Perguntar
Fechar

Mamas

Tenho um nódulo na mama e queria muito engravidar...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Os nódulos benignos de mama (que deve ser o seu caso) não interferem em nada na gravidez ou mesmo na amamentação, inclusive alguns nódulos podem até diminuir ou desaparecerem durante a gravidez, então fique tranquila e pode engravidar. É claro que antes de engravidar precisa procurar um obstetra para fazer exames e começar a tomar um medicamento que toda grávida deve iniciar mesmo antes de engravidar, só depois de feito isso deve começar a tentar engravidar. Bem como se fica grávida acredito que você já saiba, então não vai precisar de orientação para isso.

Dor no seio durante a gravidez: o que fazer para aliviar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para aliviar a dor no seio durante a gravidez, a gestante deve usar sutiãs adequados e mais confortáveis, feitos com tecidos macios, que tenham alças largas e apoio nas costas. Também é importante que o sutiã não tenha nenhuma armação de ferro, sustente bem a mama e tenha um tamanho ajustável.

Aplicar compressas de água morna nos seios também ajudam a amenizar a dor e o desconforto durante a gestação. Hidratantes com elastina e colágeno na composição podem auxiliar no alívio do incômodo, embora não sejam capazes de acabar com a dor.

Na hora do banho, a mulher deve lavar os seios com sabonete neutro, com movimentos circulares e delicados no sentido dos ponteiros do relógio.

No início da gravidez, é normal os seios ficarem mais sensíveis e doloridos devido às alterações hormonais. O aumento do volume da mama também pode causar algum desconforto e provocar dor.

Para maiores informações sobre como aliviar a dor no seio durante a gravidez, fale durante as consultas com o/a médico/a que está acompanhando seu pré-natal.

Também podem lhe interessar:

Estou com os seios inchados e doloridos o que pode ser?

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor e coceira nos seios, o que pode ser?

Anticoncepcional pode causar nódulo ou câncer de mama?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Na verdade ainda não existe um consenso sobre esse assunto. Esse é um tema bastante estudado e controverso, com publicações constantes sobre o aumento do risco, benefícios e suas características principais. No Brasil, a federação de ginecologia e obstetrícia, FEBRASGO,  defende que o uso das medicações mais novas, principalmente, e com devido acompanhamento médico, é sim seguro.

Em 2017, um trabalho grande sobre o assunto na Dinamarca, mostrou que sim, o uso do anticoncepcional hormonal continua aumentando o risco de câncer de mama, quando comparado a mulheres que não fazem uso, porém um risco ainda considerado baixo. Entretanto, concluiu também que existe um benefício, de proteção, contra câncer de endométrio, ovário e intestino.

Alguns pontos aceitos pela maioria dos pesquisadores nesta área são:

1. O uso de medicamentos antigos, com dosagens maiores de hormônios aumentam o risco;

2. O uso contínuo por mais de 10 anos, parece aumentar o risco;

3. A história familiar de câncer, seja de mama ou outro órgão, aumenta o risco pela predisposição genética;

4. Obesidade, sedentarismo, uso abusivo de bebidas alcoólicas, são comprovadamente fatores de maior risco para câncer de mama,

5. Existem ainda evidências bem estabelecidas e aceitas de que a pílula anticoncepcional pode ajudar a prevenir além do câncer de ovário, endométrio e intestino, protegem contra:

  • Miomas;
  • Endometriose;
  • Pólipos;
  • Cistos no ovário;
  • Alguns tipos de infecção;
  • Alterações benignas das mamas.

Leia mais sobre o assunto em Além de impedir a gravidez, para que pode servir o anticoncepcional?

Fale com o/a seu/sua médico/a ginecologista sobre os eventuais riscos e os benefícios da pílula anticoncepcional e faça regularmente seu auto exame de mama.

Também pode lhe interessar: O que é um nódulo isodenso?

Mama densa tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Mama densa não tem cura nem tratamento, isto porque trata-se de uma característica da mama, muito frequente em mulheres jovens, com menos de 40 anos. As mamas densas têm uma grande quantidade de tecido glandular, que é o tecido responsável pela produção do leite materno.

A mama densa não é uma doença, mas é considerada um fator de risco para o desenvolvimento de câncer de mama, não só pela maior predisposição do organismo, mas também devido à dificuldade de visualizar o tumor na mamografia. Pesquisas ainda estão sendo realizadas de forma a esclarecer o motivo pelo qual mulheres com mama muito densa tem maior predisposição ao desenvolvimento de câncer.

O maior inconveniente das mamas densas é dificultar a detecção precoce do câncer de mama no exame de mamografia, favorecendo resultados falso-negativos, ou seja, pode haver alguma lesão na mama e o exame dar resultado normal.

Isso acontece porque na mamografia a gordura aparece escura, enquanto que o tecido denso é branco. Os tumores, quando estão presentes, também aparecem em branco e podem assim passar despercebidos pelo médico. Quanto mais gordura tem o seio, mais escura é a imagem e mais fácil é visualizar o tumor.

Nesses casos, a prevenção e o diagnóstico do câncer de mama em mulheres com mamas densas é feito com exames complementares. Além da mamografia, o médico poderá solicitar ultrassonografia mamária, ressonância magnética das mamas ou ainda mamografia com contraste.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico ginecologista, médico de família ou mastologista.

Leia também:

O que é mama densa?

Mama densa é câncer?

Corrimento com cheiro ruim, menstruação... Nódulo em mama...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Na verdade quem tem uma pergunta a fazer sou eu: o que você está esperando acontecer mais para ir ao médico? Precisa ir a um ginecologista, você está com infecção, irregularidade menstrual e nódulo na mama com história familiar de câncer de mama. É só isso o que eu posso te dizer hoje. Vá ao médico.. Provavelmente dentre tudo que você tem nada deve ser grave, mas tudo precisa de avaliação e tratamento.

Apareceu um nódulo no meu seio direito, é perigoso?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Nódulos em mamas podem representar tanto doenças benignas como doenças malignas, a gravidade depende do tipo de nódulo, precisa levar esse exame ao ginecologista.

Sinto um desconforto nas duas mamas, dói só de encostar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Nenhuma dor é normal, mas também pode ser que a dor não tenha um significado importante, como no seu caso que pode ser apenas alguma alteração hormonal do período pré-menstrual.

O que é carcinoma ductal?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O carcinoma ductal da mama é um tumor derivado das células de revestimento dos ductos mamários e representa 80 a 90% dos cânceres de mama.

O carcinoma ductal pode ser dividido em:

  • In situ ou intraductal: quando há proliferação de células malignas dentro de um ducto, não ultrapassando os limites da membrana basal, não invadindo estruturas profundas.
  • Invasor: quando as células malignas invadem estruturas além da membrana basal.

Os principais sintomas associados ao carcinoma ductal in situ são:

  •  nódulo ou caroço palpável na mama;
  •  derrame papilar: saída de secreção espontaneamente pelos mamilos;
  •  alteração na mamografia, sem sintomas clínicos.

Os principais sintomas associados ao carcinoma ductal invasor são:

  • nódulo, caroço ou massa palpável na mama;
  • saída espontânea de secreção pelo mamilo;
  • alterações na pele, que fica similar a casca da laranja;
  • em tumores avançados, pode haver ulceração e grande deformidade da mama.

A evolução do câncer de mama é variável para cada paciente, por diferenças em relação ao crescimento tumoral, capacidade de invasão, potencial metastático e outros mecanismos. Diante deste fato, é importante conhecer estas variáveis no momento do diagnóstico ou da cirurgia, associadas ao tempo livre de doença ou de sobrevida geral, sendo essa a definição de prognóstico.

Os fatores prognósticos do câncer de mama podem incluir:

  • idade: pacientes mais jovens, com menos de 35 anos, possuem uma evolução clínica pior do que as pacientes mais velhas, pós-menopausa, pois seus tumores são mais agressivos;
  • etnia: mulheres da raça negra e hispânica tem pior prognóstico que as mulheres brancas, que pode estar associado a piores condições de acesso aos serviços de saúde;
  • tipo histológico do tumor: o carcinoma ductal tem pior prognóstico em relação a outros tipos histológicos;
  • tamanho do tumor: quanto maior, pior prognóstico;
  • acometimento de linfonodos: se acometidos, o prognóstico é pior;
  • receptores de hormônios (estrogênio e progesterona): tumores com presença destes receptores tem melhor prognóstico;
  • outros marcadores moleculares, como oncogenes que, quando presentes, denotam pior prognóstico.

O tratamento de primeira escolha é a remoção cirúrgica completa, que algumas vezes deverá incluir a remoção dos linfonodos axilares também. Outras terapias são quimio e radioterapia, além do uso de medicações que bloqueiam receptores hormonais, como o tamoxifeno.

Toda mulher deve se consultar anualmente com o ginecologista e realizar mamografia anualmente conforme as orientações abaixo:

  • mulheres a partir dos 40 anos, sem histórico familiar de câncer de mama;
  • mulheres a partir dos 35 anos, que tenham histórico familiar de câncer de mama;
  • dez anos antes do diagnóstico de câncer de mama em familiar de primeiro grau.

Na presença de alterações mamárias, deve ser procurado um ginecologista ou mastologista.