Perguntar
Fechar
Estou com manchas vermelhas pelo corpo o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pela sua descrição parece um tipo de alergia (urticária) ou até uma infecção de pele. Outras causas possíveis de lesões vermelhas que causam coceira são a escabiose (sarna), o eczema e o Zika vírus.

Outras doenças menos comuns, mas que podem causar esses sintomas são as doenças autoimunes como lúpus e psoríase.

Portanto, no seu caso o mais adequado é procurar um médico clínico geral ou dermatologista para reavaliação e confirmação diagnóstica, principalmente porque para cada uma das doenças citadas exige um tratamento específico.

Urticária

A urticária é uma reação alérgica originada de diferentes causas, como por exemplo o uso de medicamentos, picadas de insetos, produtos químicos, alimentos, estresse e infecções.

Apesar da coceira, as manchas vermelhas costumam desaparecer espontaneamente em alguns dias, a não ser que o agente alérgeno seja mantido.

A urticária pode evolui também com maior gravidade, causando inchaço significativo nas pálpebras, nos lábios, na língua e na garganta. Nesses casos é necessário que a pessoa seja levada imediatamente a um serviço de emergência.

Escabiose (sarna)

A escabiose é uma doença causada pelo ácaro Sarcoptes scabieium, caracterizada por coceira intensa e manchas vermelhas, principalmente nas regiões de abdômen, parte interna dos braços, áreas genitais e coxas.

Sua transmissão pode ocorrer pelas roupas de uso comum (roupas de cama e banho), além do contato sexual.

Eczema

O eczema, conhecido por dermatite, é uma inflamação na pele que causa manchas vermelhas no corpo e coceira intensa, que se assemelham muito com a reação alérgica, causados por alérgenos. Apresentam como caraterísticas marcante, a piora com o estresse, temperaturas frias ou quentes, ou ainda se a pele for exposta à água ou ao sol.

Zika

Zika é uma doença causada pelo Zika virus (ZIKV), transmitida pela picada do mosquito Aedes. Seus sintomas mais comuns são a febre baixa, as manchas com coceira, vermelhidão nos olhos, dores nas articulações, mal-estar e dores de cabeça.

O médico dermatologista é o especialista em lesões de pele. Agende uma consulta para dar inicio o quanto antes ao seu tratamento.

Pode lhe interessar também: O que pode causar manchas vermelhas na pele?

Tenho uma coriza no nariz. Já consultei vários médicos, sem resultados. O que eu faço?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Estes sintomas presentes com muita frequência podem ser característicos de rinite.

A rinite requer um tratamento contínuo e a longo prazo devendo ser feito acompanhamento em consultas de rotinas e ambulatoriais.

Muitas vezes, pessoas com esses sintomas procuram serviços de emergência constantemente, porém, não realizam uma consulta de rotina para realizar o tratamento adequado.

Em algumas situações, ao ser realizado o diagnóstico de rinite, há necessidade de uma reconfiguração da rotina da pessoa, dos hábitos diários, limpeza da casa etc.

O mais recomendável é procurar um/a clínico/a geral ou médico/a de família para realizar o diagnóstico específico e iniciar o tratamento apropriado em cada situação.

Leia também:

O que é coriza e quais os sintomas?

Qual o tratamento para coriza?

Com quantos dias a catapora sara?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os sintomas da catapora, como as bolhas e coceira, levam em média 7 a 10 dias para cessar. Embora em algumas pessoas a coceira possa levar até 14 dias para terminar.

Contudo, é importante ressaltar que a coceira é a principal causa de uma das complicações da catapora, a infecção secundária de pele.

Apesar de ser uma doença benigna, a catapora pode evoluir com complicações graves, que podem ser evitadas. Uma delas é a infecção secundária de pele, que costuma acontecer por contaminação dos germes encontrados nas unhas ou objetos utilizados para coçar as feridas.

Para evitar que aconteça complicações como a infecção das feridas, é recomendado:

  • Fazer uso de compressa fria nas feridas, para amenizar a coceira;
  • Manter as unhas bem aparadas e limpas;
  • Não utilizar qualquer objeto para coçar as feridas;
  • Fazer uso de medicamentos para reduzir a coceira, caso não haja contraindicação ( o médico devera avaliar caso a caso).

Siga as orientações médicas.

O que é a catapora?

A catapora, ou varicela, é uma doença infecciosa, altamente contagiosa, causada pelo vírus varicela-zoster. A doença acomete mais crianças, na época de frio, devido a aglomeração em locais fechados.

A transmissão da doença se dá pelo contágio direto com secreção respiratória (tosse, espirros), contato com a pele e líquido das bolhas, de pessoas infectadas; ou pelo contato com objetos contaminados, como roupas de cama, talheres ou maçaneta.

Sintomas da catapora

Os sintomas se iniciam como as viroses comuns, com febre, mal-estar e falta de apetite. Depois evoluem com manchas vermelhas que coçam muito e passam a formar bolhas cheias de líquido no interior. As bolhas secam e formam crostas dentro de 7 a 10 dias, até curar completamente, por volta de 14 dias.

As feridas aparecem em todo corpo, principalmente na face, no tronco, couro cabeludo, mucosas, axilas e virilhas.

Leia também: Quais são os sintomas da catapora?

Segundo o Ministério da Saúde, aos primeiros sintomas sugestivos de catapora, é necessário procurar um serviço de saúde para avaliação médica e conduta adequada.

Pode lhe interessar também: Uma pessoa pode pegar catapora duas vezes?

Coceira na vagina pode ser candidíase?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, coceira na vagina pode ser candidíase, uma infecção vaginal causada pelo fungo Candida albicans. A candidíase pode causar coceira na vulva, coceira na entrada da vagina e coceira dentro da vagina.

Além de coceira vaginal, a candidíase pode causar o aparecimento de corrimento vaginal branco espesso e abundante, semelhante a requeijão, ardência nos grandes lábios e na vagina, dor durante a relação sexual, dor ao urinar, vermelhidão e inflamação da vulva (parte externa da vagina).

Como aliviar a coceira na vagina em caso de candidíase?

O tratamento da candidíase é realizado com pomada ginecológica para coceira, creme, comprimidos vaginais ou supositórios e comprimidos orais. Para aliviar a coceira e a ardência na vagina são usados remédios antifúngicos, como miconazol, clotrimazol, tioconazol e butoconazol.

A pomada ginecológica ou o remédio antifúngico podem precisar ser usados por até 7 dias. Se a mulher não tiver infecções repetitivas, pode ser indicado um medicamento de 1 dia, tomado em dose única.

Quando a coceira nas partes íntimas femininas e os outros sintomas são mais graves ou quando a mulher tem candidíase vaginal com frequência, pode ser necessário usar medicação por até 14 dias, além de pomada ginecológica com azol ou tomar comprimidos de fluconazol todas as semanas para prevenir novas infecções.

Além da candidíase, o que mais pode causar coceira na vagina?

A coceira na vagina também pode ser causada por certos distúrbios da pele ou infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). Em casos raros, o prurido vaginal pode ser sintoma de câncer de vulva.

Coceira na vulva ou na entrada da vagina em, geral, tem como causas alergia ou irritação. Já uma coceira dentro da vagina pode ser sintoma de alguma infecção causada por fungos ou bactérias. Nesse caso, além da coceira, é comum haver corrimento vaginal e inchaço local.

Abaixo seguem as principais causas de coceira na vagina, na vulva ou na região ao redor da vagina.

1. Alergia

A exposição da vagina a produtos químicos irritantes pode causar coceira. Esses irritantes podem desencadear uma reação alérgica que cria uma erupção cutânea com coceira em várias áreas do corpo, incluindo a vagina.

A alergia pode ser causada por calcinha de nylon, sabonete, absorvente, perfume, desodorante, amaciante de roupa, sprays femininos, duchas, cremes, pomadas, papel higiênico perfumado, entre outros.

O uso de calcinhas de material sintético e o uso frequente de calça jeans, sobretudo nos dias mais quentes, podem irritar a vulva (parte externa da vagina), provocando coceira e aumentando as chances de candidíase.

O que fazer: quando a coceira na vagina é causada por alergia, é necessário identificar o que está provocando a reação alérgica e afastar o agente irritante para acabar com a coceira. Além disso, é importante usar calcinhas de algodão e evitar o uso de calças jeans apertadas.

2. Doenças da pele

Algumas doenças de pele, como eczema e psoríase, podem causar vermelhidão e coceira na região da vagina.

No eczema, surge uma erupção avermelhada com textura escamosa e que coça. A psoríase provoca o aparecimento de manchas vermelhas escamosas, sobretudo no couro cabeludo e nas articulações. Porém, às vezes, esses sintomas também podem ocorrer na vagina.

O que fazer: na maioria das vezes, o tratamento das doenças de pele que causam coceira na vagina é feito com pomadas e remédios aplicados diretamente no local. Em alguns casos, pode ser necessário tomar medicamentos por via oral.

3. Vaginose

Além de coceira na vagina, leva ao aparecimento de corrimento vaginal cinzento e normalmente com mau cheiro, dor durante as relações sexuais e ardência ao urinar.

A vaginose surge quando ocorre um desequilíbrio nas bactérias que compõem a flora vaginal ou no pH da vagina. É parecida com uma infecção vaginal causada por fungos, como a candidíase.

O que fazer: o tratamento da vaginose pode ser feito com medicamentos antibióticos orais ou pomada vaginal com antibiótico. A vaginose pode ser transmitida para o parceiro, por isso ele também pode precisar receber tratamento.

4. Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs)

Além de coceira na vagina, as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), antes chamadas de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), podem causar dor, sensação de formigamento, queimação, aparecimento de corrimento com cheiro e feridas. Clamídia, herpes genital, tricomoníase e gonorreia estão entre as ISTs mais comuns.

O que fazer: o tratamento da infecção sexualmente transmissível depende da doença e da sua causa. Nas infecções causadas por vírus, são usados medicamentos antivirais específicos para a doença. Nas doenças causadas por bactérias e fungos são utilizados medicamentos antibióticos e antifúngicos, respectivamente.

5. Menopausa e alterações hormonais

A menopausa pode causar coceira na vagina devido à falta de lubrificação vaginal, provocada pela queda dos níveis do hormônio estrógeno.

Gravidez, pré-menopausa e uso de anticoncepcional hormonal também podem causar alterações hormonais que levam à secura vaginal, o pode causar coceira na vagina.

O que fazer: uma vez que a coceira na vagina nesse caso é causada pela falta de lubrificação, o uso de lubrificantes vaginais pode ajudar a aliviar a coceira. Se o prurido for muito intenso, pode ser indicada a aplicação de pomada vaginal de estriol.

6. Líquen escleroso

Causa coceira na vagina e o aparecimento de vários pontinhos brancos na pele. O líquen escleroso pode estar relacionado com alterações hormonais e imunidade baixa.

O que fazer: o objetivo do tratamento do líquen escleroso é aliviar os sintomas e acelerar a cicatrização. Se os sintomas forem leves, pode não ser necessário tratamento. O tratamento pode incluir:

  • Anti-histamínicos;
  • Medicamentos para acalmar o sistema imunológico (em casos graves);
  • Corticoides orais ou em pomadas para diminuir a inflamação e reduzir a resposta imune;
  • Injeções de corticoides na lesão;
  • Vitamina A em pomada ou comprimido;
  • Terapia com luz ultravioleta.
7. Líquens vulvares

Caracteriza-se pelo aparecimento de lesões na vagina e não tem uma causa conhecida. Provoca coceira intensa na vagina e pode evoluir para câncer de vulva.

O que fazer: o tratamento da coceira na vagina causada por líquens vulgares geralmente é feito com pomada vaginal de corticoide. A pomada pode eliminar completamente os sintomas em mais de 70% dos casos.

A aplicação da pomada vaginal, em geral, é realizada duas vezes ao dia, por três meses, além de doses de manutenção posteriormente. Em alguns casos, pode ser necessário manter as doses de manutenção por até 10 anos.

8. Câncer de vulva

Em casos raros, a coceira na vagina pode ser um sintoma de câncer de vulva, que é a parte externa do órgão genital feminino. Inclui os lábios interno e externo da vagina, o clitóris e a abertura da vagina.

O câncer de vulva nem sempre causa sintomas. No entanto, quando os sintomas ocorrem, eles podem incluir coceira, sangramento anormal ou dor na região vulvar.

O que fazer: o tratamento do câncer de vulva normalmente é feito através de cirurgia para retirar o tumor. A radioterapia também pode ser indicada. O tratamento é feito por meio da aplicação de radiação no local para destruir as células cancerosas.

Quando procurar um médico em caso de coceira na vagina?

É importante consultar um médico ginecologista ou médico de família quando a coceira na vagina for intensa. A mulher também deve procurar o médico se a coceira persistir por mais de uma semana ou vier acompanhada de algum dos seguintes sintomas:

  • Feridas ou bolhas na vulva;
  • Dor ou sensibilidade na região genital;
  • Vermelhidão ou inchaço na vagina;
  • Dificuldade para urinar;
  • Corrimento vaginal;
  • Dor ou desconforto durante a relação sexual.

Em caso de coceira na vagina, na vulva ou em qualquer local das partes íntimas femininas, consulte um médico ginecologista ou médico de família para fazer uma avaliação e receber o tratamento adequado.

Tratamento para a micose na virilha: pomadas para parar a coceira
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para aliviar a coceira intensa na virilha nos casos de micose, é preciso aplicar um produto antifúngico no local da infecção, seja pomada, creme, loção ou spray.

O produto trata a infecção e alivia os sintomas, mas é importante também, que a região esteja limpa e seca, para a ação efetiva do remédio e para evitar o retorno da micose.

Dependendo do tipo de micose e gravidade, além do produto local, pode ser preciso fazer tratamento oral com medicamentos antifúngicos. Cabe ao médico alergista ou dermatologista, avaliar caso a caso.

Tratamento de micose na virilha 1. Tópico

O tratamento da micose deve ser feito com pomadas antifúngicas, cremes, spray ou loção. As mais indicadas são:

  • Terbinafina®,
  • Cetoconazol®,
  • Miconazol® e
  • Clotrimazol®.

A medicação deve ser aplicada 2x ao dia, após limpar e secar bem o local, durante 15 a 30 dias, ou conforme a orientação médica.

Medicamentos à base de nistatina não apresentam boa resposta para as micoses de virilha. As pomadas com corticoides também devem ser evitadas, pois não ajudam no tratamento e podem mascarar sinais e sintomas importantes para a avaliação médica.

2. Medicamentos orais

Os medicamentos orais estão indicados em conjunto com as pomadas, nos casos de:

  • Micose muito extensa, que chega a região da barriga ou glúteos;
  • Casos que não respondem ao tratamento com pomadas por mais de 2 semanas;
  • Pessoas com baixa imunidade.

Os medicamentos mais indicados são: Terbinafina®, Itraconazol® ou Fluconazol®.

As dosagens e tempo de uso são avaliados de maneira individual.

3. Cuidados gerais
  • Higiene local,
  • Secar bem as regiões de dobra após o banho (axilas, virilhas e dedos dos pés),
  • Manter essas regiões secas, com troca de roupa constante ou uso de talco líquido se preciso (como para os casos de sudorese excessiva),
  • Evitar roupas com tecidos quentes ou material sintéticos, que impedem a transpiração normal da pele,
  • Evitar roupas apertadas,
  • Evitar andar descalço em locais que sempre estão úmidos, como vestiários, saunas e lava-pés de piscinas,
  • Trocar logo as roupas molhadas,
  • Não compartilhar toalhas, roupas ou escovas de cabelo,
  • Evitar calçados fechados por períodos prolongados.

Os cuidados gerais são fundamentais para resolver a micose e para evitar recidivas.

Sintomas de micose na virilha

A infecção fúngica na virilha, denominada tinea cruris, ou simplesmente micose na virilha, se apresenta principalmente com placas avermelhadas, bolhas, descamação, coceira intensa e a vermelhidão pode se espalhar até região inferior do abdômen e glúteos, nos casos mais graves.

Contudo, existem outras causas de vermelhidão na virilha que se assemelham à micose, mas tem uma origem diferente. Essas situações devem ser identificadas, porque o tratamento com antifúngicos pode piorar o problema.

Outras causas de vermelhidão na virilha Alergia

A alergia na região da virilha se apresenta com placas avermelhadas e pequenos pontos vermelhos com coceira intensa, causada por calor excessivo, uso de roupas sintéticas ou uso de diversos produtos de higiene e de beleza irritativos à pele daquela pessoa.

O tratamento se baseia em afastar a produto alergeno inicialmente e pomada antialérgica. Na maioria das vezes é suficiente, mas se a reação alérgica permanecer, pode ser preciso acrescentar um antialérgico em comprimido, como o hixizine®.

Assadura

A assadura é um tipo de dermatite de contato, causada pela fricção da pele contra outra área do corpo ou contra a roupa. Se apresenta com vermelhidão, coceira e ardência local.

O tratamento é basicamente evitar esse contato. A proteção da pele deve ser feita com uso de roupas mais largas e leves, ou com o uso de pomadas e hidratantes que protegem a pele.

O uso de bepantol® e vaselina sólida são os produtos mais indicados para acelerar a cicatrização e evitar novas assaduras.

Dermatites

As dermatites geralmente se caracterizam pela presença de placa avermelhada, com descamação mais grosseira, pele oleosa e coceira. São reações que pioram com o calor, especialmente no verão, quando as temperaturas estão constantemente mais altas.

O tratamento da dermatite é feito com pomadas de corticoides, sempre pelo menor tempo possível, hidratação diária e cuidadosa, além do cuidado com roupas adequadas e confortáveis, para evitar a irritação da pele.

O que pode causar micose na virilha?

A micose na virilha pode ser causada por suor excessivo, uso inadequado de roupas, roupas sintéticas, quentes e apertadas por períodos prolongados.

Pode ocorrer pela contaminação direta do fungo através de roupas, toalhas ou buchas higiênicas compartilhadas, pelo contato sexual com pessoas contaminadas ou pela autocontaminação, quando existe uma infecção fúngica no corpo, nos pés ou unhas e acaba com o manuseio e coceira, levando o fungo para outros locais.

Existem também fatores de risco, que aumentam as chances dessa fungo conseguir vencer o sistema de defesa da pessoa, e se proliferar, desencadeando a infecção. A baixa imunidade é o principal fator, outros fatores são o sexo masculino, diabetes, HIV, estresse, obesidade, pratica intensa de esportes e maus hábitos de higiene.

Para maiores esclarecimentos, procure um(a) médico(a) dermatologista para melhor avaliação e conduta para o seu caso.

Leia também: Que tipos de micose existem?

Balanite provoca coceira no pênis?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, balanite provoca coceira no pênis, sendo esse um dos seus principais sintomas. A balanite é uma inflamação da glande (“cabeça do pênis"). Quando a inflamação atinge também a pele que recobre a glande (prepúcio), é chamada balanopostite. Ambas podem causar coceira, além de dor, inchaço, vermelhidão, descamação, aumento da temperatura, irritação e feridas no local.

Em casos de infecção, a balanite pode provocar o aparecimento de bolhas com pus e secreção peniana com odor desagradável. A presença de febre não é comum.

Outros sinais e sintomas da balanite e da balanopostite incluem ainda impotência, dificuldade ou dor para urinar e dificuldade para controlar o jato de urina devido ao estreitamento do canal urinário.

Quais as causas da balanite?

A principal causa da balanite é a infecção pelo fungo Candida albicans. Contudo, infecções por vírus, (HPV), bactérias (streptococcus, gonorreia, clamídia) e protozoários (tricomoníase) também podem causar balanite.

Dentre os fatores que favorecem o desenvolvimento da balanite estão a falta de higiene, a aplicação de produtos irritantes no local (sabonete, medicamento, lubrificante) e a presença de fimose (incapacidade de retrair o prepúcio e expor a glande).

Por isso, a balanite e a balanopostite são mais comuns em homens que não fizeram a cirurgia da fimose e/ou hábitos de higiene inadequados.

A falta de arejamento do local, a irritação provocada pela urina e pela secreção branca e pastosa entre a glande e o prepúcio (esmegma), a umidade e o clima quente são fatores que favorecem o desenvolvimento de infecções no pênis, sobretudo aquelas causadas por fungos e bactérias.

O diabetes, quando não controlado, pode baixar a imunidade e aumentar a predisposição para desenvolver balanite e balanopostite, sendo também um fator de risco.

Outro fator que contribui para o aparecimento da balanite é a presença de condições ou doenças que causam inchaço, como insuficiência cardíaca, obesidade mórbida, cirrose hepática e alergias.

Também existem casos de balanopostites crônicas, provocadas por inflamações autoimunes, como a balanopostite xerótica obliterante. Nesses casos, pode haver estreitamento da pele que recobre a glande (prepúcio).

Qual é o tratamento para balanite?

O tratamento da balanite é feito através de higiene adequada, cuidados locais (controlar a umidade, suspender a utilização de certos produtos) e uso de medicamentos orais ou aplicados no local da inflamação. Se a infecção por causada por fungos, são utilizados apenas antifúngicos. Se houver uma infecção bacteriana associada, também são usados antibióticos.

Em casos de balanopostites de repetição, pode ser indicada a cirurgia de fimose, mesmo quando é possível retrair a pele que recobre a glande.

Quando a balanite é provocada pelo uso de produtos irritantes, é preciso identificá-lo e suspender o seu uso.

O médico urologista é o especialista indicado para diagnosticar e tratar a balanite e a balanopostite.

Coceira na palma das mãos ou na sola dos pés, pode ser alguma doença?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A coceira na palma das mãos ou na sola dos pés é um sintoma frequente, sendo que, em muitos casos, é decorrente do ressecamento da pele. Quando é originada pela secura da pele, melhora com hidratação, ou espontaneamente, com o decorrer do tempo.

No entanto, quando a coceira torna-se muito frequente e intensa ou vem acompanhada de lesões na pele, ou outros sintomas, pode sim indicar alguma doença.

O que pode ser coceira nas mãos e/ou nos pés?

Além da pele seca, outras causas frequentes de prurido na palma das mãos e plantas dos pés são:

Disidrose

É uma doença crônica da pele, que apresenta momentos de piora ou melhora. Ocasiona a presença de pequenas vesículas (pequenas bolhas) localizadas na palma das mãos e/ou planta dos pés, principalmente na região lateral dos dedos.

Essas lesões podem evoluir para bolhas maiores e descamações. Provoca também coceira na região.

Eczema

O eczema é uma condição caracterizada por pele muito seca e pruriginosa, pode ocasionar a presença de bolinhas de água ou formação de crostas. Diferentes doenças podem se manifestar através de eczema.

A dermatite atópica é uma das principais doenças relacionadas ao aparecimento do quadro eczematoso. É também uma doença de pele associada a condições alérgicas, como asma e rinite, pode acometer qualquer região do corpo, inclusive mãos e pés.

Reações alérgicas

O contato com substâncias ou agentes irritantes pode desencadear uma reação alérgica, que pode se manifestar através da dermatite de contato, um tipo de eczema que ocorre no local que entrou em contato com a substância irritativa.

Reações alérgicas também podem se manifestar através da presença de urticárias, bolhas, vermelhidão na pele e outras reações cutâneas, presentes também em mãos e pés.

Psoríase

A psoríase é uma doença de pele crônica, de provável etiologia autoimune, que leva a formação de placas hiperemiadas e descamativas na pele, principalmente em áreas como cotovelo e joelhos.

Pode também acometer mão e pés, sendo que existe uma forma de psoríase que acomete especificamente a palma das mãos e dos pés, a psoríase palmoplantar.

Escabiose

A escabiose ou sarna é uma doença de pele, contagiosa, causado por um parasita o Sarcoptes scabie, que deposita os ovos sobre a pele causando intensa coceira e erupções cutâneas ou crostas.

Pode atingir as palmas das mãos e as plantas dos pés, principalmente em bebês e crianças, mas pode acometer outras regiões do corpo como as axilas, seios, nádegas, genitais e abdômen.

Infecções fúngicas

Algumas infecções fúngicas podem também atingir as mãos e os pés. A tínea pedis é uma infecção típica do pé, popularmente é conhecida por pé de atleta. Causa intensa coceira principalmente entre os dedos, também pode provocar vermelhidão e descamação nos pés.

Diabetes

O diabetes pode causar uma condição chamada de neuropatia diabética, ocasionando sintomas de formigamento, coceira e dormência, principalmente nos pés, mas também pode atingir as mãos.

A má circulação também provocada pelo diabetes pode piorar ainda mais esses sintomas.

Na presença de coceira em mãos ou pés intenso e frequentes consulte um médico de família, clínico geral ou dermatologista para uma avaliação.

Leia também: Coceira no corpo, o que pode ser e o que fazer?

Quando a coceira no corpo pode ser um problema grave?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A coceira (prurido) no corpo na maioria das vezes é um sintoma benigno, frequentemente é decorrente da irritação e ressecamento da pele. Outras vezes, o prurido pode vir acompanhada de rash, vermelhidão ou outros sintomas, podendo indicar doenças locais ou sistêmicas.

A coceira na pele pode indicar um problema sério, de maior gravidade e que exige uma avaliação médica, quando:

  • Ocorre pelo corpo inteiro;
  • Vem acompanhado de outros sintomas como vermelhidão, aparecimento de caroços e inchaço, ou icterícia (pele e olhos amarelados).
  • Afeta a sua vida diária;
  • Dura mais de 2 semanas ou passa, mas volta recorrentemente;
  • É muito intensa.

Algumas situações de coceira intensa pode indicar doenças sistêmicas, como problemas hepáticos, hipertireoidismo ou doença renal. Por isso, deve-se estar atento a situações de prurido muito intenso e constante.

O que pode causar coceira na pele?

A coceira no corpo pode ter inúmeras causas, as principais são:

  • Pele seca;
  • Reações alérgicas a alimentos, picadas de insetos, pólen e medicamentos;
  • Contato com produtos químicos irritantes, cosméticos e outras substâncias;
  • Infestações parasitárias como sarna, piolhos na cabeça e no corpo;
  • Picadas de insetos;
  • Infecções fúngicas;
  • Eczema, psoríase e outras doenças da pele;
  • Alterações hormonais durante a gravidez ou menopausa;
  • Doenças hepáticas, renais ou da tireoide;
  • Doenças que podem afetar o sistema nervoso, como diabetes e herpes zoster;
  • Alguns tipos de câncer (raro).

Portanto, caso apresente coceira na pele constantemente ou apareçam outros sinais e sintomas como descritos acima, consulte um médico de família ou clínico geral para uma avaliação inicial.

Também pode-lhe interessar:

Coceira na pele, o que pode ser e o que fazer?

Coceira na pele pode ser dermatite atópica? Saiba os sintomas
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A coceira na pele é sim um dos sintomas de dermatite atópica, também caracterizada pela presença de lesões avermelhadas que, às vezes, descamam.

A dermatite atópica é uma inflamação crônica das camadas superficiais da pele e é muito comum em pessoas com tendência a desenvolver alergias ou portadores de doenças como bronquite, asma e rinite.

Quais os sintomas da dermatite atópica? Marcas na pele provocadas pela coceira na dermatite atópica.

Em geral, a dermatite atópica tem início quando a pessoa ainda é bebê, com menos de 4 meses de vida. Os sintomas incluem:

  • Surgimento de áreas vermelhas na pele;
  • Bolhas e/ou escoriações;
  • Coceira intensa na pele que piora com a transpiração;
  • Pele seca ou espessa devido ao ato de coçar e esfregar a pele repetidas vezes;
  • As lesões de pele aparecem em uma única área do corpo ou em alguns locais específicos: parte da frente do pescoço, mãos, braços, área anterior dos cotovelos e atrás dos joelhos, especialmente em crianças e adultos.

Nos bebês as áreas de vermelhidão no rosto se espalham para o couro cabeludo, pescoço, braços, mãos, pés e pernas. Grandes superfícies do corpo podem ser afetadas.

O que posso fazer para aliviar a coceira?

Alguns cuidados com a pele são importantes para aliviar a coceira e evitar que as lesões provocadas pela dermatite atópica piorem. As recomendações são para:

  • Tomar banho apenas uma vez ao dia: muitos banhos durante o dia contribuem com o ressecamento da pele e pode piorar a coceira;
  • Utilizar sabonetes que promovam a hidratação da pele como, por exemplo, os sabonetes de aloe vera. Evite os sabonetes comuns;
  • Manter a pele hidratada por meio do uso de hidratantes ou vaselina após o contato com a água;
  • Secar o corpo, após o banho ou qualquer contato com a água, fazendo movimentos de pressão na pele. Evite esfregar a pele como normalmente fazemos, pois o ato de esfregar pode piorar as lesões;
  • Sempre usar cremes hidratantes imediatamente após o banho, enquanto a pele estiver úmida;
  • Cuidar da sua saúde emocional. O estresse piora as manifestações da doença. Para isto, pratique atividade física, faça meditação e/ou desenvolva hábitos que proporcionam prazer.
Dermatite atópica tem cura?

Não. A dermatite atópica não tem cura. Ela se torna mais leve aos 5 anos de idade. Porém, na adolescência e na vida adulta os surtos de dermatite atópica são comuns.

Qual o tratamento da dermatite atópica?

Por não ter cura, o tratamento da dermatite atópica consiste em manter os cuidados com a pele, sobretudo controlar os fatores que desencadeiam as crises, com o objetivo de aliviar a coceira, minimizar e/ou melhorar as lesões.

Além dos cuidados com a pele, alguns medicamentos orais e locais como creme e unguentos de corticoides podem ser utilizados para aliviar a coceira. Os corticoides também podem ser administrados por via oral.

A fototerapia (exposição a luz ultravioleta) é uma outra modalidade de tratamento que pode ajudar a melhorar as lesões provocadas pela dermatite atópica.

Para definir o melhor tratamento é importante a avaliação das lesões e do histórico do paciente. Para isso, consulte um médico de família, clínico geral ou dermatologista.

Como a dermatite atópica é diagnosticada?

O diagnóstico de dermatite atópica é feito pela avaliação das características da lesão de pele e do histórico familiar do paciente.

É importante informar se você tem tendência a alergias ou se tem histórico de alergias na família. Testes na pele ou exames de sangue podem ser necessários.

O médico de família, clínico geral ou dermatologista são os profissionais mais indicados para diagnosticar dermatite atópica.

Leia mais

Referência

Sociedade Brasileira de Dermatologia