Perguntar
Fechar
Grávidas não podem abaixar para pegar algo que caiu?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não é verdade. As orientações para a gestante em relação à barriga, são de cuidado com trauma direto, como pancadas ou quedas. Pode sim se abaixar, sempre com cuidado para não se machucar ou cair.

Uma das orientações para se abaixar de maneira adequada é: nunca se inclinar pra frente, estando ou não gestante. Mantenha a coluna ereta, apoiando o peso nas coxas, evitando assim a sobrecarga de peso na coluna. Além disso, tomar sempre cuidado com pisos escorregadios e sola de sapato muito fina.

A cabeça do bebê pode ser "amassada"?

Dificilmente. A cabeça do bebê está sempre bem protegida, existem vários planos de proteção que o organismo promove para a gravidez, naturalmente, até que chegue na cabeça do bebê.

Primeiro a estrutura pélvica da mulher, uma região bem estruturada, com ossos firmes e largos, diferente dos homens, inicia esse processo de proteção às estruturas pélvicas internas, como o útero.

Após os ossos da bacia, quando a mulher engravida, o seu organismo passa por diversas modificações físicas e hormonais, com o objetivo de aumentar essa proteção além de auxiliar durante a gestação, na nutrição e segurança do bebê.

O aumento do volume e espessura do útero, a formação da placenta e o líquido placentário, funcionam como amortecedores naturais para o feto. Por fim, as alterações hormonais possibilitam ao organismo, uma maior retenção de líquido, por isso os edemas são tão comuns na gestante, e acúmulo de gordura, conferindo uma fonte extra de energia, além de outra camada de proteção.

Portanto, para atingir a cabeça do bebê e chegar a causar deformidade ou "amassar" esse órgão, seria preciso acontecer um trauma muito intenso no abdômen.

A mulher pode e deve seguir sua rotina de vida de maneira responsável e saudável. Pode inclusive realizar atividades físicas, com devido acompanhamento e seguir as orientações adequadas oferecidas pelo programa de Pré-Natal.

O que a gestante pode ou não pode fazer?

Todas as atividades que a gestante tiver interesse em fazer, deve perguntar antes ao médico que a acompanha, ou à equipe de pré-natal. Entretanto, podemos sugerir em termos gerais o que ela deve ou não deve fazer durante a gestação.

Pode fazer
  • Atividades físicas, com profissional especializado nesta área,
  • Atividade sexual, desde que não cause desconforto à mulher,
  • Se alimentar mais vezes durante o dia e em menor quantidade,
  • Aplicar tonalizantes no cabelo a partir do segundo trimestre de gestação.
Não pode ou não deve fazer
  • Atividades físicas extenuantes,
  • Se automedicar,
  • Fumar,
  • Consumir bebidas alcoólicas,
  • Usar ducha higiênica,
  • Exposição à radiação,
  • Comer alimentos crus.

O esforço físico extenuante pode ocasionar aumento da temperatura corpórea e com isso aumenta o risco de danos ao bebê.

O uso de bebidas alcoólicas, apesar de polêmico e em alguns países haver liberação de certas doses, no Brasil, as sociedades e consensos contraindicam qualquer dose nesse período.

Leia também: Que alimentos e bebidas devem ser evitados durante a gravidez?

O que é o Pré-natal?

O pré-natal é um período de extrema importância para a evolução saudável de uma gestação. Durante o pré-natal a mulher é acompanhada por uma equipe multidisciplinar, que poderá oferecer todas as informações atuais e necessárias para cada tipo de mulher. Orientações quanto a rotina de consultas, vacinas nesse período, protocolos de exames na gestação e etc.

Acompanha as medidas de pressão arterial, açúcar no sangue e outros dados laboratoriais da mãe. Acompanha também, o desenvolvimento do bebê, se está dentro dos valores admitidos como normais, os batimentos cardíacos fetais e qualquer dúvida que possa surgir no período.

Assegurando assim uma gestação favorável e bem estar materno e fetal até o fim.

Mantenha acompanhamento regular com seu médico obstetra e siga rigorosamente as orientações do pré-natal.

Pode lhe interessar também: Barriga de grávida é dura ou mole?

.

Febre na gravidez faz mal ao bebê?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não, febre na gravidez não faz mal ao bebê, nem prejudica a saúde ou o desenvolvimento do feto, desde que não seja superior a 38,5ºC e esteja sob controle.

Febre alta, acima de 38,5ºC ou 39ºC, e prolongada durante a gestação pode provocar parto prematuro ou abortamentos, por isso é importante saber a causa da febre e vigiar a temperatura corporal.

Resfriados podem ser comuns na gravidez e dificilmente causam febre. Porém, se for uma gripe, a situação é diferente, pois é provável que haja febre e ela pode chegar aos 40ºC se não for controlada.

Durante o estado febril ou na presença de inflamações, o corpo libera substâncias chamadas prostaglandinas, que podem provocar contrações uterinas e causar abortamentos (principalmente no início da gravidez) e partos prematuros (no final da gestação).

Também é importante saber a causa da febre, o processo infeccioso que leva ao aumento da temperatura pode também causar complicações para a gestação e o bebê. 

O que fazer em caso de febre na gravidez?

Comunique o seu médico obstetra ou médico de família sempre que tiver febre durante a gestação, mesmo que seja uma febre baixa.

Se a febre ultrapassar os 38,5ºC, procure atendimento médico. Não deixe a febre subir e permanecer alta.

Algumas medidas que podem ajudar a controlar a febre e baixar a temperatura corporal, se a febre não estiver muito alta:

  • Tome um banho com água à temperatura ambiente (a água não deve estar gelada, senão pode piorar o quadro);
  • Beba bastante água;
  • Descanse o tempo que for necessário, mesmo depois da febre baixar.

Fale com o seu médico se tiver febre e não tome nenhum medicamento sem orientação médica.

Evite a automedicação durante a gravidez, pois muitos medicamentos podem ser prejudiciais ao bebê.

Também pode lhe interessar: Estresse durante a gravidez faz mal para o bebê?

Tomei Nimesulida e não sabia que estava grávida?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os anti-inflamatórios como o Cimelide (nimesulida) só devem ser usados na gestação sob orientação e prescrição médica, já que podem aumentar o risco de complicações no desenvolvimento do feto e podem prejudica o seguimento da gravidez.

Alguns estudos indicam que o uso de anti-inflamatório aumenta o risco de abortamento quando usado continuamente nos primeiros meses de gravidez.

O uso da nimesulida só deve ser orientado quando os benefícios da medicação superarem os riscos, pelo menor tempo e menor dose de medicamento possível, por isso a orientação médica é essencial.

No terceiro trimestre a nimesulida e outros anti-inflamatórios estão contra-indicados por riscos importantes ao desenvolvimento fetal e complicações durante o parto como atonia uterina, distocia e prolongamento do tempo de parto.

Os anti-inflamatórios quando usados no terceiro trimestre podem induzir o fechamento precoce do ducto arterial, causando disfunções cardíacas graves.

Pode tomar nimesulida durante a amamentação?

Durante o período de amamentação o uso de nimesulida também é contra-indicado, já que não está bem determinado se o medicamento é ou não excretado pelo leite materno.

Nimesulida provoca infertilidade?

Alguns estudos mostram que a nimesulida interfere na fertilidade, dificultando a gravidez em mulheres que desejam engravidar, portanto, o seu uso também é contra-indicado para mulheres que desejam engravidar.

Para mais informações sobre o efeito da nimesulida e de outros anti-inflamatórios na gestação e lactação consulte o seu médico ginecologista ou médico de família.

Sapinho na boca de bebê: O que é, quais os sintomas e como tratar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O sapinho é uma infecção causada por fungos, muito comum em bebês pequenos. Podendo afetar a boca (candidíase oral) ou a região ao redor do ânus, com tendência para se manifestar em períodos em que o organismo do bebê está com a imunidade mais baixa.

O sapinho na boca ocorre sobretudo em bebês que usam mamadeira e chupeta, já que o fungo causador da candidíase oral pode se proliferar facilmente nesses objetos.

Sintomas

Os sinais e sintomas que caracterizam a presença de sapinho na boca do bebê são pequenos pontos brancos semelhantes a restos de leite, que podem surgir nos lábios, nas gengivas, na parte interna das bochechas e na língua.

As manchinhas são difíceis de sair da boca e podem ser dolorosas. Por isso não se deve tentar tirá-las ou raspá-las, pois pode piorar o quadro e causar ainda mais dor ao bebê.

Os casos mais graves de sapinho podem provocar ainda febre, tosse, inapetência e problemas estomacais

Vale lembrar que a mãe pode ser infectada pelo bebê através da amamentação. Nesses casos, o sapinho se manifesta no bico do seio, causando coceira, descamação e ardência no local.

Tratamento

O tratamento do sapinho em bebês é feito com medicamentos antifúngicos que são aplicados diretamente na boca da criança. Não se trata de uma doença grave, mas é necessário tratá-la adequadamente para que a infecção não se agrave.

O tratamento também deve ser feito pelas mães que estão amamentando para evitar que sejam infectadas ou perpetuem essa infecção.

Prevenção

Para prevenir o aparecimento de sapinho na boca do bebê, recomenda-se higienizar adequadamente as chupetas, as mamadeiras, mordedores, e todos os objetos que fizerem parte do dia a dia do bebê, sobretudo se o bebê ainda não tiver completado 6 meses de vida.

Também deve ser evitado que a criança coloque coisas na boca, ou receba beijos de adultos na boca, já que esse hábito pode favorecer o desenvolvimento do fungo.

O tratamento do sapinho na boca do bebê pode demorar meses e deve ser acompanhado pelo/a médico/a pediatra.

Saiba mais em:

Sapinho na boca: Quais os sintomas e como tratar?

Quais são os sintomas da candidíase?

Posso dar paracetamol para o bebê se ele tem dores?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. O Paracetamol pode ser utilizado por bebês na dosagem apropriada e indicada pelo/a médico/a. 

O Paracetamol é um analgésico indicado para o alívio de dores e febre. O uso dele pode ser feito por bebês, porém a dosagem muda de acordo com o peso do/a bebê. Esse deve ser o cuidado ao oferecer a medicação para bebês, para garantir a eficácia e evitar superdosagem. 

Dessa forma, quando for identificada uma situação de dores ou febre, pode ser dado o Paracetamol para o/a bebê. Caso a dor e a febre persistam, é conveniente procurar um serviço de saúde para uma consulta detalhada.  

Como tratar assadura em bebê?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A assadura é uma inflamação cutânea causada pelo contato da pele com as fezes e a urina, que deixa a pele vermelha, inchada e pode evoluir para bolhas e feridas, causando desconforto no bebê.

Para prevenir as assaduras, a primeira medida é trocar frequentemente a fralda do bebê. O ideal é usar água e sabonete neutro para lavar a criança. Pode-se passar também algodão com água morna na região, várias vezes, para limpar. Deve-se trocar a fralda sempre que notar a presença de urina ou fezes (ela fica mais pesada).

Pode ser necessário aplicar pomada que forme uma barreira entre a pele do bebê e a fralda, prevenindo a ocorrência de assaduras. Existem várias opções disponíveis. Também é aconselhável deixar as nádegas do bebê arejando por um período, mesmo que curto, para a pele ficar seca e preparada para receber a nova fralda.

Se já houver assadura, limpe bem a região e faça compressas de água morna por 15 minutos, três vezes ao dia. Aplique a pomada que promove a barreira entre as fezes e a urina e a pele do bebê. Se a assadura não melhorar em 24 horas, mesmo aplicando a pomada em cada mudança de fralda, é melhor falar com o pediatra.

Cuidado: se a irritação estiver em “carne viva” ou com bolhas, pus e feridas, deve-se procurar o pediatra rapidamente. Casos em que as lesões foram provocadas por fungos e bactérias, pode ser necessário usar um antimicótico ou até mesmo antibiótico. Só o médico pediatra poderá fazer o diagnóstico e prescrever o tratamento.

Posso tomar Amoxicilina amamentando?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A Amoxicilina pode ser usada pela mulher que está amamentando.

Porém, vale ressaltar que qualquer antibiótico somente deve ser usado com recomendação médica e pelo período e dosagem indicados na receita médica. O uso de antibióticos de forma não segura e sem uma necessidade pode causar resistência antibiótica.

Os antibióticos são indicados em casos de infecções causadas por bactérias. Em alguns casos, o medicamento é usado para prevenir infecções bacterianas, como em pós-operatórios, por exemplo.

Vale lembrar que os antibióticos não servem para tratar doenças causadas por vírus, como gripes, Dengue, amigdalites virais, entre outras.

O uso incorreto do antibiótico, como no caso do antibiótico não ser adequado para aquela infecção bacteriana específica, não elimina as bactérias infecciosas e pode fazer com que as bactérias desenvolvam resistência a antibióticos.

Para evitar a resistência das bactérias ao antibióticos, é fundamental seguir o tratamento até ao fim, no tempo e nas doses prescritas pelo médico, mesmo que os sintomas tenham aliviado ou desaparecido.

Apesar de ser secretada pelo leite materno em pequena quantia, a Amoxicilina não acarreta problemas no desenvolvimento da criança.

Use medicamentos apenas com indicação médica e, em caso de dúvidas, procure uma unidade de saúde para uma consulta médica.

Bebê de 1 ano que faz coco 4 vezes ao dia, é normal?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Se o bebê não tem outros sintomas, as fezes não mudaram e esse já é um padrão que ele vem apresentando no decorrer do tempo é normal sim.

É esperado que bebês e crianças tenham alguma variação no hábito intestinal, algumas crianças podem ter um maior número de evacuações do que outras, além disso, mudanças na alimentação e no estilo de vida, como a prática de atividade física também podem interferir no funcionamento do intestino.

No entanto, quando o número de evacuações muda e aparecem alguns sintomas os pais devem ficar mais atentos. Entre esses sintomas podemos destacar:

  • Dor abdominal
  • Vômitos
  • Sangramentos ou muco nas fezes
  • Distensão abdominal
  • Falta de apetite
  • Agitação, choro ou sonolência excessivos
  • Fezes líquidas
  • Fezes endurecidas 

Caso esses sintomas venham acompanhados da mudança de hábito intestinal vale consultar o médico de família ou o pediatra da criança para uma avaliação.

Leia também:

Fezes com muco em e bebês e crianças é grave? O que pode ser?

Ultrassom para descobrir o sexo do bebê
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Quando o ultrassom mostra que o bebê é um menino é difícil o médico estar errado porque ele precisa ver o pênis do menino para dizer que é menino. No caso da menina não há nada para ver, então é mais fácil o médico errar o sexo. Menino a chance de erro é muito pequena e menina a chance de erro é maior.

Quando a criança (bebê) começa a ter firmeza nas pernas? Com quantos meses?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Nenhum bebê nesta idade (6 meses) deve ter força suficiente para ter firmeza nas pernas, no máximo ficar sentada com o corpo ereto. A idade ideal para a criança começar a ficar firme de pé e apoiada é entre 9 a 12 meses. Mas eu já tive crianças que eram perfeitamente normais e ficaram com as pernas firmes muito depois de um ano de idade. Cada criança tem seu tempo certo, esteja sempre atenta ao desenvolvimento de sua filha e qualquer dúvida consulte o pediatra.

Sustos prejudicam a gravidez ou o bebê?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Os sustos e sua preocupação aliados ao fato de já ter tido 3 abortos, demonstram o quanto você está ansiosa e a ansiedade é ruim para a gravidez, tente se acalmar e tudo vai dar certo.

Um bebê formado nas trompas ou no ovário pode sobreviver?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O embrião que se fixa fora da cavidade uterina não é viável e, geralmente, não sobrevive.

A maioria das gestações ectópicas ocorre na tuba uterina e representa uma situação de risco materno com possibilidade de ruptura da tuba uterina e hemorragia interna grave.

A gravidez ectópica normalmente é diagnosticada no início da gestação e, pelo fato do embrião se fixar em uma região que não proverá os nutrientes necessários para o desenvolvimento apropriado, ele poderá ter diversas deformidades que são inviáveis à vida.

O tratamento adequado da gravidez ectópica reduz essas possíveis complicações e é capaz de salvar a vida das mulheres em risco.