Perguntar
Fechar
Posso estar grávida? Quantos dias de atraso menstrual é considerado gravidez?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. A gravidez é possível sempre que há uma relação sexual sem o uso de um contraceptivo, seja ele a camisinha ou anticoncepcional hormonal.

É considerado atraso menstrual, a menstruação atrasada 15 dias, ou mais. Antes disso pode ser um atraso normal, apenas uma irregularidade menstrual, o que é comum na maioria das mulheres. As principais causas são as alterações hormonais naturais ou alguma situação de doença, estresse ou ansiedade.

No entanto, o primeiro sinal de gravidez é o atraso menstrual, e por isso, mesmo sem mais nenhum sintomas, na presença de atraso por mais de 15 dias, é indicado realizar um teste de gravidez, para confirmar ou descartar essa possibilidade. O exame pode ser feito antes de 15 dias, mas se for negativo, deverá ser repetido, para maior confiabilidade.

1. Quais são os sintomas de gravidez?

Além do atraso menstrual, que é o principal sintoma da gravidez, outros sintomas podem estar presentes no início da gravidez (5ª ou 6ª semana de gestação), como náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, cansaço, aumento do número de vezes que urina, urgência urinária, sonolência, alterações do paladar e do olfato.

À medida que a gravidez avança, outros sintomas começam a surgir, como aumento da barriga, prisão de ventre, azia, desconforto no baixo ventre, variações de humor, falta de ar e tontura.

2. Posso fazer exame de gravidez ante mesmo da menstruação atrasar?

Sim. O exame de sangue Beta-HCG já dá positivo 1 semana após a gravidez ter ocorrido mesmo antes da menstruação atrasar.

3. Atraso menstrual seguido por pequeno sangramento ou corrimento tipo "borra de café" pode ser gravidez?

Sim. Se há possibilidade de gravidez (relações sem proteção), pode ser um sangramento chamado, sangramento de nidação, quando o óvulo fecundado penetra no útero.

4. A menstruação veio diferente neste mês, posso estar grávida?

Talvez. Nem toda a alteração na menstruação significa gravidez. Menstruação que veio pouco ou veio com coloração amarronzada, tipo "borra de café", ou aumentada, até podem significar gravidez, mas existem muitos outros motivos.

O principal motivo é o uso de anticoncepcional hormonal, especialmente quando troca de medicação. Contudo, se houve relação sem proteção, é recomendado fazer o exame de gravidez.

5. Posso estar grávida e menstruar normalmente?

Não. Na gravidez não existe menstruação. A menstruação é a descamação da parede do útero, por não ter havido a implantação de um óvulo e é dado início a um novo ciclo menstrual.

Quando ocorre um sangramento, semelhante à menstruação durante a gravidez, é preciso informar imediatamente ao obstetra, pois pode ser sinal de um problema grave, como a gravidez na trompa ou início de abortamento.

6. Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não. O uso de anticoncepcional não interfere no resultado do exame de gravidez Beta-HCG.

7. Relação sem proteção com coito interrompido (ejacular fora) pode engravidar?

Sim. Pode engravidar, o coito interrompido, embora possa ser utilizado como método contraceptivo, é um método de baixa eficácia, com taxas elevadas de falha. Por isso não deve ser usado, converse com o seu médico e veja outras opções para o seu caso, afim de evitar uma gravidez não planejada.

8. Penetração com o pênis sujo de esperma ou líquido seminal engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda a vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez. Isso porque pode haver ainda espermatozoides viáveis no líquido de lubrificação do pênis, possibilitando uma gravidez.

9. Introduzir os dedos sujos de esperma ou líquido seminal na vagina pode engravidar?

Talvez sim. Sempre que espermatozoides viáveis chegam à vagina, existe a chance de gravidez.

Para maiores esclarecimentos sobre esse assunto, converse com o seu (sua) médico (a) ginecologista.

Conheça mais sobre o assunto nos seguintes artigos:

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Coceira no pênis, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A coceira no pênis pode ter várias causas, uma delas pode ser a alergia a algum produto como sabonetes e o látex da camisinha (preservativo), ou uma infecção.

As infecções também podem causar coceira, como a candidíase, que é uma infecção causada por um fungo (Candida albicans) e que pode ser transmitida pela relação sexual. Às vezes só se manifesta em um dos parceiros e pode causar além da coceira, irritação e vermelhidão no local. Nas mulheres é comum o aparecimento de secreção vaginal. Ambos os parceiros devem ser tratados. 

Outras infecções como a herpes genital e a tricomoníase podem causar coceira no pênis que, geralmente, aparece acompanhada de outros sintomas como bolhas no pênis (herpes), ardência e dificuldade para urinar (tricomoníase).

Leia também: Coceira que piora durante a noite: o que pode ser?

É necessário a realização de um exame clínico e/ou laboratorial para o diagnóstico adequado da causa da coceira no pênis. O urologista ou o dermatologista são os profissionais indicados para realizar o diagnóstico e orientar o tratamento. 

Também pode lhe interessar: 

Dor no pênis. O que pode ser?

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?

Coceira na cabeça é sinal de doença no couro cabeludo?

Corrimento no pênis: o que pode ser e como tratar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Corrimento no pênis pode ser uma infecção ou inflamação do canal urinário, uma condição chamada uretrite, que caracteriza-se por uma secreção ou corrimento amarelado, abundante e com mau cheiro e às vezes acompanhada de dor ao urinar.

A contaminação pode ocorrer através de relação sexual anal ou vaginal sem preservativo, mesmo que seja entre parceiros fixos. Os agentes principais da uretrite são: Neisseria gonorrhoeae (gonorreia) e Chlamydia trachomatis. As duas são doenças sexualmente transmissível.

O tratamento é feito com medicamentos antibióticos específicos, de acordo com o tipo de bactéria que provocou a infecção. É importante lembrar que o tratamento deve ser feito pelos dois parceiros, pois pode haver reinfecção se um dos parceiros ficar sem tratar.

Esses sintomas podem ser avaliados pelo/a clínico/a geral, medico/a de família ou urologista que poderão indicar o tratamento mais adequado em cada caso.

Também pode lhe interessar:

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Ferida no pênis pode ser sinal de infecção sexualmente transmissível (IST), câncer de pênis, má higiene, alergia ou micose.

Feridas na cabeça do pênis (glande) também podem ser causadas pelo atrito durante a relação sexual, principalmente em homens que não fizeram a cirurgia da fimose e tendem a ter a glande mais sensível.

Uma IST que pode causar ferida no pênis é a sífilis. O primeiro sinal é uma ferida que surge no pênis mas que não provoca dor e desaparece mesmo sem tratamento. Depois de alguns meses aparecem manchas pelo corpo, que também resolvem-se espontaneamente. Com o passar dos anos, a sífilis pode causar lesões na pele, cegueira, doenças neurológicas, ósseas e cardiovasculares, podendo levar à morte se não tratada devidamente.

O câncer de pênis caracteriza-se pela presença de uma ferida na glande com aspecto irregular e odor muito desagradável, podendo ser dura e elevada. O câncer de pênis ocorre mais frequentemente em locais com baixo nível socioeconômico e está relacionado com má higiene e infecção pelo HPV.

A ferida no pênis também pode ser decorrente de uma balanite, que é uma inflamação na cabeça do pênis. A balanite pode ou não estar associada a uma infecção. Normalmente, está relacionada com micro-organismos infecciosos transmitidos através de relação sexual desprotegida. A inflamação também pode ser causada por doenças de pele, alergias, traumas, má higiene ou ainda câncer de pênis.

Leia também: Dor no pênis. O que pode ser?

Os principais sintomas da balanite são dor na cabeça do pênis, vermelhidão e aumento da temperatura local. Também pode haver inchaço e feridas na glande. Quando há infecção, podem estar presentes bolhas com pus, além de coceira e secreção com mau cheiro.

A presença de feridas no pênis pode ser avaliada pelo/a médico/a de família, clínico/a geral, urologista ou infectologista que poderá realizar o diagnóstico específico e indicar o tratamento apropriado para o seu caso.

Também podem lhe interessar:

Tenho o pênis inchado, o que pode ser?

Coceira no pênis, o que pode ser?

Corrimento no pênis: o que pode ser e como tratar?

É normal ter cólica depois da relação sexual?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Cólica depois da relação sexual pode sim ser normal.

Durante o ato sexual, ocorre a estimulação de diversas regiões sensíveis, que resultam em contrações musculares, que podem ser percebidas como cólicas.

E no momento do orgasmo acontece a contração do útero e da musculatura da região pélvica, o que pode também dar origem a cólicas, sempre de pequena a moderada intensidade.

Além disso, dependendo da posição sexual e do tamanho do pênis, o colo do útero pode ser facilmente alcançado. Assim, penetrações fortes e excessivas podem causar desconforto e cólica após a relação sexual.

Contudo, outras situações como a doença inflamatória pélvica, a infecção urinária e inflamações vaginais, podem ter como sintoma principal, as cólicas após relações. Nesse caso, as cólicas vêm associadas a outros sintomas como, a dor abdominal, ardência ao urinar e corrimento.

Caso você sinta cólicas fortes ou dor abdominal após as relações sexuais com frequência, especialmente se associadas a outros sintomas, consulte o médico de família, clínico geral ou ginecologista para obter um diagnóstico adequado.

Pode lhe interessar também:

Porque sinto tanta dor em minha barriga depois da relação?

Minha vagina fica inchada e dolorida após a relação...

Sinto minha barriga mexer: o que pode ser?

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Soltar gases pela vagina é normal? O que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Gases que saem pela vagina, principalmente durante o ato sexual, são normais. O ar que entra no canal vaginal durante a relação e sai sob pressão faz um barulho semelhante ao dos gases intestinais.

Esse ar fica comprimido no interior da vagina e pode sair de forma ruidosa durante a própria penetração, quando ocorre uma mudança de posição ou ainda depois da relação sexual. São os chamados “flatos vaginais”.

Trata-se de uma situação absolutamente normal e frequente durante as relações sexuais, sobretudo em posições em que a abertura da vagina é maior, o que favorece a entrada de ar.

É preciso lembrar que o canal vaginal é uma cavidade oca, em forma de tubo. Com a penetração do pênis, o ar que está no interior da vagina pode ficar comprimido nesse tubo e sair de forma barulhenta sob pressão.

Parto normal pode causar gases vaginais?

A entrada de ar na vagina pode ocorrer em mulheres que já tiverem ou não tiverem filhos. Portanto, o parto normal não tem propriamente relação com os “gases vaginais”.

Contudo, bebês relativamente grandes que nascem por parto normal podem deixar a vagina ligeiramente mais larga, favorecendo a entrada de ar durante as relações após o parto.

Isso acontece porque as fibras musculares dos músculos do períneo podem ficar distendidas depois do parto e não voltar ao seu estado anterior, perdendo o tônus e a força de contração.

É possível diminuir a saída de gases pela vagina?

Uma forma de tentar diminuir esses "gases vaginais" é fortalecer a musculatura do assoalho pélvico e aprender a controlar esses músculos. Isso garante um maior contato do pênis com a parede do canal vaginal, diminuindo o espaço para haver entrada de ar. Além disso, esses exercícios também ajudam a prevenir a incontinência urinária e a queda dos órgãos pélvicos.

Para maiores esclarecimentos, converse com o ginecologista, médico de família ou fisioterapeuta especialista em uroginecologia.

Leia também:

Ardência no órgão genital depois da relação é normal? O que pode ser?

Fazer sexo em excesso causa algum mal?

Inchaço, vermelhidão, coceira, irritação na vagina?

Relação sem penetração ou ejaculação pode ficar grávida?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Relação sem penetração ou ejaculação dentro ou na entrada da vagina, não engravida. No entanto, se houve penetração, mesmo sem ejaculação, existe o risco de gravidez.

Isso porque o fluido que sai do pênis durante a relação, antes do homem ejacular, pode conter espermatozoides. Neste caso, apesar das chances de engravidar serem reduzidas, elas existem.

O chamado "coito interrompido", que consiste em tirar o pênis da vagina pouco antes de ejacular, não é considerado um método anticoncepcional seguro.

A melhor forma de evitar uma gravidez é utilizando um método contraceptivo eficaz, como a camisinha ou a pílula anticoncepcional, por exemplo. A vantagem do preservativo é que previne também doenças sexualmente transmissíveis.

Relações sexuais sem penetração vaginal não é capaz de causar gravidez. Porém, uma relação sexual com penetração vaginal mas sem ejaculação na vagina pode causar gravidez. Se o casal não deseja uma gravidez, é importante utilizar métodos contraceptivos eficazes.

Procure o/a clínico/a geral, médico/a de família ou ginecologista para escolher o melhor método indicado.

Leia também: É possível engravidar tomando anticoncepcional?

Posso engravidar se inserir o pênis sujo de esperma na vagina?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, é possível engravidar se inserir o pênis sujo de esperma na vagina. Mesmo que a quantidade de esperma já não seja tão grande, ainda existem lá espermatozoides. Apesar de estarem em número reduzido, basta que um deles consiga chegar ao óvulo para ocorrer fecundação e uma gravidez.

Mesmo que o seu namorado tivesse limpado o pênis depois de tirar a camisinha, ainda haveria chances de gravidez.

Qualquer relação sexual com penetração do pênis na vagina sem o uso de camisinha, pílula anticoncepcional ou outro método contraceptivo, mesmo que tenha sido praticado o coito interrompido, pode engravidar.

O coito interrompido consiste na retirada do pênis da vagina no momento da ejaculação. Apesar desta prática diminuir um pouco as chances de gravidez, uma vez que a ejaculação ocorre fora da vagina, ainda há chances da mulher engravidar. O coito interrompido não é método anticoncepcional adequado e eficiente.

Espere pela sua menstruação e se ela atrasar mais de 15 dias, faça um teste de gravidez. Se der positivo, consulte o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Para saber mais sobre as possibilidades de gravidez, veja também:

É possível engravidar fazendo coito interrompido?

Porque sinto tanta dor em minha barriga depois da relação?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor no "pé da barriga" após uma relação sexual, que acontece com muita frequência, pode ser um tipo de "dor pélvica crônica". Trata-se de uma situação comum entre as mulheres, que não é grave, e o tratamento depende da doença de base.

Tanto doenças físicas como emocionais podem causar dor pélvica, sendo as mais frequentes, a endometriose, doença inflamatória crônica, vaginismo e a cistite. O ideal é que procure uma avaliação médica para saber a causa e adequado tratamento.

No seu caso, o médico pode indicar remédios para evitar a dor após as relações, remédios para depois da relação, no intuito de controlar a dor e remédios de longo prazo, para tratar a dor crônica e tentar "curar" ou melhorar o problema.

Causas de dor após a relação, nas mulheres

1. Endometriose: doença ginecológica muito comum entre as mulheres, caracterizada pela presença de pequenas ilhas de tecido do endométrio (camada interna do útero), fora do útero, levando as sintomas de dor pélvica crônica, dor durante as relações, cólicas intensas na menstruação e dificuldade de engravidar.

2. DIP (doença inflamatória pélvica): inflamação nos órgãos reprodutores femininos, o local mais comum são as trompas. Além das dores e desconforto durante a relação, é comum haver corrimento com odor forte, cólicas, febre e mal-estar.

3. Vaginismo: Doença mais rara entre as mulheres, onde a musculatura da vagina se contrai de forma involuntária, causando dor local, dor pélvica e desconforto durante a relação. Parece ter relação com situações de estresse e ansiedade, mas não é um fator obrigatório.

4. Cistite: Infecção da bexiga, que leva a dor pélvica, dor durante a relação pela proximidade e inflamação da parede do órgão, ainda, ardência ao urinar, jatos pequenos de urina e vontade constante de ir ao banheiro. Não costuma ser uma causa de dor crônica, mas em casos de imunidade baixa, pode ser recorrente, causando os sintomas de desconforto nas relações.

E nos homens? Quais são as causas de dor na barriga depois da relação sexual?

Nos homens também pode ocorrer a dor abdominal após a relação, embora seja bem mais raro. Geralmente a causa é simples, tem relação com contração muscular natural, que acontece após o orgasmo. Mas se junto a dor apresentar outros sintomas como secreção pelo pênis, ardência ao urinar e/ou febre, pode indicar uma infecção sexualmente transmissível (IST) ou uma infecçāo urinaria.

Em ambas as situações, será preciso iniciar tratamento específico com antibióticos. Por isso, se suspeitar de infecçāo, procure um atendimento medico, de preferência com urologista, para avaliação.

O que fazer?

O primeiro passo deve ser procurar um ginecologista (para as mulheres) e urologista (para os homens), para avaliação. Definindo a causa, o tratamento mais indicado será prescrito e orientado pelo médico em questão.

Até que seja feito o diagnóstico e tratamento adequado, pode tentar o uso de remédios para controlar a dor antes ou após as relações, como o ibuprofeno ou relaxante muscular (miosan®).

Conheça um pouco mais sobre esse tema nos artigos abaixo:

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Relação com Camisinha
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico
1 - Tive relação e usamos camisinha, ela não estourou, posso engravidar?

Não. Camisinha é um método anticoncepcional seguro.

2 - Tive relação e usamos camisinha, ela estourou, posso engravidar?

Sim. Quando a camisinha estoura pode ocorrer gravidez. Mesmo não havendo ejaculação dentro da vagina existe um pequeno risco de ocorrer gravidez.

2.1 - A camisinha estourou, mas ele não gozou dentro.

Pode engravidar do mesmo jeito. O risco de gravidez tende a ser bem menor quando não há ejaculação dentro da vagina, mas ainda assim existe a chance de gravidez.

3 - Tivemos relação com camisinha e depois ele tirou e encostou o pênis sujo em mim, posso engravidar?

Não. Se não há penetração (esperma da ejaculação não entra na vagina) não há como ocorrer gravidez.

 4 - Tivemos relação com camisinha e depois ele tirou a camisinha, lavou o pênis e fizemos novamente sem camisinha, posso engravidar?

Sim. Uma pequena quantidade de esperma pode ficar na uretra no interior do pênis após uma ejaculação.

Leia também: O que fazer para tirar camisinha que ficou dentro da vagina?

Aquele lubrificante que sai do pênis pode engravidar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

É difícil engravidar nessa situação. Não é impossível, mas as chances são muito pequenas. Mas respondendo especificamente sua pergunta: o lubrificante que sai do pênis pode conter espermatozoides e a mulher pode engravidar sim.

Veja também:

Penetração sem ejaculação na vagina, tem como engravidar?

Tive sangramento depois da relação sexual. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sangramento depois da relação sexual pode indicar:

  • Ruptura do hímen (na primeira relação sexual);
  • Presença de infecções sexualmente transmissíveis;
  • Alergia ao látex do preservativo;
  • Traumas durante a relação sexual;
  • Atrofia vaginal (secura vaginal);
  • Presença de inflamação no colo do útero ou vagina (mulheres) ou na uretra (homens);
  • Câncer vaginal;
  • Presença de lesões vaginais (miomas ou pólipos);
  • Presença de lesões no pênis;
  • Endometriose.

Para identificar a causa do sangramento, é importante observar as características desse sintoma, como a: coloração, quantidade de sangue perdida, duração e frequência do sangramento.

Esse sangramento, por exemplo, pode ser marrom escuro ou vermelho vivo a depender da causa específica.

É normal sangrar depois da relação?

No caso de ruptura do hímen sim. Na primeira ou primeiras relações de uma mulher, é comum a perda de pequeno sangramento vermelho vivo, que representa a ruptura do hímen. Película fina que recobre a parte interna da vagina. Geralmente não causa dor e acontece apenas uma vez.

Contudo, se for um sangramento mais frequente ou associado a outros sintomas, não é normal e deve ser investigado por um ginecologista, ou no caso dos homens, urologista.

Na presença de infecções sexualmente transmissíveis, por exemplo, além do sangramento, a mulher pode apresentar corrimento, mau cheiro e dor durante a relação. Este é um caso que necessita de tratamento com antibióticos ou antifúngicos, o mais rápido possível, para evitar maiores complicações como a infertilidade.

Situações onde o sangramento é frequente, com dor, próximo ao período de menopausa, pode indicar a secura vaginal, por falta de estrogênio natural dessa fase de vida da mulher. Para melhorar os sintomas basta recorrer à reposição do hormônio, quando não há contraindicação.

O sangramento frequente, sem dor, sem corrimento ou outros sintomas, pode indicar outros problemas como a presença de pólipos, mioma ou mesmo, um câncer vaginal ou de pênis. Doenças que são tratadas de formas distintas, após avaliação médica individual.

Na presença de sangramento após a relação sexual, principalmente se for frequente, é indicado procurar o/a médico/a de família, ginecologista ou urologista (para os homens), para uma avaliação detalhada, diagnóstico correto e tratamento adequado.

Leia também:

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.