Perguntar
Fechar
Entendendo os exames para Toxoplasmose
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O IgG e o IgM são exames para a detecção de anticorpos contra várias doenças entre elas a Toxoplasmose.

A toxoplasmose adquirida durante a gestação pode levar a problemas no feto, porém quando adquirida fora da gestação é uma doença geralmente passageira, benigna e não costuma deixar sequelas.

IgM: é o anticorpo da infecção aguda, positiva nos primeiros dias ou semanas após iniciada a infecção e costuma ficar elevado por alguns meses;

IgG: é o anticorpo que surge para imunizar a pessoa (proteger de futuras infecções da toxoplasmose), costuma dar positivo nas primeiras semanas após a infecção e assim pode permanecer por toda a vida.

IgM negativo e IgG negativo: nunca entrou em contato;

IgM positivo e IgG negativo: está com a infecção, está doente de toxoplasmose;

IgM positivo e IgG positivo: Infecção recente (semanas ou meses já podem ter se passado desde a doença);

IgM negativo e IgG positivo: infecção antiga (meses ou anos já podem ter se passado desde a doença).

Como saber qual meu período fértil?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para saber qual é o seu período fértil, é importante que você tenha um ciclo menstrual regular. Apesar de haver formas de calcular o período fértil para ciclos irregulares, a “tabelinha” é mais confiável para mulheres com ciclos menstruais regulares.

Em todo caso, o cálculo do período fértil deve ser calculado da seguinte maneira:

1º. Precisa saber quantos dias tem seu ciclo

Ou seja, de quantos em quantos dias vem sua menstruação. Lembrando que cada ciclo começa no 1º dia de menstruação e termina no dia anterior à vinda da próxima menstruação. Os ciclos de 28 dias são considerados como a média para a maioria das mulheres;

2º. Divida o número de dias do ciclo pela metade

Sabendo quantos dias tem o seu ciclo, o dia do meio é o dia mais fértil. Então, nos ciclos de 28 dias, o dia mais fértil é o dia 14, provavelmente o dia que ocorrerá a ovulação;

3º. Conte 3 dias antes e 3 dias depois

A partir deste dia (14º), conte 3 dias antes e 3 dias depois, são dias de maior probabilidade de engravidar, por isso chamado de período fértil.

Exemplos:

Mulher que tem o ciclo de 28 dias: O 14º é o dia mais fértil, então o período fértil começa 3 dias antes (11º dia) e termina 3 dias depois (17º dia). Nesse caso, o período do mês que a mulher tem mais chances de engravidar vai do 11º ao 17º dia do ciclo menstrual.

Mulher com ciclo de 30 dias: O dia mais fértil é o 15º (dia exatamente do meio do ciclo), e o período fértil será do 12º ao 18º dia.

Se o ciclo for irregular: Leia, ciclo menstrual desregulado: como calcular o período fértil?

Em teoria, a mulher é fértil durante todo seu ciclo menstrual (durante todo o mês), porém, alguns períodos são mais férteis que outros.

Quais os sintomas do período fértil?

As alterações que ocorrem durante o período fértil são devidas às variações hormonais que ocorrem nessa fase do ciclo menstrual.

1. Corrimento vaginal

Nos dias anteriores e no dia da ovulação (dia fértil), a mulher pode notar a presença de um corrimento vaginal tipo clara de ovo, translúcido, sem cheiro e que forma um “fio” entre o polegar e o indicador ao abrir os dedos, pois é muito elástico.

2. Dor no baixo ventre

Antes de ser liberado, o óvulo está encapsulado dentro de um cisto, chamado folículo. Quando o folículo se rompe, o óvulo é expelido e segue para a trompa. A dor no baixo ventre ou “pé da barriga” surge devido à irritação que a rotura do folículo pode causar na região pélvica.

A dor, em geral, é leve e se localiza na região inferior direita ou esquerda do abdômen, dependendo do ovário (direito ou esquerdo) que está liberando o óvulo. Contudo, em alguns casos, a dor pode ser muito intensa, podendo ser confundida com uma crise de apendicite, principalmente se for do lado direito.

3. Sangramento vaginal

No dia fértil, ou seja, no dia da ovulação, pode ocorrer uma perda de sangue ligeira, devido à liberação do óvulo e às variações hormonais. O sangramento pode ser confundido com menstruação por algumas mulheres.

Porém, vale lembrar que nem todas as mulheres apresentam essas alterações, por isso o método de "tabelinha" não é considerado um método eficaz de contracepção.

O que é o período fértil?

O chamado "período fértil" é a fase com a maior chance de ocorrer uma gravidez, pois é o período do mês em que ocorre a ovulação e quando o endométrio, camada mais interna do útero, está preparada para receber o óvulo.

Por que o período fértil começa 3 dias antes e termina 3 dias depois da ovulação?

Depois que o óvulo é liberado, ele pode sobreviver no corpo da mulher durante 24 horas. Já os espermatozoides podem permanecer vivos por até 72 horas no útero e nas trompas.

Isso significa que pode haver fecundação mesmo que a relação sexual não ocorra no dia da ovulação. Por isso, o período fértil começa 3 dias antes (72 horas) e termina 3 dias depois que o óvulo é libertado.

Para maiores esclarecimentos sobre como calcular o período fértil e contracepção, consulte um médico clínico geral, médico de família ou ginecologista.

Veja também:

Sintomas de gravidez só aparecem após o atraso menstrual?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Atraso menstrual é, geralmente, o primeiro e mais importante sintoma de gravidez, os outros aparecem apenas no segundo ou terceiro mês de gravidez, eventualmente algumas náuseas, tonturas e quedas da pressão podem já aparecer no primeiro mês.

O exame de gravidez feito em laboratório (de farmácia não tem validade médica) somente é indicado após 15 dias de atraso menstrual (ou antes a critério do seu médico).

Porém o exame de gravidez já pode dar positivo mesmo antes do atraso da menstruação, porém não se indica fazer (controle sua ansiedade...).

Leia também: Pele oleosa pode ser sintoma de gravidez?

Estando grávida a menstruação desce na pausa do anticoncepcional?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Caso a mulher esteja tomando anticoncepcional e esteja grávida, em geral, não haverá menstruação na pausa da cartela.

Porém, é comum no início da gestação ocorrer sangramento no período em que a menstruação era esperada. Esse sangramento costuma ter um aspecto diferente da menstruação, sendo em menor quantidade e, em geral, com coloração mais perto do marrom do que do vermelho vivo.

A mulher que por algum motivo pode ter falhado no uso da pílula anticoncepcional e que há possibilidade de gravidez deve procurar o serviço de saúde para uma consulta de avaliação. Com essa avaliação, haverá a comprovação ou descarte da gravidez e a mulher deixará de tomar a pílula anticoncepcional ou continuará o uso devidamente orientada.

Não é indicado o uso de anticoncepcional durante a gravidez, portanto, a mulher precisa dessa comprovação para continuar o uso da medicação sem efeitos adversos.

O que pode ser dor na virilha durante a gravidez?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Dor na virilha durante a gravidez é muito comum, pois, nesta época, as articulações ficam mais "soltas", o que é normal, especialmente no terceiro trimestre de gravidez, quando a barriga já está mais pesada. A dor na virilha por esta causa não traz prejuízo ao bebê.

A dor na virilha pode ser pior em algumas situações, como deitar de barriga para baixo, ao andar, ao abrir as pernas, no fim do dia e depois de algum tipo de esforço físico.

O tratamento para a dor na virilha consiste no uso de anti-inflamatórios e analgésicos, sob prescrição médica, e pode ser utilizada um tipo de lingerie especial que dá mais estabilidade à região pélvica. Podem ser benéficas também sessões de fisioterapia.

É importante lembrar que a gestante também pode ter dor na virilha por outras causas, como:

  • artrose ou bursite de quadril;
  • apendicite;
  • infecção urinária;
  • ínguas;
  • pedras nos rins;
  • inflamação dos intestinos.

Para determinar a causa da dor na virilha, deverá ser consultado um médico gineco-obstetra. No caso de associação com febre e alterações do hábito urinário e/ou intestinal, deverá ser procurado um pronto atendimento.

Gosto amargo na boca pode ser gravidez?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O gosto amargo na boca pode ser um dos vários sintomas da gravidez (além de cólicas abdominais, inchaço abdominal, dor em mamas, enjoo / vômitos, acne, cansaço fácil, tontura, sono e aversão a cheiros fortes), mas também pode ser decorrente de outras condições clínicas diversas.

O gosto amargo na boca é uma alteração do paladar denominada disgeusia (distorção oudiminuição do paladar). Dentre suas possíveis causas, pode-se enumerar: alimentos, uso de medicamentos com este efeito colateral (anti-inflamatórios, tranquilizantes, antibióticos, antialérgicos, anticonvulsivantes, antiparasitários), boca seca (baixa umidade relativa do ar ou desidratação), diminuição da produção de saliva, alterações hormonais na gravidez, ou ainda como um sintoma de algumas doenças do organismo (em ordem de importância: 

  • gastrites ou esofagite; 
  • doenças hepáticas; 
  • malária; refluxo gastroesofágico
  • carência de vitaminas do complexo B;
  • alergias alimentares;
  • intoxicação por metais (chumbo, mercúrio, ferro ou selênio);
  • hábito de fumar e/ou mascar tabaco; 
  • abscessos dentários, inflamações das glândulas salivares ou cáries.

Leia também:

Gosto amargo na boca pode ser sintoma de quê?

Queimação no estômago pode ser gravidez?

Em caso de gosto amargo (ou qualquer alteração de paladar), um médico clínico geral deve ser consultado; ele poderá diagnosticar a causa da sensação e tratá-la, ou indicar um outro profissional da saúde para fazê-lo.

Dor pélvica na gravidez, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Dor pélvica na gravidez é bastante comum (ocorre em cerca de 50% das gestantes) e pode ocorrer por diversos motivos, como por exemplo:

  • O aumento da produção do hormônio chamado relaxina, responsável em tornar os ligamentos e articulações da pelve mais elásticas, facilitando a passagem do bebê na hora do parto;
  • Postura física que se modifica com o avanço da gravidez e o peso do bebê, pressionando órgãos, músculos, ligamentos e articulações e ocasionando a dor;
  • Aumento dos gases intestinais;
  • Embora geralmente seja fisiológica (normal), a dor também pode ser devido a causas graves e que requerem intervenção cirúrgica imediata, tais como gestação ectópica, rotura uterina, endometriose, apendicite, etc, por isso sempre consulte seu ginecologista!

Leia também: O que é calcificação pélvica?

Há várias táticas que podem ser adotadas para combater a dor fisiológica na pelve, na virilha e no púbis:

  • Tenha cuidado ao realizar suas atividades diárias. Existem técnicas de fisioterapia que podem ajudar a manter a estabilidade da pelve em tarefas que causam dor, caminhar ou ficar em pé.
  • Pilates ou outros exercícios melhoram a estabilidade da pelve e das costas, sendo muito importante fortalecer os músculos da barriga e do assoalho pélvico.
  • Cintas de suporte são aconselhadas por vários especialistas, pois podem aliviar a dor e ser usada durante toda a gravidez.
  • Calcinhas altas e com costura reforçada no abdome aliviam o peso na bacia.
  • Sessões de massagem suave e fisioterapia podem aliviar o stress acumulado nas costas, bacia e pelve.
  • A acupuntura pode ser uma solução, mas é importante procurar um profissional especializado no tratamento de gestantes.
  • Se você tem dores quando está na cama e tenta se virar de um lado para o outro, pode se levantar usando a seguinte técnica: segure os joelhos, aproximando-os do peito; contraia os músculos do abdome e do assoalho pélvico e dê um impulso para a frente para se sentar. Essa técnica ajudará a manter a estabilidade da pelve.
  • Deve evitar deitar com as pernas esticadas e com a barriga virada para cima. Quando não tem outra solução, coloque um travesseio atrás das costas, perto da cintura e tente manter os joelhos dobrados. Descansar na banheira ou no sofá pode forçar essa posição e por isso outras posições confortáveis devem ser treinadas.  O mesmo se aplica se você for fazer uma massagem.
  • Quando caminhar, faça uma pequena curvatura com as costas e balance os braços, como se estivesse marchando. Esse movimento ajudará a fixar a pelve.
  • Não esqueça de fazer os exercícios de Kegel para o assoalho pélvico com regularidade, porque eles fortalecem a pelve.
  • Evite sempre que puder carregar peso ou mover objetos pesados. Mesmo o carrinho com compras pode prejudicar a situação. Quando for possível, recorra a um serviço de entregas ou peça ajuda para cumprir essa tarefa.
  • Descanse sempre que puder. Sentar em uma bola de ioga pode ajudar, assim como a posição de gato, com as mãos e joelhos no chão.
  • Evite fazer muito esforço físico. Você pode não sentir a consequência na hora, mas a dor pode surgir apenas no fim do dia.
  • Na hora de dormir, uma superfície fofa pode ajudar, por isso deite por cima de um cobertor macio.
  • Quando se vestir, fique sentada na hora de tirar e colocar a calça e a calcinha.
  • Aplicar uma bolsa de água quente pode ajudar a aliviar a dor.

Em caso de dor pélvica na gravidez, um médico (preferencialmente um ginecologista) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, qual é o seu diagnóstico correto, orientá-la e prescrever o melhor tratamento, caso a caso.

Chá de maconha causa aborto?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não existem evidências claras de que o chá de maconha provoque aborto, mas o seu efeito durante a gravidez é controverso. 

Em um estudo feito com mulheres internadas devido a abortos induzidos, cerca de 65% delas utilizam algum tipo de chá, inclusive o chá de maconha. Entre os chás utilizados foram utilizados chás de buchinha, arruda, boldo, canela, laranja e até de pimenta.

Destas que usaram chás para interromper a gestação, houve complicações como infecções e hemorragias em aproximadamente 12% dos casos.

O percentual de mulheres com complicações decorrentes de aborto induzido por chás foi maior do que nas que utilizaram medicamento para o efeito.

Assim, conclui-se que os efeitos do chá de maconha na gravidez são inconclusivos e não se pode afirmar com certeza se provoca ou não aborto.

Quais são os efeitos do chá de maconha?

Os principais efeitos físicos agudos causados pelo chá de maconha incluem hiperemia das conjuntivas (olhos avermelhados), xerostomia (boca seca), taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos, podendo chegar a 140 batimentos por minuto ou mais) e dilatação das pupilas.

A longo prazo, se a maconha for fumada, os pulmões também são afetados e aumentam os riscos de problemas respiratórios, como aumento de crises de bronquite.

Apesar da fumaça da maconha conter substâncias cancerígenas, ainda não existem provas científicas que o seu uso crônico aumente os riscos de câncer de pulmão. 

Veja também: Maconha pode fazer bem à saúde?

De qualquer maneira, o uso de todo e qualquer tipo de droga, legal ou ilegal, é contraindicado durante a gravidez pelos possíveis riscos a saúde da gestante e da criança.

Mesmo os chás de plantas ou ervas que não possuem princípios psicotrópicos não devem se consumidos indiscriminadamente por mulheres grávidas, pois existem chás que podem induzir o aborto.

Portanto, caso tenha dúvida sobre quais chás podem ou não ser consumidos na gestação é importante consultar o médico de família ou obstetra que acompanha o pré-natal.