Perguntar
Fechar

Otorrinolaringologia

Sangue no nariz, o que pode ser?

A saída de sangue pelo nariz, chamada epistaxe, pode ter como causa uma simples irritação da mucosa nasal ou um resfriado, mas pode ser sintoma de problemas mais graves, como pressão muito alta ou distúrbios da coagulação do sangue.

Os sangramentos nasais esporádicos e eventuais são bastante comuns e raramente representam alguma ameaça mais séria à saúde.

É durante o inverno que o nariz pode sangrar com mais facilidade, devido aos fatores ambientais que favorecem o sangramento. A mucosa tende a ressecar com o ar frio que entra no nariz e formar crostas, que podem sangrar quando são irritadas ou retiradas.

Algumas causas de sangramento nasal:

  • Baixa umidade do ar, traumatismos nasais provocados por objetos introduzidos no nariz, alergias ou resfriados;
  • Assoar o nariz com muita força, "cutucar" o nariz, ar muito frio ou seco;
  • Espirrar repetidamente, inalação de substâncias irritantes, cirurgias no nariz ou próximas dele;
  • Deformidades anatômicas, inflamações derivadas de infecções do trato respiratório, como sinusite e rinite, corpos estranhos;
  • Tumores intranasais, uso de medicamentos nasais ou outros medicamentos que atuam na coagulação sanguínea, como aspirina e varfarina;
  • Traumas, distúrbios da coagulação do sangue, problemas cardíacos;
  • Leucemia, pressão alta, doenças infecciosas;
  • Anemia, uso de drogas, doenças vasculares.

Leia também: Nariz sangrar na gravidez é normal?

O que fazer em caso de sangramento nasal?
  1. Sente-se e incline-se para frente, tentando encostar o queixo no peito para evitar engolir o sangue;
  2. Aperte o nariz durante 5 (crianças) a 15 minutos fazendo uma pinça com o polegar e o indicador, fechando as narinas;
  3. Respire pela boca;
  4. Após esse tempo, pode descomprimir o nariz lentamente;
  5. Se o sangramento continuar, repita o procedimento por 10 minutos ou mais.

Além disso, aplique gelo ou compressas frias sobre dorso do nariz durante 10 minutos. A maioria dos sangramentos nasais cessam com esses procedimentos.

Grande parte dos sangramentos nasais tem origem na parte da frente do septo nasal e podem ser facilmente contidos. Já os sangramentos que acontecem na porção mais alta do septo podem ser mais difíceis de controlar.

Se o seu nariz sangra frequentemente, é recomendável procurar o/a médico/a clínico/a geral, médico/a de família ou médico/a otorrinolaringologista para descobrir a causa do sangramento e iniciar um tratamento.

Cuspir sangue é normal? O que pode ser?

Cuspir sangue não é normal e pode ser sintoma de alguma doença ou de lesões menos importantes no nariz ou na garganta. Cuspir sangue com expectoração (catarro) e tosse significa que o sangramento vem do pulmão ou das vias aéreas, o que pode indicar a presença de alguma das seguintes doenças:

  • Infecções pulmonares, como bronquite aguda ou bronquite crônica;
  • Câncer de pulmão;
  • Tuberculose pulmonar;
  • Infarto pulmonar (morte de uma parte do tecido pulmonar causada por obstrução de alguma artéria);
  • Bronquiectasias (dilatações anormais do brônquios pulmonares);
  • Hipertensão venocapilar (aumento da pressão sanguínea nas veias pulmonares que pode provocar a ruptura de pequenos vasos);
  • Insuficiência do ventrículo esquerdo do coração;
  • Estenose (estreitamento) da válvula mitral do coração.

Cuspir sangue sem tosse pode ser sinal de alguma lesão no nariz ou na garganta. Por exemplo, se a garganta estiver inflamada ou infeccionada pode haver pequenos sangramentos devido a pequenas lesões na mucosa e, ao sair a secreção, ela é acompanhada de sangue..

O mais indicado é consultar o/a clínico geral ou médico/a de família para o início de uma abordagem e entendimento da causa do sangramento.

Leia também:

Tossir sangue o que pode ser?

Ao tossir tenho catarro com sangue, o que pode ser?

Espirrar sangue o que pode ser?

Ouvido entupido: o que pode ser e o que fazer?

A sensação de ouvido entupido pode ter diversas causas, sendo que a mais comum e frequente está relacionada com a variação de pressão durante uma mudança de altitude, como ocorre durante a descida de uma serra ou quando o avião começa a descer, por exemplo.

Como o corpo demora algum tempo para se habituar a essa mudança de pressão, o ouvido fica entupido, pois a pressão do ambiente é diferente daquela que ele estava habituado.

Normalmente a situação se resolve ao engolir saliva, beber algum líquido ou bocejar. Outra forma de desentupir o ouvido é tapar o nariz, fechar a boca e soprar, sem deixar o ar sair.

No entanto, existem ainda outras situações que podem deixar o ouvido entupido:

  • Bruxismo: O deslocamento incorreto da mandíbula pode dar a sensação de ouvido tapado;
  • Bloqueio de algum ossinho do ouvido: No ouvido médio existem 3 ossinhos que ajudam a transmitir as ondas sonoras até o ouvido interno, por meio de movimentos em conjunto com o tímpano, através de contrações de músculos muito pequenos. Caso haja algum bloqueio ou disfunção nesse movimento, pode surgir a sensação de ouvido entupido;
  • Resfriado, gripe, rinite alérgica, aumento das adenoides: Podem causar obstrução nasal devido ao acúmulo de catarro, que pode ser empurrado para o ouvido, tapando-o;
  • Otite: As infecções de ouvido podem deixar o ouvido entupido. Normalmente a otite vem acompanhada de dor, febre, vertigem, tontura, além de agitação, choro fácil e perda de apetite, no caso das crianças;
  • Acúmulo de cera: O cerume em excesso pode obstruir parcialmente ou totalmente o conduto auditivo. Mesmo quando a quantidade de cera é normal, ela pode ser empurrada para o fundo do ouvido com a entrada de água ou com o uso de cotonetes, deixando o ouvido entupido e podendo até causar dor de ouvido.

Em caso de ouvido entupido, deve-se procurar o/a médico/a de família, clínico/a geral ou otorrinolaringologista para que as causas sejam devidamente identificadas e tratadas.

Também pode lhe interessar: Catarro no ouvido: quais os sintomas e como tratar?

Língua branca é sinal de doença?

A língua branca pode ter diversas causas, mas na maioria das vezes não é sinal de doença. Normalmente, a língua esbranquiçada é causada por bactérias, restos de alimentos e células mortas que se acumulam entre as papilas gustativas (saburra lingual).

Entretanto, quando apenas uma parte pequena da língua é branca, em especial quando a lesão branca é aveludada ou elevada como uma ferida, pode sim ser sinal de alguma doença.

Dentre as possíveis condições que podem deixar a língua saburrosa estão a má higiene bucal, consumo de bebidas alcoólicas, tabagismo, febre, boca seca, desidratação, efeito adverso de algum medicamento, falta de ferro ou vitamina B7, língua geográfica, entre outras.

Contudo, há casos em que a língua branca pode ser sinal de alguma doença. Problemas no fígado ou no aparelho digestivo podem prejudicar a absorção de vitaminas, levando ao aparecimento de um manto branco na boca. 

A leucoplasia também provoca a formação de uma placa esbranquiçada ou manchas brancas sobre a língua. Enquanto que a saburra lingual sai com raspagem, a camada branca nesse caso persiste. A leucoplasia requer atenção devido ao risco de evoluir para câncer. 

Veja também: Leucoplasia é câncer?

O aparecimento de placas ou manchas brancas na língua ocorre também na candidíase oral, uma infecção bucal causada por um fungo. Além da língua, a doença também pode se manifestar nas mucosas da boca, no céu da boca e na garganta (orofaringe). As lesões podem causar dor e sangrar em alguns casos.

Saiba mais em: Quais são os sintomas da candidíase?

Consulte o/a dentista ou médico/a de família se a sua língua permanecer branca por várias semanas ou se você não conseguir remover a camada branca com raspagem ou escovação.

Também podem lhe interessar:

Como tratar língua branca?

Língua geográfica: o que é, quais os sintomas e como é o tratamento?

Língua rachada o que pode ser? Qual o tratamento?

O que causa inflamação nas amígdalas e qual o tratamento?

A amigdalite (inflamação nas amígdalas) é uma doença infecciosa que atinge as amídalas, órgãos de defesa contra infecções. Pode ser causada principalmente por vírus (mais frequentemente em crianças de até três anos) e bactérias (jovens e adultos) ou uma associação dos dois agentes. Também pode ser causada por alérgenos, queda de pH que leva à irritação da mucosa das amígdalas (refluxo gastroesofágico), irritação causada por fumaça de cigarros ou álcool, frio e baixa umidade do ar.

Tratamento para Amigdalite

O tratamento das amigdalites bacterianas é feito com antibióticos específicos, e deve ser feito religiosamente nos horários corretos prescritos pelo médico e até o final. Suspender a medicação assim que desaparecem os sintomas (geralmente após 48 horas do início do tratamento) pode provocar complicações graves (febre reumática, escarlatina, glomerulonefrite pós-estreptocóccica, psoríase gutata), porque a bactéria ainda permanece ativa no organismo e pode tornar-se resistente àquele antibiótico.

As amigdalite virais só precisam de tratamento sintomático, com analgésicos e anti-inflamatórios.

Se a amigdalite for crônica, outras causas devem ser pesquisadas para descobrir a razão da inflamação e buscar o tratamento adequado.

A remoção cirúrgica das amígdalas (amigdalectomia ou tonsilectomia) só é indicada em casos específicos que não respondem ao tratamento clínico, causam grande incômodo ao paciente (caso da amigdalite caseosa) e/ou se repetem várias vezes ao ano, as chamadas amigdalites de repetição.

Leia também:

Qual é o melhor tratamento para amigdalite?

Tomar sorvete faz mal para quem está gripado ou com a garganta inflamada?

Sintomas da Amigdalite

Os sintomas mais comuns são febre, dor de garganta, dores no corpo, falta de apetite, halitose (mau hálito), cefaleias, prostração, dificuldade para engolir e, às vezes, inchaço dos gânglios do pescoço e da mandíbula, que têm a função de evitar a propagação da doença pelo organismo. É importante observar os sintomas para não os confundir com os de outras doenças como gripe e mononucleose.

Saiba mais em: Quais os sintomas de amigdalite?

Diagnóstico

O diagnóstico é simples, feito no exame físico da cavidade oral (oroscopia). É possível diferenciar a amidalite causada por vírus da bacteriana: nas amidalites bacterianas há inflamação importante nas amídalas, com edema e vermelhidão bastante visíveis e associada ao aparecimento de placas de pus na garganta e amígdalas. Nas amigdalites virais, a infecção é mais branda, atinge preferencialmente a região da orofaringe (amídalas e faringe) e não há presença de pus (com exceção do vírus Epstein-Barr - que causa a mononucleose infecciosa).

Recomendações e Prevenção
  • Evite o tabagismo. Fumantes ativos e passivos estão mais propensos às infecções das amígdalas;
  • Evite ambientes com ar-condicionado, que resseca as mucosas e diminui a resistência das amígdalas;
  • Em amigdalites de repetição, é importante afastar a hipótese de refluxo gastroesofágico, responsável pela mudança no pH da garganta e que pode facilitar o surgimento de inflamações;
  • Prefira ingerir bebidas mornas, sopas e alimentos macios, uma vez que são mais tolerados durante as crises;
  • Tome muito líquido para hidratar as mucosas;
  • Não deixe de tomar os remédios prescritos pelo médico mesmo após os sintomas da amidalite bacteriana desaparecerem para evitar complicações da doença;
  • Nunca se automedique. Medicamentos usados sem indicação precisa podem favorecer o aparecimento de bactérias resistentes.

Também podem ser do seu interesse:

Diferenças entre Amigdalite, Faringite e Laringite

Dor e dificuldade ao engolir. O que pode ser e o que fazer?

Garganta inflamada o que fazer?

Em caso de suspeita de amigdalite, um médico (preferencialmente um otorrinolaringologista) deverá ser consultado para confirmação diagnóstica, orientação e tratamento adequados, caso a caso.

Catarro no ouvido: quais os sintomas e como tratar?

O principal sintoma de catarro no ouvido é a sensação de ouvido entupido. Isso porque o acúmulo de secreção no ouvido atrapalha o funcionamento normal da audição, além de poder causar otites de repetição. A ocorrência de infecções de ouvido repetidas ou a diminuição da audição podem necessitar de tratamento cirúrgico.

O acúmulo de catarro no ouvido pode ocorrer devido a gripes frequentes, rinite alérgica, aumento das amígdalas e das adenoides, entre outras causas. O catarro fica acumulado no ouvido médio, parte do ouvido mais interna ao tímpano, levando à perda de audição.

Através do exame físico, o/a médico/a verifica a presença do catarro por trás do tímpano. O diagnóstico é confirmado por outros exames que indicam uma perda auditiva e uma menor vibração do tímpano.

O tratamento para catarro no ouvido é feito com medicamentos corticoides por via oral. Se não houver melhora do quadro depois de alguns dias, é então indicado o tratamento cirúrgico.

Nesse caso, o procedimento consiste na colocação de um pequeno tubo de ventilação no ouvido para drenar a secreção e impedir que ela se acumule novamente, restaurando a audição e prevenindo as infecções de repetição.

Caso você sinta catarro no ouvido, procure o/a médico de família ou médico/a clínico/a geral. Durante a consulta esse/a profissional avaliará a necessidade de encaminhamento para o/a médico/a otorrinolaringologista.

Saiba mais em: Ouvido entupido: o que pode ser e o que fazer?

Zumbido e pressão na cabeça: o que pode ser?

Zumbido e pressão na cabeça é um sintoma típico de perda auditiva. Na maioria dos casos, o zumbido no ouvido é decorrente de algum grau de surdez. Acredita-se que o cérebro sofre alterações nas áreas relacionadas com a audição, quando o som deixa de atravessar os ouvidos, gerando o zumbido.

Tais sintomas também podem indicar a presença de disfunção na articulação da mandíbula (ATM). Ainda não se sabe ao certo por que os distúrbios na ATM causam zumbido, mas acredita-se que haja alguma relação neurológica entre os músculos mastigatórios e os músculos do ouvido.

Outra explicação sugere que o zumbido seja causado pelo aperto exagerado dos músculos da mastigação, como acontece no bruxismo, o que pode comprimir algumas áreas próximas aos ouvidos e gerar o zumbido.

O zumbido também pode ser sintoma de doenças da coluna cervical, como hérnia de disco e bico de papagaio, além de poder estar relacionado com a alimentação. Há ainda diversas possíveis causas, como labirintite, diabetes, hipertensão arterial, entre muitas outras.

Já a sensação de pressão na cabeça pode ainda ter como causa a contração excessiva da musculatura mastigatória, que pode provocar dores de cabeça constantes ou intermitentes, como nas dores de cabeça tensionais. 

Surdez

Se o zumbido estiver relacionado com perda auditiva, a pessoa geralmente começa a ouvir rádio ou televisão com volume muito elevado, além de falar alto e pedir para os outros falarem mais alto.

A perda auditiva tem como principais causas otite, tumores, produção excessiva de cera, labirintite, disfunções nos nervos ou nos ossos que captam o som, infecções, exposição frequente a ruído excessivo, idade avançada, perfurações e inflamações do tímpano, entre outras.

O tratamento da surdez pode incluir cirurgia, uso de aparelhos auditivos ou de uma prótese coclear. A prótese substitui a função da cóclea, o órgão que capta o som.

Leia também: Deficiência auditiva: Quais os sintomas e como tratar?

Disfunções na ATM

Além do zumbido no ouvido, problemas na ATM podem causar sensação de ouvido tapado, dor de cabeça ao acordar, dor no ouvido, nos olhos ou nos músculos da face, estalos ao fechar ou abrir a boca, dor ao abrir muito a boca, mandíbula que sai do lugar ou trava, alterações no encaixe dos dentes, entre outros.

As causas para as disfunções na ATM ainda não estão totalmente esclarecidas, mas sabe-se que elas podem ter origem em fatores emocionais ou psicológicos, como ansiedade, estresse, depressão, além de má oclusão dentária, deformidades faciais ou ainda alterações posturais e musculares.

O tratamento depende do que está causando o problema, podendo incluir fisioterapia, medicamentos relaxantes musculares, analgésicos e anti-inflamatórios, cirurgia ou uso de placas de silicone na boca.

Bico de papagaio 

O bico de papagaio é um crescimento ósseo anormal entre as vértebras da coluna cervical, torácica ou lombar. Essa pequena saliência óssea tem a forma de um bico de papagaio, daí o nome da doença. 

O bico de papagaio ocorre devido ao desgaste do disco intervertebral. Sem o disco para dar estabilidade à coluna e absorver impactos, o organismo produz mais osso como forma de proteger e estabilizar a coluna vertebral.

Quando ocorre na coluna cervical, o bico de papagaio pode causar zumbido e pressão na cabeça, além de dor no pescoço, formigamento no pescoço, nos braços ou nas mãos, limitação dos movimentos da cabeça, alterações da sensibilidade no pescoço ou membros superiores e diminuição da força muscular nos braços.

As principais causas de bico de papagaio na coluna cervical são: predisposição genética, falta de atividade física, má postura, traumatismos na coluna e a idade avançada.

O tratamento pode ser feito com analgésicos e anti-inflamatórios, fisioterapia e exercícios específicos. A cirurgia é indicada nos casos mais graves. 

Saiba mais em: Qual o tratamento para bico de papagaio na coluna?

Hérnia de disco cervical

Entre as vértebras da coluna existe um disco fibroso cujo núcleo é gelatinoso. A função do disco intervertebral é estabilizar a coluna e amortecer impactos. Quando ocorre o rompimento do disco, e o núcleo gelatinoso extravasa, é formada a hérnia.

A hérnia de disco cervical tem como principais causas os movimentos bruscos, a postura inadequada e a idade avançada.

Além do zumbido no ouvido e da pressão na cabeça, a hérnia de disco pode causar ainda dor ou formigamento no pescoço e membro superior, alterações da sensibilidade no pescoço, braço mão ou dedos, diminuição da força no membro superior, entre outros sintomas.

Também pode lhe interessar: Quais os sintomas de hérnia de disco?

Má alimentação

Os hábitos alimentares também estão associados ao zumbido e à perda auditiva. Uma dieta rica em açúcar, por exemplo, aumenta os níveis de glicose no sangue e, como consequência, aumentam também os níveis de insulina. Esta última é um hormônio que tem a função de transportar a glicose (açúcar) para dentro das células, para que possa ser usada como fonte de energia.

Além dessa função, a insulina também atua no ouvido interno. Assim, em excesso, a insulina pode prejudicar a audição, gerando o zumbido no ouvido.

O consumo de bebidas alcoólicas ou bebidas com cafeína, também pode influenciar o funcionamento do ouvido. Isso acontece porque essas substâncias provocam uma contração dos vasos sanguíneos, diminuindo o seu calibre. Como consequência, a irrigação sanguínea do ouvido fica prejudicada, gerando zumbido ou piorando este sintoma. Por isso, pessoas com predisposição para ter deficiência auditiva devem evitar o consumo de álcool e cafeína.

A baixa ingestão de água ou ficar sem beber água por muito tempo também influencia a irrigação sanguínea do ouvido e pode gerar zumbido. Outro mau hábito alimentar que pode gerar zumbido, além de sensação de ouvido entupido e tonturas, é ficar em jejum por mais de 3 horas.

Consulte um médico clínico geral, um médico de família ou vá diretamente a um otorrinolaringologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Sangramento no ouvido, o que fazer?

Quando há sangramento no ouvido deve-se fazer uma limpeza externa cuidadosa do sangue que está na orelha. Se a pessoa com sangramento está deitada, deve-se manter a sua orelha posicionada para baixo e procurar um serviço médico.

O sangramento no ouvido geralmente é devido à uma lesão canal do ouvido ou no tímpano (membrana timpânica). Normalmente, o sangramento esta acompanhado de outros sintomas como tonturas, enjoos, vômitos, dores de cabeça, zumbido e diminuição da audição.

As causas mais comuns de sangramento nos ouvidos são: ferimento devido ao uso de algum objeto pontiagudo como cotonete ou grampo, infecção, tumores, pancada forte na orelha, fratura do crânio, variações muito grandes de pressão atmosférica, que podem ocorrer em voos e mergulhos e explosões.

Nessas situações deve-se procurar um clínico geral ou otorrinolaringologista para uma avaliação correta do problema.