Perguntar
Fechar
Como interpretar o exame holter 24 horas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A interpretação do exame holter 24 horas é feita através da análise dos resultados colhidos pelo aparelho juntamente com os sintomas apresentados pelo paciente durante as 24 horas que esteve com o holter.

A atividade elétrica dos batimentos cardíacos é registrada pelo chip localizado no interior do gravador portátil e depois transformada em imagens de eletrocardiograma que são interpretadas pelo médico com o auxílio de um programa de computador.

O holter 24 horas também serve para verificar o quanto a frequência cardíaca da pessoa variou no período em que foi monitorada. Alterações de frequência cardíaca podem indicar doenças cardíacas.

Por exemplo, em um adulto saudável a frequência cardíaca deve variar entre 50 a 100 batimentos por minuto em repouso, valores acima ou abaixo podem indicar alguma disfunção.

Através da análise dos resultados do holter, o médico pode identificar arritmias ocasionais que não são detectadas durante o eletrocardiograma normal, uma vez que o tempo de duração do exame é curto comparado com as 24 horas do holter.

Além da avaliação da frequência cardíaca e de arritmias o exame Holter também é capaz de observar outras alterações no coração como bloqueios cardíacos e sinais sugestivos de isquemia, ou seja de áreas do coração que não estão recebendo suprimento sanguíneo suficiente.

Ao verificar todos esses fatores como frequência, presença de arritmias, bloqueios ou isquemias, é possível avaliar  o risco cardiovascular do paciente, ou seja o risco de desenvolver doenças como Infarto Agudo do Miocárdio, bem como as chances de ter morte súbita.

O médico cardiologista é o especialista indicado para interpretar o resultado do exame holter 24 horas, levando em consideração a história clínica do paciente, os sintomas apresentados e o resultado de outros exames.

Saiba mais em: Como é o exame holter 24 horas?

Histerossalpingografia: útero forma e contornos irregulares?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Significa que a forma do útero está diferente do que seria esperado normal, as principais causas são miomas, sequelas de infecções ou procedimentos (curetagem ou cirurgia), má formação congênita.

Como é feita a histerossalpingografia?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A histerossalpingografia é feita mediante a injeção de um contraste no útero, que permite ao médico obter imagens do útero e das trompas através de um equipamento especial de raio-x, chamado fluoroscopia. O tempo de duração do procedimento é de cerca de 15 minutos.

Durante a histerossalpingografia, a paciente posiciona-se como se estivesse numa consulta ginecológica, de maneira que o médico possa alcançar o colo do útero e introduzir o aparelho que aplica o contraste.

O exame deve ser realizado após o início da menstruação, entre o 8º e o 11º dia do ciclo menstrual. Assim, é mais seguro garantir que a mulher não está grávida.

A histerossalpingografia é contraindicada no caso de suspeita de gravidez, uma vez que durante o exame são manipulados o útero e a cavidade uterina.

Como é o preparo para a histerossalpingografia?

No dia anterior à realização da histerossalpingografia, a mulher não deve ter relações sexuais e precisa tomar 1 comprimido de laxante. A seguir, deve beber bastante líquido, de preferência suco de laranja e ameixa. A dieta no dia anterior é leve, sem carnes, massas e pães.

Histerossalpingografia dói?

A histerossalpingografia provoca alguma dor e é comum a mulher sentir cólicas durante o procedimento. As dores e o desconforto são causados pela introdução dos instrumentos usados durante o exame e pela injeção do contraste. A própria manipulação do útero pode gerar contrações uterinas, causando cólicas.

Histerossalpingografia ajuda a engravidar?

A histerossalpingografia não tem por finalidade ajudar a engravidar. O objetivo do exame é detectar alterações no útero ou nas trompas que possam dificultar a gravidez.

Porém, muitas mulheres fazem a histerossalpingografia com a esperança de que o exame pode desobstruir as trompas e aumentar as chances de gravidez.

De fato, há relatos de mulheres que conseguiram engravidar após a realização do exame devido à desobstrução das trompas. Isso pode ocorrer se a obstrução for simples.

Contudo, não se pode afirmar que a passagem do contraste pelas trompas provoque qualquer efeito capaz de corrigir o problema que esteja impedindo a passagem dos óvulos pelas mesmas. O contraste serve para identificar qualquer alteração que possa estar impedindo a gravidez, mas não ajuda a engravidar.

O que é a histerossalpingografia?

A histerossalpingografia é um exame que serve para avaliar o útero e as trompas, que ligam os ovários ao útero e desempenham uma função fundamental na reprodução. Por isso, o exame é indicado sobretudo para mulheres que têm dificuldade de engravidar.

Durante a histerossalpingografia, são tiradas radiografias seguidas da pelve, que fornecem imagens do trajeto que o contraste percorre na cavidade uterina e nas trompas.

O contraste é um produto usado em vários tipos de exames e fornece uma imagem mais nítida, permitindo ao médico obter uma melhor análise das estruturas observadas.

Na histerossalpingografia, o contraste permite avaliar alterações no formato do útero e das trompas, além da presença de aderências, miomas, malformações uterinas, dilatações ou obstrução nas trompas ou no útero.

O risco de complicações na histerossalpingografia é muito baixo e o exame costuma ser bastante fiável.

O médico responsável pela realização da histerossalpingografia é o radiologista.

Ultrassom obstétrico com alteração da translucência nucal? O que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A TN ou Translucência Nucal é uma medida que serve principalmente para verificar os riscos do bebê ter Síndrome de Down, entre outras malformações e doenças genéticas. Quando o valor da translucência nucal é maior que 2,5 mm, significa maior chance de Síndrome de Down.

É importante lembrar que o exame de ultrassom não é capaz de diagnosticar a Síndrome de Down e serve apenas para calcular os riscos. Isso quer dizer que um exame considerado normal (translucência nucal inferior a 2,5 mm) não garante que o bebê não tenha Síndrome de Down, indica somente que o risco é baixo.

O mesmo acontece quando a translucência nucal está aumentada. O risco de Síndrome de Down é alto, mas o bebê pode nascer sem a doença.

Nesses casos, quando a translucência nucal está aumentada, pode-se fazer um exame chamado amniocentese, que permite analisar os cromossomos do bebê e detectar com precisão a síndrome de Down e outras alterações cromossômicas.

Se o resultado da amniocentese for normal, fica afastada a possibilidade de Síndrome de Down, mas pode ser necessário fazer a investigação de outras mal-formações.

Converse melhor com o médico que está acompanhando a sua gravidez em caso de dúvidas.

Também pode lhe interessar:

Que exames devem ser feitos durante a gravidez?

Estou com artrose na coluna, é grave?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não é grave do ponto de vista (risco de vida), mas é um problema de coluna de difícil resolução, que vai te acompanhar para o resto da vida e como você já sabe dó muito. Volte ao médico que solicitou o exame para ver o que ele acha que pode ser feito.

Ultrassom não mostrou o ovário operado, isso é normal?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Depende qual ultrassom foi feito: pela barriga a visualização do ovário é difícil, transvaginal a visualização é mais fácil, mas pode acontecer de o ovário estar lá e o exame não mostrar.

Que exames devem ser feitos pelo homem e pela mulher antes de tentar engravidar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os exames que devem ser feitos pelo homem e pela mulher antes de tentar engravidar, são:

  • Para a mulher:

    • Tipagem sanguínea e fator Rh: Exame de sangue aonde será identificado o tipo sanguíneo da mãe e principalmente o fator RH. Nas mulheres com fator Rh negativo, é importante avaliar o fator do companheiro.

    • Hemograma: É um exame de sangue usado para avaliar a série "vermelha", ou seja, o valor das hemácias da mãe, descartando anemia, um quadro que pode prejudicar a gestação.

    • Teste de glicemia: Verifica os níveis de glicose (açúcar) no sangue e serve para detectar o diabetes ou saber se a mulher tem tendência para desenvolver a doença;

    • Sorologia para toxoplasmose, sífilis, Citomegalovírus (CMV), Hepatites virais, rubéola e HIV: É importante saber se a mulher é imune a essas doenças ou não, para que sejam tomados os devidos cuidados para evitá-las. Se forem adquiridas durante gravidez, podem trazer sérias complicações para a mulher e para o feto, como:

      • Parto prematuro, aborto espontâneo;
      • Para o bebê, catarata, glaucoma, doença cardíaca, atraso mental, hidrocefalia, retardo mental, surdez, atraso do desenvolvimento;
    • Colpocitologia oncológica: Exame de rastreio para alterações celulares que podem evoluir para câncer de colo de útero.

Nos casos especiais, como mulheres acima de 35 anos de idade, obesas, diabéticas, ou com história prévia de abortos espontâneos, bebês muito grandes ou óbito fetal sem causa definida, podem ser acrescentados os seguintes exames:

  • Mamografia: Pode ser indicada para mulheres acima de 35 anos de idade, ou com risco aumentado para câncer de mama;
  • Ultrassom: Serve principalmente para detectar alterações no útero, como mudanças no seu formato e miomas, que podem causar aborto, além de endometriose, que pode dificultar a gravidez;

Tão importante quanto os exames antes de engravidar, é a avaliação médica quanto ao cartão de vacinação da mulher, atualizando todas as vacinas que forem necessárias, para prevenir doenças e ou complicações para a mulher e o bebê.

  • Para o homem:

    • Hemograma: Com o mesmo objetivo de avaliar possíveis doenças no sangue, como anemia;
    • Sorologia para HIV: Da mesma forma que na mulher, é importante identificar doenças que podem afetar a saúde da mãe e do bebê precocemente, para dar a opção de tratamento e orientações;
    • Espermograma: Não é um exame obrigatório, mas aconselhável que o homem faça se o casal pretende engravidar, pois o exame avalia a capacidade reprodutiva do homem, através da análise da quantidade e qualidade dos seus espermatozoides.

Leia também: Que exames devo fazer para saber se posso engravidar?

O/A médico/a obstetra deverá orientar o casal quanto aos exames que ambos deverão fazer antes da gravidez.

Tomografia pode causar queda de cabelo?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, mas muito dificilmente, isto porque a tomografia pode causar queda de cabelo apenas se a dose de radiação for muito elevada. O cabelo de uma pessoa pode cair se for recebida uma quantidade de radiação de 750mSv (miliSievert). Porém, numa tomografia de abdômen, por exemplo, o corpo absorve "apenas" 8,0mSv.

No caso da queda de cabelo, ela pode ocorrer após 2 a 3 semanas da realização da tomografia. Contudo, esses casos são raros e isolados.

Apesar de 8mSv ser considerada uma dose considerável de radiação, não é suficiente para fazer cair o cabelo. No entanto, tomografias sucessivas podem ter um efeito cumulativo no organismo e trazer riscos à saúde, podendo inclusive aumentar as chances de desenvolver certos tipos de câncer.

Além da queda de cabelo, uma exposição a altas doses de radiação pode causar os seguintes efeitos colaterais imediatos:

  • Queimaduras na pele;
  • Diminuição dos glóbulos brancos do sangue;
  • Anemia;
  • Catarata.

No entanto, desde que as doses de radiação sejam bem controladas e os exames não sejam feitos desnecessariamente, os benefícios da tomografia computadorizada superam os seus riscos.

Para maiores esclarecimentos sobre os possíveis efeitos da tomografia no organismo, fale com o médico radiologista responsável pelo exame.

Também pode lhe interessar: