Perguntar
Fechar

Pênis

Relação sexual sem proteção. Posso engravidar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sim. Relação sexual com penetração do pênis na vagina sem o uso de camisinha ou pílula anticoncepcional, mesmo se houver sido praticado o coito interrompido, pode engravidar, sim.

Caso ele não tenha ejaculado dentro da vagina as chances de gravidez diminuem um pouco, mas ainda existem, pois coito interrompido não é método anticoncepcional adequado e eficiente.

1.1 - Tive relação sem nenhuma proteção e a menstruação desceu normalmente posso estar gravida?

Se a menstruação desceu as chances de estar grávida é muito pequena.

2 - Tive relação e ele não gozou dentro, posso engravidar? Relação sem proteção com coito interrompido (ejacular fora) pode engravidar?

Sim. As chances “parecem” ser menores, mas pode engravidar sim, coito interrompido não é método anticoncepcional confiável. (ver resposta da pergunta 1).

3 - Penetração com o pênis sujo de esperma ou líquido seminal engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez.

4 - Lavar o pênis e penetrar na vagina engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez.

5 - Tive relação durante a menstruação posso engravidar?

Na verdade pode, mas é muito difícil. Em teoria esse é um período onde a mulher está menos propensa a engravidar assim como acontece logo nos primeiros dias após a menstruação e na semana anterior a menstruação.

6 - Tive relação no início do ciclo, posso engravidar?

Não. Na verdade pode, mas é muito difícil. Até o nono (9) dia do ciclo (sendo o dia que a menstruação desceu o primeiro dia) em ciclos regulares, a mulher está fora do seu período fértil e as chances de gravidez são poucas (quase zero nos dias da menstruação aumentando as chances gradativamente dia a dia, até a mulher entrar no período fértil – décimo dia do ciclo). Em caso de ciclos muito irregulares a resposta é sim, pode engravidar em qualquer período do ciclo.

7 – Tive relação no meio do ciclo, posso engravidar?

Sim. O meio do ciclo é justamente o período fértil da mulher, engloba o período que inclui o décimo (10) dia até o décimo sétimo (17) dia do ciclo (sendo o dia que a menstruação desceu o primeiro dia), isso para ciclos médios com mais ou menos 28 dias e regulares.

8 – Tive relação perto de a menstruação descer, posso engravidar?

Não. Na verdade pode, mas é muito difícil. O final (dez últimos dias) do ciclo (para ciclos regulares) é um período em que a mulher já está fora do período fértil. Em caso de ciclos muito irregulares a resposta é sim, pode engravidar em qualquer período do ciclo.

9 - Amassos e brincadeiras sem penetração, pode engravidar?

Não. Se não há penetração (esperma da ejaculação não entra na vagina) não há como ocorrer gravidez.

10 - Introduzir os dedos sujos de esperma ou líquido seminal na vagina pode engravidar?

Sim. Sempre que espermatozoides viáveis chegam na vagina existe a chance de gravidez.

11 - Encostar o pênis sujo de esperma na vagina engravida?

Não. Se não há penetração não há como engravidar.

12 - Qual a possibilidade de uma mulher engravidar após o contato da cabeça do pênis suja de líquido seminal com a vagina, sem penetração nem ejaculação?

Nenhuma possibilidade.

Atenção: 

Uma dica importante que talvez resolva a dúvida de muitas mulheres: menstruação não é o período fértil da mulher, quanto mais longe da menstruação mais fértil são os dias, tanto antes como depois da menstruação.

Tomei a pílula do dia seguinte, posso engravidar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sim. A eficácia da pílula do dia seguinte é inferior ao da pílula normalmente usada no dia a dia. Sua eficácia varia entre 0% e 80% dependendo do tempo que leva para tomar. Quanto mais demorar maior é a chance de gravidez.

Importante: a pílula do dia seguinte somente deve ser usada em situações especias como contraceptivo de emergência, jamais deve-se usar repetidamente porque existem sérios riscos à saúde (eventos tromboembólicos: infarto, derrame e trombose).

1 - Quando usar a pílula do dia seguinte?
  • Se teve uma relação sexual sem proteção com penetração do pênis na vagina (não usou camisinha ou anticoncepcional de qualquer tipo);
  • Se a camisinha estourou e não usa anticoncepcional de qualquer tipo;
2 - Quando não usar a pilula do dia seguinte?
  • Se usa anticoncepcional de qualquer tipo a mais de 10 dias;
  • Na pausa do anticoncepcional;
  • Se usou camisinha;
  • Se estiver menstruada;
  • Se estiver nos dias para ficar menstruada;
  • Se não houve penetração na vagina;
  • Se está amamentando.
3 - Tomei a pílula do dia seguinte e senti enjoo, é gravidez?

Provavelmente não. Esse é um efeito colateral frequente da pílula do dia seguinte. Podem ocorrer, também, vômitos, dor de cabeça, tontura, mal estar e sangramento antes do dia normal da menstruação com cólicas ou mesmo atraso menstrual.

4 - Tomei a pílula e depois de uns dias tive sangramento e cólicas, pode ser gravidez?

Esses sintomas são geralmente decorrentes do própria pílula do dia seguinte. Pequenos sangramentos e irregularidade menstrual são comuns após tomar a pílula do dia seguinte. Sempre lembrando que a eficácia da pílula do dia seguinte é limitada e não evita a gravidez em algumas mulheres. O fato de ter tido o sangramento não significa que não está grávida, pode estar  grávida mesmo com esse sangramento, apesar das chances serem pequenas.

A eficácia da pílula do dia seguinte independe da presença ou ausência de sangramento após ter tomado.

5 - Sangramento após tomar a pílula do dia seguinte?

É algo comum e "normal". O sangramento pode assumir várias formas: pode ser como uma menstruação normal ou pode ser diferente (pouco e claro ou pouco e tipo borra de café, ou pode até ter um sangramento forte como uma hemorragia).

A eficácia da pílula do dia seguinte independe da presença ou ausência de sangramento após ter tomado.

6 - Tomei a pílula do dia seguinte e não tive nenhuma reação ou efeito colateral e nem sangramento?

Que coisa boa, nem todas as mulheres vão sentir os efeitos colaterais dos remédios que tomam. A eficácia da pílula do dia seguinte independe da presença ou ausência de sangramento após ter tomado.

7 - Tomei a pílula do dia seguinte e a menstruação atrasou, o que faço?

Pode ser efeito da pílula, mas pode ser gravidez, espere até completar 15 dias de atraso e então faça o exame de gravidez.

8 - Se eu tomar a pílula do dia seguinte e estiver grávida?

Eventualmente está é uma possibilidade que ocorre, geralmente não levando a nenhuma grande consequência à gravidez e ao feto, a pílula do dia seguinte não é abortiva (não causa aborto) se assim fosse seria proibida no Brasil.

9 - A pílula do dia seguinte pode cortar o efeitos dos outros anticoncepcionais?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e portanto reforça o efeito dos outros anticoncepcionais.

10 - Estou amamentando, posso tomar a pílula do dia seguinte?

Não. As chances de gravidez na amamentação são pequenas e a pílula do dia seguinte pode até mesmo fazer você parar de produzir leite.

Posso estar grávida?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico
É possível eu estar grávida?

Provavelmente SIM: Se teve relação sexual sem proteção e se a menstruação atrasou.

Provavelmente NÃO: Se usa anticoncepcional certo, se usa camisinha, se usa injeção, se a menstruação veio.

TALVEZ: Se teve relação e não usou camisinha no primeiro mês de uso de anticoncepcional oral ou injetável, se não tomou a injeção no dia certo, se esqueceu de tomar a pílula no dia certo, se usou a pílula do dia seguinte, se faz sexo com coito interrompido, se a camisinha estourou.

Importante: se menstruou não deve estar grávida. Se quer saber se está grávida só existem duas maneiras de descobrir: fazer um exame de gravidez ou ultrassom.

Testes caseiros ou de testes de farmácia para gravidez não tem nenhum valor para a definição de estar ou não grávida, apenas testes feitos em laboratórios são confiáveis e levados em consideração para tomadas de decisões médicas.

1 - Posso fazer exame de gravidez ante mesmo da menstruação atrasar?

Sim. O exame de sangue Beta-HCG já dá positivo 1 semana após a gravidez ter ocorrido mesmo antes da menstruação atrasar.

2 - Com quantos dias de atraso posso suspeitar que estou grávida e devo fazer o exame de gravidez?

Pode-se fazer exames de gravidez de sangue ou teste de farmácia de urina a partir do primeiro dia de atraso da menstruação, porém como pequenos atrasos menstruais de poucos dias  são muito comuns, nós médicos costumamos esperar 15 dias de atraso menstrual para considerar um bom indício de gravidez. O ideal é a partir desse período procurar o médico e fazer o exame de gravidez.

3 - Atraso menstrual seguido por pequeno sangramento ou corrimento tipo "borra" pode ser gravidez?

Sim. Se há possibilidade de gravidez (relações sem proteção), pode sim ser gravidez.

4 - Pequeno sangramento ou corrimento tipo borra antes o nos dias que era para vir a menstruação seguido de atraso menstrual, pode ser gravidez?

Sim. Se há possibilidade de gravidez (relações sem proteção), pode sim ser gravidez.

5 - A menstruação veio diferente neste mês, posso estar grávida?

Talvez. Nem toda alteração na menstruação significa gravidez. Menstruação que veio pouco ou veio tipo borra de café, ou veio mais que o normal, até podem significar gravidez, mas existem muitos outros motivos, se teve relação sem proteção faça o exame de gravidez.

6 - Posso estar grávida e menstruar normalmente?

É algo que até pode acontecer, mas é raro, normalmente presença de menstruação indica ausência de gravidez.

7 - Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não.

8 - Relação sem proteção com coito interrompido (ejacular fora) pode engravidar?

Sim. Coito interrompido não é método anticoncepcional confiável.

9 - Penetração com o pênis sujo de esperma ou líquido seminal engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez.

10 - Encostar o pênis sujo de esperma ou líquido seminal na vagina engravida?

Não. Se não há penetração não há como engravidar.

11 - Lavar o pênis e começar de novo, engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez.

12 - Introduzir os dedos sujos de esperma ou líquido seminal na vagina pode engravidar?

Talvez sim. Sempre que espermatozoides viáveis chegam na vagina existe a chance de gravidez.

Links úteis:
Coceira no pênis, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A coceira no pênis pode ter várias causas, uma delas pode ser a alergia a algum produto como sabonetes e o látex da camisinha (preservativo), ou uma infecção.

As infecções também podem causar coceira, como a candidíase, que é uma infecção causada por um fungo (Candida albicans) e que pode ser transmitida pela relação sexual. Às vezes só se manifesta em um dos parceiros e pode causar além da coceira, irritação e vermelhidão no local. Nas mulheres é comum o aparecimento de secreção vaginal. Ambos os parceiros devem ser tratados. 

Outras infecções como a herpes genital e a tricomoníase podem causar coceira no pênis que, geralmente, aparece acompanhada de outros sintomas como bolhas no pênis (herpes), ardência e dificuldade para urinar (tricomoníase).

Leia também: Coceira que piora durante a noite: o que pode ser?

É necessário a realização de um exame clínico e/ou laboratorial para o diagnóstico adequado da causa da coceira no pênis. O urologista ou o dermatologista são os profissionais indicados para realizar o diagnóstico e orientar o tratamento. 

Também pode lhe interessar: 

Dor no pênis. O que pode ser?

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?

Coceira na cabeça é sinal de doença no couro cabeludo?

Corrimento no pênis: o que pode ser e como tratar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Corrimento no pênis pode ser uma infecção ou inflamação do canal urinário, uma condição chamada uretrite, que caracteriza-se por uma secreção ou corrimento amarelado, abundante e com mau cheiro e às vezes acompanhada de dor ao urinar.

A contaminação pode ocorrer através de relação sexual anal ou vaginal sem preservativo, mesmo que seja entre parceiros fixos. Os agentes principais da uretrite são: Neisseria gonorrhoeae (gonorreia) e Chlamydia trachomatis. As duas são doenças sexualmente transmissível.

O tratamento é feito com medicamentos antibióticos específicos, de acordo com o tipo de bactéria que provocou a infecção. É importante lembrar que o tratamento deve ser feito pelos dois parceiros, pois pode haver reinfecção se um dos parceiros ficar sem tratar.

Esses sintomas podem ser avaliados pelo/a clínico/a geral, medico/a de família ou urologista que poderão indicar o tratamento mais adequado em cada caso.

Também pode lhe interessar:

Tenho o pênis inchado, o que pode ser?

Dor no pênis. O que pode ser?

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?

Relação com Camisinha
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico
1 - Tive relação e usamos camisinha, ela não estourou, posso engravidar?

Não. Camisinha é um método anticoncepcional seguro.

2 - Tive relação e usamos camisinha, ela estourou, posso engravidar?

Sim. Quando a camisinha estoura pode ocorrer gravidez. Mesmo não havendo ejaculação dentro da vagina existe um pequeno risco de ocorrer gravidez.

2.1 - A camisinha estourou, mas ele não gozou dentro.

Pode engravidar do mesmo jeito. O risco de gravidez tende a ser bem menor quando não há ejaculação dentro da vagina, mas ainda assim existe a chance de gravidez.

3 - Tivemos relação com camisinha e depois ele tirou e encostou o pênis sujo em mim, posso engravidar?

Não. Se não há penetração (esperma da ejaculação não entra na vagina) não há como ocorrer gravidez.

 4 - Tivemos relação com camisinha e depois ele tirou a camisinha, lavou o pênis e fizemos novamente sem camisinha, posso engravidar?

Sim. Uma pequena quantidade de esperma pode ficar na uretra no interior do pênis após uma ejaculação.

Leia também: O que fazer para tirar camisinha que ficou dentro da vagina?

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Ferida no pênis pode ser sinal de infecção sexualmente transmissível (IST), câncer de pênis, má higiene, alergia ou micose.

Feridas na cabeça do pênis (glande) também podem ser causadas pelo atrito durante a relação sexual, principalmente em homens que não fizeram a cirurgia da fimose e tendem a ter a glande mais sensível.

Uma IST que pode causar ferida no pênis é a sífilis. O primeiro sinal é uma ferida que surge no pênis mas que não provoca dor e desaparece mesmo sem tratamento. Depois de alguns meses aparecem manchas pelo corpo, que também resolvem-se espontaneamente. Com o passar dos anos, a sífilis pode causar lesões na pele, cegueira, doenças neurológicas, ósseas e cardiovasculares, podendo levar à morte se não tratada devidamente.

O câncer de pênis caracteriza-se pela presença de uma ferida na glande com aspecto irregular e odor muito desagradável, podendo ser dura e elevada. O câncer de pênis ocorre mais frequentemente em locais com baixo nível socioeconômico e está relacionado com má higiene e infecção pelo HPV.

A ferida no pênis também pode ser decorrente de uma balanite, que é uma inflamação na cabeça do pênis. A balanite pode ou não estar associada a uma infecção. Normalmente, está relacionada com micro-organismos infecciosos transmitidos através de relação sexual desprotegida. A inflamação também pode ser causada por doenças de pele, alergias, traumas, má higiene ou ainda câncer de pênis.

Leia também: Dor no pênis. O que pode ser?

Os principais sintomas da balanite são dor na cabeça do pênis, vermelhidão e aumento da temperatura local. Também pode haver inchaço e feridas na glande. Quando há infecção, podem estar presentes bolhas com pus, além de coceira e secreção com mau cheiro.

A presença de feridas no pênis pode ser avaliada pelo/a médico/a de família, clínico/a geral, urologista ou infectologista que poderá realizar o diagnóstico específico e indicar o tratamento apropriado para o seu caso.

Também podem lhe interessar:

Tenho o pênis inchado, o que pode ser?

Coceira no pênis, o que pode ser?

Corrimento no pênis: o que pode ser e como tratar?

Mancha vermelha na cabeça de meu pênis pode ser sífilis?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sífilis é uma DST (Doença Sexualmente Transmissível) que tem um tempo de incubação de aproximadamente 14 dias e a lesão inicial é um cancro (ferida) no local do contato, mas como você só tem tido relações com camisinha e o sintoma descrito por você não parece ser a lesão típica da Sífilis, ao que tudo indica não é sífilis.

Procure um médico Urologista que examinará a lesão, fará o correto diagnóstico e tratamento.

Saiba mais em: 

Como ocorre a transmissão da sífilis?

Quais os sintomas e tratamento da sífilis?

Como é feito o Espermograma?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

O espermograma é feito com a coleta do esperma, através da masturbação, após 2 a 3 dias de abstinência sexual, ou conforme a orientação médica. Deve ser colhido pela manhã, no laboratório, hospital ou no domicílio, quando autorizado pelo médico.

No caso de ser colhido no hospital ou laboratório, o paciente é encaminhado para uma sala com banheiro e orientado como realizar a coleta. Muitas vezes essas salas são equipadas com uma cadeira confortável, vídeos e revistas para auxiliar a excitação e a masturbação. Lá ele ficará sozinho até conseguir realizar a coleta, que será feita num frasco com boca larga. Após terminar, deve tampar o frasco e deixar no local indicado que, usualmente, é um lugar discreto para evitar constrangimentos.

Orientações para a coleta do esperma:

  • lavar as mãos e o pênis com água e sabonete e enxaguá-lo bem,
  • passar o antisséptico, fornecido pelo funcionário, no pênis e na ponta do pênis (glande e orifício uretral), secar com a gaze, para retirar qualquer resíduo que possa interferir no resultado do exame,
  • coletar todo o esperma ejaculado diretamente no frasco recebido; se houver perda de alguma porção, o funcionário do laboratório deverá ser avisado, porque as perdas significam alteração nos resultados do exame,
  • não usar nenhum lubrificante, nem saliva, para realizar a coleta, porque podem interferir no resultado.

Leia também: Entendendo os Resultados do Espermograma

É possível que, em alguns casos, a coleta seja realizada na casa do paciente. Nessa situação o frasco com o esperma deverá ser entregue no laboratório até, no máximo, 1 hora após a coleta, ou segundo a recomendação do laboratório, e deve permanecer junto ao corpo para ficar aquecido, mantendo a temperatura corporal. 

O urologista é o especialista que poderá indicar e orientar a realização do espermograma.

HPV tem cura e quando pode levar ao câncer do útero?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O HPV (papilomavírus humano) pode ter cura, porque em algumas pessoas o sistema imunológico consegue combater e eliminar completamente o vírus, o que ocorre mais frequentemente em pessoas jovens e com imunidade íntegra. Além disso, muitos indivíduos infectados com HPV não manifestam sintomas. Porém, não existe uma cura definitiva para o HPV, uma vez que não há medicamentos ou tratamentos capazes de eliminar o vírus por completo.

Quando a infecção persiste, se tornando crônica, ocorre uma multiplicação desordenada das células, podendo evoluir para células precursoras de câncer.

O tipo de câncer mais relacionado a infecção por HPV é o câncer de colo de útero.

Dentro os 150 tipos conhecidos de HPV, apenas 12 deles estão comprovadamente relacionados ao desenvolvimento de câncer, seja ele de colo de útero ou de outros locais da mesma forma contaminados, como boca, ânus, pênis e vagina. 

Câncer de útero

O tratamento, ou a "cura" do HPV é temporária, ou seja, quando são retiradas as lesões. A destruição das verrugas é o objetivo do tratamento, que pode incluir o uso de medicamentos aplicados no local, cauterização ("queimar" a lesão), crioterapia (congelamento) ou ainda remoção através de cirurgia.

Por isso, a infecção por HPV na mulher merece muita atenção, já que praticamente todos os casos de câncer de colo de útero estão associados ao HPV.

Leia também: HPV tem cura definitiva?

Todo HPV vira câncer?

As infecções por HPV são muito frequentes, mas são passageiras e regridem espontaneamente na maioria das pessoas. No entanto, uma pequena parcela das mulheres manifesta infecções que persistem, geralmente decorrentes de tipos específicos de HPV altamente cancerígenos.

São essas lesões persistentes que podem vir a desenvolver uma lesão pré-cancerígena, que se não for detectada e tratada a tempo, pode se transformar em um tumor maligno.

A maioria dos cânceres de colo uterino, inclusive, são causados pelo HPV (99%). Os tipos de vírus são divididos em baixo-risco (HPVs tipo 6, 11, 40, 42, 43, 44, 54, 61, 70, 72, 81, e CP6108), encontrados geralmente em pacientes com verrugas genitais, e de alto risco (16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59, 66, 68, 73 e 82), sendo os tipos 16 e 18 relacionados com aproximadamente 70% dos casos de câncer cervical invasivo e mais de 90% das lesões intraepiteliais graves.

Veja também: Toda verruga é HPV?

Quando o HPV pode causar câncer de colo de útero?

O HPV pode causar câncer de colo de útero se o vírus em causa for específico para esta doença, já que das centenas de tipos de HPV, apenas cerca de 5% deles estão associados ao câncer de colo uterino, principalmente os tipos 16 e 18.

Também pode lhe interessar: HPV durante a gravidez: quais os riscos e como tratar?

O HPV é um vírus muito comum em pessoas sexualmente ativas, podendo estar presente em 70 a 80% dessa população. Na maioria dos casos, as infecções são passageiras. Porém, algumas mulheres apresentam infecção persistente, que podem vir a desenvolver lesões pré-cancerígenas no colo do útero.

A maior parte dos casos de câncer de colo de útero são desencadeados pelos HPV 16 e 18. A vacina, que faz parte do Calendário Nacional de Vacinação, está disponível gratuitamente através do SUS para meninas entre 9 e 13 anos de idade e protege contra esses vírus, além de outros tipos de HPV (6 e 11) que provocam verrugas genitais.

Veja também:

Quem deve tomar a vacina contra HPV?

Como tomar a vacina contra HPV?

Quais são os fatores de risco para câncer de útero?

Além do HPV, existem outros fatores de risco que contribuem para o desenvolvimento da doença, tais como imunidade, fatores genéticos, comportamento sexual (número elevado de parceiros), tabagismo, idade acima dos 30 anos, vida sexual com início precoce, gestações, o uso de pílula anticoncepcional.

Como ocorre a transmissão do HPV?

A transmissão do HPV se dá por via sexual, usualmente, mesmo com o uso de preservativos, sem a necessidade de penetração (com a masturbação ou o contato genital externo já pode ocorrer), mas existe também a possibilidade de transmissão vertical (da mãe para o feto), de auto-inoculação e ainda sem confirmação científica e bastante controversa, a transmissão por inoculação através de objetos contaminados com o HPV.

Leia também: HPV: o que é e como se transmite?

Como é feito o diagnóstico do HPV?

O diagnóstico é feito mais facilmente em homens (lesões geralmente visíveis na pele e órgãos sexuais). Em alguns casos deve ser feita uma anuscopia (geralmente em casos de relações sexuais anais) para observação das lesões. 

Nas mulheres, porém, além das lesões em pele, vulva e ânus, podem ocorrer em todo o trato genital até alcançarem o colo do útero, portanto o diagnóstico só é possível através da colpocitologia oncótica, colposcopia ou anuscopia. Também podem ser realizados exames de biologia molecular (hibridização in situ, PCR e captura híbrida).

Veja também: O que é o exame de captura híbrida?

Quais são os sintomas do HPV?

Os sintomas podem ser inexistentes ou o surgimento de verrugas com aspecto de couve-flor na pele e/ou mucosas. Se as alterações forem discretas, serão detectadas apenas em exames específicos. Se forem graves, pode ocorrer invasão de tecidos vizinhos com o surgimento de um tumor maligno como o câncer do colo uterino e do pênis.

Saiba mais em:

Quais são os sintomas do HPV?

HPV na garganta: Quais os sintomas e como tratar?

Qual é o tratamento para HPV?

São diversos tipos, com o objetivo principal de eliminar as lesões condilomatosas. Não há evidências que estes tratamentos eliminem ou alterem o curso natural da infecção pelo HPV.

Mesmo sem tratamento, as lesões podem desaparecer, ficarem inalteradas ou aumentarem de tamanho e número. Vários fatores devem ser levados em consideração: tamanho, número e local das lesões, opções do paciente, recursos disponíveis e experiência do profissional.

Os medicamentos e tratamentos usados para tratar o HPV incluem:

  • Podofilina 15% em solução alcoólica;
  • Ácido tricloroacético (ATA) 70% a 90% em solução aquosa;
  • Podofilotoxina 0,15% creme;
  • Imiquimod 5% creme;
  • Eletrocauterização (ou eletrocoagulação / eletrofulguração);
  • Criocauterização (ou crioterapia / criocoagulação);
  • Vaporização a laser;
  • Exérese cirúrgica;
  • CAF (cirurgia de alta frequência).

Veja também: Qual é o tratamento para HPV?

Recomendações:

  • É preciso destacar que o HPV pode ser transmitido na prática de sexo oral;
  • Informe seu parceiro (a) se o resultado do seu exame para HPV for positivo - ambos precisarão de tratamento;
  • O parto normal (vaginal) não é indicado para gestantes portadoras do HPV com lesões ativas;

Leia também: Qual é o tratamento para HPV?

Em caso de suspeita de HPV, um médico clínico geral, dermatologista, urologista (homens) ou ginecologista (mulheres) deve ser consultado para avaliação e tratamento adequado, caso a caso.

Nunca faça tratamentos por conta própria, sem antes consultar um médico. O exame colpo citopatológico (Papanicolau) deve ser realizado em mulheres de 25 a 64 anos de idade (ou mais jovens, que já tenham iniciado atividade sexual), uma vez ao ano. Após dois exames anuais negativos, pode ser feito a cada três anos. 

Mesmo os tipos de HPV que causam câncer têm tratamento na maioria dos casos. Contudo, é importante que a doença seja diagnosticada precocemente para que as lesões pré-cancerígenas sejam tratadas antes de evoluírem para tumores malignos.

Saiba mais em:

Quem tem HPV pode engravidar?

Homem com HPV pode ter filhos?

Quais os sintomas de câncer no colo do útero?

Quem tem HPV pode doar sangue?

É normal ter cólica depois da relação sexual?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Cólica depois da relação sexual é normal.

Com o orgasmo, ocorre a contração do útero e da musculatura da região pélvica, o que pode gerar essa cólica de pequena a moderada intensidade.

Durante o ato sexual ocorre a estimulação de diversas regiões sensíveis, o que pode resultar em contrações e gerar as cólicas.

Além disso, dependendo da posição sexual e do tamanho do pênis, o colo do útero pode ser facilmente alcançado. Assim, penetrações fortes e excessivas podem causar desconforto e provocar cólica após a relação sexual.

Contudo, ter cólicas ou dor abdominal durante ou após a relação sexual não é normal e pode ser sintoma de alguma infecção vaginal que deve ser investigada e tratada.

Caso você sinta cólicas fortes ou dor abdominal após as relações sexuais, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologia para obter um diagnóstico adequado.

O condiloma acuminado tem cura?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Sim, o condiloma acuminado (verrugas genitais, crista de galo, figueira ou cavalo de crista) tem cura. A escolha do seu tratamento depende das condições de saúde da pessoa, se ela está grávida e do local do corpo onde ele está presente, como na cabeça do pênis (glande), na região do ânus, na vagina, vulva ou na região do útero dentro da vagina (colo do útero).

Os tratamentos para o condiloma acuminado, que é causado pelo HPV (papiloma vírus humano), são utilizados individualmente ou combinados dependendo da avaliação médica e podem ser: retirada cirúrgica das verrugas, aplicação de medicamento no local pelo próprio paciente ou pelo médico, uso de laser; eliminação das verrugas com nitrogênio líquido (crioterapia) e uso de medicação para melhorar o estado de imunidade do paciente.

A prevenção do seu contágio e transmissão deve ser feita com o uso da camisinha, exames médicos periódicos (papanicolau) e a utilização de vacinas que podem evitar o reaparecimento do condiloma acuminado. 

O ginecologista e o urologista são os médicos que definirão o tratamento mais adequado do HPV.