Perguntar
Fechar
Vermes em crianças: quais são os remédios seguros e quando podem ser dados?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

Há diferentes remédios, indicados para matar vermes diferentes em crianças. São os vermífugos. Os remédios não evitam que as crianças tenham vermes.

As crianças são mais sensíveis aos efeitos tóxicos dos medicamentos para vermes. Por isso, não use os remédios por sua conta. Procure um médico ou a orientação de um farmacêutico.

Quando a criança tem vermes, o médico faz a escolha do melhor remédio considerando a segurança do medicamento para ela. O tratamento tem duração variável para conseguir eliminar o verme ou o protozoário.

É recomendada a administração periódica de anti-helmínticos para o controle de verminoses em grupos específicos de pessoas com maior risco. Nas crianças em idade pré-escolar e escolar (a partir dos 5 anos), na prática clínica é muito comum os médicos prescreverem os remédios sem necessidade de exame específico.

Conheça quais são os remédios seguros para cada faixa etária e algumas alternativas naturais que podem ajudar a evitar e eliminar os vermes.

Crianças com 2 anos ou mais

O principal remédio para verme em crianças é o albendazol. Ele é indicado porque consegue matar:

  • Uma ampla variedade de vermes intestinais (lombriga, ancilóstomo, oxiúros e solitária são os mais comuns)
  • Bicho geográfico (uma larva que forma rastros visíveis sob a pele)
  • Giárdia — não é um verme, é um protozoário (parasita intestinal microscópico)

Outro remédio utilizado para crianças com vermes é a nitazoxanida. É muito indicado porque é eficaz para eliminar diferentes vermes e pode curar giardíase, amebíase e rotavírus, entre outros. Deve ser dado para a criança com alimentos, sempre no mesmo horário.

O mebendazol também vale para diferentes vermes. Por isso, é outra alternativa bastante utilizada para eliminar vermes em crianças. Não deve ser dado para bebês com menos de 1 ano porque pode causar convulsões.

Crianças entre 1 e 2 anos

Os remédios que podem ser dados para crianças com essa idade são:

Albendazol

A dose é menor que a indicada para as crianças com mais de 2 anos. Devido à redução da dose, só funciona para eliminar lombrigas, ancilóstomo e trichuris em crianças com idade entre 1 e 2 anos.

Mebendazol

Pode ser dado para crianças entre 1 e 2 anos somente quando for indicado por um médico. Pode causar convulsões em crianças com menos de 1 ano.

Nitazoxanida

O remédio é seguro para as crianças entre 1 e 2 anos. Deve ser dado para a criança junto com alimentos, sempre no mesmo horário.

Levamizol

É um remédio bem tolerado, mas só serve para matar as lombrigas.

Crianças entre 6 meses e 1 ano

Para bebês com mais de 6 meses, o medicamento seguro é o levamisol. Só deve ser dado quando a verminose prejudicar o desenvolvimento ou o estado nutricional da criança. É eficaz apenas para eliminar as lombrigas.

A maioria dos remédios para vermes não é seguro para as crianças com menos de 1 ano. Por isso, os cuidados de higiene são a maior arma para elas continuarem saudáveis. Como o contato dos bebês pequenos com objetos e com os alimentos sempre depende de um adulto, se os adultos tiverem cuidado, a criança vai continuar saudável.

Remédios naturais para vermes

Como as crianças são mais sensíveis aos efeitos tóxicos dos remédios para vermes, eles só devem ser dados quando elas têm vermes. Já os remédios naturais, por serem alimentos, têm menos restrições e são melhor tolerados.

Alguns alimentos e chás têm efeito contra os vermes, ajudando a preveni-los e eliminá-los. Lave-os com água limpa e sabão antes de usá-los. Suas mãos e os utensílios usados para prepará-los também devem estar limpos.

As sementes de mamão papaia podem ser usadas para evitar e eliminar alguns vermes em crianças. Elas têm efeito contra os helmintos, como as lombrigas, o ancilóstomo e o trichuris. Podem ser ingeridas frescas ou secas. As sementes secas podem ser trituradas em um pouco de mel para serem dadas para a criança.

O coco é outro alimento com propriedades antiparasitárias. Dê preferência por comê-lo ao natural, em pedaços ou ralado.

Sementes de abóbora também são um remédio natural para quem tem Hymenoleps nana. É um parasita que causa verminose em humanos e roedores. O uso das sementes ajuda a eliminar os vermes.

A hortelã-pimenta tem efeito contra o verme que causa a barriga d’água (Schistosoma mansoni). O chá pode ser dado para as crianças que tenham o verme para ajudar a eliminá-lo.

Nunca exagere na quantidade dos remédios naturais, principalmente para crianças pequenas. Em excesso, eles também podem fazer mal.

Saiba mais sobre verminoses e parasitoses em:

Quais os melhores remédios para vermes?

Quais os sintomas de vermes no corpo?

Tomando remédio para verme posso comer doces?

Referências

Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamentos Científicos de Gastroenterologia e Infectologia. Parasitoses intestinais: diagnóstico e tratamento (2019-2021). 2020; 7: 2.

Okeniyi JAO, Ogunlesi TA, Oyelami OA, Adeyemi LA. Effectiveness of dried Carica papaya seeds against human intestinal parasitosis: a pilot study. J Med Food. 2007; 10(1): 194-6

Alhawiti AO, Toulah FH, Wakid MH. Anthelmintic Potential of Cucurbita pepo Seeds on Hymenolepis nana. Acta Parasitol. 2019; 64(2): 276-281

Dejani NN, Souza LC, Oliveira SRP, Neris DM, Rodolpho JMA, Correia RO, Rodrigues V, Sacramento LVS, Faccioli LH, Afonso A, Anibal FF. Immunological and parasitological parameters in Schistosoma mansoni-infected mice treated with crude extract from the leaves of Mentha x piperita L. Immunobiology. 2014; 219(8): 627-32.

Manisha DebMandal M, Mandal S. Coconut (Cocos nucifera L.: Arecaceae): in health promotion and disease prevention. Asian Pac J Trop Med. 2011; 4(3): 241-7.

UpToDate

Bulas dos medicamentos

Antibiótico e corticoide podem atrasar a menstruação?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Corticoides podem atrasar a menstruação, mas os antibióticos normalmente não provocam atraso menstrual, raras exceções. Em geral, a infecção para a qual o antibiótico foi prescrito é que pode atrasar o ciclo, não o medicamento em si.

Os principais medicamentos que podem atrasar a menstruação são os psiquiátricos e neurológicos, sobretudo quando são usados em doses muito elevadas ou por tempo prolongado, pois podem aumentar a secreção do hormônio prolactina e interferir no ciclo menstrual.

Alguns exemplos são os neurolépticos, como Risperidona, Haldol, Melleril e Equilid, com destaque para a Risperidona e o Equilid, que podem atrasar a menstruação mesmo em doses baixas.

Os tranquilizantes benzodiazepínicos normalmente só provocam atraso em doses muito altas e depois de um tempo prolongado de uso.

Já os medicamentos antidepressivos raramente atrasam a menstruação.

Leia também: Antidepressivo pode atrasar a menstruação?

Outros medicamentos que podem interferir no ciclo menstrual são os antipsicóticos, medicamentos quimioterápicos, imunossupressores e anti-hipertensivos.

Para maiores informações sobre o atraso menstrual causado por medicamentos, fale com o médico que receitou a medicação ou com o seu médico ginecologista.

Pode lhe interessar também:

Estou tomando Puran T4 e perdendo peso?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

É provável que o remédio seja mesmo a causa do seu emagrecimento. A levotiroxina (Puran) possui um efeito colateral de perda de peso em pessoas que a usam no tratamento de hipotireoidismo. Cerca de metade das pessoas com hipotireoidismo que fazem uso do Puran emagrecem em torno de 2 a 4 kg ou um pouco mais.

Os efeitos colaterais costumam ser mais intensos em pessoas que usam doses maiores do que a necessária, por isso é essencial no começo do tratamento com a levotiroxina fazer um controle dos hormônios tireoidianos para que a dose seja ajustada da melhor forma possível, sem que ocorram efeitos adversos importantes.

Muitas vezes ao reduzir a dose do medicamento tomada os efeitos colaterais, como o emagrecimento, cessam. Converse com o seu médico mais uma vez sobre a perda de peso e esteja atenta a outros possíveis sintomas, que podem reforçar a hipótese de uma dose excessiva de medicamento ou outras possíveis causas de emagrecimento.

Quais os principais efeitos colaterais da levotiroxina (Puran T4)?

Outros efeitos colaterais, mais frequentes, que podem estar presentes com o uso da levotiroxina são:

  • Vômito ou diarreia;
  • Dor de cabeça;
  • Sensação de inquietação;
  • Sudorese;
  • Rubor;
  • Cãibras musculares;
  • Tremor, principalmente de mão;
  • Insônia.
Puran T4 (levotiroxina) emagrece?

Pessoas que apresentam hipotireoidismo e começam o tratamento com levotiroxina podem apresentar uma pequena perda de peso durante o tratamento. No entanto, essa perda de peso não ocorre em pessoas que não apresentam hipotireoidismo, e fazem uso do Puram apenas com o propósito de emagrecer.

A levotiroxina é um remédio indicado no tratamento do hipotireoidismo, uma doença caracterizada pela baixa produção de hormônios tireoidianos, portanto, não deve ser usada por pessoas que não apresentam esse problema de saúde.

Pessoas obesas ou que desejam emagrecer não devem usar levotiroxina com o propósito de emagrecimento, visto que praticamente não há efeito sobre o peso nessas situações e a pessoa ainda fica sujeita aos efeitos adversos desse hormônio, que podem ser graves a depender da dosagem.

Tomei Nimesulida e não sabia que estava grávida?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os anti-inflamatórios como o Cimelide (nimesulida) só devem ser usados na gestação sob orientação e prescrição médica, já que podem aumentar o risco de complicações no desenvolvimento do feto e podem prejudica o seguimento da gravidez.

Alguns estudos indicam que o uso de anti-inflamatório aumenta o risco de abortamento quando usado continuamente nos primeiros meses de gravidez.

O uso da nimesulida só deve ser orientado quando os benefícios da medicação superarem os riscos, pelo menor tempo e menor dose de medicamento possível, por isso a orientação médica é essencial.

No terceiro trimestre a nimesulida e outros anti-inflamatórios estão contra-indicados por riscos importantes ao desenvolvimento fetal e complicações durante o parto como atonia uterina, distocia e prolongamento do tempo de parto.

Os anti-inflamatórios quando usados no terceiro trimestre podem induzir o fechamento precoce do ducto arterial, causando disfunções cardíacas graves.

Pode tomar nimesulida durante a amamentação?

Durante o período de amamentação o uso de nimesulida também é contra-indicado, já que não está bem determinado se o medicamento é ou não excretado pelo leite materno.

Nimesulida provoca infertilidade?

Alguns estudos mostram que a nimesulida interfere na fertilidade, dificultando a gravidez em mulheres que desejam engravidar, portanto, o seu uso também é contra-indicado para mulheres que desejam engravidar.

Para mais informações sobre o efeito da nimesulida e de outros anti-inflamatórios na gestação e lactação consulte o seu médico ginecologista ou médico de família.

3 Remédios Naturais para Combater a Ansiedade
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os remédios naturais para ansiedade, nervosismo e estresse geralmente são feitos com ervas ou pantas com propriedades calmantes, como os chás de erva-cidreira, camomila e erva-de-são-joão.

Essas ervas atuam no sistema nervoso central, proporcionando uma sensação de tranquilidade e bem-estar que relaxa e melhora a ansiedade.

Veja como preparar esses 3 remédios naturais para combater a ansiedade:

  1. Chá de erva-cidreira, também conhecida como Melissa:

    • Ingredientes:

      • 2 colheres de sobremesa de erva cidreira;
      • 150 ml (1 xícara de chá) de água fervente.
    • Como fazer e tomar:
      • Adicione a erva cidreira na água fervente;
      • Desligue o fogo e deixe tapado por 10 minutos;
      • Coe o chá e beba uma xícara de chá de erva-cidreira, 3 vezes ao dia;
    • Contraindicações e efeitos colaterais: Não deve ser usado em casos de hipotireoidismo ou pressão baixa.
  2. Chá de camomila:
    • Ingredientes:
      • 1 litro de água fervente;
      • 1 colher de sopa de camomila;
    • Como fazer e tomar:
      • Coloque a camomila na água fervente;
      • Desligue o fogo e deixe tapado por 10 minutos;
      • Coe o chá e tome uma xícara de chá de camomila, 3 a 4 vezes ao dia.
    • Contraindicações e efeitos colaterais: Em excesso, pode causar náuseas;
  3. Chá de erva-de-são-joão:
    • Ingredientes:
      • 20g de erva-de-são-joão;
      • Meio litro (500 ml) de água.
    • Como fazer e tomar:
      • Coloque a erva-de-são-joão e a água numa panela;
      • Deixe ferver durante 10 minutos;
      • Coe e beba 3 xícaras de chá de erva-de-são-joão por dia;
    • Contraindicações e efeitos colaterais: É contraindicada em caso de gravidez e para mulheres que tomam anticoncepcional; pode causar efeitos colaterais como fadiga, boca seca, ausência de orgasmo, aumento da transpiração e da frequência urinária.

Esses remédios naturais ajudam a controlar e combater casos leves de ansiedade. Se os sintomas persistirem, consulte um médico clínico geral, médico de família para uma avaliação.

Existem medicamentos específicos e outros tipos de tratamento para ansiedade que podem ser necessários, de acordo com o caso. Em casos mais graves pode ser necessário a avaliação também por um médico psiquiatra.

Leia também: Os transtornos de ansiedade têm cura? Qual o tratamento?

Remédios para tratar a gardnerella e a infecção recorrente
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os remédios mais frequentemente usados no tratamento da Gardnerella são: o metronidazol, a clindamicina, o secnidazol e o tinidazol, sendo que os dois primeiros são os mais recomendados devido a maior eficácia.

Existem formulações em comprimidos ou em gel vaginal, o tratamento com comprimidos é mais prático de ser usado, mas há maior risco de efeitos adversos.

Podem ser utilizados diferentes esquemas de tratamento, vejamos:

Tratamento com metronidazol

A primeira opção de tratamento para a infecção vaginal por Gardnerella é através do uso do antibiótico metronidazol, este é o medicamento mais eficaz para o tratamento desta bactéria.

Existem duas opções de tratamento, através de comprimidos ou de gel vaginal:

  • Metronidazol via oral: Comprimidos de 250 mg, tomar 2 vezes ao dia por 7 dias;
  • Metronidazol gel vaginal 100 mg/g: inserir um aplicador cheio durante a noite na vagina, ao deitar por 5 dias, evitar relações sexuais com penetração vaginal nesse período.

O tratamento com dose única de 2 gramas de metronidazol apresenta uma eficácia muito reduzida, por isso, atualmente não é mais recomendado.

Tratamento com clindamicina

Outra alternativa para o tratamento da Gardnerella é através do uso do antibiótico clindamicina, este antibiótico pode ser usado ao invés do metronidazol, e também apresenta eficácia razoável no combate a esta bactéria.

Em mulheres grávidas até o primeiro trimestre a clindamicina também é o antibiótico de eleição, já que o metronidazol é contraindicado para gestantes no começo da gravidez.

A clindamicina também pode ser tomada em comprimidos ou aplicada em gel vaginal, as posologias são:

  • Clindamicina via oral: Comprimidos de 300 mg, tomar 2 vezes ao dia por 7 dias;
  • Clindamicina gel vaginal a 2%: Inserir um aplicador cheio na vagina a noite, ao deitar, por 7 dias;
  • Clindamicina óvulo vaginal 100 mg: uma aplicação por 3 noites seguida ao deitar.
Tratamento com secnidazol

Uma outra opção de tratamento para a Gardnerella é o Secnidazol, este é o que tem a posologia mais fácil, já que é tomado em dose única, com dois comprimido de 1 grama. Deve-se tomar os dois comprimidos, com líquido, de preferência a noite no jantar.

Tratamento com tinidazol

Esta é a opção menos utilizada, está geralmente indicada quando não é possível utilizar as opções anteriores devido a intolerancia ou efeitos adversos. O esquema terapêutico com tinidazol é tomar um comprimido de 1 grama, uma vez ao dia por 5 dias.

Remédios para infecção recorrente de Gardnerella

Em casos recorrentes de vaginose bacteriana causada por Gardnerella, o medicamento utilizado também é o metronidazol. Entretanto, o tempo de tratamento aumenta, como descrito abaixo:

  • Metronidazol via oral: Comprimidos de 250 mg tomados 2 vezes ao dia por 10 a 14 dias;
  • Metronidazol gel vaginal: inserir um aplicador cheio durante a noite, ao deitar por 10 dias seguidos. Depois reduzir para duas aplicações por semana, por 4 a 6 semanas.

O tratamento com antibióticos deve ser seguido até o fim do tempo estipulado pelo médico. Tome o medicamento no mesmo horário, durante todo o período proposto. Fazer o tratamento de forma incompleta pode aumentar o risco de resistência bacteriana e diminuir a eficácia dos antibióticos.

Na infecção por Gardnerella não é necessário tratar os parceiros sexuais, já que a vaginose bacteriana não é considerada uma infecção sexualmente transmissível.

Vale destacar que o antibiótico azitromicina e o antifúngico fluconazol não estão indicados para o tratamento da Gardnerella, por não serem suficientemente eficazes no combate a bactéria.

A Gardnerella vaginalis é uma das bactérias causadores da vaginose bacteriana, uma infeção vaginal que causa corrimento branco, amarelado ou acinzentado, com mau cheiro.

Não tome medicamentos sem prescrição médica, por isso, na suspeita de infecção por Gardnerella consulte o seu médico para uma avaliação e orientação do tratamento.

Também pode ser do seu interesse:

O que é Gardnerella e como se contrai?

Referências bibliográficas:

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis. Ministério da Saúde. 2015.

Bacterial vaginosis: Treatment. Uptodate. 2021.

Prednisona engorda? Quais os efeitos colaterais?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Prednisona pode engordar devido à retenção de líquidos e sal. Além disso, por ser tratar de um corticoide, a prednisona pode aumentar o apetite, o que contribui ainda mais para o ganho de peso. O inchaço ocorre pela retenção de sódio, que provoca a retenção de água no corpo.

Outro efeito colateral da prednisona que também favorece o ganho de peso é a perda de massa muscular. Quanto menos músculos a pessoa tiver, menos calorias ela irá queimar, já que com a perda de massa muscular, o corpo consome menos energia. Se a quantidade de calorias ingerida for maior que a consumida, a pessoa engorda.

Porém, vale ressaltar que a bula da prednisona não refere o ganho de peso como um dos seus efeitos colaterais. Contudo, a retenção de líquidos e sal, o aumento do apetite e a perda de massa muscular são reações adversas esperadas com o uso do corticoide e todas elas podem fazer a pessoa engordar.

Por isso, para combater a retenção de líquidos e o consequente ganho de peso, além da possível hipertensão arterial, é importante ter um dieta com pouco sal durante o uso da prednisona. Em alguns casos, também pode ser indicada a suplementação de potássio para compensar a perda do mineral causada pela medicação.

Saiba mais em: Qual o tratamento para retenção de líquidos?

Quais os efeitos colaterais da prednisona?
  • Retenção de sal (sódio), retenção de líquidos, eliminação de potássio;
  • Elevação do pH sanguíneo, queda dos níveis de potássio;
  • Funcionamento insuficiente do coração, aumento da pressão arterial;
  • Fraqueza, doenças musculares, perda de massa muscular; perda de proteínas;
  • Miastenia gravis (doença autoimune que provoca fraqueza muscular grave);
  • Osteoporose, fraturas nas vértebras da coluna;
  • Necrose asséptica da cabeça do fêmur e do úmero;
  • Fratura de ossos longos, ruptura de tendões;
  • Úlcera, que pode vir acompanhada de perfuração e hemorragia;
  • Pancreatite, inchaço abdominal, esofagite;
  • Cicatrização lenta, atrofia da pele, diminuição da espessura e aumento da fragilidade da pele;
  • Presença de manchas vermelhas ou arroxeadas na pele, vermelhidão na face;
  • Aumento da transpiração, falta de resposta nos testes de pele;
  • Dermatite alérgica, urticária, inchaço facial causado por reação alérgica;
  • Convulsões, aumento da pressão intracraniana, tonturas, dor de cabeça;
  • Irregularidade menstrual, retardo do crescimento do feto ou da criança;
  • Interrupção da produção hormonal pela glândula suprarrenal;
  • Menor tolerância aos carboidratos, diabetes, maior necessidade de insulina ou medicamentos em pessoas com diabetes;
  • Catarata, aumento da pressão intraocular, glaucoma, olhos saltados;
  • Euforia, mudanças de humor; depressão;
  • Alterações da personalidade, irritabilidade, insônia.
Para que serve a prednisona?

A prednisona é um corticoide que serve para tratar doenças endócrinas, doenças ósseas e musculares, doenças autoimunes que afetam o colágeno, doenças dermatológicas, alergias, doenças oculares, doenças respiratórias, doenças que afetam o sangue e tumores.

A prednisona tem uma forte ação anti-inflamatória, antirreumática e antialérgica sobre as doenças que apresentam boa resposta a medicamentos corticoides.

Quais as contraindicações da prednisona?

A prednisona é contraindicada para pessoas com infecções sistêmicas causadas por fungos e para quem já apresentou reações alérgicas ou alguma reação à prednisona, a outro corticoide ou a algum dos componentes da fórmula do medicamento.

Como tomar prednisona?

Os comprimidos de prednisona devem tomados de manhã, com 1 copo de água. A dose do medicamento varia de acordo com a doença e a gravidade da mesma, além da resposta do paciente à medicação.

Para adultos, a dose inicial de prednisona varia entre 5 mg e 60 mg por dia. Se não houver melhora dos sintomas, recomenda-se procurar o médico que receitou o medicamento.

Para crianças, a dose diária inicial de prednisona varia entre 0,14 mg e 2 mg por cada quilo de peso corporal.

Com a melhora dos sintomas, a dosagem do medicamento vai sendo reduzida gradualmente, até chegar à dose de manutenção (menor dose possível capaz de produzir uma resposta satisfatória). Nessa fase, o paciente pode começar a tomar prednisona em dias alternados, conforme orientação médica.

Para maiores informações sobre o uso de prednisona e seus possíveis efeitos colaterais, consulte o médico que receitou o medicamento ou procure um médico de família ou clínico geral.

Fumar corta o efeito de alguns remédios?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Fumar pode cortar o efeito de alguns medicamentos, ou o que vemos com maior frequência, é a redução do efeito, necessitando de doses mais altas.

O antibiótico Metronidazol, um remédio utilizado principalmente no tratamento de doenças periodontais, como gengivite e periodontite, ginecológicas e trato gastrointestinal, foi recentemente apontado como um dos medicamentos que tem interação importante com o tabaco.

De acordo com um estudo científico brasileiro, os pacientes tabagistas apresentaram resultados piores do que os não fumantes, com tratamentos mais prolongados para alcançar a cura da doença, maior índice de cronicidade e resistência ao antibiótico. Portanto, esse medicamento tem ação reduzida em pessoas que fumam, o que compromete a eficácia do tratamento. 

Segundo o estudo que constatou esse efeito do cigarro sobre o Metronidazol, a quantidade efetiva do medicamento que é absorvida pelo organismo é menor em pacientes fumantes.

Outros medicamentos que comprovadamente tem sua ação alterada pelo uso de cigarro:

  • Analgésicos potentes, como a morfina;
  • Anestésicos, como o propofol;
  • Antiparkinsonianos, medicamentos para doença de Parkinson, da classe dos agonistas dopaminérgicos;
  • Benzodiazepínicos, como o diazepam e clonazepam;
  • Anticonvulsivantes, a lamotrigina principalmente;
  • Antidepressivos, como fluvoxamina, amitriptilina e nortriptilina;
  • Antipsicóticos, olanzapina, haloperidol e clozapina.

Na maioria das vezes o tabaco aumenta o metabolismo, eliminando mais rapidamente as substâncias assim exigindo doses mais elevadas pra um mesmo tratamento. O que aumenta o risco de toxicidade, efeitos colaterais e menor adesão ao tratamento.

Outro fato importante, é que quando ocorre a cessação do tabagismo, as doses devem ser reavaliadas para que não haja sobrecarga no organismo. Geralmente é possível a redução das doses com mesma eficácia.

É normal que uma parte do remédio se perca antes de ser utilizado, mas o cigarro diminui ainda mais a quantidade do medicamento que é absorvida, quando tomado por via oral.

Assim, constatou-se que fumar pode interferir na ação do Metronidazol, e de outros medicamentos, ou seja, altera a sua metabolização pelo organismo, o que pode acarretar uma diminuição na eficácia do tratamento de doenças. 

Para compensar a redução do efeito do remédio no organismo, os médicos e dentistas teriam que prescrever doses maiores do medicamento para pacientes fumantes, ou associar uma segunda medicação.

Para maiores informações sobre a influência do cigarro sobre a ação dos medicamentos, fale com o seu médico.

Leia também:

6 Dicas para Parar de Fumar

Fumar narguilé faz mal?

Um remédio pode deixar de fazer efeito depois de tomar muitos anos?

Posso tomar bebidas alcoólicas, durante o uso de Bupropiona?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O ideal é que não ingira bebidas alcoólicas enquanto estiver tomando esse medicamento, ou reduza a quantidade de ingesta de álcool durante o tratamento com bupropiona, isto porque a bupropiona, que é um medicamento do grupo dos anti-depressivos, pode potencializar os efeitos do álcool.

A depender da quantidade de álcool ingerida os efeitos sobre a motricidade, reflexos e atenção podem ser muito intensos, na pessoa que está em tratamento com bupropiona.

Além disso, o uso de álcool concomitantemente ao uso de antidepressivos pode contribuir para redução dos efeitos do antidepressivo, interferindo assim no tratamento, ou inclusive aumentar a predisposição aos efeitos adversos do medicamento.

Com a bupropiona o efeito depressor do sistema nervoso central do álcool pode ser aumentado, aumentando o risco de sedação ou convulsões.

Existe risco de síndrome da abstinência alcoólica durante o uso de bupropiona?

Sim, no caso de pessoas que são usuárias crônicas de álcool, apresentando já uma dependência etílica, não se indica a cessação repentina do uso de álcool, quando se estiver também em uso da bupropiona, porque cessar repentinamente o uso de álcool pode levar a pessoa a ter uma síndrome da abstinência alcoólica.

Essa síndrome pode levar a diversos sintomas como náuseas, tremores, agitação psicomotora, dores de cabeça, insônia e em casos mais graves pode provocar convulsões.

Nessa situação, está indicado que a pessoa reduza aos poucos a quantidade de bebida alcoólica ingerida, sob supervisão e acompanhamento médico.

Caso faça uso de bupropiona ou outro antidepressivo procure um médico para mais informações sobre as possíveis interações com o álcool.

Posso tomar Amoxicilina amamentando?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A Amoxicilina pode ser usada pela mulher que está amamentando.

Porém, vale ressaltar que qualquer antibiótico somente deve ser usado com recomendação médica e pelo período e dosagem indicados na receita médica. O uso de antibióticos de forma não segura e sem uma necessidade pode causar resistência antibiótica.

Os antibióticos são indicados em casos de infecções causadas por bactérias. Em alguns casos, o medicamento é usado para prevenir infecções bacterianas, como em pós-operatórios, por exemplo.

Vale lembrar que os antibióticos não servem para tratar doenças causadas por vírus, como gripes, Dengue, amigdalites virais, entre outras.

O uso incorreto do antibiótico, como no caso do antibiótico não ser adequado para aquela infecção bacteriana específica, não elimina as bactérias infecciosas e pode fazer com que as bactérias desenvolvam resistência a antibióticos.

Para evitar a resistência das bactérias ao antibióticos, é fundamental seguir o tratamento até ao fim, no tempo e nas doses prescritas pelo médico, mesmo que os sintomas tenham aliviado ou desaparecido.

Apesar de ser secretada pelo leite materno em pequena quantia, a Amoxicilina não acarreta problemas no desenvolvimento da criança.

Use medicamentos apenas com indicação médica e, em caso de dúvidas, procure uma unidade de saúde para uma consulta médica.

Estou grávida de 8 semanas, posso tomar Luftal para gases?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, pode tomar. O Luftal, nome comercial da Simeticona, é um medicamento eventualmente prescrito durante a gravidez para o alívio dos gases e outros sintomas, apresenta um risco mínimo para mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez.

Embora apresente um risco muito pequeno de complicações, o uso de Luftal está indicado apenas sob orientação e supervisão médica, de modo a ajustar a dose e tempo de tratamento de modo adequado.

Antes de tomar qualquer medicamento consulte sempre o médico que acompanha o seu pré-natal.

O que fazer para evitar os gases na gravidez?

Algumas medidas podem ser tomadas para evitar a formação de gases na gravidez, entre elas temos:

  • Comer mais devagar e em porções menores;
  • Mastigar bem os alimentos;
  • Evitar o consumo excessivo de leite, líquidos adocicados ou com gás (refrigerantes, água com gás);
  • Beba água e líquidos durante o dia, mas evite beber líquidos junto com as refeições;
  • Praticar atividade física leve e caminhadas diariamente;
  • Evitar o consumo de certos alimentos como leguminosas (feijões, lentilhas, grão de bico), cebola, batatas e doces;
  • Use roupas largas e confortáveis, evite prender a barriga.
O que fazer para aliviar os sintomas de gases na gravidez?

Além do uso de medicamentos existem alternativas naturais que podem ajudar no controle dos sintomas como o chá de erva-doce ou hortelã-pimenta, que são plantas que ajudam naturalmente a eliminar os gases.

A realização de atividade física, principalmente caminhadas após as refeições impedem a formação de gases e também contribuem para a sua eliminação, portanto a realização de caminhadas também é uma opção para o alívio desses sintomas.

Para mais informações consulte o seu médico de família ou obstetra.

3 Remédios Naturais que Vão te Ajudar a Dormir
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Conheça 3 remédios naturais que ajudam a dormir melhor à noite, que combatem a insônia e a ansiedade:

  1. Chá de Maracujá (Passiflora edulis): Possui propriedades sedativas que relaxam, combatem a ansiedade e ajudam a dormir melhor;

    • Ingredientes:

      • 3 colheres de folhas secas de Passiflora;
      • 200 ml de água fervente;
    • Como fazer e tomar:
      • Acrescente as folhas secas de Passiflora à água fervente;
      • Deixe abafado por 10 minutos;
      • Tome o chá de maracujá 2 horas antes de ir para cama dormir;
    • Contraindicações: Não deve ser tomado por quem tem pressão baixa.
  2. Chá de Valeriana (Valeriana officinalis): Possui propriedades calmante e sedativa que induzem o sono e combatem a insônia;
    • Ingredientes:
      • 1 colher de chá de raízes e caule de valeriana;
      • 1 xícara de chá de água fervente;
    • Como fazer e tomar:
      • Adicione a valeriana à água fervente;
      • Deixe em infusão, tapado, durante 5 minutos;
      • Coe e tome uma xícara de chá de valeriana 3 vezes ao dia e antes de ir dormir;
    • Contraindicações: Não deve ser usado por mulheres grávidas ou que estejam amamentando;
  3. Chá de Mulungu (Erythrina mulungu): Tem ação calmante e sedativa; o chá é feito com a casca do caule do mulungu triturada;
    • Ingredientes:
      • 4g de cascas de mulungu;
      • 1 xícara de chá de água fervente;
    • Como fazer e tomar:
      • Adicione o mulungu à água fervente;
      • Deixe ferver durante 15 minutos e desligue o fogo;
      • Coe e tome o chá de mulungu enquanto ainda estiver morno, no máximo 3 xícaras por dia;
    • Contraindicações: Evite tomar o chá de mulungu por mais de 3 dias consecutivos; mulheres grávidas, pessoas com pressão baixa e aquelas que tomam medicamentos para pressão alta, devem evitar tomar o chá de mulungu.

Além dos chás que funcionam como remédios naturais para combater a insônia, existem também outras medidas que ajudam a dormir e melhorar a qualidade do sono.

Leia mais sobre o assunto em:

Não consigo dormir: o que fazer?

10 Dicas para Melhorar a Qualidade do Sono

8 dicas para regular o seu sono

Se continuar a ter dificuldades para dormir, consulte um médico neurologista, especialista em distúrbios do sono.