Perguntar
Fechar
Falta de apetite, que especialista devo procurar?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Na falta de apetite o especialista a procurar pode ser o endocrinologista, o gastroenterologista, o nutrólogo, o nutricionista, o psiquiatra ou pediatra, dependendo da causa da falta de apetite e da idade do paciente.

Algumas causas de falta de apetite podem ser: gastrites, úlceras, dor ao mastigar ou engolir, ansiedade, hábitos alimentares inadequados, depressão, doenças endócrinas como hipotiroidismo ou insuficiência adrenal, anorexia nervosa, efeito secundário ao uso de medicamentos, náuseas, enjoos, anemias e infecções.

O clínico geral poderá auxiliar na identificação da causa da falta de apetite e encaminhar a um especialista se for necessário.

Buclina corta o efeito da Noregyna?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A Buclina não corta o efeito da Noregyna, pois são medicamentos que têm ações completamente diferentes. Enquanto a Buclina é indicada para o tratamento de alergias (anti-histamínico), enjoos e tonturas, além de ser usada como estimulante do apetite, a Noregyna é um medicamento injetável utilizado para evitar a gravidez (anticoncepcional), não havendo interação entre eles.

Dentre os medicamentos que podem cortar o efeito do anticoncepcional estão os antibióticos rifampicina e rifabutina, os anticonvulsivantes ou antiepilépticos (topiramato, primidona, fenobarbital, fenitoína, carbamazepina, oxcarbazepina), os barbitúricos (fenobarbital, tiopental, pentobarbital, tiamilal, barbital), os antirretrovirais (efavirenz, nevirapina, nelfinavir, ritonavir) e os anabolizantes (hormônios masculinos, geralmente testosterona).

A Buclina tem com princípio ativo o dicloridrato de buclizina, uma substância que não está relacionada com a diminuição ou anulação do efeito da Noregyna ou de qualquer outro anticoncepcional injetável ou oral.

Saiba mais em:

Interação dos Anticoncepcionais com outros Remédios

5 Coisas que Podem Cortar o Efeito do Anticoncepcional

Contudo, é importante lembrar que os dois medicamentos devem ser utilizados de acordo com a prescrição médica. O ginecologista ou o médico de família são os profissionais indicados para orientar sobre a utilização de outros remédios durante o uso do anticoncepcional.

Também podem lhe interessar:

Buclina engorda?

Posso tomar Buclina e complexo B para engordar?

Nó e bolo na garganta: saiba se é ansiedade e o que fazer
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

Nó na garganta pode ter outras causas, mas está normalmente associado à ansiedade. Não é à toa que o termo aparece em muitas músicas e poemas, associado a outras manifestações, como o aperto no peito.

Além do nó na garganta e do aperto no peito, outros sintomas comuns de ansiedade são:

  • O coração bate muito rápido;
  • Tremores;
  • Medo intenso;
  • Suor intenso.

Ela também pode causar falta de ar, enjoo, frio na barriga e dor de estômago.

Algumas manifestações da ansiedade são mais leves, outras mais graves.

Sentir ansiedade em alguns momentos é normal. Se está iniciando uma nova atividade, um novo emprego, um novo relacionamento, vai senti-la como uma excitação, associada à alegria.

Também é normal sentir alguma ansiedade em situações que causam desconforto, como foi o caso da pandemia.

Ela passa a ser um problema quando for frequente, por um período prolongado e / ou se for muito intensa. Isto pode fazer com que apareçam sintomas como o nó ou bolo na garganta, falta de ar, dor de estômago e insônia, entre outros.

O que você pode fazer quando o nó na garganta aparece?

Muitas pessoas conseguem resolver o problema e viver sem grandes prejuízos sociais e profissionais apenas usando essas dicas para controlar a ansiedade:

Respire profundamente

Respirar calmamente é uma técnica infalível para controlar uma crise de ansiedade que está começando. Você só respira calma e profundamente quando está calmo e quando faz isso o seu cérebro acredita que esteja tudo bem. A respiração pode ser feita da seguinte maneira: inspire lentamente contando até 3; conte até 3 e retenha o ar; expire lentamente, contando até 6. Você deve manter essa respiração por pelo menos 2 minutos. Feche os olhos durante a prática, se puder.

Morda a língua

Há outra forma de controlar uma crise de ansiedade: morda levemente a ponta da língua. É uma técnica baseada nos conhecimentos da acupuntura e do do-in. Funciona!

Mude o foco

A ansiedade vem como um mecanismo natural do ser humano de tentar evitar a dor. Tente mudar o foco. Busque o que pode lhe dar prazer. Inclua em sua rotina caminhar, entrar em contato com a natureza, ler um bom livro, ouvir boa música, escrever, desenhar, pintar, fazer exercícios físicos ou artesanato, estar com pessoas queridas ou com seus animais de estimação.

Meditação e ioga

As práticas de meditação e de ioga requerem disciplina, pois leva algum tempo para sentir seus resultados.

A meditação ajuda no controle dos sintomas da ansiedade tanto quanto um tratamento com medicamentos. Há vídeos e aplicativos que ajudam a começar.

A prática de ioga traz benefícios para além do exercício físico. Técnicas de respiração, relaxamento, meditação e foco no agora são os pontos que ajudam a controlar a ansiedade e são trabalhados nas aulas.

O que pode causar a ansiedade?

É muito difícil especificar quando o transtorno de ansiedade tem início. Por isso, você pode ter dificuldade para perceber como ele começou e se há uma ou mais causas para isso.

A ocorrência de vários eventos negativos na vida aumenta muito a chance da ansiedade se tornar um problema. Doenças graves como câncer e problemas cardíacos também podem ser responsáveis pelo aumento da ansiedade.

O problema muitas vezes começa na infância e persiste na vida adulta. A ansiedade é um problema de saúde mental comum para crianças e adolescentes.

Manifestações mais graves da ansiedade

Algumas manifestações de ansiedade podem ser disfuncionais, ou seja, atrapalhar seu rendimento nas atividades e sua vida. Neste caso, são problemas de saúde mental que podem causar doenças como a depressão, hipertensão e problemas cardíacos quando persistem por muito tempo. Se você se identificou com o problema, precisa descobrir o que fazer para aliviar os sintomas psicológicos e físicos que ele causa.

São manifestações graves da ansiedade:

Transtornos de ansiedade generalizada

Você pode identificar que está sofrendo um transtorno de ansiedade generalizada se sentir com frequência e por um período prolongado:

  • Apreensão: preocupação excessiva com o futuro; medo do desconhecido; sentir-se “no limite”;
  • Tensão muscular: inquietação, tremores ou dificuldade para relaxar. Pode sentir dores no corpo como consequência;
  • Tontura; sensação de nó ou bolo na garganta; dor ou frio no estômago;
  • Taquicardia, suor excessivo ou respiração ofegante (sem ter feito exercício físico).
Crise de pânico

Uma crise de pânico se caracteriza por uma ansiedade muito intensa em um dado momento. Ela manifesta-se como medo intenso, palpitação, sudorese, dor no peito, tremedeira, enjoo, frio na barriga e medo de morrer. O mal-estar é tão intenso que a pessoa sente necessidade de procurar um médico.

Fobia

É o medo persistente que não tem sentido e que “trava” você em certas situações. São fobias comuns o medo de multidões ou de estar só fora de casa; de sangue; lugares altos, abertos ou fechados; viagens de trem, carro ou avião. Quem tem uma fobia faz de tudo para evitar a situação que causa o medo.

Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)

A pessoa com transtorno de obsessão tem pensamentos indesejáveis. Podem ser dúvidas, pensamentos negativos, sobre contaminação, sexo ou religião, entre outros. Eles causam sofrimento e perda de tempo, atrapalhando a vida da pessoa.

A pessoa com transtorno compulsivo tem comportamentos que não consegue controlar. São as manias de contar, verificar, repetir, tocar em objetos e fazer movimentos. Comer, comprar e beber em excesso também são compulsões. Isto acontece devido à ansiedade. A falta de controle gera ainda mais ansiedade e sentimento de culpa.

No transtorno obsessivo-compulsivo, a pessoa age para aliviar os pensamentos obsessivos. Um exemplo de TOC é lavar as mãos o tempo todo, sem necessidade.

Estresse pós-traumático

Algo muito grave acontece (física ou psicologicamente) como “gatilho” para essa manifestação da ansiedade. A pessoa tem recordações perturbadoras do que aconteceu, pesadelos e até alucinações. Isso causa grande estresse físico e psicológico. As consequências são reações assustadas e irritabilidade, dificuldades de concentração e para se relacionar, falta de motivação e problemas para dormir.

O que fazer quando a ansiedade vai além do nó na garganta?

Se você percebe que a ansiedade atrapalha muito no seu trabalho, na sua vida familiar ou social, é necessário recorrer à avaliação de um médico de família, psicólogo ou psiquiatra para ter certeza do diagnóstico e estabelecer o tratamento mais adequado. As alternativas para tratar os transtornos de ansiedade são:

Psicoterapia

A psicoterapia é usada como tratamento não farmacológico (sem medicamentos). Normalmente é por onde se começa. Ela é considerada fundamental mesmo para quem precisa usar medicamentos.

Há muitas opções. Entre elas, a terapia cognitivo-comportamental se destaca. É muito efetiva, principalmente para os pacientes com ansiedade crônica. São necessárias pelo menos de 8 a 10 sessões. O trabalho consiste em modificar pensamentos e crenças negativas que a pessoa tem e desencadeiam os sintomas físicos.

Farmacoterapia

Alguns dos medicamentos que podem ser indicados são antidepressivos e ansiolíticos. Os antiarrítmicos podem ser indicados para o tratamento de alguns sintomas.

Os ansiolíticos e antidepressivos devem ser receitados por um psiquiatra. Em muitos casos, o tratamento com antidepressivos dura de 6 a 12 meses, mas pode ser mais longo.

O tratamento farmacológico deve estar aliado a tratamento psicológico e psicossocial.

Intervenção psicossocial

As intervenções psicossociais consistem na tentativa de agir sobre fatores sociais e psicológicos externos que podem causar ou acentuar a ansiedade. Problemas familiares, econômicos, de saúde e escolares são os alvos das intervenções.

Envolver as pessoas que convivem com o paciente para que auxiliem na melhora é fundamental para trabalhar estas questões e diminuir a ansiedade que causam.

Você pode querer ver também:

Formas de aliviar a sensação de bolo na garganta

Sinto a garganta fechando e a sensação de que não consigo respirar. O que pode ser?

Referências:

Gautam S, Jain A, Gautam M, Vahia VN, GautamIndian A. Clinical Practice Guidelines for the Management of Generalised Anxiety Disorder (GAD) and Panic Disorder (PD). J Psychiatry. 2017; 59(Suppl 1): S67–S73.

Narmandakh A, Roest AM, de Jonge P, Oldehinkel AJ. Psychosocial and biological risk factors of anxiety disorders in adolescents: a TRAILS report. Eur Child Adolesc Psychiatry. 2021; 30(12): 1969–1982.

Aktar E, Bögels SM. Exposure to Parents’ Negative Emotions as a Developmental Pathway to the Family Aggregation of Depression and Anxiety in the First Year of

Life. Clin Child Fam Psychol Rev. 2017; 20(4): 369–390.

Como controlar a ansiedade. Tadashi Kadomoto. Youtube

Existe um botão anti-pânico e ansiedade no seu corpo. Peter Liu. Youtube

7 primeiros sintomas de gravidez: descubra se você está grávida
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Durante a gravidez o corpo da mulher sofre diversas transformações e adaptações que provocam alguns sinais e sintomas comuns a este período, e que não são naturais do organismo da mulher. Especialmente no início da gestação.

Conheça um pouco mais sobre os principais sintomas da gravidez.

1. Cólica

É um sinal bem precoce de gravidez. Parece uma cólica leve que acontece na menstruação. Nem todas as mulheres sentem esta cólica no início da gestação.

2. Sangramento em pequena quantidade

No início da gravidez a mulher pode apresentar um pequeno sangramento semelhante à borra de café ou de uma cor rosa-claro. Este sangramento dura, na maioria das vezes, de um a 3 dias e corresponde à implantação do óvulo fecundado na parede do útero.

3. Enjoo, náusea e vômito

Sintomas frequentes no início da gravidez. Ocorrem com mais frequência no período da manhã, ao acordar. Para aliviar estes sintomas pode-se tomar água gelada com algumas gotas de limão.

4. Atraso menstrual

O atraso menstrual é um sinal muito sugestivo de gravidez. É importante que a mulher conheça o seu ciclo menstrual para identificar este atraso. Uma dica é anotar todos os meses o primeiro dia de menstruação e o último dia do ciclo. Entretanto, o estresse, uso de medicamentos ou situações de saúde podem alterar o ciclo e atrasar a menstruação sem a presença de gravidez.

Leia mais: Quantos dias tem um ciclo menstrual normal?

5. Cansaço

O cansaço não é tão inicial quanto os sintomas anteriores, mas junto com o aumento da sensação de sono são sinais frequentes nos primeiros meses de gestação.

6. Alterações de humor

São semelhantes às alterações de humor que ocorrem durante a tensão pré-menstrual, porém um pouco aumentadas. Estas variações de humor ocorrem devido ao elevado nível de progesterona na corrente sanguínea. Este hormônio é importante para a manutenção da gravidez nos 3 primeiros meses.

7. Aumento da sensibilidade e do tamanho dos seios

Os seios ficam maiores e mais sensíveis devido ao aumento da circulação sanguínea neste local. Estas transformações são um preparo para fase de amamentação.

Outras dicas
  • Se uma mulher teve relações sexuais desprotegidas, não faz uso regular de métodos contraceptivos e apresenta os sintomas descritos acima, a gravidez é a primeira suspeita.
  • É possível recorrer aos testes de urina disponíveis nas farmácias, hoje bastantes eficientes, ou fazer o exame de sangue (Beta HCG) para confirmar a gravidez.

Apesar de poder recorrer aos exames para confirmar a gravidez, é sempre importante consultar o ginecologista, médico de família ou clínico geral.

Saiba mais sobre esse assunto nos artigos:

Posso estar grávida? Quantos dias de atraso menstrual é considerado gravidez?

Para fazer o teste de gravidez a menstruação precisa estar atrasada?

Em qual teste de gravidez confiar: farmácia ou caseiro?

Tenho 16 anos e enjoos constantes...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O enjoo é um sintoma comum para diferentes doenças e situações, sendo a gastrite uma das causas mais comuns.

A melhor maneira de aliviar os sintomas, é tratando a causa do problema, no seu caso, parece estar associada a situações de estresse e ansiedade.

O trato gastrointestinal é um sistema bastante sensível à situações de estresse. Há casos de gastrite, diarreia, vômitos, até formação de úlcera gástrica (ferida na parede do estômago), secundários a situações de estresse prolongado, sem o devido tratamento.

Qual o melhor tratamento para gastrite?

A melhor opção de tratamento para gastrite e com isso melhora dos sintomas de enjoo, é a associação de orientações dietéticas, alimentação balanceada, controle da causa base da doença e medicamentos, quando necessário.

As orientações dietéticas recomendadas são principalmente:

  • Respeitar o horário das alimentações, e não "pular" refeições;
  • Evitando jejum prolongado;
  • Preferir pequenas refeições, mais vezes durante o dia;
  • Mastigar bem os alimentos;
  • Dar preferência a frutas, verduras, carnes magras;
  • Evitar frituras, refrigerantes, bebidas gaseificadas ou com cafeína;
  • Não fumar;
  • Evitar bebidas alcoólicas;
  • Evitar o uso de anti-inflamatórios sem prescrição médica.
Quais são as causas de gastrite?

As causas de gastrite podem incluir: problemas psicológicos como ansiedade e estresse, ou, infecção pela bactéria H. pylori, uso prolongado do ácido acetilsalicílico e anti-inflamatórios (AINEs), gastrite autoimune (quando o organismo produz anticorpos contra a própria mucosa gástrica), tabagismo, obesidade, além de ingestão abusiva e prolongada de bebidas alcoólicas.

Na ausência de infecção, pode ser necessário tratamento com medicamentos, como inibidores de bomba protônica, como omeprazol® e/ou antagonista de receptor H2, como a ranitidina®.

No caso de infecção pela bactéria, é necessário ainda associação à antibioticoterapia, para sua erradicação.

O médico responsável pelo diagnóstico, tratamento e acompanhamento de casos de enjoo e gastrite, é o gastroenterologista.

Quem tem gastrite deve evitar comer o quê?

Toda a grávida enjoa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não. Nem toda grávida enjoa.

Os enjoos da gravidez iniciam em torno da 5ª e 6ª semana de gestação, ou seja, no segundo mês da gravidez. 

Enjoo com ou sem vômito é um dos sintomas mais comuns no início da gestação

O enjoo pode vir como sintoma isolado ou acompanhado de outros como aumento da sensibilidade nos seios, cansaço e aumento da frequência urinária. 

Nem toda grávida vai sentir enjoos nas primeiras semanas da gestação. 

Em geral, os enjoos começam no segundo mês da gestação, ficam mais intensos no 2º e 3º mês e, a partir do 4º e 5º mês há melhora significativa dos enjoos. Porém, isso é relativo e cada mulher pode sentir com maior ou menor intensidade. 

Algumas mulheres podem prolongar os enjoos para os outros meses da gestação. 

Os enjoos podem ser controlados e reduzidos com uso de algumas medicações, alimentos como gengibre, acupuntura, hipnose ou demais terapias. Converse sobre isso com o/a médico/a durante as consultas de pré-natal.  

Não estou podendo andar no sol, quando fico alguns minutos me dá fraqueza, o que pode ser?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pode ser algo relacionado com sua pressão ou outra situação que cause essa fraqueza, precisa procurar o médico e provavelmente fazer alguns exames.

Hepatite A tem cura?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Hepatite A tem cura, embora não haja um tratamento específico para a doença. Recomenda-se repouso, abstinência de álcool durante e pelo menos 3 meses após o fim da doença e medicamentos para aliviar dores de cabeça, enjoos e febre, quando necessário. Deve-se evitar medicamentos contendo Paracetamol para não sobrecarregar o fígado.

Normalmente, a pessoa que adquiriu hepatite A cura-se espontaneamente em cerca de 1 a 2 meses, com boa recuperação em casa, não necessitando de internamento hospitalar. Quando há sintomas, estes costumam ser leves. A hepatite A não evolui para doença crônica e raramente torna-se grave ao ponto de necessitar de transplante de fígado. Existe, contudo, vacina para a hepatite A.

A transmissão da hepatite A dá-se pela via fecal-oral, ou seja, de uma pessoa infectada para outra saudável ou através de alimentos ou água contaminada. Boas práticas de higiene como lavar as mãos com água e sabão, beber água filtrada, lavar verduras e frutas antes de comer são as formas de prevenir a doença.

Corro risco de engravidar menstruada?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Embora seja muito raro, existe uma possibilidade de engravidar menstruada. Isso é possível no caso da mulher quem tem um ciclo menstrual curto, de 21 dias, por exemplo, e, ao mesmo tempo, uma duração prolongada de sangramento, de 7 dias ou mais.

Porque nesse caso, o período fértil fica muito próximo do final da menstruação, e sabendo que os espermatozoides sobrevivem por 3 dias ou mais, dentro do organismo da mulher, pode encontrar-se com o óvulo, e dar origem à gestação.

Vamos ver um exemplo: mulher que menstrua a cada 21 dias, tem o seu período fértil entre o 10º ou 11º dia. Se menstruar por 7 dias e tiver relação no dia 7, "ainda menstruada", o espermatozoide pode sobreviver até o 10º dia, alcançando o período fértil.

No entanto, a grande maioria das mulheres tem um ciclo de 28 dias e com duração média de 3 a 5 dias de sangramento. Por isso, dizemos que é tão improvável engravidar menstruada, porém como vimos, não é impossível.

Como saber se estou grávida?

O atraso menstrual é um dos primeiros sinais de gravidez e se caracteriza por 15 dias de atraso da menstruação, após a data esperada. Porém, para mulheres que têm o ciclo regular, o atraso de 5 dias já pode ser um sinal de gestação.

Fique atenta aos outros sinais típicos de gravidez, como:

  • Enjoo, principalmente pela manhã,
  • Maior sensibilidade nas mamas,
  • Sonolência durante o dia,
  • Aumento do apetite e
  • Aumento da frequência urinária.

Na suspeita de gravidez, procure um ginecologista para a confirmação e dar início ao acompanhamento regular do pré-natal.

Vale lembrar que além da gravidez, é importante se prevenir de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como a clamídia, gonorreia, HPV (papilomavírus humano) e o HIV (vírus da imunodeficiência adquirida). Doenças que nem sempre têm tratamento e podem causar danos irreparáveis a pessoa, como a infertilidade.

O único maneira de evitar a contaminação de ISTs, é o uso regular de contraceptivos de barreira, como a camisinha. Enquanto não estiver em uma relação segura, procure fazer uso desse método em todas as relações.

Para maiores esclarecimentos, converse com o seu ginecologista.

Saiba mais sobre esse tema nos seguintes artigos:

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Ânsia de vômito constante, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A ânsia de vômito constante costuma estar relacionada a problemas simples como:

  • Gravidez
  • Labirintite
  • Enxaqueca
  • Problemas gástricos
  • Ansiedade
  • Uso de medicamentos

Ânsia de vômito, enjôo ou náuseas, são formas de expressar um mesmo sintoma, uma sensação de que vai vomitar, mal-estar ou "estômago embrulhado". Esse sintoma pode se resolver de maneira espontânea, após a eliminação do conteúdo do estômago ou pode se manter constante em alguns casos, sendo preciso o uso de um medicamento.

No entanto, para cada situação existe um tratamento mais indicado e outros que podem agravar ainda mais o problema. Por isso, é importante compreender as características do seu sintoma e procurar uma avaliação médica antes de iniciar qualquer medicação.

Gravidez

Na gravidez, o aumento dos hormônios são os responsáveis pela sensação de enjoos constantes. O que acontece mais frequentemente durante o primeiro trimestre, embora algumas gestantes possam referir o sintoma durante toda a gestação. Nesse caso, o médico pode prescrever-lhe uma medicação para aliviar, além de orientar a evitar o jejum e alimentos gordurosos.

Labirintite

A labirintite, VPPB (vertigem paroxística posicional benigna) ou outros distúrbios do labirinto, causam a sensação de tontura, mal-estar e náuseas constantes, como se estivesse em alto-mar, devido a sua participação no equilíbrio e estabilidade postural. O médico otorrinolaringologista é o especialista para essa avaliação e tratamento.

Enxaqueca

A enxaqueca é um tipo de dor de cabeça, que quando iniciada tem como um dos sintomas característicos, as náuseas e vômitos durante a crise. Não se sabe ao certo a causa desse sintoma, mas é preciso iniciar rapidamente uma medicação para alívio dos sintomas, de modo a evitar a piora da dor, desidratação e prolongamento deste quadro. O médico neurologista é o especialista capacitado para essa avaliação e tratamento.

Problemas gástricos

Gastrite, refluxo e problemas intestinais que causam além dos enjoos constantes, azia e queimação, perda peso, falta de apetite e por vezes, sensação de estômago embrulhado. O gastroenterologista é o médico responsável por essa avaliação e tratamento.

Ansiedade

A ansiedade e outros distúrbios de humor, como a depressão, tem como característica, sintomas de Ânsia de vômito e taquicardia durante uma crise emocional. Outros sintomas comuns são, a sensação de bolo na garganta, suor frio, dores de barriga e diarreia. Neste caso, é preciso buscar um tratamento multidisciplinar, com psicólogo, psiquiatra e educador físico. A ansiedade tem tratamento eficaz, quanto antes for iniciado melhor a resposta.

Uso de medicamentos

Alguns medicamentos, tem como efeitos colaterais esperados, a sensação de náuseas, vômitos e mal-estar constante, como, por exemplo, os anticoncepcionais e os antidepressivos. Entretanto, os sintomas não costumam durar mais de 3 dias, tempo que o corpo leva para absorver e se adaptar as substâncias. De qualquer forma, no caso de enjoos logo após o início de um medicamento, é importante informar ao médico que o prescreveu, para a devida avaliação.

Na presença de enjoos constantes, procure o médico de família, ou clínico geral, para dar início a investigação desse problema, podendo planejar o tratamento ou solicitar a avaliação de outra especialidade.

Leia mais sobre esse assunto nos artigos:

Tontura e enjoo: saiba as principais causas do mal-estar e o que fazer
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A tontura, o enjoo e o mal-estar podem ser causados por diversas e diferentes situações, sendo as principais e mais comuns:

  • Início de uma gravidez,
  • Crise de enxaqueca,
  • Labirintite, VPPB (vertigem Paroxística Posicional Benigna),
  • Pressão alta ou pressão baixa,
  • Ansiedade,
  • Efeito colateral de um medicamento,
  • Infarto agudo do coração ou
  • Derrame cerebral.

Uma característica importante para diferenciar doenças benignas das mais graves, como o infarto e o derrame, são o tempo de início dos sintomas. O início súbito dos sintomas sugere um problema mais grave.

Por isso, se a tontura vier de repente, associada a dor no peito, falta de ar, dificuldade de falar ou de se movimentar, procure imediatamente uma emergência. Para cada uma das demais situações, existe uma orientação e tratamento específicos, que serão mais detalhados a seguir.

1. Gravidez

Na gravidez, o organismo da mulher passa por diversas modificações, que permitem o desenvolvimento do bebê. Uma dessas modificações é a dilatação dos vasos sanguíneos, para aumentar o fluxo de sangue atendendo as novas necessidades. Com isso, a mulher pode desenvolver retenção de líquidos, inchaços e diminuição da pressão arterial.

Todas essas alterações, junto com o aumento das taxas de hormônios, acabam por desencadear os sintomas de tontura, enjoo e mal-estar. Especialmente nos primeiros meses de gestação.

Para diminuir a sensação de tontura e mal-estar é recomendado à gestante:

  • Evitar o jejum e aumentar o consumo de água, tomando pelo menos 1 litro e meio por dia;
  • Manter alimentação saudável, com menor quantidade de gordura, facilitando a digestão, preferir legumes e verduras;
  • Praticar atividade física, se não houver restrições, com profissionais capacitados, pelo menos 4 vezes por semana, ou drenagem linfática.
2. Enxaqueca

A enxaqueca é um tipo bastante frequente de dor de cabeça na nossa população, com características bem marcantes, de dor intensa, do tipo latejante, unilateral e associada a náuseas (enjoo), vômitos, tontura e mal-estar.

A dor piora com o estresse, jejum, distúrbios do sono, presença de luz intensa ou contínua, como o uso prolongado de aparelhos eletrônicos e com o barulho.

O tratamento deve ser orientado individualmente, mas, em geral, a recomendação é:

  • Manter-se em repouso, em ambiente escuro e silencioso;
  • Tomar um medicamento analgésico potente ou anti-inflamatório;
  • Anotar em um diário da dor todas as informações possíveis, para levar ao médico e
  • Procurar um neurologista para o tratamento definitivo. A enxaqueca não tem cura, mas pode ser controlada com as orientações adequadas.
3. Labirintite

Quase metade das queixas de tintura com enjoo, estão relacionadas as doenças do labirinto. No entanto, a doença mais comum é a vertigem posicional paroxística benigna (VPPB) e não a labirintite. A labirintite é, na verdade, uma doença rara, causada por infecção no labirinto.

A maior parte das doenças do labirinto se resolvem espontaneamente após uma ou duas semanas. Na VPPB, o tratamento preconizado é a realização de manobras específicas, realizadas por médicos experientes, com o objetivo de recolar os cristais de dentro do labirinto, em seus lugares.

Com o intuito de amenizar os sintomas durante os dias de mal-estar, é recomendado:

  • Manter-se em repouso;
  • Tomar medicamentos para melhoras os sintomas, como o Dramin® ou Labirin® e
  • Procurar um médico otorrinolaringologista, para avaliação, caso os sintomas permaneçam por mais de 2 semanas.
4. Pressão alta ou pressão baixa

A variação da pressão, seja para pressão alta ou pressão muito baixa, reduz o fluxo de sangue para o cérebro, diminuindo a oxigenação cerebral. Essa redução provoca os sintomas de tontura, enjoo (náuseas), vômitos e mal-estar.

Na gestação é ainda mais grave, porque pode reduzir o fluxo de sangue para a placenta, prejudicando o crescimento do bebê. Além disso, aumenta o risco de abortamento e eclâmpsia.

Portanto, para evitar a variação da pressão, é recomendado:

  • Acompanhar os níveis de pressão arterial, medindo pelo menos 1x por ano ou de 6 em 6 meses, para pessoas saudáveis;
  • Medir a pressão com maior regularidade, para pessoas hipertensas, de acordo com a orientação do seu cardiologista e fazer o uso correto das suas medicações;
  • Manter alimentação saudável, com restrição de sal (2g por dia é o mais seguro), menor quantidade de frituras ou alimentos gordurosos;
  • Praticar atividade física, de acordo com as suas possibilidades e orientações do médico.
5. Crise de ansiedade

Na crise de ansiedade, o organismo aumenta a liberação de neurotransmissores e hormônios, que desencadeiam sintomas como: suor frio, tremores, dores de cabeça, palpitação, sensação de falta de ar, tontura e enjoo.

Os sintomas na crise de ansiedade, também podem acontecer repentinamente, confundindo com situações mais graves de infarto ou derrame. Entretanto, ocorre em momentos de maior estresse ou emoções fortes.

O tratamento nesse caso, deve ser:

  • Procurar exercícios que acalmem o organismo, como respiração prolongada e profunda, pedir ajuda, conversar, pensar em coisas boas, ouvir músicas agradáveis ou meditação;
  • Agendar uma consulta com psicólogo e/ou psiquiatra, para discutir a necessidade de um tratamento definitivo, evitando novas crises.
6. Uso de medicamentos

Alguns medicamentos, como os antidepressivos, anticonvulsivantes ou calmantes, pode no início, ou com doses muito altas, ocasionar a tontura e enjoos, como efeitos colaterais.

O ajuste das doses ou a troca de substância, pode ser suficiente para resolver os sintomas. Porém, o recomendado é que:

  • Procure o seu médico para informar os novos sintomas;
  • Nunca interrompa a medicação por conta própria, porque pode ser ainda mais perigoso para a sua saúde, visto que alguns desses medicamentos precisa ser retirado gradativamente;
  • Na dúvida sempre converse com o seu médico da família ou médico que o acompanha.
7. Infarto agudo do coração

No infarto do coração, é importante lembrar que os sintomas dessa doença são principalmente a dor no peito, em aperto ou pressão. Os demais sintomas associados são a tontura, palidez, suor frio, náuseas e mal-estar.

Entretanto, pessoas com diabetes ou idosos, com muitas outras doenças, podem nem apresentar a dor no peito no início, e queixar apenas de tontura, enjoo e mal-estar.

Portanto, para pessoas com alto risco de infarto, como idosos, diabéticos de longa data, hipertensos, tabagista e portadores de colesterol alto, que apresentam subitamente esses sintomas, devem ser avaliados em serviço de emergência, imediatamente.

8. Derrame cerebral

O derrame, ou isquemia cerebral, ou ainda, AVC isquêmico, é a falta de sangue e oxigênio no cérebro, por uma obstrução arterial. A baixa oxigenação causa, tonturas, mal-estar, náuseas e vômitos, também de início súbito.

Outros sintomas que podem vir associados, são a dificuldade de fala, "boca torta", fraqueza em um dos membros ou falta de coordenação e equilíbrio.

Na presença de um ou mais desses sintomas, em pessoas com fatores de risco para AVC, hipertensão, diabetes, colesterol alto e tabagismo, procure imediatamente uma emergência.

Pode lhe interessar ainda:

Referências:

UpToDate - Joseph M Furman, et al;. Causes of vertigo. Aug 24, 2018.

Buclina, para que serve?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A Buclina (cloridrato de buclizina) é um medicamento usado principalmente como estimulante do apetite. Contudo, também possui ação antiemética, previne náuseas e enjoos, e ação anti-histamínica, ou seja, antialérgica.

Principal efeito da Buclina: aumento do apetite e ganho de peso

A Buclina é um medicamento que serve principalmente para aumentar o apetite, levando ao aumento da ingesta calórica e assim contribuindo para o ganho de peso, principalmente em crianças e pessoas desnutridas. É usada nas doenças e condições que causam inapetência.

Esta é a única indicação do uso deste medicamento presente na bula.

Outras ações da Buclina: anti-vômitos e anti-alérgico

A Buclina também tem uma ação antiemética, ajudando a evitar enjoos e náuseas, principalmente em contexto de viagem. Este medicamento leva à redução da vertigem e tontura durante a locomoção em meios de transporte.

O cloridrato de buclizina também é considerado um medicamento anti-histamínico, ou seja, com ajuda a aliviar sintomas de alergias, podendo também ser utilizado no tratamento de reações alérgicas. Entretanto, é pouco utilizado por existirem outras opções de anti-alérgicos mais eficazes.

Como tomar?

O uso da Buclina deve ser sempre orientado por um médico. A dose usual para o tratamento da falta de apetite e ganho de peso é de 1 comprimido de 25 mg ao almoço, e 1 comprimido ao jantar para adultos. Já para crianças a dose recomenda é de apenas meio comprimido ao almoço e meio comprimido ao jantar.

A Buclina não está indicada para mulheres grávidas ou em amamentação. Também não pode ser tomada por crianças menores de 6 anos, pois não há dados suficientes para garantir a segurança deste medicamento nestes dois grupos.

Quais são os efeitos colaterais?

Um dos efeitos colaterais mais frequentemente associado ao uso da Buclina é a sonolência diurna. Outros efeitos mais raros, mas que já foram relatados com o uso são: náuseas, vômitos, diarreia, tonturas, dor de cabeça, falta de ar e manchas na pele.

Para mais informações consulte o seu médico de família ou clínico geral.

Também pode ser do seu interesse:

Posso tomar Buclina e complexo B para engordar?

Buclina engorda?

Referências bibliográficas

Bula Cloridrato de buclizina