que tomaria a bebida. Porém de forma geral, se for em pequena quantidade (1 latinha de cerveja) e eventualmente (não todos os dias) não existe uma contraindicação formal.

A hipertensão arterial é uma doença muito prevalente no mundo inteiro e uma das doenças crônicas mais comum na população brasileira. Doença essa que contribui fortemente para a principal causa de morte no país, as doenças cardiovasculares e cerebrovasculares. Portanto, é fundamental que qualquer alteração nos hábitos de vida do paciente hipertenso, seja conversado e de comum acordo com seu médico cardiologista.

A cerveja, ou outras bebidas alcoólicas, quando consumida de maneira rotineira e ou doses elevadas, reduz a eficácia de diversos medicamentos anti-hipertensivos, aumentando o risco para esse paciente. Primeiro por aumentar a diurese, com isso a medicação é eliminada na urina mais breve do que o planejado, depois devido a sobrecarga no fígado, órgão responsável por depurar as medicações e também agredido pela bebida alcoólica.

A bebida no caso de pacientes idosos pode reduzir a pressão pelo fato de aumentar a diurese, "ação diurética", com isso aumenta o risco de hipotensão e queda da própria altura, o que para um idoso é bastante perigoso. Sendo assim, a idade passa a ser mais um fator a ser avaliado quando pensar em associar a bebida com anti-hipertensivos.

A diabetes, colesterol aumentado e tabagismo são doenças que associadas ao consumo de bebida alcoólica, aumentam o risco de hipertensão e hiperglicemia, por isso não está recomendado, e ao contrário, deve ser evitado o consumo de bebidas alcoólicas nessas condições de saúde.

No entanto, mesmo sabendo que o consumo da cerveja não está contraindicado em absoluto, pelo uso regular de anti-hipertensivos, devido a todo o exposto, o médico cardiologista deverá ser consultado para avaliar com cautela caso a caso, definindo a segurança para o consumo mesmo que eventual, de cerveja.

O médico cardiologista é o responsável por avaliar os casos de hipertensão arterial, acompanhar a evolução e tratamento, além de esclarecer todas as dúvidas sobre esse assunto.

Qual o tratamento e prevenção para hipertensão arterial?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O tratamento da hipertensão arterial sistêmica essencial (primária) é geralmente feito sem o uso de medicamentos, inicialmente. Os pacientes, uma vez diagnosticados, devem se submeter a uma mudança no estilo de vida, que inclua:

  • Praticar atividades físicas todos os dias, ou pelo menos 40 minutos, cinco vezes na semana;
  • Manter o peso ideal para a altura, evitar a obesidade;
  • Adotar uma alimentação saudável: pouco sal, sem frituras e mais frutas, verduras e legumes;
  • Reduzir o consumo de álcool. Se possível, não beber;
  • Parar de fumar;
  • Sempre seguir as orientações do seu médico ou profissional da saúde;
  • Dormir oito horas todas as noites, verificar se a qualidade do seu sono é boa (se acorda cansado ou revigorado);
  • Evitar o estresse. Reservar tempo para a família, os amigos e o lazer. Garantir pelo menos uma hora por dia, todos os dias, para fazer algo que realmente gosta.

A diminuição da pressão com essas alterações geralmente é pequena. Dificilmente uma pessoa com níveis pressóricos muito altos (maiores do que 160/100 mmHg) atinge o controle sem a ajuda dos remédios. Todavia, nos casos mais iniciais e leves, pode ser obtido o controle eficaz da pressão arterial.

No entanto, a maioria dos pacientes não aceita alterações nos hábitos de vida. Simplesmente são incapazes de mudar tão profundamente seus maus hábitos, e acabam tendo que tomar medicamentos para controlar a pressão.

Obviamente, os pacientes que já chegam ao médico com pressão alta e sinais de lesão de algum órgão alvo (insuficiência renal ou cardíaca, retinopatias, polineuropatias) devem iniciar tratamento medicamentoso imediato (ALÉM das mudanças no estilo de vida, que devem ser seguidas em todos os casos), uma vez que o fato indica hipertensão de longa data. Também devem iniciar tratamento farmacológico imediato doentes mais graves ou com doenças crônicas como diabetes.

Medicamentos para hipertensão arterial (anti-hipertensivos):

Há muitos remédios diferentes para controlar a pressão arterial. Não importa muito a medicação utilizada para tratar a pressão alta, desde que seja eficaz em reduzir os níveis da pressão arterial para baixo de 140/90 mmHg.

Em casos de hipertensão arterial secundária, isto é, causada por outra doença (como feocromocitoma, insuficiência renal crônica, glomerulonefrites, rins policísticos, estenose da artéria renal, etc) o tratamento é dirigido à causa e pode inclusive curar definitivamente a hipertensão, dependendo do caso.

Em caso de suspeita de HAS, um médico (preferencialmente um cardiologista) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, se este é seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento, caso a caso.

Leia também:

Quais os sintomas da pressão alta?

Quais são as principais doenças cardiovasculares e suas causas?

Fiz cirurgia para extrair dentes siso e minha pressão subiu?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pode ter haver mais com a ansiedade e nervosismo de ter que fazer a cirurgia, principalmente nos dias anteriores e no dia da cirurgia, pressão alta persistente pode ser hipertensão mesmo, continue medindo nos próximos dias e caso continuar com os valores alterados deve procurar um médico para começara tratar.