Perguntar
Fechar

Gravidez e Gestação

Chá de canela pode provocar aborto?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os estudos divergem de opinião. Alguns sugerem que o chá de canela pode provocar aborto, enquanto outros dizem que não. Há mulheres que tomam o chá para fazer a menstruação descer, sem saber que estão grávidas, e não acontece nada. Porém, há relatos de casos de aborto associados ao consumo do chá de canela. 

Por isso, grande parte dos médicos e nutricionistas não recomendam tomar chá de canela durante a gravidez. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) também não recomenda que mulheres grávidas tomem chá de canela, devido à sua possível relação com abortos.

Uma possível explicação para o eventual efeito abortivo do chá de canela está no efeito que pode provocar na pele e nas mucosas. Se for consumido em excesso, o chá pode provocar reações alérgicas na pele e nas mucosas, além de hematúria (presença de sangue na urina).

Uma vez que a parte interna do útero, onde se fixa o embrião, é recoberta por uma mucosa, pode ser que o consumo do chá de canela possa interferir com a gravidez.

Desde que consumido fora da gestação, o chá de canela pode trazer benefícios para a circulação pela sua ação vasodilatadora e também é um estimulante do metabolismo, devido à sua ação termogênica.

Entretanto, como os estudos científicos divergem de opinião quanto à possibilidade do chá de canela causar aborto, recomenda-se suspender o seu uso durante a gestação. Para maiores informações, consulte um médico obstetra.

Leia também: Chá de arruda faz descer a menstruação? Pode provocar aborto?

Com quantas semanas dá para ver o bebê no ultrassom?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

É possível ver o bebê no ultrassom a partir da 5ª semana de gestação, através do ultrassom transvaginal. Nessa fase, o "bebê" é ainda um saco gestacional que contém o embrião de apenas 5 ou 6 mm. Os seus órgãos começaram a se formar e já dá para ouvir os batimentos cardíacos.

Já para saber o sexo do bebê pelo ultrassom é preciso esperar, pelo menos, até à 13ª semana de gravidez. Mesmo assim, só com 15 semanas é que o/a médico/a pode saber com mais certeza o sexo da criança, dependendo da sua posição na hora do ultrassom.

O 1º ultrassom da gravidez é feito entre a 5ª e a 8ª semana de gestação. O exame serve para analisar o número de embriões, onde a gravidez está localizada (no útero ou fora dele, como nas trompas) e o tempo de gravidez.

Se o exame detectar mais de 1 embrião, significa que a gravidez é de gêmeos, trigêmeos e assim sucessivamente, conforme a quantidade de embriões. Nesses casos, já é possível, pelo ultrassom, saber se os bebês estão na mesma placenta ou não, o que irá determinar se serão ou não idênticos. 

Também é nesse ultrassom que se mede a idade do feto, pois é o período da gestação em que a margem de erro para se calcular a idade gestacional do bebê é menor, sendo de apenas 5 a 7 dias. 

A via pela qual é realizado o 1º ultrassom geralmente é a transvaginal, pois permite visualizar melhor o feto. Contudo, há casos em que pode ser necessário realizar também um ultrassom abdominal para uma melhor visualização, dependendo da posição do útero.

Veja também: Fazer a endovaginal ou o ultrassom?

Para maiores informações, consulte um médico obstetra.

Saiba mais em:

O que é ultrassom obstétrico e para que serve?

Para que serve o ultrassom com Doppler?

Ultrassom vaginal pode detectar qualquer doença no útero?

Quanto tempo leva para Exames de Gravidez darem positivos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O exame de gravidez pode dar positivo após 7 dias da fecundação, ou seja, em torno de 1 a 2 semanas após a relação sexual.

Como o espermatozoide pode ficar viável na vagina por até 5 dias após a relação sexual e o óvulo disponível por 24 horas, a fecundação pode ocorrer em um prazo de até 6 dias após uma relação sexual.

Após a fecundação, o ovo (junção do óvulo com o espermatozoide) é transportado para o útero e inicia o processo de implantação. Apenas após a implantação do ovo é que inicia a produção do hormônio hCG. Esse hormônio pode então ser detectado pela urina ou sangue da mulher.

teste de gravidez de farmácia feito com urina demora um pouco mais para acusar positivo, uma vez que a concentração do hormônio na urina é bem menor que no sangue.

exames de beta-hCG feitos em laboratório a partir do sangue é mais preciso, pois indicam a quantidade da subunidade "beta" do hCG presente no sangue.

É possível que essa relação sexual desprotegida tenha causado uma gravidez, porém a gravidez pode ter sido por relações sexuais que ocorreram em outros dias.

Para isso, é preciso conversar com sua amiga e saber detalhes sobre essas situações. O mais importante é vocês conversarem e consultarem um/a profissional de saúde para se informarem melhor e avaliarem em conjunto a necessidade ou não de teste de paternidade.

Quais são os valores de referência do Beta-hCG?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Os valores de referência do Beta-hCG são os seguintes (podem variar de acordo com o método e os reagentes utilizados):

Em homens e mulheres não grávidas, saudáveis o resultado é NEGATIVO.

Para o diagnóstico de gravidez:

                • De 5 a 50mU/ml: indeterminado                 • Acima de 50mU/ml, mulher saudável: POSITIVO

A gonadotrofina coriônica humana (hCG), é uma glicoproteína hormonal sintetizada nas células trofoblásticas sinciciais, com a função de manter o corpo lúteo no primeiro trimestre da gestação, quando a placenta assume a função de produção de progesterona. A molécula de hCG é composta por unidades, alfa e beta, sendo que a subunidade beta é específica para a gravidez. A pesquisa de Beta-hCG pode ser feita no sangue ou na urina quando há suspeita de gravidez (normal ou ectópica), aborto, doença trofoblástica gestacional e no caso de tumores germinativos (ovarianos e testiculares).

Comentários
  • O paciente deve fazer jejum de 4 horas antes da coleta do exame e pode ser realizado no dia da provável menstruação. No caso da urina, deve-se colher preferencialmente a primeira urina da manhã, que contém maior concentração de hCG;
  • O diagnóstico da gravidez não deve se basear somente no resultado do exame laboratorial, mas sim na correlação do resultado do teste com os sinais e sintomas clínicos. Um resultado negativo não deve ser considerado para excluir a possibilidade de gravidez - sugere-se realizar um novo teste em amostra colhida após 7 dias;
  • Quando o resultado for indeterminado, atenção especial na evolução, com repetição após 72 horas;
  • O diagnóstico de gravidez pode ser feito a partir do 2º dia de atraso menstrual e na gravidez normal a concentração dobra a cada 2 dias da 2ª à 5ª semana de evolução;
  • Determinações seriadas podem ser usadas na suspeita de gravidez anormal, quando o ritmo de elevação na concentração de HCG é menor do que o esperado ou mesmo podendo diminuir, em casos de aborto ou gravidez ectópica;
  • A pesquisa na urina é usada como método de triagem, pois seus resultados são qualitativos e o limiar de detecção é menor do que no sangue;
  • Amostras de pacientes com doenças trofoblásticas como coriocarcinoma ou mola hidatiforme que secretam hCG, podem produzir resultados positivos na ausência de gravidez;
  • Baixas concentrações de hCG podem ocorrer em mulheres saudáveis não grávidas;
  • Resultados falso-positivos podem ocorrer, raramente, em amostras que contenham concentrações elevadas de LH (menopausa). Portanto, resultados positivos em mulheres com mais de 45 anos devem ser interpretados com cautela.

A interpretação dos resultados do exame deve ser realizada pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores informações, procure um médico clínico geral ou preferencialmente um ginecologista.

Grávida pode tomar Dramin?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Sim, a grávida pode tomar Dramin, porém com orientação médica.

O Dramin é indicado para o tratamento de enjoos e vômitos na gravidez, mas só deve ser utilizado com a autorização e orientação do médico que acompanha o pré-natal.

O médico obstetra deve ser consultado sempre que houver necessidade do uso de medicamentos durante a gravidez.

Chá de canela aborta?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Embora não exista um consenso de que o chá de canela provoque aborto, ele normalmente é contraindicado na gravidez.

Há estudos que indicam uma relação direta entre chá de canela e aborto, mas faltam ainda evidências científicas suficientes que comprovem o efeito do chá na gestação para levar ao aborto. Daí alguns defenderem que o chá aborta e, outros, que não aborta.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) não recomenda o uso de chá de canela durante a gravidez, assim como grande parte dos nutricionistas e obstetras.

Sabe-se que, em excesso, o chá de canela provoca reações alérgicas na pele e nas mucosas, além de hematúria (presença de glóbulos vermelhos do sangue na urina). Como a parede interna do útero é recoberta por uma mucosa, pode ser que o chá interfira, causando reações ou mesmo contrações, prejudicando a gestação.

De qualquer forma, o mais indicado é pedir orientação ao médico obstetra antes de tomar qualquer tipo de chá durante a gravidez.

Amamentação e Remédios
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade
A maioria das medicações é permitida durante a amamentação. Porém, algumas devem ser evitadas ou são proibidas. Para confirmar se a medicação a ser usada é permitida, informe ao/à profissional de saúde que você está amamentando para que ele/ela avalie e indique ou contra-indique o uso.1 - Quais os remédios permitidos na Amamentação?
  • Amoxicilina;
  • Amoxicilina-Clavulanato;
  • Ampicilina;
  • Penicilina (Benzetacil);
  • Cefalexina;
  • Contracep;
  • Diclofenaco;
  • Metoclopramida;
  • Ibuprofeno;
  • Paracetamol;
  • Aceclofenaco (Proflam);
  • Ciprofloxacino;
  • Omeprazol;
  • Loratadina;
  • Hidroxizine;
  • Dexclorfeniramina (Polaramine);
  • Sertralina;
  • Fluoxetina;
  • Amitriptlina;
  • Citalopram;
  • Clonazepam.

2 - Quais os remédios proibidos na Amamentação?

  • Nimesulida;
  • Bromazepam;
  • Mesigyna;
  • Perlutan;
  • Sibutramina;
  • Nefazodona;
  • Tranilcipromina.
3 - Estou amamentando, posso tomar a pílula do dia seguinte?

Sim, seis semanas após o parto a mulher já pode fazer uso da pílula do dia seguinte.

Leia mais em:

Estou amamentando e tomei pílula do dia seguinte, devo suspender a amamentação?

Dor de cabeça na nuca durante a gravidez, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Dores de cabeça durante a gravidez são geralmente comuns. Decorrem principalmente de alterações hormonais, já que o aumento do estrógeno provoca vasodilatação, aumentando a probabilidade da ocorrência de cefaleias.

Além disso, mudanças de hábitos como tomar menos café, mais estresse, alimentação irregular, desidratação, alterações metabólicas, entre outros fatores, podem causar as cefaleias.

Se houver apenas os sintomas citados na pergunta, simultaneamente, pode ser dor de cabeça "fisiológica" da gestação, decorrente das alterações hormonais e das mudanças citadas acima.

Outras possíveis causas para a dor de cabeça incluem cefaleia tensional, migrânea (enxaqueca), problemas de visão ou uso de óculos inadequados ao seu grau.

Porém, também podem ser condições muito mais graves, como pré-eclâmpsia, meningite, aneurismas e tumores cerebrais, conforme a presença ou não de outros sinais e sintomas concomitantes, como aumento da pressão arterial, febre e vômitos.

Quais são as principais causas de dor de cabeça na gravidez?

Além das alterações hormonais, a dor de cabeça na gravidez está relacionada principalmente com a alimentação, sono, emoções, atividade física, cheiros fortes e visão.

Alimentação

Algumas pessoas podem ter dor de cabeça ao comer chocolate, certos tipos de queijo, nozes, castanhas e frutas cítricas (abacaxi, kiwi, limão, laranja…)

Também é importante não ficar mais de 3 horas sem comer, já que o jejum prolongado pode causar dor de cabeça.

Sono

Recomenda-se dormir de 7 a 8 horas por dia. Ficar sem dormir ou dormir pouco pode desencadear dor de cabeça. Contudo, dormir demais, como 10, 12 horas ou mais, também pode causar cefaleia.

Distúrbios emocionais

O estresse, as preocupações, a ansiedade e a depressão favorecem o aparecimento de dor de cabeça com mais frequência e intensidade.

Esforços físicos

A dor de cabeça pode ter início ou se agravar com movimentos ou atividade física, mesmo quando o esforço é relativamente leve, como subir escadas, por exemplo.

Cheiros fortes

Usar perfumes muito fortes ou expor-se a odores intensos pode causar dor de cabeça.

Doenças oculares e visão

Problemas da visão que não são devidamente corrigidos podem causar e piorar quadros de cefaleia.

Além das doenças oculares, ficar por tempo prolongado em frente a monitores de televisão ou computador pode desencadear dores de cabeça ou piorar uma dor já instalada.

Quando houver necessidade de permanecer várias horas em frente ao computador, como no trabalho, recomenda-se fazer pausas regularmente.

Entretanto, a dor de cabeça é um sintoma muito inespecífico e pode ocorrer independentemente da gestação, isto é, sua causa deve ser investigada mais a fundo.

É fundamental saber qual a sua idade, antecedentes pessoais e características detalhadas da dor de cabeça (onde exatamente dói, qual o tipo de dor - pontada, peso, pulsação, aperto, queimação).

Também é importante investigar o início dos sintomas, concomitância dos sintomas com febre ou outros sinais e sintomas de gravidade, como dor abdominal, embaçamento da visão, inchaço em mãos e pés, entre outras manifestações.

Outras questões importantes para determinar a causa da dor de cabeça na gravidez:

  • A dor ocorre apenas de um lado da cabeça, na cabeça toda ou só na nuca mesmo? É intensa? Quão intensa? É a mais forte da vida?;
  • Chega a despertar do sono, ter náuseas ou vomitar nas crises?;
  • Irradia ("espalha") para algum lugar ou é restrita a essa região específica?;
  • Há quanto tempo está com dor? Ela é cíclica (vai e volta) ou contínua, durando dias? Quando vem a dor dura quanto tempo? Você já teve antes? É comum?;
  • Tem algum horário do dia ou do mês em que acontece com mais frequência?;
  • Piora com luz, som ou determinados alimentos? Melhora com alguma coisa?;
  • Está piorando ao longo do tempo ou apresentando novos sintomas concomitantes?;
  • E na família? É frequente?
Como evitar a dor de cabeça a gravidez ou tratá-la sem remédios?
  • Estresse ou fadiga são fatores que podem desencadear crises e devem ser evitados;
  • Tente fazer drenagem linfática para gestantes ou experimente fazer massagens com um profissional. Elas ajudam a diminuir o estresse e promovem a circulação sanguínea;
  • Tenha hábitos de alimentação saudáveis - evite alimentos gordurosos, como chocolates, queijos amarelos, alimentos cítricos e embutidos;
  • Procure fazer atividades físicas próprias para gestantes. Hidroginástica ou ioga podem ser boas ideias;
  • Coma mais vezes ao longo do dia e em quantidades menores;
  • Tente fazer outros exercícios de relaxamento ou mesmo acupuntura;
  • Evite ficar exposta à luz muito intensa, como ficar na praia, ao sol, especialmente sem usar proteção para a cabeça e olhos;
  • Cheiros fortes também podem causar dor de cabeça. Evite a exposição à fumaça de cigarro, perfumes fortes, cheiro de tinta, entre outros odores intensos;
  • Evite locais com níveis muito altos de ruído;
  • Chá de camomila, na quantidade de 1 xícara por dia, não prejudica a gravidez e evita a dor por conter um pouco de cafeína;
  • Evite viajar para locais de grande altitude;
  • Tente manter um horário de sono regular. Dormir muito pouco ou em excesso não ajuda;
  • Certas dores aliviam bastante após repouso, ou se a pessoa conseguir pelo menos relaxar. Compressas de água morna ao redor dos olhos ou mesmo na nuca podem ajudar muito.

Geralmente, quando não há quaisquer outros sintomas de gravidade, o tratamento baseia-se no alívio da dor, com analgésicos simples sempre receitados pelo médico. A investigação deve ser feita em casos recorrentes ou sem melhora clínica com uso de remédios ou outras abordagens.

No caso de dor de cabeça na nuca durante a gravidez, um médico clínico ou preferencialmente seu ginecologista deverá ser consultado para avaliação, com anamnese completa, exame físico detalhado e exames complementares, se julgar necessário. Com base nas informações obtidas, poderá fazer o diagnóstico e tratamento corretos, caso a caso.