Pergunte ao Médico
Como Funciona

Gastroenterologia

O que é xantelasma gástrico?

Xantelasma gástrico é uma doença rara, que ocorre no estômago, pode-se apresentar em uma ou mais lesões, são pequenas lesões de forma circular ou oval, com coloraçäo amarela ou amarelo-esbranquiçada. não sabemos bem a causa deste tipo de lesão, pode estra relacionado ao colesterol elevado, podemos dizer que de forma geral e leiga que xantelasma gástrico é um pequeno tumor do estômago geralmente benigno.

Dr. Charles Schwambach
Hérnia de hiato pode causar boca amarga?

Sim, hérnia de hiato pode causar boca amarga e mau hálito devido ao refluxo dos ácidos estomacais e do conteúdo alimentar (refluxo gastroesofágico).

Os sintomas da hérnia de hiato são, na realidade, provocados pela doença do refluxo, um problema muito comum em pacientes com hérnia hiatal. Dentre os principais estão:

  • Azia persistente (sensação de queimação no esôfago, sentida desde a porção superior do abdômen até à garganta);
  • Regurgitação de ácido e restos de alimentos;
  • Dificuldade para engolir;
  • Gosto amargo na boca;
  • Mau hálito.

Outros sintomas menos frequentes são:

  • Irritação na garganta;
  • Tosse crônica;
  • Rouquidão;
  • Sensação de engasgo noturno.

É importante lembrar que o refluxo gastroesofágico pode ocorrer mesmo sem hérnia de hiato, embora esta seja a sua principal causa.

A hérnia de hiato é o deslocamento do estômago para o tórax através do hiato esofágico, um orifício que permite a passagem do esôfago do tórax para o abdômen.

Quando o refluxo é pequeno, o tratamento da hérnia de hiato pode ser clínico, através de dieta adequada, orientação postural e medicamentos específicos. Se o refluxo for intenso ou se não houver resposta ao tratamento clínico, opta-se pela cirurgia.

O diagnóstico e o tratamento da hérnia de hiato é da responsabilidade do médico gastroenterologista.

Quais são as causas da síndrome do intestino irritável?

As causas da síndrome do intestino irritável (SII) não são totalmente compreendidas. Sabe-se que há um distúrbio funcional na motilidade dos intestinos. Os pacientes com síndrome do intestino irritável​ e dor abdominal apresentam predominantemente hiperatividade colônica, enquanto que os com diarréia, hipoatividade.

Admite-se atualmente que indivíduos com síndrome do intestino irritável​ apresentam, de forma congênita ou adquirida, uma maior susceptibilidade para desenvolver alterações motoras diante de vários estímulos fisiológicos e/ou emocionais.

Algumas alterações estão associadas ao surgimento da doença e estão listadas abaixo:

  • Anormalidades motoras do aparelho gastrointestinal: no intestino grosso, delgado e outros sítios (ex., esôfago, estômago, vesícula biliar, esfíncter de Oddi, bexiga e vias aéreas);
  • Anormalidade na sensibilidade visceral: sensibilidade aumentada;
  • Fatores relacionados ao sistema nervoso central (SNC): aspectos psicológicos e estresse;
  • Intolerância alimentar (ex., intolerância à lactose);
  • Características fecais, como excesso de sais biliares, butirato, alterações da flora intestinal.

O diagnóstico e tratamento da SII deverá ser feito pelo médico gastroenterologista.

Dra. Ângela Cassol
Síndrome do intestino irritável tem cura? Qual o tratamento?

A cura para a síndrome do intestino irritável é controversa. Muitos pacientes terão recidivas dos sintomas e alguns não terão mais sintomas após algum tempo. A evolução com o tratamento é imprevisível, mas se sabe que alguns fatores trazem pior prognóstico:

  • Persistência de uma vida cronicamente estressante;
  • Comorbidade psiquiátrica;
  • Sintomas de longa data;
  • Ansiedade excessiva.

O tratamento da síndrome do intestino irritável deverá ser individualizado, de acordo com o predomínio de sintomas diarréicos ou de constipação. As opções de tratamento são citadas abaixo:

  • Apoio psicológico: os pacientes são geralmente ansiosos, tensos, deprimidos e às vezes repletos de “fobias”. Um bom relacionamento médico-paciente é fundamental para o sucesso do tratamento. É importante explicar o diagnóstico, tanto o caráter funcional e recorrente da doença, como a sua não evolução para câncer. O objetivo principal da abordagem psicológica é fazer com que a pessoa reconheça o seu problema e os fatores que o provocaram e que aprenda a lidar com eles. Podem ser utilizados antidepressivos, especialmente para controle da dor abdominal. Outras técnicas podem ser úteis, como psicoterapia, técnicas de relaxamento e hipnose;
  • Orientação alimentar: deve-se adotar dieta rica em fibras e evitar legumes, repolho, rabanete, café, refrigerante e laticínios;
  • Antidiarreicos: indicados quando há predomínio de diarreia. Loperamida ou difenoxilato, um comprimido, por via oral, a cada 6h ou 8h, são os mais indicados;
  • Antiespasmódicos: incluem os anticolinérgicos, os bloqueadores dos canais de cálcio, os relaxantes da musculatura intestinal sem ação colinérgica e outros que são úteis nos casos de reflexos gastrocólico exagerados (vontade de defecar logo após as refeições);
  • Pró-cinéticos: incluem cisaprida e domperidona e devem ser empregados naqueles pacientes em que predomina a constipação;
  • Anti-inflamatórios para controle da dor abdominal;
  • Probióticos, como a cepa Bifidobacterim infantis e Bifidobacterium lactis.

O tratamento deverá ser prescrito pelo médico gastroenterologista.

Dra. Ângela Cassol
O que é a síndrome do intestino irritável?

A síndrome do intestino irritável é uma alteração da motilidade do tubo digestivo caracterizada clinicamente por anormalidades do hábito intestinal (constipação e/ou diarreia) e dor abdominal, na ausência de patologia orgânica demonstrável.

O diagnóstico é baseado no preenchimento dos Critérios de Roma III, que são citados abaixo:

  • Dor ou desconforto abdominal recorrente durante mais de três dias no mês, nos últimos três meses, com duas de três características:
  1. alívio com a defecação;
  2. início associado à alteração na frequência das evacuações (mais de três vezes/dia ou menos de três vezes/semana);
  3. início associado à alteração na forma (aparência) das fezes (fezes endurecidas, fragmentadas, em “cíbalos” ou “caprinas” e fezes pastosas e/ou líquidas).

Outros sintomas podem estar presentes a auxiliar no diagnóstico, como:

  • esforço excessivo durante a defecação;
  • urgência para defecar;
  • sensação de evacuação incompleta;
  • eliminação de muco durante a evacuação;
  • sensação de plenitude ou distensão abdominal;
  • antecedentes de sintomas anteriores sem explicação médica;
  • agravamento depois das refeições;
  • sintomas com duração superior a seis meses;
  • piora com o estresse;
  • acompanhado de ansiedade e/ou depressão.

Alguns sintomas e condições devem ser "alertas" para uma investigação mais acurada, para descartar outros diagnósticos. São eles:

  • Aparição dos sintomas depois dos 50 anos de idade;
  • Sintomas de aparição recente
  • Perda de peso não-intencional
  • Sintomas noturnos
  • Antecedentes familiares de câncer de cólon, doença celíaca, doença inflamatória intestinal
  • Anemia
  • Sangramento retal
  • Uso recente de antibióticos
  • Tumorações abdominais/retais
  • Elevação de marcadores inflamatórios
  • Febre

O diagnóstico e o tratamento devem ser feitos pelo médico gastroenterologista.

Dra. Ângela Cassol
Qual o tratamento para retocolite ulcerativa?

O tratamento da retocolite ulcerativa tem como objetivo tirar o paciente da crise e mantê-lo em remissão. O tratamento farmacológico é geralmente efetivo no controle da doença.

Para a forma clássica, são usadas sulfas e seus derivados. Se estes medicamentos não apresentarem bons resultados, podem ser usados corticoides, que agem com rapidez e eficácia, porém, devem ser retirados depois da melhora clínica, no período de manutenção. A prescrição de antibióticos é fundamental nos casos de megacólon tóxico. 

Após a retirada da crise, o tratamento de manutenção deve ser contínuo, para o resto da vida, com aminossalicilatos orais e/ou mesalamina tópica em doses progressivamente menores, até que apareçam sinais clínicos de recidiva. Nesse momento, a dose mínima foi descoberta para aquele paciente.

Deve-se também seguir uma dieta rígida; rica em fibras nos casos em que há constipação; pobre em frutas e vegetais frescos, cafeína e carboidratos não absorvíveis nos casos que cursam com cólicas abdominais e diarreias, reposição de ferro para pacientes com perdas sanguíneas relevantes e reposição de ácido fólico quando o paciente está fazendo uso de sulfassalazina.

O tratamento cirúrgico é definitivo, mas agressivo e indicado apenas para os casos que não respondem ao tratamento farmacológico, megacólon tóxico, perfuração intestinal, hemorragia incontrolável, complicações incontroláveis do tratamento medicamentoso e displasia de alto grau confirmada, displasia associada a lesão de massa (DALM) ou câncer.

Vale ressaltar que sempre um médico, preferencialmente um gastroenterologista, neste caso, deve ser consultado antes de iniciar qualquer tipo de tratamento por conta própria.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Febre e dores no pé da barriga e no estômago...

Febre e dores no pé da barriga e no estômago podem ser sintomas de:

  • Apendicite: A dor começa de forma difusa ao redor do umbigo e aumenta, indo depois para o pé da barriga, mais ao lado direito. Causa dores abdominais, febre e vômitos e precisa ser tratada com urgência;
  • Gastroenterite: Neste caso, a febre e as dores no pé da barriga vêm acompanhadas também de vômitos e diarreia;
  • Diverticulite: Na maior parte dos casos, provoca febre e uma dor no pé da barriga, mais localizada no lado esquerdo, em pessoas com mais de 60 anos;
  • Pedras na vesícula biliar: A dor abdominal ocorre devido à obstrução da vesícula por uma ou mais pedra. Se a obstrução for prolongada, a vesícula pode inflamar, causando, além da dor, febre e vômitos.

No seu caso específico, as fezes amareladas podem indicar um problema no fígado, uma vez que a falta de bile nas fezes pode deixá-las amarelas.

As pedras na vesícula são uma hipótese, mas o mais indicado é procurar um médico clínico geral ou médico de família o quanto antes para que seja diagnosticada e tratada a origem dos seus sintomas.

Esofagite pode dar dor nas costas e provocar sangramento?

Sim, esofagite pode dar dor nas costas e provocar sangramento. Na realidade, essa dor nas costas é uma dor irradiada do peito. Já o sangramento pode ocorrer principalmente em esofagites causadas por medicamentos ou quando a inflamação é muito grande.

A dor torácica é um dos sintomas da esofagite, uma vez que o esôfago está localizado no tórax. Porém, a dor pode irradiar para as costas, mandíbula e braços, sendo frequentemente confundida com uma dor cardíaca.

O sangramento ocorre sobretudo em esofagites causadas por medicamentos na forma de comprimidos, como anti-inflamatórios, corticoides, vitamina D, antibióticos, entre outros.

Nesses casos, a lesão ocorre principalmente quando o comprimido é engolido sem água ou o paciente está deitado.

Os primeiros sintomas (dor no peito, dor e dificuldade para engolir) geralmente surgem algumas horas após a ingestão do medicamento. A esofagite pode evoluir para hemorragia e perfuração do esôfago.

Casos de esofagite em que a inflamação é exacerbada também podem apresentar sangramento. O sangue pode ser observado no vômito ou nas fezes, que podem ser escuras devido à presença de sangue digerido.

Quais os principais sintomas de esofagite?
  • Dor no tórax ou na garganta: A dor pode se manifestar como uma sensação de queimação, de peso ou facada, podendo irradiar para as costas, madíbula e braços. Se a esofagite for causada por refluxo, a dor pode ser mais intensa após as refeições ou quando a pessoa está deitada;
  • Dificuldade para engolir: Quando o paciente engole, tem uma sensação de que o alimento fica entalado no peito e há também um aumento da dor torácica;
  • Sangramentos (hemorragia): Pode ocorrer quando a inflamação é mais acentuada, com presença de sangue no vômito e nas fezes

No entanto, dor nas costas e sangramento podem ser sintomas de muitas outras doenças e não ter nenhuma relação com a esofagite.

Por isso, o melhor é consultar o médico gastroenterologista para uma melhor investigação.