Perguntar
Fechar
Diferenças entre Gravidez e Gravidez Psicológica
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As diferenças entre gravidez e gravidez psicológica podem, no início, passar despercebidas uma vez que a gravidez psicológica provoca os mesmos sinais e sintomas de uma gravidez real, tais como:

  • Menstruação atrasada;
  • Crescimento da barriga;
  • Inchaço das mamas;
  • Aumento da temperatura corporal;
  • Sonolência;
  • Enjoos;
  • "Desejos de grávida";
  • Lactação (produção de leite);
  • Pode inclusive haver alterações hormonais, porém, os níveis de beta HCG, usado para detectar uma gravidez, não mudam.

Na gravidez psicológica, a mulher acredita mesmo que está grávida e o seu corpo sofre alterações, levando também outras pessoas a acreditarem que ela está grávida, inclusive o/a médico/a. Há casos em que a mulher chega a sentir o bebê mexer.

A gravidez psicológica é um distúrbio emocional que faz com que a mulher apresente os sintomas de uma gestação sem estar grávida. A gravidez psicológica pode, inclusive, durar os mesmos 9 meses da gravidez real.

Além dos sintomas físicos, a gravidez psicológica provoca também sintomas psicológicos. Mesmo depois da gravidez ser desmentida pela menstruação, pelos exames de sangue e de imagem (ultrassom), a mulher pode continuar convicta que está grávida.

As mulheres mais propícias a terem uma gravidez psicológica são aquelas que têm um forte desejo de engravidar e não têm sucesso e as que têm pavor de engravidar.

O tratamento dos casos de gestações psicológicas é feito com psicoterapia. Medicamentos antidepressivos também podem ser necessários.

O diagnóstico de uma gravidez psicológica pode ser feito pelo/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral, que deverá posteriormente encaminhar a paciente para o tratamento psicológico e/ou psiquiátrico.

Acordo todos os dias com dor no estômago, enjoo e vontade de vomitar... pode ser gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os primeiros sinais e sintomas de gravidez normalmente surgem a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação, sendo o principal deles o atraso menstrual. Os outros sintomas de gravidez podem ser:

  • Náuseas com ou sem vômitos;
  • Aumento do tamanho e da sensibilidade das mamas;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Desconforto pélvico ou dor abdominal ("pé da barriga");
  • Cansaço.

Esses sintomas que você está sentindo podem ser sintomas de gravidez, mas podem ser outros acometimentos. Por isso, é importante procurar um centro de saúde para uma avaliação detalhada da sua história e do seu quadro clínico para certificar ou descartar o diagnóstico de gravidez.

Quem tem gastrite pode tomar anticoncepcional?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Quem tem gastrite pode tomar anticoncepcional, mas deve ser usado com orientação médica, porque embora não haja contraindicações ao uso de anticoncepcionais nesse caso, eles podem causar indisposições gástricas, como enjoos e vômitos, em algumas pessoas que  podem piorar nos casos de gastrite, principalmente quando ela não estiver sendo tratada.

Em relação a sua ação, os anticoncepcionais podem ser usados ao mesmo tempo em que é feito o tratamento para a gastrite, porque os medicamentos geralmente usados para o seu tratamento não interferem na ação dos anticoncepcionais orais.Outras alternativas de métodos contraceptivos, que não incluem o uso de hormônios, são o dispositivo intrauterino (DIU) e o preservativo feminino.

O médico ginecologista é o especialista indicado para orientar o melhor medicamento a ser usado pela pessoa com gastrite.

Também pode lhe interessar: Quem tem gastrite pode tomar whey?

Tontura, enjoo e fico estressada, qual especialista procurar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se você sente tontura, enjoo e fica estressada, deve primeiro procurar o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família para que a causa da tontura e dos enjoos seja identificada. Se o médico achar necessário, poderá lhe encaminhar para um outro especialista.

Já o estresse e outros transtornos mentais podem ser investigados pelo/a médico/a psiquiatra.

O próprio estresse, o nervosismo e a ansiedade podem causar tontura e náuseas, mas só o/a médico/a poderá definir se existe ligação entre esses sintomas.

Além do estresse, as tonturas podem ser provocadas por:

  • Problemas no labirinto (labirintite)
  • Hipoglicemia (pouco açúcar no sangue);
  • Jejum prolongado;
  • Anemia;
  • Gripe;
  • Enxaqueca;
  • Pressão baixa;
  • Medicamentos;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Ingestão de bebidas alcoólicas.

Já os enjoos podem ter como causas:

  • Distúrbios emocionais, como estresse, ansiedade, nervosismo, depressão;
  • Gastrite;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Inflamação no intestino;
  • Uso de medicamentos;
  • Gravidez;
  • Infarto;
  • Problemas no labirinto (labirintite).

São muitas as situações e doenças que podem provocar tontura e náuseas, sendo o estresse apenas uma delas. Porém, esses sintomas podem não estar necessariamente interligados e apenas o/a médico/a poderá detectar as suas causas, origens e se existe ou não ligação entre eles.

Quais são os sintomas de uma gravidez psicológica?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de uma gravidez psicológica podem ser idênticos aos de uma gravidez de fato, ou seja:

  • Ausência de menstruação;
  • Crescimento da barriga;
  • Aumento das mamas;
  • Produção de leite;
  • Sonolência;
  • Enjoos.

A gravidez psicológica pode inclusive provocar alterações hormonais, embora os níveis de beta-hCG, usado para detectar uma gravidez real, não mudam.

Há mulheres que até chegam a sentir o bebê mexer na barriga e a gestação pode até durar os mesmos 9 meses de uma gravidez real.

Os sintomas da gravidez psicológica pode torná-la indistinguível de uma gravidez verdadeira, até mesmo para os/as profissionais de saúde.

O diagnóstico é feito por ultrassom, em que não se detecta a presença do feto, ou pelo exame de sangue beta-hCG, cujos níveis só se elevam na gravidez real.

Trata-se de uma situação rara, que acontece em cerca de 1 caso para cada 10 mil gestações verdadeiras. Ocorre mais frequentemente em mulheres com extremo desejo de engravidar, principalmente após várias tentativas de gravidez sem sucesso.

Outros transtornos psiquiátricos, como a depressão, também podem estar associados. Há casos em que a mulher continua convicta que está grávida, mesmo depois da gravidez ser desmentida pela menstruação, pelos exames de sangue e ultrassom.

O tratamento da gravidez psicológica é feito com medicamentos que induzem a menstruação e psicoterapia, além de antidepressivos, quando necessário.

Saiba mais sobre o assunto em:

Diferenças entre Gravidez e Gravidez Psicológica

O que é gravidez psicológica?

Caxumba é contagiosa? Qual o tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. A caxumba, também conhecida como “papeira” ou parotidite infecciosa, é uma doença contagiosa, transmitida pelo contato com secreções das vias aéreas da pessoa infectada.

A transmissão da caxumba ocorre pela disseminação de gotículas de saliva ou secreções nasais infectadas com o vírus, ou seja, provenientes de pessoas infectadas. O contato direto com essas excreções é a forma de transmissão da caxumba.

A caxumba também pode ser transmitida de forma indireta, através do contato com objetos contaminados com saliva ou secreções de alguém que já esteja com caxumba.

O período de incubação do vírus da caxumba varia entre 16 e 18 dias em média. Após esse período surgem os sintomas.

A caxumba já pode ser transmitida no período de incubação, ou seja, 6 a 7 dias antes da manifestação dos sinais e sintomas. O período de transmissão da caxumba só termina depois do 9º / 10º dia de manifestação da doença. O vírus ainda pode estar presente na urina mesmo após duas semanas do início da infecção.

Vale lembrar que depois de adquirir caxumba, a pessoa fica imune contra a doença até ao fim da vida, como se tivesse tomado uma vacina.

Como é o tratamento da caxumba?

Não há um tratamento específico para a caxumba. Podem ser prescritos analgésicos e antitérmicos, para aliviar os sintomas como a dor e a febre, conforme a necessidade do paciente. 

É importante frisar que a pessoa deve permanecer em repouso, afastado de suas atividades escolares e laborais durante o período dos sintomas.

O tratamento da caxumba inclui ainda cuidados com a hidratação e a alimentação. Deve-se evitar alimentos ácidos, que podem causar dor, enjoo e até vômitos. Também é importante manter a pessoa em observação, para identificar eventuais complicações.

Quais são os sintomas da caxumba?

O principal sintoma da caxumba é o aumento de tamanho das glândulas salivares e a febre. Porém, nem todas as pessoas apresentam um aumento aparente das glândulas. Há ainda casos de caxumba que não manifestam sintomas.

A caxumba é mais comum em crianças e adolescentes, mas o vírus pode afetar pessoas de qualquer idade. A evolução da doença normalmente é benigna. Contudo, em casos mais raros, pode haver complicações, com necessidade de internamento e podendo até levar a óbito.

Crianças com menos de 5 anos de idade apresentam desde sintomas que envolvem as vias respiratórias, até, em casos mais graves,a perda de audição. As complicações mais frequentes da caxumba em crianças, embora sejam raras, são as inflamações no cérebro (encefalite) e no pâncreas (pancreatite).

Após a adolescência, a caxumba pode se tornar mais grave e trazer complicações. Em homens adultos, a doença pode causar inflamação dos testículos, causando infertilidade, enquanto nas mulheres a caxumba pode provocar inflamação nas mamas.

Em casos mais raros, pode ocorrer ainda meningite, mas que normalmente não deixa sequelas.

O que é caxumba?

A caxumba é uma doença causada pelo vírus Paramyxoviridae, do gênero Paramyxovirus. O micro-organismo por afetar qualquer tecido que tenha glândulas e nervos no corpo, embora a infecção seja mais frequente nas glândulas parótidas, responsáveis pela produção de saliva. Outras glândulas frequentemente afetadas pela caxumba ficam localizadas próximas ao ouvido.  

Como prevenir a caxumba?

A prevenção da caxumba é feita através da vacina. A vacina é produzida com o vírus inativado e faz parte do calendário de vacinação, fornecida pela rede pública de saúde. 

A vacina contra a caxumba é a tríplice viral (MMR), geralmente administrada entre 12 e 15 meses de vida (1ª dose), 4 e 6 anos (2ª dose) e 11 e 12 anos (3ª dose). 

Mulheres que ainda não tomaram a vacina devem fazê-lo, pois, se a caxumba é adquirida na gestação, pode provocar aborto.

Para tomar a vacina, basta procurar a Unidade Básica de Saúde, com sua carteira de vacinação.

Pode lhe interessar também:

O que é caxumba e quais os sintomas?

O que é sarampo e quais os sintomas?

Quem tem catapora deve evitar o sol por quanto tempo?

Tontura, ânsia de vomito e pressão no rosto próximo nariz?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Pode ser sinusite mesmo que não tenha respondido ao tratamento, ou pode ser outra condição que também causa pressão no rosto e tontura.

Os sintomas da sinusite como podem persistir por dias mesmo após o tratamento, sendo que a resolução total dos sintomas pode demandar algum tempo.

No entanto, existem outras possíveis causas de pressão no rosto ou dor de cabeça, que pode vir acompanhada de náuseas e tontura, como enxaqueca, cefaleia tensional, hipoglicemia, episódios de hipotensão ou hipertensão, distúrbios visuais e distúrbios do labirinto, como a VPPB (Vertigem paroxística posicional benigna).

Quando esses sintomas são muito intensos pode-se pensar em outras causas como meningite, aneurisma ou tumores.

Quais são os principais sintomas da sinusite?

Os principais sintomas da sinusite são:

  • Congestão e obstrução nasal;
  • Secreção nasal purulenta;
  • Dor ou pressão facial, que pode piorar ao se inclinar para a frente;
  • Desconforto ou dor no dente maxilar.

Outros sinais e sintomas que também podem estar presentes são:

  • Febre;
  • Fadiga;
  • Tosse;
  • Diminuição ou perda do olfato;
  • Pressão ou plenitude do ouvido;
  • Dor de cabeça;
  • Mau hálito.

Também é possível apresentar sinais e sintomas de disfunção da trompa de Eustáquio que levam a dor no ouvido, plenitude ou pressão no ouvido, perda auditiva ou mesmo zumbido.

Quais os sintomas da enxaqueca?

A enxaqueca caracteriza-se por ser uma dor de cabeça geralmente unilateral, latejante, que piora com exposição a luz, odores ou barulho. Pode vir acompanhada de enjoos e vômitos. Um único episódio pode durar horas ou dias.

A enxaqueca pode ser com aura ou sem aura. A enxaqueca com aura apresenta ainda sintomas neurológicos transitórios como perturbação da visão, do olfato, fala ou mesmo alterações de sensibilidade como dormência em alguma parte do corpo.

Quais os sintomas da cefaleia tensional?

Já a cefaleia tensional apresenta geralmente uma localização mais difusa por toda a cabeça, mas em episódios agudos também pode vir acompanhada de náuseas, vômitos e tontura. Pode estar associada a situações de estresse, privação de sono, mudança de rotina.

Caso os seus sintomas persistam, o ideal é procurar novamente um médico de família ou clínico geral para uma avaliação da causa e só assim será possível determinar o melhor tratamento a seguir.

Muita queimação e enjoos constantes seguidos de tontura, pode ser gastrite ?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, podem ser sintomas de gastrite. 

Entretanto os sintomas mais comuns da gastrite são a queimação na região epigástrica ("boca do estômago"), somado a dor e distensão abdominal, náuseas, vômitos, sensação de empanzinamento e algumas vezes perda de apetite com emagrecimento; a tontura não é um sintoma habitual desta doença, apesar de poder estar presente.

A gastrite é a inflamação da parede do estômago, decorrente de situações que estimulem a produção aumentada de ácido gástrico, como o estresse e ansiedade; também pode ocorrer pela presença da bactéria Helicobacter pylori, bastante comum na população brasileira; alimentação inadequada, jejum prolongado entre outras causas.  

Portanto, para definir com segurança a causa dos sintomas, você deverá agendar uma consulta com médico/a clínico geral ou gastroenterologista, para uma avaliação mais detalhada, realização de exames complementares que se façam necessários, e determinar o tratamento indicado. 

Saiba mais sobre o assunto nos links abaixo:

Posso pintar cabelo ou fazer selagem quando estou menstruada?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, a mulher quando está menstruada pode fazer selagem ou pintar o cabelo, desde que sejam usados produtos que não contenham formol. Se a selagem for apenas com queratina, você pode fazer. 

ANVISA proíbe o uso de formol como alisante, pois o produto pode causar sérios danos a qualquer pessoa. O/a profissional que aplica o produto também corre riscos.

Dentre as complicações causadas pelo formol estão:

  • Irritação;
  • Coceira;
  • Queimadura;
  • Inchaço;
  • Descamação e vermelhidão do couro cabeludo;
  • Queda de cabelo;
  • Ardência e lacrimejamento dos olhos;
  • Falta de ar;
  • Tosse;
  • Dor de cabeça;
  • Ardência e coceira no nariz.

Exposições repetidas ao produto podem causar ainda:

  • Boca amarga;
  • Dores abdominais;
  • Enjoo;
  • Vômito;
  • Desmaios;
  • Feridas na boca, narinas e olhos;
  • Câncer.

Caso não seja possível confirmar se o produto é ou não seguro, não faça a selagem, seja durante ou após o período da menstruação.

O período fértil pode mudar de mês para mês?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, o período fértil pode mudar de um mês para outro, pois existem diversos fatores que podem influenciar o dia da ovulação e provocar variações no período fértil.

Situações de estresse, doenças (mesmo que seja uma gripe), mudanças na rotina, alterações emocionais, cansaço, exercício físico intenso, variações de altitude, uso de medicamentos, são algumas das circunstâncias que podem alterar o ciclo e atrasar a ovulação, afetando assim o período fértil.

O ciclo menstrual é dividido em duas fases. A primeira é chamada de fase folicular, que começa no 1º dia da menstruação e termina no momento da ovulação. Essa fase do ciclo dura em média 15 dias, mas pode variar consideravelmente em cada mulher, podendo durar de 9 a 23 dias.

A segunda fase do ciclo menstrual é a fase lútea, que vai desde o dia da ovulação até o 1º dia do período. A fase lútea tem uma duração média de 12 a 16 dias e não varia tanto de mulher para mulher. 

Assim, o que determina a duração do ciclo e, consequentemente, o período fértil, é o dia da ovulação e não a menstruação. Por isso o período fértil pode variar de mês para mês, pois depende da duração da primeira fase do ciclo, que, como dito no início, pode sofrer influência de vários fatores.

Leia também: Como saber qual meu período fértil?

Portanto, não basta apenas contar os dias da última menstruação para encontrar o período fértil. É preciso saber o dia certo que a mulher está ovulando. Por essa razão a chamada "tabelinha" não é considerada um método anticoncepcional seguro, uma vez que o tempo de duração do ciclo pode ser alterado.

Para maiores esclarecimentos sobre as possíveis variações do ciclo menstrual, fale com o seu médico de família ou ginecologista.

Saiba mais sobre o assunto em:

Ciclo menstrual desregulado: Como calcular o período fértil?

É normal sentir enjoo e dor no período fértil?

Quais os sintomas do período fértil?

O que significa colecistite crônica?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Significa que havia uma inflamação crônica na vesícula biliar. Caso ela já tenha retirado a vesícula através da cirurgia, e no laudo da biópsia veio de significativo apenas esse resultado, o problema já foi resolvido, basta recuperar-se da cirurgia.

A colecistite crônica é um termo que se refere a inflamação da vesícula biliar que ocorre por um longo período de tempo.

Quais são as causas de colecistite crônica?

As principais causas de colecistite crônica são a presença de cálculos biliares (pedras na vesícula) ou a ocorrência de vários episódios de colecistite aguda, ou seja, vários episódios momentâneos de inflamação da vesícula.

Quais são os sintomas da colecistite crônica?

As pessoas com colecistite crônica costumam apresentar episódios de dor recorrente, que não costumam durar muito tempo, mas retornam frequentemente. Pode ser que o abdômen na sua parte superior fique mais sensível e a pessoa apresente dor ao toque dessa região. É comum também a presença de sintomas de náuseas e enjoos.

Qual o tratamento da colecistite crônica?

Se a causa da colecistite crônica for a presença de cálculos biliares o tratamento é a cirurgia de colecistectomia, em que se retira totalmente a vesícula biliar. A cirurgia pode ser realizada através de videolaparoscopia ou pela via aberta.

Ultimamente a via cirúrgica mais utilizada é a videolaparoscópica, em que são realizadas pequenas incisões no abdômen e introduzida uma pequena câmera por onde o cirurgião vê o interior da cavidade abdominal.

Para mais informações consulte o seu médico de família, clínico geral ou médico cirurgião.

Estou com a minha menstruação atrasada há 13 dias, sinto ânsias, sonolência...posso estar grávida?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pode sim. Caso tenha relação sexual sem contraceptivos, como o uso de camisinha, ou uso regular de anticoncepcional, existe o risco de gravidez; associado a menstruação atrasada e todos os sintomas relatados, é possível que esteja grávida. Porém outras situações podem causar os mesmos sintomas.

O atraso menstrual é caracterizado após 10 a 15 dias de atraso da data esperada pela mulher, e significa o sinal mais precoce e importante da suspeição de gravidez, entretanto, não é o único diagnóstico para esses sinais e sintomas.

Outras situações podem causar atraso menstrual com certa frequência:

O que pode atrasar a menstruação?

Qualquer alteração no ciclo menstrual deve ser informada ao médico/a ginecologista para adequada avaliação e cuidados.

Saiba mais nos links: