Perguntar
Fechar

Gravidez e Gestação

Corrimento marrom, o que pode ser?

O corrimento marrom pode ser causado por diversos motivos, entre eles infecção vaginal bacteriana (geralmente amarelado, mas pode ser marrom claro na vaginose bacteriana, porém quando é marrom escuro geralmente adquire esta cor por ter sangue em sua composição, o que pode indicar feridas sangrantes no colo do útero, paredes vaginais, tubas uterinas ou ser proveniente da própria parede uterina (alteração menstrual).

Infecções e outras doenças:

Grande parte dos corrimentos crônicos são causados por preservativos. O látex nas camisinhas pode provocar alergia em algumas mulheres, o que vai desregular o pH vaginal e criar um ambiente propício à proliferação de bactérias que causam a vaginose bacteriana. Produtos de higiene íntima (duchas vaginais) também são outro agente que provoca irritação. Duchas podem levar à destruição das bactérias benéficas (flora vaginal normal - bacilos de Doderlein) que impedem a proliferação de bactérias causadoras de doenças como as da vaginose. O uso de sabonetes, lubrificantes e cremes vaginais sem indicação do médico é outro fator que pode explicar corrimentos recorrentes.

Muitas mulheres desenvolvem alergia a uma substância química chamada propileno glicol, que a maioria dos produtos usa na sua composição. O ginecologista é o profissional indicado para prescrever o tratamento médico adequado e ele pode observar eventuais reações.

Mas nos casos de infecção bacteriana vaginal, normalmente outros sintomas acompanham o corrimento, como:

  • ardência;
  • cheiro forte e desagradável;
  • inchaço;
  • prurido (coceira);
  • vermelhidão.

Pode ser decorrente de doença inflamatória pélvica (DIP), muito mais grave e pode necessitar de internação hospitalar para tratamento, ou ainda câncer do colo do útero, câncer de endométrio, pólipos ou miomas uterinos, endometrite, outras doenças sexualmente transmissíveis como a gonorréia.

Relações sexuais:

Como dito inicialmente, o corrimento marrom escuro geralmente indica sangramento em algum local do aparelho reprodutor. O sangramento pode ser oriundo da própria parede vaginal ou do colo do útero, como consequência de relações sexuais intensas ou repetidas.

Gravidez:

Nas primeiras 12 semanas de gestação, algumas mulheres podem apresentar secreção vaginal marrom. Esse pequeno sangramento pode se originar da implantação do embrião na parede uterina (nidação). Neste caso o sangramento é semelhante à menstruação, mas em pequena quantidade, de coloração mais clara e dura poucos dias.

A vagina fica mais sensível durante a gravidez, podendo sangrar mais facilmente durante relações sexuais ou exames ginecológicos. Além disso, aumenta a chance de infecções neste período. Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente, pois pode também significar algo mais grave, como por exemplo perda sanguínea decorrente de  gravidez ectópica com rotura de tuba uterina (acompanhada de fortes dores abdominais em cólica), aborto (ou ameaça de aborto), placenta prévia, descolamento prematuro de placenta, rotura de vasa prévia, entre outras causas.

Menstruação:

Pode ocorrer eliminação de um corrimento marrom após a menstruação, geralmente decorrentes de restos da menstruação que a mucosa uterina não conseguiu eliminar totalmente (escape menstrual, por alterações hormonais), mesmo depois de dias do término do fluxo. Também costumam ocorrer nas primeiras menstruações da adolescência.

Menopausa:

A menopausa também pode desencadear um corrimento marrom escuro, em raros casos, pois a diminuição dos hormônios característicos da menacme (período fértil da mulher, da primeira à última menstruação) pode ressecar a mucosa e irritar a área genital, inclusive causando coceira. Pode ocorrer também na pré-menopausa.

Em caso de corrimento, de qualquer cor ou tipo, um médico ginecologista deve ser consultado para avaliação e tratamento adequado.

Quais remédios posso tomar na gravidez?

Por conta própria, não se deve tomar nenhum remédio durante a gravidez. Todo e qualquer medicamento usado durante a gestação deve ser receitado pelo médico. Dentre os remédios permitidos, estão:

  • Dramin B6 ou Plasil: Náuseas e vômitos;
  • Riopan ou Mylanta: Azia;
  • Buscopan: Cólicas;
  • Tylenol ou Dipirona: Dor de cabeça, febre;
  • Flogoral spray, Tylenol, inalação com soro fisiológico: Dor de garganta, tosse;
  • Rinossoro: Nariz entupido;
  • Pasalix ou Passiflora: Ansiedade, nervosismo;
  • Luftal: Gases intestinais;
  • Xyloproct ou Proctoxilodase: Hemorroida;
  • Tamarine ou Metamucil: Prisão de ventre.

Muitos outros remédios podem ser usados na gravidez, desde que a mulher tenha receita médica para poder usá-los. Outros medicamentos permitidos durante a gestação, ou seja, que não são contraindicados na gravidez, são:

  • Amoxicilina;
  • Ampicilina;
  • Buscoduo;
  • Buscopam Plus;
  • Benzetacil;
  • Cefalexina;
  • Cetirizina (levocetirizina);
  • Corticoides;
  • Metoclopramida;
  • Metronidazol (depois dos 3 meses);
  • Paracetamol (Tylenol).

Mesmo sendo permitidos na gravidez, esses remédios podem ter outras contraindicações específicas para a mãe ou para o bebê, por isso em hipótese alguma eles devem ser usados sem prescrição médica.

Quais os remédios proibidos na Gravidez?

Medicamentos completamente contraindicados na gravidez devido ao risco elevado de produzirem malformações fetais:

  • Metotrexato (antineoplásico, usado no tratamento do câncer);
  • Minociclina (antibiótico);
  • Misoprostol (antiulceroso);
  • Atorvastatina;
  • Sinvastatina;
  • Varfarina;
  • Finasterida;
  • Ribavirina (antiviral);
  • Talidomida (hanseniostático/hipnótico);
  • Tetraciclina (antibiótico).

Outros medicamentos contraindicados na gravidez, mas que podem ser indicados pelo médico em casos de doenças graves para as quais não existam outros remédios:

  • Captopril;
  • Cataflan;
  • Ciprofloxacino (nos primeiros 3 meses de gravidez);
  • Diclofenaco;
  • Enalapril;
  • Propranolol;
  • Omeprazol.

Lembrando que uma grávida não deve tomar qualquer medicamento sem o conhecimento do/a seu/sua médico/a ginecologista-obstetra ou médico de família.

Também pode lhe interessar:

Posso tomar colágeno durante a gravidez e durante a amamentação?

Grávida pode fazer acupuntura?

Dor no pé da barriga durante a gravidez, o que pode ser?

A dor no pé da barriga ou na região inferior da barriga durante a gravidez é comum, principalmente a partir do 2º trimestre e deve-se, geralmente, à compressão das estruturas internas do abdômen causadas pelo aumento do volume do útero e pelo estiramento dos ligamentos pélvicos.

É importante observar se há outros sinais e sintomas associados a essa dor, como sangramentos ou febre, por exemplo.

Também deve ser realizado um exame clínico para avaliar outras possíveis causas para as dores abdominais, como contrações uterinas, constipação intestinal, formação de gases, verminoses, cálculos nas vias urinárias ou infecção urinária. 

É preciso estar atenta a dores no pé da barriga parecidas com uma cólica menstrual forte, pois podem ser sinal de contrações uterinas.

Também pode lhe interessar o artigo: É normal sair leite antes do bebê nascer?

O/a médico/a obstetra, clínico/a geral ou médico/a de família deve ser consultado/a sempre que houver dúvidas em relação ao desenvolvimento da gravidez.

Líquido branco saindo da mama pode ser gravidez?

Líquido branco saindo da mama pode ser gravidez, mas pode surgir também em muitas outras situações, associadas ao aumento do hormônio prolactina.

prolactina é um hormônio produzido pela glândula hipófise responsável pela produção de leite durante a amamentação. A produção desse hormônio pode estar aumentada em outras situações como:

  • Uso de certas medicações: antipsicóticos (ex: Clorpromazina, Haloperidol, Risperidona), antidepressivos (Clomipramina), anti-hipertensivos (Metildopa, Verapamil, Reserpina), opióides (Morfina, Codeína) e outros usados para evitar enjoo (Metoclopramida);
  • Tumor na hipófise;
  • Traumas, cirurgias, anestesias.

Entretanto, é importante lembrar que, por volta do 5º mês de gravidez, o líquido que geralmente sai da mama ao apertar o bico do seio é transparente. Trata-se do colostro, o primeiro leite produzido, muito rico em proteínas e anticorpos para proteger o bebê.

Leia também: É normal sair leite antes do bebê nascer?

Portanto, se a mulher não estiver grávida nem amamentando e verificar que está saindo um líquido branco da mama, ela deve procurar um/a médico/a para avaliação.

Com quantos dias aparecem os primeiros sintomas de gravidez?

Os primeiros sintomas de gravidez começam a surgir a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação.

Em geral, o primeiro sintoma da gravidez é a ausência de menstruação ou atraso menstrual detectado quando a menstruação não vem no período esperado.

Após este sintoma, outros podem ser percebidos no início da gestação como:

  • Náusea e vômitos;
  • Aumento da sensibilidade nas mamas;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Cansaço.

Esses sintomas de gravidez aparecem a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação, ou seja, aproximadamente entre 7 a 14 dias após o dia esperado de vir a menstruação.

Com o avançar da gestação, outros sintomas vão aparecendo como:

  • Inchaço abdominal;
  • Constipação intestinal;
  • Azia;
  • Desconforto na região pélvica;
  • Alteração do humor;
  • Falta de ar;
  • Tontura.

Também pode lhe interessar: Existem doenças com sintomas parecidos com gravidez?

Ao detectar uma gravidez, a mulher deve procurar o serviço de saúde para iniciar os cuidados de pré-natal.

Leia também:

Queimação no estômago pode ser gravidez?

Mal estar, tontura, náuseas, fraqueza, dor de cabeça, posso estar grávida?

Dormência nas mãos, quais são as causas?

Várias doenças e condições podem levar à dormência nas mãos. Cito-as abaixo:

  • Síndrome do túnel do carpo: é a causa mais frequente. Decorre de uma compressão do nervo mediano no punho, quando ele atravessa um túnel juntamente com os tendões flexores da mão. Acontece inicialmente dormência, seguida de dor e mais tardiamente atrofia de parte dos músculos da mão. É importante investigar diabetes, obesidade e hipotiroidismo, pois podem estar associados. Os sintomas são insidiosos e vão aumentando lentamente. Predominam nas mulheres e pioram muito à noite. Os sintomas não afetam o dedo mínimo, pois esse dedo e metade do dedo anelar são inervados por outro nervo (o nervo ulnar). O tratamento é cirúrgico, quando é feita a descompressão do nervo pelo médico ortopedista.
  • Hérnia de disco cervical.
  • Costela cervical.
  • Síndrome do desfiladeiro torácico: quando ocorre compressão de vasos que irrigam os nervos e músculos da mão.
  • Artrite reumatóide: doença em que há ataque às articulações.
  • Hanseníase.: doença infecciosa que afeta os nervos, conhecida antigamente como "lepra".
  • Esclerose múltipla: doença auto-imune, em que há ataque aos nervos.
  • gravidez.
  • Depressão e estados de ansiedade.

O médico neurologista ou ortopedista deverá avaliá-lo para adequados diagnóstico e tratamento.

Exame Beta-hCG pode dar falso negativo?

O exame Beta-hCG pode dar falso negativo, sim (mulher grávida, exame negativo).

É com oito dias de fecundação que os níveis de beta hCG começam a subir, exatamente após a implantação do ovo (a união do espermatozoide com o óvulo) dentro do útero. Qualquer exame feito em uma fase anterior a esse momento resultará em um falso negativo. Isto acontece porque nesse caso ainda não houve tempo do hormônio ser produzido em quantidade suficiente  para ser detectado no sangue. Nessas situações, o teste deve ser repetido após três dias.

Exames feitos com a urina (Beta-hCG qualitativo, que pode ser comprado em farmácias), levam um pouco mais de tempo para ficarem positivos, porque na urina as concentrações do hormônio são bem menores que no sangue. O Beta-hCG sanguíneo pode dar resultado positivo logo no primeiro dia de atraso da menstruação, mas o mesmo não acontece com o Beta-hCG urinário. Neste caso, para se evitar falsos negativos, os testes com Beta-hCG através da urina devem ser feitos já com uma ou duas semanas de atraso. Quanto maior for o tempo passado após a concepção, mais elevado será o nível do hormônio, quer no sangue, quer na urina. Se se esperar por duas semanas de atraso da menstruação para fazer o teste de farmácia, a sensibilidade destes chega a 99%.

A interpretação dos resultados do exame deve sempre ser realizada pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores informações, procure um médico clínico geral ou preferencialmente um ginecologista.

Sintomas de Gravidez

Principais Sintomas de Gravidez:

1. Atraso menstrual

Quando a menstruação não vem no período esperado. Em geral, é detectado pela mulher entre 1 a 2 semanas de atraso.

2. Náuseas e vômitos

Podem ocorrer nos primeiros dias da gestação, mas são mais comuns a partir do 1º ou 2º mês da gravidez e não ocorrem em todas as pacientes.

3. Sensibilidade nas mamas

A mulher grávida pode ter uma sensibilidade maior nas mamas, é uma espécie de dolorimento ao toque ou pressão, pode aparecer como um formigamento ou como uma sensação de inchaço, algumas vezes o inchaço é real e não só uma sensação;

4. Aumento da frequência urinária e urgência para urinar

A mulher começa a ir mais vezes ao banheiro e as vezes tem a sensação de urgência urinária, ou seja, parece que vai urinar imediatamente, como se fosse urinar na roupa se não chegar rápido ao banheiro.

Os sintomas de gravidez citados anteriormente são os mais comuns.

Leia também: Diferenças entre Gravidez e Gravidez Psicológica

Sintomas de Gravidez menos frequentes:

Existem outros sintomas também, porém são vistos com uma frequência menor:

  • Cólicas e/ou sangramento no momento da implantação: uma dor abdominal tipo cólica associada a um pequeno sangramento pode ocorrer no momento da implantação no útero do óvulo fecundado, esses sintomas aparecem no meio do ciclo e a maioria das mulheres acham que menstruaram novamente antes da data normal, como passa rapidamente, não dão muita importância;
  • Escurecimento da aréola do bico dos seios e veias mais visíveis: normalmente associados com inchaço e sensibilidade aumentada dos seios;
  • Vontade de comer coisas que normalmente não comeria ou não dava tanta importância ou fome aumentada e vontade de comer a toda hora – a fome aumentada e a vontade de comer a toda hora são mais comuns, já o desejo de comer coisas estranhas é incomum. O que pode acontecer é o apetite aumentado para um grupo específico de alimento;
  • Sonolência e cansaço: a mulher dorme bastante e mesmo assim continua sentindo muito sono;
  • Sensação de um gosto estranho na boca, geralmente metálico, ou alteração na sensação dos odores – a mulher grávida parece ter um olfato mais aguçado e pode inclusive ficar mais sensível para alguns tipos de cheiros;

Também podem lhe interessar os artigos:

Pele oleosa pode ser sintoma de gravidez?

Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza, dor de cabeça. Posso estar grávida?

Os sintomas da gravidez não são específicos para gravidez, ou seja, podem estar presentes em muitas outras situações que não correspondem à gravidez. Os sintomas confiáveis apenas aparecem em estágios avançados da gestação (aumento do volume uterino e a presença dos movimentos fetais).

Saiba mais em: Existem doenças com sintomas parecidos com gravidez?

O mais importante é que para você poder ter mais certeza de que o que está sentindo realmente são indícios de uma gravidez deve haver uma concordância entre todos os seus sintomas e deve existir uma história compatível com gravidez.

Caso você apresente algum sintoma desses citados e uma história compatível com gravidez, consulte o/a médico/a clínico/a geral, ginecologista ou médico/a de família para uma avaliação pormenorizada e possível identificação da gravidez.