Perguntar
Fechar
Dormência nas mãos, quais são as causas?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Várias doenças e condições podem levar à dormência nas mãos. Cito-as abaixo:

  • Síndrome do túnel do carpo: é a causa mais frequente. Decorre de uma compressão do nervo mediano no punho, quando ele atravessa um túnel juntamente com os tendões flexores da mão. Acontece inicialmente dormência, seguida de dor e mais tardiamente atrofia de parte dos músculos da mão. É importante investigar diabetes, obesidade e hipotiroidismo, pois podem estar associados. Os sintomas são insidiosos e vão aumentando lentamente. Predominam nas mulheres e pioram muito à noite. Os sintomas não afetam o dedo mínimo, pois esse dedo e metade do dedo anelar são inervados por outro nervo (o nervo ulnar). O tratamento é cirúrgico, quando é feita a descompressão do nervo pelo médico ortopedista.
  • Hérnia de disco cervical.
  • Costela cervical.
  • Síndrome do desfiladeiro torácico: quando ocorre compressão de vasos que irrigam os nervos e músculos da mão.
  • Artrite reumatóide: doença em que há ataque às articulações.
  • Hanseníase.: doença infecciosa que afeta os nervos, conhecida antigamente como "lepra".
  • Esclerose múltipla: doença auto-imune, em que há ataque aos nervos.
  • gravidez.
  • Depressão e estados de ansiedade.

O médico neurologista ou ortopedista deverá avaliá-lo para adequados diagnóstico e tratamento.

Saiba mais em: Sinto dormência nos pés, o que pode ser?

Dor no pé da barriga durante a gravidez, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor no pé da barriga ou na região inferior da barriga durante a gravidez é comum, principalmente a partir do 2º trimestre e deve-se, geralmente, à compressão das estruturas internas do abdômen causadas pelo aumento do volume do útero e pelo estiramento dos ligamentos pélvicos.

É importante observar se há outros sinais e sintomas associados a essa dor, como sangramentos, perda de líquido pela vagina ou febre, por exemplo.

Conheça neste texto as causas mais comuns de dor no pé da barriga durante a gravidez.

1. Aumento do tamanho do útero

O útero é do tamanho de uma mão fechada e, com o desenvolvimento da gravidez e alterações hormonais, ele vai aumentando de tamanho, o que pode provocar dor no pé da barriga, cólica ou desconforto, especialmente do 1o ao 3º mês de gestação.

Dos 4 aos 6 meses de gestação (2º trimestre), a dor no pé da barriga ocorre, principalmente, por causa do afrouxamento dos músculos e do deslocamento dos órgãos internos do corpo para acomodar o bebê em desenvolvimento.

Nestes casos não é indicado nenhum tratamento, pois estas alterações são consideradas normais e correspondem a adaptação do corpo da mulher à gestação, sendo necessário apenas o acompanhamento pré-natal de rotina.

2. Contrações

No segundo trimestre de gravidez (4 a 6 meses), a dor no pé da barriga também pode acontecer devido às chamadas contrações de treinamento (contrações de Braxton Hicks).

Estas contrações são leves, espaçadas, não duram mais do que 60 segundos e desaparecem espontaneamente.

É preciso estar atenta a dores no pé da barriga parecidas com uma cólica menstrual forte, especialmente se elas se tornarem intensa e frequentes. Nesta situação, procure o médico obstetra para avaliar o desenvolvimento da gravidez.

3. Gravidez ectópica

A dor no pé da barriga pode ser causada pela gravidez ectópica. Entretanto, neste caso a dor pode ser intensa e vem acompanhada de sangramento vaginal e atraso menstrual.

A gravidez ectópica se caracteriza pela implantação do embrião fora do útero, sendo as tubas uterinas o local mais frequente deste tipo de gestação.

Esse tipo de gravidez não consegue evoluir e oferece risco para mãe. Por isso, na suspeita de gravidez ectópica, é importante que busque o mais rapidamente possível um serviço de emergência hospitalar.

4. Aborto espontâneo

Em caso de aborto espontâneo, a dor no pé da barriga ocorre logo durante os três primeiros meses de gravidez.

Além da dor intensa no pé da barriga a mulher pode sentir calafrios, febre, dor de cabeça, apresentar sangramento e perda de líquido pela vagina.

Se perceber estes sintomas, busque rapidamente uma emergência médica, para que você e seu bebê sejam avaliados e o tratamento adequado seja efetuado.

Quando devo me preocupar?

Alguns sintomas indicam que algo grave pode estar acontecendo com você ou com seu bebê, independentemente do tempo de gestação. Você deve estar atenta aos seguintes sinais:

  • Dor intensa no pé da barriga ou em outras regiões do abdome,
  • Febre,
  • Calafrios,
  • Dor de cabeça,
  • Sangramento vaginal leve que perdura por mais de 3 dias,
  • Sangramentos vaginais intensos,
  • Perda de líquido pela vagina.

Na presença de qualquer um destes sinais ou sintomas de alerta, procure uma emergência hospitalar para detectar a sua causa, avaliar o seu estado de saúde e do seu bebê e efetuar o tratamento mais efetivo e seguro.

Deve ser realizado um exame clínico para avaliar outras possíveis causas para as dores abdominais, como constipação intestinal, formação de gases, verminoses, cálculos nas vias urinárias ou infecção urinária.

O médico obstetra, clínico geral ou médico de família deve ser consultado sempre que houver dúvidas em relação ao desenvolvimento da gravidez.

Também pode lhe interessar os artigos:

Dor na barriga do lado esquerdo durante a gravidez, o que pode ser?

É normal sentir cólicas no início da gravidez?

Referências

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Líquido branco saindo da mama pode ser gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Líquido branco saindo da mama pode ser gravidez, mas pode surgir também em muitas outras situações, associadas ao aumento do hormônio prolactina.

A prolactina é um hormônio produzido pela glândula hipófise responsável pela produção de leite durante a amamentação. A produção desse hormônio pode estar aumentada em outras situações como:

  • Uso de certas medicações: antipsicóticos (ex: Clorpromazina, Haloperidol, Risperidona), antidepressivos (Clomipramina), anti-hipertensivos (Metildopa, Verapamil, Reserpina), opióides (Morfina, Codeína) e outros usados para evitar enjoo (Metoclopramida);
  • Tumor na hipófise;
  • Traumas, cirurgias, anestesias.

Entretanto, é importante lembrar que, por volta do 5º mês de gravidez, o líquido que geralmente sai da mama ao apertar o bico do seio é transparente. Trata-se do colostro, o primeiro leite produzido, muito rico em proteínas e anticorpos para proteger o bebê.

Leia também: É normal sair leite antes do bebê nascer?

Portanto, se a mulher não estiver grávida nem amamentando e verificar que está saindo um líquido branco da mama, ela deve procurar um/a médico/a para avaliação.

Também pode lhe interessar:

Está saindo um líquido tipo água do meu seio, o que pode ser?

Chá de arruda faz descer a menstruação? Pode provocar aborto?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, o chá de arruda pode fazer descer a menstruação e provocar aborto. A arruda possui em suas folhas um elemento chamado rutina, que tem como principal ação provocar ou acelerar a menstruação, propriedade conhecida como emanagoga. Por isso, o chá de arruda é contraindicado durante a gravidez.

A rutina presente na arruda estimula as fibras musculares do útero, provocando contrações uterinas que podem causar sangramentos. Se a mulher estiver grávida, pode levar ao aborto e à morte do feto. Caso não ocorra um aborto, pode haver anomalias ou malformações fetais.

A rutina é um flavonoide presente nas folhas da arruda. Por estimular e acelerar a menstruação, o chá de arruda é frequentemente usado por mulheres em casos de ausência ou atraso da menstruação.

Além de ser abortivo, o chá de arruda faz mal à saúde?

Além de ser emenagogo e abortivo, o chá de arruda pode provocar intoxicações no organismo se for consumido em grandes quantidades.

Em excesso, o chá de arruda pode causar ainda ansiedade e fobias, além de irritar o intestino. Quando consumido regularmente, o chá de arruda pode ser prejudicial para o fígado e para os rins.

Além das gestantes, o chá de arruda também é contraindicado para crianças com menos de 6 anos de idade e pessoas com doença hepática ou renal, doença inflamatória do intestino, colite e úlceras.

É importante ressaltar que a arruda é considerada uma planta tóxica. A ingestão de 120 g da planta pode causar forte dor estomacal e complicações que podem levar à morte.

O consumo de arruda considerado seguro para pessoas saudáveis e mulheres que não estão grávidas é de 30 mg por dia.

Quais os outros chás que podem causar aborto?

Outros chás que são considerados abortivos ou teratogênicos (que podem causar malformação no feto) e por isso são contraindicados durante a gestação: alecrim, arnica, artemísia, barbatimão, boldo, buchinha do norte, cambará, cânfora, carqueja, cipó-mil-homens, confrei, erva-de-bicho, espirradeira, erva-de-santa-maria, eucalipto, gengibre, melão-de-são-caetano, pinhão-de-purga ou pinhão-paraguaio e poejo.

Para maiores esclarecimentos sobre os chás que podem fazer descer a menstruação ou causar aborto, fale com o seu médico ginecologista.

Barriga de grávida é dura ou mole?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Barriga de grávida é dura, pois o útero está se expandindo para acomodar o desenvolvimento do bebê. A mulher já pode sentir a barriga mais dura logo no início da gravidez, por volta da 7ª semana de gestação.

Primeiro é a região abaixo do umbigo que fica dura, passando a seguir para a área ao redor do umbigo. À medida que o feto vai crescendo, a barriga da grávida vai ficando mais dura e arredondada.

Quando a gravidez está mais ou menos pela metade, entre a 16ª e a 20ª semana de gestação, a grávida pode começar a sentir a barriga mais dura durante períodos de 30 a 60 segundos.

Nesses casos, o que deixa a barriga dura momentaneamente são contrações uterinas que podem ocorrer várias vezes ao dia, de forma aleatória e normalmente sem causar dor.

São as chamadas "contrações de Braxton-Hicks", também conhecidas como "contrações falsas" ou "contrações de treinamento", pois acredita-se que sejam uma espécie de preparação do corpo para o momento do parto. Nem todas as grávidas sentem essas contrações, que são normais e esperadas.

No entanto, se essas contrações ocorrerem mais de duas vezes por hora ou causarem muita dor, se forem no final da gravidez, se a grávida suspeitar de trabalho de parto, notar perda de sangue ou se o bebê parar de se mexer, deve-se procurar seu/sua médico/a obstetra com urgência.

Com quanto tempo de gravidez a barriga começa a aparecer?

Geralmente, a barriga começa a ficar mais saliente e visível entre a 16ª e a 20ª semana de gestação. O 8º mês é o período em que a barriga da grávida chega ao seu tamanho máximo. No 9º mês, quando o bebê desce e se encaixa para se preparar para o parto, a barriga pode descer e diminuir de tamanho.

Porém, para gestantes que já foram mães, a barriga pode começar a aparecer já na 12ª semana de gestação. Isso acontece devido à flacidez do útero causada pela primeira gravidez, o que faz com que o órgão se distenda mais facilmente nas gestações seguintes.

Algumas grávidas podem começar a notar uma saliência na barriga, na região abaixo do umbigo, quando estão na 8ª ou 9ª semana de gestação. O aumento de tamanho da barriga nessa fase é devido às alterações hormonais, uma vez que o feto ainda é muito pequeno para causar crescimento do útero.

O que pode influenciar o crescimento da barriga na gravidez? Largura do quadril

Mulheres com quadril mais largo possuem mais espaço para o crescimento do útero, o que pode atrasar um pouco o aparecimento da barriga ou fazer com que a barriga cresça menos.

Prática de atividade física

Mulheres que praticam exercícios físicos podem levar mais tempo para notar o crescimento da barriga, já que os músculos abdominais mais tonificados podem “disfarçar” o crescimento do útero.

Magreza ou excesso de peso

Mulheres magras, com pouca gordura abdominal e músculos abdominais pouco volumosos, podem notar o crescimento da barriga mais cedo. Por outro lado, grávidas com excesso de peso ou obesas podem demorar mais para notar o crescimento da barriga, uma vez que a gordura abdominal “disfarça” a distensão do útero.

Gestação de gêmeos ou gravidez múltipla

Nesses casos, a barriga pode começar a crescer antes, embora essa não seja uma regra.

Para maiores esclarecimentos quanto ao crescimento e endurecimento da barriga durante a gravidez, consulte o seu médico obstetra.

Dor na barriga do lado direito durante a gravidez, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor na barriga do lado direito durante a gravidez pode ter muitas causas, mas se for localizada na região inferior da barriga, geralmente está relacionada com a compressão das estruturas internas causadas pelo aumento do útero.

Vale lembrar que dor na barriga na gravidez é uma condição bastante comum e esperada, sobretudo a partir do 4º mês de gestação, exatamente pelo desenvolvimento do bebê, aumentando o peso e volume uterino.

No começo da gestação, algumas mulheres podem sentir também um pouco de desconforto abdominal. A sensação é parecida com a da cólica menstrual, como se alguma coisa estivesse torcida dentro da barriga. Esse sintoma é causado pelo aumento da circulação sanguínea no baixo ventre, necessário para nutrir o embrião e permitir o desenvolvimento da gravidez.

Contudo, dores intensas na barriga durante a gravidez, como cólicas menstruais fortes, devem ser avaliadas com atenção. Se a dor surgir após algum esforço físico e permanecer mesmo com o repouso, pode indicar contrações uterinas, com risco de aborto ou parto prematuro.

Outras causas possíveis são: constipação intestinal, formação de gases, cálculos renais, diverticulose, pedras na vesícula, flacidez abdominal ou apendicite. A apendicite é a principal causa de cirurgia de emergência em gestantes, mas vem acompanhada de febre, náuseas e ou vômitos.

A dor abdominal do lado superior direito pode indicar também, uma outra situação grave, o distúrbio de coagulação sanguínea (conhecido por síndrome HELLP), principalmente se ocorrer no 3º trimestre de gestação. Costuma vir associado a sangramento vaginal.

Na suspeita de apendicite ou distúrbios de coagulação, procure imediatamente um serviço de emergência.

Quando procurar uma emergência?
  • Dor abdominal intensa que não melhora com o repouso,
  • Sangramento,
  • "Endurecimento" da barriga,
  • Febre associada ou não a náuseas, ou vômitos.

Não perca tempo! Procure uma emergência médica.

No caso de dor abdominal que não é habitual, mas sem sinais de risco ou de urgência, entre em contato com o seu médico obstetra.

Leia mais sobre outros sintomas de gravidez em:

Principais sintomas de gravidez

É normal sentir cólicas no inicio da gravidez?

Exame Beta-hCG pode dar falso negativo?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O exame Beta-hCG pode dar falso negativo, sim (mulher grávida, exame negativo).

É com oito dias de fecundação que os níveis de beta hCG começam a subir, exatamente após a implantação do ovo (a união do espermatozoide com o óvulo) dentro do útero. Qualquer exame feito em uma fase anterior a esse momento resultará em um falso negativo. Isto acontece porque nesse caso ainda não houve tempo do hormônio ser produzido em quantidade suficiente  para ser detectado no sangue. Nessas situações, o teste deve ser repetido após três dias.

Exames feitos com a urina (Beta-hCG qualitativo, que pode ser comprado em farmácias), levam um pouco mais de tempo para ficarem positivos, porque na urina as concentrações do hormônio são bem menores que no sangue. O Beta-hCG sanguíneo pode dar resultado positivo logo no primeiro dia de atraso da menstruação, mas o mesmo não acontece com o Beta-hCG urinário. Neste caso, para se evitar falsos negativos, os testes com Beta-hCG através da urina devem ser feitos já com uma ou duas semanas de atraso. Quanto maior for o tempo passado após a concepção, mais elevado será o nível do hormônio, quer no sangue, quer na urina. Se se esperar por duas semanas de atraso da menstruação para fazer o teste de farmácia, a sensibilidade destes chega a 99%.

A interpretação dos resultados do exame deve sempre ser realizada pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores informações, procure um médico clínico geral ou preferencialmente um ginecologista.

Saiba  mais em: Resultado do Exame de Gravidez - Beta-HCG

Com quantas semanas é possível ouvir o coração do bebê?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

É possível ouvir o coração do bebê cerca de 22 dias após a concepção, ou seja, por volta da quinta semana após a última menstruação, através de um Doppler fetal, ultrassom vaginal e abdominal ou um fetoscópio.

Ultrassom vaginal: O batimento cardíaco fetal pode ser visto através de um ultrassom vaginal cerca de 6 semanas após a DUM.

Ultrassom abdominal: Os ultrassons abdominais normalmente detectam o batimento cardíaco fetal por volta de 7 a 8 semanas de gravidez.

Doppler fetal: Pode-se ouvir o coração do bebê com 12 semanas de gestação, desde que a mulher tenha pouca gordura abdominal.

Fetoscópio: Próximo da vigésima semana de gestação, um fetoscópio pode detectar um batimento cardíaco fetal.

Detecção tardia: Se a mulher tiver a placenta unida à parte anterior útero e gordura abdominal, pode interferir a detecção dos batimentos do coração do feto, podendo atrasá-la por 7 ou 14 dias. Contudo, esses fatores não interferem quando é feita uma ecografia vaginal.

Toda e qualquer gestação deve ser acompanhada por um ginecologista. Ele poderá ajudá-la a sanar quaisquer dúvidas adicionais sobre sua gestação.

Conheça mais sobre esse assunto nos artigos:

Com quantas semanas é possível ver o embrião no saco gestacional?

Com quantas semanas é possível saber o sexo do bebê?