Perguntar
Fechar

Inchaço

Inchaço, vermelhidão, coceira, irritação na vagina?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Inchaço, vermelhidão, coceira e irritação na vagina são sintomas de infecção vaginal, sendo a candidíase a mais provável. Caso não seja detectado nenhum micro-organismo causador de infecções, esses sintomas podem ser decorrentes de alguma irritação mecânica, química ou alérgica.

Se os sintomas forem provocados por uma reação alérgica ou alguma irritação mecânica, é preciso investigar a causa e remover o agente agressor.

CandidíaseO que é candidíase?

A candidíase é uma infecção da vulva e da vagina causada por um fungo que habita a mucosa vaginal e a mucosa digestiva (Candida albicans, Candida tropicalis, Candida glabrata, Candida parapsilosis). Quando o ambiente torna-se favorável, o fungo se prolifera e ocasiona a candidíase.

Quais as causas da candidíase?

Na grande maioria das mulheres, candidíase  é causada pelo fungo Candida albicans. Alguns fatores que favorecem o aparecimento da candidíase vaginal incluem diabetes, uso de medicamentos antibióticos, anticoncepcionais orais e corticosteroides, gravidez, imunidade baixa, obesidade, roupas justas e clima quente.

Quais são os sintomas da candidíase?

O principal sinal da candidíase é a presença de corrimento vaginal branco, espesso e em grumos, semelhante a requeijão. O corrimento não tem cheiro e forma placas que ficam aderidas à parede da vagina.

Veja também: Corrimento Vaginal é Normal?

Outros sintomas que costumam estar presentes incluem vermelhidão, coceira, ardor, fissuras na vulva e dor durante as relações sexuais.

Apesar de poder causar inchaço, vermelhidão, coceira e irritação na vagina, a candidíase pode não manifestar sintomas em até 20% dos casos. Na gravidez, quase metade das gestantes com esse tipo de infecção vaginal não manifesta sinais e sintomas.

A candidíase pode se tornar recorrente, com 4 episódios ou mais durante o ano, todos eles com manifestação de sintomas.

O diagnóstico da candidíase é feito pelo exame clínico e é confirmado por exames de laboratórios.

Como ocorre a transmissão da candidíase?

O fungo pode ser transmitido através de relações sexuais, embora essa já não seja considerada a principal forma de transmissão da candidíase, uma vez que o fungo está naturalmente presente presente na flora vaginal das mulheres sem provocar nenhum sintoma.

Candidíase tem cura? Como é o tratamento?

Candidíase tem cura. O tratamento é feito com medicamentos antifúngicos e antibióticos por via oral e também através de cremes vaginais.

O tratamento da infecção vaginal causada por fungos, como a candidíase, é feito com medicamentos antibióticos, como o metronidazol. A medicação costuma ser prescrita para ser tomada durante uma semana.

Quando não manifesta sintomas, a candidíase não necessita de tratamento. Quando presentes, é fundamental que a mulher e o parceiro, se for o caso, façam e sigam o tratamento até o fim.

Os medicamentos antifúngicos são administrados por via oral e aplicados diretamente na vagina sob a forma de cremes, comprimidos e óvulos.

O tratamento com medicamentos orais costumam ser feitos com fluconazol ou Itraconazol, em doses únicas ou duplas, conforme o caso e a medicação. 

O creme vaginal pode ter como princípio ativo clotrimazol, miconazol, fenticonazol, econazol, sertaconazol ou isoconazol. A pomada contém medicação e, por isso, deve ser aplicada segundo orientação médica e por todo o período indicado na receita, mesmo que os sintomas tenham desaparecidos. 

Há ainda os comprimidos vaginais e os óvulos vaginais, com econazol, sertaconazol, tioconazol ou fenticonazol. O tempo de duração do tratamento costuma ser de duas semanas. 

Vale lembrar que os medicamentos, as doses e o tempo de duração do tratamento variam de acordo com a gravidade de cada caso. 

Quando a coceira na vagina é muito intensa, pode ser indicada a aplicação de creme com hidrocortisona no local para aliviar o sintoma.

Se a candidíase for recorrente, recomenda-se o tratamento com medicamentos orais e tópicos (aplicados no local).

Os medicamentos antifúngicos orais são contraindicados no tratamento da candidíase durante a gravidez. O tratamento nesses casos é feito com medicação tópica.

Cabe à/ao ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral diagnosticar a origem desses sintomas e prescrever o tratamento adequado.

Saiba mais em:

Soltar gases pela vagina é normal? O que pode ser?

Minha vagina fica inchada e dolorida após a relação...

Estou com caroços dentro da vagina em um dos lados...

Inchaço nos pés: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O inchaço nos pés ocorre devido ao acúmulo de líquido nos tecidos abaixo da pele e isso pode ter muitas causas. As mais comuns incluem: permanecer muito tempo em pé ou sentado, excesso de peso, idade avançada, gravidez, período menstrual. Porém, os pés inchados também podem ser sinal de doenças graves, como insuficiência cardíaca, renal ou hepática.

Quais as causas de inchaço nos pés?Gravidez

Na gravidez, o inchaço nos pés é comum devido à retenção de líquidos que ocorre nesse período. Contudo, se o inchaço for excessivo e vier acompanhado de pressão alta, após a 20ª semana de gestação, pode ser sinal de pré-eclâmpsia e precisa de um acompanhamento cuidadoso durante o pré-natal.

Problemas renais

Pés inchados acompanhados de diminuição do volume de urina pode ser sinal de problemas renais. Nesse caso, o edema também pode afetar a face e a pessoa também pode apresentar fraqueza, náuseas e perda de peso.

Insuficiência cardíaca

Quando o inchaço nos pés tem como causa insuficiência cardíaca, pode haver falta de ar e palpitações. O edema normalmente começa nos tornozelos e pés e surge no final da tarde, progredindo para pernas e coxas, podendo chegar até à região genital.

Insuficiência venosa

Na insuficiência venosa crônica, o inchaço normalmente acomete de forma assimétrica os pés ou pernas, aumenta durante o dia e melhora com a elevação das pernas. Normalmente há presença de varizes e a pele das pernas pode ficar mais escura.

Trombose venosa profunda

Uma causa grave de pés inchados é a trombose venosa profunda, devido ao risco de embolismo pulmonar que podo levar à morte. Costuma atingir apenas um membro inferior e provocar calor e vermelhidão local, além de inchaço. As panturrilhas também podem ficar endurecidas.

Outras possíveis causas de inchaço nos pés:
  • Hipoproteinemia (redução da concentração de proteínas do sangue): O edema pode ser generalizado;
  • Cirrose hepática: Edema generalizado, com início na região abdominal, passando depois para as pernas;
  • Linfedema: Muitas vezes o edema afeta as duas pernas e sua principal característica é ser endurecido e não melhorar com a elevação dos membros;
  • Alergias: O edema também pode afetar a face;
  • Alterações hormonais (ciclo menstrual): Atinge tornozelos, pernas e mãos;
  • Uso de medicamentos anti-inflamatórios.
O que fazer para diminuir o inchaço nos pés?Elevar as pernas

Uma forma de aliviar o edema nos pés é elevar as pernas, pois ajuda o sangue a voltar para o coração. Para isso, a pessoa deve deitar-se de barriga para cima e deixar as pernas apoiadas sobre uma almofada grande, ou em qualquer outro apoio, de maneira que os pés fiquem acima do nível do coração. As pernas devem ficar elevadas durante 15 a 20 minutos.

Usar meias elásticas

Quem fica em pé por longos períodos pode usar meias elásticas, pois favorecem o retorno do sangue para o coração.

Repouso e menos sal

Fazer repouso e diminuir o consumo de sal também pode ajudar a aliviar o inchaço nos pés.

Movimentar pernas e pés

Durante uma viagem prolongada ou no trabalho, é importante levantar-se pelo menos a cada uma hora e movimentar as pernas e os pés. Esses cuidados ajudam a aliviar os pés inchados e previnem também a formação de coágulos.

Em caso de inchaço nos pés, consulte um médico clínico geral ou um médico de família para que a causa do edema seja devidamente diagnosticada e tratada.

Estou com os lábios inchados. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Lábios inchados podem ser um sinal alergia ou ter várias outras causas não alérgicas, como infecções, dermatites, doenças autoimunes e até mesmo câncer.

Quando a boca inchada é o resultado de uma reação alérgica, o inchaço normalmente desaparece depois de algumas horas ou ainda dias, espontaneamente ou após uso de medicamento anti alérgico. Contudo, as reações mais graves podem evoluir com anafilaxia (choque anafilático) e comprometer as vias aéreas, impedindo a respiração.

Nesses casos, além dos lábios inchados, a pessoa também sente coceira na boca, podendo haver dor e vermelhidão local.

O inchaço nos lábios também pode ser causado por fatores não imunológicos, como dermatites provocadas por agentes irritantes ou traumas, urticárias, radiação, obstrução de veias e linfedema.

Outras causas possíveis são a doença de Crohn, sarcoidose, queilite de Miescher, síndrome de Melkersson-Rosenthal, celulite, impetigo, hanseníase Virchowiana, tuberculose, hepatite B, doenças da glândula parótida, tumores, lúpus eritematoso discoide, esclerodermia, entre outras.

Como existem muitos fatores e causas que podem deixar os lábios inchados, sendo alguns deles bastante graves, é importante verificar quando a boca começou a inchar, o tempo de duração dos sintomas, se o inchaço vai e volta, se existe dor ou ainda outras manifestações.

Para receber um diagnóstico e tratamento adequado, consulte um médico clínico geral ou médico de família.

Também pode lhe interessar: Tenho a língua inchada: o que pode ser?

Axila dolorida e com inchaço, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Axila dolorida e com inchaço pode ser causada por uma foliculite, que é uma inflamação na raiz do pelo (folículo piloso), também conhecido como pelo encravado, pode ser causada por depilações, atrito com roupas ou micro-organismos. Em algumas situações pode ser necessário o seu tratamento com antibióticos.

Também pode ter como causa várias doenças que levam ao aumento dos gânglios linfáticos axilares como as infecções e inflamações nas mãos, braços, axilas e mamas, as infecções por vírus e fungos, infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), linfoma de Hodgkin, leucemia e câncer de mama.

Os gânglios linfáticos ou linfonodos atuam na defesa do corpo identificando micro-organismos causadores de doenças ou células anormais de tumores. Estão presentes em várias regiões do corpo como nas axilas, no pescoço e na virilha. O seu aumento de tamanho pode significar a presença de alguma infecção ou de células tumorais.

Embora a causa mais comum da axila dolorida e inchada seja uma inflamação local, o clínico geral deve ser consultado para o diagnóstico e tratamento adequado do problema.

Joelho inchado: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Joelho inchado é um sinal de extravasamento ou acúmulo de líquido na articulação. O inchaço pode ser decorrente de lesões no menisco ou ligamentos, tendinite, entorse, derrame articular (água no joelho), pancadas, sobrecarga por excesso de peso ou treino, artrose, entre outras causas.

Quando o joelho está inchado devido a traumas, lesões ou processos inflamatórios, é comum haver também dor, vermelhidão e aumento da temperatura local, que são os sinais clássicos de uma inflamação. 

Se o edema surgir após atividade física, sem um motivo aparente (traumas, entorses), e o joelho não estiver doendo, pode não ter ocorrido nada de grave e o inchaço tende a diminuir com o repouso. O joelho inchado nesses casos pode ser um sinal de uso excessivo da articulação.

Joelho inchado e doendo também pode indicar uma lesão de ligamento. As pancadas são as principais causas de lesões nos ligamentos mais externos; já os mais internos, sobretudo o cruzado anterior, são frequentemente lesionados nas torções de joelho em que o pé fica fixo no chão.

A ruptura parcial ou total de um ligamento dói intensamente e praticamente impede a pessoa de movimentar o joelho devido à dor.

Há também as lesões no menisco, que atua como uma espécie de amortecedor dos impactos entre os ossos do joelho. Esse tipo de lesão normalmente acontece por causas degenerativas relacionadas com a idade ou entorses de joelho durante a prática desportiva.

A tendinite é outra causa comum de inchaço no joelho. Trata-se de uma inflamação no tendão que ocorre principalmente devido ao esforço muscular contínuo e frequente, sobrecarga ou ainda desgaste articular.

No caso do joelho, os tendões mais afetados são o patelar, localizado logo abaixo da patela, na parte anterior do joelho, o quadricipital, que fica logo acima da patela, e o tendão da pata de ganso, localizado na parte medial anterior da tíbia (osso da canela).  

Os principais sintomas de tendinite no joelho incluem dor, inchaço, espessamento do tendão afetado, vermelhidão, aumento da temperatura local, dificuldade em movimentar a articulação e diminuição da força.

Veja também: Quais são os sintomas da tendinite?

O derrame articular, também conhecido como "água no joelho", deixa o joelho inchado devido ao acúmulo de líquido sinovial no interior da articulação. Esse líquido, semelhante a um gel, é produzido pelo organismo e serve para lubrificar, proteger e fornecer nutrientes à cartilagem.

Contudo, quando o líquido sinovial é produzido em excesso ou deixa de ser reabsorvido pela articulação, ele fica acumulado, causando inchaço no joelho. Dentre as principais causas de derrame articular no joelho estão as pancadas, sobrecargas articulares por uso excessivo, infecções e sinovite (inflamação da membrana que produz e absorve o líquido sinovial na articulação).

Leia também: Derrame articular, o que é?

Por fim, a artrose também pode ser colocada entre as principais causas de edema no joelho. Trata-se de uma doença que provoca uma perda progressiva da cartilagem da articulação, o que aumenta o atrito direto e o impacto entre os ossos. Os principais sintomas de artrose no joelho são dor, inchaço, rigidez, dificuldade em movimentar e deformidades articulares.

Em caso de joelho inchado, consulte o/a médico/a ortopedista para investigar a causa do inchaço e indicar o tratamento adequado.

Saiba mais em:

Joelho estalando: o que pode ser e o que fazer?

Água no joelho: Quais os sintomas e como tratar?

O que pode causar dor no joelho?

Como aliviar dor no joelho?

O que é artrose e quais os sintomas?

Fígado inchado: o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Fígado inchado pode ser sinal de doenças e problemas hepáticos como cirrose, hepatite, acúmulo de gordura no fígado ou ainda um tumor localizado no órgão. A hepatomegalia, termo médico para "fígado inchado", também pode ocorrer em casos de insuficiência cardíaca, leucemia, sarcoidose, mononucleose infecciosa, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, entre outras causas.

A hepatomegalia caracteriza-se pelo aumento do fígado para além do seu tamanho normal. Pode-se considerar que o fígado está inchado quando é possível palpá-lo na borda inferior das costelas do lado direito.

Quais as causas de fígado inchado?

O fígado é o maior órgão interno do corpo e tem muitas funções. Ajuda a digerir os alimentos, armazenar energia e eliminar toxinas. Por isso, existem diversas doenças e condições que afetam o órgão e podem causar hepatomegalia, tais como:

  • Consumo excessivo de álcool;
  • Metástase de câncer (disseminação de outro câncer no fígado);
  • Insuficiência cardíaca congestiva;
  • Doença que afeta o armazenamento de glicogênio no fígado;
  • Hepatite A, B e C;
  • Câncer de fígado;
  • Intolerância hereditária à frutose;
  • Mononucleose infecciosa;
  • Leucemia;
  • Doença de Niemann-Pick;
  • Colangite biliar primária;
  • Síndrome de Reye;
  • Sarcoidose;
  • Colangite esclerosante;
  • Trombose da veia porta;
  • Esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado).
Fígado inchado pode ser sinal de gordura no fígado?

Sim, o acúmulo de gordura no fígado é uma causa relativamente comum de hepatomegalia. Trata-se de uma condição conhecida como esteatose hepática, causada principalmente por obesidade e consumo de bebidas alcoólicas.

A esteatose hepática é o resultado de uma alimentação com excesso de gorduras que o organismo não consegue metabolizar.

Uma das gorduras que causa maiores problemas é a gordura trans ou vegetal hidrogenada, que não é processada pelo organismo adequadamente e é facilmente depositada no fígado. Esse tipo de gordura está presente em bolachas, salgadinhos, frituras, manteigas, margarinas, pães de queijo, entre outros alimentos.

O que é esteatose hepática não alcoólica?

A esteatose hepática pode ser alcoólica ou não alcoólica. A esteatose não alcoólica não está relacionada ao consumo de álcool. Existem dois tipos:

Fígado gordo simples: há gordura no fígado, mas pouca ou nenhuma inflamação ou dano às células do órgão. Em geral, o fígado gordo simples não é muito grave para causar danos ou complicações ao fígado.

Esteatose hepática não alcoólica: há inflamação e danos às células hepáticas e à gordura. Inflamação e danos nas células do fígado podem causar fibrose ou cicatrizes no órgão. A esteatose pode causar cirrose ou câncer de fígado.

O que é esteatose hepática alcoólica?

A esteatose hepática alcoólica é causada pelo consumo excessivo de álcool. O fígado metaboliza a maior parte do álcool ingerido para ser eliminado do corpo, mas o processo pode produzir substâncias nocivas. Essas substâncias podem danificar as células do órgão, causar inflamação e enfraquecer as defesas naturais do corpo. Os próximos estágios da esteatose hepática alcoólica são a hepatite alcoólica e a cirrose hepática.

Esteatose hepática é grave?

O acúmulo de gordura no fígado nem sempre é grave, mas há casos em que pode ocorrer uma inflamação e lesionar o órgão. Nos quadros mais graves, a esteatose pode evoluir para cirrose hepática, que causa lesão permanente no fígado, ou ainda câncer de fígado. Geralmente esse risco é maior em pessoas com diabetes ou que abusam do consumo de álcool.

Nos demais casos, a evolução da esteatose hepática é benigna, sendo que a gordura no fígado pode ser revertida através de medidas como perda de peso, redução do consumo de gorduras e atividade física.

Bebidas alcoólicas podem deixar o fígado inchado?

Sim. Outra importante causa de fígado inchado é o consumo de álcool. Boa parte dos indivíduos que bebem regularmente desenvolve esteatose, uma vez que o álcool permite uma rápida acumulação de gordura no fígado.

Quais as outras causas de fígado inchado?

O fígado inchado decorrente de esteatose hepática também pode ter como causa diabetes, níveis elevados de colesterol ou triglicerídeos, uso de medicamentos, doenças metabólicas genéticas, rápida perda de peso, ingestão de toxinas e predisposição genética.

Qual é o tratamento para fígado inchado?

O tratamento para o fígado inchado depende da sua causa. No caso do fígado gordo, o tratamento consiste numa série de medidas que podem incluir dieta, perda de peso, controle do diabetes, colesterol e triglicérides, além de evitar bebidas alcoólicas. Não existem medicamentos específicos para tratar a esteatose hepática.

Perder peso pode reduzir a gordura, a inflamação e a fibrose no fígado. Se o fígado gordo for efeito colateral de algum medicamento, é necessário suspender ou diminuir a dose da medicação.

Porém, a parte mais importante do tratamento da hepatomegalia causada por esteatose hepática alcoólica é parar de beber álcool.

Tanto a esteatose hepática alcoólica como a não alcoólica podem levar à cirrose. O problemas de saúde causados pela cirrose é feito com medicamentos, cirurgias e outros procedimentos médicos. Se a cirrose levar à insuficiência hepática, pode ser necessário um transplante de fígado .

O especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento das doenças do fígado é o médico hepatologista, mas para uma avaliação inicial procure um clínico geral ou médico de família.

Coceira e inchaço no local da aplicação da Benzetacil?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A aplicação de injeção (de qualquer tipo) pode causar reação local com inflamação ou infecção de pele. A região pode ficar avermelhada, inchada e formar uma pequena nodulação dolorosa, esses sintomas tendem a aliviar em alguns dias, caso permaneçam é importante procurar um médico para uma avaliação.

Por que a Benzetacil dói tanto?

A Benzetacil é composta por pequenos cristais imersos dentro de um líquido, que precisam ser agitados antes da aplicação, por isso costuma ser uma injeção mais dolorosa. É comum o local da aplicação ficar dolorido e inchado.

A Benzetacil é o nome comercial da injeção de penicilina benzatina, uma antibiótico utilizado no tratamento de doenças como faringite bacteriana, sífilis e febre reumática.

O que fazer no caso de dor e inchaço provocados pela Benzetacil?

Para aliviar a dor e o inchaço provocado pela injeção de Benzetacil é possível realizar uma compressa quente no local, que alivia a dor e o desconforto provocado pela injeção e também contribui para que o fármaco seja espalhado mais rapidamente. Uma outra medida que ajuda no controle desse sintomas é a massagem no local de aplicação.

Quais são os efeitos adversos da Benzetacil?

Além dos efeitos adversos locais como vermelhidão, inchaço e dor no local da aplicação podem acontecer efeitos sistêmicos como dor de cabeça, diarreia, náusea e vômitos.

Outros efeitos menos comuns incluem: coceira pelo corpo, erupções na pele, urticária, inchaço por retenção de líquidos, reações anafiláticas, edema de laringe e pressão baixa. Raramente podem estar presentes confusão mental, convulsões, tromboflebite, trombose venosa profunda, hepatite, colite, nefrite, insuficiência renal, anemia, distúrbios da coagulação sanguínea, febre, entre outros.

Para mais informações sobre a Benzetacil e seus efeitos adversos consulte um médico de família ou clínico geral.

Meus lábios incharam de repente o que isso poderia ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A causa mais comum de edema no lábio é a reação alérgica. Outras causas possíveis são: infecções, dermatites, doenças autoimunes e até mesmo câncer.

Reação alérgica

O edema no lábio geralmente é originado por uma reação alérgica, que pode ser associada a algum alimento, bebida, picada de insetos, contato com substâncias irritantes e ainda, traumatismo ou exposição ao frio.

A reação alérgica costuma vir acompanhada de coceira local. A grande preocupação é que essa reação alérgica progrida e leve ao edema das estruturas internas da boca, o que poderia dificultar a respiração e causar risco de morte, o Angioedema ou edema de glote.

Por isso, se além do edema labial perceber edema na língua, coceira na garganta, tosse ou alteração no tom da voz, deve procurar imediatamente m serviço de emergência médica.

Entretanto, felizmente, a maioria dos casos de reação alérgica, evolui com melhora espontânea dentro de poucas horas.

Outras causas de edema labial

Nos casos de infecção, é normal que tenha se iniciado por uma ferida, e apresente além do edema sinais como coloração avermelhada, calor local, dor e pontos amarelados ou esbranquiçados (coleção de pus). Nessa situação deve procurar atendimento médico para iniciar tratamento com antibioticoterapia, evitando uma complicação grave de infecção na face, a celulite de face.

As dermatites e doenças autoimunes são situações menos preocupantes, mas que merecem toda atenção para que a causa seja definida e o tratamento possa ser iniciado. E o câncer, uma doença grave, mas lentamente progressiva, não costuma se apresentar de forma abrupta, geralmente uma lesão aparece pequena e vai aumentando gradativamente e não causa dor.

Procure um médico clínico geral, médico de família ou dermatologista para avaliação, diagnóstico e tratamentos adequados para cada caso.

Leia também: Estou com os lábios inchados. O que pode ser?

Minha mãe, 84 anos, está com pernas e tornozelos inchados
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Bom eu diria que o problema dela é o número de anos (84), só isso já bastaria para ter inchaço nas pernas, mas ela tem outras coisas que podem causar esse inchaço como a pressão alta, falta de movimentação e os problemas de coração. Aliás eu me surpreenderia se ela não tivesse esse inchaço (isso seria estranho).

Pés inchados na gravidez é normal? Como diminuir o inchaço?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Pés inchados na gravidez é normal.

Durante a gravidez é comum a retenção de líquidos ao longo do corpo. Além disso, pela questão postural da mulher, preferencialmente sentada ou em pé durante o dia, a região das pernas e pés é bastante afetada.

Em geral, o inchaço pode ser maior com o avançar das semanas de gestação.

Para aliviar o inchaço, é recomendado:

  • Uso de meias compressivas durante o dia;
  • Elevação das pernas nos intervalos do trabalho;
  • Uso de sapatos confortáveis;
  • Movimentação corporal e alternância de posições(sentada/em pé);
  • Atividade física regular e orientada;
  • Alimentação equilibrada;
  • Aumento da ingestão de água.

Esse inchaço gradual ao longo da gestação é normal. Caso o inchaço apareça de forma abrupta, é interessante ir à consulta médica para uma avaliação.

O acompanhamento do inchaço é realizado durante as consultas de pré-natal, que são fundamentais para monitoramento da saúde da gestante e do feto.

Saiba mais em: Inchaço nos pés: o que pode ser e o que fazer?

Fui diagnosticada com caxumba e me mantive em repouso...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

É pouco provável que volte o inchaço, se os sintomas já regrediram você já entrou na fase de remissão da doença e pode voltar ao trabalho após 5 dias do aparecimento do inchaço, pois após esse período já não há rico de transmissão da doença.

O que é a caxumba e quais os seus sintomas?

A caxumba é uma doença viral, causada pelo vírus Paramyxoviridae. Ela acomete principalmente as glândulas salivares, sendo a glândula parótida frequentemente acometida. A caxumba causa inchaço e dor nessas glândulas.

O inchaço da parótida pode desencadear ainda dor de ouvido e dor na região temporomandibular. Outros sintomas que podem estar presentes na caxumba são sensação de mal estar, febre baixa, dores musculares, inapetência e dor de cabeça.

Qual o tratamento para a caxumba?

Não existe um tratamento especifico para a caxumba. Geralmente, recomenda-se repouso e hidratação, além disso, são usados medicamentos para aliviar os sintomas de dor e febre. Quando o vírus acomete também os testículos o uso de suspensório escrotal pode aliviar a dor e o desconforto.

Geralmente, os sintomas duram cerca de 10 dias, tendem a nesse período se resolverem espontaneamente. É raro a ocorrência de complicações.

Algumas medidas são orientadas para evitar a propagação da caxumba, entre elas:

  • Permanecer em casa e afastar-se das atividades laborais e de estudo por 5 dias;
  • Higienizar as mão;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal;
  • Usar uma máscara cirúrgica quando for preciso fazer deslocamentos.
Como prevenir a caxumba?

A principal forma de prevenção da caxumba é através da vacinação. Ela está indicada para crianças com 12 meses na tríplice viral ou para crianças com 15 meses na tetraviral.

Atualmente se recomenda também uma segunda dose em adultos entre os 20 e 29 anos. Adultos entre os 30 e os 19 anos também podem se vacinar com a tríplice viral dose única.

É válido ressaltar que a vacina não está indicada em gestantes e imunodeprimidos. Por isso, mulheres que planejam engravidar deve se vacinar antes da gravidez.

Para mais informações sobre a caxumba consulte o seu médico de família ou clínico geral.

Trombose venosa profunda pode provocar erisipela?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Os sinais e sintomas na pele da trombose venosa profunda (dor, inchaço, vermelhidão e calor) são semelhantes aos sintomas da erisipela, porém são duas situações distintas.